Pular para o conteúdo

Arquivo de

40 pés em primeiro, 21 pés em segundo: mudanças na BRA-RGS equilibram barcos diferentes em SC

Tripulação do Zephyrus rumo à bóia de chegada.

O Campeonato Brasileiro de BRA-RGS iniciou ao meio dia desta terça feira, 8 de fevereiro, em Florianópolis, com a realização da regata de percurso médio, que levou as tripulações dos 15 veleiros que largaram até a Ilha de Mata Fome, no litoral nordeste da Ilha de Santa Catarina.

As pouco mais de 22 milhas foram cobertas em 3h41m pelo Feitiço (Fast 395 II, de Carlos Augusto de Matos), fita azul e vencedor no tempo corrigido. O último barco a cruzar a linha de chegada montada junto ao Iate Clube de Santa Catarina, agremiação que sedia a competição, precisou de pouco mais de 5 horas na raia. O segundo colocado foi o Tigre/Mormaii (Delta 21, de Alberto Santoro), com o Zephyrus/Tempo (Velamar 29, de Tarcísio Mattos, nosso cronista), em terceiro lugar.

Foi uma regata bastante técnica, realizada num percurso que exigiu o uso de todas as velas em suas mais variadas mareações e que contou com vento nordeste que soprou entre picos de 16 nós e uma quase calmaria; com mar tranquilo dentro da baía Norte e ondulação em mar aberto, e com as já clássicas negociações com o mar desencontrado junto aos costões e ilhas que margeiam Florianópolis.

O Feitiço, um dos maiores veleiros presentes na raia, aproveitou os ventos fortes do início da regata e o conhecimento da raia para abrir grande vantagem sobre os adversários e garantir a vitória no tempo corrigido, apesar de seu elevado rating. O Tigre usou com sabedoria os momentos de ventos fracos e as manobras de contorno da ilha de Mata Fome para se manter próximo aos barcos maiores e garantir a segunda colocação após o cálculo de correção de tempo, pois, ao contrário do Feitiço, o Delta 21 corre com o rating mais baixo entre os barcos da Flotilha presente no campeonato.

Esta edição do Brasileiro de BRA-RGS apresenta a novidade de não haver subdivisão de classes e de ser a primeira prova disputada após as profundas alterações na Regra da Classe. Walter Becker, presidente nacional da BRA-RGS e tripulante do Jylic II, quinto colocado na regata de abertura, ficou satisfeito com o primeiro resultado após as mudanças: “Creio que estamos no caminho certo. Dois barcos tão diferentes com resultados tão próximos valorizam o trabalho das tripulações, mostram que a regra está mais justa e que vence quem veleja melhor”.

O Plancton (Schaefer 31, de Pedro Santiago), atual Campeão Brasileiro na subdivisão A, chegou em sexto lugar, e o Magia (Delta 26, de Rodrigo Cunha), vencedor da B em 2010, chegou em quarto lugar.

Paulo Cesar de Barros Pinto, proeiro do Zephyrus, ficou surpreso com o resultado. “Velejamos bem, não cometemos erros, mas não esperava uma colocação tão significativa. Estou ansioso para o início da série de barla-sotas, onde veremos, com mais clareza, o que as mudanças na regra e no formato da competição vão produzir. Pelo resultado de hoje, posso prever disputas emocionante na água e no mural de resultados”, espera.  

O Brasileiro de BRA-RGS prossegue nesta quarta feira, provavelmente com a realização da primeira regata técnica, e termina no sábado, dia 12. O Zephyrus corre com apoio das empresas Tempo Editorial e Made in Floripa. Bem legal a empolgação da galera! Valeu Tarcísio!

  

RGS Cat. Tmfaa H. Chegada Tempo Real
FEITIÇO A 1,0244 15:52:49 3:41:49  
TIGRE II C 0,8186 16:56:09 4:45:09
ZEPHYRUS B 0,8471 16:48:57 4:37:57
MAGIA B 0,8403 16:51:24 4:40:24
JYLIC II A 0,9778 16:13:46 4:02:46
PLANCTON A 0,9044 16:35:40 4:24:40
BRUXO A 0,9055 16:35:24 4:24:24
SCIROCCO A 0,9702 16:18:28 4:07:28
ARGONAUTA A 0,9124 16:35:38 4:24:38
10º GARROTILHO A 0,9370 16:30:46 4:19:46
11º NEMO B 0,8333 17:16:31 5:05:31
12º INAÊ/TRNASBRASA A 1,0762 16:09:02 3:58:02
13º MISSIONÁRIO A 0,9466 16:44:35 4:33:35
14º BRASCOLA B 0,8592 17:20:10 5:09:10
15º BOM ABRIGO B 0,8729 17:22:02 5:11:02
16º BANZAI C 0,8024 0:00:00 0:00:00
Com Tarcísio Mattos

  

 

Organização divulga participantes da Extreme Sailing Series 2011

O design do barco permite que mesmo com vento fraco ele alcance velocidades incríveis

A organização divulgou nesta terça-feira a relação completa das equipes que irão participar do Extreme Sailing Series 2011. São eles: Artemis Racing, Alinghi, Groupe Edmond de Rothschild, Luna Rossa, Niceforyou, Oman air, Red Bull Extreme Sailing, Team-Extreme, Team Gac Pindar, Team New Zealand e The Wave Muscat.

Dentre os velejadores, nada menos do que 29 atletas olímpicos que trazem em suas carreiras quatro medalhas de ouro, duas de prata e duas de bronze, além de 12 recordistas de travessias oceânicas, 97 campeões mundiais, 11 velejadores de volta ao mundo e 69 atletas que já correram a Copa América. Alguns dos principais nomes são o americano Tery Hutchinson, o neozelandês Dean Barker e o francês Sydney Gavignet. E o cat de 40 pés só deixa o espetáculo ainda mais bonito!

Velejadores da BWR devem passar por icebergs nos próximos dias

Apesar de estarem velejando mais próximos da costa da Austrália, alguns dos velejadores da Barcelona World Race relataram que têm se revezado para evitar o choque com icebergues na região. “Ainda não vimos um iceberg, mas de acordo com o report que recebemos ontem (domingo), existe um no nosso caminho”, relatou Pepe Ribes a bordo do Estrella Damm, 3º colocado. Enquanto isso os líderes Jean Pierre Dick e Loick Peyron perderam terreno para o Mapre, segundo colocado. A vantagem que ontem chegou a ser de 781 milhas, a maior desta edição da regata, hoje caiu para 635,9 milhas. Um perigo!

Gutek se choca com uma árvore submersa na Velux 5 Oceans

A terceira perna da Velux 5 Oceans largou no último dia 6, na Nova Zelândia, mas o velejador polonês Zbigniew “Gutek” Gutkowski já sofreu o primeiro incidente da etapa. Logo após ouvir o barulho estrondoso no casco do seu Eco 60 ele foi conferir a bolina e encontrou uma árvore presa a ela. “Eu estava velejando com dois rizos na mestra e com a solent jib. De repente o barco desacelerou e eu ouvi um barulho enorme. Pensei que tinha me chocado com um container”. Após algumas horas, com o dia já clareando, Guteck fez uma manobra para parar o barco e foi aí que a árvore, de aproximadamente 10 metros, saiu flutuando ao lado do barco. Apesar do incidente, o velejador segue na 2ª colocação da regata, atrás apenas de Brad Van Liew. É tempo de colheita no Pacífico…

2ª etapa do Circuito UpWind acontece no final do mês

Nos dias 26 e 27 de fevereiro acontece em Arraial do Cabo a 2ª etapa do Circuito UpWind. O campeonato será aberto para windsurfe, e e stand up paddle. Mais informações no site http://www.upwind.com.br/ Velejando no paraíso!!

%d blogueiros gostam disto: