Pular para o conteúdo

Arquivo de

CBVM divulga IR da Semana Brasileira de Vela

A CBVM divulgou nesta terça-feira as Instruções de Regata da Semana Brasileira de Vela e a segunda alteração do Aviso de Regatas. O documento está disponível em: http://bit.ly/e0rDLA .

Seletiva Pan-Americana começa hoje em Floripa

As regatas da Semana Brasileira de Vela começam a ser disputadas a partir desta quarta-feira, ao meio-dia, no Iate clube de Santa Catarina, na praia do Jurerê, em Florianópolis. O evento definirá os velejadores brasileiros nos Jogos Pan-Americanos de Guadalajara, no México, em outubro. O País tem vaga garantida nas sete classes da competição mexicana (Hobie Cat 16, J/24, Laser, Lightning, RS:X, Snipe e Sunfish). Apenas a classe J/24 não está incluída na disputa, em Santa Catarina.

Na primeira semana, as regatas ficam restritas às categorias Hobie Cat 16, Lightning, Snipe e Sunfish (terá disputas com barcos da classe Laser Radial). Os vencedores destas quatro classes estarão classificados para o Pan.

As seletivas das classes Laser Standard (masculino), Laser Radial (feminino),RS:X (masculino) e RS:X (feminino), que são olímpicas e pan-americanas, serão disputadas na semana que vem, entre 21 e 27. No mesmo período ocorrem também as seletivas de mais seis classes olímpicas: Star (masculino), Finn (masculino),49er (masculino), 470 (masculino), 470 (feminino) e Match Race(feminino).

Os melhores em cada classe, na soma dos resultados da Semana Brasileira de Vela e dos Campeonatos Brasileiros, formarão a Equipe Brasileira de Vela Olímpica, que disputará os principais eventos internacionais desta temporada e o Pan-Americano no caso da Laser e RS:X.

A programação tem início nesta terça-feira com a pesagem dos velejadores e o encerramento do prazo de inscrições, às 18 horas. Já os interessados em participar da seletiva olímpica poderão inscrever-se até o dia 21. A cerimônia de abertura da Semana Brasileira de Vela está programada para a quarta-feira (16), às 11 horas, na sede do Iate Clube de Santa Catarina – Veleiros do Sul. As regatas começam sempre ao meio-dia.

O superintendente da Confederação Brasileira de Vela e Motor, Ricardo Baggio, aposta em equilíbrio em várias classes. “As seletivas pan-americanas e olímpicas deverão apresentar muita disputa em várias modalidades. Acreditamos que os bons ventos da costa catarinense ajudarão na realização de regatas de alto nível técnico”, analisou Ricardo Baggio.

Favoritos de cada classe – A classe J/24 é a única pan-americana que não terá seletiva. Os atuais campeões Sul americanos e Brasileiro, Maurício Santa Cruz, Alexandre Silva, Daniel Santiago e Guilherme Hamelmann devem ficar com a vaga por critérios técnicos. Na classe Lightning, a disputa deverá ser acirrada entre as tripulações de Cláudio Biekarck e Mário Buckup.

Na Sunfish, que será disputada por barcos da Laser Radial, Matheus Dellagnelo, Bruno Fontes e Eduardo Couto são cotados como os favoritos. Na classe Snipe, o duelo será entre os últimos campeões pan-americanos. Alexandre Paradeda (ouro no Rio 2007) e Gabriel Kieling enfrentam Bruno Bethlem e Dante Bianchi (ouro em Santo Domingo 03).

A seletiva da Hobie Cat 16 terá a maior presença de velejadores de Santa Catarina na raia, mas a parceria Bernardo Arndt e Bruno Oliveira promete fazer valer os resultados de 2010 e ficar com a vaga no Pan. A dupla levou, no ano passado, os títulos nacional e sul-americano da categoria.

Vela no Pan – A vela apareceu no calendário dos Jogos Pan-Americanos em 1951, na edição de Buenos Aires, na Argentina. As classes Snipe e Star foram escolhidas para a estreia da modalidade. Os primeiros medalhistas brasileiros foram Ronaldo Bueno e Gastão de Souza, que levaram o ouro na classe Star. Até hoje, os atletas do País conseguiram 62 medalhas na história do evento, sendo 27 de ouro, 21 de prata e14 de bronze.

Os velejadores brasileiros só perdem para os Estados Unidos na história da competição em número de medalhas. Na última edição do Pan, no Rio de Janeiro, foram sete medalhas. Destaque para os títulos nas classes J/24 (Maurício Santa Cruz, Carlos Jordão, Alexandre Silva e Daniel Santiago, RS:X (Ricardo Winicki) e Snipe (Alexandre Paradeda e Pedro Tinoco).

Medalhas por classe
Europa
Ouro – 1995 – Márcia Pelicano
Prata – 1999 – Fernanda Guedes

Finn
Ouro – 1963 – Hans Domschke
Ouro – 1967 – Joerg Bruder
Ouro – 1971 – Joerg Bruder
Prata – 1975 – Cláudio Biekarck
Prata – 1991 – Cristoph Bergmann
Bronze – 1999 – Bruno Prada

Flying Dutchman
Ouro – 1963 – Joaquim Roderbourg/Klaus Hendricksen
Prata – 1967 – Reinaldo Conrad/Burkhard Cordes
Ouro -1975 – Reinaldo Conrad/Burkhard Cordes

HobieCat 16
Prata – 1999 – Patricia Kirschner/Claudio Cardoso

J/24
Prata – 2003 – Mauricio Santa Cruz/João Carlos Jordão/DanielSantiago/Alan Adler
Ouro – 2007 – Maurício Santa Cruz, Carlos Jordão, AlexandreSilva e Daniel Santiago

Classe Laser
Ouro – 1983 – Pedro Bulhões de Carvalho
Prata – 1987 – Jonas Penteado Filho
Ouro – 1991 – Peter Tanscheidt
Prata – 1991 – Marion Scheel
Ouro – 1995 – Robert Scheidt
Bronze – 1995 – Maria Krahe
Ouro – 1999 – Robert Scheidt
Bronze – 1999 – Isabela Malpighi
Ouro – 2003 – Robert Scheidt
Bronze – 2007 – Adriana Kostiw
Prata – 2007 – Robert Scheidt

Lightning
Ouro – 1959 – Eric Schmidt/Axel Schmidt/Antonio Luiz Barbosa
Prata – 1963 – Eric Schmidt/AxelSchmidt/Robinson Hasselman
Prata – 1967 – Renato Matta/Fernão Dias/Mario Borges
Ouro – 1971 – Mario Buckup/PeterFicker/Manfred Von Schaffhausen
Ouro – 1979 – Mario Buckup/RalphChristian/Joaquim Feneberg
Ouro – 1983 – Claudio Biekarck/GunnarFicker/Ralph Berger
Bronze – 1987 – Claudio Biekarck/GunnarFicker/Carlos Wanderley
Bronze – 1991 – Claudio Biekarck/Gunnar Ficker/MarceloSilva
Prata – 1995 – Claudio Biekarck/Gunnar Ficker/MarceloSilva
Prata – 1999 – Claudio Biekarck/Gunnar Ficker/MarceloSilva
Bronze – 2007 – Claudio Biekarck/Gunnar Ficker/MarceloSilva

RS:X
Prata – 1999 – Ricardo Winicki
Bronze – 1999 – Christina Mattoso
Ouro – 2003 – Ricardo Winicki
Ouro – 2007 – Ricardo Winicki
Prata – 2007 – Patrícia Castro

Snipe
Prata – 1951 – Jean Maligo/Geraldo Motoro
Ouro – 1959 – Reinaldo Conrad/Antonio Barros
Ouro – 1963 – Reinaldo Conrad/Ralph Conrad
Ouro – 1967 – Nelson Piccolo/Carlos Lorenzi
Ouro – 1971 – João Reinhard/Ralph Christian
Prata – 1975 – Gregorio Pontes/Luiz Reis
Bronze – 1979 – Boris Ostergreen/Ernesto Neugebauer
Bronze – 1987 – Ivan Pimentel/Marcos Vianna
Prata – 1999 – Alexandre Paradeda/Flávio Fernandes
Ouro – 2003 – Bruno Bethlem/Dante Bianchi
Ouro – 2007 – Alexandre Paradeda/ Pedro Tinoco

Soling
Prata – 1979 – Eduardo Souza Ramos/ThomasHeimann/Manfred Kauffmann
Ouro – 1983 – Torben Grael/Daniel Adler/Ronaldo Senfft
Bronze – 1987 – Torben Grael/DanielAdler/Ronaldo Senfft

Star
Ouro – 1951 – Ronaldo Bueno/Gastão de Souza
Bronze – 1963 – Harry Adler/Luiz Carlos Ramos
Prata – 1983 – Peter Ficker/Werner Soenksen
Bronze – 1987 – Gastão Brun/Carlos McCoutney

470
Ouro – 1983 – José Luiz Ribeiro/Paulo Ribeiro
Prata – 1991 – Bernardo Arndt/Eduardo Melchert
Bronze – 1991 – Monica Scheel/Claudia Swan

Por Flavio Perez, da ZDL de Comunicação

Projeto Guará Náutico está com inscrições abertas no PR

A ENAMAR – Escola de Náutica e Marinharia de Guaratuba, iniciando seu sexto ano de atividades, informa que abrirá inscrições para as aulas do Projeto Guará Náutico que terá inicio no dia 22 de fevereiro de 2011. O Projeto Guará Náutico, que já atendeu 450 crianças e adolescentes das escolas de Guaratuba desde 2005, é uma iniciativa privada que ensina vela, canoagem e marinharia gratuitamente.

As inscrições serão realizadas nos dias 17 e 18 de fevereiro das 14h às 17h, na Rua Newton de Souza, 51, Centro, próximo ao Mercado Municipal de Guaratuba, ao lado da Associação Náutica Porto Estaleiro. O número de vagas é limitado a 50 alunos. O interessado, menino ou menina, deverá ter idade entre 12 e 17 anos, estar regularmente matriculado na escola, apresentar cópia da certidão de nascimento ou cópia da carteira de identidade.

No ato da inscrição será fornecida ficha de inscrição que depois de preenchida deverá ter a assinatura do pai, ou responsável legal, autorizando o aluno a participar das atividades náuticas. A contra partida do aluno será demonstrar seu melhor rendimento escolar. Também participarão das atividades do Projeto Guará Náutico os alunos da APADVG – Associação de Pais e Amigos do Deficiente Visual de Guaratuba. Se liguem , interessados!

Projeto Vela para Todos termina 2011 com saldo positivo na Ilhabela

O Projeto Vela para Todos, da Prefeitura de Ilhabela, encerra a temporada 2011 com saldo positivo: ao todo foram mais de 550 pessoas que aprenderam a arte de velejar, oriundas de cinco países e oito estados brasileiros.

De acordo com o diretor náutico da prefeitura de Ilhabela, Edmar Alves, “as pessoas ficavam maravilhadas em aprender a velejar gratuitamente, ainda mais na cidade que tem como slogan ser a Capital da Vela”.

Participaram do “Vela para Todos” turistas da França, Estados Unidos, Uruguai, Argentina e Chile, além de pessoas de oitos estados brasileiros, totalizando mais de 550 pessoas. O projeto esteve nas praias: Grande (Sul), Itaquanduba (Central), Vila (Centro Histórico) e Garapocaia (Norte). As aulas eram sempre ministradas por instrutores de vela, experientes na arte de velejar.

Ainda como parte do “Vela para Todos”, os alunos da Apae de Ilhabela (Associação de Pais e Amigos dos Excepcionais) participaram na quarta-feira, 9, na Praia do Perequê, de aulas exclusivas do projeto. Graande iniciativa!

Imperdível! Senhores do Vento será exibido em Floripa com Torben na plateia

No próximo domingo, dia 20,  o Paradigma Cine Arte, em Florianópolis,  irá exibir o documentário Senhores do Vento, sobre a aventura vivida pela tripulação brasileira na Volvo Ocean Race. Além da exibição o público vai poder conversar com Torben Grael, comandante do Brasil 1. As sessões serão exibidas às 19h15 e 21h30  na Rod. José Carlos Daux (SC-401), nº 8600. Centro Empresarial Corporate Park, Bloco 8 Sala 2, bairro Santo Antonio de Lisboa. Imperdível!!

Ronaldo reeditado

Queridos, há alguns anos escrevi um pequeno texto sobre um assunto que não é Vela. E como sou fã de um tal Ronaldo que nos deixou, republico hoje com a reverência que este homem ímpar merece. 

PENTA

Havia um Ronaldo em campo. Um Ronaldo de chuteiras iridescentes. Um Deus do esporte. Um mito.

A glória não é privilégio de uma pessoa, de um ego único como querem os individualistas de nossa época. Apenas, a alguns, é dado o privilégio de ser Deus por uns poucos momentos. De trazer a si toda a grandiosidade cósmica das forças desconhecidas que regem as energias invisíveis. Ronaldo é um Deus. Um Deus humilde. Vindo de um subúrbio quente a incontáveis estações do centro. Um Deus sorridente. Um dos verdadeiros Deuses brasileiros que permitem aos daqui a sua inacreditável alegria.

Um daqueles que na mitologia ancestral poderia ser descrito como o predestinado que, nascido entre o povo, teve aos seus pés reis e rainhas, príncipes e súditos,  sacerdotes e oficiais. Que apesar de abatido em pleno campo, apesar de desacreditado pelos seus, ressurgiu cheio de si aos olhos do mundo na batalha mais importante da maior das guerras. E com a unção de seus iguais – os Deuses – fez de si o instrumento divino da alegria de seu povo.

Em mil anos será contada a sua história. De como seus pés de prata venciam céleres os verdes campos de batalha. De como sua dor imensa desnudada em frente a todos, pouco antes, se transformou na mais pura alegria da vitória. De como venceu o tempo. De como venceu a dor. De como venceu o medo. De como venceu outros Deuses.

A glória do esporte é pura. O Olimpo conspurcado pelos burocratas da Ferrari, do Vasco da Gama, da CBF ou de qualquer outra entidade não se deixa conquistar tão facilmente. As cifras milionárias que povoam a cabeça dos medíocres e dos invejosos não são capazes de comprar um novo joelho. Uma nova coragem. Uma nova alma. O amor, a determinação, a superação e a fé são.  Ronaldo escreveu seu nome na história como uns dos exemplos mais bonitos que poderia haver. Ao demonstrar de maneira inequívoca a nossa superioridade – a sua – chorou. Ao deixar por terra a arrogância de seus inimigos – a soberba – perdoou. Ao alcançar os píncaros da glória – o ápice – agradeceu.  E na sua redenção pessoal redimiu todo um povo. Um planeta. Uma humanidade inteira.

Todos os que por poucos momentos se unem numa religião que cultua um objeto esférico, tal como a nave que os abriga pelo espaço, hoje viram um Deus em campo. Um homem que confinado na sua realidade, a transformou. Que confrontado pela adversidade, sonhou. Que paralisado pela sua própria limitação, a superou. Hoje os deuses estão felizes. Há agora entre eles um novo ser. Um Ronaldo que com pés de prata e joelho de platina escreveu na história com letras maiúsculas: Deus é brasileiro. É brasileiro, nasceu em Bento Ribeiro, filho de um funcionário da finada Telerj. Amém!

Loyal vence o Circuito de Santa Catarina

A equipe do pequeno 'San Chico', que sempre incomoda os barcos maiores

Terminou neste final de semana o Circuito de Santa Catarina. Com 11 pontos perdidos o título geral da competição ficou com Loyal, de Marcelo Massa. Na RGS o título ficou com o Tigre II. Na classe Bico de Proa A, o campeão foi o Taura, enquanto na B o título ficou com o Ces’t La Vie. Na Multicasco o campeão foi o Verde Amarelo, e na S40 o título ficou com o Crioula.

Leia abaixo o relato da tripulação do San Chico, terceiro colocado geral da classe ORC.

Boa noite a todos, após duas grandes regatas saímos de quarto lugar no geral para terceiro e segundo na classe ORC Int 600.

Hoje tivemos duas regatas barla-sota. Na primeira regata, conseguimos abrir bastante de nossos adversários diretos mas por 11 segundos ficamos em segundo lugar, perdendo para o Katana que hoje resolveu voltar a andar muito e dando muita dificuldade para o Best Felow. O vento era fraco, do quadrante norte a nordeste não superando os 8 nós. Fizemos uma regata impecável mas não foi suficiente para superar o Katana que velejou muito bem.

Já na segunda regata do dia, após uma largada perfeita, com vento bom e muita velocidade velejamos toda a regata muito próxima dos barcos grandes (40.7, First 40 e First 47.7). Velejamos tão bem que os barcos grandes não conseguiam se afastar. Na primeira boia, montamos na frente de quatro barcos bem maiores que nosso Tripp 33. E no final ganhamos esta regata com mais de 2 minutos de vantagem no tempo corrigido. O San Chico contou com a seguinte tripulação: Francisco Freitas(Comandante), Xico Freitas (Timoneiro), Felipe Loss(Navegador), André Warlich(Tática), Rodrigo Rosa(Escotas), Airton Schineider(Adriças) e Marcio Rosa(Proeiro).

O campeonato no geral ficou da seguinte forma:

  1. Loyal 11 pontos perdidos
  2. Best Fellow 14 pontos perdidos
  3. San Chico2 15 pontos perdidos
  4. Katana 17 pontos perdidos
  5. Zeus 17 pontos perdidos
  6. Miragem 27 pontos perdidos
  7. Absoluto 30 pontos perdidos
  8. Angela Star 35 pontos perdidos
  9. Lucky 35 pontos perdidos
  10. Parru First 45 pontos perdidos

Na Classe ORC Int 600 ficou da seguinte forma:

  1. Best Fellow
  2. Sanchico2
  3. Katana

 

%d blogueiros gostam disto: