Pular para o conteúdo

Arquivo de

Oitava equipe confirma inscrição na Copa América

Um oitavo time confirmou nesta quarta-feira a inscrição para a Copa América. O nome da equipe deverá ser divulgado em breve. Até o momento participarão da competição os desafiantes Aleph (França), Artemis Racing (Suécia), Energy Team (França), Mascalzone Latino (Italia), Team Australia, e uma equipe secreta, além do defensor Oracle Racing. As inscrições estão abertas até o dia 1º de março.

Ingressos para as Olimpíadas serão vendidos em março

No dia 15 de março começarão a ser vendidos os ingressos para as Olimpíadas de Londres. Os interessados terão seis semanas para escolher os jogos e os horários que quer assistir às disputas e preencher um formulário no site http://www.tickets.london2012.com. Os ingressos para as Paraolimpíadas seguirão os mesmos moldes, porém serão vendidos a partir do dia 9 de setembro. Os preços serão divulgados em maio.

Izabel Pimentel confirma presença na Regata Salvador-Ilhéus

Izabel Pimentel,  primeira brasileira a atravessar o Atlântico sozinha em um barco a vela, confirmou sua presença na 14ª edição da regata Salvador-Ilhéus.”Estou muito feliz de novamente estar presente nessa regata e convido os velejadores a participarem desse belo evento da vela nacional”, diz ela. A regata acontece nesta sexta, sábado e domingo e contará com o apoio do Aratu Iate Clube, Federação dos Esportes Náuticos do Estado da Bahia (Feneb) e da Capitania dos Portos. Todos a bordo!

Inscrições da final sul-americana da Nations Cup são prorrogadas

O grande interesse no match race na América do Sul fez com a Isaf prorrogasse até o dia 15 de março as inscrições para a final regional da Nations Cup. Antes do campeonato o Veleiros do Sul irá promover clínicas da modalidade no nível básico e avançado. Participam da competição velejadores do Chile, Colômbia, Equador, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela, Argentina e Brasil.

Mais de mil milhas atrás, Coville segue confiante no recorde

Apesar de estar quase 1300 milhas atrás do recorde de volta ao mundo em solitário, Thomas Coville não perde as esperanças em sua passagem pelo Oceano Atlântico. “Um dia seria o ideal, temos quase dois, mas poderia ser bem pior com o modo como a alta de Santa Helena se espalhou pelo Atlântico Sul. Nossa meta é rondar o Cabo Horn com no máximo mil milhas atrás”, disse ele. O atual recorde pertence ao Idec de Francis Joyon e para batê-lo, Coville terá que chegar novamente em Ushant, na França, antes do dia 28 de março, às 00h40h34 UTC.

Bruno Fontes disputa vaga pan-americana na Sunfish

O velejador Bruno Fontes (Unimed /Eletrosul / Akakia) inicia nesta semana a disputa pela representação do Brasil no Pan Americano do México em Guadalajara em setembro. O Pré-PAN acontecerá em Florianópolis na praia de Jurerê com a presença de 30 velejadores do dia 16 a 20 deste mês.

Bruno usará o evento para treinamento, já que competirá na classe Radial e na semana seguinte disputará, também em Florianópolis, a Semana Olímpica, que servirá como seletiva na classe Laser para o México.

Para a competição estão programadas onze regatas, com dois destaques. O destaques da competição, além de Fontes será, o atual campeão brasileiro Matheus Dellagnelo, o carioca Eduardo Couto e João Hackerott de São Paulo.

“Mesmo sendo uma nova experiência, pois nunca competi na classe radial acho que tenho condições de conquistar o título do evento, mas meu grande objetivo é usar essa competição para adquirir bastante ritmo de regatas e assim chegar bem preparado para a Semana Olímpica que define a vaga na minha categoria para o México”, salientou Bruno.

Da assessoria do velejador

Vento fraco surpreende participantes do Pré-Pan

A Semana Brasileira de Vela começou, na tarde desta quarta-feira, no Iate Clube de Santa Catarina, na praia de Jurerê, com algumas surpresas. Os ventos fracos, de 8 a 10 nós, apontaram resultados pouco esperados. As classes Hobie Cat 16 e Lightning conseguiram realizar duas regatas, enquanto a Snipe e a Sunfish fizeram apenas uma.

Na classe Sunfish (disputada com barcos da Laser Radial), o velejador catarinense Henrique Back, de 21 anos, aproveitou a falta de vento e o conhecimento da raia para vencer a única regata do dia. “Estou acostumado com esse tipo de rajada, ainda mais aqui no quintal da minha casa. O vento fraco ajuda quem tem o preparo físico pior. Na classe, 50% é força do corpo. Tomara que isso continue”, destaca o jovem velejador do Iate Clube de Santa Catarina, já preparado para ser marcado pelos adversários Bruno Fontes e Eduardo Couto, que ficaram na 26a. e 31a. posições, respecitvamente. Outra surpresa foi a segunda colocada, Mônica Matschinske, de Niterói, que superou 25 homens.

Na classe Snipe, os favoritos Alexandre Paradeda e Bruno Bethlem não conseguiram bom resultado. A dupla Paulo Santos e Rodrigo Inácio venceu a única regata do dia. “Adoro velejar com ventos fracos. Não foi muita surpresa esse primeiro lugar. Nós somos muito rápidos nessas condições, sem falta modéstia os melhores do mundo. O título mundial máster da categoria é uma prova disso”, relata o experiente velejador Paulo Santos, quarto colocado no Pan de Caracas/83, também na Snipe.

A família Buckup venceu as duas regatas da classe Lightning. “Estamos correndo leves, livres e soltos, sem pressão. Não poderia ter sido melhor, nosso barco é rápido com pouco vento. Durante a semana analisamos a estratégia de regata e verificamos nos sites especializados que as condições meteorológicas iriam nos favorecer. Deu certo”, comemora Mário Buckup, que velejou ao lado da mulher Telma e o filho Marc.

Na classe Hobie Cat 16, a surpresa foi a dupla José Roberto de Jesus e Anderson Souza Brandão, de Ilhabela. A parceria favorita ao título da seletiva Bernardo Arndt e Bruno Oliveira ficou em terceiro. “Na categoria, a ausência de ventos atrapalha as manobras de bordo. O barco perde velocidade e fica difícil recuperar”, lamenta Arndt.

A primeira semana reúne, até este domingo, 95 velejadores inscritos em 62 barcos. Estão previstas 11 regatas, com dois descartes, sempre começando ao meio-dia. O recorde de participantes foi confirmado na classe Sunfish com 33 embarcações na raia. Nesta categoria, os velejadores utilizam equipamentos da Laser Radial, já que não existem barcos com essas especificações no Brasil.

Bruno Prada disputa vaga na Lightning e na Star – As disputas na Lightning prometem apresentar alto nível técnico até domingo. As tripulações de Cláudio Biekarck, Mário Buckup, Diego Mello e Bruno Prada duelam na raia na praia do Jurerê. Bruno Prada, proeiro de Robert Scheidt na Star, quer confirmar a vaga no Pan na Lightning, apesar da concorrência. O velejador está competindo ao lado de Juan de La Fuente e Nicolas Brancher. “A gente vem pra brigar, mas na pior das hipóteses, a nossa tripulação sempre aprende uma regulagem nova. A classe é muito difícil, com velejadores experientes”, destaca Bruno Prada, que terminou o dia na terceira posição.

O medalhista olímpico de Pequim 2008 participará de toda Semana Brasileira de Vela. Depois das regatas da Lightning, Bruno Prada compete na Star ao lado de Robert Scheidt. “Na opinião dele (Robert Scheidt), eu deveria estar descansando. Eu vou emendar cinco dias na seletiva do Pan e mais cinco na outra semana, tenho que dar um jeito para ficar inteiro. Mas, o objetivo principal é olhar a raia e entender os regimes de marés e vento de Florianópolis”, conclui Prada. Bruno Prada disputou apenas uma vez os Jogos Pan-Americanos e conquistou a medalha de bronze na classe Finn na edição de Winnipeg/99.

Paradeda também participa de duas classes – Outro medalhista que fará campanha em duas classes diferentes na Semana Brasileira de Vela é o gaúcho Alexandre Paradeda. O campeão do Pan do Rio 2007 na classe Snipe está inscrito para as regatas de 470 na semana que vem. O velejador garante estar focado e preparado para competir em classes diferentes.

“A disputa de Snipe não será fácil. A dupla a ser batida é a atual campeã do mundo formada por Bruno Bethlem e Dante Bianchi. Realmente, eles vêm levando vantagem, por isso não há favoritismo”, projeta Paradeda, que tem como parceiro Gabriel Kieling. Eles levaram o título do Campeonato Brasileiro de Snipe, em Porto Alegre, no início do mês. Apesar disso, começaram a seletiva com um nono lugar nesta quarta-feira.

Resultados do primeiro dia

Hobie Cat 16 – 2 regatas
1- José Roberto deJesus/Anderson S. Brandão – 3 pontos perdidos (1+2)-
2- Claudio Teixeira Jr./ Lawsay Beltrame – 5 (2+3)
3- Bernardo Arndt/ Bruno Oliveira – 6 (5+1)

Sunfish/Laser Radial – 1 regata
1- Henrique Back – 1 pp
2- Monica Matschinske – 2
3- João da Fonseca – 3
4- Geison Mendes – 4
5- Matheus Dellagnelo

Lightning – 2 regatas
1- Mário Buckup/Telma Buckup/ Marc Buckup 2 pp (1+1)
2- Cláudio Biekarck/ Marcelo Silva / Gunnar Ficker – 4 (2+2)
3- Bruno Prada/ Juan de La Fuente/ Nicolas Brancher – 6 (3+3)

Snipe – 1 regata
1- Paulo Santos/ Rodrigo Inácio – 1pp
2- Samuel Albrecht/ Flávio Fernandes – 2
3- Alexandre Tinoco/ Gabriel Borges – 3

As seletivas das classes Laser Standard (masculino), Laser Radial (feminino),RS:X (masculino) e RS:X (feminino), que são olímpicas e pan-americanas, serão disputadas na semana que vem, entre 21 e 27. No mesmo período ocorrem também as seletivas de mais seis classes olímpicas: Star (masculino), Finn (masculino), 49er (masculino), 470 (masculino), 470 (feminino) e Match Race(feminino).

Os melhores em cada classe, na soma dos resultados da Semana Brasileira de Vela e dos Campeonatos Brasileiros, formarão a Equipe Brasileira de Vela Olímpica, que disputará os principais eventos internacionais desta temporada e o Pan-Americano no caso da Laser e RS:X.

Por Flavio Perez, da ZDL de Comunicação

Quinta temporada do Extreme Sailing Series começa dia 20

O barquinho voa mesmo com pouco vento

No próximo dia 20 de fevereiro, os habitantes de Muscat – capital do país árabe Oman, receberão a primeira etapa da temporada 2011 da Extreme Sailing Series (ESS). Este ano, onze equipes de ponta da vela internacional participam do campeonato, que além de Oman também passará pela China, Singapura, Turquia, Inglaterra, Itália, França, Espanha e, pela primeira vez, pelos Estados Unidos.
 
Criada em 2007, a Extreme Sailing Series já é considerada um dos principais eventos à vela do mundo. Tanto que já atraiu tradicionais equipes, como a suíça Alinghi, a italiana Luna Rossa e a neozelandesa Emirates Team New Zealand. Todas já participaram de importantes provas, como a America’s Cup e a Maxi World Championship e este ano se dedicam à ESS. De acordo com o velejador e medalhista olímpico, Marcelo Ferreira, o fato da competição contar com alta velocidade e muita competitividade foram alguns dos principais fatores que atraíram esses velejadores.
 
Apesar de não fazer parte das equipes inscritas na temporada, Ferreira pode participar de umas das etapas da competição. Ele é o skipper da equipe brasileira do Extreme Sailing Series, que recebeu o convite para disputar uma regata e agora tenta levantar fundos para viabilizar sua participação.
 
Para 2012, a intenção da organizadora da Extreme Sailing Series – a OC ThirdPole – é não apenas que a equipe brasileira participe de todo o circuito, mas também que o Brasil tenha uma das etapas da competição disputadas por aqui.

Da assessoria de imprensa

Thomas Coville está quase 1300 milhas atrás do recorde de volta ao mundo

Depois de 18 dias no mar, Thomas Coville está cada vez mais longe do recorde de volta ao mundo em solitário. Na noite desta quarta-feira a distância chegava a quase 1300 milhas. Nesta terça-feira o Sodebo cruzou o Cabo da Boa Esperança. Há quase quatro dias o francês veleja com ventos de mais de 30 nós, mantendo uma média de 20,31 nós. A velocidade é maior do que a do Idec, dono do recorde, porém o caminho escolhido por Coville, mais próximo da costa brasileira, é cerca de mil milhas maior. Difícil bater o mestre Francis Joyon!

Virbac Paprec faz parada técnica na Nova Zelândia

O líder da Barcelona World Race Virbac Paprec 3 está em Wellington, na Nova Zelândia, para consertar os carrinhos das talas que se quebraram após Loick Peyron e Jean Pierre-Dick rizarem a mestra ontem. Os carrinhos reservas foram usados depois da parada em Recife, no começo da regata. E, como manda a regra, a equipe que parar nesta região deve permanecer no mínimo 48 horas aportada como penalidade. No início da noite desta quarta-feira os dois estavam 438,3 milhas a frente do Mapfre, segundo colocado. Tranquilo!

%d blogueiros gostam disto: