Pular para o conteúdo

Velejadores brasileiros diminuem de peso para ventos fracos do Pan

Equipe Brasileira de Vela estreia em Puerto Vallarta, no México, nesta segunda-feira

Os velejadores brasileiros iniciam as regatas dos Jogos Pan-Americanos em Puerto Vallarta (300 quilômetros de Guadalajara) nesta segunda-feira (17). Com a previsão de ventos fracos em toda a competição (média de 12 nós), a CBVM montou uma estratégia para conquistar medalhas em todas as classes. Cada atleta teve de reduzir o peso corporal por causa das condições climáticas. Com menos vento, mais leve deve ser o barco.

“O período de aclimatação foi importante para adaptar os velejadores ao clima. Já era prevista essa falta de ventos e nossa equipe multidisciplinar fez uma preparação direcionada ao evento, que incluiu redução de peso e ajuste dos barcos e dicas de meteorologia”, revelou a chefe da equipe Martha Rocha.

O jovem Matheus Dellagnelo, que completa 23 anos neste domingo (16), é um dos favoritos ao ouro na Sunfish. O catarinense é maior exemplo dessa adaptação ao vento fraco. Desde fevereiro, quando conquistou a classificação para o Pan na categoria, o atleta perdeu sete quilos.

“Após a conclusão da primeira etapa de treinamentos iniciei a preparação focada para o Pan. Tive de perder peso e me adaptar a um barco novo. A parte final foi conseguir achar a regulagem ideal para o Sunfish no vento fraco”, explicou Matheus Dellagnelo, campeão mundial em 2011.

A classe Sunfish é nova Brasil. O barco é muito utilizado nas Américas Central e Norte, por isso foi incluído no calendário dos Jogos Pan-Americanos. A estrutura da embarcação é similar ao Laser, que coroou Robert Scheidt com o bi olímpico e o tri do Pan. O biótipo do velejador para a categoria costuma ser 1,83 m de altura e peso variando de 70 a 75 quilos.

“Minha expectativa é fazer um bom campeonato. Espero um evento difícil, decidido nas últimas regatas, onde vários atletas estarão na briga pela medalha. Acredito que será bem diferente dos demais que já tive oportunidade de participar e espero poder curtir ao máximo esse momento”, disse Matheus Dellagnelo.

A vela nacional terá a chance de contribuir com nove medalhas no quadro geral da competição continental (Hobie Cat 16, J24, Laser, Laser Radial, Lightning, Snipe, Sunfish, RS:X masculino e feminino).

Na bagagem, campeões mundiais como Matheus Dellagnelo, a dupla de Snipe e o quarteto de J/24. Os representantes da Hobie Cat 16 querem reaver o ouro cassado no Pan de 2007 e Ricardo Winicki, o Bimba, pode igualar Robert Scheidt e trazer o terceiro título dos Jogos.

“A preparação foi focada para o Pan e também visando uma medalha olímpica. Estou preparado para brigar pelo ouro mais uma vez”, ressaltou Bimba.

Outro nome da vela brasileira de destaque é Cláudio Biekarck. O velejador de Lightning disputará seu oitavo Pan, um recorde entre os atletas brasileiros.

Klaus, como é conhecido no meio da vela, é o recordista brasileiro de medalhas pan-americanas na vela, com sete honrarias. Em 75, na Cidade do México, o velejador ganhou a medalha de prata na classe Finn. Depois, passou para a classe Lightning onde faturou o ouro em Caracas/83, prata em Mar Del Plata/95 e Winnipeg/99, além de bronze Indianápolis/87, Havana/91 e Rio/2007. “A Lightning é uma classe amadora, mas muito forte tecnicamente na América”, concluiu Biekarck.

Além de maior ganhador de medalhas pan-americanas na vela, Klaus tem um currículo vitorioso como técnico de Robert Scheidt. Ele orientou o velejador desde o início da carreira participando ativamente das três medalhas olímpicas conquistadas na Laser – ouro em Atlanta/96, prata em Sidndey/2000 e ouro em Atenas/2004 – e nos oito títulos mundiais da classe.

Atenção especial – Os velejadores brasileiros contarão com uma equipe multidisciplinar em Puerto Vallarta. O argentino Flávio Naveira será consultor de regras. Paulo Lemos ficará responsável pelo suporte de equipamentos e a meteorologista será Silvia Santos, da Marinha do Brasil. O Brasil conta com três técnicos: Bruno Di Bernardi (Laser, Laser Radial e Sunfish) Eduardo Melchert (Snipe, J24 e Lightining) e Fernando Pasqualin (RS:X masculino e feminino e HC16).

Velejadores brasileiros no Pan
Hobie Cat 16:
Bernardo Arndt e Bruno Oliveira

J/24:
Maurício Santa Cruz, Alexandre Saldanha, Daniel Santiago e Guilherme Hamelmann

Laser:
Bruno Fontes

Laser Radial:
Adriana Kostiw

Lightning:
Cláudio Biekarck, Gunnar Ficker e Marcelo Batista

Snipe:
Alexandre Tinoco e Gabriel Borges

Sunfish:
Matheus Dellagnelo

RS:X masculino:
Ricardo Winicki

RS:X feminina:
Patrícia Freitas

Da ZDL de Comunicação

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: