Pular para o conteúdo

Bruno Fontes comenta derrota no Pan-Americano

O guerreiro está ferido, mas não está morto

Depois de dias ainda tento digerir, 23 de outubro de 2011, o dia mais triste da minha carreira. Desde de o inicio da minha historia na vela, sempre tive sonhos de chegar a ser campeão brasileiro, campeão mundial e medalhista no PAN e Olimpíadas. Consegui realizar muitos desses sonhos, contando com o apoio incondicional da família, patrocinadores, amigos e treinadores.

Os caminhos que segui durante todo 2011 foram de muitas vitórias, trabalho e abdicações, tornando-se o ano mais vitorioso da minha vida em 25 anos na vela, com conquistas nacionais e internacionais, como a medalha de prata na Copa do Mundo de Vela e finalizar como 5º melhor velejador do mundo.

Mas nada disso me garantiu a medalha mais desejada do ano, algo que parecia viável por toda a preparação e resultados nas competições. Foi uma semana muita intensa, de pequenas frustrações, punições estranhas do mesmo juiz além e largadas e tácticas que não foram felizes. Assim as coisas não aconteceram ao natural e sempre tive que fazer algo diferente.

A Regata da Medalha, resumiu todo campeonato, com uma largada complicada vi a medalha sumir do meu peito logo no principio. Mas consegui uma recuperação incrível e assim visualizar a medalha novamente com a chegada a 50 m. Porém ao invés de simplesmente velejar, decidi prevalecer meu direito de passagem ao meu adversário, só que outra vez o mesmo juiz interpretou que eu não poderia ter sido tão agressivo e assim as medalhas de prata e bronze foram se perdendo para adversários que não costumam me vencer.

O misto de sentimentos, ao mesmo tempo, de dever cumprido e de frustração é minha companhia nestes últimos dias. Sei que tentei o meu melhor, mas a ausência da medalha, que era meu objetivo, me faz sentir algo muito triste, uma dor que jamais senti e fiz questão de vivê-la sem participar da festa dos meus amigos medalhistas. Assim sei o real sentimento da derrota e sei que irei trabalhar ainda mais para não acontecer isto novamente.

Agora é ter humildade para avaliar erros e trabalhar minhas fraquezas e fazer de mim alguém mais forte e preparado, e assim voltar aos trilhos das vitórias, desejando representar o Brasil em Londres e almejando a tão sonhada medalha olímpica.

Bruno

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: