Pular para o conteúdo

Arquivo de

Yacht Club de Ilhabela promove a decisão da Copa Suzuki Jimny

Evento define os campeões da temporada de vela oceânica nos dias 26 e 27 de novembro e 3 e 4 de dezembro

Palco das principais competições de vela oceânica da América Latina, o Yacht Club de Ilhabela (YCI) sediará a decisão da Copa Suzuki Jimny nos dias 26 e 27 de novembro e 3 e 4 de dezembro. As classes ORC, HPE25, BRA-RGS/SP A, B, C e Cruiser, Delta 32 e Skipper 21 definirão os campeões após quatro etapas. A nova classe C30 também foi convidada pela organização

O YCI está preparado para receber as tripulações. São esperados 50 barcos para os dois finais de semana. Veleiros como Sessentão, Asa Alumínio, Kanibal, YDYPY, Pirajá, Jylic II e Maria Preta estão confirmados. O local é um dos mais modernos do País com uma marina com infraestrutura das melhores do Brasil. O Yacht Club passou por reformas estruturais no pier e no restaurante no início do ano.

Os serviços gerados direta ou indiretamente pelo YCI representam a segunda maior fonte empregadora da cidade do litoral norte paulista, ficando atrás apenas das vagas geradas no serviço público municipal.

Disputa na água –A classe BRA-RGS é uma das mais competitivas do País e o campeão será decidido na última boia. Outro destaque é a categoria HPE25, que reunirá mais de 20 veleiros nas águas do litoral norte paulista.

“A classe está consolidada no País. Podemos dizer que o HPE é a principal categoria de monotipo no País pelo número de tripulações e regatas técnicas. O barco é acessível financeiramente e ganha cada vez mais adeptos, principalmente os jovens”, explicou Felipe Whitaker, vice-presidente da classe.

Atualmente, o Ginga domina a HPE com liderança isolada na Copa Suzuki Jimny e no currículo da temporada títulos como o do Brasileiro e Paulista.

Volta a Ilhabela –O destaque da quarta etapa será a tradicional regata Volta a Ilhabela – Sir Peter Blake, em homenagem ao lendário navegador da Nova Zelândia falecido em 2001.

Uma das mais queridas competições do calendário, a prova abrilhantará ainda mais as finais da Copa Suzuki no Yacht Club de Ilhabela. A 11ª edição da regata terá 30 milhas incluindo todas as classes do calendário, exceto HPE25.

Resultados de 2010 da Regata Volta a Ilhabela – Sir Peter Blake
– ORC Club –
Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva)
– RGS-A – Fram (Felipe Marinho Aidar)
– RGS-B – Conquista 3 (Renato Vita)
– RGS-C – Rainha Marinas Nacionais (Leonardo Jacobi Pacheco)
– HPE25 – Take Ashauer (Marcos Ashauer)
Skkiper 21 – Saruê (Diego Zaragoza)
– Delta 32 – Palmares (José Romariz Filho)
– Bico de Proa A – Mussulo (José Guilherme Caldas)

Aviso de Regata da quarta etapa está publicado – O aviso de regata da Copa Suzuki Jimny está disponível no site www.yci.com.br. As inscrições custam R$ 80,00 / tripulante (exceto Tripulante-Mirim, que é isento da taxa de inscrição) e devem ser feitas até a véspera da regata inicial. Estão convidadas as classes ORC, C30, HPE25, BRA-RGS/SP A, B, C e Cruiser, Delta 32 e Skipper 21.

Da ZDL de Comunicação

Spithill vence a etapa de San Diego da ACWS

O vento forte proporcionou belas disputas neste domingo em San Diego

Neste domingo as nove equipes que participam da America´s Cup World Series se encontraram novamente nas águas da baía de San Diego, nos EUA para a última disputa do evento: uma regata de flotilha de nove pernas, na qual o vencedor ficava com o título do campeonato. Diferente dos últimos dias, o vento resolveu colaborar e apareceu com cerca de 15 nós, perfeito para os barcos poderem velejar a mais de 20 nós. James Spithill venceu a prova e acabou a etapa com o título do campeonato de flotilha e de match race, vencido um dia antes.

Logo na largada o ETNZ, de Dean Barker assumiu a ponta e foi abrindo vantagem, até que uma escolha errada fez com que os kiwis caíssem para a 5ª posição. Jamie Spithill, que não é bobo nem nada, aproveitou uma das montagens de boia e, com vento limpo e mais forte assumiu a ponta para nunca mais deixá-la. Barker ainda conseguiu se recuperar e ficou com a segunda posição.

Todas as equipes mostraram que evoluíram bastante, protagonizando intensa troca de posições. Terry Hutchinson, do Artemis Racing, acabou enrolando a buja numa montagem de boia e, ao arribar para desenrolá-la, quase capotou. Ele acabou perdendo tempo, mas na última perna, mais curtinha, de tráves, acabou passando dois barcos e garantiu a sexta posição.

O resultado final do San Diego Fleet Racing Championship foi o seguinte:
1. ORACLE Racing Spithill
2. Emirates Team New Zealand
3. Energy Team
4. Aleph
5. Team Korea
6. Artemis Racing
7. China Team
8. Green Comm Racing
9. ORACLE Racing Coutts

AC500 Speed Trial –  O vento bom também fez com que a organização realizasse um segundo teste de velocidade em 500 metros. O barco mais rápido foi o Oracle Racing Coutts, de Darren Bundok, que chegou a 26,87 nós. Spithill quase garantiu o seu terceiro título ao chegar a 26,79 nós. Barker, ficou com a terceira posição, ao velejar a 26,56 nós.

Clube Naval Piraquê promove Regata Esquadra Brasileira e Regata Comodoro neste fim de semana

O final de semana será agitado na lago Rodrigo de Freitas, no Rio de Janeiro. O Clube Naval Piraquê promove no sábado a regata Comodoro para as classes Snipe, Dingue, Laser e Optimist. A largada está prevista para as 13h30. As inscrições devem ser feitas na secretaria do clube até às 12h30.

Já no domingo acontece a regata Esquadra Brasileira, uma homenagem à Marinha Brasileira. Estão convidadas as mesmas classes e o horário da largada é o mesmo. A regata será válida também para a Copa Interclubes da Feverj.

Chris Draper será o skipper do Oman Air na última etapa da Extreme Sailing Series

Draper volta ao comando do Oman Air em Cingapura

Depois de conquistar o público da America´s Cup World Series como skipper do Team Korea, Chris Draper volta a disputar uma etapa da Extreme Sailing Series. Ele será o skipper do Oman Air, no lugar do inglês Ben Ainslie, que se prepara para os Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Draper estreou na competição em 2008 na 4ª posição e um ano mais tarde venceria quatro das seis etapas. O evento acontece de 7 a 11 de dezembro em Singapura.

Vestas Sail Rocket tenta quebrar o recorde de velocidade à vela

O estranho veleiro é comandado por Paul Larsen

Desde o último dia 20 a equipe do Vestas Sail Rocket 2 está na Namíbia tentando bater o recorde de velocidade à vela em um percurso de 500 metros. Atualmente ele pertence ao kitesurfista Rob Douglas e é de 55,56 nós. A equipe terá 28 dias para tentar ultrapassar esta marca, sempre acompanhada pelo World Speed Sailing Record Council, órgão que reconhece os recordes à vela.

Virbac Paprec 3 vence a Transat Jacques Vabre

O IMOCA Virbac Paprec 3, de Jean Pierre Dick e Jerémi Beyou foi o primeiro barco a cruzar a linha de chegada da Transat Jacques Vabre na última sexta-feira, 18. A dupla demorou 15 dias, 18 horas, 13 minutos e 54 segundos para completar o percurso de 6508 milhas entre a França e a Costa Rica. Todos os barcos da classe já terminaram a regata

Dentre os multi 50 o Actual, de Yves Le Blevec e Samuel Manuard ficou com a medalha de ouro. A dupla demorou 17 dias, 17 horas, 7 minutos e 43 segundos para completar a regata. Apenas o Maitre Jacques também completou a prova, em 18 dias, 22 horas, 10 minutos e 30 segundos.

Já entre os Classe 40, apenas o Aquarelle.com completou. Outros oito barcos seguem na regata e sete desistiram.

Vídeo: Último dia da ACWS em San Diego

Puma quebra o mastro na primeira perna da VOR

A bruxa tá solta nesta primeira perna da Volvo Ocean Race. Depois de Abu Dhabi e Sanya quebrarem e serem obrigados a desistir da regata, agora foi a vez do Puma. A equipe de Ken Read disputava a segunda posição com o Telefónica quando o mastro veio abaixo.

“Estávamos velejando de vela a direita, com aproximadamente 22-23 nós de vento, com ondas de oito a 10 pés de altura quando o mastro caiu. Não houve sinais de aviso. Não teve pânico a bordo e toda a tripulação está bem”, disse Read.

A equipe recolheu os três pedaços do mastro e a vela e agora pensa no que fazer. Por enquanto os americanos ainda não desistiram da competição e seguem velejando a 2,3 nós com mastreação de fortuna, tentando apenas fugir da área sem vento conhecida como St Helena High. O Camper segue na terceira colocação, velejando a 21,5 nós, enquanto o Groupama, último colocado, veleja a 18,7 nós.

%d blogueiros gostam disto: