Pular para o conteúdo

Arquivo de

Primeiro final de semana da decisão da Copa Suzuki Jimny é marcado por oscilação de vento

Apenas seis veleiros conseguiram completar a Volta a Ilha – Sir Peter Blake no sábado. Com mais vento, domingo teve regatas bastante disputadas

As tripulações que disputaram o primeiro final de semana da final da Copa Suzuki Jimny enfrentaram dois dias distintos de condições de vento. No sábado (26), apenas seis barcos conseguiram completar a Volta a Ilha – Sir Peter Blake por causa do vento fraco. O percurso foi de 30 milhas. No domingo (27), os organizadores optaram por uma prova mais curta na Ponta das Canas e as embarcações foram empurradas por ventos de 13 nós de média e mar calmo. Apenas a classe HPE25 conseguiu programar três regatas.

O evento de vela oceânica conta com as classes ORC, BRA-RGS, HPE25, C30, Delta 32 e Skipper 21e fecha a temporada 2011 no Yacht Club de Ilhabela. “Muitos veleiros chegaram de madrugada da Volta a Ilha. Para poupar velejadores e equipamentos decidimos realizar uma prova mais curta. O tempo ajudou e as provas foram técnicas, principalmente na classe HPE”, contou Cuca Sodré, presidente da Comissão de Regatas.

Os campeões de todas as classes do circuito serão conhecidos no próximo final de semana, 3 e 4 de dezembro, com as regatas finais em Ilhabela. São esperados mais de 50 barcos para a competição.

Volta a Ilha bastante dura – A 11ª edição da Volta a Ilhabela – Sir Peter Blake foi uma das provas mais difíceis tecnicamente do ano. Apenas seis veleiros conseguiram completar o percurso de 30 milhas. O fita-azul, o primeiro a chegar, foi o Land Rover (12h39min10), mas no tempo corrigido, o time do Orson/Mapfre levou o bicampeonato. O veleiro da classe ORC fez o tempo de 13h22min10.

Na BRA-RGS A, o Fram também foi o vencedor no corrigido, assim como o Rainha na BRA-RGS C. Barracuda/Matrix e Sextante foram os melhores da Volta a Ilha nas classes C30 e Skipper 21, respectivamente.

Na largada, o vento chegou a bater 10 nós, mas durante a travessia, em muitos momentos, os barcos ficaram boiando. Tanto que, até as 2h do domingo, alguns veleiros não haviam chegado ao Yacht Club de Ilhabela.

Mais vento no dia seguinte -No domingo, a Comissão de Regatas fez uma prova na Ponta das Canas e quem se deu bem na classe HPE25 foi o Repeteco, de Fernando Haaland. O barco venceu três das quatro regatas do final de semana. No entanto, a melhor média foi o Avantto 1, de Dário Galvão, com apenas 11 perdidos (três terceiros lugares e um segundo). O Ginga, líder isolado da Copa Suzuki Jimny, apenas administrou e ficou em posições intermediárias.

No match-race da classe C30, o Barracuda/Matrix levou a melhor sobre o +Realizado em uma prova de uma hora de duração. Os outros vencedores da única regata do domingo foram: Fram (BRA-RGS A), Palmares (BRA-RGS B), Rainha (BRA-RGS C), Helios ii – Hosp. Sírio Libanês (BRA-RGS Cruiser), Palmares (Delta 32) e Alegria (Skipper 21).

A competição continua no domingo e no outro final de semana com a decisão em todas as classes. O evento tem organização do Yacht Club de Ilhabela, com patrocínio máster da Suzuki Veículos e apoio da Brancante Seguros, Cerveja Devassa, Nautos, Ancoradouro, Prefeitura Municipal de Ilhabela e Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião.

Banque Populaire veleja à frente do recorde de volta ao mundo

Depois de seis dias no mar o maxi Banque Populaire V está progredindo bem em busca do Troféu Júlio Verne, que coroa o veleiro mais rápido a dar a volta ao mundo sem escalas. Atualmente o recorde pertence ao Groupama 3, de Franck Cammas, mas a equipe de Loick Peyron já está 100 milhas à frente da marca.

Vídeo: Telefónica vence a primeira perna da VOR

Camper garante a segunda colocação na VOR

Camper foi o segundo barco a chegar na Cidade do Cabo

O Camper foi o segundo barco a cruzar a linha de chegada da primeira perna da Volvo Ocean Race, 16 horas depois do vencedor Telefónica. A aproximação da Cidade do Cabo não foi fácil, com ventos de mais de 35 nós e muita onda. A equipe fez a maior singradura da etapa, com 554.16 milhas em 24 horas.

O Groupama, terceiro colocado da etapa, é esperado nesta terça-feira. Na manhã desta segunda ainda faltavam 274 milhas para os franceses terminarem a etapa.

Enquanto isso, o navio que irá resgatar o Puma na ilha de Tristão da Cunha já está a caminho. A previsão é de que ele chegue no dia 2 de dezembro com ferramentas e um contêiner para levar o barco até a Cidade do Cabo.

Largada da segunda etapa da Global Ocean Race é adiada por causa de vento forte

Depois de ser adiada por conta de ventos fortes, a segunda etapa da Global Ocean Race finalmente larga nesta terça-feira , às 10h (GMT) rumo a Wellington, capital da Nova Zelândia. O atraso foi bom para a dupla Nico e Frans Budel, pai e filho, que teve problema na quilha. Com isso eles ganharam mais dois dias para terminar o conserto.  A regata é corrida em barcos da Classe 40, em duplas e possui seis equipes participantes.

Equipe de Samuca Albrecht vence o Ibero-americano de Match Race

A equipe liderada por Samuca vence o Ibero-americano de MR

O Porto Alegre Match Cup – 3º Ibero-americano de Match Race encerrou neste domingo no Veleiros do Sul com a vitória da equipe de Samuel Albrecht na divisão Open (masculino e feminino). Ele derrotou por 2 a 0 Geison Dzioubanov na final decidida numa série de melhor de três regatas. A terceira colocação ficou com Adrion Santos que venceu Philipp Grochtmann por 3 a 1. Apenas o Brasil participou da fase final. Os representantes da Argentina e México não conseguiram a classificação.

Albrecht venceu a fase round robin, e na semifinal fez 2 a 0 sobre Adrion Santos. Com sua equipe composta por Frederico Sidou e Rodrigo Duarte terminou o Ibero-americano invicto nos 11 matches que disputou. A última regata entre os finalistas não foi a mais emocionante porque os duelos esperados não aconteceram.

“O campeonato serviu principalmente para mostrar que as equipes estão crescendo no match race e sem dúvida teremos gente de excelente nível. Para este campeonato juntei meus amigos que são velejadores experientes”, disse Samuca. “Tenho ainda que ressaltar a infraestrutura do Clube que desenvolve estes projetos para o fortalecimento da vela. Isso é sensacional”, disse Samuca que agora volta a competir com a equipe Crioula, do Soto 40.

A disputa pela terceira colocação foi num ritmo de final de campeonato. A equipe juvenil de Philipp Grochtmann, que correu com Vilnei Goldmeier e Lorenzo Medeiros deu um sufoco nos experientes adversários. Adrion Santos, Lucas Ostergren e Gustavo Zipperer saíram na frente com 1 a 0, mas perderam o segundo match. Eles erraram a bóia de contravento quando da alteração de percurso devido à mudança do vento. Na disputa final se revezaram na liderança, mas na última montagem da perna de popa Santos ultrapassou Grochtmann.

O Ibero-Americano de Match Race começou na quarta-feira a divisão de mulheres que teve como campeãs as brasileiras por Renata Decnop, Gabriela Nicolino e Larissa Juk. E a Open foi no fim de semana. Participaram oito equipes em cada divisão e tiveram a participação de equipes do Brasil, Argentina, México e Peru.

No final da tarde foi realizada a cerimônia de premiação em frente a varanda do Clube. Além das três primeiras equipes, os árbitros também receberam troféus numa homenagem da comodoria. O presidente do Conselho Deliberativo do VDS, Luiz Gustavo Tarrago de Oliveira deu um galhardete do Clube ao Armando Goulart, de Portugal , Diretor Técnico da Federação Ibero-americana de Vela (FIVELA).

O Porto Alegre Match Cup – 3º O Ibero-Americano de Match Race é uma realização do Veleiros do Sul com apoio da Federação Internacional de Vela (ISAF), Federação Ibero-americana de Vela (FIVELA), Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM) e patrocínio da Randon e Marcopolo através da Lei de Incentivo do Esporte do Governo Federal.

Classificação da divisão Open
1º – Samuel ALBRECHT, Frederico Sidou e Rodrigo Duarte (BRA)
2º – Geison Mendes DZIOUBANOV, Mathias Melecchi e Felipe Ilha (BRA)
3º – Adrion SANTOS, Lucas Ostergren e Gustavo Zipperer (BRA)
4º Philipp Andreas GROCHTMANN, Vilnei Goldmeier e Lorenzo Medeiros (BRA)
5º – Diego BAIALARDO, Nicolás e José Tabares (ARG)
6º – Santiago RIGONI, Mariano Costa e Gonzalo Mendieta (ARG)
7º – Sebastián CRISTINA, Carlos Mues e Santiago Castillo (ARG)
8º – Eliane FIERRO, Cora Gonzáles Fierro e Ana Sofia Casas (MEX)

Da assessoria do VDS

Equipe Decnop é a campeã feminina do Ibero-americano de match race

Divisão Open será no fim de semana

Na final entre as equipes brasileiras no Porto Alegre Match Cup – 3º Ibero-americano de Match Race, a vitória foi da timoneira Renata Decnop que ganhou por 3 a 0 de Juliana Senfft na série de melhor de cinco. A competição terminou nesta sexta-feira pela manhã com a última regata da divisão feminina e ainda a disputa pela terceira colocação entre a argentina Mariana Silva e a brasileira Carolina Béjar. A equipe de Silva derrotou Béjar por 3 a 0.

A equipe formada por Renata Decnop, Gabriela Nicolino e Larissa Juk mostrou muita consistência em toda a competição. Elas só perderam um match em todo o campeonato, na fase de round robin, justamente para a Juliana Senfft, que correu com Fernanda Decnop e Luciana Kopschitz. Ao cruzarem a linha de chegada, Renata, Gabriela e Larissa comemoraram abraçadas mais esta conquista.“O Ibero-americano foi um ótimo campeonato, A Juju é uma adversária difícil e apesar dos 3 a 0, considerei apertado o resultado porque todos os matches foram decididos nos detalhes”, comentou Decnop.

Porto Alegre foi uma repetição do que aconteceu a 15 dias em Florianópolis, quando a equipe de Decnop fez a final contra a tripulação de Juliana Senfft e venceu o Brasil Match Cup, não só na divisão das mulheres como também entre os homens.Após a premiação realizada na metade da tarde as duas equipes seguem nesta sexta-feira à noite para a Austrália, onde participarão do Campeonato Mundial na cidade de Perth. Elas integram a Equipe olímpica da Confederação Brasileira de Vela e Motor (CBVM), e irão em busca de uma vaga para a Olimpíada de Londres em 2012.

São 12 vagas para a Olimpíada e uma já é da Inglaterra por ser o país sede. Se uma das equipes se classificarem entre as oito primeiras na Austrália, a vaga do Brasil no match race estará garantida. As últimas três serão decididas na Semana de Miami, EUA, em fevereiro. O Mundial em Perth começa no dia 3 de dezembro e estarão presentes 32 países no match race.

“Estamos próximas de alcançar o potencial que desejamos. Temos treinamos intensamente, e nossa equipe está com bom entrosamento. O técnico Geison Mendes nos acompanha desde o início, em janeiro, e participamos do programa desenvolvido pelo Movimento de Solidariedade Olímpica”, diz Decnop. 

No Ibero-americano de Match Race participaram oito equipes, do Brasil, Argentina, México e Peru. O Campeonato continua no Veleiros do Sul neste sábado com a disputa na divisão Open, com sete equipes masculinas e uma feminina. O México será a única tripulação de mulheres a correr nesta divisão. A final será no domingo.     

 Classificação Feminina  Final
1º – Renata DECNOP, Gabriela Nicolino e Larissa Juk (BRA)
2º – Juliana SENFFT, Fernanda Decnop e Luciana Kopschitz (BRA)
3º – Martina Maria SILVA, Ana Lucia Silva e Trinidad Silva (ARG)
4º – Carolina BÉJAR, Tatiana Novaes e Amanda Rodrigues (BRA)
5º – Tânia ZIMMERMANN, Nathalie Zimmermann e Josefina Röder (PER)
6º – Mariana CROUSSE, Natalia Espósito e Maria Bozzo (ARG)
7º – Gabriela Elda  SANTANNA, Natália Schulten e Paula Ramos (ARG)
8º – Eliane FIERRO, Cora Gonzáles Fierro e Ana Sofia Casas (MEX)

Da assessoria do VDS

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan embarcam para Perth

O sonho começa em Perth! Este é o slogan do Mundial de Perth 2011, evento do ano mais esperado da vela mundial, que terá início no próximo dia 3 de dezembro na Austrália. Com mais de mil e duzentos velejadores inscritos, o campeonato definirá cerca de 75% das vagas para os Jogos Olímpicos de 2012.  Integrante da Equipe Brasileira de Vela da Confederação Brasileira de Vela e Motor, CBVM, a dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan também representará o Brasil na competição. Além das gaúchas, as niterpies

As atletas, que trabalham juntas desde 2008, tentarão garantir uma vaga para o país na classe 470 Feminina. Para isso, as velejadoras deverão manter a bandeira verde e amarela entre a dos treze primeiros países colocados na classificação geral do Mundial.  “A expectativa é de um evento bem difícil, pois serão mais de 30 países na disputa. Todas as tripulações devem estar bem treinadas e isso eleva o nível do Mundial como um todo!”, comentou Fernanda, medalhista olímpica em Pequim.  Para dar o primeiro passo em direção às Olimpíadas, com a conquista da vaga brasileira nos Jogos, Fernandinha e Ana vêm trabalhando focadas. Recentemente, se dedicaram a exaustivas temporadas de treino no Rio de Janeiro, local com condições semelhante as da competição em Perth.  “Os treinos em Búzios foram bem importantes! Estamos mais acostumadas a velejar no Rio Guaíba (em Porto Alegre, RS), bem diferente em termos de ondulação. Lá em Búzios treinamos vários dias com vento forte e “mar grosso”, o que certamente nos deixa um pouco mais a vontade neste tipo de condição, que devemos encontrar também na Austrália”, explicou Fernanda, 14 vezes campeã brasileira.  O embarque das atletas rumo à Perth acontecerá neste domingo, dia 27. Já a cerimônia de abertura do Mundial está programada para o dia 2 de dezembro e o início das regatas da 470 Feminina para o dia 12, o que dará uns dias extras para as velejadoras na raia do evento.  “Será um evento provavelmente de vento mais forte o que acaba sendo bem cansativo para todas…Nos preparamos bastante, e ainda teremos alguns dias lá antes da competição que serão fundamentais para o ajuste final e escolha de velas a serem usadas”, concluiu Fernanda.

Mais de 50 barcos disputam finais da Copa Suzuki Jimny neste sábado e domingo

Yacht Club de Ilhabela está pronto para receber a última etapa do Circuito de Vela Oceânica. Regata Volta a Ilhabela é atração deste sábado

O Yacht Club de Ilhabela está pronto para receber a decisão da Copa Suzuki Jimny, um dos principais eventos da América Latina de vela oceânica. As regatas serão disputadas a partir deste sábado (26) com a 11a. edição da Volta a Ilhabela – Sir Peter Blake, que abre as finais. A competição continua no domingo e no outro final de semana.

Mais de 50 barcos confirmaram a presença em seis classes (ORC, BRA-RGS, HPE25, C30, Delta 32 e Skipper 21) e o equilíbrio promete ser o diferencial após três etapas nesta temporada.

“A vela oceânica no País está evoluindo nos critérios de medição, principalmente na BRA-RGS. Além disso, as tripulações cada vez mais velejam em conjunto e priorizam mais as disputas todos os anos. Os patrocínios também fazem a diferença”, disse Marcos Gama Lobo, comandante do Helios II – Hospital Sírio Libanês, que lidera a BRA-RGS Cruiser com três pontos de vantagem para o YDYPY.

Na classe BRA-RGS A, a mais equilibrada do Circuito de Vela Oceânica, Fram e Jazz estão quase empatados, com diferença de um ponto.

“A medição da categoria está ótima com critérios bem definidos. Outro detalhe é o nível técnico das duas tripulações, que são bem treinadas e conhecem a Ilhabela. Tudo será definido na última regata”, garantiu Felipe Aidar, líder do Fram.

Nas outras divisões da categoria, Palmares (RGS-B) e Pirajá (RGS-C) têm distância um pouco mais confortável em relação aos adversários diretos.

Da ZDL de Comunicação

Vídeo: Últimos dias da primeira perna da VOR

%d blogueiros gostam disto: