Pular para o conteúdo

Brasil confirma mais uma vaga na vela nas Olimpíadas de 2012

Jorge Zarif, da classe Finn, consegue bom resultado no Mundial da Austrália e se junta às meninas da Laser Radial e RS:X

Os velejadores do Brasil garantiram três vagas para os Jogos de 2012 no encerramento da primeira etapa do Mundial de Vela de 2011 (ISAF Sailing World Championships) neste sábado (11) em Fremantle, na cidade australiana de Perth. O último a confirmar presença na Olimpíada de Londres foi Jorge Zarif, da classe Finn.

Com o ‘Doctor’, a famosa brisa do mar local, soprando entre 13 e 17 nós do sudoeste, o dia de regatas foi animado. No Central Course, a raia que fica entre dois molhes de pedra e que tem até arquibancada para delírio do público local e internacional, foram corridas as regatas do Laser Radial e do Finn. E foi ali, diante de uma pequena, porém animada torcida brasileira que Jorge Zarif garantiu a vaga brasileira no Finn.

“Não foram os meus melhores resultados, mas eu sabia que a vaga estava entre eu, o russo e o alemão e procurei ficar mais perto deles. No fim deu certo e fico feliz em ter classificado o País para as olimpíadas”, comemora Jorge Zarif, de apenas 19 anos, que com dois 33º no dia, terminou o Mundial de Finn 2011 na 32ª posição geral.

Na Laser Radial, Adriana Kostiw, fez suas melhores regatas desde que as flotilhas ouro e prata foram separadas. Com um 14º e um 21º, a paulista terminou o campeonato em 41º lugar geral. Na prancha à vela RS:X, a jovem Patrícia Freitas encerrou sua participação no Mundial 2011 da classe em 29º lugar, após obter um 30º e um 28º em Perth neste sábado.

Neste domingo (11) serão conhecidos os novos campeões mundiais quando forem corridas as Medal Races, as regatas finais das classes RS:X feminina, Laser Radial (feminino), 470 masculino e Finn (masculino) com os 10 melhores colocados gerais.

Adriana Kostiw, no Laser Radial, Patrícia Freitas, na RS:X Feminina e Jorge Zarif, na Finn, todos da EBV – Equipe Brasileira de Vela, garantiram a vaga brasileira para as próximas olimpíadas e saíram na frente na disputa pela vaga individual do processo seletivo da CBVM/COB com um ponto cada um. O vencedor da seletiva olímpica em Búzios 2012 ganhará mais um ponto e o desempate, se houver, será o Troféu Princesa Sofia em Palma de Maiorca.

Mais resultado –Na classe 470 Masculino, as três duplas brasileiras ficaram em posições aquém do necessário para classificar o Brasil. No Mundial de 2012, em Barcelona, mais sete vagas de países (25% do total das olimpíadas) estarão em disputa. Em Perth, a dupla paulista Rique Wanderley e Marco Brancher foi a melhor colocada, em 55º geral. Com uma capotada que empenou o seu mastro na última regata de sexta-feira (9), a dupla gaúcha da EBV, Fábio Pillar e Gustavo Thiesen deixou de completar três provas, a do incidente e as duas do dia, e terminou o Mundial 2011 em 64º geral. Henrique Haddad e Nicolas Castro finalizaram a disputa do Mundial na 67ª posição.

Match Race – Além das quatro classes que encerraram hoje a qualificação de países para as olimpíadas, a Match Race Feminino continuou sua fase final com os 16 times que seguiram para a repescagem se enfrentando em mais um ‘todos contra todos’ para definir quem vai encontrar nas semifinais as quatro equipes, vencedores e vices dos grupos A e B, previamente classificadas. Como o match feminino tem oito vagas para Londres em disputa aqui em Perth, quatro vagas ainda estão abertas. O trio formado por Juliana Senfft, Fernanda Decnop e Luciana Kopschitz mostrou que a tricampeã mundial, Lucy Macgregor, está virando ‘freguesa’ e depois de da vitória na sexta-feira quando garantiu sua permanência na competição, voltou a vencer a forte equipe inglesa novamente no único triunfo do dia das brasileiras e única derrota da britânica que lidera a súmula com 4 vitórias e uma derrota.

Já a outra equipe feminina de match race do Brasil, liderada por Renata Decnop, com Gabriela Sá e Larissa Juk, teve um dia excelente e ocupa a vice-liderança empatada com outros quatro times após vencer três e perder dois matchs hoje no rio Swan.

“Velejamos muito bem hoje. Aprendemos com nossos erros da primeira fase e estamos conseguindo avançar aos poucos. A disputa pela vaga é muito dura, mas vamos alcançando nosso objetivo um dia de cada vez”, declara a comandante. Com mais 10 matchs a serem corridos por cada equipe, a disputa, que segue até o dia 16 ainda está aberta.

Estreia – Além das Medal Races do RS:X Feminino, Laser Radial, 470 Masculino e Finn, e do prosseguimento do Match Race Feminino, o domingo é de estreia da classe Star. A mais técnica classe olímpica começa sua disputa em Perth tendo como um dos destaques a presença da dupla campeã mundial e medalha de prata em Pequim 2008, Robert Scheidt e Bruno Prada.

“Estamos preparados, o barco está em ordem e agora é velejar. O primeiro dia é muito importante então é preciso começar de maneira consistente, sem cometer muitos erros. Viemos aqui para competir, é bom começar”, conta Robert Scheidt.

O Star têm duas regatas programas na raia Leighton, a mais distante de terra, a partir das 13h (hora local) deste domingo.

Da ZDL de Comunicação com Murillo Novaes

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: