Pular para o conteúdo

Arquivo de

Integrantes da Equipe Brasileira de Vela disputam mundiais de Laser e Star

Em maio, brasileiros disputam ainda competições das classes 49er, 470 e Finn. Nos dois primeiros, duplas do país tentam classificação para a Olimpíada de Londres

São Paulo (SP) – O mês de maio é um dos mais importantes na preparação da Equipe Brasileira de Vela para os Jogos Olímpicos de Londres, entre julho e agosto na Inglaterra. Nesta sexta-feira começa o primeiro de cinco campeonatos mundiais de classes olímpicas, com presença de representantes verde-amarelos. Em dois deles, nas classes 49er (a partir de segunda-feira, dia 7) e 470 (que começa no próximo domingo, dia 13), os velejadores brasileiros buscam as últimas vagas para disputar os Jogos de Londres/2012.

O primeiro deles é o Mundial de Laser, na cidade de Boltenhagen, na Alemanha, que começa nesta sexta-feira. Atual vice-líder do ranking mundial, o catarinense Bruno Fontes tenta subir ao pódio na competição pela primeira vez, embalado pelos bons resultados dos últimos meses. Em meio à adaptação ao clima frio da cidade alemã, Bruno ganhou motivação extra durante a semana: “Estou confiante e feliz. Esse ano é especial, principalmente agora que soube que minha esposa está esperando uma menina”, comemora o futuro papai, que já escolheu o nome de Clara para a garotinha. Outro brasileiro na raia alemã será João Hackerott.

A partir de sábado, quem entra na água é a dupla líder do ranking mundial da classe Star, Robert Scheidt e Bruno Prada. O Mundial será disputado em Hyères, na França, mesmo local da Semana Olímpica Francesa, encerrada na última sexta-feira (27/4). Será mais uma importante etapa de preparação para os medalhistas olímpicos. “Os treinos têm sido muito bons e estamos melhorando nossa velocidade. Estamos muito animados com a disputa pelo titulo mundial, que será duríssimo. Será fundamental a consistência, pois serão somente seis regatas disputadas”, explica Robert Scheidt, bicampeão mundial da classe.

A competição contará também com velejadores que estarão em Londres, como os atuais campeões olímpicos, os britânicos Iain Percy e Andrew Simpson. Além deles, os brasileiros Alessandro ‘Dino’ Pascolato/Henry ‘Maguila’ Boening e Gastão Brun/Gustavo Kunze estão confirmados.

“O Mundial é um pouco diferente dos outros campeonatos, porque são apenas seis regatas, mais longas. Será duríssimo, pois ainda estão em disputa quatro vagas olímpicas, e devemos ter 18 países não classificados buscando essas vagas”, relata o proeiro Bruno Prada.

A partir de segunda-feira, duas semanas de disputas por vaga olímpica – O Mundial da classe 49er, que começa na segunda-feira (7), abre as duas semanas que definem se o Brasil terá mais duas duplas disputando na competição de vela nos Jogos de Londres. Em Zatar, na Croácia, André Fonseca, o Bochecha, e Marco Grael velejarão por uma das cinco vagas abertas na Olimpíada.

A dupla vem do 15º lugar na Semana Olímpica Francesa, em Hyères, após boas regatas que aumentaram a confiança para a briga pela Olimpíada na Croácia. “A França é um local que tem nos dado muita sorte. No ano passado, conseguimos o melhor resultado do ano em Hyères e nesse ano novamente fomos bem, incluindo algumas regatas andando na frente. Agora, na Croácia, teremos um campeonato com ventos mais fracos. Serão muitos países brigando por poucas vagas e uma disputa acirrada”, diz Bochecha.

O segundo mundial com brasileiros lutando por vaga em Londres é o da classe 470, a partir do dia 13. No feminino, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan já estão garantidas. No masculino, o Brasil terá duas duplas na competição por uma das sete vagas abertas: os titulares da equipe brasileira, Fábio Pillar e Gustavo Thiesen, e Henrique Haddad e Nicolas Castro. Se uma das duplas conquistar a vaga para o País, estará automaticamente garantida em Londres.

Os quatro velejadores estão em Barcelona, onde está sendo realizada a clínica mundial da classe. As regatas do Mundial começam no segundo domingo do mês (13). “Os treinamentos serão intensos até o dia 13, quando começarão as regatas do Mundial. Fizemos resultados consistentes nos dois eventos do ano e sentimos uma evolução constante. Com trabalho e inspiração, esperamos fazer um ótimo campeonato mundial”, projeta Fábio Pillar.

O Mundial da classe Finn, a Gold Cup, que contará com o brasileiro Jorge Zarif, começa no mesmo domingo (13), em Falmouth, na Inglaterra. Mais jovem do time nacional, com 19 anos, ele aproveita a competição para, competir contra os melhores do mundo. Durante a próxima semana, ele disputa o Campeonato Inglês da Finn, na mesma raia.

“O Mundial servirá como uma pré-olimpíada. Vou usar tudo o que tenho de melhor e com a ideia de que este é o evento mais importante do ano. Ainda não decidi qual material utilizar nos Jogos Olímpicos e esse evento será o teste final”, explica o velejador.

Da ZDL

Todas as classes da Rolex Ilhabela Sailing Week já têm inscrições confirmadas

Maior competição de vela oceânica da América Latina será disputada entre os dias 7 e 14 de julho e contará com 150 barcos. Primeiro inscrito foi o Lucky V, na ORC

São Paulo (SP) – Os primeiros dias de inscrições para a 39ª Rolex Ilhabela indicam que o maior evento de vela oceânica da América Latina deverá ser, mais uma vez, um sucesso de público. O evento, que será realizado entre os dias 7 e 14 de julho no Yacht Club de Ilhabela, já conta com barcos confirmados em todas as classes. O limite de inscritos, para garantir competitividade e segurança dos competidores, é de 150 barcos. As regatas no litoral norte paulista terão a presença de velejadores e equipes de países como Argentina, Uruguai e Chile, além de nomes de peso da modalidade no Brasil.

O primeiro a se inscrever pelo site oficial (www.risw.com.br) foi o Lucky V, do comandante Ralph Roso, na ORC. A embarcação é um Malbec 36 e vem de Niterói (RJ), do Clube Naval Charitas. “Estamos com o time definido e o barco está pronto. Se fosse hoje, estaríamos em Ilhabela para competir. Temos uma tripulação experiente que se reúne para correr regatas”, relata o proeiro Hallan Batista. O Lucky V disputou recentemente a Búzios Sailing Week.

A equipe tem velejadores residentes em cinco estados diferentes: Bahia, Espírito Santos, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Brasília. “Somos regateiros. Como há pouco tempo para treinar, nós usamos as competições para ganhar entrosamento”, conta Hallan. O veleiro de Niterói ficou na sexta colocação na Rolex Ilhabela Sailing 2011.

Na ORC, o Tembó Guaçu (Willian Barbanera) já está confirmado na edição 2012 da Rolex Ilhabela Sailing Week. Na C30, que estreia na competição, dois veleiros de Santa Catarina já fizeram a inscrição: Corta Vento (Carlos Augusto de Matos) e Katana Energia (Fábio Filippon). Na disputa dos S40, o Carioca (Roberto Martins) também está garantido para correr nas raias do litoral norte paulista.

Na BRA-RGS, o primeiro da lista foi o Nomad (Mauro Dottori), que tem como tático o experiente velejador Mário Buckup. A classe, em 2011, contou com o maior número de barcos na flotilha e é subdividida é A,B,C e Cruiser.

O mais rápido a se inscrever na classe HPE foi o Bond Girl, de Carlos Henrique Wanderley, que quer vencer a competição nesta temporada. Em 2011, o Atrevido, comandado por Robert Scheidt, foi o vencedor da categoria, uma das mais disputadas do País.

“O equilíbrio marca a classe. As regatas são definidas nos detalhes. Por isso, tripulação bem entrosada em um one-design faz a diferença. Este ano as provas devem ser ainda mais iguais”, relata Wanderley, que lidera a Copa Suzuki Jimny, evento também realizado em Ilhabela.

Como fazer a inscrição – O processo de inscrição é feito pela internet por meio do portal oficial do evento: www.risw.com.br. O número de barcos segue limitado a 150, para garantir melhor competitividade e segurança dos participantes – tanto nas raias, quanto nas dependências do Yacht Club de Ilhabela.

Até o dia 31/05, o valor por tripulante é de R$ 270,00. Entre 1º e 15 de junho, o valor sobe para R$ 320,00. Depois desta data, até o limite de inscritos ser atingido, a taxa será de R$ 400,00.

A Semana de Vela de Ilhabela faz parte do XV Campeonato Sul-Americano das Classes, S40, ORC Internacional e ORC Club. Em 2011, os campeões da Rolex Ilhabela Sailing Week foram o chileno Pisco Sour, na classe S40, e o Touché, de Ernesto Breda, na ORC. As classes confirmadas são: S-40, ORC, HPE 25, C30 e BRA-RGS. O calendário de provas começa na manhã do dia 8 de julho, com as regatas Alcatrazes por Boreste – Marinha do Brasil, Ilha de Toque-Toque por Boreste e Renato Frankenthal – HPE 25.

Da ZDL de Comunicação

Isaf define o FX como skiff feminino para Rio 2016

A Isaf confirmou nesta sexta-feira que o Mackay FX será o skiff feminino na disputa dos Jogos Olímpicos do Rio 2016. O barco tem o casco do 49er, porém com menos área vélica. O próximo ponto a ser discutido pela federação será o modelo do multicasco misto, também para o Rio 2016. E, por enquanto, o Star continua fora…

Bruno Fontes estreia em 15º no Mundial de Laser

Encarando muito frio e vento inconstante, o velejador Bruno Fontes (Eletrosul/Unimed/AGE do Brasil) começou bem sua trajetório por uma medalha no Mundial de Vela – Classe Laser – disputado na cidade de Boltenhagen, na Alemanha, nessa sexta-feira, 04/05. Após quase cinco horas de regatas, devido ao fraco vento, Bruno Fontes abriu as disputas com um ótimo 3º lugar em sua primeira regata e um 18º na segunda participação na competição.

“O primeiro dia foi bem complicado. O vento estava bem fraco e variando muito. Passamos quase cinco horas na água, sendo um dia muito longo e frio. Não tive boas largadas, mas me recuperei nas provas e consegui imprimir uma boa velocidade”, declarou Bruno. Ao final das duas regatas, Bruno aparece em 8º lugar no seu grupo e em 16º no geral, o que lhe dá boas perspectivas de se posicionar no primeiro pelotão.

Mesmo com os bons resultados, Bruno disse que ainda é muito cedo para prever qualquer coisa. “Como são três frotilhas e muitos candidatos a vitória, é muito cedo para falar algo. O que posso dizer é que dentro do esperado meu primeiro dia foi bom”, ressaltou Bruno. Nesse sábado, 05/05, as competições seguem com mais duas regatas. Até a oitava regata os competidores são divididos em três grupos e a partir da nona regata é que os velejadores serão divididos para definir os postulantes a medalhas.

O outro brasileiro na competição, João Hackerott, terminou o dia na 32ª posição no mesmo grupo que Bruno

Da assessoria do velejador

Brasil é top 10 em três classes no ranking da Isaf

Na disputa do Mundial de Laser, Bruno Fontes é o 17º após o primeiro dia; Scheidt e Prada estreiam neste sábado no Mundial de Star

São Paulo (SP) – O bom momento da dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan foi recompensado nesta semana. Após o oitavo lugar na Semana Olímpica Francesa, em Hyères, as duas subiram para o 10º lugar no ranking da Isaf (Federação Internacional de Vela) na classe 470 feminina. Com isso, a vela brasileira passa a figurar entre os dez melhores do mundo em três classes olímpicas.

Na lista divulgada nesta semana, Bruno Fontes é o melhor do país, com o segundo lugar na classe Laser. Depois dele aparecem Robert Scheidt e Bruno Prada, que após o 18º lugar em Hyères perderam o primeiro lugar da classe Star e agora estão em sétimo.

É a primeira vez que Fernanda entra para a relação de dez melhores do mundo. Em 2008, quando conquistou a medalha de bronze em Pequim, primeira da história da vela feminina brasileira, ela e sua então parceria, Isabel Swan, eram as 17ª da lista.

“Estou muito feliz, é muito gratificante você ter um objetivo e alcançá-lo. É uma vida dedicada ao esporte, um hobby que virou minha profissão. Trabalho muito intensamente, foco todas minhas energias nisso, é muito importante saber que valeu a pena o trabalho dos últimos quatro anos”, diz a velejadora.

Bruno Fontes é o 17º na Alemanha – No Mundial de Laser, o catarinense Bruno Fontes é o melhor do Brasil. Ele marcou um 3º e um 18º lugares no primeiro dia de regatas em Boltenhagen, na Alemanha. Com isso, soma 21 pontos perdidos e é o 8º colocado de sua flotilha, a azul, e o 17º na classificação geral. O outro brasileiro é João Hackerott, com 33 pontos perdidos – ele é o 12º na flotilha vermelha e o 34º na classificação geral.

“O dia foi complicado, com muito frio e vento fraco. Mas fiz regatas consistentes e estou bem na classificação geral, colado nos 15 primeiros”, analisa Bruno, que está se preparando para as Olimpíadas de Londres/2012.

O Mundial de Laser tem oito regatas previstas na fase de classificação e seis para a fase final. Na primeira etapa, os velejadores são divididos em três grupos diferentes (flotilhas). Na segunda fase, é feita uma nova divisão, seguindo a classificação geral. Os melhores classificados passam, então, a velejar juntos na flotilha ouro, de onde sairão os vencedores da competição.

Mundial de Star – Na França, os atuais campeões mundiais da classe Star, Robert Scheidt e Bruno Prada, disputam a partir deste sábado o Mundial da classe, em Hyères. Os dois conquistaram o título mundial em 2007 e 2011, mas em um formato diferente. Os dois venceram o Mundial da Isaf, que é disputado em formato olímpico, com duas provas por dia e medal race.

No Mundial da classe Star, como esse em Hyères, apenas uma prova, mais longa, é marcada por dia e não é realizada a medal race. “O Mundial é um pouco diferente dos outros campeonatos, porque são apenas seis regatas, mais longas. Será duríssimo, pois ainda estão em disputa quatro vagas olímpicas, e devemos ter 18 países não classificados buscando essas vagas”, explica o proeiro Bruno Prada.

Outros Mundiais – O mês de maio é o mês dos Mundiais na vela. Além dos torneios das classes Laser e Star, na segunda-feira (7) começa o Mundial de 49er, na cidade de Zadar, na Croácia, e na próxima semana (domingo/16), o Mundial de 470, em Barcelona, na Espanha, e a Gold Cup (o Mundial da classe) de Finn, em Falmouth, na Inglaterra.

André Fonseca e Marco Grael vão competir no Mundial de 49er tentando conquistar uma das cinco vagas olímpicas em jogo na competição. No Mundial de 470, será a vez de duas duplas brasileiras, Fábio Pilla/Gustavo Thiesen e Henrique Haddad/Nicolas, lutarem por uma das sete vagas em Londres/2012.

Já classificados para os Jogos Olímpicos, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan usarão o Mundial de Barcelona como treinamento, assim como Jorge Zarif na Gold Cup de Finn.

Nova classe para 2016 – A Isaf confirmou nesta sexta-feira o barco Mackay FX como classe olímpica para o categoria skiff feminino nos Jogos do Rio-2016. Ela entra no lugar do match race feminino, que será disputado nos Jogos de Londres. O Mackay FX é uma espécie de 49er para mulheres, usando o mesmo casco do barco masculino, mas adaptando mastros e velas menores.

Confira os melhores brasileiros no ranking da Isaf divulgado nesta semana:

Laser: 2º Bruno Fontes
Star: 7º Robert Scheidt/Bruno Prada
470 feminino: 10º Fernanda Oliveira/Ana Barbachan
RS:X feminino: 24º Patrícia Freitas
Laser Radial: 27º Adriana Kostiw
49er: 30º André Fonseca/Marco Grael
RS:X masculino: 37º Ricardo Winicki (Bimba)
Finn: 39º Jorge Zarif
470 masculino: 43º Fábio Pillar/Gustavo Thiesen

Da ZDL de Comunicação

Martine Grael comanda equipe feminina de S40

Pela primeira vez na história da classe S40 uma equipe formada apenas por mulheres irá disputar uma competição. No comando estará Martine Grael, auxiliada de perto pela sua proeira no 470 Isabel Swan. Outros nomes da vela nacional como Andrea Grael, mãe de Martine, Larissa Juk e as irmãs Fernanda e Renata Decnop também deverão fazer parte do time. O calendário oficial ainda não foi divulgado.

%d blogueiros gostam disto: