Pular para o conteúdo

Arquivo de

Comparados ao automobilismo, barcos one-design enchem a raia da Copa Suzuki em Ilhabela

Segunda etapa do Circuito de vela oceânica teve duelos apertados na HPE e estreia de tio de Felipe Massa na C30. Warm Up contou com 58 veleiros na água e termina no próximo fim de semana

Ilhabela (SP) – Rápidos e competitivos, os veleiros one-design que correm a segunda etapa da Copa Suzuki Jimny podem até ser comparados com algumas categorias do automobilismo. Como seguem uma única regra, quase idênticos e são desenvolvidos pelo mesmo fabricante, os resultados nas classes HPE e C30 são conhecidos na hora, quando os veleiros cruzam a linha de chegada, diferentemente das categorias que necessitam de rating para apontar o ganhador como ORC e BRA-RGS. Cabe às tripulações investirem em treinamento e acertarem a melhor regulagem para o tipo de evento. Mais antiga, a HPE levou 20 barcos ao Warm Up neste fim de semana e contou com duelos equilibrados. Já a novata C30 teve três veleiros na flotilha e a estreia do Loyal, de Marcelo Massa, tio do piloto de Fórmula 1, Felipe Massa.

“É um barco rápido e com tecnologia envolvida, o que automaticamente a gente associa à F1. É uma classe mais emocionante e mais fácil para as pessoas entenderem por causa das regras”, relata Massa, que estreou o novo C30 na Copa Suzuki Jimny, no sábado (26).

Neste domingo (27), Marcelo Massa assistiu parte da corrida de Mônaco pela TV antes de colocar o veleiro de 30 pés nas águas de Ilhabela. O sobrinho levou sua Ferrari à sexta colocação na prova mais charmosa da Fórmula 1. Assíduo fã da categoria, o comandante do Loyal revela que há semelhanças entre a vela de oceano e o automobilismo. “Sempre acompanhei a F1 acordando cedo para assistir a corrida. Temos um motivo a mais agora”, relata o comandante que irá aos GPs da Alemanha e da Hungria, após a Rolex Ilhabela Sailing Week.

O Loyal, assim como a Ferrari, conta com especialistas para fazer as máquinas funcionarem melhor e mais rápidas. Os escalados são velejadores olímpicos e pan-americanos de ponta como Alexandre Paradeda, Gustavo Thiesen e André ‘Bochecha’ Fonseca. Esse último correu a Volvo Ocean Race, batizada de Fórmula 1 dos mares. “É um barco que segue a mesma linha dos da Volta ao Mundo e foi projetado por um campeão (Horácio Carabelli). O C30 tem um sistema onde o hélice levanta e evita atrito, deixando o veleiro cada ainda mais rápido”, acrescenta Bochecha, que foi contratado para treinar a tripulação e fazer os últimos ajustes.

Outro que leva sua experiência de classes olímpicas é o proeiro Gustavo Thiesen. Recentemente, ao lado de Fábio Pillar, o gaúcho fez campanha olímpica na 470, mas não conseguiu a vaga. “O importante é ficar ativo e velejar sempre que puder. Correr na C30 é importante para aprender novas manobras e tática. Além disso, estamos sempre perto de atletas de nível, o que ajuda na minha categoria”.

No Warm Up, o Loyal (Marcelo Massa) venceu todas as cinco regatas disputadas. Na raia correrem ainda o Barrucada/Matrix (Humberto Diniz) e o +Realizado (José Apud).

HPE lotada – Nas disputas de HPE em Ilhabela, as regatas foram definidas no finalzinho. Nenhum barco conseguiu vantagem folgada nesse Warm Up. Entre os 20 da flotilha, a liderança está com o Jimny/Takeashauer (Marcos Ashauer) empatado com o Relaxa Next (Eduardo Mangabeira). O Ginga (Breno Chvaicer) caiu para terceiro lugar. A segunda etapa da Copa Suzuki Jimny é importante no calendário, já que é um teste de luxo para a Rolex Ilhabela Sailing Week, que ocorre em julho, no mesmo Yacht Club de Ilhabela.

“O objetivo é manter uma boa média no próximo fim de semana e tentar sair com o título do Warm Up. A competição é sempre muito equilibrada e os resultados precisam ser bons em todas as provas”, explica Maurício Santa Cruz, que é bicampeão pan-americano de J/24 e integrante do Relaxa Next.

As regatas deste domingo foram disputadas com ventos variando de 8 a 12 nós e temperatura máxima na casa dos 27 graus. “É prazerosa a competição, já que são muitos barcos da classe na água e todos são iguais. O objetivo é velejar direitinho e cometer a menor quantidade de erros para continuar na proa”, relata Júlio Cechetto, comandante do SER Glass 10 anos.

Mais resultados – Na ORC, o Tomgape (Ernesto Breda) lidera com apenas cinco pontos perdidos em quatro regatas. Atrás vem o Tembó Guaçu com 10 perdidos. A liderança da BRA-RGS A está com o Jazz (Valéria Ravanni). Na subdivisão B, o Nomad (Márcio Dottori) venceu três das quatro provas do calendário. Na C, destaque para o Rainha (Leonardo Pacheco). Na Cruiser, o melhor do Warm Up é o Helios II – Hospital Sírio Libanês (Marcos Lobo) com 100% de aproveitamento em quatro regatas.

Resultados acumulados do Warm Up:

ORC após quatro regatas
1º – Tomgape (Ernesto Breda) – 5 pp pontos perdidos (2+1+1+1)
2º – Tembó Guaçu (Marcelo Massa) 10 pp – (3+3+2+2)
3º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 11 pp (1+4+3+3)

HPE após cinco regatas e um descarte
1º – Jimny/Takeashauer (Marcos Ashauer) – 10 pp (1+7+2+5+2)
2º – Relaxa Next (Eduardo Mangabeira) 10 pp (3+1+8+2+4)
3º – Ginga (Breno Chvaicer) – 12 pp (2+3+3+4+15)

BRA RGS A após quatro regatas
1º – Jazz (Valéria Ravanni) 9 pp (1+4+1+3)
2º – Fram (Felipe Aidar) 10 pp (2+1+5+2)
3º – Jylic II (Martin Bonato) 11 pp (4+3+3+1)

BRA RGS B após quatro regatas
1º – Nomad (Márcio Dottori) 6 pp (3+1+1+1)
2º – Asbar II (Sérgio Keplacz) 8 pp (1+3+2+2)
3º – Anequim (Paulo de Moura) 14 pp (2+2+7+3)

BRA RGS C após quatro regatas
1º – Rainha (Leonardo Pacheco) – 6 pp (2+1+2+1)
2º – Ariel (Luis Pimenta) – 8 pp (3+2+1+2)
3º – Conquest (Marco Hidelgo) 14 pp (1+5+5+3)

BRA RGS Cruiser após quatro regatas
1º – Helios II – Hospital Sírio Libanês (Marcos Lobo) – 4 pp (1+1+1+1)
2º – Cocoon (Marcelo Cagiano) – 12 pp (5+3+2+2)
3º – Pirajá (Rubens Bueno) – 14 pp (2+2+6+4)

C30 após cinco regatas
1º – Loyal (Marcelo Massa) – 5 pp (1+1+1+1+1)
2º – Barrucada/Matrix (Humberto Diniz) 11 pp (2+3+2+2+2)
3º – +Realizado (José Apud) – 14 pp (3+2+3+3+3)

Da ZDL

VOR: Abu Dhabi segue na liderança da travessia do Atlântico

O Abu Dhabi continua na liderança da flotilha da Volvo Ocean Race durante a travessia do Atlântico. Na manhã desta segunda-feira o time comandado por Ian Walker estava a 63 milhas do segundo colocado, o Puma. O barco americano está posicionado mais a norte da flotilha, velejando a 21.7 nós

“Até agora fizemos uma boa velejada e todos a bordo estão determinados a defender a nossa liderança pelo máximo de tempo possível. Enquanto a flotilha segue para o leste com boa velocidade, sabemos que podemos perder parte da nossa liderança. Estou me preparando mentalmente para o fato de que os barcos que estão atrás de nós têm mais vento por causa de uma frente fria que está vindo por trás da flotilha”, disse Walker.

 

Virbac Paprec 3 vence a primeira etapa da Europa Race

A primeira etapa da Europa Race serviu como prévia de como será acirrada a disputa da Vendée Globe. Os três primeiros colocados terminaram a regata separados por apenas sete minutos. No total foram quatro dias de regata entre Barcelona, na Espanha, e Cascais, em Portugal. O Virbac Paprec 3, de Jean Pierre Dick, foi o primeiro a cruzar a linha de chegada, seguido por Macif, de François Gabart, e PRB, de Vincent Riou.

A competição, que conta com sete veleiros IMOCA, seguirá para os Açores e para a Irlanda, até terminar na França.

%d blogueiros gostam disto: