Pular para o conteúdo

Arquivo de

Baianos conhecem os vencedores da Copa Aniversário do YCB

O Yacht Clube da Bahia realizou, de 5 de maio a 3 de junho a Copa Aniversário, como parte das comemorações do mês de aniversário de seus 77 anos. A competição também é válida para pontuação dos atletas no ranking de Vela do clube, responsável por movimentar o YCB com diversas regatas durante todo o ano e por definir os integrantes da equipe que representará o clube e a Bahia nos principais campeonatos do país.

Competiram na Copa barcos das classes Dingue, Laser, Hobie Cat 16, Super Cat 17, Optimist, Skipper 21 e Snipe. Na classe Dingue, as três primeiras colocações ficaram para as duplas Luis Carlos Abbehusen/Ícaro dos Santos; Alexandre Garboggini/Ivan Fernandes e Sérgio Domingos/Cláudio Imbassahy. Na Hobie Cat 16, Yam Vidal/Tammy Vidal; Roney Andrade/José Augusto Souza e Marcelo Almeida/Gabriel Almeida. Na Laser 4.7, Bruno Menezes; Kim Vidal e André Mata Virgem. Na Laser Standard, os três primeiros foram Guilherme Caracas; Michel Kalil e Alberto Vita.

Na classe Snipe as três primeiras colocações foram para as duplas Rafael Martins e Mila Beckerath; Mateus Tavares e Jonathan Lehrke e Mário Urban e Gerald H. Wicks. No Optimist, Gerald H. Wicks conquistou o 1º lugar; seguido por Luiza Cruz e Rafael Rizzato.

A festa de premiação será nesta terça-feira (5), às 19 horas, no Salão de Eventos do Yacht.

Da assessoria


 

Copa Suzuki Jimny: Campeões querem repetir desempenho na Rolex

Teste de luxo para maior competição de vela oceânica da América Latina terminou nesse domingo com recorde de participantes: 58 barcos na raia

Ilhabela (SP) – As principais equipes de vela oceânica das classes C30, HPE, ORC e BRA-RGS encerraram neste domingo (3) um teste de luxo para a Rolex Ilhabela Sailing Week, considerada a maior competição oceânica da América Latina. A Copa Suzuki Jimny reuniu 58 veleiros no Yacht Club de Ilhabela (YCI) para a segunda etapa do campeonato, chamada de Warm Up. Todos os que participaram do tradicional ‘aquecimento’ levaram informações importantes da raia, testaram equipamentos e entrosaram os tripulantes visando o evento de julho.

Neste domingo de céu azul e termômetros na casa dos 27 graus, os ventos não apareceram e os resultados do dia anterior foram mantidos. E o campeão da ORC foi o antigo Touché, hoje batizado de Tomgape (Ernesto Breda). Na BRA-RGS A, o título ficou com o Jylic II (Martin Bonato). Na subdivisão B, o vencedor foi o Asbar II (Sérgio Keplacz), na C o Ariel (Luis Pimenta) e na Cruiser, o Helios II – Hospital Sírio Libanês (Marcos Lobo) levou o ouro com 100% de aproveitamento. Entre os barcos de one-design, os campeões foram Relaxa Next (Roberto Mangabeira) e Loyal (Marcelo Massa) nas classes HPE e C30.

“O sucesso da competição demonstra o trabalho de equipe que a organização tem. O Circuito Ilhabela está consolidado e com vida própria. Isso é muito importante, já que a vela precisa funcionar o ano todo”, explica José Nolasco, diretor de vela do YCI.

A Copa Suzuki Jimny teve início em março com a primeira etapa. Depois do Warm Up, os barcos voltam a se enfrentar no litoral norte paulista em setembro (22, 23, 29 e 30) e decidem os campeões no geral entre 24 e 25 de novembro e 1 e 2 de dezembro.

Domínio na ORC – O nome mudou, mas a tripulação e os resultados não. Mesmo com a evolução das equipes na ORC, o Tomgape (Ernesto Breda) segue como o bicho papão de títulos. O objetivo foi alcançado e a equipe está pronta para defender o bicampeonato da Rolex Ilhabela Sailing Week.

“São 13 anos correndo juntos e isso ajuda no entrosamento. Além disso, nós treinamos muito. A tendência é que as regatas fiquem mais apertadas, já que os concorrentes estão se preparando bem para as competições. Nas últimas regatas percebemos isso”, adianta Carlos Biekarck, tático do Tomgape.

Tembó Guaçu (André Omati) e Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) completaram o pódio na classe ORC, chamada de categoria dos barcos grandes. Além disso, os adversários prometem tentar acabar com o domínio do Tomgape nas regatas de julho.

“Estamos pegando entrosamento e conhecendo o barco, que é novo e difícil de velejar. O objetivo é sempre chegar na frente e a nossa referência é o Tomgape”, conta Cássio Elias, trimmer do Tembó Guaçu, barco que ficou em segundo lugar.

A raia mais equilibrada – Turbinada com campeões mundiais e pan-americanos, a HPE mais uma vez mostrou que é a mais equilibrada da vela oceânica nacional. Sem chance para escapadas na classificação, as regatas foram definidas na última regata das sete entre os 20 barcos. O título foi para o Relaxa Next (Roberto Mangabeira), que contou com a estreia pé quente de Maurício Santa Cruz, bicampeão pan-americano e trimundial de J/24.

“Treinamos bem e conseguimos o resultado. A classe é nova e a cada regata aprendo alguma coisa. Espero que outros velejadores se interessem pelo HPE. A tendência é crescer ainda mais”, comemora Maurício Santa Cruz. Em segundo lugar ficou o Jimny/Takeashauer (Marcos Ashauer) e em terceiro o SERGlass Eternity (Marcelo Bellotti).

“Pena que o vento não apareceu, pois queríamos melhorar ainda mais o resultado. Porém, as equipes estão de parabéns pelo campeonato equilibrado e pelas regatas de alto nível. Que venha a Rolex Ilhabela Sailing Week”, adianta Marcelo Bellotti, do SER Glass Eternity.

Os campeões na RGS – A categoria com mais barcos na raia teve resultados surpreendentes e viradas na última prova do Warm Up. Na BRA RGS A, o Jylic II (Martin Bonato) venceu com oito pontos perdidos, o mesmo da equipe vice-campeã Fram (Felipe Aidar). Por ter vencido as últimas regatas, o Jylic II levou a taça.

“Ganhamos as duas últimas regatas e, se tivesse mais no domingo, teríamos outros bons resultados. O time está entrosado e preparado para a Rolex Ilhabela Sailing Week. Estamos aquecidos e confiantes”, destaca Martin Bonato, líder do Jylic II. A terceira colocação ficou com o Jazz (Valéria Ravanni), um ponto atrás dos primeiros colocados.

Na B, o campeão foi o Asbar II (Sérgio Keplackz). A equipe teve sete pontos perdidos, o mesmo número do Nomad (Márcio Dottori). Mas, o critério de desempate (melhor resultado na última prova) deu o ouro ao Asbar. O Anequim (Paulo de Moura) ficou em terceiro no Warm Up.

Na C, o vencedor foi Ariel (Luis Pimenta), seguido por Conquest (Marco Hidelgo) e Rainha (Leonardo Pacheco).

Na Cruiser, 100% de aproveitamento para o Hélios II – Hospital Sírio Libanês em cinco regatas. O resultado é fruto de treinos e investimentos da tripulação, como explica o integrante José Guilherme. “Vela oceânica é treinamento. Esse é o segredo. Nossa tripulação está entrosada e com tempo bom de manobra”.

A estreia vitoriosa do Loyal – Com 100% de aproveitamento na classe C30, o Loyal (Marcelo Massa) fez um treino de luxo para a Rolex Ilhabela Sailing Week justamente em sua estreia na categoria. A bordo nomes de peso da vela nacional como André Fonseca e Alexandre Paradeda, que aprovaram a categoria e a Copa Suzuki. “O campeonato é muito legal e prepara bem para a Rolex Ilhabela. Creio que a classe terá bastante barco na água. O C30 é uma possibilidade real, principalmente pelo custo benefício”, comente o campeão pan-americano de Snipe, Alexandre Paradeda.

A prata ficou com o Barracuda/Matrix (Humberto Diniz) e o bronze com o +Realizado (José Apud).

Contagem regressiva – Além das equipes, o próprio YCI já se prepara com um mês de antecedência para receber as 150 equipes e os mais de 1.400 velejadores da Rolex Ilhabela Sailing. Já está em fase de montagem a estrutura que receberá os estandes dos patrocinadores, imprensa e convidados. O píer está modernizado e com poitas novas. As regatas serão disputadas de 7 a 14 de julho e terão, além da flotilha brasileira, representantes da Argentina, Chile e Uruguai nas classes C30, HPE, S40, ORC e BRA-RGS.

A premiação dos vencedores do Warm Up teve a presença do prefeito de Ilhabela, Antônio Colucci. “A cidade está novamente despontando no cenário da vela nacional com um grande evento como a Copa Suzuki. É uma das nossas vocações”, garante o mandatário de de Ilhabela.

Resultados finais do Warm Up 2012:

ORC – após cinco regatas e um descarte
1º – Tomgape (Ernesto Breda) – 4 pp pontos perdidos (2+1+1+1+1)
2º – Tembó Guaçu (André Omati) 10 pp – (3+3+2+2+3)
3º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 11 pp (1+4+3+3+4)

HPE – após sete regatas e um descarte
1º – Relaxa Next (Roberto Mangabeira) 16 pp (3+1+8+2+4+5+1)
2º – Jimny/Takeashauer (Marcos Ashauer) – 20 pp (1+7+2+5+2+10+3)
3º – SERGlass Eternity (MarceloBellotti) – 23 pp (7+2+5+12+5+2+2)

BRA RGS A – após cinco regatas e um descarte
1º – Jylic II (Martin Bonato) – 8 pp (4+3+3+1+1)
2º – Fram (Felipe Aidar) – 8 pp (2+1+5+2+3)
3º – Jazz (Valéria Ravanni) – 9 pp (1+4+1+3+4)

BRA RGS B – após cinco regatas e um descarte
1º – Asbar II (Sérgio Keplacz) – 7 pp (1+3+2+2+1)
2º – Nomad (Márcio Dottori) – 7 pp (3+1+1+1+3)
3º – Anequim (Paulo de Moura) – 9 pp (2+2+7+3+2)

BRA RGS C – após cinco regatas e um descarte
1º – Ariel (Luis Pimenta) – 6 pp (2+1+2+1+1)
2º – Conquest (Marco Hidelgo) – 7 pp (1+5+5+3+2)
3º – Rainha (Leonardo Pacheco) – 9 pp (3+2+1+2+4)

BRA RGS Cruiser – após cinco regatas e um descarte
1º – Hélios II – Hospital Sírio Libanês (Marcos Lobo) – 4 pp (1+1+1+1+1)
2º – Cocoon (Marcelo Cagiano) – 9 pp (5+3+2+2+2)
3º – Pirajá (Rubens Bueno) – 13 pp (2+2+6+4+5)

C30 – após seis regatas e um descarte
1º – Loyal (Marcelo Massa) – 5 pp (1+1+1+1+1+1)
2º – Barracuda/Matrix (Humberto Diniz) – 10 pp (2+3+2+2+2+2)
3º – +Realizado (José Apud) – 14 pp (3+2+3+3+3+3)

Da ZDL

Bruno Fontes disputa a Skandia Sail for Gold Regatta

Evento Teste para os Jogos de Londres será disputado em Weymouth, na raia das Olimpíadas.

Após quatro dias de treinamentos em Weymouth, Inlgaterra, o velejador Bruno Fontes (Eletrosul/Unimed/AGE do Brasil/Fundesporte) inicia nessa segunda-feira (04) as disputas do Skandia Sail For Gold, etapa do Copa do Mundo de Vela. O evento ocorre na raia onde serão disputados os Jogos de Londres e é a última competição para o atleta da classe Laser antes das Olimpíadas.

Acompanhado de seu técnico, Bruno di Bernardi, Fontes treinou forte no local da competição. O velejador catarinense busca no evento aprimorar ainda mais sua largada, um dos pontos que evoluiu bastante nos últimos meses de preparação e conseguiu colocar bem em prática no Mundial em Boltenhagen (Alemanha), disputado no começo de maio.

Diferente do Mundial, que foi disputado em temperaturas baixas e com pouco vento, a previsão para a Inglaterra é mais otimista. “Nos dias de treinamento aqui tinha vento. A previsão para o primeiro dia é um pouco mais fraca, mas depois já venta forte para os próximos dias. Treinei e estou 100% para a competição”, revela Bruno, pouco antes de partir para o último dia de preparações em Weymouth.

Na Inglaterra, Bruno terá pela frente boa parte dos competidores que enfrentará em Londres. No entanto, a Copa do Mundo é aberta para mais de um velejador de cada país, diferente da Olimpíada, onde a disputa é restrita a apenas um competidor de cada nação. Ao todo, na Copa do Mundo, serão 113 velejadores, de 51 países.

Além disso, o evento será fundamental na preparação de Bruno para os Jogos. A Skandia Sail For Gold será disputada no mesmo formato das Olimpíadas de Londres: dez regatas e mais a Medal Race.

O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Eletrosul, Unimed, AGE do Brasil, Fundesporte e apoio do COB e CBVM/Bradesco.

Da assessoria

Lagoa dos Ingleses receberá, de 7 a 10 de junho, o Campeonato Brasileiro de Microtonner 19

A Lagoa dos Ingleses, em Nova Lima (MG), sediará 7 a 10 de junho, o Campeonato Brasileiro da Classe Microtonner 19 (MT19). É a primeira vez que Minas Gerais recebe a competição, realizadadesde a década de 80. Participarão das oito regatas programadas cerca de 20 equipes, vindas do Brasil inteiro.Confirmaram presença o paulista Mário Buckup, duas vezes medalhista de ouro em jogos olímpicos pan-americanos e atual campeão brasileiro da classe, e o carioca Rafael Paris, da equipe da Marinha do Brasil. A entrada é aberta ao público. O campeonato será organizado pelo Iate Clube Lagoa dos Ingleses, que conta com uma flotilha de 17 barcos, a maior do país em um mesmo clube. A realização do evento em Minas Gerais, decidido em assembléia pela Associação Brasileira da Classe Microtonner, veio após intensa mobilização dos velejadores mineiros, sobretudo em redes sociais.

“A flotilha mineira de MT 19 tem feito muito pela promoção da classe no cenário nacional da vela. Foi pertinente e justa a transferência”, afirmou Marcelo Perpétuo, Diretor Náutico do Iate Clube Lagoa dos Ingleses.

Programação – O  Brasileiro começa na quinta feira, dia 7, a partir das 9h, com a as inscrições dos competidores, preparação dos barcos e instruções sobre percurso.  A partir das 14h, começam as regatas. Na sexta-feira, dia 8, e no sábado, dia 9, o início das regatas será às 10h. A programação prevê duas regatas no primeiro dia, três no segundo e três no terceiro. No sábado, 10, considerado dia reserva, serão realizadas as regatas que não puderam ocorrer anteriormente.

O aviso de regatas e demais informações sobre o campeonato estão disponíveis no site do Iate Clube Lagoa dos Ingleses,ou junto à Secretaria do Campeonato, na Sede do Iate Clube Lagoa dos Ingleses. O endereço é BR 040, Km 559, Nova Lima – Minas Gerais.

Da assessoria

Vídeo: Contagem regressiva para a ACWS em Newport

Vídeo: Extreme Sailing Series segue para Instambul

%d blogueiros gostam disto: