Pular para o conteúdo

Arquivo de

Lars Grael e Samuel Gonçalves vencem o 7º Distrito de Star

Durante o feriado a flotilha brasileira da classe Star esteve reunida em Brasília para a disputa do 7º distrito da classe, válido como Campeonato Brasileiro. No total foram realizadas sete regatas e o título ficou com a dupla de Niterói Lars Grael e Samuel Gonçalves. Leia abaixo o relato de Lars:

“Hoje eu e meu proeiro Samuel Gonçalves, conquistamos 7º Distrito da classe Star. A competição realizada pelo Iate Clube de Brasília, reuniu a expressiva flotilha de 21 barcos de 3 estados, 7 flotilhas e 7 clubes, dentre eles, 3 medalhistas olímpicos. O Lago Paranoá fez bonito e ofereceu um excelente regime de ventos com direito a quebra de mastro e outras avarias menos expressivas. Após 7 regatas, conquistamos por antecipação, meu 7 título nacional da classe Star como nosso barco: LIGHT / Come Together.O vice título coube a tripulação paulista do Marcelo Fuchs e Ronald Seifert (campeões sul-americanos 2012). Na terceira colocação, o experiente velejador carioca Gastão Brun e seu proeiro Gustavo Kunze. A classe Star mostrou sua força e tradição de regatas disputadíssimas.

Lars Grael”

Smooth é campeão brasileiro de Velamar 22

Este slideshow necessita de JavaScript.

Entre os dias 7 e 10 de junho o Clube Naval Charitas foi sede do Campeonato Brasileiro de Velamar 22. Onze barcos participaram da competição, que teve oito regatas. No final, o título ficou com o Smooth, de Ricardo da Costa. Baruk, de Plínio Cabral e Regatinha, de Porthos Filho, completaram o pódio. Com um vento raro  na enseada, o leste puro, com a boia 1 no rumo 90º, teve inicio a última regata. A briga pelo primeiro lugar na regata ficou entre o Regatinha e o  Smooth, que só conseguiu ultrapassar o assumira liderança no segundo contravento em uma bela manobra e não perdeu mais a ponta. O Campeonato Brasileiro teve um elevado nível técnico, com belas disputas, sem nenhum incidente e terminou com a realização de todas as  regatas previstas.

Vídeo: Extreme Sailing Series em Bosphorus

Luiz José Junior e Aniso Filé são campeões cariocas de Dingue

Entre os dias 7 e 9 de junho os velejadores da classe Dingue estiveram reunidos em Búzios para a disputa da Búzios Sailing Week e do Campeonato Estadual da classe. Depois de três regatas, o título ficou com Luiz José Junior e Aniso Filé, da equipe de vela do Clube Naval Charitas. Este foi o sexto titulo Estadual do timoneiro e o segundo do proeiro. O segundo lugar ficou com Bernardo Evangelista (ex velejador de Optimist e atual Campeão Sudeste Brasileiro de Laser 4.7 ) e Alexandre Schott,  ambos novatos na Classe Dingue, completaram o pódio Andre Filipe e Rafael Menezes, do EspíritoSanto.

No total, participaram da competição 50 velejadores subdivididos em oito categorias: Sênior, Máster, Grand Máster, Feminino, 1.5, Juvenil, Mista e Estreante.

Durante o campeonato, ficou definido que o velejador Rodrigo Costa Felix seria reeleito por Coordenador Estadual e que o Campeonato Estadual de 2013 será na Semana Santa, no ICRJ.

Vídeo: A edição mais disputada da VOR

Vela brasileira fecha o Skandia Sail for Gold Regatta com medalha e preparada para os Jogos Olímpicos

Completa, Equipe Brasileira de Vela finaliza evento em raia olímpica com uma prata na Star

São Paulo (SP) – A Equipe Brasileira de Vela finalizou sua participação na Skandia Sail for Gold com uma medalha e bons resultados neste sábado (9). O País subiu no pódio na raia onde serão realizados os Jogos Olímpicos de 2012 na classe Star com Robert Scheidt e Bruno Prada. A medalha de prata foi conquistada após a medal race em Weymouth. Outros brasileiros disputaram as provas finais na RS:X com Patrícia Freitas (6ª); Ricardo ‘Bimba’ Winicki (10º) e na 470 com Martine Grael/Isabel Swan(4ª). Na mesma categoria, a dupla classificada para os Jogos, Fernanda Oliveira/Ana Barbachan fechou o evento em 11º.

As regatas olímpicas estão marcadas para a cidade de Weymouth, na costa sul da Inglaterra. O local é a sede da Academia Nacional de Vela, o principal centro da modalidade no País. A disputa começa no dia 29 de julho e termina apenas no dia 11 de agosto. As medal races para as demais classes serão realizadas entre os dias 5 e 9 de agosto.

Prata para os tricampeões mundiais – O foco de Robert Scheidt e Bruno Prada era testar a raia dos Jogos e chegar preparados para a conquista da medalha de ouro. E foi isso que ocorreu com a dupla, que saiu com o segundo lugar do Skandia Sail for Gold. Com o mesmo número de pontos (23) dos campeões Peter O’Leary/David Burrows (Irlanda), os brasileiros ficaram com a prata pelos critérios de desempate. Na medal race, terminaram em quarto lugar e os irlandeses foram os terceiros.

“Tivemos uma medal race difícil, fomos penalizados logo no começo, depois de uma colisão com os ingleses, mas conseguimos nos recuperar e acabar em quarto. Ganhar dos donos da casa e campeões olímpicos dá moral”, comenta Bruno Prada, em referência aos britânicos Iain Percy e Andrew Simpson.

O cronograma da classe Star não atingiu as 10 regatas como previsto. Até a medal race, a comissão realizou apenas seis por causa dos ventos fortes na raia inglesa. “Fizemos todos os ajustes e testamos bem a raia onde serão disputados os Jogos. O resultado era o menos importante”, relata o proeiro.

Patrícia faz melhor resultado da carreira – Na RS:X Feminina, Patrícia Freitas conseguiu o melhor resultado na carreira. A sexta colocação coloca a brasileira entre as melhores do mundo. Desde o ano passado, Patrícia disputa as principais competições no exterior e sobe de posição em cada evento. Na última regata (medal race) de Weymouth, fechou em quarto lugar. O desempenho arranca elogios do experiente Ricardo Winicki.

“A Patrícia está de parabéns, vem evoluindo de forma incrível, e está escutando mais os conselhos dos mais experientes. Tem tudo pra lutar por uma medalha no Rio de Janeiro/2016, caso a RS:X volte. Foi o melhor campeonato da vida dela. Pela primeira vez, começou a andar na frente também nos ventos mais fortes”, conta Bimba, que terminou o evento em 10º.

As demais classes – Na 470, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan não se classificaram para a medal race e terminaram em 11º. As gaúchas estão focadas na Olimpíada. As também brasileiras Martine Grael e Isabel Swan ficaram em quarto em Weymouth, depois do oitavo lugar na medal race.

Na Laser Radial, Adriana Kostiw fechou na 33ª colocação geral. “As condições climáticas estavam extremas, foram sete dias de muito frio, muita onda e muito vento, mas pude aproveitar a presença do técnico Geison Mendes e volto para o Brasil com a sensação de ter feito o meu melhor”, pondera Adriana. Na Laser Standard, Bruno Fontes foi o 23º. Na Finn, o paulista Jorge Zarif ficou em 20º.

Da ZDL

Scheidt e Prada são vice-campeões do Skandia Sail for Gold Regatta

Evento foi o último da dupla antes da Olimpíada de Londres

São Paulo – Robert Scheidt e Bruno Prada conquistaram neste sábado o vice-campeonato do Skandia Sail for Gold Regatta. A dupla conquistou o quarto lugar da medal race, em que participam apenas os 10 primeiros colocados e tem peso dobrado. O título ficou com os irlandeses Peter O’Leary e David Burrows. Os ingleses Iain Percy e Andrew Simpson, maiores adversários de Scheidt e Prada, completaram o pódio.

A dupla brasileira largou bem, porém na primeira perna se envolveu em um acidente com a dupla inglesa. Ambos foram penalizados e caíram para as últimas colocações. Scheidt e Prada fizeram uma regata de recuperação, terminando em quarto. Os ingleses ficaram com a oitava posição, enquanto os franceses Xavier Rohart e Pierre Alex Ponsot venceram. Os irlandeses cruzaram em terceiro e terminaram com os mesmos 23 pontos dos brasileiros, mas garantiram o título por terem melhor resultado na regata final.

“A regata final foi muito difícil, porque fomos penalizados logo no início, depois de uma colisão com os ingleses. Conseguimos nos recuperar, mas não deu para superar os irlandeses. Mesmo assim, ganhar dos donos da casa e campeões olímpicos dá moral. Nosso objetivo era fazer ajustes e testar bem a raia dos Jogos. O resultado era o menos importante”, analisou Bruno Prada.

A medal race foi disputada com ventos em torno dos 20 nós (37 km/h), bem diferente dos dois últimos dias, quando a classe Star não teve regatas. Nesta sexta-feira o vento chegou na casa dos 45 nós (83 km/h) e a organização cancelou as regatas de todas as classes. A Star acabou tendo apenas seis regatas na fase classificatória.

Resultado final, com um descarte
1. Peter O’Leary/David Burrows (Irlanda), 23pp (5+2+4+1+[7]+5+6)
2. Robert Scheidt/Bruno Prada (Brasil), 23 pp (4+1+[6]+3+5+2+8)
3. Iain Percy/Andrew Simpson (Inglaterra), 30 pontos perdidos ([12]+3+1+7+2+1+16),
4. Fredrik Loof/Max Salminen (Suécia), 37 pp (7+8+[14]+13+1+4+4)
5. Xavier Rohart/Pierre Alexis Ponsot (França), 39 pp ([19]+4+3+9+12+9+2)

Adriana Kostiw termina o Skandia Sail for Gold Regatta na flotilha ouro

Esta foi a última competição da representante do Brasil nos Jogos antes de entrar na Vila Olímpica

São Paulo – Terminou neste sábado na cidade inglesa de Weymouth o Skandia Sail for Gold Regatta. O campeonato teve o mesmo formato dos Jogos Olímpicos, com dez regatas mais a medal race, que participam apenas as 10 primeiras colocadas. Adriana Kostiw, representante brasileira da classe Laser Radial nos Jogos Olímpicos, finalizou a competição na 31ª colocação da flotilha ouro, ao lado das melhores do mundo. O título ficou com a inglesa Alison Young.

Durante a semana de competição, o vento forte foi predominante, obrigando a organização, inclusive, a cancelar as regatas programadas para sexta-feira. No total, apenas oito regatas da fase classificatória puderam ser completadas.

“As condições climáticas estavam extremas, foram sete dias de muito frio, muita onda e muito vento, mas pude aproveitar muito a presença do técnico Geison Mendes e volto para o Brasil com a sensação de ter feito o meu melhor”, disse Adriana.

A velejadora, que tem o patrocínio do Grupo Alatur, Veet, Lorenzetti e Aon, e apoio da Oakley, BL3, Nobmultisports, YCSA e VDS chega ao Brasil nesta segunda-feira (11), e seguirá para Ilhabela, onde terá mais alguns dias de treinos antes de embarcar para a Vila Olímpica, no dia 16 de julho.

Adriana Kostiw está na Equipe Brasileira de Vela, patrocinada pelo Bradesco e com apoio do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Da Local

Flagra: Fred Hoffman registra a atravessada do veleiro Leviatan

Este slideshow necessita de JavaScript.

Flotilha da VOR larga rumo a França

Com vento em torno de 15 nós, os seis barcos da Volvo Ocean Race partiram neste domingo de Lisboa, Portugal, rumo a Lorient, na França. Depois de perder a liderança da competição na travessia do Atlântico e terminar em último lugar na regata in port deste sábado, o Telefónica assumiu a ponta da flotilha rumo a São Miguel, nos Açores, antes de subir para a França. Colado no barco espanhol está o Abu Dhabi, a apenas seis milhas de distância. O Puma, em terceiro, também está no visual dos dois, a apenas 1,4 milha do líder.
Regata Inport – O Groupama venceu neste sábado (9) a Oeiras Regata do Porto da Volvo Ocean Race em Lisboa e aumentou para oito pontos a vantagem sobre os espanhóis do Telefonica, últimos colocados na regata. A equipe de Franck Cammas soma agora 189 pontos contra os 181 do Telefonica, de Iker Martinez.O Groupama venceu a regata em frente à famosa Torre de Belém em um pouco mais de uma hora. O Puma ficou na segunda posição chegando 22 segundos depois. O pódio foi completado pelo Camper. Em quarto ficou o Abu Dhabi, seguido por Sanya e Telefónica.

Resultado da Oeiras Regata do Porto de Lisboa:
1º – Groupama – 6 pontos
2º – Puma – 5 pontos
3º – Camper – 4 pontos
4º – Abu Dhabi – 3 pontos
5º – Sanya – 2 pontos
6º – Telefónica – 1 ponto

%d blogueiros gostam disto: