Pular para o conteúdo

Arquivo de

Esimit Europa 2 quebra recorde da Rolex Giraglia Cup

Ao cruzar a linha de chegada da Rolex Giraglia Cup em San Remo, na Itália, às 03:16.16 CEST desta quinta-feira, o maxi de 100 pés Esimit Europa 2, de Igor Simčič, estabeleceu um novo recorde para a regata. A equipe completou as 242 milhas em 14 horas, 56 minutos e 16 segundos, mais de três horas à frente do antigo recorde estabelecido pelo neozelandês Alfa Romeo em 2008. Esta é a terceira vez que o Esimit Europa 2 é fita-azul da competição.

“Não foi uma regata fácil, especialmente quando vimos uma rajada com mais de 40 nós na nossa frente, então qualquer coisa poderia acontecer e por isso fizemos uma regata bastante conservadora”, disse o skipper Jochen Schümann.

Franceses chegam primeiro em casa e colocam uma mão na taça da VOR

Groupama ganha perna de Lisboa até Lorient e coloca a mão na taça. Espanhóis que lideraram quase todo o campeonato precisam de um milagre para reverter a vantagem

Itajaí (SC) – O título da Volvo Ocean Race, que antes era dado como certo para o barco espanhol do Telefónica, passou para as mãos da França com o Groupama. O veleiro de Franck Cammas venceu, nesta sexta-feira (15), a perna de Lisboa até Lorient de 1.940 milhas náuticas e abriu mais de 20 pontos de vantagem para o segundo colocado, que passou a ser o Puma, dos Estados Unidos. Os franceses aproveitaram a quebra do leme dos espanhóis e abriram vantagem, chegando em primeiro lugar em casa, para festa dos amantes da vela de oceano na Costa da Bretanha.

O veleiro francês completou a oitava perna em quatro dias, 23 horas, 31 minutos e quatro segundos. O Camper, barco de bandeira espanhola/neozelandesa, fechou em segundo lugar, ganhando 25 pontos. “Foi uma perna curta, porém dura. É uma sensação muito boa ser recebido pelos milhares de fãs do meu país. Com certeza é um sonho que tínhamos desde que largamos para essa aventura”, relatou o feliz comandante Franck Cammas.

O barco conseguiu uma recuperação digna de campeão na perna, subindo da quarta colocação à liderança em apenas dois dias e justamente nas milhas finais. A vitória veio também em função da coragem e habilidade do tripulante Brad Marsh, que subiu ao topo do mastro de 31 metros para efetuar reparos no equipamento durante uma tempestade. Sem desistir, o time francês recuperou a ponta menos de 12 horas antes da chegada.

Os 30 pontos obtidos pelo Groupama praticamente tiram o título esperado do Telefónica, que tem o brasileiro Joca Signorini a bordo. Os ibéricos foram prejudicados pela quebra do leme quando lideravam a prova e haviam batido o recorde de velocidade desta edição da Volvo Ocean Race: 560 milhas  em 24 horas. Em seguida, o Camper estabeleceu a melhor marca com 565 milhas . Com o problema da quinta-feira (14), os espanhóis reduziram a velocidade caindo para quinto lugar e ainda não completaram o trecho.

O comandante do Team Telefónica, Iker Martinez, comentou sobre a frustração ao ver perdidos aqueles que poderiam ser os pontos mais decisivos do campeonato. “São dois anos de trabalho desaparecendo em questão de minutos. Que triste!”.

Os barcos voltam a disputar pontos apenas no sábado (23), com a Regata do Porto na costa francesa. O vencedor leva seis pontos. No dia seguinte, os veleiros partem para Galway, na Irlanda. Quem vencer o trecho soma 30 pontos. Matematicamente, o Groupama precisa chegar em terceiro para garantir o título com folga, sem contar os pontos da In-port Race do outro sábado. O percurso será curto, com 485 milhas náuticas (886 quilômetros).

Resultado acumulado após a oitava perna:
1º – Groupama – 219 pontos
2º – Puma – 196 pontos
3º – Telefónica – 191 pontos*
4º – Camper – 191 pontos
5º – Abu Dhabi – 122 pontos
6º – Sanya – 44 pontos*

* Pontuação não oficial e levando em conta o cenário atual com Telefónica chegando em quinto e Sanya em sexto na perna de Lisboa até Lorient

A onda – O time do Camper teve um dia de sofrimento com as fortes ondas. O comandante Chris Nicholson foi arrancado do leme pela força das águas. O australiano disse que sentiu dores nas pernas,mas conseguiu levar o barco para a segunda posição.

Um regulador de velas que estava por perto assumiu o controle do barco e evitou uma capotagem, mesmo sem enxergar quase nada.

Adriana Kostiw finaliza em Ilhabela a preparação para as Olimpíadas

No último período de treinos antes do embarque para Weymouth, velejadora contará com apoio de dois técnicos

São Paulo – A velejadora Adriana Kostiw, representante brasileira da classe Laser Radial nos Jogos de Londres, fará em Ilhabela o seu último período de treinos, antes do embarque para a vila olímpica. A partir deste sábado (16), Adriana terá a companhia de velejadores do litoral paulista e o apoio dos técnicos Geison Mendes e Marcos Biekarck para finalizar sua preparação.

“Este período de treinos será fundamental, já que o Geison e o Marcos estarão junto comigo. A presença de outros atletas locais também será excelente para simular as situações que ocorrem nas regatas, como a largada e as montagens de boia”, disse a velejadora.

Adriana, que através da Lei Paulista de Incentivo ao Esporte tem o patrocínio do Grupo Alatur, Veet, Lorenzetti e Aon, e apoio da Oakley, BL3, Nobmultisports, YCSA e VDS, mostrou constância em seu desempenho nesta temporada. Em duas etapas da Copa do Mundo de Vela que disputou, a Semana Olímpica Francesa, em Hyères (abril), e a Skandia Sail for Gold Regatta (junho), na raia olímpica de Weymouth, ficou entre as trinta melhores do mundo na Laser Radial.

Além das duas competições, sua preparação para os Jogos incluiu ainda um mês de treinamento em Porto Alegre, em maio, e treinos físicos em São Paulo, nesta semana. A entrada na vila olímpica está prevista para 16 de julho.

da Local

Rolex Ilhabela Sailing Week apoia a criação do Parque Marinho de Alcatrazes

Petição pública tem apoio da organização, velejadores e sociedade. Objetivo é combinar a preservação do patrimônio ambiental com visitas monitoradas

Carlo Borlenghi registrou a regata de abertura da RISW que contorna Alcatrazes

Ilhabela (SP) – Rolex Ilhabela Sailing Week, apoiará, mais uma vez, as causas sócio-ambientais na 39ª edição, que será disputada de 7 a 14 de julho. Além de reciclar todo lixo do evento, usar adesivos biodegradáveis e orientar velejadores sobre o destino dos resíduos no Yacht Club de Ilhabela (YCI), o maior evento náutico da América Latina será importante ponto para assinatura da Petição Pública da ONG VIVAMAR relacionada à preservação e criação do Parque Nacional Marinho de Alcatrazes. O processo está em tramitação em Brasília aguardando liberação do Governo Federal.

A ilha principal do arquipélago, que se parece com o Pão de Açúcar no meio do Atlântico Sul, faz parte do roteiro da competição, principalmente na regata de abertura, a Eldorado Alcatrazes por Boreste – Marinha do Brasil, marcada para o dia 8 de julho. Antes da largada, todos os participantes poderão preencher o documento na entrada do YCI ou pelo site www.risw.com.br e ajudar a sensibilizar o Ministério do Meio Ambiente a agilizar o processo.

“A área é visualmente fantástica e tem importância estratégica para o meio ambiente marinho. Nosso objetivo com esta petição é mostrar que a comunidade náutica e a população quer a criação do parque e liberação da visitação monitorada. Os velejadores podem apoiar essa causa e sensibilizar as autoridades, já que são quase as únicas testemunhas da beleza do arquipélago”, explica Júlio Cardoso, diretor de meio ambiente do YCI.

“Na nossa última expedição com apoio da Marinha e do ICMbio, por exemplo, encontramos três espécies diferentes de golfinhos e duas Baleias-de-Bryde. Além disso, a visibilidade da água era de incríveis 25 metros no entorno do arquipélago”, recorda em referência a expedição que saiu do clube com 20 barcos ocorrida em abril deste ano.

O Arquipélago dos Alcatrazes, monitorado pela Marinha do Brasil, fica 25 milhas distante de Ilhabela e tem o maior ninhal de pássaros do Atlântico Sul, principalmente de fragatas, mas também conta com atobás, trinta-reis,albatrozes e gaivotas. Além disso, nos 12 mil hectares, há uma presença constante de Baleias-de-Bryde, que habitam o litoral paulista e ainda não foram devidamente estudadas.

Não apenas os velejadores podem participar e apoiar a petição. Pelo endereçowww.manifestolivre.com.br é possível ajudar a causa. O Yacht Club de Ilhabela tem licença ambiental do IBAMA e da Estação Ambiental Tupinambás para a passagem e realização da Regata Eldorado Alcatrazes Marinha do Brasil. “O YCI apoia a criação do Parque tanto que há 10 anos fazemos questão de tirar licença ambiental para a regata que abre a Rolex Ilhabela Sailing Week e contorna Alcatrazes”, afirma o diretor de vela José Nolasco.

Sobre o VIVAMAR – A VIVAMAR é uma Organização Não-Governamental dedicada ao meio ambiente marinho. Surgiu informalmente em meados do ano de 2003 graças à união de vários grupos de esportistas náuticos, principalmente pescadores e mergulhadores, e tornou-se oficial a partir da fundação da entidade, em 31 de março de 2004.

Fase final de inscrições – A Rolex Ilhabela Sailing Week está na fase final de inscrições para a 39ª edição. A inscrição custa R$ 320,00 por tripulante. No site www.risw.com.br, há um link direto para a área de inscrições. O velejador receberá uma senha e, na sequência, poderá fazer o cadastro. Após o pagamento e efetivação da inscrição pela organização, o tripulante deverá enviar foto (tipo 3×4) e um rápido currículo esportivo, além de imagens, em alta resolução, do veleiro. Faça o procedimento seguindo os seguintes passos:

Nome do barco
Número da vela
Clube de Origem
Fabricante
Modelo do barco
Tamanho (pés) do barco
Informações sobre seguro
Patrocínio
Número de Tripulantes
Classe

da ZDL

%d blogueiros gostam disto: