Pular para o conteúdo

Arquivo de

Band of Brothers na Mit Sailing Cup: irmãos Parada na frente, Grael atrás.

Dois gigantes da vela no mesmo barco. Riquinha Lebreiro e Henrique Haddad vieram, viram e, por enquanto, venceram. Quem viver verá o final da novela que tem uma santa como antagonista.

O último dia de disputas hoje da Mitsubishi Sailing Cup promete grandes emoções entre os veleiros dos irmãos Parada na briga pelo título, já os irmão Grael… Bem, um dia é da caça é outro do caçador e com o barco com desempenho irreconhecível eles amargam o penúltimo lugar atrás apenas da tripula feminina de Martine Grael que ontem teve o prazer de chegar em uma regata à frente do pai e do tio.

Neste sábado (23), duas regatas agitaram o litoral de Ilhabela e fizeram com que a diferença na liderança do barco argentino Patagonia, comandado do Mariano “Cole” Parada, e o chileno Pisco Sour, do tático Guillermo Parada, caísse para apenas quatro pontos. “A batalha entre eu e meu irmão vem de anos e é muito legal porque sempre estamos muito próximos em termos de pontuação. Mas é uma briga que fica só dentro do mar”, afirma o hexacampeão mundial em várias classes, Mariano “Cole” Parada. “Hoje não tivemos um bom dia, mas também não foi uma catástrofe. Estamos felizes por chegar no último dia do campeonato com quatro pontos de vantagem e, se levarmos em consideração que temos vantagem no desempate, são cinco pontos. Vamos ver como serão as coisas amanhã”, completa.

Apesar da vantagem do Patagonia, Guillermo afirma que a equipe lutará até o último instante da regata única de amanhã. “Com apenas uma faltando, fica difícil recuperar, mas não impossível. Hoje foi um ótimo dia para nós, já que conseguimos não só colocar um pouco de pressão sobre o Patagonia, mas também nos distanciar do terceiro colocado. No último dia, tentaremos nos aproveitar de algum erro deles e velejaremos até o fim buscando a vitória”, comenta.

O dia na Ponta das Canas, no extremo norte de Ilhabela, começou com pouco vento o que acabou atrasando a largada em mais de uma hora. Ao longo do dia, no entanto, as condições foram se alterando e o vento Sul variou entre 8 e 15 nós. Na classe S40, foram realizadas duas regatas, sendo a primeira com quatro pernas e a segunda com seis pernas, ambas barla-sota.

Na primeira regata do dia, destaque para o espanhol Iberdrola, que voltou a vencer. “Fomos muito bem no começo. Toda a equipe fez um grande trabalho, principalmente na largada, quando conseguimos sair muito bem e conseguir certa vantagem. Durante a velejada, escolhemos o lado direito e acabamos acertando”, conta José María Torcida, comandante da embarcação campeã da Med Cup 2011 na classe S40. Já na segunda regata do dia, quem surpreendeu foi o veleiro Movistar, comandado por Ramón Eluchans, que liderou durante as seis pernas. “Conseguimos largar bem na linha e, durante a regata, percebemos que estávamos com uma boa vantagem em relação aos outros barcos. Por isso, tivemos calma durante todo o trajeto, apenas nos atentando para marcar os outros veleiros”, explica o trimmer do veleiro chileno, Felipe Robles.

Ao final do terceiro dia de disputas, o argentino Patagonia lidera com 14 pontos perdidos, quatro a menos que o chileno Pisco Sour, com 18 pontos perdidos. O espanhol Iberdrola é o terceiro colocado, com 29 pontos perdidos, seguido pelo chileno Mitsubishi Motors, com 32 pontos perdidos. O melhor brasileiro é o Crioula, na quinta colocação, com 34 pontos perdidos.

Classe C30 – Na classe C30, o veleiro Loyal continua arrasador e mais uma vez venceu as duas regatas do dia. Desta forma, a embarcação do comandante Marcelo Massa dispara na liderança com apenas cinco pontos perdidos. Na segunda colocação está o Barracuda, de Humberto Diniz, com 12, e o Kaikias, de Tarcisio Mattos, com 13. “Os resultados aparecerem, mesmo sendo apenas nossa segunda competição na classe C30. O barco é sensacional e o desempenho da equipe me deixa muito contente, já que mostra que estamos no caminho certo. A cada dia estamos conhecendo melhor o veleiro. Sem dúvida, a experiência tem feito a diferença nesses dias”, afirma Marcelo Massa, comandante do Loyal. HPE 25

HPE 25 –A classe HPE 25, considerada um fenômeno da vela brasileira pela quantidade de barcos, fez sua estreia na terceira edição da Mitsubishi Sailing Cup neste sábado. Ao todo, foram 21 veleiros participantes, que correram três regatas ao longo da tarde. Assim como na classe C30, a HPE 25 também contou com o domínio de um barco: o Atik, comandado pelo vice-campeão mundial de Match Race Felipe Haddad. O veleiro venceu duas das três regatas realizadas na Ponta das Canas. “O resultado foi surpreendente. Acho que ninguém acreditava que iria ser como foi e, por isso, foi um resultado melhor ainda. A tripulação toda velejou muito bem e mostrou que está bem entrosada. Foi tudo ótimo”, exalta Henrique Haddad, timoneiro do Atik. Na segunda posição vem outro “visitante” carioca, já que a maior flotilha de HPes do país está em Ilhabela, Maurício Santa Cruz. Hoje acaba!! Fiquem de olho!!

Resultados acumulados após cinco regatas e um descarte:

Classe S40
1. Patagonia (ARG) – 14 Pontos Perdidos
2. Pisco Sour (CHI) – 18 pp
3. Iberdrola (ESP) – 29 pp
4. Mitsubishi Motors (CHI) – 32 pp
5. Crioula (BRA) – 34 pp
6. Claro (CHI) – 34 pp
7. Lancer Evo (BRA) – 36 pp
8. Movistar (CHI) – 37 pp
9. Carioca (BRA) – 38 pp
10. Santander (CHI) – 40 pp
11. Entel (CHI) – 47 pp
12. Mitsubishi / Energisa (BRA) – 54 pp
13. Pajero / Gol (BRA) – 76 pp

Classe C30
1. Loyal (BRA) – 5 Pontos Perdidos
2. Barracuda (BRA) – 12 pp
3. Kaikias (BRA) – 13 pp

HPE 25
1. Atik (BRA) – 4 Pontos Perdidos
2. Relaxa Next (BRA) – 5 pp
3. Bixiga (BRA) – 13 pp
4. Ginga (BRA) – 16 pp
5. Fit to Fly (BRA) – 16 pp
6. Repeteco I (BRA) – 16 pp
7. Ser Glass 10 Anos (BRA) – 25 pp
8. Takra (BRA) – 28 pp
9. Corum (BRA) – 28 pp
10. Iansa (BRA) – 32 pp
11. Vesper III (BRA) – 33 pp
12. Atrevido (BRA) – 33 pp
13. Ser Glass Eternity (BRA) – 35 pp
14. BSS (BRA) – 44 pp
15. Xereta (BRA) – 44 pp
16. Zoom (BRA) – 45 pp
17. Safo 1 (BRA) – 47 pp
18. Twister (BRA) – 54 pp
19. Laranja (BRA) – 56 pp
20. Rex (BRA) – 58 pp
21. Aventura (BRA) – 66 pp

 

 

%d blogueiros gostam disto: