Pular para o conteúdo

Arquivo de

Vencedores da primeira edição da ACWS serão conhecidos neste final de semana

A partir desta quinta-feira começa a ser decidido em New Port, EUA, o título da America´s Cup World Series. Das oito equipes que disputam a competição, os locais do Oracle Racing, comandados por Spithill, e os neozelandeses do Emirates Team New Zealand, são os grandes favoritos ao título, mas os Artemis Racing ainda pode surpreender.

Para Barker, “Jimmy Spithill é o grande favorito, mas nós temos uma fantástica oportunidade na nossa frente. Estamos em New Port há alguns dias e a velejada aqui é fantástica. Não está fácil, já que os oito times tem condições de vencer as regatas”.

De acordo com a programação, o primeiro dia de competições terá disputas de match race, até as quartas de final, e regatas de flotilha. No segundo dia serão feitas as semifinais do Match Race e mais regatas de flotilha. No terceiro, sábado, acontece a AC Speed Trial, para ver quem é o mais rápido em um percurso de 500 metros, além de regatas de flotilha. No domingo, último dia de regatas, será disputada a final do Match Race e a última regata de flotilha.

Perna mais curta da VOR apresenta dificuldades para as equipes

Neste sábado será disputada a penúltima regata inport da edição 2011-12 da Volvo Ocean Race em Lorient, na França. Os seis times vão para a água no domingo para a menor e última perna da competição, com 550 milhas, até Galway, na Irlanda. Com a vitória praticamente garantida, os franceses do Groupama só precisam completar as regatas com calma para manter a liderança sobre o Telefónica, segundo colocado. A regata de sábado poderá ser acompanhada ao vivo pelo Youtube.

Flotilha da Solitaire Du Figaro disputa milha a milha em mar espelhado

Falta de vento e neblina atrapalham a flotilha

Faltando 200 milhas para a chegada da flotilha da La Solitaire Du Figaro em Gijon, na França, os 37 skippers passam por uma situação daquelas que nenhum velejador gostaria de estar: no meio da calmaria. O mar espelhado exige nervos de aço para ficar ligado na próxima rajada e conseguir se safar do barco mais próximo. Yann Ellies continua na liderança, seguido por Xavier Macaire e Alexis Loison. Enquanto isso Anthony Marchand abandonou a regata por conta de uma forte dor e foi auxiliado pela equipe de terra.

Regata Carlos Sansoldo da classe Star acontece dia 1º no Rio de Janeiro

No próximo dia 1º o ICRJ irá promover a regata Carlos Sansoldo para a classe Star. O horário de atenção está programado para às 13h. Existem duas opções de percurso, que será escolhido de acordo com o vento, mas a partida será sempre dada próximo ao morro da Viúva.

Entrevista com Robert Scheidt e Bruno Prada

Dupla está pronta para disputar a Olimpíada na condição de favorita da Classe Star. Robert pode tornar-se o primeiro tricampeão olímpico brasileiro

Bruno vai para a sua segunda Olimpíada

São Paulo – Os Jogos Olímpicos de Londres começam em 30 dias e o tricampeão mundial da classe Star e medalhista de prata em Pequim, Robert Scheidt, está mais do que preparado para a disputa da sua quinta olimpíada. Ao lado do parceiro Bruno Prada, Scheidt fez duas sessões de treinos nos últimos dois meses em Weymouth, além de disputar a quinta etapa da Copa do Mundo de Vela na cidade, que sediará as provas de vela da competição. Com milhagem de sobra na raia olímpica e muito entrosamento a bordo, a dupla está confiante em trazer a medalha de ouro para o Brasil. Se isso acontecer, Robert será o primeiro tricampeão olímpico do esporte nacional.

Atualmente, Scheidt está empatado com Torben Grael e Marcelo Ferreira no quadro brasileiro de medalhas olímpicas. Ele é dono de duas medalhas de ouro na classe Laser, em Atlanta/1996 e Atenas/2004. Torben e Marcelo também tem dois ouros, conquistados nas mesmas edições olímpicas, mas na classe Star. No número de medalhas, a vantagem é de Torben, que subiu ao pódio cinco vezes. Robert conquistou quatro medalhas e Marcelo, três.

A história vitoriosa de Scheidt nas Olimpíadas começou na classe Laser, barco individual em que conquistou, além dos dois ouros, a prata em Sydney/2000 e nove títulos mundiais. Ele fez a transição para a Star em 2004, formando dupla com Bruno Prada, com quem já velejava desde 2001. Amigos de infância, os dois colecionaram juntos, desde o início da parceria, nada menos que 53 títulos e a medalha de prata nos Jogos de Pequim/2008. Entre maio de 2011 e abril de 2012, a dupla conquistou 11 vitórias seguidas. A sequência só foi interrompida na Semana Olímpica Francesa, em Hyères. Confira a lista de conquistas consecutivas:

• Semana Olímpica Francesa, em Hyères (etapa da Copa do Mundo) – maio/2011
• Delta Lloyd Regatta, em Medemblik (etapa da Copa do Mundo) – junho/2011
• Skandia Sail for Gold Regatta, Weymouth (etapa da Copa do Mundo) – junho/2011
• Evento-teste para os Jogos de Londres/2012, em Weymouth – agosto/2011
• Campeonato Italiano para as Classes Olímpicas, em Garda – setembro/2011
• Star Class Southern Hemisphere Championship, no Rio de Janeiro – novembro/2011
• Mundial de Perth (Austrália), dezembro/2011
• Miami OCR (etapa da Copa do Mundo) – janeiro/2012
• Semana Brasileira de Vela, em Búzios – fevereiro/2012
• Campeonato Paulista de Star – fevereiro/2012
• Palma de Maiorca, etapa da Copa do Mundo de Vela – abril/2012

Em sua última disputa, a Skandia Sail for Gold Regatta, em Weymouth, a dupla foi vice-campeã, atrás apenas dos irlandeses Peter O’Leary e David Burrows e na frente dos atuais campeões olímpicos, os ingleses Iain Percy e Andrew Simpson, numa prévia do duelo que deve esquentar as regatas na Olimpíada da Inglaterra. Mas, antes de embarcar de vez para os Jogos, no dia 16 de julho, Scheidt e Prada terão um período de descanso de 15 dias, depois da última sessão de treinos em Weymouth, encerrada esta semana. Robert Scheidt embarca para a Itália, onde vive com a esposa e o filho, enquanto Bruno Prada volta para o Brasil e na semana próxima segue para Ilhabela, litoral norte de São Paulo, para ficar com a família e disputar a Rolex Ilhabela Sailing Week, que começa no dia 8.

Confira abaixo a entrevista com a dupla sobre a preparação e as expectativas para o início das Olimpíadas:

Robert Scheidt

Você vai disputar a sua quinta olimpíada. Está ansioso? 
Ansiedade sempre existe, porque esperamos muito para os Jogos. É uma semana para definir um trabalho de quatro anos. Como já passei por isso algumas vezes, estou acostumado a lidar com isso, mas a ansiedade sempre existe. O negócio é levar para o lado positivo, dar raça na água e não levar para o lado da cobrança. Temos a consciência que estaremos lá para dar o nosso melhor.

Você saiu de uma classe em que velejava sozinho, a Laser, e passou a velejar em dupla na Star. Como é a parceria com o Bruno Prada?
Para velejar em dupla você tem de aproveitar as qualidades do outro. Temos dois olhos e um cérebro a mais a bordo. A experiência do Bruno, além de transmitir calma, ajuda nas decisões.

A preparação para as Olimpíadas é diferente da dos outros campeonatos?
O ideal é encarar como se fosse outro campeonato, mas, por conta da atenção da mídia e do público, fica difícil fazer isso. Psicologicamente tento velejar livre, como se fosse um campeonato qualquer. Tento, durante as regatas, saber que elas são importantes, mas não deixo isso prejudicar a nossa maneira de encarar as regatas, as manobras, as táticas.

A classe Star tem a fama de ser uma das mais difíceis de conquistar uma medalha. Com tantos resultados positivos nas últimas competições, incluindo o tricampeonato mundial, podemos considerar que o Brasil já tem a medalha de ouro?
Nunca espero resultado, ele se constrói. Tem que batalhar por cada ponto. O negócio é nunca desistir. Sabemos que temos o potencial e as armas necessárias [para a medalha de ouro], mas sabemos também que tudo depende de nós. Jogo é jogo, se ganha na hora.

Quem são os maiores adversários?
A dupla inglesa Iain Percy e Andrew Simpson, que mora lá, é com certeza uma das favoritas. Mas os franceses Xavier Rohart e Pierre Alexis Ponsot, os dinamarqueses Michael Hestbaek e Claus Olesen, os irlandeses Peter O’Larry e David Burrows, os suecos Fredrik Loof e Max Salminen e os suíços Flavio Marazzi e Enrico de Maria também estão velejando bem.

Nos últimos meses vocês passaram a maior parte do tempo na raia olímpica, treinando e competindo. Como este período ajudará no desempenho de vocês nos Jogos? 
Nós gostamos muito de velejar em Weymouth. Já estivemos lá algumas vezes e a ideia era, cada vez mais, tomar conhecimento das raias onde serão disputadas as regatas. Geralmente o clima é frio e com muito vento. Este é o maior desafio de lá.

Na China o ouro acabou escorregando e vocês ficaram com a prata. Depois de conquistar o tricampeonato mundial e ficarem invencíveis por quase um ano, você acredita que esta é a hora de conquistar o ouro olímpico?
A hora pode ser para qualquer um, depende da execução naquela semana. Não temos nada garantido, apesar de sermos os favoritos, assim como os ingleses. Então, depende de como vamos jogar.

Com a saída da Star para os Jogos Olímpicos de 2016, você pensa em mudar de classe novamente?
Ainda não sei. Vou descansar e esperar as Olimpíadas passarem. Não tenho pressa. O foco hoje está em Londres. Quero velejar até 2016, seria legal terminar a minha carreira no Brasil, então preciso de algo que me deixe feliz e com chances de medalha.

Que recado você pode dar para o torcedor brasileiro que irá te acompanhar durante os Jogos?
Lutamos muito para estar em Londres, passamos por muita coisa, mas acho que estamos em um excelente momento. O que podem esperar é o maior empenho possível maior garra para representar bem o Brasil.

Bruno Prada

Você está prestes a ir para a sua segunda Olimpíada. Você se sente mais preparado desta vez?
Acho que nessa Olimpíada a gente está chegando muito mais preparado do que na outra. Na verdade a gente nem era velejador de Star, éramos apenas dois velejadores, um de Laser, um de Finn, tentando velejar a Star. Acho que nesse ciclo olímpico a gente amadureceu bastante. Eestou bastante animado para esse último mês de campanha.

Como foi a preparação para esta Olimpíada?
Nós velejamos algumas vezes na raia olímpica de Weymouth e testamos vários materiais novos, entre barcos, velas e mastro. É importante também nesta preparação fazer um planejamento de treinos que seja bastante intenso, mas que não deixe problemas físicos, pra que a gente chegue lá com muita vontade. Se você treinar demais, chega muito cansado. Temos que chegar descansados, mas ao mesmo tempo com 100%. Teremos agora um período de 15 dias de ‘descanso’ antes de embarcar de vez para a vila.

Como você lida com a pressão de ser favorito ao ouro olímpico?
Cada um de nós tem 30 anos de estrada. Aprendemos a lidar com a pressão. Qualquer resultado nos impulsiona, seja vitória ou derrota. Vencer o Troféu Princesa Sofia, em abril, nos últimos metros da última regata, nos deu muita moral. Estávamos com um barco italiano, com velocidade menor em relação aos cinco primeiros colocados, e nos superamos. Mas os resultados ruins também nos impulsionam, deixam a gente mordido para ter um desempenho melhor na próxima competição.

Como é a sua relação com o Robert?
É um casamento de 11 anos. Brigas sempre existem, mas o mais importante é termos objetivos muito claros em mente. Ter a finalidade de discutir para melhorar alguma coisa e nunca terminar o dia de cara virada um para o outro. Chegamos a uma fase de maturidade e é uma fase tão sensacional, com tantas vitórias, que nem temos mais assunto para brigar.

Qual é a grande vantagem da dupla em relação aos seus adversários
A maioria dos velejadores é especialista em uma condição específica, como ventos fortes ou fracos. Nós não somos especialistas em nada, conseguimos velejar bem em todas as condições. Isso pode nos ajudar em Londres, no caso de o tempo mudar.

Da Local

Mostre seu vídeo velejando no Mar Brasil

Se você é daqueles que adora velejar levando uma câmera a bordo, seja em regatas ou cruzeirando, não perca a oportunidade de vê-lo passando na ESPN! Suba o vídeo em algum canal de compartilhamento, como o Youtube, por exemplo, e mande o link para o programa.  Os melhores irão ao ar quinzenalmente na emissora.

Rodrigo Luz e Felipe Toledo vencem as 6h da Baía de Guanabara de OP

Este slideshow necessita de JavaScript.

No último final de semana o ICRJ promoveu as Seis Horas da Baía de Guanabara de Optimist. Os velejadores disputaram a competição em dupla e, no final, os campeões foram Rodrigo Luz e Felipe Toledo, seguidos por Rubem Neto e Marco Castro e Igor Franco e Gustavo Abdulklech. Os resultado completo pode ser visto clicando aqui.

%d blogueiros gostam disto: