Pular para o conteúdo

Arquivo de

Volvo anuncia novo barco para a próxima edição da volta ao mundo

A Volvo Ocean Race revelou detalhes do novo barco de alto desempenho que será utilizado para as próximas duas edições da competição. Os detalhes do novo conceito foram apresentados pelo CEO Knut Frostad em Lorient (França) nesta quinta-feira, dia 28. De acordo com Frostad, o projeto pretende reduzir significativamente o custo para montar uma campanha competitiva e deve aumentar o tamanho da flotilha para até 10 barcos em futuras edições.

Os novos barcos de 65 pés compartilharão design único. Eles serão projetados pelo Farr Yacht Design, empresa baseada nos Estados Unidos, e construídos por um consórcio líder de estaleiros do Reino Unido, França, Itália e Suíça. Um acordo entre o consórcio e a Volvo Ocean Race prevê a construção de um mínimo de oito barcos para as próximas duas edições da regata.

O projeto terá início em julho e o primeiro barco será construído até junho de 2013, quase um ano antes do início da 12ª edição da Volvo Ocean Race. A nova classe de iates partirá de Alicante na Espanha já no segundo semestre de 2014.

“O novo design é de tirar o fôlego. O contrato para construção de pelo menos oito barcos levará a Volvo Ocean Race a adentrar em uma nova e emocionante era”, disse Knut Frostad.

“Isso representa mais um importante marco para a Volvo Ocean Race. Em todos os nossos 39 anos de história, nunca tivemos medo de seguir em frente. A mudança para um conceito de design único nos confere uma vantagem enorme na hora de planejar as próximas duas edições, além de dar à Volvo Ocean Race melhores condições de continuar seguindo em frente”, complementou Frostad.

Este slideshow necessita de JavaScript.

Apesar de os novos veleiros serem cinco pés mais curtos do que os barcos que vêm sendo utilizados até o momento, eles serão quase tão velozes quanto os Volvo Open 70 que estão competindo atualmente. O projeto e construção dos novos barcos prevêem instalações de vídeo, satélite e produção de conteúdo de última geração, melhorando ainda mais o trabalho desenvolvido pelo programa Media Crew Member (tripulante de mídia), que existe desde a edição de 2008-09.

O acordo anunciado em Lorient foi possível graças ao financiamento obtido pela Volvo Ocean Race S.L.U. para projetar e construir os barcos, processo que seguirá um cronograma estrito.Os barcos serão comercializados pelo Green Marine Ltd, empresa do Reino Unido que também realizará a montagem final. A MULTIPLAST, da França; Persico S.p.A., da Itália e DECISION S.A, da Suíça, também farão parte do projeto, cada uma fabricando componentes diferentes.

“É uma grande honra para nós, e também um grande desafio, estarmos envolvidos com este projeto e com uma regata que já faz parte da nossa tradição”, disse Marcel Müller, diretor geral da Green Marine. “Esta é uma oportunidade de trabalharmos em parceria com alguns dos melhores profissionais da indústria naval, incluindo outros estaleiros e designers. Estamos prontos para criar algo muito especial”, afirmou Frostad.

 

O processo reduzirá significativamente os obstáculos para competir na Volvo Ocean Race e o custo para montar uma campanha competitiva, que agora demandará menos de 15 milhões de euros.

Os custos de um barco “pronto para velejar”, incluindo as velas para o período pré-regata e para a regata, girará em torno dos 4,5 milhões de euros. Uma redução ainda mais significativa dos custos será possível através do agrupamento de recursos.

“O nosso objetivo durante todo o processo de planejamento para a próxima edição foi bem claro, e isso tornou mais fácil e menos caro montar uma campanha na Volvo Ocean Race”, disse Frostad. “Este é um grande passo em direção aos nossos objetivos”.

Os seis barcos que compõem a edição atual da Volvo Ocean Race estão prestes a embarcar na nona e última perna offshore da competição. A frota partirá de Lorient no dia 1º de julho. A competição terminará no dia 7 de julho após a regata portuária em Galway, na Irlanda.

Da assessoria de imprensa

Nova classe C30 mostra agilidade e custo benefício em sua estreia na Rolex Ilhabela Sailing Week

Categoria one design reunirá os seis barcos já construídos na 39ª edição da maior regata de oceano da América Latina. Projeto foi desenvolvido por Horácio Carabelli

Barracuda será um dos representantes paulista na classe C30

Ilhabela(SP) – A Rolex Ilhabela Sailing Week será especial na edição de 2012. Pela primeira vez, os seis barcos da nova classe C30 já entregues se enfrentam em uma competição. O maior evento náutico da América Latina será disputado entre os dias 7 e 14 de julho e os velejadores poderão comprovar na prática que a classe Carabelli 30 atende as exigências das regatas de oceano: custo benefício, velocidade e competitividade.

O veleiro é desenhado para regatas sem tempo corrigido (rating), idêntico ao do adversário, e a tripulação é o único diferencial. Ou seja, vence quem veleja melhor. O peso do barco é de 1900 quilos e pode receber seis velejadores (timoneiro, tático, dois trimmers, proeiro e secretaria) somando 500 quilos.

O C30 é 100% nacional e se junta ao HPE e ao S40 como opções para regatas de oceano sem rating. Os barcos, projetados por Horácio Carabelli, experiente velejador de Volta ao Mundo, foram construídos em São José dos Campos. “O Carabelli 30 é um projeto que desenvolvi para um grupo de São Paulo antes de me incorporar ao Telefónica, na Volvo Ocean Race. Eles queriam criar uma classe monotipo de 30 pés com características de regata, que fosse economicamente viável sem deixar de ser inovador. É um barco com um estilo moderno, boa estabilidade, leve e com alguns ingredientes tecnológicos interessantes como a quilha de carbono, sistema propulsor retrátil e mastro de carbono”, explica Horácio Carabelli.

Nas regatas em Ilhabela estarão presentes os veleiros: Loyal TNT, Barracuda Matrix e +Realizado, representando São Paulo e Katana Energia, Kaikias e Corta Vento de Santa Catarina. “É impossível ter previsão de resultados em um one-design. Vence quem veleja melhor e erra menos. A ideia é treinar e evoluir nas provas”, revela o presidente da classe, Tarcísio Matos.

Destaques da vela nacional migraram para a C30 como Alexandre Paradeda e Gustavo Thiesen, ambos no Loyal TNT. “Numa comparação rápida, o C30 chega a 85% do desempenho do S40. Por isso, aposto de olho fechado na classe, que já é sucesso. Em 2013 deveremos ter até 15 barcos velejando”, relata Marcelo Massa, que é tio do piloto de Fórmula 1, Felipe Massa.

O Loyal foi campeão da Rolex Ilhabela Sailing Week em 2009 velejando com outro barco, um Judel Vrolic de 47 pés, que media na classe ORC. No ano passado, Marcelo Massa vendeu o antigo veleiro para um grupo de Campinas, que o batizou de Tembó Guaçu.

Na avaliação dos velejadores, o C30 é um barco com desempenho diferenciado, muito rápido comparado com os atuais. Estão presentes modernidade, tecnologia e inovação, além de ser focado no cliente, robusto e seguro.

“O Yacht Club de Ilhabela (YCI), mais uma vez, é palco de uma estreia mundial. Depois do HPE, temos uma classe 100% nacional que chega para ficar. Defino o C30 como performance ideal para o tamanho do barco, que é super moderno, excelente construção, muito rápido e com ótimo custo beneficio. A classe fez a estreia com dois barcos no segundo semestre do ano passado no YCI, durante a Copa Suzuki Jimny, mas agora a competição será para valer com seis veleiros”, explica José Nolasco, diretor de vela do YCI.

Da ZDL

Yann Elies vence a primeira etapa da Solitaire du Figaro

Yann Elies liderou a etapa inteira

O velejador solitário Yann Elies foi o primeiro a cruzar a linha de chegada da La Solitaire Du Figaro na tarde desta quarta-feira em Gijón, na Espanha. Ele precisou de 3 dias, 3 horas,9 minutos e 7 segundos para completar o percurso de 451 milhas desde Paimpol, na França. O segundo a cruzar a linha, menos de nove minutos depois, foi Morgan Lagraviere, seguido por Fabien Delahaye. A próxima etapa da competição larga no dia 1º de julho com destino a Saint Gilles Croix de Vie, na França. Serão 442 milhas com previsão de serem completadas em 4 dias.

Puma Mar Mostro está à venda

Pela bagatela de 1.6 milhões de Euro o barco pode ser seu

Antes mesmo da Volvo Ocean Race terminar, quem quiser já pode comprar o Mar Mostro, barco do Puma. Na segunda colocação geral da competição, o veleiro está à venda pela bagatela de €1,6 milhões (ou algo em torno de R$ 4160000,00). Para o skipper Ken Read, “o Mar Mostro é um barco incrível, seja para velejar ao redor do mundo ou para correr regatas da classe IRC”. Interessou? Então acesse agora o site http://www.pumavolvo70forsale.com e faça a sua oferta.

 

Cota Mil Iate Clube promove regata de Dingue neste final de semana

Neste final de semana, dias 30/06 e 01/07, será realizada mais uma competição de Dingue na raia especial sul do Lago Paranoá. Com largada programada para as 10h da manhã, ambos os dias. O Campeonato que é uma organização do Cota Mil Iate Clube juntamente com a Flotilha de Dingue de Brasília, será composto de 6 regatas e terá a participação de 4 velejadores do clube, Tarcisio do Valle, David Baker, Rafael e Clésio Campos. O evento será disputado sob as regras internacionais de regata a vela da ISAF 2009/2012 e os competidores podem realizar suas inscrições preenchendo o formulário e entregando-o na Secretaria do Campeonato mediante o pagamento da taxa de inscrição no valor de R$ 40,00 (quarenta reais) por barco até às 09:00h do dia 30 de junho de 2012. A cerimônia de premiação e confraternização acontecerá no domingo (01), após a finalização da última regata. A instrução de regata (IR) estará disponível para os velejadores na secretaria do campeonato no momento da inscrição.

Da assessoria

Por experiência olímpica, Martine Grael estará em Londres/2012

Promessa da vela brasileira para 2016, Martine,  filha de Torben Grael, participará do Projeto Vivência Olímpica com outros nove atletas do País

Tine, Bel, Ju, Nanda e Re comemoram a boa colocação na Rolex Ilhabela Sailing Week 2011

São Paulo (SP) – Com o DNA de campeã, a jovem Martine Grael estará nos Jogos de 2012 por um bom motivo. Mesmo sem a vaga na classe 470, que ficou com a gaúchas Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, a filha do maior medalhista olímpico do País, Torben Grael, participará do Projeto Vivência Olímpica. O Comitê Olímpico Brasileiro (COB) levará 10 jovens atletas de vários esportes para Londres para oferecer experiência no evento e “quebrar o gelo” para 2016, quando a principal competição será sediada no Rio de Janeiro. A selecao foi criteriosa levando em conta o histórico de resultados nas categorias de base e o potencial futuro.

“A ideia é entender como funcionam as competições olímpicas e sentir na prática o que ocorre durante o evento. Na vela, por exemplo, as regatas são diferentes e muita gente pode sentir pressão, fazendo com que o resultado não seja o esperado. No caso dos mais novos é mais importante ainda sentir o espírito dos Jogos”, revela a atleta de 21 anos.

Martine Grael tem títulos de sobra desde as categorias de base e na adulta. O mais significativo foi o ouro no Mundial da Juventude, em 2009, em Búzios (RJ), na classe 420. No ano seguinte, foi campeã Mundial Militar na classe J/24. Depois vieram o ouro nos Jogos Mundiais Militares 2011, no Rio de Janeiro (RJ), na classe HPE, e o bronze na Universíade 2011, em Shenzhen, na China, na classe 470 ao lado da medalhista olímpica Isabel Swan. As duas ficaram em segundo lugar na seletiva olímpica brasileira para a categoria em 2012.

Parte da Equipe Brasileira de Vela está em Weymouth, nesta semana, treinando na raia onde serão disputadas as regatas olímpicas. Robert Schedit e Bruno Prada, por exemplo, fazem os últimos ajustes no Star para tentar o ouro olímpico. Os outros brasileiros na Inglaterra durante o período de treinos são Bruno Fontes (Laser), Ricardo Winicki (RS:X) e Fernanda Oliveira/Ana Barbachan (470).

Martine disputa regata em Ilhabela – Antes de viajar para a Inglaterra, a Martine mostrará seu currículo multidisciplinar na Rolex Ilhabela Sailing Week, que será realizada de 7 a 14 de julho. Ela comandará o HPE Atik no evento considerado o maior da América Latina de vela de oceano. O veleiro de 25 pés é o mais parecido com os monitipos olímpicos.

“Velejar contra os homens nessa classe é bastante difícil, mas no ano passado mostramos que podemos vencer. Os adversários treinam cada vez mais na categoria e isso deixa as regatas bem disputadas”, conta a atleta, que espera sair com o título dessa vez por um motivo. “O Robert Scheidt não irá a Ilhabela”, brinca Martine, que terminou em terceiro lugar no ano passado, com a mesma tripulação que competirá este ano: sua parceira no 470, Isabel Swan, as irmãs Renata e Fernanda Decnop e Juliana Mota. A Rolex Ilhabela Sailing Week terá 150 barcos de cinco classes e contará com outros medalhistas olímpicos como Bruno Prada, Lars Grael e o pai da Martine, Torben Grael.

A Confederação Brasileira de Vela e Motor tem o patrocínio do Bradesco por meio da Lei de Incentivo ao Esporte do Governo Federal, e apoio do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) e Travel Ace.

da ZDL

%d blogueiros gostam disto: