Pular para o conteúdo

Arquivo de

Copa Flotilha 447 de Snipe acontece dias 1 e 2 no Charitas

Nos dias 1 e 2 de setembro o Clube Naval Charitas irá promover a Copa Flotilha 447 para a classe Snipe. Estão programadas seis regatas, sendo no máximo três por dia. As inscrições até o dia 20 são gratuitas, após esta data custam R$ 20,00 por barco.

Vídeo: Samuca fala da participação do Crioula na Mit Sailing Cup

Bruno Prada chega ao Brasil e confirma disputa no Rio, em 2016

Proeiro desembarcou em Guarulhos, nesta quinta, comemorando a medalha; parceiro Robert Scheidt participa da cerimônia de encerramento da Olimpíada, no domingo

Bruno chega ao Brasil contente com o resultado olímpico

São Paulo – De volta ao Brasil nesta quinta-feira (9/8), Bruno Prada, proeiro de Robert Scheidt na classe Star, comemorou a medalha de bronze conquistada nos Jogos de Londres/2012. Muito assediado pela imprensa no desembarque no Aeroporto de Guarulhos, pela manhã, o velejador revelou que a dupla já planeja o próximo ciclo olímpico.

“Nós já temos plano B, plano C, plano D… Se a Star não voltar para a Olimpíada já tenho algumas opções de classes para o próximo ciclo olímpico”, contou Prada, sem revelar quais são as escolhas. A inclusão da Star nos Jogos do Rio de Janeiro/2016 depende da aprovação do COI (Comitê Olímpico Internacional).

Scheidt e Prada foram para a disputa da Medal Race, no domingo (5/8), com uma medalha já garantida. Precisavam ficar cinco posições à frente dos britânicos Iain Percy e Andrew Simpson (prata) para conquistar o ouro, que acabou nas mãos da dupla sueca, Fredrik Loof e Max Salminen.

“Logo depois da regata fiquei chateado com o resultado, mas a ressaca já passou e estou muito feliz com a medalha que conquistamos. Independente da cor uma medalha olímpica é para ser comemorada. É que nem filho, tem de cuidar bem”, brincou o proeiro.

O resultado nos Jogos de Londres/2012 encerra um ciclo considerado por Prada como quase perfeito. No período, ele e Scheidt conquistaram dois títulos mundiais – em Perth/2011 e Hyères/2012 – e se tornaram os primeiros tricampeões mundiais da Star.

“O ciclo olímpico foi vitorioso. Nossa dupla está acima da média, pois conseguimos dois títulos mundiais, uma Copa do Mundo e a medalha de bronze. Realmente, como todo povo brasileiro, ficamos um pouco frustrados por não ter conseguido o ouro. O balanço é positivo e estou de volta com minha segunda medalha”, resumiu Bruno.

A dupla ainda se manteve na liderança do ranking mundial da classe por 21 meses, entre julho de 2010 e abril deste ano, só deixando o posto durante o mês de dezembro de 2011, quando não disputaram nenhuma competição. O feito evidenciou o domínio brasileiro na Star, classe que pode ficar de fora da Olimpíada do Rio.

“O maior sonho de um atleta é competir em seu país em uma Olimpíada e será muito bom disputar os Jogos do Rio em 2016. Tenho algumas possibilidades de classes, caso a Star não volte,” ressaltou Prada. No mesmo vôo de Bruno, vieram a representante brasileira na Laser Radial, Adriana Kostiw, e o medalha de ouro na ginástica, Arthur Zanetti, muito festejado pelo público e imprensa no Aeroporto de Cumbica.

Homenagem no seu colégio

Recebido pela mulher Carla, uma das melhores triatletas brasileiras, Bruno chegou ansioso para rever os dois filhos. Na hora do almoço foi buscá-los no Dante Alighieri, mesmo colégio em que estudou, e acabou sendo homenageado. Levou suas duas melhadas olímpicas, conversou com toda a garotada, tirou fotos e deu autógrafos.

“Foi muito legal, pois reuniram mais de 200 crianças e jovens, que estavam curiosos para ver minhas duas medalhas (prata em Pequim/2008 e bronze em Londres). Consegui rever meus filhos e conversei com todo mundo”, contou.

Da Local

De volta ao Brasil, Adriana Kostiw planeja novo ciclo olímpico

Representante brasileira da classe Laser Radial na Olimpíada desembarcou em São Paulo nesta quinta-feira

Adriana desembarca em São Paulo já pensando no Rio 2016

São Paulo – A velejadora Adriana Kostiw, representante brasileira da classe Laser Radial nos Jogos de Londres/2012, voltou ao Brasil nesta quinta-feira (9/8), junto com Bruno Prada, proeiro de Robert Scheidt na Star, e do medalha de ouro da ginástica, Arthur Zanetti. Adriana, que encerrou sua participação na Olimpíada com o 25º lugar, conversou com a imprensa no desembarque no Aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, pela manhã, e contou que já tem planos para o próximo ciclo olímpico.

“Foi meu melhor resultado internacional, embora não tenha ficado satisfeita, pois queria o pódio. A preparação foi bem feita, mas iniciada somente um ano e meio atrás”, destacou Adriana. “Para o Rio-2016 vou continuar na Laser e tentar a nova classe, a Nacra 17, tripulada por um homem e uma mulher.”

Adriana Kostiw optou por disputar poucas competições e investir no aperfeiçoamento físico, para os Jogos de Londres. A velejadora terminou os dois principais campeonatos do ano – a Semana Olímpica Francesa e a Skandia Sail for Gold Regatta – na flotilha ouro, na qual se classificam apenas as principais competidoras do mundo. Adriana ainda teve um bom início na disputa em Weymouth, chegando a ficar em 12º, numa classe considerada pela ISAF como a mais competitiva, com várias atletas com chance de medalha, mas terminou em 25º entre 41 competidoras.

Esta foi a segunda participação de Adriana em Olimpíadas. Em 2004, a atleta velejou ao lado de Fernanda Oliveira, na classe 470. A paulista, que tem patrocínio da AON, Lorenzetti e Veet e apoio da Alatur Turismo, por meio da Lei Paulista de Incentivo ao Esporte, deve descansar alguns dias antes de voltar a velejar novamente, no final do mês, em outra modalidade: o Match Race.

Siga Adriana no Facebook: www.facebook.com/AdrianaKostiw

Da Local

Terceiro dia do mundial de ORCi na Finlândia tem condições perfeitas

O terceiro dia do Mundial de ORCi, que está acontecendo em Helsinki, na Finlândia, teve condições perfeitas para a velejada, com vento médio e mar liso. Com isso a CR pode realizar três regatas para a classe A e duas para a classe B, que chegou à fase final de classificação.

Na classe A o destaque do dia foi para o italiano Airis, que fez 1-3-1 e ocupa a quarta colocação, a dois pontos do terceiro. Já na B1 o Sugar merece destaque, com sete pontos de vantagem na liderança, enquanto na B2 as duas vitórias do Scugnizza deixam a equipe com uma boa classificação. A partir desta sexta-feira a classe B estará dividida em flotilha ouro e flotilha prata.

Quinta etapa da Copa CIR reúne 17 barcos em Santos

No último sábado o Clube Internacional de Regatas promoveu em Santos a 5ª etapa da Copa CIR. Estiveram na água 17 barcos, nas classes RGS, Bico de Proa e Soling. Depois de 1h41 de regata o fita-azul foi o H3+PF. Confira os resultados abaixo:

RGS A:
1º H3+PF (Rato)
2º Mandinga (Jonas de Barros Penteado)
3º Meu Cantinho (Sergio Ghirelli)

RGS B:
1º Santeria (Maurício Martins)
2º Icthus (Paulo Neto)
3º Aloha Caixa Econômica Federal (Renata Nonno)

RGS Cruiser:
1º Chrispin (Zé Carlos)
2º Magaratz (Claudio Birolini)
3º Meltemi (Alan Trimboli)

Bico de Proa A:
1º Kokimbos (Paulo Jorge)
2º Quatro Estrelas (Silvio Martins)
3º Panda (Ronei)

Bico de Proa B:
1º Alpha III (Nilson Dias)
2ª Gitano (Omar)
3º ICTI (Alfredo Peres)

Soling:
1º Transbrasa IV (Fabrici)
2º Transbrasa I (Paulo Neto)

Tripulação mais regular da temporada 2012, Relaxa Next é campeão da Mitsubishi Sailing Cup na HPE 25

Domingo teve vento de 18 nós e mar agitado em Búzios

Este slideshow necessita de JavaScript.

A regularidade do veleiro Relaxa Next ao longo da Mitsubishi Sailing Cup foi premiada neste domingo (12). Mesmo sem vencer nenhuma das duas etapas da terceira temporada da competição, o veleiro de Roberto Albernaz conquistou o título geral de 2012 na classe HPE 25.

O barco ficou entre os quatro primeiros colocados em 12 das 14 regatas disputadas ao longo das etapas de Ilhabela (SP) e Búzios (RJ). “Desde o começo do ano, nosso objetivo era vencer a Mitsubishi Sailing Cup. Nós tivemos uma média muito boa nas duas etapas, mesmo sem ser campeões em nenhuma delas. Aqui em Búzios, o evento foi maravilhoso, com boas velejadas e conseguimos manter a regularidade e sair campeões. Estamos muito felizes”, afirma o timoneiro do veleiro e tricampeão mundial de vela, Maurício Santa Cruz

Assim como na temporada 2011, a Mitsubishi Sailing Cup mostrou, mais uma vez, uma disputa muito parelha na HPE 25, a mais numerosa classe monotipo no Brasil. Em 2012, a diferença entre os três primeiros colocados na geral ficou em apenas um ponto: Relaxa Next terminou com 23 pontos perdidos, Ginga, com 24 e o Atik, com 24.

“Os barcos são todos iguais e com grandes velejadores na tripulação. Isso iguala muito a velocidade e, consequentemente, as disputas. Então, os melhores são definidos nos detalhes. Felizmente, ficamos com o título geral. Agora, continuaremos treinando para melhorar cada vez mais”, explica o timoneiro do Relaxa Next.

Neste domingo, apenas uma regata barla-sota agitou a classe HPE. Ao todo, foram quatro pernas com vento leste de 18 nós, com o mar bastante agitado. Contemplando o título da etapa de Búzios, conquistado por antecipação no sábado, o veleiro Ginga, de Breno Chvaicer, fechou a Mitsubishi Sailing Cup com vitória.

“O dia foi ótimo. Essa disputa acirrada da HPE 25 é muito boa para a classe, porque mostra uma equilíbrio entre os barcos, a velejada fica mais emocionante e rápida. E, aqui em Búzios, as condições são excepcionais”, afirma Breno.

Classe S40 – Na classe S40, o dia foi de comemorações na Mitsubishi Sailing Cup. Com os resultados da etapa e do campeonato geral definidos, ambos a favor do veleiro argentino Patagonia, as embarcações aproveitaram mais um belo dia no litoral carioca para curtir um pouco o clima do evento.

Na regata de deste domingo, com vento leste de 18 nós, quem levou a melhor foi o Carioca, do comandante Roberto Martins. “É muito bom fechar com vitória. Nesta etapa, foram duas conquistas de regatas em oito disputadas, então estamos felizes. Búzios é um paraíso para se velejar”, exalta Roberto.

Com o final das oito regatas disputas na segunda etapa da Mitsubishi Sailing Cup, considerando um descarte, o título de Búzios ficou com o Patagonia (12 pontos perdidos), seguido pelo brasileiro Crioula (22 pp) e pelo chileno Claro (25 pp). Na temporada 2012, o Patagonia foi o grande campeão com 26 pontos perdidos, seguido pelo Crioula (49 pp) e pelo chileno Mitsubishi Motors (52 pp).

Resultados acumulados após oito regatas (com um descarte)

Classe S40
1. Patagonia (ARG) – (3 + 1 + 1 + 2 + 2 + 1 + 2) – 12 pontos perdidos
2. Crioula (BRA) – (1 + 2 + 4 + 3 + 4 + 5 + 3) – 22 pp
3. Claro (CHI) – (3 + 3 + 1 + 5 + 3 + 6 + 4) – 25 pp
4. Mitsubishi Motors (CHI) – (4 + 4 + 2 + 6 + 2 + 5 + 2) – 25 pp
5. Movistar (CHI) – (7 + 6 + 4 + 1 + 6 + 3 + 5) – 32 pp
6. Carioca (BRA) – (5 + 7 + 7 + 8 + 8 + 1 + 1) – 37 pp
7. Pisco Sour (CHI) – (8 + 8 + 6 + 3 + 4 + 4 + 9) – 42 pp
8. Entel (CHI) – (2 + 6 + 5 + 10 + 8 + 7 + 7) – 45 pp
9. Mitsubishi / Energisa (BRA) – (9 + 5 + 9 + 9 + 7 + 7 + 6) – 52 pp
10. Santander (CHI) – (NC* + 5 + 7 + 9 + 9 + 8 + NC) – 64 pp
11. Pajero / Gol (BRA) – (10 + 10 + 11 + 11 + 11 + 9 + 10) – 72 pp
12. Vesper III (BRA) – (11 + 11 + 12 + 12 + 12 + 11 + 11) – 80 pp

HPE 25
1. Ginga (BRA) – (1 + 2 + 1 + 1 + 3 + 1 + 1) – 10 pontos perdidos
2. Bixiga (BRA) – (1 + 3 + 2 + 4 + 3 + 2 + 4) – 19 pp
3. Relaxa Next (BRA) – (5 + 4 + 4 + 2 + 1 + 3 + 3) – 22 pp
4. Atik (BRA) – (4 + 3 + 5 + 5 + 1 + 4 + 2) – 24 pp
5. Repeteco I (BRA) – (3 + 4 + 6 + 3 + 5 + 5 + 4) – 30 pp
6. Corum (BRA) – (2 + 2 + DSC** + NC + 2 + 6 + 5) – 39 pp
7. Artemis (BRA) – (6 + 7 + 6 + 6,75 + 6,75 + 6,75*** + 6) – 45, 25 pp
8. Fit to Fly (BRA) – (9 + 10 + 7 + 6 + 7 + 5 + 7) – 51 pp
9. Aventura (BRA) – (9 + 8 + 9 + 8 + 7 + 8 + 7) – 56 pp
10. Ser Glass Eternity (BRA) – (7 + 6 + 7 + NC + NC + NC + NC) – 64 pp

Resultado acumulado somando as oito regatas de Ilhabela + oito regatas de Búzios, contando com três descartes:

Classe S40
1. Patagonia (ARG) – 26 pontos perdidos
2. Crioula (BRA) – 49 pp
3. Mitsubishi Motors (CHI) – 52 pp
4. Pisco Sour (CHI) – 58 pp
5. Claro (CHI) – 58 pp
6. Movistar (CHI) – 61 pp
7. Carioca (BRA) – 72 pp
8. Entel (CHI) – 87 pp
9. Santander (CHI) – 100 pp
10. Mitsubishi / Energisa (BRA) – 100 pp

HPE 25
1. Relaxa Next (BRA) – 23 pontos perdidos
2. Atik (BRA) – 24 pp
3. Ginga (BRA) – 24 pp
4. Bixiga (BRA) – 35 pp
5. Repeteco I (BRA) – 42 pp
6. Fit to Fly (BRA) – 66 pp
7. Corum (BRA) – 71 pp
8. Ser Glass Eternity (BRA) – 122 pp
9. Artemis (BRA) – 122, 25 pp
10. Aventura (BRA) – 148 pp

* Não classificou
** Desclassificado
*** A pontuação representa reparação concedida pelo juiz

“Tudo correu muito bem em Ilhabela e Búzios. O barco foi rápido e a tripulação sensacional. Além de tudo, não tivemos nenhum problema ao longo das regatas, o que torna o trabalho muito mais fácil. Estamos muito felizes”, conta o tático do Patagonia e hexacampeão mundial de vela, Mariano ‘Cole’ Parada.

Da assessoria de imprensa

Tradicional Patescaria acontece neste final de semana no Rio de Janeiro

No próximo final de semana, dias 18 e 19, o Paquetá Iate Clube irá promover a já tradicional Patescaria. Além de velejar nos dois dias, os participantes também terão uma grande festa de confraternização com feijoada no PIC no sábado e coquetel de entrega de prêmios no dia 22 na Marina da Glória.

Vídeo: Terceiro dia de treinos do AC72 Emirates Team New Zealand

Artemis e Oracle treinam em São Francisco

Visando a primeira etapa da America´s Cup World Series 2012/13, as equipes do sueco Artemis e do americano Oracle Racing já treinam nas águas de São Fracisco, nos EUA. O evento acontece entre os dias 21 e 26 de agosto.

A equipe sueca foi para a água pela primeira vez no dia 7, com seus dois barcos. No comando do Artemis White estava o timoneiro oficial do time Terry Hutchinson, enquanto no Artemis Red estava o argentino Santiago Lange. “A Baía de São Fracisco será o nosso campo de regatas nos próximos 14 meses e é muito bom estar aqui tão cedo”, disse o CEO da equipe Paul Cayard

%d blogueiros gostam disto: