Pular para o conteúdo

Arquivo de

Scheidt treina em Porto Alegre visando o título brasileiro

Scheidt já está em Porto Alegre

Scheidt já está em Porto Alegre

Dono de cinco medalhas olímpicas, Robert Scheidt volta a Porto Alegre depois de uma década ausente da raia do Guaíba. A última vez foi em fevereiro de 2003 quando venceu a seletiva para os Jogos Pan-americanos de Santo Domingo, na República Dominicana, onde conquistaria a medalha de ouro. Robert, 39 anos, irá competir no Campeonato Brasileiro da classe Laser que começa no sábado no Veleiros do Sul. Mostrou que continua o mesmo cara simples e centrado no que faz. Chegou pela manhã, almoçou no Veleiros do Sul com o seu técnico, o gaúcho Fábio Pillar, e em seguida foram para água treinar na raia onde será o Brasileiro.

“Não venho com compromisso de ganhar o título, mas obviamente tentarei. O campeonato será importante para fazer uma comparação com meus atuais adversários. Enfrentarei uma gurizada que veleja muito bem e o nível dos campeonatos brasileiros é sempre forte.” Em dezembro treinou com outros velejadores no Rio de Janeiro e depois sozinho em Ilhabela, onde passou o fim de ano. Robert pretende continuar competindo na Laser e para isso teve que mudar o seu programa de treinamento físico. “Velejar nesta classe exige maior preparo aeróbico e tenho que evitar as lesões.”

Da assessoria do VDS

João Victor Barini Ramos é campeão estreante de Optmist

Evento que abriu o Brasileiro de Optimist reuniu mais de 50 crianças de vários estados no Yacht Club Santo Amaro (YCSA)

O campeão João Victor

O campeão João Victor

São Paulo (SP) – A abertura do Campeonato Brasileiro de Optimist foi concluída em grande estilo no Yacht Club de Santo Amaro (YCSA). Mais de 50 crianças de 7 a 15 anos tiveram a primeira oportunidade de competir em um evento de alto nível na Copa de Estreantes. Sem se importar com o clima ruim dos últimos dias, principalmente a forte chuva que caiu na zona sul de São Paulo nesta quarta-feira (16), meninos e meninas participaram de seis regatas e o campeão de 2013 foi João Victor Barini Ramos, do Clube Naval Piraquê, do Rio de Janeiro (RJ). No feminino, a atleta com melhor desempenho foi Daniela Luz, do Iate Clube do Rio de Janeiro (RJ).

Com sonho de repetir um dia o sucesso de Torben Grael e Robert Scheidt nas raias mundiais, o fluminense de 12 anos quer aproveitar ao máximo a passagem pela categoria para aprender. “Tenho muita chão para percorrer na vela. Tenho quase dois anos de pratica e meu objetivo é melhorar sempre e ganhar muitas competições. No campeonato, mesmo não conhecendo a raia da Guarapiranga, consegui ver algumas semelhanças com a Lagoa Rodrigo de Freitas”, disse o garoto. “Vou ficar mais um pouco no Optimist e depois migrar para a Laser”.

A mãe de João Vitor, Fabiana Barini, apóia a decisão do filho de se tornar um velejador e elogia sua força de vontade e determinação. “Estou super feliz com essa conquista dele, pois conseguiu unir determinação e dedicação aos treinos. O João é apaixonado pela vela e é motivo de orgulho para a família. Ele vai longe, não tenho dúvidas”, relatou a mãe e fã número um do velejador. “No futebol ele não leva menor jeito, mas na vela tem tudo para brilhar”, completou.

A campeã no feminino foi Daniela Luz, de apenas 12 anos. A representante do Iate Clube do Rio de Janeiro surpreendeu ficando também em segundo no geral, mas segundo ela dava para ter ficado com o ouro. “Tinha tudo até para ganhar. Não consegui aproveitar melhor os ventos e o João Vitor foi melhor. Minha meta é chegar sempre em primeiro, pois me cobro muito”, contou a velejadora do Rio de Janeiro. “Espero competir mais vezes, principalmente fora do meu estado, para conhecer pessoas e lugares. Isso é o mais legal da vela”.

Mudanças climáticas e falta de vento – A garotada vivenciou literalmente a realidade de uma competição de vela, assim como os profissionais. Mudanças climáticas como chuva e falta de vento deram o tom nos três dias na Represa do Guarapiranga. Nesta quarta-feira (16), por exemplo, a conhecida bandeira vermelha e branca de ‘recon’ (retardamento das regatas) subiu duas vezes. Depois de uma espera de quase três horas, os velejadores foram para água mesmo com forte chuva e frio.

“A mudança de tempo faz parte da essência da vela e a garotada teve uma experiência de luxo no campeonato. Essa oportunidade é única no País, já que reúne velejadores mirins menos experientes em uma competição de alto nível”, explicou Marcos Biekarck, coordenador do evento no Yacht Club de Santo Amaro.

Durante os intervalos entre as regatas, as crianças e adolescentes se divertiam jogando tênis de mesa, pebolim (totó), futebol ou mesmo se distraindo com o modernos tablets e celulares. “O clima é de amizade e aprendizado. Os pais e treinadores nesta fase evitam fazer cobranças por resultado. As crianças amadurecem a cada competição”, adiantou Marcos Biekarck.

O evento com os estreantes contou com atletas de cinco estados. São Paulo e Rio de Janeiro lideraram a flotilha, seguidos por Rio Grande do Sul, Bahia e Brasília. “Além de competir, as crianças fazem amizades que duram pra vida toda. A vela tem muito desse espírito e a rivalidade no Optimist é muito pequena. Os meninos aprendem muito na água e quando estão no clubes pedem informações aos mais experientes sobre as condições da raia”, disse Túlio Cipriani, técnico dos garotos do Iate Clube de Brasília. A equipe conta com três mirins na Copa de Estreantes e seis no Brasileiro da categoria.

O Brasileiro de Optimist de 2013 começa a ser disputado na sexta-feira (18) e seguirá até o dia 25. Até o momento estão inscritos 130 velejadores de todo o Brasil. O campeonato também serve de eliminatória para o Sul-Americano da categoria, na Semana Santa, no final de março, em Porto Alegre. Os melhores defenderão o Brasil no evento continental. Outro foco da garotada é o Mundial, que será no meio do ano na Itália.

“No Brasil, seguramente, a Optimist é a maior classe em número de competidores. O nível consequentemente é alto, ajudando a garotada nas outras categorias no futuro. O mais interessante é que os que saem da Optimist por causa da idade continuam colaborando, principalmente como treinadores”, disse Pedro Paulo Petersen, presidente nacional da classe

A 41ª edição do Brasileiro de Optimist tem patrocínio do Sistema ANGLO de Ensino – Abril Educação e tem tudo para ser o melhor da história no Yacht Club de Santo Amaro (YCSA), clube responsável pela realização do evento, que tem a supervisão técnica da Confederação Brasileira de Vela e Motor e apoio da Federação Paulista de Vela.

Resultados da Copa de Estreantes após cinco regatas e um descarte:
1º – João Victor Barini Ramos (RJ) – 14 pontos perdidos (4+1+5+2+2+10)
2º – Daniela Luz (RJ) – 18 pp (3+6+4+8+4+1)
3º – Antonio Marcelino Godinho (SP) – 25 pp (6+3+1+12+3+15)
4º – Gabriel Gusmão de Almeida (BA) – 27 pp (12+2+10+1+8+6)
5º – Arthur Gusmão de Almeida (BA) – 29 pp (8+9+8+3+1+14)

Da ZDL

Vídeo: ETNZ recebe o segundo AC72

Com vídeo: Solitários da Vendée Globe deverão terminar a volta ao mundo em menos de 80 dias

Os corajosos velejadores solitários da Vendée Globe já estão no mar há 66 dias e o líder François Gabart já cruzou novamente a linha do Equador. Ele estabeleceu um novo recorde para a competição, baixando o tempo em pouco mais de cinco dias.

Velejando neste ritmo, a previsão é que os primeiros colocados terminem a volta ao mundo em menos de oitenta dias, entre os dias 26 e 28 de janeiro. O atual recorde é de 84 dias.

Enquanto o jovem Gabart amplia cada vez mais a distância para Armel Le Cleac’h, segundo colocado (já são quase 130 milhas), Mike Golding segue subindo na tabela. Nesta terça-feira ele ultrapassou Jean Le Cam e agora ocupa a quinta colocação.

Daniel Lombardi e Gabriel Siqueira são campeões brasileiros de 420

Os campeões brasileiros de 420

Os campeões brasileiros de 420

Entre os dias 9 e 12 de janeiro foi realizado em Porto Alegre o Brasileiro de 420. O campeonato, disputado logo em seguida do Sul-Americano, reuniu 15 duplas do Rio Grande do Sul, São Paulo e Rio de Janeiro. Depois de disputas muito acirradas, os vencedores só foram conhecidos na última regata. Os campeões sul-americanos Daniel Lombardi e Gabriel Sequeira lideravam a competição e mesmo se envolvendo em um protesto contra Bernardo Penteado e Breno Abdulkleck conseguiram assegurar o segundo título na semana. Entre as meninas o título ficou com Claudia Mazzaferro e Luiza Peiter.

Resultado final:

1. Daniel Lombardi / Gabriel Sequeira (CNC – RJ)
2. Tiago M. Brito / Andrei Kneipp ( CDJ – RS )
3. Bernardo Penteado / Breno Abdulklech (ICRJ – RJ)
4. Claudia Mazzaferro / Luiza Peiter ( YCSA – SP )
5. Eric Belda / Rodrigo Dabus ( YCSA – SP )

Treze equipes confirmam presença no primeiro evento do ano da classe RC44

A flotilha de RC44 terá 13 barcos na primeira etapa de 2013

A flotilha de RC44 terá 13 barcos na primeira etapa de 2013

O primeiro evento de 2013 da classe RC44 será disputado em Oman, nos Emirados Árabes, no final de janeiro, e contará com a presença de 13 equipes. Os ingleses do Team Acqua entram mais uma vez como favoritos e defendem o título de 2012. Novos nomes da vela mundial se juntam à classe e reforçam os times. São eles: o britânico Paul Goodison, que velejará a bordo do Ironbound, o espanhol Gustavo Martinez Doreste, que estará no Peninsula Petroleum, e Flavio Flavini, que forçará o novo Team Italia.

Humildad Zero é fita-azul da Buenos Aires – Punta

A tripulação do Huildad Zero

A tripulação do Humildad Zero

No último domingo começou em Buenos Aires o Circuito Atlántico Sur para veleiros de Oceano. A primeira regata do campeonato é a que sai da capital argentina e chega em Punta del Este, com um percurso de 167 milhas náuticas. O fita-azul foi o Soto 53 Humildad Zero, de Daniel Figueirido. Ele completou a prova em 26 horas, 26 minutos e 50 segundos.

Os brasileiros fizeram bonito com o V8 Nitro, que conquistou o primeiro lugar na série A. Tembó Guaço e San Chico não disputaram a regata, mas devem continuar na competição no Uruguai. O Orson Mapfre também velejou bem e foi o segundo na série B.

%d blogueiros gostam disto: