Pular para o conteúdo

Arquivo de

Regata Comodoro Cota Mil será disputada neste final de semana no lago Paranoá

Nos dias 20 e 21 de abril, o Cota Mil Iate Clube realizará a Regata Comodoro Cota Mil 2013 onde serão disputadas a 2ª Etapa do Torneio do Cerrado, na Raia Olímpica Sul, juntamente com a Regata de Monotipos e a Regata dos Veleiros de Oceano, disputadas na Raia Especial Sul, ambas no Lago Paranoá. Podem participar das competições barcos monotipos das classes Optimist, Laser Std, radial, 4.7 e Dingue, oceanos das Regras SMP2, RGS/DF e as flotilhas fast 230, Ranges 22 e Delta 26. As competições náuticas desse ano receberão a chancela da Brasiliatur e GDF.

Após as regatas, de domingo (21), acontecerá a cerimônia de premiação no Mirante da Náutica do Cota Mil Iate Clube, onde os velejadores serão premiados por categoria com troféus e a tripulação fita azul receberá a posse do desejado Troféu Transitório. As fichas de inscrição estão disponíveis no site http://www.cmic.com.br do Cota Mil Iate Clube, http://www.fnb.org.br da Federação Náutica de Brasília – FNB, http://www.avob.com.br Associação de veleiros de oceano de Brasília, http://www.formulabrasilia.org.br Associação formula Brasília , http://www.tekinfim.com.br Veleiro Tekinfim ou ainda na Secretaria do clube organizador. As fichas eletrônicas deverão ser remetidas para: nautica@cmic.com.br.

Este evento é uma organização do Cota Mil com o apoio da Federação Náutica de Brasília, do Iate Clube de Brasília, da Associação da Fórmula Brasília, da Associação de Veleiros de Oceano de Brasília, da Coordenação do Centro Oeste da Classe Laser, da Coordenação do DF da Classe Optimist e da Flotilha de Dingue de Brasília. Com o patrocínio da Rádio CBN, Rede Autoshopping e Futebol Gerovital.

Passeio do Descobrimento será realizado neste final de semana em Porto Seguro

A Flotilha Mutá realizará nos dias 21 e 22 de abril o Passeio do Descobrimento, em homenagem ao Descobrimento do Brasil. Estão convidados veleiros de todas as classes.

Confira a programação:
Dia 20/04 Preparação das embarcações na Praia do Mutá – Cabana Goiana do PC.
Dia 21/04 Praia do Mutá – Orla de Porto Seguro/Orla de Porto Seguro – Praia do Mutá – Concentração à partir das 08 horas com previsão de saída às 09 horas da manhã.
Dia 22/04 Praia do Mutá – Santo André (Santa Cruz Cabrália)/Santo André – Praia do Mutá – Saída e Concentração à partir das 08 horas com previsão de saída às 09 horas da manhã.

Copa Suzuki continua neste final de semana em Ilhabela

O Lexus foi um dos destaques do primeiro final de semana

O Lexus foi um dos destaques do primeiro final de semana

Regatas em Ilhabela foram equilibradas no primeiro fim de semana nas classes ORC, C30, HPE, RGS (A,B,C e Cruiser)

Ilhabela(SP) – Os números da estreia da Copa Suzuki Jimny 2013 comprovam que a competição de vela oceânica é uma das mais fortes do País. Logo de cara, no primeiro fim de semana, 45 barcos das classes ORC, C30, HPE, RGS (A,B,C e Cruiser) disputaram as regatas no Canal de São Sebastião. A flotilha nesta temporada já é maior do que a média do ano passado, que teve 40. Além disso, as equipes se reforçaram com novos equipamentos, como jogo de vela, e contrataram profissionais da modalidade para melhorar os resultados na água. A organização do campeonato e a estrutura do Yacht Club de Ilhabela (YCI) também colocam o evento como obrigatório para a vela paulista.

“Reunir 45 barcos em uma mesma competição é um desafio para os organizadores e um cenário ideal para os velejadores. É muito legal a disputa e os resultados estão cada vez mais apertados. Vemos algumas classes crescendo, como o HPE e outras se consolidando como a RGS”, diz Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do YCI.

Neste sábado (20) e domingo (21), os times voltam a se enfrentar em Ilhabela e a previsão é de mar calmo, com temperatura um pouco mais alta do que no fim de semana passado: 22 graus de média no período da tarde, quando as regatas são realizadas.”Mesmo com tempo ruim (frio), as primeiras regatas foram bem disputadas e a tendência é que fiquem ainda mais ao longo do ano. As equipes sabem que não podem perder pontos para vencer o campeonato, em dezembro”, avalia Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do YCI.

Mais uma vez, a classe HPE foi a que apresentou maior equilíbrio. Com 16 veleiros na raia, as equipes se alteraram na liderança nas duas regatas, mas a melhor média foi do Jimny Take Ashauer (Cássio Ashauer), seguido por Relaxa Next/Caixa (Maurício Santa Cruz).

Na C30, com quatro veleiros na disputa, destaque para o TNT/Loyal (Marcelo Massa), que venceu as duas. Na ORC, Lexus/Chroma (Luiz Gustavo de Crescenzo) e Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) dividem a ponta, com três pontos perdidos.

Na RGS-A, o Jazz (Valéria Ravanni) segue com 100% de aproveitamento no circuito, superando o campeão do ano passado, o Fram (Felipe Aidar). Na RGS-B, o Suduca (Marcelo Claro) também venceu no sábado e no domingo. Na RGS-C, destaque para Arial (Andreas Kugler) e Boccalupo (Cláudio Melaragno), na RGS-Cruiser. Ambos têm 100% de aproveitamento.

Resultados – após duas regatas

ORC
1- Lexus/Chroma (Luiz Gustavo de Crescenzo) – 3 pontos perdidos (2+1)
2- Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 3 pp (1+2)
3- Sextante (Thomas Shaw) – 9 pp (3+6)

C30
1- TNT/Loyal (Marcelo Massa) – 2 pp (1+1)
2- +Realizado (José Luiz Apud) – 5 p (3+2)
3- Barracuda (Humberto Diniz) – 6 pp (2+4)

HPE
1- Jimny Take Ashauer (Cássio Ashauer) – 6 pp (2+4)
2- Relaxa Next/Caixa (Marcelo Santa Cruz) – 8 pp (1+7)
3- Ginga (Breno Chvaicer) – 8 pp (3+5)

RGS-A
1- Jazz (Valéria Ravani) – 2 pp (1+1)
2- Urca/BL3 (Pedro Rodrigues) – 6 pp (4+2)
3- Inaê/Transbrasa (Bayard Umbuzeiro Filho) – 7 pp (2+5)

RGS-B
1- Suduca (Marcelo Claro) – 2 pp (1+1)
2- Asbar II (Sergio Klepacz) – 4 pp (2+2)
3- Helios – Sírio Libanês – 6 pp (3+3)

RGS-C
1- Ariel (Andreas Kubler) – 2 pp (1+1)
2- Rainha (Leonardo Pacheco) – 5 pp (3+2)

RGS-Cruiser
1- Boccalupo (Claudio Melaragno) – 2 pp (1+1)
2- Nimbus (André Torrente) – 5 (3+2)
3- Brazuca (José Rubens Bueno) – 6 pp (2+4)

Da ZDL

Renata Decnop é a melhor brasileira no ranking de match race da Isaf

Fred Hoffmann registrou o duelo entre a equipe de Renata e a de Henrique durante o Brasileiro de 2012

Fred Hoffmann registrou o duelo entre a equipe de Renata e a de Henrique durante o Brasileiro de 2012

A Isaf divulgou nesta quarta-feira o novo ranking mundial de match race. Apesar de não estar se dedicando tanto à modalidade por estar fazendo campanha olímpica de 470 ao lado de Isabel Swan, a niteroiense Renata Decnop subiu três posições e, em 12º, é a melhor brasileira do ranking. Juju Senfft, que acabou de garantir uma vaga na final da Nations Cup é 14ª colocada. A líder é a francesa Claire Leroy.

Entre os homens, o melhor brasileiro segue sendo Henrique Haddad, na 38ª colocação. Ele também estará na final da Nations Cup. O líder é o inglês Iain Williams.

Em águas brasileiras, Betão Pandiani e Igor Bely superam noite de tormentas

Ventos fortes na passagem por Trindade, pedaço de terra administrado pela Marinha, assustam dupla que faz o caminho da África do Sul ao Brasil a bordo de um catamarã sem cabine

A dupla sofreu ao chegar em águas brasileiras

A dupla sofreu ao chegar em águas brasileiras

São Paulo (SP) – A Travessia do Atlântico, aventura de Beto Pandiani e Igor Bely pelo oceano a bordo de um catamarã sem cabine, chega em um momento importante. A dupla já está em águas brasileiras quase um mês após a partida da Cidade do Cabo, na África do Sul. Os dois deixaram para trás o arquipélago de Trindade e Martim Vaz, o trecho de terra mais distante da costa nacional. O território pertence ao município de Vitória (ES) e está a mais de 1.200 quilômetros distante da cidade. A Marinha do Brasil tem um posto militar no local. Poucos velejadores de oceano conseguiram ter o privilégio de chegar à ilha de Trindade, um imenso paredão no meio do Atlântico.

“Estamos agora em águas brasileiras. Estive lá, em Trindade, quando tinha 8 anos, mas não consegui chegar em terra, já que a ilha é inóspita e de difícil acesso pelas praias rochosas e fortes ondas. Lembro que havia tanto peixe, que o cardume encostava perto do barco para ver se era comida. Espero que o local permaneça o mesmo”, disse Igor Bely, que foi para ilha de Trindade a bordo de um veleiro batizado de Kotic II.

Mas, na região de Trindade, os velejadores sofreram. O vento forte vindo de noroeste, ou seja, bem contra o Picolé, dificultou as coisas para a dupla que pretendia ir para o sentido oeste. “Não queríamos descer ainda para o sul, pois uma frente fria provocava ventos fortes de sudoeste mais ao sul, também contra nosso destino. A noite de domingo para segunda-feira foi a pior noite da viagem”, relatou Beto Pandiani. “Não dormimos nem um segundo e sentindo as pancadas das ondas arrebentarem na lateral do Picolé. Era como tomar um soco no estômago. O medo de quebrar o barco e perder tudo que fizemos até aqui me deixou com a boca seca. Por alguns momentos o medo do fracasso tomou conta de mim”.

Chegada prevista para dia 27 em Ilhabela – A ideia da dupla é chegar em Ilhabela no dia 27 de abril, na sede da BL3. “Essa viagem é diferente de todas que fiz, pois não tem escalas. É quase um mês a bordo e a gente não vê nada. A impressão é que estamos sozinhos no mundo. Nuvem e céu apenas. À noite só existe isso”, afirmou Betão Pandiani.

“Estamos a 620 milhas de Vitória e 730 de Cabo Frio. São números animadores e se tivermos três dias bons, vamos nos aproximar bastante da costa brasileira”, finalizou Beto Pandiani. Depois que o mar acalmou, os dois conseguiram descansar e até foi possível pescar. Igor Bely pegou um marlin, que logo depois foi devolvido às águas.

Ao todo, a Travessia do Atlântico tem 4.000 milhas náuticas (7.400 quilômetros) da Cidade do Cabo (África do Sul) até Ilhabela (Brasil). Os dois estão na água desde 20 de março, mas a falta de ventos impediu que a aventura terminasse em 30 dias.

A Travessia do Atlântico tem o patrocínio de Semp Toshiba, apoio de Mitsubishi, Red Bull e Certisign. Os colaboradores são Reebok, BL3, Sta Constância, Azula, North Sails e Track and Field.

Da ZDL

America´s Cup World Series: Tudo pronto para as regatas em Nápoles

Emirates Team New Zealand treina em Nápoles

Emirates Team New Zealand treina em Nápoles

Os nove times que disputarão a etapa de Nápoles da America´s Cup World Series já estão prontos para as regatas desta quinta-feira. Foram dois dias de treino em águas italianas a bordo dos AC45 antes do início da última etapa da edição 2012-13 da competição. Estão programadas regatas barla-sota, além de corridas de velocidade em 500 metros. 

Confira abaixo a classificação até o momento:
ORACLE TEAM USA (Slingsby) – 165
Luna Rossa Piranha (Draper) – 121
Artemis Racing White (Ekberg) – 120
J.P. Morgan BAR – 116
Energy Team – 102
Emirates Team New Zealand – 100
Luna Rossa Swordfish – 71
China Team – 43
HS Racing – 0

%d blogueiros gostam disto: