Pular para o conteúdo

Arquivo de

Jorginho sobe para a 10ª colocação no Mundial de Finn

Jorginho em ação

Jorginho em ação

O segundo dia de regatas do Finn Gold Cup foi muito bom para Jorginho Zarif. Integrante da Equipe Brasileira de Vela ele conquistou um terceiro lugar na segunda regata do dia e subiu para a 10ª colocação geral. A liderança é do inglês Andrew Mills. Bruno Prada, que também está em campanha para 2016, não teve um bom dia e com uma bandeira preta na primeira regata e sem terminar a segunda, caiu para 77º.

Falta de vento cancela regatas do Mundial de J/24

Vento fraco cancelou a regata

Vento fraco cancelou a regata

O segundo dia de regatas do Mundial de J/24, que está sendo disputado na Irlanda, foi marcado por ventos fracos. Os brasileiros do Bruschetta, comandados por Maurício Santa Cruz até chegaram a liderar a regata, mas o vento acabou e a CR foi obrigada a cancelar a prova. Com isso eles seguem na segunda colocação.

“Tiveram duas largadas, uma com bandeira preta e o americano que está em primeiro escapou junto com o inglês que está em terceiro. Na segunda largada, que valeu, chegamos a montar a boia em primeiro, mas o vento foi diminuindo até acabar. O bom é que na primeira regata desta quarta-feira eles não correm”, disse Santinha.

Com vídeo: The Wave, Muscat, vence a sexta etapa do Extreme Sailing Series

Terminou nesta segunda-feira em Cardiff, na Inglaterra, a sexta etapa do Extreme Sailing Series. E a equipe do The Wave, Muscat, comandada por Leigh Mc Milla, venceu nada menos do que 11 regatas e ficou com o título da etapa. “Nós fomos rápidos em perceber as mudanças do vento e este foi, provavelmente, o nosso maior trunfo”, disse o comandante.

A competição segue agora para Nice, na França, entre os dias 3 e 6 de outubro, para a disputa da penúltima etapa, antes do grande final no Brasil.

Gaúchos avaliam participação no Mundial de 470

Geison e Gustavo na final do Mundial de 470

Geison e Gustavo na final do Mundial de 470

Ao encerrarem o Mundial de 470 no 23º lugar no pelotão principal da disputa, a flotilha ouro, a dupla de 470 do Veleiros do Sul, Geison Mendes e Gustavo Thiesen tiveram a certeza de estarem no caminho certo para a vaga olímpica em 2016. A equipe foi formada há menos de uma ano, conquistou os títulos Brasileiro e Sul-americano da classe em 2013 e iniciou o segundo semestre focada, emendando a disputa dos campeonatos Europeu e Mundial de 470, os primeiros fora do continente, com flotilha numerosa e com a participação dos melhores velejadores da atualidade.

“Vimos como ponto mais positivo a nossa evolução do Europeu para o Mundial. Havia 40 velejadores a mais que o Europeu e a gente foi dez posições melhor no Mundial. Sentimos principalmente a evolução no velejo. No Europeu, quando fomos para a flotilha ouro, a gente brigava para não ficar entre os últimos. Já no Mundial era o contrário, montávamos bóia na frente, não perdíamos posição, a gente tava muito mais ligado e melhor ambientado”, comenta o timoneiro Geison.

O Mundial teve mais uma vez a vitória dos campeões olímpicos Mat Belcher/Will Ryan, considerados imbatíveis. Mas a dupla brasileira vê claras possibilidades de alcançar a nata da classe olímpica. “A classe é realmente muito difícil, tem muito cara bom. Mas a gente tem certeza que tem condições de evoluir e a gente vem evoluindo a passos largos pra chegar lá entre os cinco primeiros. O próprio Mat Belcher, que vem ganhando os últimos mundiais em sequência, das sete regatas da flotilha ouro, emmais da metade nós montamos a primeira bóia na frente dele. Tecnicamente ninguém é imbatível. O que ele tem a mais é velocidade e isso dá uma tranquilidade tática. Isso é uma coisa que a gente tem que buscar aqui também, ter esse pouquinho a mais de velocidade pra ter uma tranquilidade tática”, argumenta.

Durante o Mundial, Torben Grael foi anunciado como coordenador da Equipe Brasileira de Vela. A dupla vê grandes possibilidades na escolha: “Com certeza o Torben é um cara diferenciado. Se ele for trabalhar direto com os atletas, se fizermos clínicas, se ele tiver a disponibilidade de ajudar em água para orientar os técnicos, vai ser sensacional para a Equipe Brasileira” diz o velejador.

A dupla planeja participar das etapas da Copa do Mundo de Vela neste e no próximo ano, no entanto depende de patrocínio para poder disputar a competição. “Num esporte como a vela muitas vezes não conseguimos mostrar para as empresas que o investimento em equipes como a nossa pode trazer grande retorno, como isenção de impostos, além do marketing. E a gente precisa desse incentivo para ser competitivo”, destaca. A dupla ainda agradece o apoio que tiveram para a participação no Europeu e Mundial. “Contamos com o apoio da Confederação Brasileira de Vela (CBVela) e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que viabilizaram a participação no campeonato, ao Veleiros do Sul, que sem dúvida no Brasil é clube o que mais apoia o atleta da vela, desde a estrutura de treino, da palavra da comodoria e todo estímulo que a gente precisa, e também à Equinautic e ao Matracafé” conclui Geison.

Da assessoria do VDS

New York Yacht Club sedia o 16º Mundial de Farr 40

A disputa deverá ser acirrada entre os 15 inscritos

A disputa deverá ser acirrada entre os 15 inscritos

A partir desta terça-feira o New York Yacht Club irá sediar a 16ª edição do Mundial de Farr 40. No total 15 equipes de oito países estarão presentes na competição. Estão programadas no máximo 10 regatas barla-sota até o dia 30, último dia de competições. De acordo com as regras da classe, o dono do barco, que não pode ser profissional, deverá estar no leme durante as regatas.

Jorginho ganha sua primeira regata no Mundial de Finn

Começou nesta segunda-feira em Tallin, na Estônia, a Finn Gold Cup, válida como Mundial da classe. E o Brasil fez uma ótima estreia, com Jorginho Zarif vencendo a segunda regata do dia “Conquistei minha vitória inédita no Mundial. Estou muito feliz. O campeonato está muito difícil. Vamos torcer pelo Brasil”, disse ele, que ocupa a 18ª colocação. Quem também está por lá é Bruno Prada, que ocupa a 58ª colocação geral. O líder é o inglês Andrew Mills.

Com vídeo: Emirates Team New Zealand vence a Louis Vuitton Cup e disputa AC contra Oracle Racing

Terminou neste domingo em São Francisco a Louis Vuitton Cup. Com mais uma vitória, a sétima na competição, o Emirates Team New Zealand, liderado por Dean Barker, ficou com o título do evento e garantiu o direito de disputar a America´s Cup contra o Oracle Racing, a partir do dia 7 de setembro. Este foi o segundo título consecutivo do ETNZ na competição.

“Definitivamente viemos aqui para ganhar a America´s Cup, então vencer a Louis Vuitton Cup é parte da nossa preparação. Vamos dar o nosso melhor nas próximas semanas para termos certeza de que vamos chegar o mais preparados o possível”, disse Barker.

%d blogueiros gostam disto: