Pular para o conteúdo

Arquivo de

Brasileiros são vice-campeões europeus de J/24

Terminou no último domingo em Mônaco o Europeu de J/24. Os brasileiros do Bruschetta deixaram para trás nada menos que 68 concorrentes para garantir o vice-campeonato. Os vencedores foram os ingleses comandados por Chris Mac Laughlin.

“Chegamos no último dia precisando tirar 10 pontos de diferença da equipe inglesa, mas o vento estava fraco e só corremos uma regata. Agora vamos focar no Brasileiro, que será disputado em Porto Alegre, em novembro”, disse Santinha. Além dele fizeram parte da conquista Guilherme Hammelmann, Alex Saldanham Sergio Bittencurt e Alberto Gessa.

É possível ver os resultados completos clicando aqui.

Boing recicla partes de barco do Oracle Racing USA

oracle

Como parte dos esforços para preservar o meio ambiente, a Oracle Racing USA fechou uma parceria com a Boeing (sim, a fabricante de aviões) para reciclar partes do USA-71, barco usado pela equipe na America´s Cup de 2003. No total serão reciclados 3.175 quilos de fibra de carbono, tirados do mastro e do casco.

Francesco Bruni vence Argo Group Gold Cup

Terminou no último domingo em Bermuda a Argo Group Gold Cup, etapa do Mundial de Match Race. Na final, Francesco Bruni, que na America´s Cup veleja a bordo do Luna Rossa, bateu Ben Ainslie por 3×2. Bruni e sua equipe levaram para casa nada menos que US$ 50.000,00.

Resultado final:
1. Francesco Bruni (ITA)
2. Ben Ainslie (GRB)
3. Taylor Canfield (ISV)
4. Adam Minoprio (NZL)
5. Bjorn Hansen (SWE)
6. Ian Williams (GRB)
7. Keith Swinton (AUS)
8. Phil Robertson (AUS)

Xandi e Bolinha vencem o Sul-Brasileiro de Snipe em Porto Alegre

O Veleiros do Sul realizou no último final de semana o Campeonato Sul-brasileiro de Snipe reunindo 22 barcos vindos de Rio de Janeiro, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul. E a tripulação campeã é de casa mesmo. A dupla gaúcha Alexandre Paradeda e Gabriel Kieling, do Clube dos Jangadeiros foi a vencedora da disputa após liderar de ponta a ponta o campeonato, finalizando com oito pontos perdidos. Os vice-campeões foram os cariocas Mário Tinoco do Amaral e Matheus Gonçalvez (CRG) com 14 pontos e fechando o pódio geral os paulistas Rafael Gagliotti e Henrique Wisniewski (Iate Clube de Santos) em terceiro lugar com 18 pontos. Veja aqui a súmula final.

Superando as previsões para o domingo, o último dia do campeonato teve tempo bom com vento noroeste e uma média de 12 nós, bastante rondado, o que exigiu bastante dos velejadores e causou algumas alterações de percurso nas provas. Foram realizadas três regatas, duas barlasotas e uma em triângulo olímpico.

Para Alexandre Paradeda a vitória, após o bronze no Mundial recentemente no Rio de Janeiro, teve um sabor especial com a reativação da classe no Estado. “Esse campeonato foi bem marcante porque tem um monte de gente voltando a velejar. Foi a parte mais legal. Voltou o Dodão (George Nehm) pra classe, voltaram meus irmãos, voltou o Hilton Piccolo, chegaram barcos novos na flotilha e ainda tem barco pra chegar, é a revitalização da classe aqui no sul. Tivemos ex-campeões mundiais, sul-americanos, foram regatas que há tempos não se corria no Guaíba, com alto nível técnico”, comemorou Xande.

Os vice-campeões Mário Tinoco do Amaral e Matheus Gonçalvez aproveitaram para conhecer um pouco mais da raia. “Foi difícil enfrentar esse vento rondado e a onda picada daqui do Guaíba, a gente não tá muito acostumado e fica mais difícil velejar, mas o Xande velejou muito bem, é casa dele, foi muito merecida a vitória. E nós vamos aproveitar para treinar para os próximos campeonatos que virão por aí, como o Sul-americano que ocorrerá aqui em Porto Alegre em março. Aí a gente vem um pouco mais ligado”, disse Matheus.

Além dos campeões gerais, os ex-campeões mundiais da classe Snipe Boris Ostergren e Carlos Henrique De Lorenzi entregaram troféus para Lucas Mazim e Philipp Grochtmann (CDJ/VDS) campeões Júnior, à dupla campeã Mista George Nehm e Ana Luiza Barbachan (CDJ) e a Hilton Piccolo e Bruno Gauer (CDJ) como campeões Master. No fim da premiação, Mário Tinoco entregou o Troféu Rotativo Roberto Marinho para Alexandre Paradeda.

Gaúchos são vice-campeões sul-americanos de 420

Velejadores Tiago Brito e Andrei Kneipp terminaram em 2º lugar na competição disputada em Buenos Aires, Argentina

Ivan Neto registrou Andrei e Tiago

Ivan Neto registrou Andrei e Tiago

Os velejadores gaúchos Tiago Brito e Andrei Kneipp seguem colecionando bons resultados em 2013. A dupla do Clube dos Jangadeiros conquistou neste domingo, dia 13 de outubro, o vice-campeonato sul-americano da classe 420, após quatro dias de regatas em Buenos Aires, Argentina. A competição contou com a participação de 32 tripulações, de quatro países. O título ficou com as chilenas Nadja Horwitz e Carmina Malsch, com os argentinos Christian Duhalde e Brian Zon completando o pódio, em terceiro lugar. 

O Campeonato Sul-Americano de 420 fez parte da Semana Vela de Buenos Aires, que reuniu mais de mil competidores, em 17 classes. As regatas aconteceram em dois finais de semana, nos dias 5, 6, 12 e 13 de outubro. O evento foi sediado pelo Yacht Club Argentino.

Além de Tiago e Andrei, representaram o Jangadeiros na competição a dupla Lucas Aydos/Luís Augusto Mergel e o velejador Vitor Brito, que competiu ao lado do carioca Rodrigo Luz. Enquanto Lucas e Guto terminaram em 19º lugar, Rodrigo e Vitor ficaram na 30ª posição.

Da assessoria

Decisão da Copa Suzuki Jimny começa com regata Volta à Ilha Sir Peter Blake

Edu Grigaitis registrou Sir Peter Blake com o comodoro Ivan Lopes

Edu Grigaitis registrou Sir Peter Blake com o comodoro Ivan Lopes

São Paulo – O Yacht Club de Ilhabela (YCI) divulgou nesta semana o Aviso de Regata para a quarta e decisiva etapa da Copa Suzuki Jimny. As tripulações retornam ao litoral norte de São Paulo no último final de semana de novembro e no primeiro do mês de dezembro para a definição dos campeões da temporada nas classes ORC, HPE, IRC, C30 e RGS.

A competição, uma das principais da vela oceânica brasileira, será retomada no dia 30 de novembro, com a regata “Volta à Ilha”, disputada desde 2002 em homenagem ao velejador neozelandês Sir Peter Blake, que inclusive correu a regata e entregou a premiação no ano anterior, meses antes de ser assassinado por piratas na Amazônia. Em expedição pela costa brasileira a bordo do veleiro Seamaster, o campeão da America’s Cup visitou o YCI antes de seguir para a região Norte.

Em 2012, o Fita Azul da regata “Volta à Ilha – Sir Peter Blake”, válida pela 12ª edição da Copa Suzuki Jimny, foi o veleiro Lexus/Chroma, de Santos, com o tempo de 9h51m05, seguido pelo Loyal, com o Montecristo em terceiro lugar no tempo real. A regata larga tradicionalmente na Ponta das Canas, extremo norte de Ilhabela, com chegada prevista na Ponta da Sela, ao sul, em um percurso de 38 milhas (70 km).

“Conversando com o ex-diretor de Vela do YCI, José Nolasco, na varanda do clube depois de alguns brindes, tive a ideia de darmos a volta na ilha competindo. O Nolasco topou e assim foi criada a regata. É uma das minhas preferidas. Já participei de várias e neste ano pretendo correr com o Kalu (atual diretor de Vela e comandante do Orson/Mapfre)”, revela o velejador Alberto Gaidys, coordenador do Comitê Organizador da Semana de Vela de Ilhabela.

“Essa regata é muito tática. Como é preciso contornar a ilha, em algum momento haverá uma sombra de vento, é inevitável. E quando você fica boiando, vai ter de pensar muito para saber como sair do lugar. Há alguns anos estava correndo no Kawabunga, ao sul da ilha numa situação dessas. Muita gente já havia desistido. Persistimos e fomos presenteados por um cardume de golfinhos, bem ao lado do nosso barco enquanto contemplávamos um maravilhoso por do sol. Valeu a regata!”, recorda Gaidys.

Depois da “Volta à Ilha – Sir Peter Blake”, a Copa Suzuki Jimny terá mais três dias de regatas no encerramento da temporada: 1º, 7 e 8 de dezembro. O Yacht Club de Ilhabela deverá receber novamente mais de 40 tripulações. As inscrições serão feitas nos dias 29 (18h às 21h) e 30 de novembro (8h às 11h) na secretaria do evento no YCI, no valor de R$ 80,00 por tripulante. Os velejadores mirins estão isentos de taxa.

Resultados acumulados após três etapas (considerando-se os descartes)

ORC
1º – Tangaroa (James Bellini) – 11 pontos perdidos
2º – Lexus/Chroma (Luiz de Crescenzo) – 17 pp
3º – Orson/Mapfre (Carlos Eduardo S. Silva) – 27 pp

C30
1º – Loyal (Marcelo Massa) – 14 pp
2º – Barracuda (Humberto Diniz) – 27 pp
3º – Caballo Loco (Mauro Dottori) – 39 pp

HPE
1º – Relaxa/Next Caixa (Tomas Mangabeira) – 33 pp
2º – Ginga (Breno Chvaicer) – 41 pp
3º – SER Glass (Marcelo Bellotti) – 50 pp

RGS A
1º – Jazz (Valéria Ravani) – 14 pp
2º – Urca/BL3 (Pedro Rodrigues) – 31pp
3º – Maria Preta (Alberto Barreti) – 34 pp

RGS B
1º – Asbar II (Sergio Klepacz) – 12,5 pp
2º – Suduca (Marcelo Claro) – 18 pp
3º – Kanibal (Martin Bonato) – 22,5 pp

RGS C
1º – Rainha (Leonardo Pacheco) – 11 pp
2º – Ariel (Andreas Kugler) – 20 pp

RGS Cruiser
1º – Boccalupo (Claudio Melaragno) – 12 pp
2º – Cocoon (Luiz Caggiano) – 19 pp
3º – Brazuca (José Rubens Bueno) – 28 pp 

Da ZDL

<span>%d</span> blogueiros gostam disto: