Pular para o conteúdo

Lars Grael comanda Team Brazil na decisão do Extreme Sailing Series

Medalhista olímpico reúne especialistas em veleiros multicascos para as regatas finais da temporada mundial na arena de Florianópolis

Florianópolis (SC) – Os velejadores brasileiros terão a honra de competir na etapa que definirá o barco campeão da temporada do Extreme Sailing Series™, que desde o mês de março já levou a emoção dos velozes catamarãs ‘Extreme 40’ a seis países da Europa e da Ásia. No Brasil, Lars Grael será o coordenador do Team Brasil que representará o País nas regatas contra os melhores velejadores do mundo, na arena montada na capital catarinense, entre os dias 14 e 17 de novembro, no Act 8 Florianópolis do Extreme Sailing Series™, apresentado por Land Rover.

Em cada uma das etapas anteriores, o país-sede formou uma tripulação local. Na passagem pela América do Sul, a última de 2013, Lars Grael reuniu os mais experientes velejadores brasileiros em barcos de dois cascos. O timoneiro do Team Brazil será Clínio de Freitas, proeiro de Lars no pódio olímpico dos Jogos de Seul, em 1988, quando conquistaram a medalha de bronze na classe multicasco, Tornado.

Os parceiros Lars e Clínio formaram a equipe juntos e, diante da falta de tempo para treino que permita adaptação adequada ao barco, optaram por selecionar tripulantes que já tenham intimidade com catamarãs. André Mirsky, que já fez campanha olímpica de Tornado, levará a bordo a experiência da preparação para a Regata Volta do Mundo 2005/06 e de algumas das principais provas na Europa como a Route du Rhum (França) e a Copa de la Reina (Espanha). Aos 10 anos de idade, André já acumulava três mil milhas velejadas. Participou da equipe brasileira no Extreme Sailing Series™ em 2012, na baía de Guanabara.

Convocado para a etapa de Florianópolis, Daniel Santiago também velejou de Extreme 40 com o Team Brazil no Rio em 2012. Tem no currículo o bicampeão nos Jogos Pan-Americanos e o tetra mundial na classe J-24. Bruno Di Bernardi é campeão sul-americano de Tornado e exímio conhecedor da raia, por ser natural de Florianópolis. A tripulante feminina será Cláudia Swan, esposa de Clínio, e representante brasileira da classe 470 na Olimpíada de Barcelona/92. Conquistou o bronze na mesma classe no Pan de Havana. Completa a equipe, André Chang, também catarinense, campeão brasileiro de Tornado e que, além da vela, também disputa provas ciclísticas.

O barco brasileiro já chegou a Florianópolis e será montado para que a equipe possa iniciar, na primeira semana de novembro, os treinos que definirão as posições dos velejadores no barco e quais serão os reservas do time.

Raça e cautela – “A intimidade que todos possuem com multicascos e o fato de já terem velejado juntos, vai nos ajudar muito. Mas é preciso dimensionar de forma exata a expectativa de rendimento. É um circuito que está sendo disputado há sete anos por profissionais da vela que vão chegar ao Brasil, afinadíssimos. Vamos correr para homenagear o País e para mostrarmos a garra e o talento do velejador brasileiro”, considera Lars Grael.

O responsável pelo Team Brazil reforça a intensa relação que a arena náutica estabelece entre o público e as regatas. “O formato do Extreme Sailing Series™ é voltado para os torcedores. Os barcos são muito velozes com manobrabilidade limitada, o que exige perícia do velejador e leva muita emoção ao público. Às vezes é até melhor para quem está assistindo do que para quem está no barco”, opina Lars, referindo-se às capotagens espetaculares, que se tornam comuns quando a intensidade do vento aumenta.

A postura de Lars, cauteloso com a perspectiva de um bom resultado, é compartilhada por Clínio. “O mais importante é a manobra. Com regatas curtas, é muita explosão e pouco tempo para raciocínio. O barco é muito dependente da força. Se o vento não estiver muito forte vai facilitar para gente. Mas tenho a certeza de que vamos fazer bonito em Florianópolis”, prevê o timoneiro do Team Brazil.

Antes do Extreme Sailing Series™, Clínio de Freitas disputa o Campeonato Sul-Americano de Nacra entre os dias 7 e 10 de novembro em Porto Alegre, ao lado da esposa Cláudia Swan. Em campanha para os Jogos Olímpicos Rio/2016, a dupla vai aproveitar a competição da nova classe olímpica como um treino de luxo para as regatas de Florianópolis. O mesmo acontece com Bruno di Bernardi, que estará em Porto Alegre. O barco Nacra também tem casco duplo, porém, mede 17 pés, contra 40 (12 metros) do Extreme.

Parte da equipe brasileira e o barco serão apresentados à imprensa no dia 7 – A imprensa catarinense poderá conhecer o barco brasileiro, em primeira mão, em coletiva programada para o dia 7 de novembro (quinta-feira), a partir das 10 horas da manhã, no Iate Clube Veleiros da Ilha.

Parte do Team Brazil estará presente ao evento, além dos organizadores locais, da Mais Brasil, que mostrarão todos os detalhes da arena que está sendo montada no Trapiche da avenida Beira Mar, local das regatas.

Da ZDL

um comentário Comente
  1. Bah, vamos ter que ver isso !!!

    04/11/2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: