Pular para o conteúdo

The Wave, Muscat é campeão da Extreme Sailing Series pelo segundo ano consecutivo.

A flotilha em frente ao trapiche

O estádio de vela de Florianópolis cheio no domingo. As largadas em frente ao trapiche norte, na Av. Beira-Mar, animaram a galera.

Comandante Leigh McMillan se torna o primeiro bicampeão do circuito mundial de vela extrema com o barco de Omã e manteve duelo com o suíço Alinghi, vencedor da etapa brasileira, até a última regata em uma final eletrizante

Florianópolis (SC) – O Ato 8 Florianópolis do Extreme Sailing Series™, apresentado por Land Rover, última etapa da temporada de 2013, consagrou a tripulação do The Wave Muscat como a melhor do mundo nos catamarãs da classe Extreme 40. O britânico Leigh McMillan é o primeiro comandante bicampeão em sete edições e a sua equipe chegou ao tricampeonato (venceu em 2010, 2012 e 2013).

A situação, que se desenhava amplamente favorável ao líder da temporada The Wave Muscat, tornou-se dramática para os omanis. O suíço Alinghi precisava fechar a etapa duas posições à frente dos líderes para ultrapassá-los na classificação geral. Não foi possível, mas faltou pouco. O The Wave Muscat garantiu o título com o segundo lugar em Florianópolis, devido ao critério de desempate, maior número de vitórias no ano (5 x 2 em sete etapas). Os dois times encerraram o campeonato com 74 pontos.

“Ser campeão é muito bom. Bicampeão é melhor ainda. A sensação é incrível. A responsabilidade de representar Omã foi grande durante o ano, mas agora se transforma em prazer. Mostramos que estávamos preparados para suportar a pressão. O Alinghi fez um belo campeonato e dominou as regatas aqui em Florianópolis. Uma disputa em alto nível em que todos ganharam”, comentou o britânico bicampeão, Leigh McMillan.

O ensolarado domingo catarinense levou ainda mais calor à disputa, fazendo que com um grande público mais uma vez lotasse o Trapiche, a arquibancada do Race Village à Av. Beira Mar e parte da orla central da cidade. Nos quatro dias, a competição teve um público estimado em 50 mil pessoas. Nas sete etapas, a competição somou 325 mil pessoas.

Logo na primeira regata disputada na arena náutica, os ventos sopravam a favor do líder The Wave, Muscat. O principal rival na briga pelo título, o suíço Alinghi, queimou a largada e teve de retornar à linha de partida, atrasando-se. Mas o Alinghi se recuperou a chegou a colocar pressão em cima do barco omani ao vencer quatro das sete regatas finais, sagrando-se o campeão de Florianópolis, com o barco de Omã em segundo e o austríaco Red Bull Sailing Team em terceiro lugar. Apesar do susto, The Wave, Muscat consolidou a regularidade na temporada. Vencer apenas uma regata no último dia foi suficiente para levá-lo ao título. O também suíço Realteam ganhou duas provas, enquanto o neozelandês GAC Pindar obteve uma vitória no domingo.

“É um prazer imenso ganhar no Brasil. Os rapazes batalharam bastante e estou bem orgulhoso da equipe. Florianópolis é um lugar maravilhoso e se tivermos de voltar em 2014, ficarei muito feliz. Apesar de não termos conseguido conquistar o título geral, ser campeão na última etapa do ano é mais gostoso, ainda mais quando você está em um lugar onde pode comemorar com caipirinha”, vibrou o americano Morgan Larson, comandante do Alinghi.

208917_364029_teambrazilfechada

O timoneiro Clínio Freitas (encoberto pela vela), Bruno di Bernardi, André Chang, André Mirsky e Daniel Santiago (da proa para a popa) tiveram a dura missão de representar o Brasil nos bólidos de 40 pés.

Time convidado – O Team Brasil Mapfre voltou a velejar nas regatas finais após afastar-se da raia no sábado para os reparos sofridos na véspera, quando as rajadas ultrapassaram os 30 nós. A tripulação brasileira viveu uma semana de aprendizado, tentando se adaptar ao Extreme 40 em cima da hora, enquanto os adversários tornaram-se especialistas em velejar os velozes catamarãs, após sete edições do torneio mundial.

“Foi um imenso prazer competir com toda essa torcida a favor. Florianópolis é uma cidade linda e um ótimo lugar para velejar. Infelizmente não conseguimos achar o vento, mas o que vale mesmo é proporcionar esse espetáculo ao público. Garanto que se tivéssemos um ano para treinar e competir, os adversários não seriam tão superiores em relação ao nosso time”, comentou o comandante brasileiro Clínio de Freitas.

Monotipos e Windsurf – A Copa Mais Brasil de Monotipos, competição paralela ao Extreme Sailing Series™, também acabou neste domingo com vitória de Alex Veeren, da classe Laser. O velejador do Iate Clube de Santa Catarina (ICSC) superou outros 26 barcos das classes Snipe, Dingue e Opitimist em duas regatas em que todos competiram juntos com sistema de tempo corrigido. “Essa vitória é muito importante para mim. Fizemos duas boas regatas na baía Norte e fico bem feliz por ter conquistado esse título com tanto público perto da raia”.

As duplas segunda e terceira colocadas, ambas também do ICSC, velejaram na classe Snipe: Paola Berenhauser/Carlos Berenhauser e Michel Durieux/Dionísio Durieux. Entre os Optimist, Rafael Servaes, do mesmo clube, foi o mais bem colocado. A prancha a vela teve seu espaço nas preliminares do Extreme 40. Adrien Caradec, da escola Openwinds, da Lagoa da Conceição, venceu o NeilPryde Windsurf. “Espero ter outras oportunidades como esta e poder velejar com o público aplaudindo ao redor. É motivador”, exclamou o experiente velejador de 51 anos, sete vezes campeão brasileiro, fascinado também pela oportunidade de ter velejado no Extreme 40 ChinaSpirit. “Foi fantástico”.

Classificação final do Ato 8 Florianópolis, apresentado por Land Rover – após 26 regatas

1 – Alinghi (SUI) – 219 pontos
2 – The Wave, Muscat (OMA) – 215 pontos
3 – Red Bull Sailing Team (AUT) – 208 pontos
4 – ChinaSpirit (CHN)- 184 pontos
5 – Realteam (SUI) – 164 pontos
6 – GAC Pindar (NZL)- 159 pontos
7 – SAP Extreme Sailing Team (DEN) – 122 pontos
8 – Team Brasil Mapfre (BRA) – 61 pontos

Classificação final de Extreme Sailing Series™ 2013

1 – The Wave Muscat (OMA) – 74 pontos
2 – Alinghi (SUI) – 74 pontos
3 – Red Bull Sailing Team (AUT) – 61 pontos
4 – SAP Extreme Sailing Team (DEN) – 51 pontos
5 – Realteam (SUI) – 49 pontos
6 – GAC Pindar (NZL) – 42 pontos
7 – Equipe convidade – 34 pontos
8 – Team Korea (KOR) – 16 pontos

O Ato 8 Florianópolis do Extreme Sailing Series™, apresentado por Land Rover, foi o último evento da temporada 2013 de um circuito mundial da OC Sport. A organização da etapa brasileira esteve sob a responsabilidade da Mais Brasil Esportes, com apoio do Governo do Estado de Santa Catarina, da Prefeitura Municipal de Florianópolis e da Fesporte.

Da ZDL Assessoria

2 Comentários Comente
  1. é a velha história ,do esporte no Brasil !
    Se não for futebol , não tem apoio incentivo patrocínio e ainda se é criticado, pelos desinformados ;por não conseguir uma boa colocação quero ver quando chegar ás olimpíadas, vai ser um “fiásco ” , “pobre bancando festa de rico”.
    é triste…

    18/11/2013
  2. parabéns a equipe Brasileira , q/ finalizou o torneio, mesmo sabendo da falta de experiencia, na modalidade; o caráter do competidor é reconhecido, no momento em ele ,valoriza a vitória do adversário…

    18/11/2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: