Pular para o conteúdo

Arquivo de

Etapa de Floripa do Extreme Sailing Series é considerada um sucesso e abre portas para barco brasileiro

Capital catarinense é considerada uma das melhores sedes do circuito mundial na temporada o que poderá possibilitar o retorno dos barcos voadores em 2014 e a primeira participação de uma equipe brasileira permanente

Barco quase capotou nas regatas de sábado

Barco quase capotou nas regatas de sábado

Florianópolis (SC) – As dificuldades de se organizar a etapa brasileira em cima da hora foram enfrentadas e superadas pela promotora nacional do Extreme Sailing Series™, Mais Brasil Esportes , que só consolidou o compromisso com a organizadora mundial, OC Sport, no mês de julho, durante a etapa do Porto (POR). As oportunidades observadas ao visitar a primeira experiência brasileira com os Extreme 40, no Rio de Janeiro, em 2012, levaram Carlos Col a aceitar o desafio.

“Percebi que o formato do evento proporcionava uma excelente chance de fomento ao esporte e ao mesmo tempo uma possibilidade diferenciada de entretenimento diante do conceito de arena náutica. Fiquei impressionado com a competição de regatas curtas, próximas à costa e com um narrador explicando tudo ao público. Desde o final de 2012 passei a analisar essas duas situações com bons olhos”, revelou Col sobre o início do projeto, logo após o encerramento da competição, neste domingo (17), em Florianópolis, etapa vencida pela equipe suíça Alinghi. O The Wave, Muscat, de Omã, ficou em segundo lugar, resultado que lhe garantiu o tricampeonato do Extreme Sailing Series™ (2010, 2012 e 2013). Seu comandante, o britânico Leigh McMillan, sagrou-se o primeiro bicampeão da competição.

O desejo de desenvolver outros mercados levou Carlos Col a buscar uma nova sede e Florianópolis, onde o governo e a prefeitura se comprometeram em acolher o evento, foi a escolhida. “Demos um presente para a cidade, que foi desembrulhado com muito carinho. O retorno é altamente positivo, por vários aspectos que eu mesmo pude constatar nos últimos dias no próprio Race Village”. Na abertura do evento, na quinta-feira, o prefeito César Souza Jr. foi enfático. “Se depender da minha vontade, a etapa brasileira não sairá mais daqui”.

Entre os pontos que confirmam o sucesso da passagem dos barcos voadores por Florianópolis, Col destaca a movimentação na arena no ‘Dia da Mídia’, considerado pela organização como a melhor abertura de uma etapa em toda a temporada. “Recebi considerações positivas dos velejadores, das equipes de terra, da OC Sport e do público. Infiltrei-me entre os torcedores e percebi que a autoestima náutica do morador de Florianópolis ficou mais elevada”. O Race Village recebeu em quatro dias, cerca de 50 mil espectadores, atraídos pela primeira chance de acompanhar uma regata a poucos metros da principal avenida da capital. O público total das sete etapas foi de 325 mil pessoas.

Com o ingresso no Extreme Sailing Series™, a Mais Brasil Esportes inaugura uma nova fase na carreira de Carlos Col, responsável por transformar a Stock Car na principal categoria do automobilismo nacional. “Saímos dos motores para um esporte autossustentável, voltado para o mar. Ainda temos a responsabilidade de contribuir para elevar o nível técnico da vela brasileira, quem sabe já com resultados a partir dos Jogos de 2016”.

Calendário 2014 está sendo montado – A inclusão do Brasil no calendário oficial de 2014 está sendo analisada pela OC Sport e pela Mais Brasil Esportes. A intenção é de, não apenas manter o País no roteiro dos Extreme 40, mas garantir o evento nos próximos anos. “O Brasil está inserido no conceito do evento e se confirmarmos a etapa brasileira em 2014, creio que por uma questão de coerência e justiça será organizada novamente em Florianópolis”, projetou Col. A logística de deslocamento entre duas cidades exige um intervalo de pelo menos 40 dias, de uma etapa para outra, tornando a tarefa de montar o calendário um grande desafio.

“Existe também a intenção de se formar uma equipe brasileira para correr a temporada completa. É a melhor forma de adquirirmos no Brasil o apelo e a credibilidade que o evento merece. A torcida vai se acostumar com a tripulação e vai querer estar ao lado de seus ídolos na etapa nacional. O desafio é viabilizarmos um milhão de euros (3,1 milhões de reais), valor estimado para a campanha anual”, idealizou Col, certo de que o projeto está no rumo adequado. “Estou gratificado pelo retorno e seguro da contribuição ao esporte brasileiro neste novo segmento”.

O diretor Comercial do Extreme Sailing Series, François Vergnol, também aprovou a passagem dos barcos voadores pelo Brasil e surpreendeu-se com a receptividade em Florianópolis. “A etapa se desenvolveu conforme planejado. Saiu tudo certo. O conceito de arena é impactante. É um orgulho constatar que a America’s Cup adotou modelo parecido nas regatas deste ano em São Francisco (EUA) e saber que o formato está sendo estudado para as competições da vela nos Jogos Olímpicos”, manifestou-se Vergnol.

Esforço brasileiro – O Team Brazil Mapfre retornou à raia para as regatas finais, após reparos que o impediram de competir no sábado. Durante toda a semana, os velejadores brasileiros esforçaram-se ao máximo para conseguir ’pegar a mão’ do veloz e indócil Extreme 40. O contato direto com os fãs no Race Village ajudou a promover a vela, mas conforme se previa, não seria possível estabelecer uma comparação de desempenho, diante da experiência das outras sete equipes.

“Foi bom ter feito um evento na cara do público, competirmos para quem estava na orla, oportunidade rara na vela devido ao exclusivo conceito de arena. Cumprimos a missão de divulgar o esporte da vela, mas para mantermos a expectativa de resultados, precisaríamos de um barco brasileiro fazendo campanha regular no Extreme Sailing Series™ ao longo da temporada”, sugeriu Lars Grael, coordenador técnico do Team Brazil pelo segundo ano consecutivo.

Após a o árduo trabalho de dar suporte ao Extreme 40 ‘brasileiro’, acompanhando o barco reservado à tripulação convidada do país-sede, Lars volta a dividir seu foco entre a vela oceânica e a classe Star, velejando com seu irmão Torben Grael e preparando-se para importante competição de Star ao lado do proeiro Samuel Gonçalves, na primeira semana de janeiro em Miami. O projeto inédito para 2014 é a Buenos Aires-Rio. “A regata que sempre tive vontade de correr, larga no dia 19 de fevereiro, semana do meu aniversário de 50 anos. Eu e o Torben estamos procurando o barco ideal. Quero que a velejada de um país ao outro faça parte da comemoração do início do meu segundo cinquentenário”.

Percepção local – Na visão do tripulante catarinense do Team Brazil Mapfre, André Chang, a inédita passagem do Extreme Sailing Series™ por Florianópolis é positiva e pode deixar um legado náutico para a cidade se a oportunidade for aproveitada de forma adequada.

“O evento traz uma visibilidade temporária para a vela na cidade e expõe Santa Catarina no cenário mundial. Mas nada disso terá validade se não houver uma disposição política para criarmos a cultura náutica que ainda não possuímos. Quem sabe apareça motivação para se construir uma rampa ou um píer em uma marina pública que possa facilitar a prática da vela. É a única forma de popularizarmos a vela”, desejou o atual vice-campeão brasileiro da classe oceânica C30.

Classificação final do Ato 8 Florianópolis, apresentado por Land Rover – após 4 dias e 26 regatas
1. Alinghi ( SUI) – Morgan Larson, Stuart Pollard, Pierre -Yves Jorand , Nils Frei, Yves DeTrey – 219 pontos.
2. The Wave , Muscat (OMA ) – Leigh McMillan, Ed Smyth , Pete Greenhalgh , Musab Al Hadi , Hashim Al Rashdi – 215 pontos.
3. Red Bull Sailing Team (AUT ) – Roman Hagara , Hans -Peter Steinacher , Matthew Adams, Simon Cooke, Kinley Fowler – 208 pontos.
4. ChinaSpirit (CHN ) – Phil Robertson, Garth Ellingham , Brad Hooker, Louis Viat , Nick Catley – 184 pontos.
5. Realteam ( SUI) – Arnaud Psarofaghis , Bruno Barbarin , Thierry Wassem , Nils Palmieri, Jérôme Clerc – 164 pontos.
6. GAC Pindar (NZL ) – Will Tiller, Matt Steven , Stewart Dodson, Tom Bentham, Shaun Mason – 159 pontos.
7. SAP extrema Sailing Team (DEN) – Jes Gram- Hansen , Rasmus Kostner , Pete Cumming, Mikkel Rossberg , Nicolai Sehested – 122 pontos.
8. Team Brasil Mapfre (BRA) – Clínio de Freitas, André Mirsky , Daniel Santiago , André Chang , Bruno di Bernardi – 61 pontos .

Classificação final de Extreme Sailing Series™ 2013
1 – The Wave Muscat (OMA) – 74 pontos
2 – Alinghi (SUI) – 74 pontos
3 – Red Bull Sailing Team (AUT) – 61 pontos
4 – SAP Extreme Sailing Team (DEN) – 51 pontos
5 – Realteam (SUI) – 49 pontos
6 – GAC Pindar (NZL) – 42 pontos
7 – Equipe convidade – 34 pontos
8 – Team Korea (KOR) – 16 pontos

Da ZDL

Gaúchos vencem o Brasileiro de J/24

Campeonato teve seis regatas em dois dias de bastante vento em Porto Alegre

Com um desempenho de pura sintonia a equipe gaúcha do Crioula, comandada por Samuel Albrecht, foi a vencedora do Campeonato Brasileiro da classe J/24, encerrado neste domingo, no Veleiros do Sul, em Porto Alegre. Na segunda colocação ficaram os uruguaios do barco Pantera, de Diego Garcia, de Punta Del Este, e em terceiro o Bruschetta, comandada por Maurício Santa Cruz (RJ) e formada por cariocas e gaúchos. O barco Crioula terminou a série de seis regatas com cinco vitórias, mas o título foi decidido somente em terra porque passou a depender do resultado de um protesto entre as duas tripulações, sobre direito de passagem num contravento na quinta regata. Após o julgamento, o júri desclassificou a equipe carioca, que caiu para a terceira posição na geral, e a vitória foi confirmada para o time gaúcho.

“Foi um campeonato sensacional, as coisas foram acontecendo favoráveis a nós. Contei com uma tripulação de velejadores experientes nas suas funções e por isso sem treinarmos juntos tudo saiu certo na raia”, comentou sorridente o comandante Samuca, do Veleiros do Sul, ao ver o resultado do julgamento. “Nós procuramos velejar sem pressão, sem ficar fazendo contas e arriscar pouco. Foi divertido. Agradeço ao Renato Plass, responsável pelo projeto Crioula Sailing Team, que nos proporciona desenvolver uma vela de alto nível”, finalizou Samuca, que contou com a tripulação composta por Frederico Sidou, Paulo Ribeiro, Alexandre Rimoli e Georgia Silva. Eles também conquistaram a vaga para representar o Brasil na competição de vela nos Jogos Sul-americanos, em março de 2014 no Chile.

O time uruguaio, que demonstrou velejar muito bem nos ventos fortes, saiu satisfeito pelo resultado obtido em Porto Alegre. “O campeonato foi muito bom, com regatas disputadas, e sempre é bom vir competir neste Clube. Achei importante estarmos aqui para mantermos uma conexão entre a classe dos dois países”, disse o comandante Diego Garcia.

A terceira colocação não tirou o ânimo do tetra campeão mundial de J/24, Maurício Santa Cruz, que sugeriu a classe fazer outras competições no Sul. “Foram dois dias bons de vento e o campeonato estava ótimo. Acho que seria legal fazer outros tipos de eventos no clube, como há nos EUA, ‘o campeão dos campeões’ e também convidar gente dos países vizinhos. O nível da classe já foi forte, depois caiu e agora evoluiu novamente, graças às flotilhas, como a daqui”, destacou Santa Cruz.

As três últimas regatas do campeonato foram realizadas neste domingo com vento sul de intensidade forte que chegou aos 24 nós nas rajadas no rio Guaíba. Os barcos Good News, com o mastro quebrado, e o Tango, com um dos tripulantes ferido sem gravidade devido a uma batida da retranca, tiveram que abandonar as regatas. O Campeonato Brasileiro da classe J/24 teve a participação de 15 barcos, das flotilhas do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Uruguai.

No final do dia foi feita a entrega de prêmios comandada pelo vice-comodoro esportivo Guilherme Roth e pelo comodoro Cícero Hartmann, que saudou a todos os competidores e lembrou a boa fase do Clube com mais um título conquistado nesta temporada. Além dos cinco primeiros classificados, a equipe do barco Eiger do Projeto Grael, de Niterói, também foi agraciada com um troféu por sua participação no Brasileiro.

Da assessoria

Ventos de 130 nós atingem flotilha da Clipper Race

Velejando pelos mares do sul, a flotilha da Clipper Race tem sido desafiada a cada dia. Os 12 barcos reportaram terem enfrentado ventos de 130 nós na passagem de um furacão, mas que nas últimas 48 horas ele diminuiu bastante. Os líderes já estão a 1400 milhas de Albany, na Austrália, destino final desta terceira perna. 

Uruguaios lideram o sul-americano de 49er em Floripa

Depois de dois dias de competições e oito regatas disputadas, a dupla Santiago Silveira e Phillip Umpierre lideram o Sul-Americano de 49er que está sendo disputado em Floripa. Em segundo estão Marco Grael e Gabriel Borges. André Fonseca e Mario Tinoco vêm em terceiro. Nesta terça-feira o vento variou entre 10 e 15 nós.

Entre as meninas, Martine Grael e Kahena Kunze lideram, com Juliana Mota e Lizzi Rountree em segundo e Juju Senfft e Gabi Nicolino em terceiro.

Brasil domina o Mundial de Wind em Araruama

pódio masculino

pódio masculino

Entre os dias 14 e 17 foi disputado em Araruama o Mundial de Windsurf. O evento reuniu velejadores de 11 nacionalidades e teve como destaque os brasileiros. Depois de dez regatas, Paulão dos Reis, de Ilhabela, ficou com o segundo lugar entre os homens, assim como Patrícia Freitas, do Rio de Janeiro, entre as meninas. Bruna Mello, ficou com o terceiro lugar também entre as mulheres.

Confira os resultados abaixo:

  1. Jazmen Lopez, ARG 227
  2. Patrícia Freitas, BRA 224
  3. Bruna Mello, BRA 49 
  1. Gonzalo Hoevel, ARG3
  2. Paulo dos Reis, BRA 3333
  3. Pablo ANia, ESP 16

Paulista de Match Race será disputado dias 7 e 8 de dezembro

Nos dias 7 e 8 de dezembro será disputado no YCSA o Paulista de Match Race. Serão convidadas oito equipes e os barcos usados serão Fast 230 para três pessoas. As inscrições custam R$ 100,00. Os pedidos de convite devem ser feitos até o dia 2 de dezembro.

Vídeo: Chegada dos MOD 70 em Itajaí

%d blogueiros gostam disto: