Pular para o conteúdo

Etapa de Floripa do Extreme Sailing Series é considerada um sucesso e abre portas para barco brasileiro

Capital catarinense é considerada uma das melhores sedes do circuito mundial na temporada o que poderá possibilitar o retorno dos barcos voadores em 2014 e a primeira participação de uma equipe brasileira permanente

Barco quase capotou nas regatas de sábado

Barco quase capotou nas regatas de sábado

Florianópolis (SC) – As dificuldades de se organizar a etapa brasileira em cima da hora foram enfrentadas e superadas pela promotora nacional do Extreme Sailing Series™, Mais Brasil Esportes , que só consolidou o compromisso com a organizadora mundial, OC Sport, no mês de julho, durante a etapa do Porto (POR). As oportunidades observadas ao visitar a primeira experiência brasileira com os Extreme 40, no Rio de Janeiro, em 2012, levaram Carlos Col a aceitar o desafio.

“Percebi que o formato do evento proporcionava uma excelente chance de fomento ao esporte e ao mesmo tempo uma possibilidade diferenciada de entretenimento diante do conceito de arena náutica. Fiquei impressionado com a competição de regatas curtas, próximas à costa e com um narrador explicando tudo ao público. Desde o final de 2012 passei a analisar essas duas situações com bons olhos”, revelou Col sobre o início do projeto, logo após o encerramento da competição, neste domingo (17), em Florianópolis, etapa vencida pela equipe suíça Alinghi. O The Wave, Muscat, de Omã, ficou em segundo lugar, resultado que lhe garantiu o tricampeonato do Extreme Sailing Series™ (2010, 2012 e 2013). Seu comandante, o britânico Leigh McMillan, sagrou-se o primeiro bicampeão da competição.

O desejo de desenvolver outros mercados levou Carlos Col a buscar uma nova sede e Florianópolis, onde o governo e a prefeitura se comprometeram em acolher o evento, foi a escolhida. “Demos um presente para a cidade, que foi desembrulhado com muito carinho. O retorno é altamente positivo, por vários aspectos que eu mesmo pude constatar nos últimos dias no próprio Race Village”. Na abertura do evento, na quinta-feira, o prefeito César Souza Jr. foi enfático. “Se depender da minha vontade, a etapa brasileira não sairá mais daqui”.

Entre os pontos que confirmam o sucesso da passagem dos barcos voadores por Florianópolis, Col destaca a movimentação na arena no ‘Dia da Mídia’, considerado pela organização como a melhor abertura de uma etapa em toda a temporada. “Recebi considerações positivas dos velejadores, das equipes de terra, da OC Sport e do público. Infiltrei-me entre os torcedores e percebi que a autoestima náutica do morador de Florianópolis ficou mais elevada”. O Race Village recebeu em quatro dias, cerca de 50 mil espectadores, atraídos pela primeira chance de acompanhar uma regata a poucos metros da principal avenida da capital. O público total das sete etapas foi de 325 mil pessoas.

Com o ingresso no Extreme Sailing Series™, a Mais Brasil Esportes inaugura uma nova fase na carreira de Carlos Col, responsável por transformar a Stock Car na principal categoria do automobilismo nacional. “Saímos dos motores para um esporte autossustentável, voltado para o mar. Ainda temos a responsabilidade de contribuir para elevar o nível técnico da vela brasileira, quem sabe já com resultados a partir dos Jogos de 2016”.

Calendário 2014 está sendo montado – A inclusão do Brasil no calendário oficial de 2014 está sendo analisada pela OC Sport e pela Mais Brasil Esportes. A intenção é de, não apenas manter o País no roteiro dos Extreme 40, mas garantir o evento nos próximos anos. “O Brasil está inserido no conceito do evento e se confirmarmos a etapa brasileira em 2014, creio que por uma questão de coerência e justiça será organizada novamente em Florianópolis”, projetou Col. A logística de deslocamento entre duas cidades exige um intervalo de pelo menos 40 dias, de uma etapa para outra, tornando a tarefa de montar o calendário um grande desafio.

“Existe também a intenção de se formar uma equipe brasileira para correr a temporada completa. É a melhor forma de adquirirmos no Brasil o apelo e a credibilidade que o evento merece. A torcida vai se acostumar com a tripulação e vai querer estar ao lado de seus ídolos na etapa nacional. O desafio é viabilizarmos um milhão de euros (3,1 milhões de reais), valor estimado para a campanha anual”, idealizou Col, certo de que o projeto está no rumo adequado. “Estou gratificado pelo retorno e seguro da contribuição ao esporte brasileiro neste novo segmento”.

O diretor Comercial do Extreme Sailing Series, François Vergnol, também aprovou a passagem dos barcos voadores pelo Brasil e surpreendeu-se com a receptividade em Florianópolis. “A etapa se desenvolveu conforme planejado. Saiu tudo certo. O conceito de arena é impactante. É um orgulho constatar que a America’s Cup adotou modelo parecido nas regatas deste ano em São Francisco (EUA) e saber que o formato está sendo estudado para as competições da vela nos Jogos Olímpicos”, manifestou-se Vergnol.

Esforço brasileiro – O Team Brazil Mapfre retornou à raia para as regatas finais, após reparos que o impediram de competir no sábado. Durante toda a semana, os velejadores brasileiros esforçaram-se ao máximo para conseguir ’pegar a mão’ do veloz e indócil Extreme 40. O contato direto com os fãs no Race Village ajudou a promover a vela, mas conforme se previa, não seria possível estabelecer uma comparação de desempenho, diante da experiência das outras sete equipes.

“Foi bom ter feito um evento na cara do público, competirmos para quem estava na orla, oportunidade rara na vela devido ao exclusivo conceito de arena. Cumprimos a missão de divulgar o esporte da vela, mas para mantermos a expectativa de resultados, precisaríamos de um barco brasileiro fazendo campanha regular no Extreme Sailing Series™ ao longo da temporada”, sugeriu Lars Grael, coordenador técnico do Team Brazil pelo segundo ano consecutivo.

Após a o árduo trabalho de dar suporte ao Extreme 40 ‘brasileiro’, acompanhando o barco reservado à tripulação convidada do país-sede, Lars volta a dividir seu foco entre a vela oceânica e a classe Star, velejando com seu irmão Torben Grael e preparando-se para importante competição de Star ao lado do proeiro Samuel Gonçalves, na primeira semana de janeiro em Miami. O projeto inédito para 2014 é a Buenos Aires-Rio. “A regata que sempre tive vontade de correr, larga no dia 19 de fevereiro, semana do meu aniversário de 50 anos. Eu e o Torben estamos procurando o barco ideal. Quero que a velejada de um país ao outro faça parte da comemoração do início do meu segundo cinquentenário”.

Percepção local – Na visão do tripulante catarinense do Team Brazil Mapfre, André Chang, a inédita passagem do Extreme Sailing Series™ por Florianópolis é positiva e pode deixar um legado náutico para a cidade se a oportunidade for aproveitada de forma adequada.

“O evento traz uma visibilidade temporária para a vela na cidade e expõe Santa Catarina no cenário mundial. Mas nada disso terá validade se não houver uma disposição política para criarmos a cultura náutica que ainda não possuímos. Quem sabe apareça motivação para se construir uma rampa ou um píer em uma marina pública que possa facilitar a prática da vela. É a única forma de popularizarmos a vela”, desejou o atual vice-campeão brasileiro da classe oceânica C30.

Classificação final do Ato 8 Florianópolis, apresentado por Land Rover – após 4 dias e 26 regatas
1. Alinghi ( SUI) – Morgan Larson, Stuart Pollard, Pierre -Yves Jorand , Nils Frei, Yves DeTrey – 219 pontos.
2. The Wave , Muscat (OMA ) – Leigh McMillan, Ed Smyth , Pete Greenhalgh , Musab Al Hadi , Hashim Al Rashdi – 215 pontos.
3. Red Bull Sailing Team (AUT ) – Roman Hagara , Hans -Peter Steinacher , Matthew Adams, Simon Cooke, Kinley Fowler – 208 pontos.
4. ChinaSpirit (CHN ) – Phil Robertson, Garth Ellingham , Brad Hooker, Louis Viat , Nick Catley – 184 pontos.
5. Realteam ( SUI) – Arnaud Psarofaghis , Bruno Barbarin , Thierry Wassem , Nils Palmieri, Jérôme Clerc – 164 pontos.
6. GAC Pindar (NZL ) – Will Tiller, Matt Steven , Stewart Dodson, Tom Bentham, Shaun Mason – 159 pontos.
7. SAP extrema Sailing Team (DEN) – Jes Gram- Hansen , Rasmus Kostner , Pete Cumming, Mikkel Rossberg , Nicolai Sehested – 122 pontos.
8. Team Brasil Mapfre (BRA) – Clínio de Freitas, André Mirsky , Daniel Santiago , André Chang , Bruno di Bernardi – 61 pontos .

Classificação final de Extreme Sailing Series™ 2013
1 – The Wave Muscat (OMA) – 74 pontos
2 – Alinghi (SUI) – 74 pontos
3 – Red Bull Sailing Team (AUT) – 61 pontos
4 – SAP Extreme Sailing Team (DEN) – 51 pontos
5 – Realteam (SUI) – 49 pontos
6 – GAC Pindar (NZL) – 42 pontos
7 – Equipe convidade – 34 pontos
8 – Team Korea (KOR) – 16 pontos

Da ZDL

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: