Pular para o conteúdo

Após mais um título mundial, Scheidt disputa Star Sailors League em Nassau

Bicampeão olímpico vai duelar com o lendário americano Paul Cayard e os melhores do mundo na classe, entre os dias 3 e 8 de dezembro, nas Bahamas

Scheidt comemora mais um título mundial na Laser

Scheidt comemora mais um título mundial na Laser

São Paulo – A primeira edição da Star Sailors League (SSL) reunirá os melhores velejadores do mundo na classe Star em Nassau, Bahamas, pela primeira vez desde os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012. Entre os dias 3 e 8 de dezembro, Robert Scheidt e Bruno Prada vão representar o Brasil em uma flotilha de 18 barcos com várias das duplas mais bem colocadas no ranking mundial da classe.

A última competição disputada pelo bicampeão olímpico na Star, ao lado de Bruno Prada, foi a Rolex Ilhabela Sailing Week, em julho, no litoral norte de São Paulo. A dupla comemorou o reencontro, após a medalha de bronze nos Jogos de Londres, em 2012, com o título da competição organizada pelo Yacht Club de Ilhabela.

“Vamos para a competição sem um grande preparo. Teremos três dias para treinar, mas não haverá pressão por resultados”, explica Scheidt. “Além disso, não dá para prever muito em termos de performance, porque é um evento profissional que está começando agora. Estamos indo para apoiar a competição, que será muito interessante, com a presença dos melhores do mundo, velejadores com quem disputamos em Londres.”

Scheidt e Prada se mantiveram na liderança do ranking mundial da Star por 21 meses, entre julho de 2010 e abril de 2012 (apenas durante o mês de dezembro de 2011, por não competirem, deixaram o posto). O domínio da classe tornou-se ainda mais evidente em abril de 2012, quando os dois somaram apenas primeiros lugares entre os sete resultados mais importantes para a classificação no ranking – um feito inédito na história da vela no mundo. Em maio daquele ano, em Hyères, os dois venceram o Mundial da Star e entraram para a história da vela brasileira como os primeiros tricampeões mundiais da classe. Além deles, só uma dupla, os italianos Agostino Straulino e Nicolo Rode, ganhou, velejando junta, três títulos mundiais (1952, 1953 e 1956).

Os brasileiros terão adversários à altura, entre as duplas de 11 países que disputarão a Star Sailors League (SSL), como o lendário americano Paul Cayard, sete vezes campeão mundial e vencedor da Louis Vuitton Cup. Além deles, estarão presentes o francês Xavier Rohart, o sueco Freddy Loof, o suíço Flávio Marazzi, o norueguês Eivind Melleby e o também americano Mark Mendelblat.

A novidade da Star Sailors League é o regulamento. Nos três primeiros dias, serão disputadas nove regatas. No quarto e decisivo, as dez melhores duplas disputam as três últimas provas: quartas de final, semifinal e final, eliminando-se três barcos por largada até a definição dos quatro finalistas. O campeão receberá quatro mil pontos no ranking da SSL.

A premiação total é de 200 mil dólares, incluindo o ‘Skipper do Ano’ (melhor comandante da temporada). A dupla eleita como a mais eficiente de 2013, levará o “Simpson Memorial Trophy”, troféu em homenagem ao britânico Andrew ‘Bart’ Simpson, campeão olímpico de Star em Pequim, vítima fatal de um acidente com o barco sueco Artemis, durante treino para a America’s Cup deste ano na Baía de São Francisco (EUA).

Movimento dos velejadores de Star

A Star Sailors League Final no Yacht Club Nassau será considerada como o lançamento oficial das atividades da nova liga. O objetivo da competição é fazer com que o talento dos velejadores prevaleça sobre o desempenho das embarcações. A SSL foi fundada em janeiro deste ano, concretizando um antigo desejo de velejadores olímpicos e amadores dispostos a elaborar um circuito internacional que promovesse os atletas da classe e valorizasse suas habilidades.

Batizada de Star Sailors League, a organização define um novo ranking mundial, com base no modelo da ATP, criada pelos tênistas profissionais em 1972. A SSL já conta com 2.400 velejadores ranqueados. A intenção dos atletas é de que a Star Sailors League Final seja disputada anualmente, a exemplo do que acontece com o Master de tênis, que reúne os melhores do ano ao final de cada temporada.

Da Local

um comentário Comente
  1. Air Pires #

    O descanso do velejador é no mar. Assim desejo bons ventos aos velejadores brasileiros e que esta liga se fortaleça de modo a tornar a classe star novamente olímpica.

    26/11/2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: