Pular para o conteúdo

Rumo ao Rio 2016, velejadores em campanha olímpica disputam o Match Race Brasil

Equipe de Gigante Haddad busca o tri

Equipe de Gigante Haddad busca o tri

Rio de Janeiro (RJ) – Nomes consagrados da vela brasileira contribuíram para consolidar no País o conceito da disputa barco contra barco, com suas participações no Match Race Brasil ao longo dos últimos 11 anos. O formato de competição, até então, conhecido apenas pela America’s Cup, ganhou projeção nacional com os duelos entre campeões olímpicos como Torben Grael, Marcelo Ferreira, Robert Scheidt, Alex Welter, Eduardo Penido e Marcos Soares, além de outros medalhistas e campeões mundiais.

Paralelamente ao desfile de ídolos, o Match Race Brasil 2013 começa nesta sexta-feira (29), com sede no Iate Clube do Rio de Janeiro, levando para a Baía de Guanabara o talento de uma geração promissora para a própria evolução do match race e também para a vela olímpica, de olho no Rio-2016. Um duelo já está estabelecido. O gaúcho Philipp Grochtmann, de apenas 19 anos, comandante do Veleiros do Sul, aparece como um dos principais adversários do também jovem Henrique Haddad, o Gigante, que vai lutar pelo tricampeonato defendendo o Iate Clube do Rio de Janeiro.

Phillip conquistou no último final de semana a medalha de prata no Campeonato Brasileiro de Match Race, em Porto Alegre. É apontado pelo coordenador técnico do Match Race Brasil, Nelson Ilha, como nome certo para representar o País nas competições internacionais da modalidade. Nelson, especialista em match race, ficou com o título no duelo contra Philipp no Rio Guaíba. Gigante, de 26 anos, desenvolve campanha olímpica na classe 470. O atual bicampeão traz uma novidade neste ano. Após os títulos de 2011 e 2012 pela Comissão Desportiva da Marinha (CDM), Gigante e sua tripulação passam a representar o clube anfitrião.

“A pressão de ser a equipe a ser batida não me incomoda. Nosso grupo está entrosado, mas entendo que esta será a edição mais equilibrada e disputada da história do Match Race Brasil. O barco J24 é menor do que o utilizado nos outros anos e nivela as seis equipes participantes. Tanto que, além do time gaúcho, temos duas equipes femininas que deverão velejar bem e meu irmão, Felipe, está com parte do meu time bicampeão na Marinha este ano”, analisa.

Otimismo das mulheres – Na categoria feminina, as projeções para o futuro também são promissoras entre as tripulações do Match Race Brasil Brasil 2013 e o duelo entre as mulheres está garantido. A equipe do Iate Clube Brasileiro, comandada por Juliana Senfft, leva para a raia o título de campeã da Nations Cup da Dinamarca, uma das principais competições match race da vela mundial. O Rio Yacht Club, também de Niterói, terá o comando de Renata Decnop, que faz campanha olímpica na classe 470 ao lado da medalhista dos Jogos de Pequim, Isabel Swan.

“Estamos bem treinadas e está será nossa terceira competição de match race no ano e temos chance de fazer um bom papel porque o barco é menor. Mas, sem dúvida, a equipe do Gigante é franca favorita”, despista Juliana Senfft, que comandou o time brasileiro que ficou com o bronze na Argentina, em março, e conquistou o título na Dinamarca, em agosto.

Renata Decnop, comandante do outro grupo de mulheres, também está otimista. “Se tivermos ventos fracos e médios temos chance de fazer bons resultados, pois o nível de exigência física nos iguala aos homens”, analisa. As duas equipes femininas treinaram na manhã desta quinta-feira na Baía de Guanabara, enquanto os times masculinos fizeram o reconhecimento à tarde.

Juíza norueguesa no comando – Além da participação de Nelson Ilha, velejador e consagrado juiz internacional com cinco olimpíadas, o Match Race Brasil contará novamente com a experiência de Marianne Middelthon, que tem vindo anualmente ao Rio de Janeiro para dirigir a Comissão de Regatas. A norueguesa esteve há duas semanas em Florianópolis, onde foi a responsável pela arbitragem na etapa decisiva do Extreme Sailing Series, circuito mundial de velozes catamarãs.

O Match Race Brasil tem seis clubes inscritos: Veleiros do Sul (VDS), de Porto Alegre, comandado por Philipp Grotchmann; Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), Henrique ‘Gigante’ Haddad; Rio Yacht Club (RYC), de Niterói, Renata Decnop; Iate Clube Brasileiro (ICB), de Niterói, Juliana Senfft; Clube Naval Charitas (CDC), de Niteroi, Rafael Pariz e Comissão Desportiva da Marinha (CDM), Felipe Haddad.

Os times são formados por quatro velejadores, mais um convidado. A premiação total é de 100 mil reais, divididos entre os oito primeiros colocados. A equipe campeã recebe 26 mil reais. Está em disputa o troféu de posse transitória Roger Wright.

Para esta sexta-feira (29) estão previstos os confrontos da fase classificatória, no formato round robin (todos contra todos). As regatas devem ser realizadas entre 10 e 17 horas, na raia montada próxima ao Aterro do Flamengo. Serão regatas curtas, com duração entre 15 a 20 minutos cada. Para o sábado, a partir de 10 horas, a programação prevê as disputas semifinais e o Pro-Am (regatas para convidados). As finais serão realizadas no domingo, também a partir de 10 horas, além do Pro-Am.

Da ZDL

Não há comentários

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: