Pular para o conteúdo

Juju Senfft x Gigante Haddad na final do Match Race Brasil 2013

O time de Juliana Senfft decide o título, neste domingo, diante do favorito Henrique Haddad, bicampeão da competição

Depois de muita disputa na Guanabara o Match Race Brasil vai ter sua primeira final entre homens e mulheres em 11 anos de vento.

Depois de muita disputa na Guanabara o Match Race Brasil vai ter sua primeira final entre homens e mulheres em 11 anos de vento.

Uma decisão inédita entre homens e mulheres. Assim será a final do Match Race Brasil 2013, neste domingo (1/12), a partir das 10 horas, reunindo as equipes do Iate Clube do Rio de Janeiro, comandado por Henrique Haddad, o Gigante, que busca o tricampeonato na competição, e a da Iate Clube Brasileiro, de NIterói, liderada por Juliana Senfft. As disputas, barco contra barco, estão sendo realizadas na raia em frente à praia do Flamengo, no Rio de Janeiro, com veleiros da classe J24.

A vitória da tripulação de Juliana, que ocupa a 12ª colocação no ranking mundial feminino de match race, tirou a chance da sonhada dobradinha da família Haddad na decisão. Na semifinal, em uma melhor de três, o Iate Clube Brasileiro levou a melhor sobre o time do Clube Desportivo da Marinha, de Felipe Haddad, irmão mais novo de Gigante, por 2 a 1. Juliana e cia. já haviam conseguido a primeira vitória do dia sobre o Rio Yacht Club, de Renata Decnop, o que garantiu ao grupo a vaga na semifinal.

“Começamos muito bem o dia e, na semifinal, fomos bastante agressivas durante toda a disputa, já que o vento em torno de 14 nós, favorecia mais a equipe masculina, exigindo muita força física. O Felipe está velejando muito, tem uma equipe entrosada, e não podíamos vacilar em nenhum momento. Largamos na frente nas duas últimas regatas e conseguimos provocar algumas penalidades dos adversários”, comemorou Juliana, que pretende impor a mesma tática agressiva para a final, contra o Gigante. A equipe de Juliana foi campeã, em agosto, da Nations Cup, na Dinamarca, uma das competições mais importantes do mundo na classe.

Felipe, que saiu da água decepcionado com o resultado por não ter conseguido cumprir a meta de fazer a dobradinha da família Haddad, apenas admitiu que estava “um dia bom para velejar, não muito quente”. Sua próxima competição será a seletiva da classe 470, em janeiro, para integrar a equipe olímpica.

Em busca do tri – Já a equipe de Henrique Haddad, bicampeão do Match Race Brasil (2011 e 2012), não teve dificuldade para superar, na semifinal, o time gaúcho do Veleiros do Sul, de Philipp Grotchmann, por 2 a 0. Na segunda regata, o velejador mostrou toda sua técnica e experiência ao pagar uma penalidade no contorno da bóia de contravento.

“Costumo comparar o match race com um jogo de tabuleiro. É um jogo de estratégia… Você se defende e ataca com estratégia pré-definida. Sabíamos que podíamos pagar a penalidade ao contornar a bóia de contravento. Pagamos o pênalti e saímos na frente para vencer a segunda regata e garantir a vaga na final”, explicou.

Apesar de enfrentar um barco feminino na final, Gigante garante que vai manter o mesmo estilo de velejada. “A gente segue velejando da mesma maneira, na final… Estamos acostumadas a enfrentar as meninas em treinos e vamos manter o mesmo formato. Para a final, se elas vierem com tudo, estarei preparado… Vou usar a experiência para manter a calma e com certeza teremos ótimas regatas neste domingo”, assegurou Gigante, que, em 2011, chegou a 23º no ranking mundial de match race, a melhor colocação de um latino-americano na história

A decisão do terceiro lugar será entre as equipes da Marinha e do Veleiros do Sul, também em melhor de três.

Resultados do sábado

Regatas de desempate da fase classificatória
– ICB 1 x 0 RYC
– VDS 1 x 0 RYC

Fase classificatória
1- Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ), Henrique Haddad – 5 vitórias
2- Clube Desportivo da Marinha(CDM), Felipe Haddad – 4 vitórias
3- Iate Clube Brasileiro (ICB), Juliana Senfft – 3 vitórias
4- Veleiros do Sul (VDS), Philipp Grotchmann – 2 vitórias
5- Rio Yacht Club (RYC), Renata Decnop – 2 vitórias
6- Clube Naval Charitas (CNC), Rafael Pariz – 0 vitória

Semifinais
– ICRJ 2 x 0 VDS
– ICB 2 x 1 CDM

Os times são formados por quatro velejadores. A premiação total é de 100 mil reais, divididos entre os oito primeiros colocados. A equipe campeã recebe 26 mil reais. Está em disputa o troféu de posse transitória Roger Wright.

Pro-Am – O tradicional Pro-Am, que reúne velejadores e convidados, foi disputado no final da tarde. A equipe vencedora, comandada pelo campeão mundial de Star, Alan Adler, CEO da IMX, teve como destaque o finalista do Match Race Brasil, Henrique Haddad. O time vice-campeão teve André Mirsky como timoneiro, com ajuda de Philip Grotchmann, do Veleiros do Sul.

O Match Race Brasil 2013 tem o patrocínio de Volvo, Sportv, Lorenzetti e TIM. A promoção é da IMX, com apoios da Marinha do Brasil e do Iate Clube do Rio de Janeiro. O projeto foi viabilizado pela Lei Federal de Incentivo ao Esporte. A realização é da Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro.

Mais informações : www.matchracebrasil.com.br

Da ZDL Assessoria

um comentário Comente
  1. Jorge Antonio Dino. #

    Match Race com o melhor de 3 regatas é insuficiente.
    Barcos que vem de outros estados precisam de pelo menos mais duas regatas para se ambientar e os custos são altos.
    Seriam necessárias um melhor de 5 ou como na Copa América.
    Deveriam chamar uma dessas TVs públicas e televisionar para o Brasil todo.

    01/12/2013

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: