Pular para o conteúdo

Arquivo de

Copa da Juventude seleciona velejadores para Mundial da Juventude

Entre os dias 19 e 23 de março o Iate Clube de Santa Catarina irá sediar a Copa da Juventude. O evento é válido como seletiva para o Mundial da Juventude, que será realizado em Tavira, Portugal, entre os dias 12 e 19 de junho, e podem se inscrever os velejadores que tenham nascido depois de 31 de dezembro de 1995. Estão convidadas as classes Laser Radial (Masc. e Fem.), 420 (Masc. e Fem.), RS:X (Masc. e Fem.), Hobie Cat 16 (Aberto) e 29er (Aberto), desde que haja no mínimo dois barcos em cada classe. Até o momento apenas as classes Radial Masculino, 420 e RS:X masculino terão regatas. As outras ainda estão pendentes.

Com vídeo: Volvo Ocean Race terá parada de 24h na Holanda

A Volvo Ocean Race 2014-15 tem uma novidade no percurso. Os barcos serão obrigados a fazer um pit-stop de 24 horas no porto de Haia, na Holanda. A parada técnica será no meio da perna entre Lorient, na França, e Gotemburgo, na Suécia, a última da Volta ao Mundo. Os fãs da vela holandeses comemoram em dobro a notícia, já que em outubro do ano passado, o barco Brunel foi confirmado para defender as cores da Holanda na regata. Os barcos devem chegar ao porto de Haia no dia 19 de junho de 2015. A ordem de partida será a mesma da chegada, ou seja, o primeiro a cruzar a linha na Holanda saí na frente e os demais após completar 24 horas parados.

A ideia é aproximar o público local dos velejadores, que terão um intervalo de tempo curto, mas precioso, para as milhas finais da Volvo Ocean Race até Suécia. Para o CEO da Volvo Ocean Race, Knut Frostad, o pit-stop será em um local ideal, pois há poucos lugares no mundo onde o apoio ao esporte náutico é intensificdo e um desses países é a Holanda. Essa paixão ganhou mais força após o anúncio da equipe holandesa Brunel, comandada por Bouwe Bekking, na regata. Algumas semanas mais tarde, a Schouten Global anunciou que iria patrocinador um barco do país em 2017-18.

“A Holanda é como a Nova Zelândia. A vela nesses dois países tem apoio do público, que conhece a modalidade e sua história. Com a Volvo Ocean Race não é diferente e nós queremos apoiar isso”, disse Knut Frostad.

Os organizadores do evento ainda lembram da última parada da Volvo Ocean Race na Holanda. “Em 2008-09 , os barcos passaram perto de Haia e tudo foi um sucesso. Desta vez vai ser ainda maior porque os veleiros vão realmente parar no porto. Oportunidade para conhecer de perto velejadores e os novos modelos de embarcações”, contou o diretor operacional da regata, Tom Touber.

Karsten Klein, representante da área de esportes da prefeitura de Haia, concordou com Tom Touber. “Estou muito orgulhoso por a Volvo Ocean Race ter escolhido a nossa cidade como o único pit-stop na edição 2014-15. Haia tem uma longa tradição de vela e modalidades náuticas. Não é apenas uma simples parada, mas um evento esportivo de nível internacional para toda a cidade e seus habitantes participarem”.

A população local, que se aproxima de 1 mihão de pessoas, poderá ver de perto a chegada e a partida dos barcos do porto ou dos molhes (quebra-mar) de Haia. A largada para Gotemburgo deverá ocorrer em 20 de junho de 2015. A cidade abriga muitas instituições internacionais, incluindo o famoso Tribunal Internacional de Justiça e também é a sede do governo e do parlamento holandês.

Haia é conhecida por ser um resort à beira-mar, que atrai milhares de visitantes de todo o mundo a cada ano e é o segundo destino mais visitado do país depois da capital Amsterdã. Além disso, os organizadores esperam que os holandeses, que moram perto da fronteira com a Alemanha, acompanhem a regata.

Haia e a Volvo Ocean Race planejam grandes eventos públicos, incluindo shows de música, festivais e muitas outras atrações, alguns com a presença da tripulação do Team Brunel e de seus rivais internacionais na prova.

Histórico da Holanda na regata

– A edição 2014-15 da Volvo Ocean Race terá pela segunda vez a Holanda como parada. Em 2005-06, Roterdã foi uma das cidades-sede. Na edição de 2008-09, a costa holandesa serviu de waypoints ou pontos obrigatórios de passagem no caminho entre Galway e Marstrand.

– Bouwe Bekking foi o último comandante holandês na regata comandando o Telefónica Blue, em 2008-09. A edição de 2014-15 será a sua sétima participação.

– O barco holandês ABN AMRO ONE, liderado pelo neozelandês Mike Sanderson, venceu a edição 2005-06. Foi o terceiro triunfo do País na Volta ao Mundo.

– Cornelis (Conny) van Rietschoten foi comandante e vencedor das edições 1977-78 e 1981-82 da Whitbread a bordo do Flyer and Flyer II. Ele é o único skipper a vencer a regata duas vezes.

– Hans Bouscholte e Roy Heiner foram os últimos skippers do país comandando um barco local na regata.

– A última campanha de um barco holandês foi com o Delta Lloyd em 2008-09.

– O primeiro velejador holandês na regata foi Tjerk M. Romke de Vries. Ele velejou no Sayula II, vencedor da primeira edição da regata em 1973-74.

Da VOR

Scheidt sobe para terceira colocação em Miami

Mais importante nome da Laser na atualidade, velejador mostrou experiência e concentração para vencer regata desta terça-feira (28), em condições climáticas desafiadoras

São Paulo – A etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela começou testando os nervos dos velejadores. Nos dois primeiros dias, a brisa fraca na raia de Biscayne Bay atrasou por mais de três horas o início das regatas. Com ventos que não ultrapassaram os 5 nós (inferior a 10 km/h), a classe Laser disputou três regatas extremante técnicas, duas na segunda-feira (27) e apenas uma nesta terça (28). Após um começo difícil, com um 11º e um 4º lugar, Robert Scheidt fez prevalecer a experiência de seus 11 títulos mundiais na classe e venceu a terceira prova, pulando da 12ª para a terceira posição na classificação geral, com 5 pontos perdidos. O líder é o australiano Tom Burton, com 2.

“Essas condições de vento testam muito os velejadores. Durante os períodos de retardamento das largadas, foquei em manter-me ativo, fazendo um pouco de natação e corrida”, contou Robert Scheidt. “Tive uma certa dificuldade com o vento fraco na segunda-feira. Não consegui manter a regularidade, mas durante a prova de terça, foi importante confiar na minha decisão de escolher o lado direito da raia, onde a pressão do vento era maior. Foi ótimo ter vencido uma regata com o vento tão fraco.”

Classe mais numerosa na competição, com 98 velejadores brigando pelo pódio em Miami, a Laser foi dividida em duas flotilhas na fase classificatória. Enquanto Scheidt venceu a terceira regata na flotilha azul, o croata Tonci Stipanovic levou a melhor no duelo com o cipriota Pavlos Kontides, vice-campeão mundial, e ficou com a vitória na flotilha amarela. Os dois estão entre os principais adversários do brasileiro.

As próximas regatas, com início previsto às 11 horas (14 horas no Brasil), também devem contar com ventos muito fracos de acordo com a previsão para os próximos dias, além da chuva desta quarta-feira em Miami. “A tendência é de que o clima só mude a partir de quinta (30), já na fase final. Gosto de velejar em todas as condições, mas espero um pouco mais de vento para o final da semana”, destacou Scheidt. No sábado (1º/2), os dez melhores velejadores seguem para a disputa da ‘medal race’, com pontuação dobrada.

Classificação após três regatas e um descarte

1.Tom Burton (AUS) – 2 pontos perdidos (1+1+[26])
2. Tonci Stipanovic (CRO) – 3 pp (2+[5]+1)
3. Robert Scheidt (BRA) – 5 pp ([11]+4+1)
4. Pavlos Kontides (CYP) – 5 pp ([26]+1+4)
5. Stefano Peschiera (PER) – 5 pp (3+[46]+2)
6. Gustavo Lima (POR) – 6 pp (4+2+[18])
7. Erik Bowers (USA) – 6 pp (4+2+[34])
8. Nick Thompson (GBR) – 8 pp (2+[6]+6)
9. Giovanni Coccoluto (ITA) – 8 pp (5+[10]+3)
10. James Pulsford (USA) – 11 pp (8+3+[24])

Da Local

Brasileiros começam bem a segunda etapa da Copa do Mundo de Vela em Miami

BRA 1 na frente na baía de Biscayne. Geison e Gustavo, com um 8º e um 17º, estão em 12º geral etapa dos EUA da Copa do Mundo de Vela.

BRA 1 na frente na baía de Biscayne. Geison e Gustavo, com um 8º e um 17º, estão em 12º geral etapa dos EUA da Copa do Mundo de Vela.

Começou nesta segunda-feira em Miami a segunda etapa da Copa do Mundo de Vela. O evento reúne os melhores velejadores do mundo que estão em campanha para o Rio 2016 e insto inclui a equipe brasileira, que teve um bom começo de competição. O vento fraco fez com que os 580 atletas, de 50 países, esperassem por mais de três horas até irem para a água.

Na 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze, líderes do ranking mundial, estão em segundo a apenas um ponto das finlandesas. Entre os homens do 49er, Marco Grael e Gabriel Borges estão em 18º, enquanto Dante Bianchi e Thomas Low Beer estão em 23º. Felipe Zaeyen e Breno Abdulklech completam o time brasileiro na 32ª posição.

No 470 masculino, Henrique Haddad e Bruno Bethlem são os melhores brasileiros na 6ª colocação. Geison Mendes e Gustavo Thiesen aparecem em 12º, enquanto Fabio Pilar e Matias Melechi estão em 30º com dois DNC em duas regatas. Entre as meninas da mesma classe, Renata Decnop e Isabel Swan estão em 7º.

No Laser Standard, o multicampeão Robert Scheidt é o melhor brasileiro na 12ª colocação. Bruno Fontes aparece um pouco atrás, em 14º. Entre as mulheres no Laser Radial, Fernanda Decnop está em 11º, Odile Ginaid em 35º e Gabriela Kidd em 40º.

Na RS:X, Bimba é o melhor colocado entre os homens, na 4ª posição. Gabriel Bastos aparece em 18º. Entre as mulheres, Patrícia Freitas também está em 4º e Bruna Martinelli em 13º.

Na Finn, Bruno Prada e Jorge Zarif estão em 9º e 10º respectivamente.

Tiago Brito e Andrei Kneipp são campeões brasileiros de 420

Ricardo 'Blu' Lobato enfeitou o pódio do Brasileiro de 420 com sua camisa florida

Ricardo ‘Blu’ Lobato enfeitou o pódio do Brasileiro de 420 com seu estilo gringo

Os velejadores gaúchos Tiago Brito e Andrei Kneipp conquistaram neste sábado, 25 de janeiro, o título do Campeonato Brasileiro da classe 420. A dupla do Clube dos Jangadeiros venceu oito das dez regatas disputadas em Búzios, no Rio de Janeiro, onde a competição foi realizada entre os dias 20 e 25 de janeiro. “Queríamos muito vencer este campeonato porque era a nossa despedida da classe. A partir de agora pensaremos só na 470”, comemorou Tiago, o timoneiro da dupla. “Estávamos muito rápidos e, apesar de não velejarmos de 420 há algum tempo, continuamos entrosados”, ponderou Andrei.

Sediado pelo Búzios Vela Clube, o Brasileiro de 420 contou com a participação de 19 tripulações. A competição foi marcada pelos ventos fortes e pela belas disputas na raia da praia de Manguinhos. Além de Tiago e Andrei, outras duas duplas representaram o Jangadeiros no evento: Pedro Zonta/Thomas Rodrigues (10º lugar) e Lucas Aydos/Peter Nehm (11º lugar).

Velejadores formados na Escola de Vela Barra Limpa, do Jangadeiros, Tiago e Andrei são amigos de infância e competem em parceria desde 2012. No ano passado, a dupla conquistou diversos título na classe 420, como o do Campeonato Mundial Juventude, o da Copa da Juventude e o Estadual do Rio de Janeiro. Eles ainda foram vice-campeões brasileiros, sul-americanos e mundiais da classe.

Os campeões do Campeonato Brasileiro de 420:
Geral

Tiago Brito / Andrei Kneipp (Clube dos Jangadeiros)

Júnior

Eric Belda / Rodrigo Dabus (Yacht Club Santo Amaro)

Feminino

Letícia Nicolino Mareana Gouvea (Iate Clube Brasileiro)

Da assessoria

Regata Salvador Morro de São Paulo agita velejadores de multicasco

No próximo dia 15 será disputada a tradicional regata Salvador Morro de São Paulo. Estão convidadas as classes Hobie Cat 16, Supercat 17, Nacra, Wild Cat, Hobie Tiger, Tornado, A-Cat e Multicascos de Oceano (MOCRA). A largada está prevista para as 10h. E como na Bahia sempre há festa, o Iate Clube da Bahia irá promover um coquetel de abertura no dia 14 e o Clube de Vela de Morro de São Paulo irá promover um almoço às 15h do dia 15 e a entrega de prêmios às 17h.

Armel Le Cleac’h estabelece novos recordes de singradura em solitário por dois dias seguidos

Captura-de-pantalla-2014-01-26-a-las-09.15.07

O francês Armel Le Cléac’h estabeleceu um novo recorde de singradura em solitário. Ele velejou nada menos que 677 milhas em 24h a bordo do seu maxitrimarã Banque Populaire VII ontem (26/1), mas na madrugada de hoje melhorou sua marca e singrou 682 milhas nas 24 anteriores. A velocidade média desenvolvida por ele neste período foi de 28,4 nós. O velejador está tentando quebrar o recorde da travessia da Rota do Descobrimento, entre Cadiz, na Espanha, e San Salvador, nas Bahamas. O antigo recorde de singradura era de 666,2 milhas e tinha sido estabelecido em 2012 por Francis Joyon.

Vídeo: Volvo procura os melhores velejadores chineses

Miami OCR começa nesta segunda com presença dos melhores velejadores do mundo

A Miami Olimpic Class Regatta é o primeiro grande evento internacional de 2014 e reúne a partir desta segunda-feira os melhores velejadores do mundo que estão em campanha para o Rio 2016. A delegação brasileira disputa regatas em todas as dez classes olímpicas com boas chances de medalhas em algumas delas, como é o caso do Laser Standard, com Robert Scheidt, e do 49er FX, com Martine Grael e Kahena Kunze, líderes do ranking mundial. Todas as classes terão fase classificatória e medal race, disputada no dia 1 de fevereiro. Será possível acompanhar os barcos em trakkings 2D e 3D.

 

Renata Decnop e Isabel Swan estreiam nesta segunda na Copa do Mundo de Vela

Evento disputado em Miami segue até o dia 1º de fevereiro

Previsão de vento fraco em Miami. Foto por Kyra Mirsky

Previsão de vento fraco em Miami. Foto por Kyra Mirsky

São Paulo – As niteroienses Renata Decnop e Isabel Swan estreiam nesta segunda-feira no Miami OCR, segunda etapa da Copa do Mundo de Vela. O campeonato, que segue até o dia 1º de fevereiro, é o primeiro evento internacional do calendário da dupla, que está em campanha para o Rio 2016 na classe 470. Renata e Isabel são as únicas representantes brasileiras na modalidade e prometem fazer bonito nas raias americanas.

“Este primeiro evento internacional serve para pautarmos como será o resto do ano. É aqui que colocamos em prática tudo o que treinamos em 2013 e onde vamos fazer os ajustes para 2014”, diz Renata, que é a timoneira da dupla, ou seja, é quem comanda o barco.

As meninas chegaram em Miami há duas semanas, logo após vencerem a Copa Brasil de Vela, primeiro evento do ano na raia dos Jogos 2016, e neste meio tempo disputaram o Norte Americano de 470 e tiveram cinco dias de treinamento intensivo com o técnico Rodrigo Amado.

“A presença do Rodrigo foi essencial para nós. Ele nos ajudou com os ajustes do barco e no reconhecimento da raia onde serão disputadas as regatas. Fora que a presença dele durante a competição nos dá mais segurança”, afirma Isabel, a proeira da dupla.“A previsão é de ventos fracos durante o campeonato todo e a flotilha feminina de 470 costuma andar bem nestas condições. Então esperamos ter tranquilidade para tomar as melhores decisões táticas, que é o que fará a diferença”, completa Isabel. Ela, que é considerada uma das melhores velejadoras do Brasil, é dona da única medalha olímpica da vela feminina, conquistada em Pequim ao lado de Fernanda Oliveira

A novidade da competição americana fica por conta do barco usado pela dupla. Pela primeira vez ele não será alugado. “Trouxemos de container o barco que usamos para velejar na Europa. Durante esta semana nós fizemos diversas alterações significativas nele, que devem melhorar o funcionamento geral”, completa Renata.

A Miami OCR reúne os melhores velejadores do mundo que estão em campanha para o Rio 2016. Serão seis dias de competição, com dez regatas da fase classificatória, mais a regata da medalha, em que participam apenas os dez primeiros colocados na fase classificatória.

Para acompanhar todas as novidades sobre a dupla, acesse www.timefenix.com.br ou siga a dupla no facebook.com/decnopswan470

Renata Decnop e Isabel Swan fazem parte do Time Nissan e contam com o patrocínio da Embratel e da Marinha do Brasil. As duas realizam campanha para os Jogos Rio 2016 com apoio da Confederação Brasileira de Vela e do Comitê Olímpico Brasileiro.

Da PecciCom

%d blogueiros gostam disto: