Pular para o conteúdo

Arquivo de

Após quase ir à Falência, Team New Zealand volta atrás e anuncia que tem dinheiro até janeiro

Após a notícia que o Team New Zealand estaria falido, o diretor da equipe Sir Stephen Tindall, voltou atrás e anunciou esta semana que terá dinheiro até janeiro. Na semana passada Grant Dalton, diretor do time, divulgou uma nota dizendo que se o governo não ajudasse, não sobreveria até o próximo mês.

“Nós temos dinheiro o suficiente para chegar até o final do ano (…) e não tomamos nenhuma decisão de quando faremos outro anúncio”, disse ele.

Muitas dúvidas de como o time tem gasto seu dinheiro surgiram nos últimos tempos. Acredita-se que Dalton tenha ganho $ 2 milhões só de salário no ano passado.

Derry~Londonderry~Doire vence a 14ª perna da Clipper Race

A Clipper Race está quase chegando ao seu final e o Derry~Londonderry~Doire mostrou que quer brigar por um lugar no pódio ao vencer no photo-finish a 14ª etapa da competição. Por conta de um sistema de alta pressão incomum, a organização optou por terminar a regata às 12h do dia 22 e o Derry~Londonderry~Doire era o barco mais próximo da linha de chegada, a 155,1 milhas.

O segundo lugar ficou com o Team Garmin, seguido pelo Old Pulteney, que estavam a 163,9 e 165,8 milhas da chegada.

No próximo dia 29 a flotilha de 12 barcos partirá de Derry Londonderry rumo a Greencastle.

Volvo Ocean Race: Team SCA confirma repórter que acompanhará as ações a bordo

O Team SCA, equipe 100% feminina da Volvo Ocean Race, anunciou sua repórter a bordo para a edição 2014-15. Trata-se da norte-americana Corinna Halloran

VolvoOceanRace_sca-corinna-halloran
Corinna Halloran terá uma função especial a bordo do time sueco. A especialista em comunicação contará toda a história da equipe feminina na Volvo Ocean Race por meio de imagens, fotos e textos. Todos os fãs da vela mundial certamente irão precisar das habilidades da norte-americana de New Port. “É uma oportunidade incrível. É um projeto único e me sinto privilegiada por isso”, disse Corinna Halloran. “O nível de tecnologia a bordo permite que as pessoas acompanhem tudo que acontece no barco 100% feminino”.

Jon Bramley, diretor de comunicação da regata, acrescentou: “Corinna Halloran tem grande habilidade de traduzir em informação toda a história da Volvo Ocean Race, ou seja, a vida a bordo. Ela e os outros repórteres a bordo são absolutamente fundamentais na nossa tentativa de transmitir uma aventura que conta a história dos atletas. É uma Volvo Ocean Race mais humana”.

Corinna Halloran irá se juntar a meteorologista britânica Libby Greenhalgh no Team SCA como novas integrantes.

E a novidade em relação aos times é a entrada de uma equipe espanhola, que será comandada pela dupla Iker Martinez e Xabi Fernandez. É o sexto barco confirmado para a Volvo Ocean Race. Os principais patrocinadores e o líder da equipe serão revelados em breve.

Enquanto isso, os chineses do Dongfeng devem anunciar novidades na semana que vem. Todos os oito integrantes que faltam serão conhecidos em uma cerimônia na base de treinamento do time, em Lorient, na França, terra do comandante Charles Caudrelier.

As outras equipes, Team Brunel e Team Alvimedica, tiveram uma pequena pausa nas velejadas, mas não deixam de manter os treinos físicos.

Por fim, o Abu Dhabi Ocean Racing se prepara para fazer uma travessia transatlântica nos próximos dias, saindo de Cascais, em Portugal, se dirigindo até New Port, Rhode Island.

Por Flavio Perez

Vídeo: Chegada do Neutrogena na NY to Barcelona

Torben Grael lidera o XVII Circuito Oceânico de Niterói

Bicampeão olímpico comanda o Magia V/Energisa em competição na Baía de Guanabara e divide a raia com o sobrinho Nicolas, terceiro lugarna prova

Anna Paula Teixeira registrou a equipe de Torben Grael em ação

Anna Paula Teixeira registrou a equipe de Torben Grael em ação

Sob o comando do velejador Torben Grael, a tripulação do Magia V/Energisa se mantém na liderança geral do XVII Circuito Oceânico de Niterói, que acontece até este domingo (22) na Baía de Guanabara. Após quatro regatas realizadas, a equipe Magia V/Energisa conquistou um quarto, primeiro, segundo e primeiro lugares, respectivamente, soma oito pontos. Em segundo lugar geral na competição está o barco Lucky, do comandante Ralf Rosa, com 14 pontos perdidos.

“Tivemos um regime de vento muito rondado nas regatas e o nível dos competidores está muito alto, o que nos obriga a estarmos sempre atentos em qualquer manobra para não perdermos posição”, comenta Torben.

Outro membro da família Grael também está com chances de subir ao pódio nesta edição do Circuito Oceânico de Niterói. Aos 16 anos, Nicolas, filho de Lars Grael e sobrinho de Torben, está no comando do Stand By Me no terceiro lugar geral da prova e soma também 14 pontos. O Circuito Oceânico de Niterói conta com a participação de cerca de 200 competidores na raia.

Para este domingo, estão previstas duas regatas, com largada às 13h, que definirão o campeão. O XVII Circuito Oceânico de Niterói é organizado pelo Clube Naval Charitas, com a autorização da Confederação Brasileira de Vela (CBVELA) e apoio da Federação de Vela do Estado do Rio de Janeiro (FEVERJ) e Associação Brasileira de Veleiros de Oceano (ABVO).

Por Mariane Thamsten

Mini Fastnet larga com vento fraco

Largada da regata. Crédito para a Fanpage da competição

Largada da regata. Crédito para a Fanpage da competição

No último domingo, 33 duplas largada de Douarnenez Bay para a disputa de uma das regatas mais duras do mundo: a Mini Fastnet. A flotilha deverá completar a prova em quatro ou cinco dias. O início da competição foi com vento fracos, mas isto deve mudar lá pela quarta ou quinta-feira. Isto significa que a perna rumo à Irlanda será bastante tática e técnica, deixando a disputa das categorias Protótipo e Produção bastante interessantes.

Trinta e três barcos largam para a disputa da Mini Fastnet

Largada da regata. Crédito para a Fanpage da competição

Largada da regata. Crédito para a Fanpage da competição

No último domingo, 33 duplas largada de Douarnenez Bay para a disputa de uma das regatas mais duras do mundo: a Mini Fastnet. A flotilha deverá completar a prova em quatro ou cinco dias.

O início da competição foi com vento fracos, mas isto deve mudar lá pela quarta ou quinta-feira. Isto significa que a perna rumo à Irlanda será bastante tática e técnica, deixando a disputa das categorias Protótipo e Produção bastante interessantes.

%d blogueiros gostam disto: