Pular para o conteúdo

Arquivo de

Françoise Gabbart parte em busca do recorde de volta ao mundo em solitário

Notícias Náuticas

macif

François Gabbart, que estava de standby desde o último dia 22 de outubro, finalmente partiu para a tentativa de quebra de recorde de volta ao mundo em solitário. O Francês cruzou no último sábado, a bordo do maxitrimarã Macif, a linha imaginária entre o farol de Creac’h, em Ushant, na França, e o farol de Lizard Point, na Inglaterra. O recorde a ser batido é de 49 dias, 3 horas, 4 minutos e 28 segundos e foi estabelecido em 25 de dezembro de 2016 por Thomas Coville. Na manhã desta segunda-feira ele velejava 251 milhas à frente do recorde.

Para acompanhar a velejada de Gabbart, clique aqui. 

Ver o post original

Coordenador da classe em SP, Alonso Lopez faz balanço do Paulista de Snipe

Notícias Náuticas

Que o Campeonato Paulista da classe Snipe foi um sucesso, ninguém vai descordar. Quarenta e nove duplas da capital, Ilhabela, Santos, Santa Catarina, Rio Grande do Sul e Rio de Janeiro estiveram presentes, fazendo um reconhecimento na raia do Brasileiro de 2019.

As regatas tiveram um alto nível técnico, com vento de todas as intensidades e bastante rondado, como costuma ser na Guarapiranga. No final, Alexandre Paradeda provou que não é o maior campeão brasileiro da história da classe à toa e levou o título para Ilhabela, onde está residindo, ao lado da jovem velejadora Anna Julia Tenório.

Confira abaixo o relato de Alonso Lopez, coordenador da classe Snipe de São Paulo:

“Há uns quatro meses começamos a trabalhar na organização do campeonato e, junto com os capitães de flotilha, chegamos à conclusão de que deixar o domingo livre, sem regatas, seria a melhor opção para que todos pudessem velejar…

Ver o post original 415 mais palavras

Aha, uhu, que domingo é esse? Tem largada da Volvo, Transat e final do Circuito Rio. Clipper Race e Mini Transat já estão a pleno vapor também.

Leg 01, Alicante to Lisbon, First Morning on board AkzoNobel. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 23 October, 2017

Martine está confirmada à bordo do AkzoNobel rumo à África.

Bom dia, querido amigo e mais que querida amiga. Lembra do resumão? Pois é! Hoje é tipo um resumão involuntário… Muito coisa rolando no planeta Vela. Apertem os cintos (ou melhor, clipem os cintos…) que vai começar!!

Primeiro temos às 1400UTC (1200 em Brasília) a largada da segunda perna da VOR. A etapa vem a ser a segunda maior em distância (só da N.Zelândia pra Itajaí são mais milhas) e rivaliza em termos de tempo, aproximadamente 22 dias, entre nossa ancestral Lisboa e a Cidade do Cabo. Que cabo? O das Tormentas, ora! Que virou Boa Esperança obviamente para aqueles que por lá não soçobraram…

E depois de muita tempestade em terra, com um sai não sai de comandantes e tripulantes, eis que nossa menina de ouro, Martine Grael, única e solitária representante da terra brasilis neste desafio planetário, vai de AkzoNobel pros Atlânticos – norte e sul.

O skipper viúva Porcina (que foi sem nunca ter sido), Brad Jackson, e nosso querido Joca Signorini realmente ficaram de fora do time holandês. Mas Julinho Salgado (ou Jules Salter), navegador campeão no Ericsson 4 com papai Grael em 2009, voltou e Chris Nicholson, experiente comandante de incontáveis milhas, algumas até interrompidas de forma abrupta, como no Vestas na última edição, e um outro holandês aí, Peter van Niekerk, velejador olímpico, entraram no time como capitães de turno e tudo promete ser mais suave agora.

Ao menos em termos administrativos e emocionais, porque em termos de velejada… De VO65 em regata nunca é mesmo! Plugue na web na hora marcada (www.volvooceanrace.com) e acompanhe o desenrolar dos primeiros fatos desta perna…

Veja abaixo o que Martine falou antes de partir:

Já no Havre, rola hoje também a largada da tradicional Transat Jacques Vabre às 1230UTC (1030 em Brasília) com largada ao vivo no site www.transatjacquesvabre.org.

São 74 velejadores, em duplas, disputando em quatro classes o direito de entrar para a história. Os quatro incríveis trimarãs da classe Ultime (bem um deles não mede oficialmente na classe, mas foi aceito na categoria), de 100 pés, trazem uma constelação de feras do oceano, sendo o ponto alto ninguém menos que Thomas Coville, que já circundou o planeta sete vezes, atual detentor do recorde absoluto de volta ao mundo em solitário (49d 3h 7m 38s), que fará dupla com Jean Luz Nélias, no “Sodebo Ultim”, o mesmo barco em que fez seu tempo inacreditável no ano passado. Só pra citar um cara…

Entre os IMOCA (antigos Open 60, os barcos da Vendée Globo e tantas outras regatas em solitário e duplas) são 13 super duplas também. E entre elas está um barco semi-barsuca digamos. O “Vivo à Beira”, uma refência a um poema da poetisa Clarice Lispector, que traz dois franceses que buscam fundos para projetos sociais educacionais no nosso País. ”Somos o outro barco do Brasil na regata. Vamos usar a prova para levar uma mensagem de esperança aos jovens das favelas brasileiras”, explicou Pierre Lacaze, co-skipper da nave.

E Pierre diz ser o outro barco brasileiro porque temos o Classe40 angolano-brasuca “Mussulo 40 Team Angola Cables” com o baiano Leonardo Chicourel, que está a bordo ao lado do angolano José Guilherme Caldas, que mora em São Paulo (SP). A dupla já venceu a Cape Tow-Rio em dupla e estabeleceu o recorde desta regata para a categoria. No total serão 15 veleiros Classe40 e a disputa promete ser boa. Há também mais seis barcos competindo na categoria Multi50 de multicascos. Veja abaixo dois vídeos com nossos heróis.

E para que os oceanos não fiquem vazios de emoção temos ainda as regatas finais do Circuito Rio hoje na cidade maravilhosa (e abandonada!) com belas disputas nas classes ORC, IRC e RGS. A Clipper Race, a regata para tripulas amadoras pagas, já está a na terceira perna, entre a Cidade do Cabo (que cabo?…) e Perth, no oeste australiano. Lembrando que o “Greenings” abandonou após encalhar na África do Sul e o “Hotelplanner.com” retornou para fazer reparos em Porto Elisabete.

E, claro, temos ainda a segunda perna da famosa Mini-Transat das Canárias para a Martinica. Depois de três dias nesta etapa, o 21 pés (Mini 6.5m) estilo ‘tamanco’ ou ‘Scow’ de Ian Lipinski, o “Griffon”, vencedor também da primeira perna, de La Rochelle até Las Palmas, liderava a apenas(!!) 2,207.9 milhas do final e 45mn sobre Simon Koster (Eight Cube Sersa). Não saia daí a coisa está quente!! Fui!! Ver as largadas…

Murillo Novaes

Team Brunel vence regata de porto de Lisboa na VOR

m105628_13-02-171103-asv-05987-0145.jpg

Barco holandês, de Bouwe Bekking, segura investidas do MAPFRE e ganha prova na capital portuguesa. Agora o foco é total na saída para a Cidade do Cabo, que será neste domingo

A Mirpuri Foundation In-Port Race de Lisboa, disputada nesta sexta-feira (3), foi vencida pelo Team Brunel, barco comandado pelo holandês Bouwe Bekking e que tem com tripulante de destaque o neozelandês Peter Burling, apontado como o velejador do momento! A equipe resistiu a pressão do MAPFRE durante todo percurso e cruzou a linha de chegada em primeiro lugar no Rio Tejo com oito segundos de vantagem para o time espanhol.

“Eu acho que nós fizemos um bom trabalho, nós melhoramos como equipe. É sempre bom vencer, mas acho que navegamos muito bem com bastante vento no final. Tomamos as decisões corretas nessas condições”, disse Bouwe Bekking.

O pódio teve ainda o Dongfeng Race Team em terceiro. Com a brasileira Martine Grael a bordo, o team AkzoNobel foi o quarto colocado. A campeã olímpica foi confirmada horas depois na Etapa 2, que larga no domingo de Lisboa, Portugal, para a Cidade do Cabo, na África do Sul.

Com isso, a crise do time holandês parece ter arrefecido. Simeon Tienpont vai realmente ser o skipper, mas conseguiu que o navegador Jules Salter retornasse ao barco e ainda trouxe como capitão de turno o experiente Chris Nicholson, que comandou o Vestas na regata passada. A tripulação confirmada pelo AkzoNobel para segunda perna é:

Simeon Tienpont (NED) – skipper

Jules Salter (GBR)

Brad Farrand (NZL)

Martine Grael (BRA)

Luke Molloy (AUS)

Emily Nagel (GBR/BER)

Chris Nicholson (AUS)

Nicolai Sehested (DEN)

Peter van Niekerk (NED)

 

Voltando à regata de porto… Os ventos fortes obrigaram as equipes a fazer muitas manobras, não apenas nos contornos de bóias. Para piorar, a chuva não deu trégua aos velejadores no percurso, montado próximo à terra para garantir que o público das cidades-sede acompanhe a prova.

O Brunel liderou desde o começo, sempre mais à direita do resto da flotilha. O MAPFRE e Dongfeng apertaram pra tentar passar até o fim. ”Foi intenso. Sabíamos que seria difícil hoje com as rajadas de vento. Começamos bem, mas na marca de barlavento nós ficamos muito lentos e caímos. Mas voltamos pouco a pouco terminando em segundo lugar”, disse Xabi Fernández, campeão olímpico a bordo do MAPFRE.

O segundo lugar na prova deixou o MAPFRE na liderança do campeonato paralelo das In-Port Races, que assim como na última edição da VOR só conta mesmo como critério de desempate caso dois times tenha o mesmo número de pontos ao final

Resultado da Mirpuri Foundation In-Port Race Lisboa
1. Team Brunel
2. MAPFRE
3. Dongfeng Race Team
4. team AkzoNobel
5. Vestas 11th Hour Racing
6. Sun Hung Kai/Scallywag
7. Turn the Tide on Plastic

 

Captura de Tela 2017-11-03 às 18.20.59.png

Com Flavio Perez/VOR

 

 

#ihdeumerda… Barco da Clipper Race que encalhou na África do Sul e teve tripulação evacuada deve ficar fora da regata.

Captura de Tela 2017-11-03 às 06.43.24

Como diria um grande filósofo futebolístico: o barco foi fondo, foi fondo, foi fondo e iu…

Após uma análise cuidadosa da situação e estado do Clipper Race Yacht CV24, o escritório da Clipper Race confirmou que o veleiro está parcialmente submerso depois de ter encalhado no lado oeste da Península do Cabo, na África do Sul, e não fará mais parte na Clipper Race 2017-18, a regata de volta ao mundo para amadores (que pagam uma boa grana para participar).

A equipe do “Greenings” (CV24), havia sido evacuada com segurança depois de ter encalhado aproximadamente às 2140UTC (2340 horas locais) na última terça-feira, 31 de outubro, depois de sair da cidade do Cabo no início do dia para a terceira perna (de 8 totais) da regata de circunavegação.

A decisão foi comunicada ao skipper interino, Andy Woodruff, e as discussões aconteceram também com o skipper oficial, David Hartshorn (que estava se recuperando de uma lesão) e a equipe sobre a futura participação de todos nesta edição da prova.

A segurança do skipper e da tripulação foi a principal preocupação ao longo deste incidente e todos estão bem, já de volta à Cidade do Cabo, e nenhum ferimento foi relatado.

As seguradoras nomearam um técnico que irá ver o barco e, ao receber seu relatório, será tomada uma decisão sobre se a embarcação será recuperada ou não.

Está em andamento uma investigação completa do incidente. Outras atualizações estão disponíveis no site da Clipper Race: www.clipperroundtheworld.com

Race_Viewer_Greenings

Como se pode ver no rastreador da regata, o CV24 “Greenings” se desviou de sua rota e foi de encontro a terra. O porquê ainda é motivo de investigação.

 

Amanhã é dia de regata de porto em Lisboa, na VOR. Martine confirmada no AkzoNobel.

Captura de Tela 2017-11-02 às 16.11.38

A primeira in-port desta edição da VOR foi vencida pelo MAPFRE, em Alicante.

A regata Mirpuri Foundation In-Port Race está marcada para esta sexta-feira (3), em Lisboa, Portugal. A prova entre bóias será a segunda da Volvo Ocean Race e ocorre a partir de 11h50 (Horário de Brasília) com transmissão ao vivo pelos canais oficiais da regata de volta ao mundo.

A prova deve durar no máximo 60 minutos e não vale pontos para a classificação geral, apenas em caso de desempate, no final. A primeira regata in-port foi vencida pelo MAPFRE, em outubro desde ano, na cidade de Alicante, na Espanha.

A previsão é de ventos do sudoeste de 10 a 15 nós em Lisboa.

O Brasil terá pelo menos um tripulante nessa regata, que antecede a largada da Etapa 2, neste domingo (5), Martine Grael foi confirmada pelo team AkzoNobel para participar da prova. Outra novidade é a volta do navegador Jules Salter ao time. E espera-se o anúncio de mais reforços depois da crise deflagrada dias antes da largada no mês passado.

Veja a escalação para a Mirpuri Foundation In-Port Race

Dongfeng Race Team
Skipper – Charles Caudrelier
Pascal Bidégorry
Stuart Bannatyne
Jérémie Beyou
Daryl Wislang
Marie Riou
Carolijn Brouwer
Jackson Bouttell
Jinhao Chen

team AkzoNobel
Skipper – Simeon Tienpont
Jules Salter
Ross Monson
Brad Farrand
Nicolai Sehested
Emily Nagel
Martine Grael
Luke Molloy

Team Brunel 
Skipper – Bouwe Bekking
Andrew Cape
Carlo Huisman
Alberto Bolzan
Kyle Langford
Maciel Cicchetti
Peter Burling
Annie Lush
Abby Ehler

Team Sun Hung Kai/Scallywag 
Skipper- David Witt
Steve Hayles
Alex Gough
Annemieka Bes
Benjamin Piggott
John Fisher
Luke Parkinson
Tom Clout

Turn the Tide on Plastic
Skipper – Dee Caffari
Nico Lunven
Martin Strömberg
Liz Wardley
Annalise Murphy
Francesca Clapcich
Bianca Cook
Lucas Chapman
Henry Bomby
Frederico Melo

Vestas 11th Hour Racing
Skipper – Charlie Enright
Simon Fisher
Mark Towill
Damian Foxall
Nick Dana
Tom Johnson
Tony Mutter
Stacey Jackson
Hannah Diamond

MAPFRE 
Skipper – Xabi Fernández
Juan Vila
Pablo Arrarte
Rob Greenhalgh
Antonio “Ñeti” Cuervas-Mons
Blair Tuke
Willy Altadill
Sophie Ciszek
Tamara Echegoyen

Assista ao vivo no site

Acesse www.volvooceanrace.com para assistir em livestreaming.

Transat Jacques Vabre 2017 leva velejadores de nove países para desafio extremo. Brasil está bem representado novamente.

class-40-mussolo-40-team-angola-cables-skippers-leonardo-r-360-360

Leonardo Chicourel e José Guilherme Caldas, skippers do Mussolo 40 Team Angola Cables. Por: Ricardo Cardoso/Mussolo 40

Brasil, Angola, Omã, Alemanha, França, Itália, Espanha, Inglaterra e Suíça têm representantes na regata, umas das mais difíceis da vela internacional.

A 13ª edição da Transat Jacques Vabre, principal regata transatlântica do mundo, começa no domingo (5), em Le Havre, na França, com a participação de 38 barcos, de quatro classes diferente. A prova em duplas terá como destino final a cidade de Salvador, na Bahia.

São 76 velejadores de nove países, incluindo o Brasil com o baiano Leonardo Chicourel, que está a bordo do Mussulo 40 Team Angola Cables, ao lado do angolano José Guilherme Caldas, que mora em São Paulo (SP) e já é meio brasuca também.

”Recebi com muita alegria o convite de correr a Transat Jacques Vabre e ser o primeiro baiano nessa regata. É muito simbólico isso! Será muito bom voltar pra casa e ver os amigos esperando a gente”, disse Leonardo Chicourel. ”A regata será bem difícil, exigindo muito da gente. Estou sempre ligado na previsão dos ventos”.

Outra referência brasileira na regata é o barco Vivo à Beira, tripulado por franceses que buscam fundos para projetos sociais educacionais no País. ”Somos o outro barco do Brasil na regata. Vamos usar a prova para levar uma mensagem de esperança aos jovens das favelas brasileiras”, explicou Pierre Lacaze, do Vivo à Beira, uma refência a um poema da poetisa Clarice Lispector.

training-for-imoca-vivoabeira-skippers-yoann-richomme-r-360-360

O IMOCA60 Vivoabeira,dos skippers Yoann Richomme e Pierre Lacaze. Por: Jean-Louis Carli/ALeA/TJV2017

 

Nove nações, um só objetivo

Atletas de Omã, Alemanha, França, Itália, Espanha, Inglaterra e Suíça estão na disputa de 8 mil quilômetros pelo Oceano Atlântico da Transat Jacques Vabre. O objetivo de todos é fazer o percurso em menos tempo, ou seja, ganha o primeiro que chegar em cada classe.

”A regata é uma das mais difíceis da vela internacional. Em duplas, as tripulações lidam com as temperaturas em queda no continente europeu, as dificuldades de navegação pelo Canal da Mancha, entre a França e a Inglaterra, depois pelo norte da Espanha, onde ocorrem as principais quebras, a calmaria do Equador e a chegada à costa brasileira”, disse o italiano Giancarlo Pedote, do Newsrest – Brioche Pasquier(IMOCA60).

Os melhores velejadores do mundo de regatas oceânicas encaram mais uma vez o desafio da Transat Jacques Vabre. A britânica Sam Davies, que comandou o Team SCA na Volvo Ocean Race 2014-15, repete a campanha da última edição ao lado do francês Tanguy de Lamotte a bordo do Initiatives Coeur (IMOCA60).

”Essa edição será um pouco mais curta do que a passada, que terminou em Itajaí (SC), mas eu estou muito feliz, pois vai terminar no Brasil novamente. E agora com sol, já que da outra vez que chegou estava nublado. Estamos na mesma classe IMOCA, mas um barco novo, agora com foiles. É mais rápido, mas um pouco mais complicado de tocar”, disse Sam Davies, uma das seis mulheres escaladas nessa edição.

Outros navegadores ícones da vela como os franceses Sebastien Josse, Thomas Coville, Jean-Luc Nélias, Vicent Riou e Sidney Gavignet fazem parte da Transat Jacques Vabre, levando com eles um currículo de conquistas em regatas internacionais ou travessias ao redor do mundo em solitário.

Os velejadores franceses tradicionalmente encaram regatas mais longas e desafios como a Transat Jacques Vabre. Em provas como a Vendeé Globe, Solitarie du Figaro e Volvo Ocean Race é possível ver um número expressivo de navegadores da França.

A Transat Jacques Vabre também é conhecida como Rota do Café, pois refaz o trajeto inverso do comércio dos grãos. Colômbia, Costa Rica e Brasil, com Salvador e Itajaí (SC), já sediaram o evento.

A regata tem quatro classes de barcos. Os Class40 da dupla brasileira contam com 16 duplas e é a categoria mais numerosa. Os tradicionais IMOCA 60 aparecem logo em seguida com 13 equipes. Entre os multicascos estão Ultime, com três enormes trimarãs na disputa, e os Multi50, com seis.

Os Ultimes, que são os mais velozes inscritos na Transat Jacques Vabre, devem concluir o percurso de Le Havre a Salvador em menos de 10 dias. Já os brasileiros que estão na Class40 devem demorar mais de 20 dias.

O Brasil participa pela terceira vez da regata Transat Jacques Vabre e terá o segundo barco consecutivo. Em 2015, o Zetra de Eduardo Penido – campeão olímpico em Moscou 1980, e Renato Araújo foi o sexto colocado na Class40.

Flavio Perez/TVJ
%d blogueiros gostam disto: