Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘470’

Renata Decnop e Isabel Swan terminam etapa da Copa do Mundo de Vela na 6ª posição

Competição em Miami foi marcada por ventos fracos e muita espera

Renata e Bel colam a bandeira brasileira na vela

Renata e Bel colam a bandeira brasileira na vela

Niterói – Terminou no último sábado (1/2) a Miami Olimpic Class Regatta. O evento, válido também como segunda etapa da Copa do Mundo de Vela, foi marcado por ventos fracos e muita espera em água e em terra. Com a realização de apenas sete das 11 regatas programadas para a classe 470 feminina, as niteroienses Renata Decnop e Isabel Swan encerraram a sua participação na sexta colocação. “Esta foi uma semana cansativa, com muita espera dentro d’água. Chegamos a ficar seis horas aguardando o vento e ele não apareceu. Tivemos regatas bem difíceis, mas ficamos felizes com o resultado final”, disse Renata. Todas as sete regatas foram muito disputadas, sem nenhuma margem para erros. A flotilha feminina costuma andar bem em vento fraco e o menor dos erros custou caro esta semana. E para tentar garantir uma boa colocação final, as meninas foram para o tudo ou nada na regata da medalha, disputada no sábado, com pontuação dobrada. “As regatas estavam muito apertadas e qualquer errinho podia custar a competição. No último dia optamos por velejar mais agressivamente, sem, claro, fazer nada errado. A tática deu certo e fomos quartas colocadas na regata da medalha, subindo uma posição na súmula”, completou Isabel. A Miami OCR foi o primeiro grande evento internacional do ano e serviu para que a dupla tivesse uma ideia de como será 2014. Para não perder tempo no treinamento com foco no Rio 2016, esta semana Renata e Isabel estarão de volta à baía de Guanabara, focando em melhorar os pontos fracos identificados na competição americana e melhorando ainda mais os pontos fortes. Para acompanhar todas as novidades sobre Renata e Isabel, curta a dupla no facebook.com/decnopswan470. Renata Decnop e Isabel Swan fazem parte do Time Nissan e contam com o patrocínio da Embratel e da Marinha do Brasil. As duas realizam campanha para os Jogos Rio 2016 com apoio da Confederação Brasileira de Vela e do Comitê Olímpico Brasileiro. Resultado Miami OCR – Classe 470:

  1. Sophie Weguelin e Eilidith McIntyre, GBR, 8 pontos perdidos
  2. Camille Lecointre e Helène Defrance, FRA, 20 pp
  3. Lara Vadlau e Jolanda Ogar, AUT, 26 pp
  4. Tina Mrak e Veronika Macarol, SLO, 28 pp
  5. Anne Haeger e Briana Provancha, USA, 33 pp
  6. Renata Decnop e Isabel Swan, BRA, 39 pp

Da PecciCom

Renata Decnop e Isabel Swan estreiam nesta segunda na Copa do Mundo de Vela

Evento disputado em Miami segue até o dia 1º de fevereiro

Previsão de vento fraco em Miami. Foto por Kyra Mirsky

Previsão de vento fraco em Miami. Foto por Kyra Mirsky

São Paulo – As niteroienses Renata Decnop e Isabel Swan estreiam nesta segunda-feira no Miami OCR, segunda etapa da Copa do Mundo de Vela. O campeonato, que segue até o dia 1º de fevereiro, é o primeiro evento internacional do calendário da dupla, que está em campanha para o Rio 2016 na classe 470. Renata e Isabel são as únicas representantes brasileiras na modalidade e prometem fazer bonito nas raias americanas.

“Este primeiro evento internacional serve para pautarmos como será o resto do ano. É aqui que colocamos em prática tudo o que treinamos em 2013 e onde vamos fazer os ajustes para 2014”, diz Renata, que é a timoneira da dupla, ou seja, é quem comanda o barco.

As meninas chegaram em Miami há duas semanas, logo após vencerem a Copa Brasil de Vela, primeiro evento do ano na raia dos Jogos 2016, e neste meio tempo disputaram o Norte Americano de 470 e tiveram cinco dias de treinamento intensivo com o técnico Rodrigo Amado.

“A presença do Rodrigo foi essencial para nós. Ele nos ajudou com os ajustes do barco e no reconhecimento da raia onde serão disputadas as regatas. Fora que a presença dele durante a competição nos dá mais segurança”, afirma Isabel, a proeira da dupla.“A previsão é de ventos fracos durante o campeonato todo e a flotilha feminina de 470 costuma andar bem nestas condições. Então esperamos ter tranquilidade para tomar as melhores decisões táticas, que é o que fará a diferença”, completa Isabel. Ela, que é considerada uma das melhores velejadoras do Brasil, é dona da única medalha olímpica da vela feminina, conquistada em Pequim ao lado de Fernanda Oliveira

A novidade da competição americana fica por conta do barco usado pela dupla. Pela primeira vez ele não será alugado. “Trouxemos de container o barco que usamos para velejar na Europa. Durante esta semana nós fizemos diversas alterações significativas nele, que devem melhorar o funcionamento geral”, completa Renata.

A Miami OCR reúne os melhores velejadores do mundo que estão em campanha para o Rio 2016. Serão seis dias de competição, com dez regatas da fase classificatória, mais a regata da medalha, em que participam apenas os dez primeiros colocados na fase classificatória.

Para acompanhar todas as novidades sobre a dupla, acesse www.timefenix.com.br ou siga a dupla no facebook.com/decnopswan470

Renata Decnop e Isabel Swan fazem parte do Time Nissan e contam com o patrocínio da Embratel e da Marinha do Brasil. As duas realizam campanha para os Jogos Rio 2016 com apoio da Confederação Brasileira de Vela e do Comitê Olímpico Brasileiro.

Da PecciCom

Primeiros campeões da Copa Brasil de Vela foram conhecidos nesta sexta-feira

Último dia de regatas terá provas mais curtas, bem próximas da areia em São Francisco, Niterói

A Kyra registrou a Renata e  a Isabel em ação

A Kyra registrou a Renata e a Isabel em ação

Niterói – O último dia da fase classificatória da Copa Brasil de vela foi muito positivo para alguns velejadores. Patrícia Freitas, da classe RS:X, e a holandesa Marit Bowmeester foram duas que já garantiram o título por antecipação. Ainda assim elas estarão na água para a disputa da regata da medalha, mais curta, com pontuação dobrada e que será disputada na baía de São Francisco, em Niterói, bem perto do público.

Patrícia foi a representante brasileira nos Jogos Olímpicos de Pequim e de Londres e, apesar de ter apenas 23 anos, tem uma carreira bastante sólida. Para 2014 ela contará novamente com o apoio da CBVela para continuar a campanha olímpica para o Rio 2016. “O apoio da CBVela é o principal diferencial da minha campanha e a tendência é que ele fique cada vez melhor”, comemora ela. Para a classe RS:X a Copa Brasil de Vela foi válida também como campeonato brasileiro e, por tanto, ela pode comemora o título duplo. Entre os homens, o mesmo aconteceu com Ricardo ‘Bimba’ Winicki.

Na Laser Standard, Robert Scheidt passa para a regata da medalha na liderança, com 16 pontos de vantagem sobre o inglês Nick Thompson, segundo colocado. Neste sábado, o objetivo de Thompson será vencer a o brasileiro, mesmo sabendo que não será fácil. “A regata da medalha será bastante traiçoeira, pois será disputada em uma raia onde o vento é bem rondado. Para mim, o importante será me divertir. Gostaria de ganhar do Robert, mas sei que é difícil e a briga com o Bruno Fontes será boa”, comenta ele, que está no Rio de Janeiro pela segunda vez e promete voltar de novo ainda este ano. “Sempre fui muito bem recebido, o lugar é lindo e o clima ótimo. É muito bom velejar aqui!”, completa.

Entre as mulheres, a holandesa Marit Bowmeester teve mais um dia bom, com mais uma vitória e uma desclassificação. Ela e a americana Chloe Martin largaram escapadas e usaram o resultado como descarte. Com o resultado, quem também saiu satisfeita foi a niteroiense Fernanda Decnop, líder do ranking brasileiro. “Hoje foi muito bom, consegui velejar mais relaxada, sem sentir tanto a pressão que uma competição como esta coloca no velejador. Acredito que, por isso, consegui ir melhor, conquistando um primeiro e um segundo”.

Na Finn, o resultado desta quinta-feira foi mantido, com o inglês Gilles Scott em primeiro, seguido pelo companheiro de equipe Andrew Mills em segundo, e pelo brasileiro Jorge Zarif em terceiro.

Na classe Nacra 17, Clínio Freitas e Cacau Swan seguem na liderança. A regata da medalha será a primeira deles na classe e, por isso, a tática é bastante conservadora. “Sabemos que o vento na baía de São Francisco é bastante rondado e, como a nossa regata deve ser bem curtinha, não teremos margem de erro”. A diferença entre eles e os gaúchos Samuel Albrecht e Georgia Rodrigues é de apenas um ponto, ou seja, quem ganhar leva o título da competição.

Entre os 49er, os ingleses Dylan Fletcher e Alain Sign seguem na liderança, com os brasileiros Marco Grael e Gabriel Borges em segundo e Dante Bianchi e Thomas Lowbeer em terceiro. “O inglês velejou muito bem e hoje nós tivemos um deslize e caímos para terceiro. Na regata da medalha nós vamos ficar de olho no Marco e no Gabriel para tentar recuperar a prata”, comentou Dante, que recentemente foi bicampeão mundial na classe Snipe.

Entre as meninas do 49er FX a briga vai ser boa. A diferença entre as três primeiras colocadas é de três pontos, ou seja, quem ganhar fica com o título. “Nós vamos para o tudo ou nada. Sabemos onde erramos esta semana e para a regata da medalha pretendemos velejar o mais perfeito possível”, disse Kahena Kunze, líder do ranking mundial ao lado de Martine Grael.

Na classe 470, os franceses Sofian Bouvet e Jeremie Mion seguem em primeiro, com 11 pontos de vantagem sobre os argentinos Maria Fernanda Sesto e Juan de La Fuente. Em terceiro estão os brasileiros Henrique Haddad e Bruno Bethlem.

Regata da Medalha – Neste sábado os campeões da Copa Brasil de Vela serão definidos após as regatas da medalha, que tem percurso mais curto. A novidade fica por conta da proximidade com a praia, algo diferente do que foi feito durante toda a semana. “A ideia é fazer bem pertinho do público, no raso mesmo”, informa Ricardo Baggio, da CBVela, responsável pela organização do evento.

A largada da primeira regata está prevista para as 13h. Serão duas raias e a ordem de largada será definida pela manhã. As premiações serão feitas em logo em seguida, na vila da regata, na praia de São Francisco.

Slam patrocina CBVela – A CBVela está sempre em busca de dar as melhores condições possíveis para que os seus atletas possam garantir muitas medalhas para o país. Por isso, a marca italiana Slam foi a escolhida para vestir o time. Os velejadores das equipes Brasileira de Vela Olímpica, Pan-Americana, de Vela Jovem, além dos técnicos dirigentes e funcionários terão roupas especiais, de acordo com as suas necessidades.

“O uniforme dos velejadores foi desenvolvido para que eles possam ter o mais alto rendimento, seja no frio ou no calor. Cada classe tem as suas necessidades específicas e nós estamos atentos a isso”, disse o vice-presidente da CBVela John Bennett.

A Slam está presente em mais de 30 países e há algum tempo vem desenvolvendo sua linha de vela em parceria com atletas da Nova Zelândia e Austrália. A escolha em patrocinar os velejadores brasileiros a partir de 2014 foi natural, conforme explica Filipo Bovio, representante da Slam para as Américas.

“Nós amamos o Brasil e acreditamos que o país terá uma das equipes mais fortes nos Jogos do Rio 2016, com grandes chances de medalha. Ficamos muito contentes em saber que a CBVela também acredita em nós”, disse ele.

Copa Brasil de Vela terá regata de canoa havaiana – Enquanto os velejadores se preparam para a disputa das regatas da medalha, com início programado para as 13h, a praia de São Francisco, em Niterói, sede da competição, será tomada por canoas havaianas. Está programada para as 9h uma regata da classe OC6. Serão duas raias triangulares, montadas bem perto da praia para que o público possa assistir e torcer.

Credenciamento – Haverá bote disponível para a imprensa interessada em cobrir as regatas finais da Copa Brasil de Vela. Para isto, basta enviar um email para imprensa@cbvela.org.br ou mari@peccicom.com com o nome completo da equipe e contato. O horário de chegada na Vila é às 11h. Os resultados e a lista de velejadores inscritos estão disponíveis no site http://www.cbvela.org.br

A Copa Brasil de Vela tem organização da CBVela e da Prefeitura de Niterói e conta com o patrocínio do Bradesco, das Águas de Niterói e da Unimed Leste Fluminense, e com o apoio do Polo Orla Gastronomia. A CBVela recebe verbas provenientes da Lei Piva via COB, da Lei de Incentivo fiscal do Ministério do Esporte e conta com o patrocínio oficial do Bradesco e apoio da Slam.

Resultados:

RS:X feminino – 8 regatas e 1 descarte:

  1. Patricia Freitas – BRA – (0)+0+0+0+0+0+0+0, 0 pontos perdidos
  2. Bruna Martinelli – BRA – (2)+2+2+2+2+2+2+2, 14 pp
  3. Carmen Rosas – BRA – (3)+3+3+3+3+3+3+3, 21  pp

RS:X masculino – 8 regatas e 1 descarte:

  1. Ricardo Winicki – BRA – (0)+0+0+0+0+0+0+0, 0 pontos perdidos
  2. Albert Carvalho – BRA – (3)+3+2+2+3+2+2+2, 16 pp
  3. Gabriel Bastos – BRA – 2+2+4+(9)+2+4+5+3, 22 pp

Finn – 8 regatas e 1 descarte:

  1. Giles Scott – GBR – 0+2+0+(3)+2+0+0+0, 4 pontos perdidos
  2.  Andrew Mills – GBR – 2+0+3+2+0+2+(4)+2, 11 pp
  3. Jorge Zarif – BRA – 4+4+(10OCS)+0+3+4+2+4, 21 pp

Nacra 17 – 12 regatas e 1 descarte:

  1. Clinio Freitas e Cacau Swan – BRA – 2+2+2+(9DSQ)+0+2+0+0+0+0+3, 11 pontos perdidos
  2. Samuel Albrecht e Georgia Rodrigues – BRA – 0+0+(6)+2+2+0+3+2+3+3+0, 12 pp
  3. Marcos Ferrari e Carolina Silvestre – BRA – 3+3+0+3+(4)+3+2+4+2+2, 22 pp

Laser Standard – 8 regatas e 1 descarte:

  1. Robert Scheidt – BRA – 0+(2)+0+0+0+0+0+0, 0 pontos perdidos
  2. Nick Thompson – GBR – 2+(22DNF)+2+3+2+2+3+2, 16 pp
  3. Bruno Fontes – BRA – 7+3+3+2+3+3+2+3, 19 pp

Laser Radial – 8 regatas e 1 descarte:

  1. Marit Bowmeester – NED – 0+3+0+0+0+0+0+(13OCS), 3 pontos perdidos
  2. Hannah Snellgrove – GBR – (7)+6+2+2+2+2+4+2, 20 pp
  3. Erika Reineke – USA – 2+2+4+3+4+4+3+(13OCS), 22 pp

49er – 12 regatas e 1 descarte:

  1. Dylan Fletcher e Alain Sign – GBR – 0+0+0+2+0+3+0+0+2+4+0+3, 10 pontos perdidos
  2. Marco Grael e Gabriel Borges – BRA – 3+4+4+(7OCS)+ 3+0+2+5+3+3+2+0, 29 pp
  3. Dante Bianchi e Thomas Low Beer – BRA – (5)+3+3+3+2+5+3+2+0+0+5+5, 31 pp

49er FX – 12 regatas e 1 descarte:

  1. Charlotte Dobson e Sophie Ainsuworth – GBR – 0+2+0+(5)+2+3+3+2+0+3+0+3, 17 pp
  2. Martine Grael e Kahena Kunze – BRA – 3+3+3+3+0+(5)+0+2+0+0+3+3, 18 pp
  3. Frances Peters e Nicola Groves – GBR – 2+0+2+0+(3)+2++2+3+3+2+2+2, 21 pontos perdidos

470 geral – 6 regatas e 1 descarte:

  1. Sofian Bouvet e Jeremie Mion – FRA – 0+0+3+0+0+0+(4)+2, 5 pontos perdidos
  2. Maria Fernanda Sesto e Juan de La Fuente – ARG – 4+5+2+2+2+4+2+0, 16 pp
  3. Henrique Haddad e Bruno Bethlem – BRA – 2+ (11DSQ)+0+4+3+2+3+3, 17 pp

Da PecciCom

Geison Mendes e Gustavo Thiesen disputam segunda etapa da Copa do Mundo de Vela na Austrália

Em campanha Olímpica, a dupla da classe 470 do Veleiros do Sul, Geison Mendes e Gustavo Thiesen chegou a Melbourne, na Austrália, para a disputa da Copa Mundial de Vela, da ISAF (Federação Internacional de Vela). A competição é a segunda etapa da Copa Mundial da ISAF, a primeira foi na China, e as demais ocorrerão nos Estados Unidos, Espanha e França. 

A dupla, única do país a competir nesta etapa, prepara o barco para a estreia no campeonato, que se inicia neste sábado e segue até o dia 8. “Já estamos com o barco no qual vamos correr e passamos o dia trabalhando nele. Nossa expectativa é a de ficar entre os cinco primeiros”, diz o timoneiro Geison Mendes.

Da assessoria

Após vitória na China, Bimba tem chances de se tornar número 1 do mundo na classe RS:X

A Isaf divulgou esta semana o novo ranking mundial. Ricardo Winick, o Bimba, que foi segundo colocado na primeira etapa da Copa do Mundo de Vela disputada na China até o último final de semana, segue na segunda colocação, mas com chances de ‘roubar’ o lugar do amigo espanhol Ivan Pastor, primeiro colocado. A diferença entre eles é de apenas 109 pontos e, quando for contabilizada, a etapa chinesa valerá 200.

Além de Bimba, o Brasil tem ainda mais duas duplas em segundo. Martine Grael e Kahena Kunze, do 49er FX, conquistaram o vice-campeonato mundial recentemente e seguem atrás das neozelandesas Alex Maloney e Molly Meech.

Na 470 feminina, Fernada Oliveira e Ana Barbachan estão a apenas seis pontos das austríacas Lara Vadlau e Anneloes Van Veen.

 

Gaúchos avaliam participação no Mundial de 470

Geison e Gustavo na final do Mundial de 470

Geison e Gustavo na final do Mundial de 470

Ao encerrarem o Mundial de 470 no 23º lugar no pelotão principal da disputa, a flotilha ouro, a dupla de 470 do Veleiros do Sul, Geison Mendes e Gustavo Thiesen tiveram a certeza de estarem no caminho certo para a vaga olímpica em 2016. A equipe foi formada há menos de uma ano, conquistou os títulos Brasileiro e Sul-americano da classe em 2013 e iniciou o segundo semestre focada, emendando a disputa dos campeonatos Europeu e Mundial de 470, os primeiros fora do continente, com flotilha numerosa e com a participação dos melhores velejadores da atualidade.

“Vimos como ponto mais positivo a nossa evolução do Europeu para o Mundial. Havia 40 velejadores a mais que o Europeu e a gente foi dez posições melhor no Mundial. Sentimos principalmente a evolução no velejo. No Europeu, quando fomos para a flotilha ouro, a gente brigava para não ficar entre os últimos. Já no Mundial era o contrário, montávamos bóia na frente, não perdíamos posição, a gente tava muito mais ligado e melhor ambientado”, comenta o timoneiro Geison.

O Mundial teve mais uma vez a vitória dos campeões olímpicos Mat Belcher/Will Ryan, considerados imbatíveis. Mas a dupla brasileira vê claras possibilidades de alcançar a nata da classe olímpica. “A classe é realmente muito difícil, tem muito cara bom. Mas a gente tem certeza que tem condições de evoluir e a gente vem evoluindo a passos largos pra chegar lá entre os cinco primeiros. O próprio Mat Belcher, que vem ganhando os últimos mundiais em sequência, das sete regatas da flotilha ouro, emmais da metade nós montamos a primeira bóia na frente dele. Tecnicamente ninguém é imbatível. O que ele tem a mais é velocidade e isso dá uma tranquilidade tática. Isso é uma coisa que a gente tem que buscar aqui também, ter esse pouquinho a mais de velocidade pra ter uma tranquilidade tática”, argumenta.

Durante o Mundial, Torben Grael foi anunciado como coordenador da Equipe Brasileira de Vela. A dupla vê grandes possibilidades na escolha: “Com certeza o Torben é um cara diferenciado. Se ele for trabalhar direto com os atletas, se fizermos clínicas, se ele tiver a disponibilidade de ajudar em água para orientar os técnicos, vai ser sensacional para a Equipe Brasileira” diz o velejador.

A dupla planeja participar das etapas da Copa do Mundo de Vela neste e no próximo ano, no entanto depende de patrocínio para poder disputar a competição. “Num esporte como a vela muitas vezes não conseguimos mostrar para as empresas que o investimento em equipes como a nossa pode trazer grande retorno, como isenção de impostos, além do marketing. E a gente precisa desse incentivo para ser competitivo”, destaca. A dupla ainda agradece o apoio que tiveram para a participação no Europeu e Mundial. “Contamos com o apoio da Confederação Brasileira de Vela (CBVela) e do Comitê Olímpico Brasileiro (COB), que viabilizaram a participação no campeonato, ao Veleiros do Sul, que sem dúvida no Brasil é clube o que mais apoia o atleta da vela, desde a estrutura de treino, da palavra da comodoria e todo estímulo que a gente precisa, e também à Equinautic e ao Matracafé” conclui Geison.

Da assessoria do VDS

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan terminam o Mundial de 470 na 9ª colocação

Fernandinha e Ana ficaram em 9º lugar no MUndial de 470.

Fernandinha e Ana ficaram em 9º lugar no MUndial de 470.

Terminou no último sábado em La Rochele, na França, o Mundial de 470. O Brasil esteve bem representado, com quatro duplas. A melhor classificada foi Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, representantes olímpicas, que ficaram na 9a colocação geral. Ainda entre as meninas, Renata Decnop e Isabel Swan ficaram em 14o.

Os campeões sul-americanos de 470, Geison Mendes e Gustavo Thiesen, do Veleiros do Sul encerraram sua participação  conquistando 23º lugar na flotilha masculina. A dupla encerrou muito bem as finais, fazendo um oitavo lugar na última regata, posicionando-se entre as dez melhores equipes do mundo e mostrando que serão adversários fortes para as próximas competições internacionais.

Na flotilha prata, os gaúchos Fábio Pillar e Mathias Mellechi (CDJ) encerraram o campeonato em 43º, após fazerem uma grande participação vencendo uma regata e chegando em terceiro em uma das disputas de hoje.

Da assessoria

com vídeo: Brasileiras seguem entre as top 15 no Mundial de 470

A equipe feminina do Brasil segue entre as 15 melhores duplas do Mundial de 470 que está sendo disputado em La Rochelle, na França. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan ocupam a 9a colocação geral, enquanto Renata Decnop e Isabel Swan estão em 14o. As líderes são as neozelandesas Jo Aleh e Polly Powrie.

Entre os homens, Geison Mendes e Gustavo Thiesen subiram três posições e estão em 23o geral. Fabio Pillar e Mathias Melecchi não tiveram um bom dia e caíram para a 4a colocação da flotilha prata e ocupam a 43a colocação geral.

Brasil segue com bons resultados no Mundial de 470. Fernanda e Ana estão em 8º geral.

Renata e Bel disputam o primeiro Mundial juntas

Renata Decnop e Bel Swan disputam seu primeiro Mundial juntas.

As meninas do Brasil seguem entre as top 15 do Mundial de 470 que está rolando em La Rochelle, na França. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan são as melhores, na 8ª colocação. Na primeira regata do dia, as meninas tiveram um OCS e caíram de posição, mas seguem na briga por mais um título. Já Renata Decnop e Isabel Swan tiveram um dia inconstante, mas com bons resultados. Um sétimo lugar na segunda regata do dia coloca as meninas na 14ª colocação.

Já entre os meninos, Geison Mendes e Gustavo Thiesen também tiveram um dia inconstante e acabaram descartando o 32º somado na última regata do dia. Eles ocupam a 26ª colocação geral. Fabio Pillar e Mathias Melecchi estão em 40º geral e primeiro da flotilha prata.

 

Com vídeo: Brasileiros disputam a flotilha ouro no Mundial de 470

O terceiro dia de regatas do Mundial de 470 foi marcado pela divisão de flotilhas masculina e feminina em ouro e prata. Das quatro duplas que representam o Brasil, três estão entre os melhores classificados da competição.

Mais experiente, Fernanda Oliveira, que está pelo segundo ciclo olímpico consecutivo velejando com Ana Barbachan, ocupa a 5ª colocação geral, com direito a segundo lugar na segunda regata da série final. Renata Decnop, que está com a também muito experiente Isabel Swan, aparece em 13º.

Entre os meninos, Geison Mendes e Gustavo Thiesen seguem melhorando e nesta quarta-feira subiram para a 24ª colocação. Fabio Pillar e Mathias Melecchi aparecem em 41º geral e segundo na flotilha prata.

%d blogueiros gostam disto: