Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘49erFX’

Com a medalha de ouro do Mundial, Martine e Kahena desembarcam no Rio sob aplausos

A dupla de ouro no aeroporto

A dupla de ouro no aeroporto

Sorriso no rosto, medalha de ouro no peito e sensação de dever cumprido. Foi assim que as velejadoras brasileiras Martine Grael e Kahena Kunze, que no domingo conquistaram o título do Mundial de Vela em Santander, na Espanha, desembarcaram no Aeroporto Internacional do Galeão, no Rio de Janeiro, no final da tarde desta segunda-feira, 22/09. Após mais de 10 horas de voo, o avião que decolou de Madri pousou na capital carioca com as mais novas estrelas do esporte brasileiro.

Martine e Kahena foram recebidas com aplausos no saguão do aeroporto e retribuíram o carinho do público. Apesar do cansaço aparente, atenderam os jornalistas que registravam a chegada das campeãs e posaram para fotos.

“A ficha está caindo aos poucos. Vivemos dias maravilhosos na Espanha e percebemos uma torcida muito grande. O campeonato foi complicado, o vento não favoreceu, mas sabíamos que tínhamos condições de vencer e só pensamos nisso. É até difícil descrever a emoção que sentimos”, disse Kahena Kunze.

Ao faturar o Mundial, a dupla brasileira, que lidera o ranking Mundial da classe 49erFX, alcançou seu objetivo maior na temporada e comprovou o momento mágico na carreira. Este foi o sexto título de Martine e Kahena em 2014. As velejadoras também conquistaram as etapas de Hyères e Mallorca da Copa do Mundo de Vela da ISAF, a Semana Olímpica de Garda Trentino, a Copa Brasil de Vela e a medalha de ouro no Aquece Rio International Sailing Regatta, evento teste para os Jogos Olímpicos, em agosto, no Rio. Além disso, foram também vice-campeãs dos campeonatos norte-americano e europeu, além do quarto lugar na etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela.

“Nós sonhamos com esse momento e treinamos muito para que ele chegasse. Vamos aproveitar para comemorar agora, mas não podemos diminuir o ritmo, temos que manter o foco e a determinação, pois nossas adversárias são muito boas”, avalia Martine Grael, que, após a conquista histórica para a vela brasileira, terá um curto período de férias. As atletas só voltam a treinar em meados de outubro.

Martine Grael e Kahena Kunze começaram a competir juntas na 49erFX no final de 2012, quando a classe foi oficializada pela ISAF. Mas a parceria de sucesso começou em 2009, quando a dupla foi campeã mundial junior na classe 420.

Na primeira temporada pela nova classe olímpica, em 2013, Martine e Kahena foram vice-campeãs mundiais, vice-campeãs europeias, campeãs do norte-americano de vela, campeãs da etapa de Miami da Copa do Mundo de Vela e campeãs sul-americanas. Resultados que garantiram a liderança do ranking mundial da classe em novembro do ano passado. Desde então, a dupla brasileira reina absoluta no topo da classificação.

Da assessoria

Martine Grael e Kahena Kunze são campeãs mundiais de 49er FX

Dupla desembarca no aeroporto do Galeão, no Rio de Janeiro, amanhã às 17h15

O trio campeão mundial: Kahena, Martine e o técnico Javier Torres

O trio campeão mundial: Kahena, Martine e o técnico Javier Torres

É ouro! A dupla Martine Grael e Kahena Kunze venceu neste domingo em Santander, na Espanha, o Mundial de classes olímpicas promovido pela Confederação Internacional (Isaf). O título veio depois de 12 regatas e de uma medal race bastante disputada. As brasileiras entraram na água na segunda colocação, a apenas dois pontos das dinamarquesas Ida Nielsen e Marie Olsen. Em uma medal race, que tem pontuação dobrada, isto significa que a dupla que chegasse na frente ficaria com o título.

A regata começou com 1h30 de atraso por conta do vento fraco. As brasileiras optaram por largar próximo à Comissão de Regatas e defender o lado direito da raia, enquanto as dinamarquesas largaram mais no meio da linha. Nielsen e Olsen chegaram a montar a primeira e a segunda boia na frente das brasileiras, porém Martine e Kahena, que são líderes do ranking mundial, conseguiram se recuperar na terceira perna e só tiveram que administrar a vantagem

“Foi difícil, pois o vento estava bastante rondado, mas sabíamos tudo o que estávamos fazendo,”, disse Martine.

“Foi muito bom disputar esta regata com tanta gente torcendo por nós. Foi emocionante”, disse Kahena.

Este foi o primeiro título mundial da dupla, que se juntou para tentar a vaga para o Rio 2016. Nestes dois anos do ciclo olímpico, as meninas conquistaram diversos títulos internacionais, incluindo o Aquece Rio, evento que serviu como primeiro teste para as Olimpíadas, disputado na Marina da Glória, em agosto.

Robert Scheidt foi o melhor entre os homens: Robert Scheidt foi o melhor brasileiro no Mundial, terminando na quinta colocação da classe Laser Standard. Durante a fase final, ele foi desclassificado de uma das regatas por largar escapado o que o deixou fora da briga por medalhas.

“A desclassificação prejudicou bastante o resultado final, pois eu tive que somar um 20º lugar na regata seguinte e descartar esta bandeira preta. Foram 10 pontos a mais que podiam ter feito a diferença”, disse ele.

Resultados da equipe brasileira:

49er FX:

1.Martine Grael e Kahena Kunze

36. Juju Senfft e Gabriela Nicolino

 

49er:

30. Marco Grael e Gabriel Borges

56. Dante Bianchi e Thomas Low-beer

 

470M:

38. Geison Mendes e Gustavo Thiesen

48. Henrique Haddad e Bruno Bethlem

60. Tiago Brito e Andrei Kneipp

 

470F:

12. Renata Decnop e Isabel Swan

13. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan

 

Finn:

38. Jorge Zarif

 

Laser Standard:

5. Robert Scheidt

12. Bruno Fontes

69. Alex Veeren

 

Laser Radial:

29. Fernanda Decnop

64. Tina Boabaid

79. Odile Ginaid

 

Nacra 17:

44. Samuel Albrecht e Georgia Silva

48. João Bulhões e Juliana Mota

 

RS:XM:

15. Ricardo Winicki

43. Albert Carvalho

71. Gabriel Bastos

 

RS:XF:

14. Patricia Freitas

31. Bruna Martineli

 

Os resultados completos de cada regata e o acumulado podem ser vistos clicando aqui: http://bit.ly/1uzlQsO.

Em todo ciclo olímpico a Federação Internacional promove um evento mundial, que visa definir parte das vagas dos Jogos. Em 2007 ele foi realizado em Cascais, Portugal, e em 2011 em Perth, na Austrália. Para este ciclo a ideia foi adiantar o evento em um ano, dando mais tempo para que cada nação possa definir e treinar os seus representantes.

A delegação brasileira disputou o Mundial da Isaf com o apoio da CBVela, do COB e do Ministério do Esporte. A CBVela tem patrocínio oficial do Bradesco, apoio da Lei de Incentivo ao Esporte e conta com a Slam como fornecedora oficial.

 

Seis brasileiros disputam a medal race em Palma

Este slideshow necessita de JavaScript.

A equipe que está representando o Brasil no Trofeo Princesa Sofia, em Palma de Maiorca, é com certeza uma das mais fortes da história. Neste sábado, seis dos onze atletas disputarão a medal racel, em que estarão presentes apenas os dez melhores colocados.

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan fizeram uma campanha perfeita na classe 470. Ao vencerem duas regatas nesta sexta-feira, as gaúchas chegam na medal race na liderança, com dois pontos de vantagem sobre as inglesas Sophie Weguelin e Eilidh Mcintyre.

Quem também está na briga direta pelo ouro é Ricardo Winicki, o Bimba. Ele está na segunda colocação da RS:X, a apenas dois pontos do líder, o espanhol Ivan Pastor.

Na Laser Standard, um 41º na última regata da fase final fez com que Bruno Fontes também passasse para a medal race na segunda colocação. A diferença de pontos entre ele e o australiano Tom Burton é de 16 pontos.

Já as líderes do ranking mundial de 49er FX Martine Grael e Kahena Kunze caíram quatro posições e passam para a regata final na sexta posição, a 25 pontos das líderes, as dinamarquesas Ida Nielsen e Marie Olsen.

A medal race em Palma será diferente das outras já realizadas até agora. Como o objetivo da Isaf é testar novos formatos de competições, os velejadores disputarão duas regatas ao invés de uma. A pontuação continuará sendo dobrada, sem a opção de descarte. Outra novidade, que já está sendo testada desde o início do evento, é que o primeiro colocado ao invés de somar um ponto, não soma nenhum. Do segundo em diante a pontuação segue nomal.

Para os skiffs, no entanto, está sendo testado o formato estádio, com regatinhas curtinhas, de no máximo dez minutos de duração e com a raia delimitada. Os pontos da primeira fase somam na medal, que também tem uma pontuação diferenciada.

Os outros brasileiros na competição são: Matheus Dellagnelo, 35º na Laser Standard, André Fonseca e Francisco Andrade, Marco Grael e Gabriel Borges, 17º e 41º respectivamente na classe 49er, e Bruno Prada e Jorge Zarif, 25º e 36º na Finn.

%d blogueiros gostam disto: