Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Aquece Rio’

Parem as máquinas! Inverno quente no Rio com ouro brasuca de Martine e Kahena

No clique de Wander Roberto vemos nossas heroinas comemorando mais um título na 49erFX. Noterói ao fundo não é mera coincidência!

No clique de Wander Roberto vemos nossas heroinas comemorando mais um título na 49erFX. Noterói ao fundo não é mera coincidência!

 

Rio superaquece com ouro de Martine Kahena na 49erFX

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga, direto do covil carioca vamos direto às boas novas porque hoje tive a honra e o prazer de fazer a cerimônia de premiação do evento-teste de vela  Aquece Rio na classe 49erFX. Bem… Fiz de todas as outras também desde ontem e farei as de amanhã, mas nenhuma será tão boa quanto esta última de hoje. Saiba o porquê abaixo no “texticulo” de nosso amigo Felipinho Mendes…

Atuais campeãs mundiais na 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze seguem fazendo bonito na classe que vai estrear nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Nesta sexta-feira, elas não deram chances para as adversárias e conquistaram o bicampeonato do Aquece Rio Regata Internacional de Vela, evento-teste da Olimpíada.

“Velejamos muito bem no início do campeonato e no final tivemos dias desafiadores. Hoje conseguimos dar uma salvada no fim da regata e ganhar de novo. Na vela é muito difícil ter certeza de alguma coisa, um esporte muito inconstante. Na regata da medalha, arriscamos e as decisões tomadas se mostraram melhores”, disse Martine.

Martine e Kahena entraram na disputa da regata da medalha na segunda posição. Para ficar com o ouro, precisavam chegar cinco posições à frente das italianas Giulia Conti e Francesca Clapcich, então líderes. As brasileiras terminaram a regata decisiva na quarta posição, enquanto as rivais chegaram em último (décimo). Assim, Martine e Kahena somaram 52 pontos perdidos, contra 55 das adversárias, que ficaram com a prata. O bronze foi para as suecas Lisa Ericson e Hanna Klinga, com 60.

“Não largamos muito bem, foi complicado o início, com nossas adversárias nos marcando. Mas conseguimos manter a calma, tomamos boas decisões contra as suecas e no fim arriscamos um pouco e conseguimos um vento a mais para buscar os pontos que precisávamos para ganhar”, afirmou Kahena.

As brasileiras estão com um excelente histórico de medalhas na temporada. Em etapas da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF), elas somam um ouro em Weymouth, na Inglaterra; uma prata em Hyères, na França; e um bronze em Miami, nos Estados Unidos. Martine e Kahena ainda ganharam a prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Na Laser, Robert Scheidt terminou na quarta colocação na classificação geral. Na regata da medalha, o bicampeão olímpico chegou em segundo lugar, terminando a competição com 74 pontos perdidos. O ouro foi para o italiano Francesco Marrai, com 64, a prata para o francês Jean Baptiste Bernaz, com 70, e o bronze para o australiano Tom Burton, com 72.

“Foi uma semana um pouco inconstante da minha parte. Não que eu tenha velejado mal, mas no segundo dia tive duas regatas ruins. E na quinta-feira eu larguei escapado na primeira regata. Isso custou muito na pontuação”, disse Scheidt.

Na Laser Radial, Fernanda Decnop chegou em sétimo na regata da medalha, terminando em nono na classificação geral, com 96 pontos perdidos. O ouro foi para a esposa de Robert Scheidt, Gintare Scheidt, da Lituânia, com 51 pontos perdidos. A prata ficou com a belga Evi Van Acker, com 57, e  o bronze com a holandesa Marit Bouwmeester, com 69.

Regatas da medalha de sábado – Nesta sexta-feira, no último dia de disputa da fase de classificação da Finn, Jorge Zarif conseguiu a vaga na regata da medalha a ser realizada neste sábado (dia 22), a partir das 13h (de Brasília), no último dia do evento-teste. O brasileiro se classificou em nono, com 83 pontos perdidos. O líder é o holandês Pieter-Jan Postma, com 35.

Na 470 masculina e feminina, a Equipe Brasileira de Vela encerrou sua participação no evento-teste. Henrique Haddad e Bruno Bethlem terminaram em 17º, com 109 pontos perdidos. Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan ficaram em 12º, com 85 pontos perdidos.

Nas classes 49er e Nacra 17, o Brasil encerrou sua participação ontem. Na primeira, Marco Grael e Gabriel Borges ficaram em 13º, com 103 pontos perdidos. Na segunda, Samuel Albrecht e Isabel Swan terminaram em 15º, com 125. Ainda na quinta-feira, Ricardo Winicki, o Bimba, disputou a regata da medalha, terminando em sétimo na classificação geral. Na RS:X feminina, Patricia Freitas terminou a disputa na 11ª colocação.

Confira a classificação dos brasileiros:

RS:X masculina (após a regata da medalha):
1º – Aichen Wang (CHN): 23 pontos perdidos
2º – Byron Kokkalanis (GRE): 42 pontos perdidos
3º – Pierre Le Coq (FRA): 46 pontos perdidos
7º – Ricardo Winicki (BRA): 72 pontos perdidos

RS:X feminina (após a regata da medalha):
1ª – Charline Picon (FRA): 39 pontos perdidos
2ª – Malgorzata Bialecka (POL): 47 pontos perdidos
3ª – Blanca Manchon (ESP): 51 pontos perdidos
11ª – Patricia Freitas (BRA): 62 pontos perdidos

49erFX (após a regata da medalha):
1ª – Martine Grael e Kahena kunze (BRA): 52 pontos perdidos
2ª – Giulia Conti e Francesca Clapcich (ITA): 55 pontos perdidos
3ª – Lisa Ericson e Hanna Klinga (SUE): 60 pontos perdidos

49er (após a regata da medalha):
1º – Peter Burling e Blair Tuke (NZL): 29 pontos perdidos
2º – Nico Delle-Karth e Nikolaus Resch (AUT): 40 pontos perdidos
3º – Erik Heil e Thomas Ploessel (ALE): 60 pontos perdidos
13º – Marco Grael e Gabriel Borges (BRA): 103 pontos perdidos

Laser (após a regata da medalha):
1º – Francesco Marrai (ITA): 64 pontos perdidos
2º – Jean Baptiste Bernaz (FRA): 70 pontos perdidos
3º – Tom Burton (AUS): 72 pontos perdidos
4º – Robert Scheidt (BRA): 74 pontos perdidos

Laser Radial (após a regata da medalha):
1ª – Gintare Scheidt (LIT): 51 pontos perdidos
2ª – Evi Van Acker (BEL): 57 pontos perdidos
3ª – Marit Bouwmeester (HOL): 69 pontos perdidos
9ª – Fernanda Decnop (BRA): 96 pontos perdidos

Classes que terão as regatas da medalha amanhã:

Nacra 17 (após 11 regatas):
1º – Jason Waterhouse e Lisa Darmanin (AUS): 37 pontos perdidos
15º – Samuel Albrecht e Isabel Swan (BRA): 125 pontos perdidos

Finn (após dez regatas):
1º- Pieter-Jan Postma (HOL): 35 pontos perdidos
9º – Jorge Zarif (BRA): 83 pontos perdidos

470 feminina (após nove regatas):
1ª – Hannah Mills e Saskia Clark (GBR): 23 pontos perdidos
12ª – Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan (BRA): 85 pontos perdidos

470 masculina (após nove regatas):
1º – Sime Fantela e Igor Marenic (CRO): 34 pontos perdidos
17º – Henrique Haddad e Bruno Bethlem (BRA): 109 pontos perdidos

Murillo Novaes (Felipe Mendes)

 

Após o Aquece Rio, Bruno Fontes mira o Mundial em Santander

Quarto colocado no ranking mundial, Bruno Fontes participa do principal evento da temporada no mês de setembro

Durante duas semanas, o velejador Bruno Fontes competiu ao lado dos melhores competidores do mundo nas raias da Baía de Guanabara, sede dos Jogos Olímpicos de 2016. Os campeonatos Sudeste Brasileiro e o Aquece Rio International Regatta foram duas boas prévias do que Bruno terá pela frente nas próximas competições, entre eles o Mundial de Vela, no próximo mês, em Santander.

Principal competição do ano, o ISAF World Sailing Championship acontece entre os dias 08 e 21 de setembro, recebendo cerca de 1400 velejadores de 80 países, na competição que reúne todas as classes olímpicas de vela. “Com certeza essas duas semanas no Rio foram muito importantes para o restante da temporada. O principal objetivo da temporada é o Campeonato Mundial, onde espero obter um grande resultado. Meu foco é buscar uma medalha”, explica Bruno.

Os principais adversários de Bruno no Mundial estiveram no Rio durante os últimos dias, mas ao longo do ano os velejadores costumam se encontrar nas etapas de Copa do Mundo e Circuito Mundial. Como sempre, o nível da Classe Laser Standard é um dos mais fortes e a briga pelo título promete ser bem equilibrada.

Sobre sua passagem pelo Rio, Bruno fez uma reflexão. “Estamos há dois anos das Olimpíadas e ainda tem muita coisa pela frente. O nível do Evento-Teste foi bom e eu esperava um resultado melhor da minha parte. Queria ter brigado mais na frente, mas competição é isso mesmo. O importante é estar sempre competitivo e crescendo a cada evento”, encerrou Bruno.

O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Unimed, CBVela, Marinha do Brasil, Governo do Estado do Paraná e AGE do Brasil e conta com o apoio do COB – Comitê Olímpico Brasileiro e Vita Essência.

Para mais informações sobre Bruno Fontes acesse o site doatletawww.brunofontes.com

Da assessoria

Martine Grael e Kahena Kunze são ouro no Aquece Rio

Na medal race da Finn, Jorginho Zarif quebrou e fechou o evento na quarta colocação

Fred Hoffmann registrou as campeãs com o team leader Torben Grael

Fred Hoffmann registrou as campeãs com o team leader Torben Grael

O segundo dia de medal races do Aquece Rio International Regatta foi mais do que positivo para o Brasil. A dupla líder do ranking mundial Martine Grael e Kahena Kunze somou oito pontos nas duas medal races da classe 49er FX e venceu a competição com seis pontos de vantagem sobre as neozelandesas Alex Maloney e Molly Meech, segundas colocadas.

“Hoje foi difícil porque as regatas estavam perto da areia e o vento tava rondado o tempo todo. Principalmente essa última regata, que foi de recuperação para gente. É sempre bom ganhar em casa, com a família e todos os amigos torcendo. Eu adoro! Mas a classe é muito nova, tá evoluindo a cada competição e até a Olimpíada muita coisa pode mudar”, contou Martine Grael.

Quem também venceu foram as meninas do 470 Renata Decnop e Isabel Swan. A classe esperou o vento por mais de três horas e no final conseguiu fazer apenas uma das três regatas programadas para o dia, fechando a fase classificatória com sete regatas. “Foi um dia longo já que o vento demorou a chegar na raia da Ponte. Quando entrou, nós conseguimos velejar bem e montamos a primeira boia já em primeiro e administramos até o final”, disse Isabel.

Já Robert Scheidt venceu a primeira regata do dia e foi 7º na segunda, assumindo a terceira colocação geral da Laser. Ele chega na medal race neste sábado ainda na briga pelo ouro.

Na Finn, que chegou ao final nesta sexta-feira, a medalha de bronze escapou por pouco das mãos de Jorge Zarif. O jovem talento quebrou a cana de leme quando estava na segunda colocação na medal race e finalizou o evento no quarto lugar.

Na 49er, Marco Grael e Gabriel Borges somaram oito, nove e sete nas medal races e finalizaram sua participação no evento na nona colocação geral.

Os resultados completos podem ser vistos no site http://www.aquecerio.com.

Para este sábado estão programadas as medal races das classes 470 masculino e feminino, Laser Radial e Laser Standard. As largadas estão previstas para as 13h. Novamente as raias serão montadas próximas à praia do Flamengo.

Os atletas brasileiros disputam o Aquece Rio International Regatta com o apoio da Confederação Brasileira de Vela e do COB. A CBVela tem o patrocínio do Bradesco e apoio da Slam.

 

Brasil encerra participação no Aquece Rio com oito barcos entre os dez melhores

Time canarinho foi o quarto colocado no ranking geral de países

IMG_1878_3000x1715

Terminou neste sábado na Marina da Glória o Aquece Rio International Sailing Regatta, primeiro evento teste para as Olimpíadas Rio 2016. Foram sete dias de competições para as dez classes olímpicas. O Brasil obteve bons resultados, com sete barcos entre os top 10. O melhor resultado foi de Martine Grael e Kahena Kunze na classe 49er FX. A dupla líder do ranking mundial subiu mais uma vez no lugar mais alto do pódio.

Neste sábado foram realizadas as últimas medal races, das classes Laser Radial, Laser Standard, 470 masculino e feminino. O Brasil esteve na água com Robert Scheidt, na Standard, e com Renata Decnop e Isabel Swan e Fernanda Oliveira e Ana Barbachan na 470.

O dia começou com uma garoa fina e sem vento Os velejadores chegaram a esperar mais de uma hora antes de irem para a água, quando finalmente o vento entrou, bastante fraco.

A primeira medal race do dia foi a do Laser Standard. Robert Scheidt começou bem, porém foi penalizado e acabou a regata na oitava colocação. O resultado o deixou em quarto lugar, a 3,2 pontos do terceiro. O campeão do Aquece Rio foi o australiano Tom Burton.

“Pra mim foi um campeonato de altos e baixos, os primeiros dias foram um pouco irregulares, depois consegui melhorar. Hoje eu tive um bom início de prova, mas cometi um erro grande no primeiro popa que me colocou em uma situação bem difícil na regata. Eu consegui me recuperar, mas acabei na quarta colocação geral. Fiquei um pouco decepcionado, mas tiro boas lições da competição”, disse Robert.

Na medal race de 470, o Brasil esteve representado por duas duplas: Renata Decnop/Isabel Swan e Fernanda Oliveira/Ana Barbachan. Com ventinho bastante fraco, as gaúchas Fernanda e Ana acabaram na segunda colocação, enquanto Renata e Isabel foram penalizadas na largada e acabaram em oitavo.

O Brasil não teve representantes nas medal races de Laser Radial e 470 masculino.

CBVela anuncia critério de seleção para equipe olímpica – Após as premiações das regatas do dia, a CBVela promoveu uma coletiva de imprensa para apresentar os critérios de seleção da equipe que vai disputar os Jogos do Rio 2016.

Os 15 atletas, das dez classes olímpicas, entrarão no time por indicação do Conselho Técnico da Vela – CTV. Todos os velejadores que estão em campanha olímpica estão sendo avaliados desde janeiro, quando foi realizada em Niterói a Copa Brasil de Vela. Serão considerados os principais campeonatos nacionais e internacionais, incluindo etapas da Copa do Mundo, os Mundiais das classes, a Copa Brasil de Vela e o Evento Teste.

“Esta foi uma semana excelente, de ótimos resultados, de união e formação da equipe. Certamente foi mais um passo rumo à 2016”, disse Marco Aurélio de Sá Ribeiro, presidente da CBVela.

Resultado final da equipe brasileira:

FX
1. Martine Grael e Kahena Kunze, 18 pontos perdidos *
10. Juliana Senfft e Gabriela Nicolino, 62 pp *

49er
9. Marco Grael e Gabriel Borges, 72 pp *
14. Dante Bianchi e Thomas Lowbeer, 72 pp

Laser
4. Robert Scheidt, 51 pp
12. Bruno Fontes, 68 pp

Radial
19. Maria Cristina Boabaid, 113 pp
24. Fernanda Decnop, 133 pp

Finn
4. Jorge Zarif, 63 pp *
17. Bruno Prada, 130 pp

RS:X M
6. Ricardo Santos, 67 pp *
20. Albert Carvalho, 124pp

RS:X W

7. Patricia Freitas, 61 pp *
19. Bruna Martinelli, 125 pp

470 W
5. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, 41 pp
6. Renata Decnop e Isabel Swan, 48 pp

470 M
14. Henrique Haddad e Bruno Bethlem, 73 pp
20. Geison Mendes e Gustavo Thiessen, 94 pp

Nacra
13. Samuel Albrecht e Geórgia Rodrigues, 76 pp
16. Clinio de Freitas e Claudia Swan, 100 pp

* Os nomes marcados com * disputaram a medal race, regata em que participam apenas os dez primeiros e que tem pontuação dobrada.

Os atletas brasileiros disputaram o Aquece Rio International Regatta com o apoio da Confederação Brasileira de Vela e do COB. A CBVela tem o patrocínio do Bradesco e apoio da Slam.

 

Time Brasileiro finaliza o terceiro dia do Evento Teste entre os cinco melhores em quatro classes

O dia foi de vento rondado e muita onda, mas a equipe brasileira conseguiu se adaptar e conquistar ótimos resultados

Geison e Gustavo dando um largadão na boia da raia de Copacabana

Geison e Gustavo dando um largadão na boia da raia de Copacabana

Diferente desta segunda-feira quando o vento não apareceu, nesta terça finalmente os velejadores das dez classes olímpicas puderam ir para a água para a disputa do Aquece Rio International Sailing Regatta. E o time brasileiro segue conquistando bons resultados, com um primeiro, um segundo, um quarto e um quinto lugares.

Líderes do ranking mundial da classe 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze confirmaram o favoritismo e somaram dois primeiros e dois segundos para garantir a liderança da classe neste primeiro dia de regatas. “O dia foi muito difícil, pois o vento estava muito rondado, mudando de direção toda hora e quando isso acontece é importante manter uma média e não ter nenhuma regata ruim. Nosso dia foi excelente e estamos bastante satisfeitas com o resultado”, disse a timoneira Martine, que velejou na raia do Pão de Açúcar.

Na Finn, que velejou na Ponte, Jorginho Zarif não foi tão bem na primeira regata do dia, mas o quinto lugar na segunda fez com que ele terminasse o dia na segunda colocação. “O vento estava rondando muito e tinham alguns buracos de vento na raia. Quando entrou o vento sul as coisas melhoraram”, disse ele.

A classe RS:X velejou na raia da Escola Naval com vento de até 15 nós. O problema é que ele não se decidiu de qual direção entrar e complicou a vida dos velejadores. “O vento sudoeste que deu hoje é muito difícil de prever o que vai acontecer, mas até que eu me saí bem. A menina que estava em segundo foi muito mal e a primeira também não teve uma média muito boa. Na primeira regata o vento estava bom, fizemos a regata inteira planando. Já a segunda foi uma das regatas mais loucas que eu já fiz. Da quarta colocada até a 14ª tinha menos de 20 metros, então qualquer uma que conseguisse pegar uma rajadinha, passava. A terceira teve vento um pouco mais constante, mas ainda assim meio louco”, disse ela, que representou o país em Pequim e Londres.

Na classe 470, a dupla Renata Decnop e Isabel Swan teve um dia muito bom e com o terceiro lugar na terceira regata do dia voltou pra casa na quinta colocação. Tanto o 470 masculino e feminino, quanto o Laser Radial e o Laser Standard velejaram nas raias de fora da baía e sofreram com as ondas. “O dia que parecia não ser muito promissor por conta da chuva, acabou ficando ótimo. Tivemos alguns probleminhas a bordo, como a quebra da catraca da vela mestra, mas fomos na raça e conseguimos nos segurar. As largadas foram boas e estamos cumprindo o nosso objetivo que é brigar pelo top 5”, disse a timoneira Renata.

A previsão é que para esta quarta-feira o programa seja o mesmo, com regatas começando às 11h30. Os resultados oficiais podem ser acompanhados no site www.aquecerio.com. Por conta de protestos, até o começo da noite o resultado da classe Laser Standard ainda não havia sido publicado.

Os atletas brasileiros disputam o Aquece Rio International Regatta com o apoio da Confederação Brasileira de Vela e do COB. A CBVela tem o patrocínio do Bradesco e apoio da Slam.

 

Após etapas do Circuito Mundial, Bruno Fontes tem como meta Evento Teste para os Jogos Olímpicos

“Aquece Rio” reunirá os melhores velejadores do mundo na raia da Baía de Guanabara, palco dos Jogos Olímpicos de 2016, no mês de agosto
Florianópolis (SC) – 27/06/2014 – De volta ao Brasil após conquistar a medalha de prata na etapa do Circuito Mundial de Vela em Long Beach, na Califórnia, o velejador Bruno Fontes já retomou os treinamentos visando o “Aquece Rio”, evento teste para os Jogos Olímpicos de 2016, que acontecerá em Agosto, na Baía de Guanabara (RJ).

“Após um bom resultado nos Estados Unidos eu permaneci por lá treinando com os atletas da equipe americana durante mais oito dias. Foi um período bom, onde consegui melhorar muitos aspectos e treinar pontos importantes que precisavam ser aperfeiçoados. Além disso, sempre é bom treinar ao lado de velejadores que são nossos adversários nas competições, pois ajuda a melhorar ainda mais o nível”, resume Bruno.

O “Aquece Rio” será a primeira competição reunindo boa parte dos velejadores que disputarão as Olimpíadas, servindo como reconhecimento da raia para os competidores. Apenas dois atletas por país podem participar das disputas e os principais atletas do mundo das classes olímpicas são esperados no Rio de Janeiro.

Quarto colocado no ranking mundial (em atualização divulgada antes das disputas da etapa americana do circuito mundial de vela), Bruno Fontes vem de um ano com resultados bastante consistentes. Além da prata nos EUA, o velejador conquistou um quinto lugar em Miami, sétimo em Garda (Itália) e um oitavo Hyères (França).

“O ano tem sido muito bom até o momento. Os resultados estão aparecendo, mas é muito importante mantes sempre a exigência nos treinamentos para que o ritmo não caia. O principal objetivo deste ano é o Mundial em Santander (Espanha). Quero chegar no meu melhor nível em setembro para brigar de igual para igual por uma medalha com os adversários”, finaliza.

O velejador Bruno Fontes tem os patrocínios da Unimed, CBVela, Marinha do Brasil, Governo do Estado do Paraná e AGE do Brasil e conta com o apoio do do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Da assessoria

%d blogueiros gostam disto: