Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘CBVela’

Ouro, prata e bronze! Brasil fecha ótima campanha na etapa de Miami da World Sailing Cup

Fernandinha e Ana começaram 2019 em alto nível. ©JESUS RENEDO/SAILING ENERGY/WORLD SAILING.

3, 2, 1… O ano de 2019 começou com um ótimo resultado para a Equipe Brasileira de Vela. Neste domingo, dia 3, Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan conquistaram a medalha de bronze na classe 470 feminina, na etapa de Miami da Copa do Mundo da World Sailing (Federação Internacional de Vela). Assim, o país fechou a primeira grande competição do calendário com três pódios. 

No sábado, Martine Grael e Kahena Kunze foram ouro na 49erFX, e Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino ganharam a prata, a primeira medalha do Brasil na história da Nacra 17. 

Na 470 feminina, após uma semana consistente no top 10 da classificação, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan entraram na regata da medalha deste domingo na quarta colocação no geral. Velejando em ventos fracos, as brasileiras se mantiveram o tempo todo no pelotão da frente. Na descida do último popa, consolidaram a segunda posição na prova, suficiente para garantir um lugar no pódio, com 64 pontos perdidos, um ponto à frente da atual campeã olímpica, a britânica Hannah Mills, que ficou em quarto ao lado de Eilidh McIntyre.

A próxima competição de classes olímpicas do calendário é o Troféu Princesa Sofia, a partir de 29 de março, em Palma de Maiorca, na Espanha.

RESULTADOS COMPLETOS DO BRASIL NA COPA DO MUNDO DE MIAMI:

Sempre elas!! Martine e Kahena vieram crescendo ao longo da semana e… ganharam! Mais um ouro para a dupla. ©JESUS RENEDO/SAILING ENERGY/WORLD SAILING.

49er FX

1 – Martine Grael e Kahena Kunze (BRA), 58 pontos perdidos

2 – Alexandra Maloney/ Molly Meech (NZL), 60 p.p.

3 – Chalotte Dobson/ Saskia Tiden (GBR), 63 p.p.

Samuca Albrecht e Gabi Nicolino foram vice campeões em Miami. ©JESÚS RENEDO/SAILING ENERGY/AARHUS 2018.

Nacra 17

1 – Jason Waterhouse/ Lisa Darmanin (AUS), 50 p.p.

2 – Samuel Albrecht e Gabriela Nicolino (BRA), 58 p.p.

3 – Santiago Lange/ Cecilia Carranza Saroli (ARG), 72 p.p.

470 feminina

1 – Frederika Loewe/ Anna Markfort (ALE), 60 p.p.

2 – Fabienne Oster/ Anastasiya Winkel (ALE), 62 p.p.

3 – Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan (BRA), 64 p.p.

Finn

13 – Jorge Zarif, 76 p.p.

Laser Radial

21 – Gabriela Kidd, 215 p.p.

49er

23 – Marco Grael/ Gabriel Borges, 174 p.p.

RS:X feminina

29 – Bruna Martinelli, 169 p.p.

Laser

56 – João Pedro Souto de Oliveira, 170 p.p.

Mais informações sobre a etapa de Miami da Copa do Mundo:
http://miami.ussailing.org/

Resultados completos: http://sailing.org/worldcup/results/index.php

Tiago Campante/CBVela

Mande seus resultados para o Anuário Brasileiro de Vela. Compre, divulgue, apoie!

FB-testeira-Anu-01

Bom dia querido amigo e mais que querida amiga, sei que os tempos políticos e econômicos andam sombrios e que estamos todos assoberbados com a avalanche de informações de toda ordem que nos chegam. Mas a vida continua. E é possível realizar coisas boas. Maior prova disso foi o lançamento, na segunda de manhã, do Itajaí Sailing Team, uma iniciativa louvável sob a batuta do competente Alexandres Santos e com o  comando do nosso amigo, super fera das águas, Marcelo Gusmão. Coisa profissa que visa ter um time brasucas na Cape to Rio 2019. Sucesso e bons ventos!!

Voltando ao que é possível fazer falo mais uma vez do nosso anuário. E quando digo nosso é nosso mesmo!! Sem plural majestático. Porque a ideia por trás dele é dar à comunidade da vela do Brasil uma publicação de alto nível e que reúna, em um só lugar, tudo que mais nos interessa e anima. Por isso, peço novamente a todos que participem. Principalmente com as informações. Por favor, envie, seus resultados, fotos (em alta resolução), dicas de prestadores de serviços, sugestões e tudo mais que quiserem ver publicado para anuario@anuariobrasileirodevela.com

E, claro, não deixe de clicar em www.anuariobrasileirodevela.com.br e comprar seu exemplar. Vamos fechar a edição no princípio de abril e precisamos da participação de todos!! Você é parte desta tripula também! Mande suas informações, compre, divulgue, apoie!!

Murillo Novaes

Anuário Brasileiro de Vela, o resumão dos resumões em um livrão bacanão.

FB-testeira-Anu-01

 

capa_anu3

Olá querido amigo e mais que querida amiga, eis que estamos nós novamente aqui, neste internáutico espaço, evocando mais uma vez a sua boa vontade, alegria, tesão, camaradagem e participação na comunidade da vela nacional.

O lance é o seguinte: eu e Diego, da finada revista Velejar, estamos lançando o Anuário Brasileiro de Vela, uma “bíblia” super premium, de 256 páginas de luxo, com todos os resultados de eventos de vela (os principais internacionais e todos os nacionais) de 2015 e de 2016 (até o fechamento, final de março), fotos, ilustrações, mapas, principais publicações, fotógrafos, equipes, sites, todas súmulas e um diretório de prestadores de serviço, além de duas matérias hiperespeciais sobre o Rio2016, olímpico e paralímpico, e sobre a incrível revolução dos fólios que estão fazendo, literalmente, todos os veleiros voarem hoje em dia. Tudo claro, limpo, completo e tudo lindo!

Com o suporte mais que especial do nosso querido amigo Eduardo Souza Ramos, e sua sempre presente na vela Mitsubishi Motors, que patrocina a empreita toda, e o apoio das principais entidades da vela nacional, começando por CBVela e CBVA e indo pela ABVO, ABVClass, ABVC, federações estaduais, clubes, classes e indivíduos-chave em nosso mundinho eólico (a lista de amigos seria muito grande para citar aqui, mas valeu pela força a cada um de vocês!), o anuário só vai ser sucesso mínimo (para este manza investidor incansável na informação vélica de alto nível) se vender, ao menos, 2500 exemplares. Daí meu apelo sincero a você e todos os velejadores e simpatizantes de todo o território nacional e lusofonia! Compre, divulgue, dê de presente!

Isso não é um crowdfunding (ou cow-funding, a famosa vaquinha) porque vamos lançar de qualquer jeito na segunda semana de abril. No entanto, se não rolar as vendas, no volume mínimo supra citado, a vaquinha que vai pro brejo é a nossa!… Help!!

No site www.anuariobrasileirodevela.com.br vamos informar os amigos quantos exemplares já foram comercializados (prometo atualizar sempre que possível) e espero que consigamos nosso objetivo. O preço é R$ 72,00 (dá pra dividir em até 18x no cartão, no PagSeguro) e para compras em volume temos descontos, claro. Para quem quiser doar para projetos sociais de vela, temos 500 exemplares reservados e nossos companheiros de baixa renda e alta vontade também poderão exibir seus lustrosos exemplares do livrão-resumão de sua paixão. Se a crise não te pegou de jeito, compre e doe! Vai ser legal!

Para os clubes, como a FEVESP está fazendo com seus filiados (valeu demais John Bennett, incentivador desde o início), temos um pacotinho super especial também. Consulte!! E para os anunciantes (se quiser ter uma ideia do visual baixe o leiaute em PDF, tudo fictício, apenas um boneco mesmo, na página “anunciantes” do site) e junte-se a marcas de prestígio como North Sails, Harken, B&G, Bavaria, Jeanneau, Skipper, Holos, Regatta, etc. que já garantiram seu lugar!

Conteúdo – Para todo e qualquer velejador, clube, rali de cruzeiro, prestador de serviços para veleiros e afins, associação, entidade, etc. que queira ter seu material publicado é só entrar em contato conosco que é totalmente de graça e será um imenso prazer! Faço também um apelo para que divulguem para TODOS para que tenhamos as súmulas, fotos, campeões, informações, participantes e tudo mais do maior número de eventos de vela (grandes ou pequenos) do Brasil em 2015 e princípio de 2016. Divulguem e mande seus resultados para resultados@anuariobrasileirodevela.com.br

Enfim, a sorte está lançada! Conto pessoalmente com o seu carinho, prestígio e trabalho em prol da vela brasileira que, mais que nunca, merece e precisa ter um veículo (nem que seja anual) de alto nível para nos representar e informar.

Espero que todos sejam tripulantes deste imenso barco e que nosso, agora, contravento apertado ronde para um través mais folgado com a ajuda de todos. O Anuário Brasileiro de Vela é seu! É nosso e é de todos os amantes da vela no Brasil! Clique www.anuaariobrasileirodevela.com.br e compre, informe, divulgue e apoie!

Obrigado! Bons ventos!

Murillo Novaes

Pan, Pan, Pan, Pan!! É hoje! Começam as finais em Toronto!

Na foto de Bruno Miani, Zibimba evolui ontem rumo a mais um ouro pan-americano. Duca!!

Na foto de Bruno Miani, Zibimba evolui ontem rumo a mais um ouro pan-americano. Duca!!

BIMBA CHEGA À REGATA DA MEDALHA DOS JOGOS PAN-AMERICANOS MUITO PERTO DO OURO

Neste sábado, velejador da RS:X só precisa completar a prova para ser tetracampeão consecutivo. Brasil briga por medalhas em outras sete classes.

Como nosso amigo Felipinho resolveu trabalhar ontem, fico à vontade para dar o copia e cola no release dele porque aqui na brastislávica terra da mãe do meu vindouro filhote navegador o calor é senegalês hoje e a preguiça baiana. E mais tarde começam as primeiras regatas da medalaha (a partir de 12:35, em Brasília). Hoje tem as finais das classes X (RS:X masc e fem e 49erFX) e dos Laseres (Radial e Std.). Se liga!!

Ricardo Winicki, o Bimba, está muito próximo do tetracampeonato consecutivo nos Jogos Pan-Americanos. Neste sábado (dia 18), a partir de 12h35 (de Brasília), em Toronto, no Canadá, o velejador só precisa completar a regata da medalha da classe RS:X masculina para subir no topo do pódio. A Equipe Brasileira Vela ainda brigará por medalhas em mais sete classes: neste sábado na Laser, Laser Radial, RS:X feminina e 49erFX. No domingo (dia 19), na Lightning, Sunfish e Hobie Cat 16. Na J24 não há mais chances. Na Snipe, o Brasil não disputará a regata da medalha.

“A comemoração vai ser só amanhã. Ainda tenho a regata da medalha. Nem sabia dos números quando cheguei aqui. Velejo para mim e para os que me apoiam. Este não é o meu último Pan. Posso estar de cheio de cabelo branco, mas enquanto eu tive muque, for o número um do Brasil e estiver entre os dez do mundo como acontece há dez anos vou seguir competindo”, disse Bimba, campeão dos Jogos em Santo Domingo-2003, Rio-2007 e Guadalajara-2011.

Nesta sexta-feira (17), em mais um dia de ventos fracos no Lago Ontário, Bimba obteve dois segundos lugares e um quarto, este último descartado como pior resultado. Com 19 pontos perdidos, ele não tem mais como ser superado pelo mexicano David Mier Y Teran, que soma 29. A regata da medalha terá cinco barcos, com pontuação dobrada. Na pior das hipóteses, se chegar em quinto lugar, Bimba alcançará 29 pontos, enquanto o rival, se vencer a prova, ficará com 31.

Quem também está na liderança é Patricia Freitas, na RS:X feminina. Ela chega à regata da medalha com grandes chances de subir no topo do pódio. Robert Scheidt, na Laser, Fernanda Decnop, na Laser Radial, e Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX, ocupam a segunda colocação. João Hackerott, na Sunfish, e o trio da Lightning (Claudio Biekarck, Gunnar Ficker e Maria Hackerott) estão em terceiro. Na Hobie Cat 16, Claudio Luiz Junior e Bruno Reis de Oliveira estão em sexto, mas podem brigar pelo bronze.

“O resultado está dentro do esperado diante das condições de vento fraco que se apresentaram durante a semana. Se a situação fosse um pouco mais variável, com dias de ventos fortes e fracos, poderia ter sido melhor. Com vento fraco praticamente todos os dias, a competição fica nivelada”, afirmou o Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael.

Em 15 participações nos Jogos Pan-Americanos, a Equipe Brasileira de Vela soma 70 medalhas. São 32 de ouro, 23 de prata e 15 de bronze.

Confira os resultados dos brasileiros:

RS:X MASCULINA (após 13 regatas):

1 – Ricardo Winicki (BRA): 19 pontos perdidos

2 – David Mier Y Teran (MEX): 29

3 – Mariano Reutemann (ARG): 31

RS:X FEMININA (após 13 regatas):

1 – Patricia Freitas (BRA): 15

2 – Demita Veja (MEX): 20

3 – Marion Lepert (EUA): 44

LASER RADIAL (após 12 regatas):

1 – Paige Railey (EUA): 42

2 – Fernanda Decnop (BRA): 52

3 – Lucia Falasca (ARG): 56

LASER (após 12 regatas):

1 – Juan Maegli Aguero (GUA): 33

2 – Robert Scheidt (BRA): 37

3 – Lee Parkhill (CAN): 41

49ERFX (após 16 regatas):

1 – Victoria Travascio e Maria Branz (ARG): 28

2 – Martine Grael e Kahena Kunze (BRA): 39

3 – Paris Henken e Helena Scutt (EUA): 41

SUNFISH (após 12 regatas):

1 – Luke Ramsay (CAN):35

2 – Jonathan Mawyin (EQU): 37

3 – João Hackerott (BRA): 44

LIGHTNING (após 12 regatas):

1 – Argentina: 21

2 – EUA: 31

3 – Brasil: 33

HOBIE CAT 16 (após 12 regatas):

1 – Jason Castillo e Irene Van Blerk (GUA): 26

2 – Mark Modderman e Grace Modderman (EUA): 33

3 – Enrique Figueroa e Franchesca Ortega (PUR): 42

6 – Claudio Luiz Junior e Bruno dos Reis Oliveira (BRA): 46

J24 (após 12 regatas):

1 – Argentina: 21

2 – Canadá: 31

3 – Chile: 34

5 – Brasil: 45

SNIPE (após 12 regatas):

1 – Raul Andres de Choudens e Fernando Pacheco (PUR): 18

2 – Luis Soubie e Diego Lipszyc (ARG): 30

3 – Augie Diaz e Kathleen Tocke (EUA): 36

6 – Alexandre Paradeda e Geórgia Rodrigues (BRA): 64

Fui!!

Murillo Novaes (Felipe Mendes/InPress MediaGuide)

 

Mundial de Vela: Martine Grael e Kahena Kunze assumem a vice-liderança da competição

Classe 470 fica fora da medal race

Renata e Bel, a melhor dupla brasileira do 470

Renata e Bel, a melhor dupla brasileira do 470

Nesta sexta-feira a classe 49er FX realizou as primeiras regatas da flotilha ouro no Mundial de Vela da Federação Internacional (Isaf), que está sendo disputado na Espanha e a dupla Martine Grael e Kahena Kunze assumiu a segunda colocação, dez pontos atrás das dinamarquesas Ida Marie Nielsen e Marie Olsen, líderes da competição.

“Foi um dia longo! Tivemos quatro regatas. Começamos o dia super bem, com um segundo e um primeiro lugar, quando o vento estava mais estável e forte. Na terceira regata vínhamos bem, mas acabamos virando ao montar a primeira boia, mas mesmo assim ainda conseguimos recuperar algumas posições. Na quarta regata do dia o vento já diminuiu e estava bem inconstante. Foi um tiroteio de rajadas. Estamos contentes, pois sabemos que fizemos o nosso melhor”

Pelo segundo dia consecutivo o vento colaborou para a realização do programa completo e as meninas puderam correr quatro regatas. A ideia é fazer mais três neste sábado e definir quem serão as dez duplas na disputa da medal race no domingo. Diferente das outras classes, que correm uma regata com pontuação dobrada, a 49er corre três regatas bem curtinhas, com área delimitada por boias e pontuação normal.

Brasil fica fora da Medal Race de 470: As regatas da classe 470 chegaram ao fim nesta sexta-feira e infelizmente nenhuma dupla brasileira se classificou para a medal race, que vai ser disputada neste sábado. Entre as meninas, as niteroienses Renata Decnop e Isabel Swan foram as melhores colocadas, encerrando sua participação na 12ª colocação com direito a vencer a penúltima regata da série. As gaúchas Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, que passaram boa parte da competição entre as dez melhores, acabaram em 13º, com a mesma pontuação de Renata e Isabel.

“Não alcançamos a nossa meta, que era disputar a medal race, mas fizemos ótimas regatas que nos mostraram que estamos evoluindo bastante. A raia era muito complicada e cometemos alguns erros que nos custaram caro. Mas saímos satisfeitas em saber que velejamos em alto nível e que, se fosse necessário, teríamos classificado o Brasil para as Olimpíadas”, disse Renata. Vale lembrar que o país já possui vaga nas dez classes nos Jogos do Rio 2016.

Entre os homens, os melhores colocados foram Geison Mendes e Gustavo Thiesen, na 38ª colocação. Henrique Haddad e Bruno Bethlem ficaram em 48º, enquanto Tiago Brito e Andrei Kneipp ficaram em 60º.

Seis classes já definiram os representantes no Rio 2016: Com a competição chegando o fim, as classes Laser Radial, Laser Standard, RS:X masculino e feminino e 470 já definiram metade das vagas para os Jogos do Rio 2016.  A outra metade virá dos campeonatos mundiais de 2015 e de competições continentais.O Brasil já está classificado em todas e só precisa definir quem será o atleta em cada classe.

Confira os classificados em cada classe:

Laser Radial: Bielorússia, Bélgica, Canadá, China, Croácia, República Tcheca, Dinamarca, Finlândia, França, Inglaterra, Irlanda, Itália, Lituânia, Holanda, Nova Zêlandia, Noruega, Cingapura, Suécia e Estados Unidos

Laser Standard: Austrália, Bélgica, Canadá, Croácia, Chipre, Dinamarca, Finlândia, França, Irlanda, Itália, Alemanha, Guatemala, Inglaterra, Holanda, Nova Zelândia, Noruega, Cingapura, Suécia, Polônia, Portugal, Tunísia, EUA e Ilhas Virgens Americanas.

RS:X feminino: China, Espanha, Estônia, Finlândia, Frabça, Inglaterra, Israel, Itália, México, Holanda, Nova Zelândia, Polônia e Rússia.

RS:X masculino: Argentina, Chipre, Dinamarca, Espanha, França, Inglaterra, Grécia, Israel, Itália, Japão, Lituânia, Holanda, Noruega, Nova Zelândia, Polônia, China e Rússia.

470 feminino: Áustria, China, França, Inglaterra, Japão, Nova Zelândia, Rússia, Eslovênia e EUA.

470 masculino: Austrália, Áustria, Croácia, Espanha, França, Inglaterra, Grécia, Japão, Nova Zelândia, Rússia, Suíça, Suécia e EUA.

Os resultados completos de cada regata e o acumulado podem ser vistos clicando aqui: http://bit.ly/1uzlQsO.

Quem quiser, poderá acompanhar as regatas ao vivo através do blog da Isaf. Além disso, durante as regatas finais, será possível acompanhar os barcos através de tracking 2D (http://bit.ly/1p3FCHe)  e 3D (http://bit.ly/1COkgrT) e torcer para a equipe brasileira.

Em todo ciclo olímpico a Federação Internacional promove um evento mundial, que visa definir parte das vagas dos Jogos. Em 2007 ele foi realizado em Cascais, Portugal, e em 2011 em Perth, na Austrália. Para este ciclo a ideia foi adiantar o evento em um ano, dando mais tempo para que cada nação possa definir e treinar os seus representantes.

 

CBVela e COB apresentam equipe que disputará Evento Teste da Olimpíada

Competição começa no próximo dia 2 de agosto na Marina da Glória

Fred Hoffmann estava lá com a equipe brasileira

Fred Hoffmann estava lá com a equipe brasileira

A Confederação Brasileira de Vela (CBVela) e o Comitê Olímpico Brasileiro (COB) apresentaram oficialmente para a imprensa nesta terça-feira a Equipe Brasileira de Vela Olímpica. O evento foi realizado no Rio Yacht Club, em Niterói, uma das bases da equipe. Os 30 atletas que fazem parte do time disputarão a partir do próximo dia 2 o Evento Teste, primeiro grande evento esportivo após a Copa do Mundo, já pensando nos Jogos de 2016.

“Hoje o Brasil tem a melhor equipe olímpica do Mundo. Sabemos que existem outras equipes muito boas e por isso as medalhas virão nos detalhes. O apoio do COB tem sido essencial para nós e nosso time está bastante unido e focado no objetivo de fazer bonito dentro d’água”, disse Marco Aurélio de Sá Ribeiro, presidente da CBVela.

O COB tem atuado em conjunto com a CBVela há um ano e meio e os resultados já estão sendo vistos. Na última atualização do ranking de classes olímpicas da Federação Internacional de Vela (ISAF), divulgada nesta segunda-feira, dez atletas apareceram entre os dez melhores do mundo, incluindo Martine Grael e Kahena Kunze, da 49er FX, e Ricardo ‘Bimba’ Winicki, da RS:X, que estão na primeira colocação.

“A vela é uma das prioridades de investimento do COB devido à qualidade dos atletas e dos técnicos, além do histórico de resultados. Acreditamos que será uma das modalidades que terá grande sucesso em 2016”, disse Jorge Bichara, Gerente Geral de Performance Esportiva da entidade.

Como parte do apoio que o COB está dando aos atletas da CBVela está a contratação de treinadores brasileiros e estrangeiros, a compra de 20 barcos novos (dois por classe) que ficarão no país e na base da equipe brasileira em Nice, na França, além de quatro bases de fisioterapia que serão usadas durante o Evento Teste, sendo duas em Niterói, no hotel onde a delegação está hospedada e no Rio Yacht Club (base permanente que atende os atletas da cidade), e duas no Rio de Janeiro, sendo uma no Iate Clube do Rio de Janeiro (permanente, que atende os atletas do Rio de Janeiro), e uma na Marina da Glória, sede do evento, que terá duas banheiras de crioimersão.

Evento teste reúne melhores velejadores do mundo – O Aquece Rio International Sailing Regatta, é o primeiro teste para os Jogos Olímpicos Rio 2016 e está sendo considerado o maior evento de vela olímpica já realizado no Brasil. Estarão presentes 324 atletas, de 34 países, em cada uma das dez classes. O país será representado por 30 velejadores (dois barcos em cada classe).

“Esta será uma grande oportunidade para todos os atletas testarem a raia na mesma época em que será disputada a olimpíada. Vou para a água como em todas as outras competições, com vontade de ganhar, mas sem a pressão ainda de poder cometer nenhum erro. Chego embalado pela vitória no Sudeste de Laser, disputado na semana passada, que contou com a presença de alguns velejadores estrangeiros”, disse Robert Scheidt.

Durante toda esta semana os brasileiros estarão na água treinando e correndo regata, como é o caso da classe 470, que terá o Campeonato Sul-Americano entre os dias 30 de julho e 1 de agosto.

“Esta semana será muito interessante para nós, pois as melhores velejadoras do mundo já estão aqui e assim posso velejar em casa, com uma flotilha mais numerosa e de alto nível”, disse Fernanda Decnop, da classe Laser Radial.

A delegação brasileira disputa o Evento Teste com o apoio da Confederação Brasileira de Vela e do COB. A CBVela tem o patrocínio do Bradesco e o apoio da Slam.

 

Clínica de Vela Jovem: Time brasileiro está pronto para competições internacionais

Este slideshow necessita de JavaScript.

Terminou neste domingo na represa de Guarapiranga, em São Paulo, a primeira Clínica de Vela Jovem promovida pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela). Foram três dias de aprendizado intenso, com palestras em terra e muita simulação dentro d’água. No total, 75 crianças e adolescentes de São Paulo, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Rio de Janeiro, Recife e Bahia estiveram presentes. Para acompanhar cada uma das oito classes, foram escalados os melhores técnicos do país. Nomes como Bernardo Arndt, o Baby, técnico de Vela Jovem da CBVela, e Bruno di Bernardi, um dos técnicos da Equipe Brasileira de Vela, estiveram presentes no evento.

“A ideia desta primeira clínica era incentivar, além do aprendizado técnico, a amizade entre estes jovens atletas. Queremos criar um espírito de equipe entre eles para que eles não desistam do esporte e, no futuro, quando mudarem de classe, eles já tenham este entrosamento”, ressaltou John Benett, vice-presidente da CBVela.

Para quem acompanhou de perto a clínica, este entrosamento entre eles era visível. Até quem está chegando agora nas classes é acolhido como parte do time. “Estou pensando em fazer campanha de 470 e, por isso estou experimentando o 420 que é bem parecido, mas menor. Os técnicos e os velejadores foram muito atenciosos comigo e a organização está de parabéns. Não vejo a hora da próxima clínica”, disse a baiana Juliana Duque, de 18 anos, vice-campeã mundial Junior na classe Snipe.

Como parte da programação, os velejadores participaram neste domingo de uma palestra sobre regras com o diretor técnico da CBVela Ricardo Blu Lobato. Durante uma hora todos puderam aprender um pouco mais sobre regras básicas e situações específicas de regata.

“No início achei que, por serem velejadores muito jovens, iam estar bem básicos no assunto, mas eles começaram a participar, a interagir e a tirar dúvidas. No geral todos estavam bem interessados em aprender mais”, disse Blu.

Experimentando classes novas – Inicialmente a classe Optimist não fazia parte do programa da clínica, uma vez que um dos objetivos é o desenvolvimento dos atletas que irão disputar o Mundial da Juventude e as Olimpíadas da Juventude, porém a organização achou interessante incluir aqueles atletas que irão disputar o Mundial e o Europeu de Optmist. Além de treinarem com o carioca Filipe Novello, que sempre os acompanha nos principais eventos, os nove velejadores tiveram a oportunidade de experimentar as outras classes. Na Optimist, a criança é obrigada a mudar quando completa 15 anos, então, todos os dias, no final do treino, cada um pôde escolher um outro barco para testar.

“Esta troca de barcos foi muito importante para os velejadores mais novos. Eles puderam conhecer um pouco mais das outras classes antes de trocar em definitivo. Eu, como técnico, costumo sugerir para eles qual a melhor classe de acordo com o biótipo de cada um, mas a decisão final é deles mesmos!”, disse Novello.

E o resultado desta experiência pôde ser vista ainda na cínica. “Eu testei o 420 e adorei. Pretendo sair do Optimist no ano que vem e formar dupla com o Tiago Quevedo, que é do mesmo clube que eu”, disse o gaúcho Gabriel Lopes, de 13 anos.

Mundial da Juventude – O próximo evento da vela jovem brasileira será o Mundial da Juventude da ISAF (Federação Internancional. O evento será realizado entre os dias 12 e 19 de julho em Tavira, Portugal. O Brasil será representado por 12 atletas, em oito classes: Laser Radial masculino e feminino, 420 masculino e feminino, RS:X masculino e feminino, 29er e Hobie Cat.

“Esta clínica foi essencial para a nossa preparação para o Mundial. Aqui pudemos treinar com outros barcos e pusemos em prática algumas situações que podem acontecer durante a regata”, disse o gaúcho Tiago Brito, que completou 18 anos neste sábado, e vai tentar garantir o bi-campeonato da competição na classe 420.

A Clínica de Vela Jovem tem a organização da CBVela e apoio da Team Brazil, Armada Boats e BMW Motorad e tem como sede o Yacht Club Santo Amaro. A CBVela tem o patrocínio do Bradesco e o apoio da Slam.

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: