Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Copa América’

A operação bem sucedida de Franck Cammas

O departamento de cirurgia ortopédica do Hospital Universitário de Nantes, França, operou o velejador francês Franck Cammas, ganhador da VOR em 2012 e detentor do recorde absoluto de volta ao mundo a vela no Maxi-Tri Groupama (48 dias, em 2010).

O velejador que sofreu um acidentes no último dia 30 de novembro, durante o treinamento do Team France para a Copa América de 2017, na baía de Quiberon, Bretanha, França, foi operado em Nantes e passa bem.

O mau tempo para o velejador começou ao ter caído no mar e ser atingido pelo leme do catamarã sobre fólios GC32 na sua perna direita, que ficou gravemente ferida.

Com dupla fratura exposta na parte inferior da tíbia direita, e tendo tido o pé “parcialmente cortado” no acidente, Franck Cammas foi tranquilizado pelos médicos, com a notícia de que não perderá o uso do seu pé.

A reabilitação deste grande da vela, começará em janeiro de 2016. A Equipe deve continuar sem Cammas, e nós continuamos torcendo por sua recuperação.

Fonte: sailingscuttlebutt.com

Franck Cammas tem pé parcialmente separado durante o treinamento, na França, para a Copa América de 2017

2048x1536-fit_franck-cammas-skipper-groupama-4

O herói Cammas foi abatido em pleno voo. E mostra o quanto são perigosos os velozes catamarãs sobre fólios. Nossa solidariedade e sorte pra ele!

Ontem o velejador francês Franck Cammas, ganhador da VOR em 2012 e detentor do recorde absoluto de volta ao mundo a vela no Maxi-Tri Groupama (48 dias, em 2010), sofreu um acidente durante o treinamento do Team France para a Copa América de 2017, na baía de Quiberon, Bretanha, França.

Segundo a equipe, o catamarã sobre fólios GC32, estava a todo o vapor, no momento em que Cammas, caído no mar, foi atingido pelo leme na sua perna direita.

De acordo com o jornal francês Le Telegramme, Cammas sofreu uma fratura exposta na parte inferior da tíbia direita, deixando o pé “parcialmente cortado” no acidente. Sua perna direita foi gravemente ferida.
Ainda segundo o jornal, Cammas foi rapidamente resgatado por um barco de apoio e levado para a costa onde foi transportado de helicóptero para um centro cirúrgico em Nantes.

Fonte: http://www.stuff.co.nz/sport/

Resumão de segunda na terça! Copa América, TP52, Match, RC44, HC14, OP, 420, Rio2016, Star, ABVO e mais!

E o time inglês mandou muito bem na estreia dos AC45F.

E o time inglês mandou muito bem na estreia dos AC45F.

Ben Ainslie vence em casa primeiro evento da 35ª Copa América. Azzurra vence Mundial de TP52 em Puerto Portals.

E mais: Juju Senfft e cia. chegam às semis na Nation’s Cup em Vladivostok. Pedro Corrêa e Philipp Essle terminam Mundial de 420 em 7º no Japão. Wild Oats XI é o mais rápido na 48ª Transpac. Martine e Kahena se mantém como primeira do mundo no 49erFX no Ranking da Isaf, Bimba sobe para segundo na RS:X. Terceiro evento da RC44 em 2015 começou hoje em Marstrand, na Suécia. Wave Muscat vence 5º Ato da eXtreme Sailing Series em Hamburgo. Spindrift vence 38º Tour de France a la Voile nos novos trimarãs Diam 24. Mais de 70 joias velejaram em Cowes na Semana de Clássicos Britânica. Regata BRB de vela adaptada agitou Brasília. Diego Monteiro fica em 7º no Mundial de HC14 na Itália. Brasucas no Europeu de OP na Inglaterra.

Agenda: Circuito Rio. Aquece Rio: Evento-teste de Vela do Rio 2016. Concurso de fotos da ABVO. 7º Distrito de Star em Brasília. 

Vídeos: #SAL. Belos 12M em regata. What is Sailing.

#ihdeumerda: Vídeo-compilação de batidas. 

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga, modulando da antiga Tcheco-Eslováquia (prefiro a segunda…), circulando por aí no circuito Praga-Bratislava com a bela mamãe do meu futuro bebê, cuja barriga, nesta altura, já é bem maior que a minha, vamos atualizando o dileto leitor com o que de melhor rolou no planetinha Vela nestes dias pós pan-americanos.

Comecemos pela Copa América porque a coisa toda começou e já vale pontos para 2017.

Copa América – A sempre polêmica, bela e mega disputada Copa América (ou America’s Cup para os anglófilos) começou de novo! E já está valendo! O pior, ou melhor, é que é a mais pura verdade! Nas águas de Portsmouth, no sul da Inglaterra, a Louis Vuitton America’s Cup World Series (ufa!) teve se primeiro capítulo escrito neste final de semana. E o resultado já conta pontos para a disputa final de 2017 segundo o novo formato da disputa (que explico mais à frente). E o personagem principal foi o herói local, Sir Carlos Benedito Ainslie, ou Ben Ainslie para os íntimos ou ainda Charles Benedict, quando a mãe lhe queria dar uma bronca… Charles Benedict, come here!!

O fato é que o Beneditinho da Sra. Aisnlie, o maior medalhista olímpico da vela mundial com 5 condecorações (como Torben e Robert!), sendo 4 de ouro, teve a honra e o prazer de estrear vencendo na secular Copa América, que nasceu em 1851 ali mesmo, no Solent, em redor da ilha de Wight. Como diria Oswald de Andrade, o Rei da Vela…

Com um primeiro e um segundo nas regatas do sábado, na flotilha de seis AC45F, os catamarãs da disputa passada envenenados com os indefectíveis fólios voadores, o Land Rover BAR levou a melhor quando os ventos de mais de 30 nós e muito mar cancelaram as  provas do domingo. Na cola deles, com um impressionante terceiro e uma vitória na sua estreia como timoneiro na Copa América, o jovem fenômeno neozelandês Peter Burling (que não perde um evento de 49er há mais de 3 anos) levou o Emirates Team New Zealand ao vice-campeonato. Em terceiro veio o defensor da Copa, Oracle Team USA, seguido, pela ordem, por: Groupama Team FranceSoftbank Team Japan e Artemis Racing.

Com os novos AC45 voando sobre os fólios e produzindo imagens sempre espetaculares, o público nas arquibancadas de Portsmouth vibrou muito com a regatas. Agora a galera toda se reúne de novo no final de agosto em Gotemburgo, na Suécia, para a segunda etapa de 2015 que termina nas Bermudas em outubro, local que em 2017 vai abrigar a disputa da copa propriamente dita. E para chegar até lá o caminho é longo.

Primeiro vem a LVACWS, em 2015 e 2016, que dá ao vencedor e ao vice dois e um ponto extra, respectivamente, para a série qualificatória (AC Qualifiers) que conta também com o defensor (Oracle) e será disputada em dois Round Robins (todos contra todos). Os quatro primeiros desafiantes melhor classificados nas qualificatórias disputam as semifinais e finais da série de desafiantes para definir que será o desafiante da disputa da copa contra o Oracle. Detalhe que quem ganhar a série qualificatória (seja o defensor ou um desafiante que, depois, acabe indo para o match final) já entra na 35ª disputa pela copa da escuna América com um ponto de vantagem. No fim, quem fizer sete pontos primeiro (cada vitória vale um), leva a Auld Mug pra casa. Veremos!!

TP52 – Os sempre mega profissionais, tecnológicos e ultra bem velejados TP52 disputaram o seu mundial em Maiorca, no Mediterrâneo. Com sede na marina de Puerto Portals, depois de sete anos ausente, a flotilha dos monocascos mais técnicos do planeta fez jus à fama de boas regatas e boa social também.

Por lá 12 times se bateram pelo prestigiado título que ficou com a tripulação ítalo-argentina (bem mais argentina que ítalo) do Azzurra. Com Guille Parada no leme e Vasco Vascotto na tática o barco do Yacht Club Costa Smeralda foi o mais regular e embora só tenha vencido uma das 10 regatas jamais chegou depois do 7º lugar. O mesmo não se pode dizer do resto da flotilha que provou porque a classe é o que é, uma pedreira. Dos 12 barcos presentes, 6 venceram regatas e apenas 5 não tiveram um último lugar em alguma das provas (sendo que outros dois tiveram um penúltimo ao menos).

O triplo empate entre o terceiro, quarto e quinto, todos com 56 pontos, mostra como foi parelha a disputa. Nos representando em alto estilo – chegaram a estar em terceiro geral no meio do campeonato – o Phoenix de Eduardo Souza Ramas acabou em nono geral na flotilha de feras. O vice-campeão foi o alemão Platoon e o terceiro foi o Provezza (empatado em pontos com o 4º, Alegre, e o 5º, Rán). O campeão do ano passado Quantum Racing amargou um último lugar na última prova e com 57 pontos, um a mais que o terceiro (e o quarto e quinto), ficou fora do pódio. Dureza!! De todo modo, depois de 3 eventos da 52 Super Series eles estão em terceiro geral atrás do também americano Sled e do novo campeão mundial Azzurra entre 14 barcos no total. Para fechar o ano falta ainda a Copa do Rei, agora em agosto e a Copa de Cascais em setembro. Quem viver verá!!

Resultado final:

  1. Azzurra, ITA (Pablo & Alberto Roemmers ARG)  (2,7,2,3,2,1,5,3,5,6) 36pts
  2. Platoon, GER (Harm Müller-Spreer GER) (1,5,6,12,8,3,1,6,7,1) 50pts
  3. Provezza, TUR (Ergin Imre TUR) (11,6,1,1,10,7,6,8,1,5) 56pts
  4. Alegre, GBR (Andres Soriano USA) (7,2,7,10,1,6,3,10,2,8) 56pts
  5. Rán Racing, SWE (Niklas Zennström SWE) (5,4,5,6,11,10,2,1,10,2) 56pts
  6. Quantum Racing, USA (Doug DeVos USA) (3,11,3,9,3,4,4,2,6,12) 57pts
  7. Sled, USA (Takashi Okura JPN) (6,1,12,7,7,8,7,4,3,3) 58pts
  8. Bronenosec, RUS (Vladimir Liubomirov RUS) (9,3,10,2,5,2,10,5,11,11) 68pts
  9. Phoenix, BRA, (Eduardo de Souza Ramos BRA) (4,12,4,4,4,12,9,9,9,4) 71pts
  10. Paprec FRA (Jean-Luc Petithuguenin FRA) (10,9,11,8,9,5,12,12,4,9) 89pts
  11. Gladiator, GBR (Tony Langley GBR) (DNF/13,10,9,5,6,11,8,11,12,7) 92pts
  12. Xio/Hurakan, ITA (Guiseppe Parodi ITA) (8,8,8,11,12,9,11,7,8,10) 92pts

E o vídeo final do espetáculo: http://bit.ly/TPWld_2015Fin

 

Os Russos estão em todas! Mas em poucas estão na frente. A RC44 é uma delas.

Os Russos estão em todas! Mas em poucas estão na frente. A RC44 é uma delas.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**  Começou hoje em Marstrand, na Suécia, o terceiro evento do ano da RC44. E no dia que nasceu cinza e terminou brilhante no verão quase setentrional os russos do Bronenosec Sailing Team levaram a melhor no Match Racing e lideram a série geral da categoria em 2015. Amanhã teremos regatas em flotilha e o papo deve ser outro. Saberemos em breve!

**   Essa é pros jogadores de War… Em Vladivostok, na Rússia (quase Japão), terminou no domingo (19) a brnde final da ISAF Nations Cup. A bordo dos Platu 25 entre as cinco equipes femininas o time americano de Nicole Breault venceu. Nas semifinais, a equipe americana ganhou de 3 a 1 da brasileira, comandada por Juju Senfft (com Tati Almeida, Luciana Kopschitz e Larissa Juk) – campeã em 2013 -, e foi para a final contra o time francês, de Pauline Courtois, que também havia vencido a semifinal por 3 a 1 da equipe de Jovina Choo, da Cingapura. A disputa pela terceira colocação ficou entre as brasileiras e elas, mas nossas gatas perderam de 2 a 0 e ficaram com a quarta colocação. Foi o (con)fuso que atrapalhou…

**  Ainda em Vladivostok… A vitória entre os homens (na real, Open) foi da equipe local, comandada por Vladimir Lypavskiy, que teve nove barcos na briga. Com os resultados, os times de Vladimir Lypavskiy e de Nicole Breault foram convidados a defender seus títulos em 2017. Justo, muito justo!

**  E lá pelas bandas do Japão também rolou o Mundial de 420. Pedro Corrêa e Philipp Essle ficaram em 7º geral. Parabéns!! Entre os menores de 17 anos, em 5º terminaram André Fiuza e Stephan Kunath. E entre as moças, Olivia Belda e Marina Arndt, ficaram em 24º de 60 barcos. Todas duplas do YCSA/Audi. Eric Belda e Rodrigo Dabus também do YCSA finalizaram em 30º de 72 duplas. fechando nossa participação no outro lado do mundo, em 40º ficaram Thiago Ribas e Erik Hoffmann do Veleiros do Sul. Todos mandaram muito bem! E nos enchem de esperança para o futuro!

**  Embora boa parte da flotilha ainda esteja velejando, a 48ª Transpac, a regata que une Los Angeles a Honolulu e é uma das joias da coroa da vela de altura mundial, já produz seus vencedores. O barco a fazer o percurso de 2.250 milhas (na reta) em menor tempo (6d:10h:37m:02s) foi o velho e bom vencedor de tantas Sydney-Hobarts, Wild Oats XI, sob comando de Roy Disney (em sua 21ª Transpac…), mas com o dono de 87 anos, Bob Oatley, esperando no píer. O tradicional troféu Barn Door foi para o Rio 100, barco só com força humana a completara prova em menor tempo (7d:05h:34m:07s). Entre os multicascos, o mais rápido foi o Gunboat 66 Extreme H2O (7d:19h:25m:37s), mas o Gunboat 66 Phaedo venceu no corrigido. Um dia ainda corro uma dessas… Vambora?!

**  A Isaf divulgou seus novos rankings e as novas são boas para Pindorama. Martine Grael e Kahena Kunze, campeãs mundiais de 49erFX e velejadoras do ano da Isaf, com a prata no Pan de Toronto, mantiveram o primeiro lugar no ranking mundial da classe. Uhuu!!

**  Ainda ranqueando… E nosso buziano Bimba, com seu quarto ouro pan-americano subiu de 7º para segundo melhor do mundo na RS:X masculina. Merece!!

**  Em Hamburgo, na Alemanha, o 5º ato de 2015 da eXtreme Sailing Series, o evento que praticamente invetou a vela de estádio, hoje copiada e enaltecida mundo afora, teve um vencedor bem conhecido, Leigh McMillan e seu The Wave Muscat. Novidade… Esses caras ganham tudo! E as regatas do circuito são sempre “de lo extremo carajo” como diria um amigo hispano! Que volte logo ao Brasil! Mesmo porque preciso defender aquele cachê de locutor novamente… Venhaaa!!

**  Por falar em vela de estádio… O renovado Tour de France a La Voile emprestou o conceito em sua 38ª edição e ainda acrescentou pimenta com os novos trimarãs Diam 24. No fim, neste domingo, os 28 times, após nove etapas que foram de Dunquerque a Nice (do Atlântico pro Med vão por terra…) protagonizaram uma bela disputa que teve o Spindrift, de Xavier Revil como grande vencedor. Trés bien!!

**  E em Cowes, na Inglaterra, o papo foi outro. Barcos mais lentos, mas não menos espetaculares. A Panerai British Classic Week terminou com a impressionante marca de mais de 70 veleiros clássicos, verdadeiras joias dos mares, a maioria impecáveis e com quase ou mais de 100 anos de águas sob as quilhas, disputando, muito a sério, as regatas. Um show de beleza e marinharia digno dos áureos tempos dos barcos de madeira e homens de ferro!

**  Já em Brasília, na praia da Vela Adaptada, o trabalho de Mauro Osório e companhia continua rendendo frutos. A Regata BRB foi um sucesso e a flotilha, em breve, contará com 18 barcos da classe Hansa (especial para os paratletas) e mais 10 “convencionais” adaptados para os velejadores especiais. Bonito!! Sucesso a todos!!

**  Em tempo… A Federação Brasiliense de Vela Adaptada, vinculada ao Comitê Paralímpico Brasileiro e à Confederação Brasileira de Vela Adaptada, oferece aulas gratuitas, realizadas no Cota Mil Iate Clube, para alunos com qualquer tipo de limitação intelectual ou física. Para saber mais é só ir à secretaria do clube, ou ligar para (61) 3225-4489.

**  Terminou no lago de Garda, na Itália, o Mundial de Hobie Cat 14. E na flotilha de 35 barcos o Brasil teve seus dois únicos representantes entre os dez primeiros. Diego Monteiro, da Paraíba (ICPB), foi o 7º e Adam Mayerle, de Joinville (JIC), foi o 9º. Bom!!!

**  Por fim, mais brasucas nas zorópias… E pequenos… No Europeu de Optimist, no noroeste da Inglaterra, na península de Lleyn, a flotilha mirim tupiniquim esteve bem representada. Foram os quatro valetes e uma dama. Diogo Zabeu com o 41º geral, de 159 competidores, foi o melhor dos meninos daqui e Daniela Luz ficou em 33º de 97 meninas. Experiência fundamental! O lance é competir, mas se divertir também!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  Não custa repetir… Vem aí o Circuito Rio! No dia 26 de outubro acontece a 65ª Regata Santos-Rio e de 30/10 a 02/11 o circuito no ICRJ. As inscrições até 1º de outubro têm bons descontos. Não perca!!

**  De 15 a 22 de agosto rola o último evento-teste de vela nas (sempre polêmicas) raias do Rio 2016. Se repetir o que rolou ano passado vai ser sucesso total. Vale a pena conferir os melhores velejadores olímpicos do planeta se preparando para os jogos!

**  Ainda dá tempo de participar do concurso de fotos da ABVO. Envie suas fotos até o dia 31/07 e veja seu barco no site e nas redes sociais da Associação. Mais infos em www.abvo.org.br

**  E a partir de quinta-feira rola a mais importante competição da classe Star do calendário nacional (mais até que o próprio brasileiro da classe), o  Campeonato do 7º Distrito, no Iate Clube de Brasília. Lars Grael e Samuca Gonçalves; Dino Pascolato e Maguila; Maurício Buenoe Mosqueira; Fred e Tinha; Admar e Xande; Guilherme “Xabi” Raulino e Alexandre Kronenberger; Marcelo Fuchs e Rony Seifert e Bibão e Baleia já confirmaram presença. Só feras! Ainda dá tempo de participar! Alô estrelas do Paranoá!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  Os sempre belos classe 12M, que durante décadas foram os barcos da Copa América, continuam a encantar. Confira neste vídeo da Newport Regatta 2015. Demais! http://bit.ly/12M_Newport

**  Mais um episódio do já clássico da vela #SAL. Não perca! http://bit.ly/SAL_19

**  Vídeo muito legas e até poético sobre o que é a vela. Vale ver! http://bit.ly/What_sail

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Este é um #ihdeumerda audiovisual… Muito bom! Clique aqui e veja: http://bit.ly/IhDeuM_1

ihdeumerda_vid1

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“A perseverança é a mãe da boa sorte.” De Miguel de Cervantes, o pai de Quixote 

Fui!! Órfão…

Murillo Novaes

 

 

Resumão de quinta de um jornalista idem: VOR, STAR, Búzios, Sofia, 420, Snipe, Copa América e mais.

Elas chegaram! E foi bonita a festa ó pá!

Elas chegaram! E foi bonita a festa ó pá!

VOR agita Itajaí. BSW agita Búzios. Star agita Guarapiranga.

E mais: Dante e Thomas são 3º no 49er em Palma. Corbela e Marin em 3º em Barcelona. Palavras duras na Copa América. Floripa pronta para mundial de S40. Brasucas no pódio do SulAm de 420. Termina SulAm de Snipe na Argentina, Luis Soubie/Diego Lypszyc vencem.

Agenda: 101 do Rio Sailing; Copa YCP e 1º Brasileiro de 29er em SP

Vídeos: VOR no Mar Brasil; Final do Star na Garapiranga e #SAL com Bukowski

Boa tarde querido amigo e mais que querida amiga, transmitindo direto do covil itajaiense, onde, como você sabe, a vida é mais extrema, vamos, desde já, agradecendo novamente (puxa saco!) à organização a oportunidade que este manza tem de novamente ser o MC/Locutor/Tradutor oficial da VOR no Brasil e apresentar a coisa toda para esta multidão catarinense que comparece em peso às cerimônias na vila da regata. No domingo, foram 22 mil pessoas… Tava bonito!

Sem mais delongas, já que no Brasil a procrastinação parece ser esporte nacional, vamos direto aos heróis do oceano que aqui chegaram neste Itajaí-Açu de águas ora gentis.

VOR – A regata de volta ao mundo, como você já leu no último resumito, fez-se em mares (e rio) catarinenses. O cara que parece ter mais ganas de inscrever o nome no anel prateado do troféu da regata, Ian Walker, e sua galera no Abu Dhabi chegaram em primeiro. Nosso novo herói nacional e futuro vereador, se quiser, de qualquer cidade do estado, André “Bochecha” Fonseca, veio timoneando o MAPFRE para ser segundo. Os novatos americanos, de patrocínio turco, Alvimedica, fecharam o pódio e o gente boa e veterano de seis edições Bouwe Bekking e seu Brunel cruzaram metros atrás (incrível!!) em quarto.

Anteontem (terça) foi a vez das gatas (umas sim, outras nem tanto…) do SCA chegarem para as caipirinhas e a sequência de camarão. Com dois jaibes chineses que lhes custaram a perda do FRO, o balão assimétrico fracionado que é a maior vela de proa e puxa bem os VO65, e duas colisões com OFNIs (objetos flutuantes não identificados) no currículo da quinta perna, entre outros perrengues, as moças merecem todo nosso respeito também. E convenhamos, chegar com o barco e tripula inteiros enquanto dois outros times não o fizeram é um ponto a se considerar também. Para ganhar é preciso chegar, diz um dos lemas da regata. Fora o oceano austral, o Horn e tudo mais que se interpôs entre Auckland e este porto catarina. Mandaram bem!

E por falar nos que não vieram ainda, o Vestas já voltou a ser um barco. Isso mesmo. No estaleiro Persico, em Bergamo, na Itália, o combalido veleiro que deu um cavalo e pau nos recifes de Cargados Carajos (adorooo!), no Índico, já teve seu reformado casco e convés postos juntos novamente. Tudo parece correr bem para a reestreia lisboeta. A ver!

Outro que corre contra o tempo é o sino-gaulês Dongfeng. Os caras estão motorando e velejando costa acima e a ainda a 1000 milhas de Itajaí. Se der tudo certo, chegam na segunda-feira. Dia que em que, possivelmente, chegará também o mastro novo que, além de voar de Amsterdã para São Paulo, precisa ser liberado na alfândega antes de passear de caminhão até Santa Catarina. Que os deuses da bur(r)ocracia estejam de bom humor!

Com o fim desta quinta perna a liderança do Abu Dhabi agora é mais folgada, já que os caras que estavam empatados com eles na tabela tiveram a desventura de quebrar o mastro. Sendo assim, na súmula geral vê-se o seguinte agora: Abu Dhabi em primeiro com 9 pontos, o Dongfeng permanece em segundo com 16pts; em seguida estão Brunel (3º) e MAPFRE (4º) com 18pts, o Alvimedica vem em quinto com 19pts e fechando a tabela estão SCA com 29pts e Vestas com 36pts.

Para saber tudo da regata dê seu clique em http://bit.ly/VOR_14_15 e divirta-se!

Na foto do Balaio vemos Lars a caminho do seu sexto brasileiro de Star com o auxílio sempre luxuoso de Samuca Gonçalves. São os caras!

Na foto do Balaio vemos Lars a caminho do seu sexto brasileiro de Star com o auxílio sempre luxuoso de Samuca Gonçalves. São os caras!

Star – A classe das estrelas fez um dos maiores e melhores campeonatos brasileiros dos últimos tempos na represa (cheia!) de Guarapiranga em São Paulo. Experiente e perspicaz, Lars Grael mostrou na raia do Yacht Club Paulista porque ainda é um dos principais ícones da vela brasileira. Junto com o proeiro Samuel Gonçalves conquistou seu sexto título do Campeonato Brasileiro de Star. Favorito desde que colocou o “Come Together” contra os outros 23 barcos da raia, Lars e Samuca mostraram que sabiam das dificuldades e do nível da galera e deram o melhor.

“A competição foi uma das mais equilibradas de todos os tempos. Foram mais de 20 barcos correndo e uma disputa excelente. A nova geração está em alto nível e eles estão se somando aos demais, trazendo um grande impulso para a classe”, contou Lars, que agora está à uma conquista do irmão, Torben Grael, maior vencedor da classe com sete ouros no Brasileiro.

No pódio, ao lado de Lars e Samuel, nada menos do que outro medalhista olímpico. Bruno Prada e o timoneiro Alexandre Paradeda – ouro pan-americano de Snipe – terminaram o Brasileiro de Star na segunda colocação, seguidos por Alessandro “Dino” Pascolato e Henry Boening, na terceira.

Acostumado a correr de Snipe, Xandi Paradeda não poderia ter saído mais satisfeito com sua estreia na classe. “Correr com o Bruno e contra feras como o Lars, Conrad, entre outros, foi realmente uma experiência muito boa proporcionada pela Star”.

“O Lars mostrou muita superioridade, andando bem, com folga. Não é nada fácil chegar nesse nível e ele sempre surpreende”, afirmou Dino Pascolato, do MIISCCA, terceiro colocado na classificação geral.

Mesmo fora do programa olímpico, a classe Star mostrou por que é uma das mais prestigiadas da vela nacional. A competição contou com a presença de campeões mundiais, pan-americanos e medalhistas olímpicos, além de velejadores de outras modalidades iniciando sua experiência na classe e, claro, da nova geração, que busca aprender e se firmar no barco.

“Há muito tempo não velejo uma regata tão bem feita. Conseguimos reunir uma grande qualidade técnica entre os participantes e acho que nunca tivemos uma entrega para o patrocinador tão bem feita como esta. O conceito aplicado ao evento está super adequado”, contou Marcelo Bellotti, do F7 Ser Glass.

Para Marcelo Sansone, organizador do evento, o apoio de todos os envolvidos foi essencial para realização de um campeonato de alto nível. “O campeonato teve uma excelente qualidade técnica e uma competição muito acirrada entre os melhores velejadores do Brasil, se não do mundo. Agradeço muito todos os apoiadores do campeonato. O ano que vem esperamos todos no 7º Distrito em São Paulo”.

Mario Buckup, o campeão grão mestre exaltado da parada, mandou um plá para o resumão também: “Foi com prazer que participei do campeonato brasileiro da classe star 2015, no Yacht Club Paulista, com uma grande ajuda do meu tripulante Caio Prado, do meu amigo Robert Rittscher que me emprestou o seu 2º star (um Folli “BRA 7400” de primeira classe!) e de todos participantes que me deram muitas dicas! Meu pai teve um Star há muito tempo, depois velejei um campeonato brasileiro na proa do Eduardo Souza Ramos, há alguns anos. O star ficou mais técnico e prazeroso de velejar. No contravento tem mais regulagens e qualquer mexidinha faz grande diferença, tanto que as vezes éramos super rápidos e as vezes lentos e/ou sem ângulo de orça. No popa o Star bem tocado é um ‘avião’.

Igual a todas as outras classes de barco que velejei, o ‘tunning guide’ da North Sails é fundamental, pois te dá a certeza que o barco está regulado, pelo menos, igual à maioria. Parabéns ao Lars, Xandi, Dino, Marcelo e todos que têm deixado a vela brasileira no topo das listas de campeonatos internacionais em várias classes como Star, Snipe, Lighnting, J/24, J/70, Finn, 49er e muitas mais, tanto que quando velejo no exterior, muitos velejadores de fora me perguntam como o brasil pode ter tão bons resultados com tão poucos velejadores, relativamente!? Vamos continuar assim…!!!!”. sem dúvida Mario! Que Mario?!…

Além dos três primeiros colocados no Geral, foram premiados no Brasileiro de Star 2015:

Categoria B (estreantes na classe)
1º – Iago Whately e Henrique Cabette
2º – Patrick Woodyatt e Rogério Barbato
3º – Luis F. Mosquera e Roberto Freire

Categoria Master
Marcelo Fuchs e Ronald Seifert (Clementine)

Categoria Grand Master+ Exalted
Mario Buckup e Caio H. Prado

Black Star (Barco mais antigo)
Marco Szili e Marlyn Nigri

Confira a classificação final após três dias de regata (Top10):
1º – Lars Grael e Samuel Gonçalves (Come Together) – 8474
2º – Alexandre Paradeda e Bruno Prada (Al Hammed) – 8391
3º – Alessandro Pascolato e Henry Boening (MIISCA) – 8494
4º – Marcelo Fuchs e Ronald Seifert (Clementine) – 8398
5º – Marcelo Bellotti e Marco Lagoa (F7 SER Glass) – 8390
6º – Fabio Brugioni e Marcelo Sansone (Team Wine) – 8468
7º – Fabio Bodra e Arthur Lopes (TatiTatao) – 8337
8º – Admar Gonzaga Neto e Alexandre Freitas (Maricota) – 8477
9º – Maurício Bueno e Cristiano Ruschmann (DDL) – 7441
10º – Robert Rittscher e Carlos Rittscher (Born Free) – 8300

Saravah, meu pai! O barco do ICAB não frequentou o pódio de 2015 em Búzios, mas embelezou o dia nem tanto.

Saravah, meu pai! O barco do ICAB não frequentou o pódio de 2015 em Búzios, mas embelezou o dia nem tanto.

Búzios – Mais uma vez, a Búzios Sailing Week agitou a Semana Santa no sempre acolhedor e charmoso Iate Clube Armação de Búzios. Antes de vir para o sul estive lá na abertura e como sempre, a recepção do Comodoro Alain foi irretocável: um concorrido coquetel na véspera do evento, o já tradicional churrasco da quinta feira e uma peixada para santo nenhum botar defeito na Sexta-feira Santa.

Na água, foram 5 regatas ao longo dos 3 dias de campeonato com ventos mais fracos do que o habitual, entre 8 e 15 nós, o que é incomum para Búzios. Ainda assim, muitas disputas entre os barcos cariocas mais competitivos da atualidade, com destaque para o Magia V de Torben Grael, que faturou na ORC, contra 12 barcos, o Maestrale II, do Almte. Casaes, derrotando seus 11 concorrentes na IRC e o Mahalo, que dominou a série na BRA-RGS.

Destaque também para a participação da tripulação paulista do Inaê-Transbrasa, do Yacht Club de Ihabela que veio até Búzios testar forças com a nata local e para a Escola Naval e o Colégio Naval que mais uma vez foram em peso prestigiar este belo evento.

Este ano, a Búzios Sailing Week teve o patrocínio da Prefeitura de Armação Dos Búzios, da Privilège, do Captain’s Buffet e da Silk Beach Club. Além disso, contou com o apoio da Raquel Abdu – Assessoria e Cerimonial, da FEVERJ e da ABVO. Olha o mole total!! Viva Búzios!! Ano que vem não perco!!

Dante e Lowba andaram muito na Maiorca. Bronze merecido e muito comemorado!

Dante e Lowba andaram muito na Maiorca. Bronze merecido e muito comemorado!

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

** A princesa acabou… Terminou em Palma o tradicional Troféu Princesa Sofia. No fim, a esquadra brasuca acabou fazendo 3 medal races e chegando a um pódio: a dupla Dante Bianchi e Thomas Lowbeer, no 49er, levou o bronze mediterrâneo para o ICRJ. Uhuu! As gatas Martine Grael e Kahena Kunze, em 4º, e Fernanda Oliveira e Ana Barbacham, em 5º, também fizeram bonito em águas hispânicas. Parabéns!!

** Por falar em pódio e por falar em Espanha, a festa de premiação da Barcelona World Race já tem os três degraus definidos. Ana Corbela e Gerard Marin, no GAES, cruzaram a linha catalã em terceiro lugar na volta ao mundo em duplas sem escalas e sem assistência. Foi dureza!!

** E por falar em dureza… A coisa ficou triste para os velejadores paralímpicos. Mesmo com a gestão do presidente da ISAF junto ao IPC, o Comitê Paralímpico Internacional, a vela está mesmo de fora do Jogos de Tóquio em 2020. Entretanto, com a fusão do IFDS, que cuidava da vela paraolímpica, coma própria ISAF o IPC abriu a possibilidade de reinclusão em 2024. De todo modo, a ISAF ainda luta por qualquer brecha para colocar os barcos paralímpicos na baía de Tóquio. Tomara!!

** E já que estamos na tristeza… A Copa América, mais uma vez, mostra que polêmica e viradas de mesa são tão intensas quanto as regatas que disputam a Auld Mug desde 1851. O imbróglio da mudança de classe da AC62 para a AC48 com peças one design, no meio do processo, depois de alguns times investirem milhões em pesquisa e desenvolvimento, continua a gerar a ira de muitos. Agora, além do Luna Rossa/Prada o tradicionalíssimo Team New Zealand ameaça deixar a copa. Caraca!

** Seguindo… Isso sem falar em Bruno Troublé, timoneiro em duas ocasiões e invetor da série de desafiantes Louis Vuitton Cup, que, depois de dizer que há alguns anos os organizadores (leia-se Larry Ellison e Russel Coutts) estão destruindo a tradição e legadi da competição emendou: “O que temos agora é um evento de praia vulgar com cheiro de protetor solar e batatas fritas. Esta não é definitivamente a Copa América.” Complicado!!

** Floripa já cheira a S40. Desde aqui, em Itajaí, já sentimos os ares de vela de alto nível que sopram direto de Jurerê. O ICSC já está cheio de velejadores e com praticamente todos os barcos que vão disputar, de 12 e 16 de abril, o mundial de Soto40. Com 10 regatas previstas, a competição reunirá grandes nomes da vela planetária, que juntos somam 15 medalhas olímpicas e mais de 20 títulos mundiais. “A nata do esporte participará dessa competição, o que por si só já torna o evento especial. Podemos esperar regatas bastante disputadas”, adianta o comandante chileno Horácio Paves, do veleiro Mitsubishi Motors. Eu tenho certeza!! E vou ver! Uhuu!

** Terminou o SulAm de 420 no Club Nautico San Isidro, em Buenos Aires. Entre os 28 barcos participantes o pódio teve duas duplas brasucas. No final, Felipe Diniz e Ivan Aranguren, do Yacht Club Argentino foram os grandes campeões. Mas na cola vieram Tiago Brito e Andrei Kneipp, do Clube dos Jangadeiros, e Leonardo Lombardi e Rodrigo Luz, do ICRJ. Bom!! Muito bom!!

** E já que estamos na Argentina… Acabou por lá também, em Mar del Plata, o SulAm de Snipe. Entre os 32 barcos, apenas dois brasileiros e eles foram 5º e 6º no final. A súmula assim ficou: ARG 28701 Luis Soubie/Diego Lypszyc em 1º; ARG 29887 Augusto Amato/Constanza Alvarez em 2º; ARG 29828 Eduardo Fumagallo /Gonzalo Caceres em 3º; BEL 31274 Manu Hens/Victor Perez em 4º; BRA 31195 Gabriel Kieling/Lucas Callate em 5º e BRA 31004 Rafael Gagliotti/Henrique Wisniewski em 6º. Narcejas de Cuba, Equador, Chile e Peru também surfaram no mar do Prata. Legal!!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

** As classes ORC, IRC, BRA/RGS, Época, Clássicos e Antigos, Bico de Proa, Snipe, Velamar 22, Laser (Standard, Radial e 4.7), Dingue, Monotipos Clássicos e Optimist estão convidadas para a Regata do 101º Aniversário do Rio Yacht Club, no dia 11 de Abril de 2015, este sábado, em Nikiti City. Os barcos e competidores poderão ser inscritos preenchendo o formulário próprio e/ou remetendo via e-mail para: ryc@oi.com.br ou no fax: (21) 2610-5811 ou ainda na secretaria de vela do Rio Yacht Club até às 11:00 do dia 11 de Abril de 2015 ou entregando formulário, já preenchido, no barco da Comissão de Regata até o sinal de atenção do Grupo 1, início de procedimento de largada. Não tem desculpa! Vamos lá galera!!

** O 1º Campeonato Brasileiro de 29er rola de 18 a 21 de abril, no Yacht Club Santo Amaro, na represa Guarapiranga, em São Paulo. Para se inscrever basta clicar no link ao lado: http://bit.ly/YCSA_29erComapreça!!

** Nos próximos dias 11 e 12 de Abril ocorrerá a 3ª etapa da Copa YCP 2015, no Yacht Club Paulista, na Guarapiranga. A Copa YCP será composta de 9 etapas em formato de circuito anual, com premiação em jantar de gala ao final do ano, aos três primeiros colocados (geral) de cada classe. Além da premiação anual, haverá premiação em cada uma das nove etapas. Algumas atrações e novidades da Copa YCP 2015: Largadas em sequência para as classes convidadas; Uso de spare buoy e gate no percurso; Percursos diferentes aos sábados (triangular) e domingos (barla-sota); Descarte de até 25% das regatas que compõem a série anual; Almoço e confraternização aos sábados (de cada etapa) no YCP, antes das regatas, para todas as tripulações (custo coberto pela inscrição); Clínicas rápidas para os velejadores (dicas de táticas de regata e regulagens); Familiares e convidados dos participantes serão bem-vindos aos almoços (pagamento avulso) e ao YCP, inclusive para assistir a saída e retorno dos barcos; Jantar ao final do ano com entrega de prêmios. Clique aqui e faça sua inscrição http://bit.ly/YCP_2015 A festa é boa! As regatas também!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

** Confira a chegada da última regata do Brasileiro de Star 2015 na Guarapiranga. O ventinho tava bom! http://bit.ly/BraStar2015

** O Mar Brasil, do meu, do seu, do nosso mestre Alexandre Haddad agora é um canal na web e como sou esperto já vou usando os vídeos para deleite dos amigos aqui também. Comecemos com a chegada da Volvo em Itajaí: http://bit.ly/MBr_VOR_Itj

** Mais Mar Brasil e Mais VOR. Confira a chegada de Bochecha em casa. Foi show!! http://bit.ly/MBr_VOR_Bch

** E seguindo sempre em alto nível, o #SAL misturou mar e Bukowski para fazer de um belo poema um belo vídeo. Rolem os dados! Veja em: http://bit.ly/SAL_Bukw

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“O problema com o mundo é que as pessoas inteligentes estão cheias de dúvidas, enquanto os estúpidos estão cheios de confiança.”  Charles Bukowski

Fui!!! Cheio de confiança…

Murillo Novaes

Será que é hoje? Copa América a até 3 regatas do fim!

A Auld Mug, incrivelmente, corre o risco de continuar morando em São rancisco por um tempo. Quem diria?

A Auld Mug, incrivelmente, corre o risco de continuar morando em São Francisco por um tempo. Quem diria?

Querido amigo e queridíssima amiga, eis que os 162 anos contínuos de história da copa da escuna América resultaram precisamente nesta terça-feira de nosso senhor. E que terça! Com duas regatinhas previstas para hoje (a partir das 17:15 na ESPN+ e no YouTube) e com as possibilidades agora bem divididas entre o defensor OracleUSA e o desafiante Emirates Team New Zealand, esta 34ª copa até que está saindo melhor que a encomenda. Antes de mais nada agradeço à galera da ESPN e ao amigo Marcos Ferrari pela carinhosa menção deste jornalístico manza das letrinhas e dos ventos com direito a elogios ao vivo e até menção do www.murillonovaes.com. Quem tem amigos, tem tudo! Valeu!!

Voltemos à Copa!! Pois é, por lá, na fria baía do seu Francisco das nortenhas califórnias, na cara de Alcatraz que sempre remete a um bom filme, o enredo está tão bom, tão bom, que já surgiram até teorias conspiratórias sobre um acerto comercial entre os times. Não creio nisso. Embora em tempos de Assad químico à solta, embargos infringentes e adstringentes, corrupção globalizada e generalizada mundo afora e capitalismo cada vez mais selvagem, tudo seja possível. Mas o fato é que o TNZ chegou a fazer  8 a 1 e a nona e derradeira vitória que levaria o título para Auckland (ou Wellington, se preferir a capital meeesmo) parecia questão de pouco tempo. Parecia!!

O que se viu depois daquele 8 a 1 no placar- na verdade, 8 a 3 porque os pontos das duas primeiras vitórias do Oracle foram (bem) confiscados pelo júri internacional -, pode entrar para os anais da história (e também nos anais dos torcedores do TNZ. Incluindo este que vos fala…) como uma das maiores viradas de todos os tempos do desporto mundial. Com provas adiadas pelos mais diversos motivos, algumas abandonadas com o kiwis na frente e outros golpes do destino e que tais, o que se passou é que nas cinco regatas que valeram os renascidos americanos venceram todas. Cem porcento de aproveitamento! E mais, somando as duas vitórias confiscadas na tabela, na água empataram tudo com 8 vitórias para cada lado. Incrível! E ainda salvaram nada menos que cinco “match points” seguidos, como mencionei ontem no tuíte. 

A mudança no afterguard do Oracle, com John Kostecki nas docas e Ben Ainslie taticando à bordo, uma sensível melhora nas manobras e a mágica de velejar o contravento também sobre os fólios (coisa que os neozelandeses parece que já aprenderam) surtiram um surpreendente efeito e chegamos a esta nossa falada terça-feira. Agora os americanos estão a três vitórias do triunfo final e os neozelandeses ainda a apenas uma. E com duas regatas previstas, pode ser que hoje a “Auld Mug”, como é carinhosamente chamada a taça presenteada pela rainha Vitória em 1851, mude de mãos ou permaneça pelo menos mais um dia em São Francisco para um eletrizante e absolutamente improvável match final amanhã. E de amanhã não passa meu povo!! Quem viver verá! Fique ligado!!

Fui!!

Murillo Novaes

 

Tuíte por email (e no site): Oracle vence a 5ª seguida!!

Santa madre Kiwi! Oracle vence a primeira de hj,venceu as duas de ontem e está TNZ 8 a 6 agora na Copa América. Oracle salva o 5º “match point” seguido. Incrível!!

Resumito da copa: New Zealand abre 7 a 1, mas Oracle vence duas no finde.

O AC72 "Aotearoa" quase viu tudo ao contrário no sábado. No fim, dos males o menor, apenas perdeu a regata.

O AC72 “Aotearoa” quase viu tudo ao contrário no sábado. No fim, dos males o menor, apenas perdeu a regata.

Olá querido amigo e mais que querida amiga, depois de um final de semana de sonho no Cabo Frio, com velejadinha no ventão de 20 nós, ontem, vamos atualizando as informações sobre a Copa América porque o finde não foi menos intenso e carregado de emoções na baía do seu Francisco.

E não é que o Oracle venceu duas, uma no sábado e outra no domingo e já conta até com um pontinho na tabela que mostra agora 7 a 1 para os neozelandeses (na real, 7 a 3). Lembrando que os americanos tinham que pagar a penitência de duas vitórias (2 pts) porque foram maus meninos e roubaram dos coleguinhas ainda na ACWS, a pré-temporada desta grande ópera éolica.

Vamos de trás para diante. Ontem, no domingão de sol norte-californiano rolaram duas regatinhas. Na primeira, o Oracle, agora manobrando bem melhor e com Ben Ainslie de tático mais inspirado que John Kostecki, venceu de ponta a ponta. O skipper Jimmy Spithill fez uma pré-largada perfeita e montou a primeira boia 4 segundos à frente. Depois fugiu do adversário, ganhando tempo em cada perna do percurso com ânimo renovado depois da vitória na única regata do dia anterior (sábado) quando o TNZ quase capotou e ele ultrapassou.

No entanto, o show viria na segunda prova do domingo, no que pode se classificar como uma das regatas mais interessantes de toda a Copa. Aquilo que se prometera sobre esta 34ª disputa foi entregue em boa parte ontem na 10ª regata. O roteiro foi de primeira: a liderança mudou de mãos quatro vezes na prova de 10 milhas náuticas, com deltas, nas montagens de boia de: 3 segundos, 11 segundos, 1 segundo e 11 segundos, respectivamente. Apenas no único contravento do percurso deste 2013 de nosso senhor a liderança mudou de mãos três vezes, em três milhas náuticas. Uhuu!

“Se você não gostou da regata de hoje, você provavelmente deve ver outro esporte”, disse Dean Barker, comandante do TNZ que está competindo em sua quarta Copa América. A vitória trouxe alívio máximo para Barker & Cia., uma vez que o Oracle vinha de duas vitórias consecutivas.

No sábado, depois da incrível quase capotada do TNZ e da vitória ianque, até deram largada para mais uma regata e o TNZ vinha na frente, mas como o vento ultrapassou 22,6 nós, o limite máximo pelas regras deste ano (o porquê destes 0,6 não me perguntem…), a prova foi cancelada. Sorte dos funcionários de Mr. Ellison.

Nesta terça rolam mais duas regatinhas e se o New Zealand vencê-las fará os nove pontos necessários para levar a taça. Para os americanos faltam só oito vitórias. Mas, mesmo assim, o povo do Oracle está animado. “Eu posso dizer honestamente que esta foi a velejada mais divertida e emocionante que eu participei”, disse o tático dos caras, Ben Ainslie, quatro vezes medalhista de ouro olímpico. Seguidas… E se ele diz isso, quem sou eu para dizer algo em contrário?

Foi bunituuu!!

Dados da 9ª Regata
Percurso: 5 pernas/10.02 milhas náuticas
Tempo decorrido: OTUSA – 21:53 , ETNZ – 22:40
Delta: OTUSA +: 47
Distância total navegada: OTUSA – 11,3 NM , ETNZ – 11,5 NM
Velocidade média: OTUSA – 31,63 nós , ETNZ – 31,32 nós
Veloc. máxima: OTUSA – 42,52 nós , ETNZ – 42,54 nós
Vento: média – 17,6 nós, pico – 20,8 nós
Número de cambadas / jaibes: OTUSA – 8/6 , ETNZ – 8/8

Dados da 10ª Regata
Percurso: 5 pernas/10.02 milhas náuticas
Tempo decorrido: ETNZ – 22:00 , OTUSA – 22:16
Delta: ETNZ +: 16
Distância total navegada: ETNZ – 11,8 NM, OTUSA – 11,7 NM
Velocidade média: ETNZ – 32,25 nós, OTUSA – 31,76 nós
Veloc. máxima: ETNZ – 43,01 nós, OTUSA – 44,98 nós
Vento: média – 18,3 nós, pico – 22,3 nós
Número de cambadas / jaibes: ETNZ – 7/7 , OTUSA – 7/7

Fui!!

Murillo Novaes

%d blogueiros gostam disto: