Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Copa Suzuki Jimny’

Copa Swift Sport encerra temporada com raia lotada em Ilhabela, neste dezembro 2015

 

 

ILHABELA URGENTE 3

Número de tripulações inscritas animou a organização e os próprios velejadores, trazendo perspectivas de evolução para 2016.

O XV Circuito em Ilhabela (SP) de vela oceânica, foi encerrado neste fim de semana (5 e 6) no Yacht Club, com um total de 41 barcos na raia, motivo de satisfação para a Comissão de Regata (CR).

“Colocar todas essas embarcações para competir em Ilhabela em plena crise demonstra um número expressivo, é muito barco, uma ótima condição”, exalta o diretor da CR, Cuca Sodré.

Otimista, o juiz internacional prevê novidades para 2016. “Vamos criar a divisão Silver para a classe RGS e implantar a Bico de Proa, categoria com a finalidade de oferecer uma porta de entrada e acolher novos velejadores”.

Os planos rumo para as próximas edições, já estão sendo traçados devido ao apoio incondicional da Suzuki Veículos à vela. O patrocínio está renovado para mais uma temporada.

Nas regatas decisivas do último domingo (6), com vento sudoeste em torno de 12 nós, algumas das classes em disputa na Copa Swift Sport confirmaram o domínio das tripulações que tiverem a oportunidade de treinar de forma mais intensa ao longo do ano. Porsche (C30), Ginga (HPE 25) e Asbar Total Balance (RGS), contam com velejadores nativos da Ilha ou frequentadores mais assíduos da Capital Nacional da Vela.

“Estamos com a mesma tripulação há três anos. O barco fica no Grêmio de Vela de Ilhabela (GVI) e saímos para treinar pelo menos duas ou três vezes por mês”, afirma Tináh, natural de Ilhabela, tático e responsável pelo gerenciamento da equipe do Asbar, comandado por Sérgio Klepacz, que nem sempre está embarcado nas regatas. “A Copa Swift Sport mostrou a força da vela oceânica. Há uma proposta para pegarmos um barco maior no próximo ano e mudarmos de classe”, revela Tináh, vencedor da RGS Geral e na divisão “B”.

O Porsche dominou a temporada na classe C30. Um dos motivos da evolução, foi o investimento nos treinos. “Fomos mais regulares e eficientes neste ano porque conseguimos elaborar uma programação de treinos”, afirmou Marcos de Oliveira Cesar, comandante do Porsche, campeão na C30 – título inédito para a equipe paulista.

Na classe HPE 25, Breno Chvaicer, comandante do campeão Ginga, segue a mesma linha. “A concorrência está cada vez mais forte e precisamos investir nos treinos. É a única maneira de nos mantermos à frente na classe”, considera Chvaicer, responsável pela tripulação formada por caiçaras.

Os vencedores da quarta e última etapa de 2015 são: Porsche (C30), Jazz (RGS A), Asbar (RGS B), Sextante (RGS C), Cocoon (Cruiser), Ginga (HPE 25) e Tahiti Nui (HPE 30).

Os primeiros colocados (1º a 3º) na Copa Swift Sport de 2015

C30: Porsche, Caballo Loco e +Realizado

RGS Geral: Asbar Total Balance, Inaê Transbrasa e Fram

RGS A: Inaê Transbrasa, Jazz e Fram

RGS B: Asbara Total Balance, Helios e Suduca

RGS C: Brazuca, Sextante e Colin

RGS Cruiser: BL3, Jambock e Cocoon

HPE 25: Ginga, Fit to Fly e Repeteco

HPE 25 (Silver): Conquest e Argos

HPE 30: Tahiti Nui, Capatosta e #04

As tripulações mais eficientes da temporada receberam como prêmio, miniaturas de canoas caiçaras, elaboradas pelo artesão Davi Borges, de Ilhabela. A organização e a realização da Copa Swift Sport são do Yacht Club de Ilhabela, o patrocínio da SUZUKI VEÍCULOS, com apoios de Ser Glass, North Sails, Revista Mariner, Ancoradouro, Antena 1, SailStation, Prefeitura Municipal de Ilhabela e SPOT Global Phone, da Globalstar.

Por Ary Pereira Jr.

Resumão, ão, ão: VOR,Antígua, Hyères, 29er, HPE, Pouluição, acidente, Dingue, SC, OP e mais, muito mais!

Tipo assim, você velejou 17 dias e mais de 5.500 milhas e a 20 milhas da chegada esta é a situação. Vida ao extremo!!

Tipo assim, você velejou 17 dias e mais de 5.500 milhas e a 20 milhas da chegada esta é a situação. Vida ao extremo!!

Dongfeng vence 6ª perna da VOR em retorno triunfal em Newport, MAPFRE em quarto. Japoneses desafiam a Copa América. Atrevida é vice-campeão em Antígua. Girl Power: Fernanda Oliveira e Ana Barbachan vencem em Hyéres, Martine e Kahena são vices, Patrícia Freitas é bronze.

E mais: SAP vence eXtreme Sailing na China. Musandan bate recorde da volta à Irlanda. Tragédia no Alabama mata 6 velejadores. Zeus vence regata Fortalezas em SC. Banho de secretário desafio o bom senso na poluída Guanabara. Na Gaastra Palmavela 160 barcos de 16 países dão a largada do circuito Mediterrâneo. Antonio Aranha e Alexander Essle são campeões brasileiros de 29er em SP. Banco de tripulantes para o Brasileiro de HPE. Luiz Paulo Gonçalves e Diogo Petersen vencem RJ de Dingue em Búzios

Agenda: Transat Jacques Vabre rumo a Itajaí terá Edu Penido representando o Brasil. Tradicional Taça dos Lagos neste sábado na Guarapiranga. Copa Swift Sport é warm-up pra Semana de Ilhabela. Europeu de Star com brasucas em Gaeta. Circuito solitário de Beneteau Figaro na França.

Vídeos: Slide super show de Capizzano do SulAm de OP em Paracas. Resgate dramático ontem nos Açores retira o norueguês amigo do Brasil Guttman de seu Swan44. Troco veleiro por Apartamento no #SAL17. AC45 da Oracle veleja nas Bermudas. O melhor da semana de vela de Antígua. O capotamento sensacional do Gunboat G4 em St. Barths.

Estréia da seção #ihdeumerda 

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga, eis que voltamos a modular nesta frequência depois de um extenso interregno carioco-itajainense na sequência da largada da 6ª perna da VOR. Bem, aqueles mais afoitos já sabem que para acompanhar as novidades diárias da vela é visitar meu FeiciBuque: http://bit.ly/FB_MuNov .

E prepare-se porque a missiva é grande. Mas não se aflija! Assim como um jornal ou uma revista você não precisa ler tudo de uma vez. Guarde para depois, leve seu tablete para o banheiro, imprima e leia off-line na floresta, imprimae plastifique e leia no barco. Está começando mais um meu, um seu, um nosso resumão do manza direto do covil do Posto 6. Mas vamos direto ao ponto porque as novidades são muitas!

VOR – Acabou! Pois é!! A flotilha one design dos velejantes seis VO65 está toda reunida nas tradicionais águas de Newport enquanto você lê estas mal traçadas. A 6ª perna da regata de volta ao mundo viu o sino-gaulês Dongfeng, de Charles Caudrelier, navegar de Itajaí até a costa leste dos EUA em 17d 9h 3m 0s. Precisamente 3m e 25s depois chegou o Abu Dhabi, do comandante Ian Walker e líder da regata.

Detalhe é que ao fim da quarta perna os dois ponteavam a regata empatadinhos da silva. Daí, aconteceu aquilo que já sabemos, o Abu Dhabi venceu e 5ª perna, nas proximidades do Horn a jaqueira chinesa caiu, eles desistiram e foram para Ushuaia, ficando 7pts atrás dos líderes árabes, ainda em 2º lugar.

E passaram a correr (o barco vindo pro Brasil a vela e a motor e o mastro passeando nos aviões cargueiros desde Auckland até Itajaí) para tentar largar em Santa Catarina. Bem, largaram… E correram… E venceram…  O mito da fênix redivivo! Para ser melhor, só mesmo se tivessem aberto uma vantagem maior do que apenas um ponto entre eles os rivais emirati.

Novamente a flotilha estava bem compactada e o Brunel, de Bouwe Bekking, veio 50 minutos atrás de Ian Walker, Chunny Bermudez, Si-Fi e seus asseclas para fechar o pódio. O “nosso” MAPFRE, com Xabi Fernandez no comando, já que Iker Martinez desembarcou novamente nesta perna, e com o capitão de turno André “Bochecha” Fonseca a bordo chegou quase 40 minutos depois para ficar em 4º na 6ª perna.

O time mais aguardado, no entanto, era, sem dúvida, o Alvimedica, já que Charles Enright, o quase amador comandante da nave turco-americana é nascido, criado e velejado em Newport. Só que deu ruim… Os caras vieram 3h e 50m depois dos espanhóis do barco vermelho e só não seguraram a lanterna porque as meninas do SCA, da comandante Sam Davies, novamente fizeram um começo de perna super consistente e novamente foram caindo, caindo.

E no fim, aproximadamente 6 horas e meia depois dos ianques e quase 11 horas depois do vencedor, cruzaram a linha em Rhode Island. De toda forma, pensar que apenas 11 horas separaram a flotilha depois de mais 5.500 milhas navegadas só mostra que as regatas de oceano estão cada vez parelhas. Show!

Em tempo, quem também corre, e muito, por fora é a galera do estaleiro Persico, em Bergamo, nos arredores de Milão, na Itália, onde o Vestas vai operando o milagre da ressuscitação. Por lá os caras estão à frente do cronograma e parece cada vez mais certo que o time vai realmente voltar em Lisboa.

Uma grande história também onde o comandante Chris Nicholson mostrou grande marinharia e espírito marinheiro no começo do desastroso episódio e depois, no fim, com a demissão do navegador, a meu ver, deu uma escorregada meio feia. Afinal, que eu saiba, comandante é comandante e em última instância o responsável por tudo que se passa a bordo. Ou mudou algo? Assumir tudo na primeira semana e dividir o erro e depois chamar toda tripula de volta menos o navegador que errou, ficou meio feio, acho. Pano rápido… De qualquer forma, vai ser legal ver o barco azul navegando novamente!

Para súmulas gerais y otras cositas más dê seu clique em http://bit.ly/VOR_14_15

Copa América – A eterna novela dos meninos mimados de bolsos cheios e espíritos vazios continua. Apesar da desistência do Luna Rossa/Prada, da demissão de Dean Barker do Team New Zealand, da mudança dos prometidos AC62 para os mais econômicos AC45, da retirada da Copa América da… Bem, América(!), onde, pela primeira vez desde 1851, um defensor abdica de suas próprias águas nacionais, indo para a britânica Bermuda, a despeito disso tudo pintou mais um time. E é japa! Liderado por Kazuhiko Sofuku, conhecido como “Fuku”, o SoftBank Team Japan já foi aceito pelo defensor Oracle Team.

Dizem as más línguas que tanto no extremo oriente quanto na França a parte do leão vem do mesmo bolso, o de Larry Ellison, o biliona dono da Oracle, que quer assegurar um mínimo de times participantes. E como as máquinas que voam sobre as águas e os velejadores que as conduzem não têm nada com isso, o Oracle treinou nas Bermudas e deu show de imagens (confira abaixo, em Vídeos).

E para encerar duas falas ótimas sobre a Copa. A lenda Loïck Peyron disse “hoje me dia, nestes AC45 você só precisa de um motorista com cérebro, um trimmer de vela-asa e alguns hamsters para girar as manivelas”. Já Steve Clarke disse: “É impressionante como cada novo defensor da Copa América faz o anterior parecer bem menos ruim”. Faz parte!

De qualquer forma, no fim, vamos todos vibrar com o verdadeiro show de imagens e velocidade que estes superveleiros voadores proporcionam. Faz parte 2!!

Antígua – Nosso caro Marquinho Lagoa está, por assim dizer, levando uma vida razoável fora da sua trabalhosa e competente WiTec IT Solutions. Foi à Antígua, onde correu no Atrevida, a regata de clássicos de lá. Como sempre boto os amigos para trabalhar (mas dei o mole de citar a firma, hein?!), segue seu relato.

“Após 5 dias de velejadas utópicas em Antígua posso afirmar que o evento merece a fama de melhor campeonato que existe. O encontro de amantes da vela, suas históricas embarcações combinadas com o estilo, história e clima da ilha formam a combinação perfeita.

Vale reconhecer que o evento é organizado por velejadores que conhecem bastante sobre os melhores métodos para criar uma regata agradável e que não comprometam a integridade dos barcos clássicos, alguns deles com mais de 100 anos de idade.

Praticamente todas as regatas tiveram 20 ou 24 milhas, com grande parte de seus percursos em orça folgada ou popa, criando um ambiente de velejadas maravilhosas. Todos os dias tivemos sol, temperatura em torno de 26 graus, e o principal, ventos variando de 15 a 23 nós.

A nossa tripulação comandada pelo impecável Atila Bohn conseguiu atingir seu melhor resultado do último ano, onde conseguimos conquistar o segundo lugar no campeonato, além de conquistar a fita azul em uma das regatas.

Ter a oportunidade de velejar com mais de quarenta veleiros históricos, como o Elena (136 pés), Rebecca (139 pés), Rainbow (J Class 130 pés) foi uma oportunidade única.

Além das velejadas vale ressaltar a Parade of Classics Nelson’s Dockyard, que é uma passagem por dentro da marina, onde ocorre o desfile dos barcos e suas tripulações para disputa do Concours D’Elegance (concurso de elegância).

Outro ponto alto é a parte social que a Ilha proporciona, astral incrível, festas animadas com muita música e muito rum. Como disse no início, é um campeonato dos sonhos, vale a pena colocar nas metas para 2016”. Eu ainda chego lá!!

Fernanda e Ana arrebenatarm no Mediterrâneo. Primeiro ligar na etapa francesa da Copa do Mundo de Vela. Muito orgulho!

Fernanda e Ana arrebenatarm no Mediterrâneo. Primeiro ligar na etapa francesa da Copa do Mundo de Vela. Muito orgulho!

Hyères – Esta ficou meio velha, mas é importantíssima!! O Brasil teve 100% de aproveitamento nas regatas de medalha da etapa de Hyères, na França, da Copa do Mundo de Vela. O país, que foi representado em quatro classes na disputa decisiva do campeonato, garantiu presença nos quatro pódios.

O resultado mais emblemático veio na classe 470 feminino. Depois de se classificarem para a etapa final em primeiro lugar, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan ficaram em segundo lugar na prova decisiva e garantiram o ouro, com 45 pontos perdidos. Uhuuu!!

Na classe 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze, que defendiam o título em Hyères, ficaram em sexto na regata de medalha e garantiram a prata.

Completando o dia de pódios do Brasil, dois bronzes: Robert Scheidt, na classe Laser Standard, após ficar em quarto lugar na regata de medalha; e Patrícia Freitas, no RS:X feminino, com um terceiro lugar na prova decisiva.

O Brasil terminou em segundo lugar na classificação geral da importante etapa de Hyères, empatado com a Grã-Bretanha, com um ouro, uma prata e dois bronzes. Os dois países só ficaram atrás da anfitriã França, que também garantiu quatro pódios, com dois ouros, uma prata e um bronze.

“A disputa pelos pontos estava tão apertada! Pensamos que precisávamos fazer o nosso trabalho e velejar na nossa própria regata. Chegamos a pensar nos pontos e nos outros barcos, mas estávamos focadas no nosso trabalho. Foi perfeito, terminamos a regata da medalha em segundo e estamos muito felizes “, comemorou Fernanda, primeira brasileira medalhista olímpica com o bronze em Pequim2008.

Os atletas da Equipe Principal de Vela do Brasil agora se preparam para os próximos compromissos, a começar pela etapa de Weymouth, Inglaterra, da Copa do Mundo de Vela, que será realizada entre os dias 8 e 14 de junho. Em seguida, haverá a disputa dos Jogos Pan-Americanos de Toronto, em julho.

Resultados finais:
470 Feminino:
1º Fernanda Oliveira e Ana Barbachan (BRA), 45 pontos perdidos.
2º Jo Aleh e Polly Powrie (NZL), 53 pp.
3º Camille Lecointre e Hélène Defrance (FRA), 54 pp.

49er FX:
1º Ida Nielsen e Marie Thusgaard Olsen (DEN), 87 pp.
2º Martine Grael e Kahena Kunze (BRA), 94 pp.
3º Giulia Conti e Francesca Clapcich (ITA), 99 pp.

Laser Masculino:
1º Tom Burton (AUS), 49 pp.
2º Nick Thompsom (GBR), 57 pp.
3º Robert Scheidt (BRA), 66 pp.

RS:X Feminino:
1º Lilian De Geus (NED), 90 pp.
2º Charline Picon (FRA), 101 pp.
3º Patrícia Freitas (BRA), 104 pp.

Pela primeira vez o SAP venceu uma etapa da eXtreme Sailing Series. Já não era tempo!

Pela primeira vez o SAP venceu uma etapa da eXtreme Sailing Series. Já não era tempo!

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**  O terceiro ato da Extreme Sailing Series em Qingdao, na China, viu um novo vencedor. O dinamarquês SAP Extreme Sailing Team, dos co-skippers Jes Gram-Hansen e Rasmus Kostner dominaram a cena chinesa e chegaram com uma vantagem de 23 pontos no dia final. Em segundo ficou o Wave Muscat, de Omã e em terceiro um estreante na competição e nos pódio, o russo Gazprom. No geral, depois de 3 etapas o SAP Extreme Sailing Team (DEN) lidera com 28 pontos, em segundo está The Wave, Muscat (OMA) com 27pts e em terceiro vem o Red Bull Sailing Team (AUT) com 25pts. Extremos!!

**  E por falar em Omã, a terra de Simbad, o marujo, o carro-chefe da flotilha omanita, o MOD70 Musandam-Oman Sail, fez história para o sultanato quando quebrou um recorde que durava 22 anos, a volta às ilhas irlandesas. Após concluir o percurso de 700 milhas em incríveis 40 horas, 51 minutos e 57 segundos os caras tiraram quase quatro horas do antigo tempo. Parabéns à tripula (de 6) do comandante Sidney Gavignet que contava com três omanitas a bordo!!

**  Tragédia na Dauphin Island Race, no Alabama. Ventos com força de tempestade atingiram repentinamente os 117 barcos, com 495 velejadores, que estavam na baía de Mobile. Cinco deles morreram e outros desaparecidos são presumidos afogados. Muito triste!

**  Rolou a terceira etapa da Copa Veleiros de Oceano de SC. Após a realização das regatas Centro-Jurerê e Cidade de Florianópolis, a Regata Fortalezas/Biogenetia, uma das mais técnicas do calendário, ocorreu com bons ventos. O  Zeus dominou a regata entre os C30, terminando a frente do Corta Vento, segundo colocado. Na Classe ORC, quem se deu bem foi o Melody 5, que superou a forte equipe do Itajaí Sailing Team (2º) e Catuana Kim (3º).

**  Seguindo… Na RGS A, Plancton e Argonauta fizeram um ótimo duelo, com pequena diferença para o Plancton, vencedor da regata. Na RGS B o Zephyrus voltou a velejar muito bem e terminou em primeiro lugar, à frente de Vendal V (2º) e Bom Abrigo (3º). Entre os veleiros da RGS Cruzeiro, classe com maior número de participantes, melhor para o Carino, grande campeão da etapa. Y-Jurerê-Mirim e Açores III completaram o pódio, respectivamente…

**  E finalizando… Repetindo os bons duelos do Circuito Oceânico, os veleiros de HPE25 Tereza e Força 12 fizeram um bom duelo e no fim, o Tereza levou a melhor. Na Proa Rasa, o Maskote foi o vencedor, seguido pelo Zimbro. A próxima etapa da Copa Veleiros de Oceano acontece no dia 30 de maio, com as disputas da Regata Tripulação. Esse povo de Floripa é animado!!

**  O debate sobre a latrina de Guanabara, digo, baía de Guanabara não para. Depois do papelão do secretario de meio ambiente do Rio, André Correa, mergulhar em pleno Fantástico na mare de sizígia enchente e na boca da barra pra assegurar limpeza, o boto mais antigo monitora pela UFRJ morreu doente… Nosso líder e ambientalista de boa cepa, Axel Grael deu sua opinião. Confira em http://bit.ly/Axl_Gb Uma polêmica sem fim!… E certamente já é inevitavelmente uma vergonha para o Rio e o Brasil olímpico…

**  Domingo passado viu a décima segunda edição da Gaastra PalmaVela Regatta chegar ao fim. Uma flotilha de 140 barcos de 16 nacionalidades enfeitou a baía de Palma, que confirmou a sua reputação com bons ventos. As 16 classes participantes tiveram que esperar até o último dia para confirmar os primeiros campeões da temporada de regatas do Mediterrâneo. Os vencedores da Gaastra PalmaVela 2015 foram: Open Season (Wally), Momo (Maxi 72), Azzurra (TP52), Grupo Clinico Dr. Luis Senis(IRC), Airis (ORC 0), fyord (ORC 1), Pinyol Vermell (ORC 2), La Sirena I (ORC 3), Fehurihi (ORC 4), Bribon Movistar (J80), Flyinghigh (Flying 15), Lazy Daisy (Dragon), Moonbeam IV (Tradicional / Classic), Fundacion Damm (2.4) , CVP Andratx 2 (Hansa 303 individual) e PNCR / Fundacion Handisport 1 (Hansa 303 Duplo). Resultados completos em  www.palmavela.com

**  Antonio Aranha e Alexander Essle, do YCSA, são os primeiros campeões brasileiros da classe 29er. Eles garantiram o título no final de Abril na represa de Guarapiranga. Completaram o pódio as duplas Gustavo Abdulklech e Richard Hilbert (ICRJ) e Martin Lowy e Marcelo Peek (YCSA), segundo e terceiro lugares, respectivamente. Das 16 regatas previstas, 15 foram concluídas com ventos que variaram de cinco a 16 nós, exigindo técnica e agilidade dos participantes. O YCSA, como sempre, sediou tudo com maestria. Parabéns aos campeões que são nosso futuro!

**  Paulinho Cirillo está trabalhando… E como! Fez uma planilha toda maneira e uma super bolsa de tripulantes para a classe HPE pro Brasileiro na Ilhabela, de 28 a 31 de maio. Quem quiser participar ou mesmo alugar um barco fale com o cara: pc@imng.com.br

**  E, por fim… No findes passado rolou o estadual RJ de Dingue no Búzios Vela Clube. No final, a dupla Luiz Paulo Gonçalves e Diogo Petersen foi campeã depois de vencer quatro das oito regatas disputadas. Mandaram bem!!

Edu Penido, na gloriosa companhia do genro André Mirsky e da filha Kyra, entre outros, estreou o Classe 40 Zetra com dois segundos lugares na França. Uhuu!

Edu Penido, na gloriosa companhia do genro André Mirsky e da filha Kyra, entre outros, estreou o Classe 40 Zetra com dois segundos lugares na França. Uhuu!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  A santa e bela, além de ser o estado que mais se desenvolve e tem a menor taxa de desemprego do país, está se tornando um super polo náutico. Itajaí vai receber, pela segunda vez, a chegada da Transat Jacques Vabre, que larga dia 25 de outubro em Le Havre, na França, e junto ao munícipio irmão de Itapema vai sediar a regata de porto em 15 de novembro. E pela primeira vez um barco brasileiro vai participar! O comandante Edu Penido, que traz o ouro de Moscou80 no peito, vai correr com seu novíssimo Zetra (que estreou na França tirando dois segundos lugares em Douarnenez) na classe 40. As outras classes da regata em duplas são: IMOCA (Open 60), Multi50 e Ultime (que reúne os super tris MOD70). Do extremo baralho!! Bons ventos ao Zetra!!

**  Amanhã (09/05) rola uma das mais tradicionais regata do Brasil, a Taça dos Lagos na represa Guarapiranga. Seguindo a tradição, o Yacht Club Santo Amaro vai sediar este ano a 76ª edição, tentando superar o número de barcos do ano passado. A última edição trouxe mais de 80 veleiros de 24 classes diferentes. Quem vai participar e ajudar? Compartilhe com os amigos e familiares! A largada da Taça dos Lagos que tinha sido alterada para o 12h, voltou a ser à 13h. Ficha de Inscrição: https://goo.gl/kdJ4HC  e AR: http://goo.gl/ZXfyKB

**   A segunda etapa da Copa Swift Sport, 15ª edição do Circuito Ilhabela de Vela Oceânica, é chamada de Warm Up da principal semana de vela do continente devido à proximidade com a Ilhabela Sailing Week (ISW). Costuma ser também a mais disputada das quatro etapas anuais. As próximas regatas da Copa Swift Sport serão nos dias 23 e 24, 30 e 31 de maio, enquanto a  42ª ISW será aberta em 4 de julho. Ambas com sede no Yacht Club de Ilhabela (YCI). Não deixe de participar e se inscrever na semana de Ilhabela antecipadamente e com desconto!!

**  Lars Grael/Samuca Gonçalves, Dino Pascolato/Maguila, Ministro Admar/Xande e o melhor proeiro do mundo Bruno Prada fazendo dupla com o americano Augie Diaz, entre outras e mega brilhantes estrelas, vão iluminar a belíssima costa de Gaeta, na Itália, de 2 a 7 de junho no Europeu de Star. Coisa fina!!

** Por fim… Todos sabemos da verdadeira paixão dos franceses pela vela em solitário (que compartilho!) e o “campeonato francês de solitários”, por assim dizer, é corrido na classe Beneteau Figaro. E os três principais eventos são: Solo Maître CoQ, que terminou 26/5 e foi vencida por Yann Eliès, no Groupe Quéguiner-Leucémie Espoir. Depois vem a tradicionalíssima Solitaire du Figaro (co-patrocinada por Eric Bompard Cachemire), de 22 de maio a 28 de junho e finalmente a Generali Solo, de 16 de setembro a 4 de outubro. Belo circuito!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  Mestre Capizzano fez um super slide show no Vimeo com o melhor do SulAm de OP em Paracas, no Peru. Coisa linda demais! Pra quem gosta: http://bit.ly/Capi_OpSulAm

**  Este vídeo de uma operação de resgate de náufragos em região a cerca de 500 Milhas do arquipélago dos Açores envolve o Brasil e alguns amigos. Lars Grael explica: “Vários navios prestaram socorro, com o envolvimento de Guarda Costeira e Força Aérea de Portugal e apoio das Marinhas de Espanha e EUA. Dentre os salvados, encontra-se nosso amigo Norueguês Guttorm que perdeu seu barco, o elegante Swan 44 Kolibri. O Kolibri passou uma temporada na costa brasileira e no ICRJ. Voltou para o Caribe e cruzava o Atlântico com 4 tripulantes com meta de voltar a cidade de Arendal, na Noruega. Guttorm foi segurança pessoal do Rei da Noruega e muito amigo de Erling Lorentzen e Roberto Pellicano. Ferido na testa e com costela quebrada, conduziu o abandono do seu veleiro, capturado por helicóptero da Força Aérea Portuguesa (ver vídeo). Como bom viking e comandante, salvou sua tripulação e foi o último a abandonar o barco. Vida longa aos que se arriscam por salvar vidas no mar”. Amém!! http://bit.ly/Resg_PT

**  Mais um episódio da série de altíssimo nível #SAL. Sempre show! “Troco veleiro por apartamento”… http://bit.ly/SAL_17

**  O Oracle deu seu primeiro treino de AC45 nas águas de Bermuda. Como disse lá em cima, é sempre um espetáculo! http://bit.ly/AC_Orcl1

**  Como Antígua não vive só de clássicos, o vídeo de sua famosa e maneiríssima semana de vela: http://bit.ly/Antig2015

**  E já antecipando nossa nova seção abaixo vai um #ihdeumerda de alto nível. O novo Gunboat G4, teoricamente um cat cruzeiro-regata, vendo o mundo ao contrário no último dia da Voiles de St. Barth. http://bit.ly/G4_vira

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Como uma das coisas que mais faz sucesso no meu Feicibúqui é isso, passo a reproduzir no resumão agora, pelo menos, uma fotinha dos maus momentos de nosso esporte.

ihdeumerda_08_05

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Ah! Não me diga que concorda comigo! Quando as pessoas concordam comigo, tenho sempre a impressão de que estou errado.” Oscar Wilde.

Fui!! Discordando de mim mesmo…

Murillo Novaes

Definidos os campeões da Copa Suzuki Jimny, em Ilhabela

Final de semana perfeito finalizou a 14a. edição do principal circuito de vela oceânica do País

Disputa na classe C30. Foto de Marcos Mendez/SailStation

Disputa na classe C30. Foto de Marcos Mendez/SailStation

Ilhabela (SP) – Quatro etapas ao longo de 2014, 27 regatas, muita disputa no mar, várias confraternizações em canoas de cerveja no Yacht Club de Ilhabela. Este é o resumo da Copa Suzuki Jimny/Circuito Ilhabela, encerrada neste final de semana (6 e 7), com dois dias perfeitos de sol e ventos médios no Canal de São Sebastião e na Ponta das Canas, no norte de Ilhabela. A 14a. edição do principal circuito de vela oceânica do País teve média de 42 barcos em quatro classes (C30, IRC, HPE e RGS).

A classe C30 apresentou uma disputa acirrada entre o CA Technologies, de Marcelo Massa, e Caballo Loco, de Mauro Dottori. No final, a equipe de Massa venceu por um ponto, 28 a 29. A IRC também ficou entre duas tripulações e terminou com a mesma diferença: Rudá, de Mario Martinez, ganhou do Orson, de Carlos Eduardo Souza e Silva, por 6 a 7.

A HPE confirmou o favoritismo do Ginga, de Breno Chvaicer, imbatível nas águas do Litoral Norte neste ano – conquistou também a Ilhabela Sailing Week. Fechou a temporada com 25 pontos contra 52 do Fit to Fly, de Eduardo Mangabeira.

O título da RGS A ficou com o Montecristo, de Julio Cechetto, que acumulou 23 pontos, um a menos do que o BL3 Urca, de Pedro Rodrigues. Na RGS B a supremacia foi do Asbar II/Sérgio Klepacz, (14 pontos) sobre o Helios/Marcos Gama Lobo (25 pontos). O Zeppa, de Diego Zaragoza, foi o campeão da divisão C com 10 pontos, seguido do Sextante, de Thomaz Shaw, com 14. Na Cruiser, o BL3 Wind Nautica somou 14 pontos e superou o Jambock, de Marco Aleixo, com 18.

Quarta etapa – A quarta etapa foi encerrada neste domingo (7), com duas regatas para C30 e HPE e uma regata para as demais classes. Mais um belo dia para velejar, com ventos no quadrante leste, entre 12 e 15 nós, com raia montada na Ponta das Canas.

A somatória de resultados da Volta à Ilha, disputada no dia 29 de novembro, e as provas realizadas no sábado (6) e neste domingo (7) definiram os campeões da última etapa da Copa Suzuki.

O Caballo Loco ganhou na C30, o Ginga confirmou na HPE, o Orson venceu na IRC, o Montecristo, que marcou o menor tempo da Volta à Ilha em 14 anos, ficou com o título da RGS A, o Helios faturou a RGS B, o Sextante a RGS C e o Anequim, de Paulo Moura, foi o melhor na RGS Cruiser.

No final da tarde do domingo, foram realizadas no Yacht Club de Ilhabela as premiações dos vencedores da quarta etapa e dos campeões de 2014. A Copa Suzuki Jimny foi disputada também em março, junho e setembro.

Na avaliação de Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do Yacht Club de Ilhabela, o evento atingiu plenamente seus objetivos. “O encerramento da Copa Suzuki foi surpreendente. Teve dois dias sensacionais, com ótimas velejadas, sol, vento e muita confraternização em terra, com premiações, sorteios e festa. Tudo ficou perfeito. Sem falar na Volta à Ilha, com muito vento e tempo recorde.”

“Sobre a temporada, tivemos um belo campeonato, mas gostaria que algumas classes como a ORC e IRC reunissem mais competidores. Entendo que existem velejadores de qualidade na RGS e que poderiam mudar de classe aumentando a competitividade das regatas”, acrescentou Carlos Eduardo, que também é comandante do Orson, vice-campeão na IRC, e que está finalizando o treinamento para disputar o Atlantico Sur, em Punta del Este, em janeiro, quando começará a defender seu título no Sul-Americano de ORC.

A Copa Suzuki Jimny/XIV Circuito Ilhabela de Vela Oceânica foi organizada pelo Yacht Club de Ilhabela, com patrocínio máster da Suzuki Veículos e co-patrocínios de SER Glass e F7 Blindagens. Apoiaram o evento: Prefeitura Municipal de Ilhabela, North Sails, Pousada Armação dos Ventos, Rádio Antena 1 Litoral Norte, Revista Mariner, Mar&Vela, Sail Station.com e Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião.

Copa Suzuki Jimny: Montecristo faz o menor tempo em 14 anos da Regata Volta à Ilha

Barco de Ubatuba baixou o tempo da prova mais longa do Circuito Ilhabela de Vela Oceânica, em homenagem a Sir Peter Blake, para 6h05m12. As regatas deste domingo foram canceladas por excesso de vento

Equipe do Montecristo comemora o recorde da prova. Foto: Marcos Mendez

Equipe do Montecristo comemora o recorde da prova. Foto: Marcos Mendez

Ilhabela (SP) – As condições favoreceram e a tripulação do Montecristo soube aproveitá-las da melhor forma na Regata Volta à Ilha – Sir Peter Blake, pela XIV Copa Suzuki Jimny de Vela Oceânica. O barco de Ubatuba, comandado por Julio Cechetto, percorreu 47 milhas (86 km) em 6h05m12 no tempo real. A distância da regata costuma variar entre 40 e 50 milhas, de acordo com a direção do vento, mas até hoje, o menor tempo registrado pertencia ao Lexus Chroma, de Santos, com 8h21m48 obtido em 2013.

A prova de abertura da quarta e última etapa do Circuito Ilhabela reuniu neste sábado (29) uma flotilha de 33 veleiros dos quais, 26 deram a Volta à Ilha, enquanto a classe HPE correu regata de percurso, com 13 milhas (23 km) ao norte do Canal de São Sebastião. Logo na largada, os barcos foram impulsionados pelo vento leste com rajadas de até 20 nós (35 km/h). O contorno da ilha a partir da Ponta das Canas, ao norte, no sentido horário, permitiu que as tripulações navegassem boa parte do tempo com a vela-balão, içada no vento de popa.

“O vento foi adequado para o barco. Nosso equipamento não é tão novo e tivemos problemas com velas e cabos que exigiram reparos. Andamos bem, mas poderíamos ter sido ainda mais rápidos”, afirmou o comandante Julio Cechetto. “Ser o Fita Azul (primeiro a chegar), velejando entre amigos, é o que importa. Corremos várias vezes a Volta à Ilha, mas nunca havíamos vencido”. No tempo corrigido, o Montecristo foi o sexto na RGS Geral.

Força feminina – Única mulher entre os dez tripulantes do Montecristo, Valéria Ravani esta eufórica com a proeza. “Venci a Copa Suzuki Jimny na classe RGS em 2011 com o Jazz e voltei a sentir essa emoção. Foi um dia excelente, com vento o tempo todo. Depois da Ponta Grossa (nordeste da ilha) o Chroma nos passou, mas após a Praia de Castelhanos navegamos mais rente à costa, encurtamos o caminho e abrimos vantagem”. O comandante do barco de 52 pés (17 metros) elogiou a velejadora. “A Valéria foi nosso coringa. Trimou (regulou) a genoa (vela da proa), cuidou da alimentação, que estava deliciosa, e ainda trouxe o champagne para brindarmos a vitória”.

O Lexus Chroma, Fita Azul em 2012 e 2013, cruzou a linha de chegada 9min43 após o Montecristo e 1min38 à frente do terceiro colocado no tempo real, Caballo Loco, vencedor da Volta à Ilha na C30. O CA Technologies manteve a liderança da classe com o terceiro lugar e o +Realizado foi o segundo. O Suduca conquistou o bicampeonato da regata na RGS Geral, enquanto o Boccalupo foi o melhor na RGS Cruiser.

O veleiro Orson ficou em primeiro nas classes IRC e ORC, mesmo resultado obtido pelo Ginga, virtual campeão de 2014 na HPE, que teve o Fit to Fly em segundo e o Atrevido em terceiro lugar. As regatas serão retomadas no próximo final de semana (6 e 7/12), encerramento da temporada. Além de homenagear o navegador neozelandês Sir Peter Blake, a esperada Regata Volta à Ilha é dedicada também ao Dia do Marinheiro, comemorado em 13 de dezembro. A Capitania dos Portos de São Sebastião oferecerá o troféu transitório Cisne Branco, da Marinha do Brasil ao Fita Azul, Montecristo.

A entrega da taça será feita no próximo sábado (6/12) no Yacht Club de Ilhabela, após o sorteio da Wind Charter para dois dias de velejada em um Sun Odyssey 439, durante a canoa de cerveja. Em seguida os velejadores acompanharão a palestra ‘Mussulo III – Regatas e Travessias Oceânicas’, apresentada pelo comandante José Guilherme. O penúltimo dia da etapa final da Copa Suzuki Jimny será encerrado com a festa de confraternização da temporada às 20h30 na Pousada Armação dos Ventos.

Domingo sem regata – As regatas deste domingo (30) foram canceladas pela Comissão de Regatas (CR) devido às rajadas que variaram de 25 a 30 nós ao norte do Canal de São Sebastião. “É mais prudente poupar equipamento e preservar as tripulações. A segurança é prioridade”, justificou o diretor da CR, Cuca Sodré. Os barcos nem chegaram a deixar o pier flutuante do Yacht Club de Ilhabela.

Resultados da Regata Volta à Ilha – Sir Peter Blake:

C30
1º – Caballo Loco (Mauro Dottori)
2º – +Realizado (José Luiz Apud)
1º – CA Technologies (Marcelo Massa)

ORC
1º – Orson (Carlos Eduardo Souza e Silva)
2º – Lexus/Chroma (Luis Gustavo de Crescenzo)

HPE
1º – Ginga (Breno Chvaicer)
2º – Fit to Fly (Eduardo Mangabeira)
3º – Atrevido (Fábio Bocciarelli)

RGS Geral
1º – Suduca (Marcelo Claro)
2º – Fram (Felipe Aidar)
3º – Optimystic (Márcio Sudo)

RGS Cruiser
1º – Boccalupo (Claudio Melaragno)
2º – Anequim (Paulo de Moura)
3º – BL3 Wind Náutica (Clauberto Andrade)

IRC
1º – Orson (Carlos E. S. Silva)
2º – My Boy (Lars Muller)
3º – Sextante (Thomas Shaw)

Fan page no Facebook – A Copa Suzuki Jimny tem página no Facebook para divulgar as informações sobre a competição, velejadores e classes. Além disso, o espaço na internet é um ponto de encontro virtual para atletas, árbitros e fãs da modalidade. Para curtir e ter acesso às atualizações, basta acessar o Facebook e digitar Copa Suzuki Jimny – Circuito Ilhabela de Vela Oceânica.

A Copa Suzuki Jimny/XIV Circuito Ilhabela de Vela Oceânica é organizada pelo Yacht Club de Ilhabela, com patrocínio máster da Suzuki Veículos e co-patrocínios de SER Glass e F7 Blindagens. Apoiam o evento: Prefeitura Municipal de Ilhabela, North Sails, Pousada Armação dos Ventos, Rádio Antena 1 Litoral Norte, Revista Mariner, Mar&Vela, Sail Station.com e Delegacia da Capitania dos Portos em São Sebastião.

Da assessoria

Ilhabela: Com fim da segunda etapa, Circuito de Vela entra em recesso até setembro

Antes, porém, barcos se enfrentam em evento internacional

Classe HPE é a mais numerosa

Classe HPE é a mais numerosa

Depois de duas etapas disputadas em quarto finais de semana, o XIV Circuito de Vela de Ilhabela – Copa Suzuki Jimny entra em recesso e volta em setembro, com a terceira e penúltima etapa do calendário 2014. Antes disso, porém, os velejadores voltam à Ilhabela para o maior evento náutico da América Latina, a Ilhabela Sailling Week 2014 que acontece de 19 a 26 de julho também no Yacht Club de Ilhabela.

A etapa que terminou neste domingo no litoral norte paulista foi o último treino das equipes antes do evento internacional. “Nosso calendário é riquíssimo com disputas sempre bem acirradas, isso ajuda a manter o bom nível dos tripulantes para competições como a Semana de Vela da Ilha”, diz Marcelo Bellotti, do veleiro F7/Ser Glass.

Conhecida e reconhecida com chancela federal como a Capital Nacional da Vela, Ilhabela foi colorida neste final de semana com as velas e balões dos 39 barcos que fecharam a segunda etapa do Circuito de Vela. Com ventos fracos no início da manhã, a primeira largada só ocorreu por volta das duas horas da tarde. Quando os ventos chegaram, vieram de oeste e logo depois da largada paralisaram novamente. Voltaram soprar meia hora depois e apenas uma regata foi realizada. “Esse esporte é assim, quem manda é a natureza”, brinca Juan Mendez, tripulante do veleiro Rudá.

Após as regatas desse fim de semana o veleiro CA Technologies pode comemorar a liderança na classe C30, ao menos até setembro. A equipe de Marcelo Massa abriu quatro pontos de vantagem sobre o adversário Caballo Loco ao vencer as regatas realizadas no sábado e domingo. “Não é fácil, todos os barcos chegaram aqui empatados com seis pontos”, comenta o comandante. Os resultados já consideram o descarte do pior tempo.

Quem também comemorou foram os tripulantes do Take Ashauer, da classe HPE. Eles quebraram a hegemonia do veleiro Ginga ao vencerem a regata do dia e assumir a ponta da tabela. Ambos estão empatados com onze pontos, porém, o vencedor da última regata tem a vantagem. “Vamos comemorar, mas só até setembro, sei que eles e os outros da classe são muito fortes e competitivos e nada está fechado ainda”, diz o comandante Marcos Ashauer. Hegemonia garantida também para o Rudá que mantém o primeiro lugar desde o início da temporada e agora acumula 4 pontos.

Na classe Star, convidada do evento, André Diometti do veleiro Pudim de Cana é o líder com onze pontos, seguido em igualdade de pontuação com Cosa Nostra, de Marcelo Bellotti. A classe ORC permantece inalterada com Chorma de Luis Gustavo de Crescenzo em primeiro e Orson de Carlos Eduardo Souza e Silva, em segundo. Na classe RGS, Kanibal de Martin Bonato lidera e na RGS Cruiser o Jambock de Marco Aleixo.
O Circuito de Vela de Ilhabela é uma realização do Yacht Club de Ilhabela, patrocínio master da Suzuki Veículos e também Ser Glass e F7. Apoio da Pousada BL3 Armação dos Ventos, Radio Antena 1 FM, North Sails, Revista Mariner, SailStation, Mar & Vela, Prefeitura de Ilhabela.

Confira o resultado até segunda etapa:

HPE
1- Take Ashauer (Marcos Ashauer) (3+1+4+2+1) = 11
2 – Ginga (Breno Chvaicer) (Reg 1 + Reg 2 + Reg 3) (2+2+1+4+2) = 11
3 – Bixiga (Pino Di Segni)(1+7+2+1+4) = 15
4 – Fit To Fly (Eduardo Mangabeira) (5+6+3+3+6) = 23
5 – Suzuki Bond Girl (Rique Wanderley) (4 +2+8+5+5) = 24
6 – Repeteco (Fernando Haaland) (8+3+5+7+3) = 26
7 – F7/Ser Glass (Marcelo Belloti) (10+4+8+1+10) = 33
8 – Aventura (Jose Otavio M. Vita) (9+6+10+4+8) = 37
9 – Conquest (Marco Hidalgo) (3+5+11+11+11) = 41
10 – Artemis (Mark Essle) (8+10+9+7+7) = 41
11 – Bronco (Caio Prado) (5+11+12+6+9) = 43
12 – Takra (Luiz Eduardo D’Almeida) (7+9+10+9+9) = 44
13 – Xereta (Luiz Rosenfeld) (13+11+13+13+12) = 62

RGS
1 – Kanibal (Martin Bonato) (1+2+3+2) = 8
2 – BL3 Urca (Pedro Rodrigues) (3+1+5+1) = 10
3 – Asbar II (Sergio Klepacz) (2+3+2+3) = 10
4 – Atlantico (Enio Ferreira) (5+5+6+6)= 22
5 – Suduca (Marcelo Claro) (4+ DNC + DNC+5) = 24
4 – Xiliky (Fabio Cantanhede) (6+4+7+7) = 24
7 – Jazz (John Jansen) (DNC + DNC + 4+4) = 24
6 – Anequim (Paulo F. Moura) (4+DNF+ DNC+DNC) = 31

RGS Cruiser
1 – Jambock (Marco Aleixo) (1+1+3+2) = 7
2 – BL3 Wind Nautica (Clauberto Andrade) (2+2+4+1) = 9
3 – Boccalupo (Claudio Melaragno) (4+3+1+3) = 11
4 – Cocoon (Luiz Marcelo Caggiano) (3+4+2+4) = 13

IRC
1 – Rudá (Mario Martinez) (1+1+1+1) = 4
2 – Orson (Carlos E. S. Silva) (2+2+2+2) = 8
3 – Mussulo III (Jose Guilherme M. P. Caldas) (3+3+3+3) = 11

C30
1 – C A Technologies (Marcelo Massa) (1+3+1+1) = 6
2 – Caballo Loco (Mauro Dottori) (2+4+2+2) = 10
3 – Caiçara Porsche (Marcos de Oliveira Cesar) (4+2+1+4) = 11
4 – Realizado (José Luiz Apud) (1+5+2+3) = 12
5 – Barracuda (Humberto Diniz) (3+3+4+3) = 12

ORC
1 – Chroma (Luis Gustavo de Crescenzo) (2+1+1+1) = 5
2 – Orson (Carlos Eduardo Souza e Silva) (1+2+2+2) = 7

STAR
1 – Pudim de Cana (André Diometti) (5+2+3+1)=11
2 – Cosa Nostra (Marcelo Bellotti) (5+1+2+3) = 11
3 – Miisca (Alessandro Pascolato) (1+1+5+5)=12
4 – Clementina (Marcelo Fuchs) (5+5+2+1)=13

Da assessoria

Empate quíntuplo marca primeiro final de semana da Copa Suzuki Jimny em Ilhabela

Durante o primeiro dia as classes C30, IRC, ORC, RGS e RGS Cruiser disputaram duas regatas enquanto a classe HPE25 disputou três.

Com 36 barcos inscritos na segunda etapa do XIV Circuito de Vela de Ilhabela – Copa Suzuki Jimny , o primeiro dia de regatas em Ilhabela surpreendeu pelo bom tempo e clima com um dia belíssimo e ventos em condições excelentes e também pelos resultados. As classes C30, IRC, ORC, RGS e RGS Cruiser disputaram duas regatas de barla-sota de aproximadamente sete milhas náuticas cada, realizadas nas proximidades de Ponta das Canas. Já os barcos da HPE25 realizaram três regatas barla-sota, de aproximadamente cinco milhas náuticas cada.

Na classe C30, houve empate de todos os barcos participantes, com seis pontos cada. “As regatas tiverem um regime de vento bom e este empate mostra o ótimo equilíbrio da classe” diz o comandante do barco Barracuda, Humberto Diniz.

No domingo, o vento não entrou e a disputa foi adiada para o próximo final de semana

HPE
1 – Ginga (Breno Chvaicer) (Reg 1 + Reg 2 + Reg 3) (2+2+1) = 5
2 – Take Ashauer (Marcos Ashauer) (3+1+4) = 8
3 – Bixiga (Pino Di Segni)(1+7+7) = 15
4 – Fit To Fly (Eduardo Mangabeira) (6+5+6) = 17
5 – Suzuki Bond Girl (Rique Wanderley) (4+14 DNF +2) = 20
6 – Conquest (Marco Hidalgo) (12+3+5) = 20
7 – Repeteco (Fernando Haaland) (11+8+3) = 22
8 – F7/Ser Glass (Marcelo Belloti) (10+4+8) = 22
9 – Takra (Luiz Eduardo D’Almeida) (7+9+10) = 26
10 – Aventura 55 (Jose Otavio M. Vita) (9+6+12) = 27
11 – Artemis (Mark Essle) (8+10+9) = 27
12 – Bronco (Caio Prado) (5+12+11) = 28
13 – Xereta (Luiz Rosenfeld) (13+11+13) = 37

RGS
1 – Kanibal (Martin Bonato) (1+2) = 3
2 – BL3 Urca (Pedro Rodrigues) (3+1) = 4
3 – Asbar II (Sergio Klepacz) (2+3) = 5
4 – Xiliky (Fabio Cantanhede) (6+4) = 10
5 – Atlantico (Enio Ferreira) (5+5)= 10
6 – Anequim (Paulo F. Moura) (4+7 DNF) = 11

RGS Cruiser
1 – Jambock (Marco Aleixo) (1+1) = 2
2 – BL3 Wind Nautica (Clauberto Andrade) (2+2) = 4
3 – Boccalupo (Claudio Melaragno) (4+3) = 7
4 – Cocoon (Luiz Marcelo Caggiano) (3+4) = 7

IRC
1 – Rudá (Mario Martinez) (1+1) = 2
2 – Orson (Carlos E. S. Silva) (2+2) = 4
3 – Mussulo III (Jose Guilherme M. P. Caldas) (3+3) = 6

C30
1 – C A Technology (Marcelo Massa) (5+1) = 6
2 – + Realizado (José Luiz Apud) (1+5) = 6
3 – Caiçara Porsche (Marcos de Oliveira Cesar) (4+2) = 6
4 – Caballo Loco (Mauro Dottori) (2+4) = 6
5 – Barracuda (Humberto Diniz) (3+3) = 6

ORC
1 – Chroma (Luis Gustavo de Crescenzo) (2+1) = 3
2 – Orson (Carlos Eduardo Souza e Silva) (1+2) 3

Da assessoria

Santinha é o novo tático do C30 Porshe Caiçara

Dono de 13 títulos internacionais, o velejador Maurício Santa Cruz, o Santinha, é um dos nome já confirmados para o XXIV Circuito de Vela de Ilhabela – Copa Suzuki Jimny, que acontece no final deste mês, em Ilhabela. Experiente, ele será o tático do veleiro Caiçara Porshe que compete na classe C30, uma das mais disputadas na temporada. “Nossa meta é construir uma equipe sólida e velejar de igual para igual com as melhores tripulações”, diz ele.

Carioca da gema, Santinha acumula cinco títulos mundiais de Snipe, é Campeão do Hemisfério, Bi-campeão Panamericano de J/24 (Rio de Janeiro/2007 e México/2011), medalha de prata em San Domingo em 2003, além dos títulos de Campeão Brasileiro, Italiano, Australiano, Americano, Mexicano e Inglês.

Os primeiros treinos com o novo reforço acontecem na sexta-feira e o primeiro desafio será no sábado, dia 22 de março com um circuito de longo percurso. “Vamos treinar bastante, rever as manobras e implantar uma mentalidade vencedora”, enfatizou Santinha. A tripulação do veleiro Caiçara Porsche conta, ainda, com Rodrigo Inácio na Proa, Carlos Pulga – Trimmer Genoa, Gustavo De Simone – Trimmer Balão, Renato Dória – Runnings e Nil Junior – Floater. Para o comandante e timoneiro Marcos Oliveira Cesar, eles já tem a receita para conquistar o título da temporada. “Trabalho, treino e capacidade não vão faltar. Nossa intenção ao trazer um profissional com o gabarito do Santinha é valorizar a participação da equipe ao longo de todo o Circuito em Ilhabela e ir em busca da vitória”, diz.

A temporada 2014 da Copa Suzuki Jimny promete ser uma das mais acirradas dos últimos anos. Ao todo, serão quatro etapas em oito finais de semana. A primeira acontece nos dias 22,23, 29 e 30 de março no Yacht Club de Ilhabela.As inscrições serão realizadas no Yacht Club de Ilhabela no dia 22 de março das 8h às 21h e no dia 23 das 8h às 11h30 na Secretaria de Náutica.

O Circuito Ilhabela Copa Suzuki Jimny tem a organização do Yacht Club de Ilhabela, patrocínio Master da SUZUKI VEICULOS e apoio da Pousada Armação dos Ventos, Revista Mariner, Antena 1, Prefeitura Municipal de Ilhabela e Brancante Seguros.

Da assessoria

%d blogueiros gostam disto: