Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Copa Suzuki’

Regata Volta à Ilha rompe a madrugada em SP

ILHABELA.jpg

Na bela foto do Sailstation Marcos Méndez vemos a boa disputa na Ilhabela

A tradicional regata de percurso da Copa Swift Sport, Volta à Ilha – Sir Peter Blake, em homenagem ao velejador neozelandês, tornou-se um desafio de mais de 13 horas para os últimos barcos a cruzar a linha de chegada, no último domingo de novembro (29). Sol, chuva, vento forte e calmaria impuseram aos velejadores as mais variadas condições durante o percurso de 40 milhas entre a praia da Armação (noroeste de Ilhabela) e a ponta da Sela (sudoeste). O fita azul, primeiro barco a chegar no tempo real, foi o caiçara Porsche, da classe C30, comandado por Marcos de Oliveira Cezar.

Havia a expectativa de que o melhor tempo da prova, 6h05m12, estabelecido pelo Montecristo em 2014, fosse superado, mas o Porsche concluiu a regata às 20h59, com o tempo de 8h54, enquanto o último barco a chegar foi o BL3, à 1h16m42 deste domingo (29), após 13h11m42 de velejada. Entre os 26 barcos da Volta à Ilha, 17 completaram a prova, com nove desistências. Outras 14 embarcações, sendo dez HPE 25 e quatro RGS C, correram regata mais curta, entre as praias da Armação e Jabaquara.

Na classe RGS (A e B), flotilha mais numerosa do campeonato, vitória do barco de Ilhabela, Jazz, após 9h14m57. “Fizemos a regata das quatro estações. Teve de tudo no percurso: sol, chuva, névoa, vento forte, calmaria. Foi ao mesmo tempo um desafio e uma diversão. Ainda tivemos um alagamento porque a mangueira da pia estourou e colocou 300 litros de água a bordo. Poderíamos ter sido ainda mais rápidos se não tivéssemos que drenar a água”, avaliou o comandante do Jazz, John Jansen. “Já de noite, após a tempestade, optamos por afastar o barco da Ilha e fomos favorecidos pela correnteza de sul”.

O Jazz chegou à frente de Inaê Transbrasa, Fram, Orson e Montecristo na divisão “A”. Na “B”, apenas o Helios (Marcos Lobo) cruzou a linha de chegada, enquanto na RGS Cruiser, Alforria, H2Orça e BL3 completaram a prova. “Estamos invictos desde que decidimos competir, neste ano”, comemorou o comandante do Alforria, Luiz Villares. “Vencemos a Regata do Camarão na categoria Família e a Caipirinha’s Cup, ambas em Ilhabela. Hoje, chegamos à frente do Orson no tempo real. É um orgulho”, destacou Villares.

Match Race na C30 – Na briga pela fita azul, Troféu Almirante Tamandaré em homenagem ao Dia do Marinheiro, a competitiva classe C30 proporcionou um duelo sensacional na linha de chegada. O Porsche chegou apenas 30 segundos à frente do Caballo Loco (Mauro Dottori). O terceiro colocado na classe foi o Kaikias (Felipe Echenique). O Tahiti Nui, líder da classe HPE 30, liderou a maior parte da regata. “Quando faltavam 2,5 milhas dissemos: não perdemos mais. Logo em seguida veio raio, trovão, chuva e caímos em um buraco de vento, em baixo de uma nuvem. Na escuridão só víamos as luzes dos barcos nos passando no vento leste”, lamentou Ricardo Costa, tripulante do Tahiti Nui. Os barcos #04 (Henrique Haddad) e Capatosta (Marcelo Bellotti) chegaram à frente do Tahiti Nui (André Fonseca, o Bochecha).

Susto na HPE 25 – Logo depois da largada em frente à Praia da Armação, o HPE 25 Suzuki Bond Girl deu um bordo rente à costa de Ilhabela e acabou projetado contra as pedras, devido a um “buraco de vento”. Com o auxílio do bote da Comissão de Regata a tripulação comandada por Rique Vanderley foi resgatada, ilesa, e retornou velejando ao Grêmio de Vela de Ilhabela (GVI) para revisão do casco e da quilha. Sempre mostrando poder de superação, os velejadores do Bond Girl venceram a Ilhabela Sailing Week, em julho, após a quebra do mastro, logo no primeiro dia, também em regata de percurso.

A quarta e decisiva etapa da Copa Swift Sport, XV Circuito Ilhabela de vela oceânica define a temporada de 2015 no próximo fim de semana (05 e 06/12). A organização e realização são do Yacht Club de Ilhabela.

Por Ary Pereira Jr.

Circuito Ilhabela Copa Suzuki Jimny começa neste final de semana

Representantes cariocas da classe HPE25 escolheram o evento para impulsionar ainda mais suas equipes

A partir dessa sexta-feira, começa a movimentação para a primeira etapa do Circuito de Vela de Ilhabela – Copa Suzuki Jimny que começa nesse fim de semana, no Yacht Club de Ilhabela. Cerca de 450 pessoas são esperadas para a primeira etapa que será realizada nos dias 22, 23, 29 e 30 de março. Velejadores de Santos, Ubatuba, Guarujá, São Sebastião, Florianópolis e Rio de Janeiro já estão confirmados e os barcos aportam a partir desta sexta. “A competição só termina em dezembro e serão quatro etapas disputadíssimas”, confirma o diretor de Vela do YachtClub, Carlos Eduardo Souza e Silva.

Esse ano, o evento completa quatorze anos, consolidando-se como o maior circuito de vela de oceano do país. Entre os dias 22 e 23 serão disputadas regatas de percurso e barla-sota, e a programação será definida pela comissão de regatas de acordo com as condições do tempo. Um Happy Hour está sendo preparado para recepcionar os convidados após as regatas realizadas no sábado. “Vamos comemorar o retorno dessa grande flotilha à Ilhabela”, diz o Dr. De Vela do YCI.

Dentre as disputas que vão movimentar a vela de oceano no litoral norte paulista, está a classe HPE25, uma das mais numerosas do evento. No início do ano, representantes cariocas da classe se reuniram para definir os eventos que serviriam para impulsionar ainda mais suas equipes e a Copa Suzuki de Vela está entre os escolhidos. Os barcos foram submetidos a uma inspeção para que o Medidor possa observar e orientar eventuais itens que estejam em desacordo com as regras da Classe HPE25. O barco, projetado pelos empresários Eduardo Souza Ramos e Felipe Furquim, completou 10 anos em outubro do ano passado e ao que tudo indica, em torno de 15 participarão do circuito.

As inscrições serão realizadas no Yacht Club de Ilhabela nos dias 21 das 17 às 21 horas e 22 das 8 às 11h30.
O Circuito Ilhabela Copa Suzuki Jimny tem a organização do Yacht Club de Ilhabela, patrocínio Master da SUZUKI VEICULOS e apoio da North Sails, Pousada Armação dos Ventos, Revista Mariner, Prefeitura Municipal de Ilhabela, Sailstation e Brancante Seguros.

Da assessoria

 

Suzuki mantém aposta no maior circuito náutico do Brasil

Pelo quarto ano consecutivo, a marca investe na Copa de Vela

O maior circuito náutico do País tem o patrocínio máster da Suzuki pela quarto ano consecutivo. A aposta no esporte tem o objetivo de reforçar o lifestyle aventureiro, fun e outdoor que está no DNA da marca e seus produtos. Em 2014, além de premiações, sorteios e exposições dos veículos em um lounge exclusivo no Yacht Club de Ilhabela (YCI), a novidade da Copa Suzuki Jimny de Vela fica por conta de uma ação em parceria com o YCI.

A Copa de Vela, que tem o name right da Suzuki, também tem destaque do Jimny, o primeiro veículo da marca produzido no Brasil, desde 2012. “O Jimny traduz o espírito jovem dos velejadores: ativos, aventureiros que buscam no esporte um hobby saudável ou uma fuga no fim de semana, tudo isso alinhado à qualidade de vida”, comenta Luiz Rosenfeld, presidente da Suzuki Veículos do Brasil. Além disso, a marca patrocina dois barcos da classe HPE: o Jimny Bond Girl, comandado por Rick Wanderley, e o Jimny Takeashauer, de Cassio Ashauer.

Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do Yacht Club de Ilhabela, destaca a relação do esporte com a Suzuki. “A vela é um esporte que exige critério, planejamento, trabalho em equipe, busca por resultado, mas ao mesmo tempo é leveza, diversão e aventura, por isso, encontramos na marca um dos grandes parceiros para a competição”.

Para os competidores, a presença do automobilismo no mundo náutico mostra que há interesse e respeito pelo público que pratica o esporte. “Criamos uma empatia com a marca, olhamos com maior entusiasmo para o que nos é apresentado e isso, sem dúvida, é importante para todos”, explica o empresário e velejador Fábio Bodra. A marca Suzuki ainda é estampada nas camisetas oficiais e nas bóias utilizadas pela comissão de regatas para demarcar os locais por onde os competidores deverão passar para cumprir o percurso.
Representantes do litoral norte e sul do estado de São Paulo, além de Santa Catarina, Porto Alegre e Rio de Janeiro, já estão confirmados. O velejador Maurício Santa Cruz, o Santinha, também trará a experiência de quatorze medalhas para a raia da competição e será o reforço da equipe comandado por Marcos César. “Estamos ansiosos pelo início da temporada e com a presença desse grande profissional, sem dúvida, estaremos ainda mais competitivos esse ano”.

A temporada 2014 do Circuito de Vela de Ilhabela – Copa Suzuki Jimny – começa no próximo sábado, 22, e tem sequência nos dias 23, 29 e 30 de março. Segundo os organizadores, a competição promete superar as expectativas. “Sem dúvida será ainda melhor que no ano passado com a presença da nata da vela de oceano do País”, diz Carlos Sodré (Cuca), responsável técnico do evento. Ao todo, serão quatro etapas realizadas em oito finais de semana.

Da assessoria

Copa Suzuki continua neste final de semana em Ilhabela

O Lexus foi um dos destaques do primeiro final de semana

O Lexus foi um dos destaques do primeiro final de semana

Regatas em Ilhabela foram equilibradas no primeiro fim de semana nas classes ORC, C30, HPE, RGS (A,B,C e Cruiser)

Ilhabela(SP) – Os números da estreia da Copa Suzuki Jimny 2013 comprovam que a competição de vela oceânica é uma das mais fortes do País. Logo de cara, no primeiro fim de semana, 45 barcos das classes ORC, C30, HPE, RGS (A,B,C e Cruiser) disputaram as regatas no Canal de São Sebastião. A flotilha nesta temporada já é maior do que a média do ano passado, que teve 40. Além disso, as equipes se reforçaram com novos equipamentos, como jogo de vela, e contrataram profissionais da modalidade para melhorar os resultados na água. A organização do campeonato e a estrutura do Yacht Club de Ilhabela (YCI) também colocam o evento como obrigatório para a vela paulista.

“Reunir 45 barcos em uma mesma competição é um desafio para os organizadores e um cenário ideal para os velejadores. É muito legal a disputa e os resultados estão cada vez mais apertados. Vemos algumas classes crescendo, como o HPE e outras se consolidando como a RGS”, diz Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do YCI.

Neste sábado (20) e domingo (21), os times voltam a se enfrentar em Ilhabela e a previsão é de mar calmo, com temperatura um pouco mais alta do que no fim de semana passado: 22 graus de média no período da tarde, quando as regatas são realizadas.”Mesmo com tempo ruim (frio), as primeiras regatas foram bem disputadas e a tendência é que fiquem ainda mais ao longo do ano. As equipes sabem que não podem perder pontos para vencer o campeonato, em dezembro”, avalia Carlos Eduardo Souza e Silva, diretor de vela do YCI.

Mais uma vez, a classe HPE foi a que apresentou maior equilíbrio. Com 16 veleiros na raia, as equipes se alteraram na liderança nas duas regatas, mas a melhor média foi do Jimny Take Ashauer (Cássio Ashauer), seguido por Relaxa Next/Caixa (Maurício Santa Cruz).

Na C30, com quatro veleiros na disputa, destaque para o TNT/Loyal (Marcelo Massa), que venceu as duas. Na ORC, Lexus/Chroma (Luiz Gustavo de Crescenzo) e Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) dividem a ponta, com três pontos perdidos.

Na RGS-A, o Jazz (Valéria Ravanni) segue com 100% de aproveitamento no circuito, superando o campeão do ano passado, o Fram (Felipe Aidar). Na RGS-B, o Suduca (Marcelo Claro) também venceu no sábado e no domingo. Na RGS-C, destaque para Arial (Andreas Kugler) e Boccalupo (Cláudio Melaragno), na RGS-Cruiser. Ambos têm 100% de aproveitamento.

Resultados – após duas regatas

ORC
1- Lexus/Chroma (Luiz Gustavo de Crescenzo) – 3 pontos perdidos (2+1)
2- Orson/Mapfre (Carlos Eduardo Souza e Silva) – 3 pp (1+2)
3- Sextante (Thomas Shaw) – 9 pp (3+6)

C30
1- TNT/Loyal (Marcelo Massa) – 2 pp (1+1)
2- +Realizado (José Luiz Apud) – 5 p (3+2)
3- Barracuda (Humberto Diniz) – 6 pp (2+4)

HPE
1- Jimny Take Ashauer (Cássio Ashauer) – 6 pp (2+4)
2- Relaxa Next/Caixa (Marcelo Santa Cruz) – 8 pp (1+7)
3- Ginga (Breno Chvaicer) – 8 pp (3+5)

RGS-A
1- Jazz (Valéria Ravani) – 2 pp (1+1)
2- Urca/BL3 (Pedro Rodrigues) – 6 pp (4+2)
3- Inaê/Transbrasa (Bayard Umbuzeiro Filho) – 7 pp (2+5)

RGS-B
1- Suduca (Marcelo Claro) – 2 pp (1+1)
2- Asbar II (Sergio Klepacz) – 4 pp (2+2)
3- Helios – Sírio Libanês – 6 pp (3+3)

RGS-C
1- Ariel (Andreas Kubler) – 2 pp (1+1)
2- Rainha (Leonardo Pacheco) – 5 pp (3+2)

RGS-Cruiser
1- Boccalupo (Claudio Melaragno) – 2 pp (1+1)
2- Nimbus (André Torrente) – 5 (3+2)
3- Brazuca (José Rubens Bueno) – 6 pp (2+4)

Da ZDL

%d blogueiros gostam disto: