Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Fernanda Oliveira’

Isaf divulga membros da Comissão de Atletas; Fernanda Oliveira é única brasileira

Nesta semana a Isaf divulgou o nome dos velejadores que irão integrar a Comissão de Atletas. Dos oito, cinco foram recém eleitos, dentre eles a brasileira Fernanda Oliveira. Ela, Sarah Gosling (GBR), Lijia Xu (CHN), Pieter-Jan Postma (NED) e Yann Rocherieux (FRA) se juntam a Ben Barger (USA), Malcolm Page (AUS), e Marcelien de Koning (NED) , que estão indo para o segundo mandato.

O grupo tem como função fazer a ponte entre os atletas olímpicos e a Federação Internacional, representando sempre o interesse dos velejadores que fazem campanha olímpica e encorajando a comunicação e feedback destes velejadores. Entre outras funções eles poderão escolher os lugares do Mundial da Isaf, equipamentos e comitês de oficiais de regata.

Resumão de segunda na quarta: Lars e Samuca vencem Star, Torben vence clássicos, Boat Show, Hyères, Mini-Circuito Rio, Soling e mais.

Lars e Samuca venceram no Paranoá.

Lars e Samuca venceram no Paranoá.

Lady Lou, de Torben, vence regata de clássicos em Mangaratiba. Lars e Samuca vencem Brasileiro de Star em Brasília. Boat Show teve bons veleiros em exposição. Fernanda e Ana arrebentam em Hyères. Joyon tenta novo recorde solitário. Izabel ruma para Páscoa.  Betão e Igor chegam à Ilhabela. Ronie Senfft vence Mini-Circuito Rio. Regata Elas agita Guanabara. George Nehm, Marcos Pinto Ribeiro e Lúcio Ribeiro vencem SulAm de Soling pela 4ª vez. Thiago Brito e Gustavo Thiessen são vices de 420 na Argentina. Pedro Corrêa, do YCSA, fatura SulBra de OP em Porto Alegre. Team Aqua vence RC44 em Trapani. The Wave Muscat vence eXtreme 40 em Qingdao.

Agende-se: Rolex Ilhabela Sailing Week, Taça dos Lagos na Guarapiranga, Taça Roger Wright de Snipe em Búzios, Paulista de Snipe, Taça das Gerações em POA e Route de Princes de MOD70.

Bom dia querido amigo e mais que querida amiga, nesta tarde de quarta, transmitindo direto do covil do Posto 6, no glorioso Rio onde é sempre janeiro, vamos celebrando os altos índices de felicidade interna bruta a bordo dos nossos barquinhos. E como diria Renatinho Avelar, o fantasma vélico da ópera vitoriana, “enquanto o papa Chico Zero não chega” vamos tocando nós mesmos.

Antes aquele toque de sempre sobre o www.murillonovaes.com onde você encontra tudo de vela (e no FB, Twi, Linkedin, etc.) e o agradecimento de sempre à Bavaria que torna possível esta cartinha chegar até você. Prossigamos…

Neste finde, na angra dos príncipes e reis, em sua porção mais Mangaratiba, rolou a 3ª Regata de Clássicos no Portobello Resort. Como sempre, Loic Grosselin e a competente galera da Media Mundi organizaram outro eventinho super. Claro que ter a oportunidade de tomar bronca de Torben Grael em pessoa e constatar, com meus próprios tímpanos, que a potência vocal de nosso tenor dos oceanos continua intacta é sempre motivo de honra e orgulho para este eterno navegamador. Foi duca! Comecemos por lá mesmo.

Clássicos – Neste princípio do nupcial mês de maio, eis que novamente a confraria dos cultores das flutuantes joias raras de outrora se reuniu nas franjas das encostas da serra do Mar, no fluminense município de Mangaratiba, para mais uma festa… Ops… Regata que reuniu tudo que  há de bom neste mundão de Éolo.

Ventos sociais de 8 a 10 nós, céu azul, duas boas regatas (uma por dia, para não estressar os antigos, barcos e tripulantes) e a sempre divertida e prazerosa social, que começou no coquetel de sexta, com aquele showzaço com muito dancing e prosseguiu com um belo almoço e uma feijoada de primeira, compuseram o cenário ideal para o desfile das velhas senhoras sempre elegantes.

No fim, no pódio geral (RGS) deu, pela ordem: Lady Lou, de Torben Grael; Macanudo de Ricardo Montenegro e Cairu III de Roberto Geyer. Mas, nas categorias de A a  H, a procissão foi completa e o concurso de beleza acirrado. Os 22 barcos, como o escaler Quatorze, do sempre presente Almirante Gamboa, a incrível escuna Pery, o Froya II, que ofereceu ao vencedor uma bela passarela de embarque de madeira, à moda francesa, o Cangaceiro, o próprio Cairu entre outros, encheram as retinas (e os Instagrams) dos que puderam testemunhar as idílicas tardes angrenses.

Bacana também foi ver a rapaziada do Colégio Naval, que não deixa de ser local, vencer na sua categoria e mostrar que a vela é parte viva da formação da futura elite da Marinha do Brasil. Legal a disposição dos gaúchos presentes e o entusiasmo crescente que a vela d’antanho vem despertando em todo lugar. O próximo clássico encontro dos “barco véio” será na imperial Paraty, na segunda quinzena de Agosto. E ainda teremos Búzios! Obaaa!!

Estrelas – Em Brasília, 19 horas… Nada disso! Em Brasília, rolou mais um campeonato brasileiro da classe Star. E no coração do país quem novamente viu o céu do planalto central mais de perto, no mais alto do pódio, foi Lars Grael. Ele e Samuca Gonçalves, oriundo das primeiras turmas do mais que decenário Projeto Grael e velejador de talento reconhecido, venceram após cinco regatas e um descarte.

Em segundo veio aquela raposa que voltou para espantar os cordeiros das raias, Marcelo Fuchs, com o auxilio luxuoso de um dos melhores proeiros de Star que Pindorama já viu: Roni Seifert. No bronze, mas com o peso (220kg) ganho no sorteio, em cerveja Stella Artois, ficou a dupla local Xabi e Xande, conhecida também pelos apelidos de Guilherme Raulino e Alexandre Freitas.

Pelos relatos captados pelas antenas mânzicas desta escriba, o Iate Clube de Brasília (querido e eterno Iate!) novamente colocou o sarrafo lá em cima em termos de organização, social de prima e mordomias e mimos diversos para participantes, simpatizantes e patrocinadores. Um luxo!

Detalhe: Lars se tornou pentacampeão do Brasileiro de Star, torneio que vem papando desde 2008, e junto ao título do 7º Distrito neste ano completa o “little slam” nacional da classe das estrelas neste 2013 que ainda prossegue.

Este foi o 28ª pódio de Lars Grael, apenas na classe Star, depois do terrível acidente que lhe custou a perna direita. E olha que em alguns dos torneios que ele venceu estavam presentes feras como o irmão Torben e Robert Scheidt, só para citar os deuses nacionais, sem pensar nos gringos. Depois eu digo que amo esse cara e tem nego que me chama de puxa-saco….  Parabéns, Lars!! Arrebentou!

Boat Show – Na quarta passada, o Rio de Janeiro viu o fim de mais um Rio Boat Show. O maior salão náutico da América Latina fez jus ao nome e reuniu parte significante do PIB do setor (que não é pequeno). Desde iates de mais de 100 pés e 25 milhões de reais a simples botes infláveis de 2 metros, tudo estava de alguma forma representado ali. A Vela, contrariando a tendência dos últimos tempos, veio forte e vários veleiros (99% de cruzeiro, claro) puderam ser vistos no píer Mauá.

Começo destacando nosso patrocinador, a Bavaria, que trouxe três belos barcos para o Rio: o Cruiser 50, o Cruiser 45 e o Vision 46. Todos com aquele acabamento europeu refinadíssimo, cabines e cockpits mais que espaçosos e uma super relação custo x benefício que fez com que virassem um sucesso de vendas. Sem barcos expostos, mas com um estande bem legal também estava a Fountaine Pajot, marca que faz os catamarãs de cruzeiro top de linha do planeta mundo.

Por falar em cats, havia dois em exposição no salão. O super legal Flash Cat 35 da brasileiríssima Flash Boats e a mansão flutuante Lagoon 45 (que vem a ser os Beneteau de dois cascos). As tradicionais Beneteau e Jeanneau estavam lá, claro, e também e mostraram seus veleiros de sonho. Sempre na faixa entre 40 e 50 pés. Destaque para o novo Oceanis 500 da Beneteau que lembra muito a linha Sense e tem aquele visual moderno com a boca super larga e interior bem iluminado.

Outros que fizeram sucesso foram o franceses Dufour. O Dufour 36Performance sobressaiu por ser um bom barco de regatas, com o pedigree de Umberto Felci, travestido em um barco de cruzeiro também. Outro, bem maneiro, foi o novo Dufour 500 que chegou da Europa trazido direto pro salão pelo próprio proprietário, nosso amigo Renato “Massara” Cunha que com seu antigo Ventaneiro ganhou muita coisa por aqui. Agora o regateiro aburguesou-se e esculachou no conforto e nas mordomias. Quero só ver nas próximas competições! Um whisky para o meu navegador por gentileza…

Tivemos ainda nosso glorioso Edu Penido mostrando o luxo alemão do Hanse 495, que com borda livre de corveta, pé direito de até 2,20m e muita madeira nobre fez a cabeça dos mais chegados ao topo da pirâmide.

Bem, em termos de vela de monotipos e barcos pequenos praticamente não havia nada. Uns catamarãs infláveis e desmontáveis foram a grande novidade e olha lá… Bailly, com suas capotas mágicas, o excelente software de navegação MaxSea, no estande da Polônia (é… tinha um!) e um ou outro outro eletrônico que serve tanto para motor quanto vela deixaram alguns pavilhões mais interessantes. Fora, claro, o estande da Regatta com a Harken, Musto, etc. em boas promoções.

E o bacana meeesmo, como de costume foi o domingão da vela, no auditório, com excelentes palestras. Parolê que começou com Cristiano Rolim e Sílvio Ramos falando de suas circunavegações e culminou com Marina Bandeira Klink, ladeada pelo marido/lenda Amyr, lançando e falando sobre seu belíssimo livro de fotos antárticas e pela presença do mestre dos mestres, o brasuca/ucraniano que deu quatro voltas ao mundo (três delas solo), Aleixo Belov. Uma honra e uma alegria sem fim ver mestre Belov ao vivo!! Foi muitcho bão!

 

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

** Terminou em Hyères a 4ª e última etapa da Copa do Mundo de Vela da Isaf 2012/13 e para a dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan (470), gaúchas dos Jangadeiros, foi mais um título conquistado em altíssimo nível. Elas venceram nada menos que três da quatro etapas da Copa. Arrebentaram! Já Robert Scheidt ficou com o vice na Laser em águas francesas. Bruno Fontes (Laser), Martine e Kahena (49erFX) e Bimba (RS:X) ficaram, todos, em 6º geral. Pat Freitas (RS:X) terminou em 5º entre as moças de prancha. Bochecha e Xico Andrade (49er) em 25º e Bruno Prada (Finn) em 39º completaram o escrete canarinho no mediterrâneo.

** Ainda na Gáulia… Francis Joyon já está pronto para tentar quebrar o recorde de travessia do Atlântico Norte. A previsão é de que ele parta de Nova Iorque no próximo dia 15. A meta é cruzar o oceano em menos de cinco dias, 19 horas e 29 minutos, o que dá uma média de 21 nós. Caso consiga estabelecer uma nova marca, ele se tornará o primeiro velejador a quebrar os recordes do “Grand Slam” náutico-solitário-oceânico. Esse é Deus!!

**  E por falar em solitário. A guerreira Izabel Pimentel ainda tenta ser a primeira brasileira a circunavegar o globo em solitário. Ela desistiu de tentar ser a primeira(o) do país a dar a volta ao mundo em solitário sem paradas e sem assistência. Depois de capotar no meio do Pacífico e com avarias no seu veleiro de apenas 30 pés, Izabel optou por rumar para a ilha de Páscoa para reparos e de lá, via canal do Panamá, para Séte, na França de onde partiu. Corajosa sempre!!

** E por falar em travessias… Terminou na Ilhabela da princesa a epopeia atlântica de Betão Pandiani e Igor Bely. Com muita festa e o respeito que nossos superaventureiros dos catamarãs de praia em cabine merecem, Beto e Igor completaram mais uma jornada vitoriosa. Adoooro!! Agora só falta o Índico galera… Bem fácil!

** Depois de dois finais de semana de competições, terminaram neste domingo as disputas do Mini Circuito Rio. Organizado pelo Iate Clube Brasileiro, de Niterói, o evento reuniu 40 barcos, 14 a mais que em 2012. Na classe ORC, mais uma vez o campeão só foi conhecido na última regata. O Eurus, de Ronaldo Senfft acabou ficando com o título, com o Stand By Me, de Lars/Nicolas Grael, em segundo e Lady Milla, de Ricardo Tolentino, em terceiro. O Eurus também ficou com o título na classe J/24. Na RGS, a mais numerosa, o vencedor foi o Xekmat, de Roberto Baily. Na HPE25 o Motu, de Celso Quintella ficou com o lugar mais alto do pódio. Na Ranger 22 o título ficou com o Hook, de Alexandre Haddad. Na Veleiros 23 o primeiro colocado foi o CL Durf, de Marcelo Maia, enquanto na Skipper 21 o melhor foi o UBA, do comandante Henrique Lima Rocha. Animado!!

** No Rio, quer dizer… Em Niterói rolou a tradicional regata Elas, promoção do Clube Naval Charitas só para as fêmeas da espécie. Nosso sempre presente fotografo Fred Hoffmann estava lá e fez um belo slide show que você confere clicando aqui.

**  A tripulação do Bossa Nova com George Nehm, Marcos Pinto Ribeiro e Lúcio Ribeiro, do Veleiros do Sul, sagrou-se campeã do sul-americano da classe Soling no Club Náutico San Isidro, em Buenos Aires. O trio venceu pela quarta vez o campeonato e consolidou a posição de principal equipe do continente. Em 2007 eles foram campeões mundiais da classe. Em segundo lugar ficaram os argentinos Pablo Despontin, Pablo Noceti e Ezequiel Sasso. Dá-lhe gurizada!!

** E por lá no Santo Isidro rolou mais gauchada feliz… Terminou neste final de semana em San Isidro, na Argentina, o campeonato San Isidro Labrador para a classe 420. Os gaúchos Thiago Ribas, que contou com Gustavo Thiesen como reforço na proa, no segundo final de semana da competição, e Tiago Brito e Andrei Kneipp dominaram a competição nos dois finais de semana e terminaram na segunda e terceira colocação geral, entre 23 duplas inscritas. O título ficou com os argentinos Agustin Romer e Fermin Jacob por apenas dois pontos de vantagem. Monotipo começado em 400 é coisa do sul, tchê!

** Ainda por lá… Terminou neste sábado, o 35º Campeonato Sul Brasileiro da Classe Optimist. A competição foi realizada pelo Jangadeiros e reuniu 104 velejadores do RS, SC, PR, SP, RJ, BA, PB e DF. Ao todo, oito regatas foram disputadas na raia da Tristeza, em Porto Alegre, e o evento era parte da seletiva para os campeonatos Mundial, Europeu e Norte Americano. O campeão brasileiro em janeiro, o paulista Pedro Corrêa (YCSA) não deu chances liderou a competição desde o primeiro dia de provas, conquistando o título com uma vantagem de 19 pontos sobre o brasiliense Lucas Faria, segundo colocado. O gaúcho Gabriel Lopes, do Veleiros do Sul, completou o pódio, na terceira colocação. É o futuro, meu povo!!

** O último dia de regatas de RC44 em Trapani foi perfeito, com ventos de 14 a 19 nós e muito sol. O Team Aqua conseguiu segurar a ponta e, no desempate, venceu o Tem Cereef. Os dois terminaram a etapa com 45 pontos. Na terceira colocação ficou o Katusha, com uma vantagem de apenas dois pontos para o Artemis Racing. Os russos do Katusha venceram no match race. Esses barcos… Sonho!!

**  Terminou neste domingo em Qingdao, na China, a terceira etapa do Extreme Sailing Series. O The Wave, Muscat, conseguiu se recuperar no último dia de regatas e, de virada, ficou com o título, com apenas um pontos de vantagem sobre o Alinghi, segundo colocado. A próxima etapa do Extreme Sailing Series será disputada em Istambul, na Turquia, de 20 a 23 de junho. Extremo!!!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  A diversidade de barcos é um dos charmes da Rolex Ilhabela Sailing Week, que em 2013 chega à sua 40ª edição. As classes ORC, HPE, C30, S40, RGS (A, B, C e Cruiser) e Star estão convidadas e logo nas primeiras horas de inscrição, oito equipes confirmaram presença nas provas, que ocorrem de 6 a 13 de julho, no Yacht Club de Ilhabela (YCI). O mais rápido foi o Azulão (Marcello Polônio). Na ORC, estão inscritos o V8 Nitro (Paulo Treu), Prozak (Márcio Finamore) e Absoluto (Pedro Prosdócimo Neto). Na RGS, que é dividida em quatro categorias e lidera o número de barcos, Thalassa (Maurício Martinez Duarte), Jambock (Marco Antônio Aleixo), Azulão (Marcello Polônio) e Atlântica (Ênio Ferreira Junior) fizeram o processo pelo site http://www.risw.com.br. Mais novo integrante da classe C30, o Caballo Loco (Mauro Dottori) foi o primeiro a garantir presença na classe. Inscreva-se!

**  Neste sábado será disputada na Guarapiranga uma das regatas mais tradicionais do calendário paulista de monotipo, a Taça dos Lagos. Para se inscrever, cada velejador deve doar dois quilos de alimento. A largada está prevista para as 13h. às 17 horas está marcada no SPYC a assembleia geral da classe Snipe para as flotilhas 311, 434 e 448.

** Mais Snipe… Nos dias 15 e 16 de junho o Búzios Vela Clube irá sediar a Taça Roger Wright para a classe Snipe. Apesar de não realizar a regata Búzios – Cabo Frio este ano, o evento tem como objetivo ser um aquecimento para o Leste Brasileiro da classe, realizado na subsede de Cabo Frio do ICRJ dois finais de semana depois. Quem quiser, pode ir treinar no BVC no início do mês e o clube oferece transporte para a Cabo Frio assim que o evento terminar.

** E mais Snipe… Atendendo a pedidos dos velejadores paulistas, o campeonato estadual de Snipe terá duas etapas: uma em santos e outra na capital. As regatas no litoral serão disputadas nos dias 22 e 23 de junho, com direito a regata-treino no dia 21. As inscrições custam R$100,00 e terão um desconto de 25% para quem se inscrever nas duas etapas de uma vez.

**  E mais ainda… No próximo dia 11, em Porto Alegre, a flotilha 426 de Snipe convida os velejadores para a Regata das Gerações Nando Krahe da classe Snipe. O evento, que começa às 10h, faz parte do 1º Festival de Vela – 1º Snipefest e 2º Optifest. As inscrições custa R$ 50,00.As regatas serão divididas por gerações: década de 70, de 70 a 80, de 80 a 90 e de 90 a 2000. Os barcos serão disponibilizados pela organização e haverá proeiros experientes disponíveis para “empréstimo”. A final será uma disputa entre os finalistas de cada geração.

**  A partir do dia 9 de junho os melhores catamarãs do mundo estarão reunidos em Valência para o início das disputas da Route des Princes. Barcos das classes Multi50 e MOD70 já confirmaram a presença na prova de 3045 milhas náuticas. “O objetivo é velejar bem, passando horas na água e só o fato de estarmos dentro do barco nos permitirá conhecer melhor o barco”, disse Erwan Leroux, skipper do Cardinal FenêtréA. Vai ser lindo!!

 

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\

A viagem do VO65 pela europa

The Wave, Muscat vence a terceira etapa do Extreme Sailing Series

Regata solitário em Santa Catarina

Vídeo duplo: Oracle Racing e Artemis Racing treinam match race a bordo de AC45 com foil

  

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“A vida é uma história contada por um idiota, cheia de som e de fúria, sem sentido algum”. Apenas para citar o clássico William Shakespeare.

Fui!! Com som e fúria

Murillo Novaes

 

 

 

 

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan são campeãs de mais uma Etapa de Copa do Mundo de Vela

Fernandinha e Ana na frente. Coisa normal em 2013. Até agora tudo que elas correram, venceram! Demais!!

Fernandinha e Ana na frente. Coisa normal em 2013. Até agora tudo que elas correram, venceram! Demais!!

As gaúchas Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, do Clube dos Jangadeiros,  conquistaram a terceira etapa consecutiva da Copa do Mundo de Vela. Depois dos títulos das etapas em Miami e em Palma de Mallorca, a dupla foi campeã neste sábado, dia 27, da etapa de Hyères, quando foram realizadas as duas Medal Races, regatas finais que reuniram apenas as 10 melhores duplas e contam com pontuação dobrada.

Fernanda e Ana obtiveram um 5º lugar na primeira regata e ficaram 6º na segunda. Desde fevereiro, Fernanda e Ana são as líderes, na classe 470, do ranking mundial da Federação Internacional de Vela, a Isaf, e foram campeãs de todas as seis competições que participaram em 2013: Sul-Americano, Brasileiro, Semana Brasileira de Vela, e as três etapas de Copas do Mundo que participaram.

“Estamos bem felizes com o nosso desempenho, mas conscientes que precisamos melhorar bastante em alguns aspectos técnicos. Seguimos nosso planejamento de treinos em Porto Alegre e no Rio de Janeiro”, disse Fernandinha que é campeã brasileira 16 vezes, está em sua quinta Campanha Olímpica (participou de: Sydney/2000, Atenas/2004, Pequim/2008 e Londres/2012) e nos Jogos de Pequim/2008 conquistou a inédita medalha olímpica da vela feminina com a proeira Isabel Swan. Essa é muito, muito fera!!! Parabéns Fernadinha e Ana, arrebentaram!!!

Semana Olímpica Francesa: Brasileiros passam para a disputa da medal race na liderança

Terminou nesta sexta-feira em Hyères a fase classificatória da Semana Olímpica Francesa, válida como a última etapa da Copa do Mundo de Vela. E o Brasil pode comemorar, pois dois dos nossos atletas passaram para a medal race na primeira colocação. Na disputa deste domingo, com exceção do 49er e 49er FX em que passam os oito primeiros, em todas as outras classes passam de fase os dez primeiros colocados.

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan lideraram a competição inteira na classe 470 e abriram uma vantagem de 12 pontos para as francesas Camille Lecointre e Mathilde Geron, segundas colocadas.

Na Laser Robert Scheidt conseguiu velejar bem nesta sexta e assumiu a ponta. Bruno Fontes, que também veleja neste sábado, passou de fase em quarto.

Quem também irá disputar a regata da medalha são os velejadores da RS:X. Ricardo Winick passou na sexta posição, enquanto Patrícia Freitas passou em quinto.

Na 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze se mantiveram na terceira colocação e também disputarão o ouro neste sábado.

 

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan seguem na liderança da Semana Olímpica Francesa

Nesta quarta-feira começou em Hyères a fase fina de competição. Os velejadores das dez classes olímpicas estão divididos em flotilha ouro e flotilha prata. E os brasileiros seguem entre os melhores do mundo.

Na 470 feminina, as gaúchas Fernanda Oliveira e Ana Barbachan seguem na liderança, com oito pontos de vantagem sobre as americanas Anne Haeger e Briana Provancha, segundas colocadas.

Na Laser, Bruno Fontes e Robert Scheidt fazem uma dobradinha em segundo e terceiro. O líder é o croata Stipanovic Tonci. Os outros brasileiros na classe são Matheus Delagnello, em 36º e Alex Veeren, em 55º. Na Radial, Fernanda Decnop está em 26º.

Na RS:X, Patrícia Freitas subiu uma posição e está em sexto, enquanto Bimba segue em sétimo.Na 49er, Martine Grael e Kahena Kunze subiram para a terceira colocação, enquanto André Fonseca e Francisco Andrade estão em 23º. Na mesma classe, Marco Grael e Gabriel Borges estão em 43º. Na Finn, Bruno Prada está em segundo na flotilha prata.

Entre os paralímpicos, Mario Czaschke subiu uma posição e está em 13º. O trio Tui Oliveira, Marcos do Carmo e José Matias de Abreu seguem na sexta posição.

 

Brasil segue se destacando na Semana Olímpica Francesa

O segundo dia de regatas da Semana Olímpica Francesa foi bom para os brasileiros. Na 470, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan venceram mais uma regata a ampliaram a vantagem sobre a dupla Lara Vadlau e Jolanta Ogar, da Áustria, segunda colocada. Na Laser, Bruno Fontes está em segundo e Robert Scheidt fechou o dia em 6º após uma desclassificação por ter largado escapado. Na RSX:, Patrícia Freitas está em 7º, assim como Bimba no masculino. Na 49er FX, Martine Grael e Kahena também subiram para a 7ª colocação.

Fernanda Decnop, na Radial, teve um dia melhor e subiu para a 25ª colocação, enquanto na 49er, André Fonseca e Francisco Andrade também estão na mesma posição. Marco Grael e Gabriel Borges não foram bem e caíram para 30º. Quem também não foi bem foi Bruno Prada, que caiu para a 37ª colocação na Finn.

Entre os paralímpicos, Mario Czaschke segue na 14ª colocação do 2.4, enquanto Tui de Oliveira, Antônio Marcos do Carmo e José Matias Gonçalves caíram para a 6ª posição.

Brasileiros têm boa estreia na Semana Olímpica Francesa

Começou nesta segunda-feira em Hyères, na França, a última etapa da Copa do Mundo de Vela 2012-13. Apesar de não ser a maior delegação, o Brasil fez uma boa estreia e tem sete atletas entre os top 10.

Na 470, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, que venceram em Miami e Palma de Maiorca, começaram a competição liderando após duas vitórias em três regatas. Na Laser Standard, Bruno Fontes teve um bom início e, com um descarte, está em 2º. Robert Scheidt tem a mesma pontuação, mas aparece em 5º na súmula. Matheus Delagnello, em 43º, e Alex Veeren, em 62º, completam o time da Laser Standard. Quem também está na 5ª colocação é Bruno Prada, ex-parceiro de Scheit, que agora compete na classe Finn.  Na RS:X, Patrícia Freitas começa a competição em 6º, enquanto Bimba está em 7º.

Na 49er, Marco Grael e Gabriel Borges conseguiram aproveitar melhor o vento fraco e estão em 21º, enquanto André Fonseca e Francisco Andrade estão em 27º. Entre as meninas do 49er FX, Martine Grael e Kahena Kunze aparecem na 11ª colocação geral. Na Laser Radial, Fernanda Decnop não teve um bom começo e está em  45º.

Entre os paralímpicos, o trio Tui Francisco de Oliveira, Antônio Marcos do Carmo e José Matias de Abreu está em 4º na Sonar, enquanto Mario Czaschke está em 14º na 2.4.

Gaúchos disputam a última etapa da Copa do Mundo de Vela na França

Embaladas pelos ótimos resultados obtidos recentemente, as duplas do Clube dos JangadeirosFernanda Oliveira/Ana Barbachan e André “Bochecha” Fonseca/Francisco Andrade viajaram para Hyères, na França, onde disputarão a quarta etapa da Copa do Mundo de Vela. A competição acontece de 21 a 27 de abril e reúne os velejadores em campanha para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro/2016. A previsão da organização do evento é de que cerca de 700 barcos e mais de mil competidores participem das regatas, representando aproximadamente 50 países.

Campeãs das etapas de Miami e Palma de Mallorca da Copa do Mundo de Vela, as gaúchas Fernanda e Ana começam o campeonato com a moral elevada. A dupla do Jangadeiros é a primeira colocada no ranking mundial da classe 470 feminina e já conquistou outros três títulos em 2013 (Campeonato Brasileiro, Campeonato Sul-Americano e Semana Brasileira de Vela). A vitória mais recente aconteceu na Espanha, onde as velejadoras sagraram-se campeãs do 44º Trofeo Princesa Sofia.

Somando cinco participações olímpicas, o catarinense Bochecha e o carioca Andrade também chegaram à França confiantes. Formada há poucos meses, a parceria evolui rapidamente e já obteve dois importantes títulos (sul-americano e norte-americano). Os velejadores estão em sétimo lugar no ranking mundial da classe 49er. “Nosso objetivo do ano era estar entre os 20 primeiros do ranking, mas as regatas iniciais correram muito bem e subimos mais que a expectativa. Aqui, em Hyéres, queremos ficar entre os 15 primeiros”, revela Bochecha.

As duas duplas do Clube dos Jangadeiros integram a Equipe Brasileira de Vela, que tem o apoio da Confederação Brasileira de Vela.

Da assessoria

Extra: Fernanda e Ana vencem em Palma. Brasil coloca quatro barcos no “dia da medalha”

Fernandina Oliveira e Ana Barbachan arrebemtaram

Fernandina Oliveira e Ana Barbachan arrebentaram hoje em Palma. Uhuu!!

Hoje foi dia de medalha em Palma de Maiorca e o Brasil foi muito bem. As gaúchas jangadeiras Fernandinha Oliveira e Ana Barbachan se sagraram campeãs da classe 470 feminina na 3ª etapa da Copa do Mundo de Vela em  em Palma de Maiorca, Espanha.  Com 5º e 1º nas duas medal races (é agora são duas, maiores explicações abaixo) venceram com folgas no penúltimo evento da Copa do Mundo de Vela da temporada 2012/2013 (o último em Hyères no fim do mês).

Além da dupla de ouro do Guaíba, Bruno Fontes, na Laser STD em  5º, Ricardo ‘Bimba’ Winicki, na RS:X masculina, também em  5º e Martine Grael e Kahena Kunze no 49erFX, em 6º, completaram o time tupiniquim presente no “dia da medalha”. Dia este, já fruto dos estudos para mudanças no formato de disputa do Rio 2016.

Novo formato – A primeira grande mudança (a meu ver, boa) é que os vencedores das regatas fazem zero ponto ao invés de um ponto, coisa que estimula as vitórias já que, na prática, vencer uma regata significa abrir 2 pontos dos adversários. Do 2º em diante fica tudo normal: 2,3,4,5,6pts… Outra é que a classificação final da série de regatas qualificatórias passa para a fase final contando como se fosse uma regata lá, ou seja, o primeiro da súmula leva zero ponto, o segundo 2, o terceiro 3 e assim por diante. A isso se somam os resultados normais das regatas da fase final. E finalmente vem o tal do “Medal Day” ou “Final Stage” como os gringos estão chamando.

O novo formato de disputa de todas as classes (menos os esquifes) prevê duas medal races (pontos dobrados, só os 10 primeiros, não descartável) no último dia de competição. E nas classes 49er, masculina, e 49erFX, feminina, rolam mais quatro regatas em que participam apenas os oito primeiros colocados, a pontuação é normal (0,2,3,4pts…) e não há possibilidade de descarte do pior resultado. O percurso é curto, próximo do público e da costa, e as regatas devem durar no máximo dez minutos cada. É o que a Isaf está chamando de “vela de estádio” ou “vela de arena” (“stadium sailing”, em inglês) conceito que a Extreme Sailing Series inventou e que a 34ªCopa América, em São Francisco, parece ter exacerbado. Veremos!! Parabéns as meninas do sul pela vitória e à toda a equipe brasileira de vela pela garra de sempre! Foi bom!!

Fui!!

Murillo Novaes

 

 

Seis brasileiros disputam a medal race em Palma

Este slideshow necessita de JavaScript.

A equipe que está representando o Brasil no Trofeo Princesa Sofia, em Palma de Maiorca, é com certeza uma das mais fortes da história. Neste sábado, seis dos onze atletas disputarão a medal racel, em que estarão presentes apenas os dez melhores colocados.

Fernanda Oliveira e Ana Barbachan fizeram uma campanha perfeita na classe 470. Ao vencerem duas regatas nesta sexta-feira, as gaúchas chegam na medal race na liderança, com dois pontos de vantagem sobre as inglesas Sophie Weguelin e Eilidh Mcintyre.

Quem também está na briga direta pelo ouro é Ricardo Winicki, o Bimba. Ele está na segunda colocação da RS:X, a apenas dois pontos do líder, o espanhol Ivan Pastor.

Na Laser Standard, um 41º na última regata da fase final fez com que Bruno Fontes também passasse para a medal race na segunda colocação. A diferença de pontos entre ele e o australiano Tom Burton é de 16 pontos.

Já as líderes do ranking mundial de 49er FX Martine Grael e Kahena Kunze caíram quatro posições e passam para a regata final na sexta posição, a 25 pontos das líderes, as dinamarquesas Ida Nielsen e Marie Olsen.

A medal race em Palma será diferente das outras já realizadas até agora. Como o objetivo da Isaf é testar novos formatos de competições, os velejadores disputarão duas regatas ao invés de uma. A pontuação continuará sendo dobrada, sem a opção de descarte. Outra novidade, que já está sendo testada desde o início do evento, é que o primeiro colocado ao invés de somar um ponto, não soma nenhum. Do segundo em diante a pontuação segue nomal.

Para os skiffs, no entanto, está sendo testado o formato estádio, com regatinhas curtinhas, de no máximo dez minutos de duração e com a raia delimitada. Os pontos da primeira fase somam na medal, que também tem uma pontuação diferenciada.

Os outros brasileiros na competição são: Matheus Dellagnelo, 35º na Laser Standard, André Fonseca e Francisco Andrade, Marco Grael e Gabriel Borges, 17º e 41º respectivamente na classe 49er, e Bruno Prada e Jorge Zarif, 25º e 36º na Finn.

%d blogueiros gostam disto: