Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘groupama’

Groupama é o vencedor da Volvo Ocean Race 2011/12

Barco de Franck Cammas completa última perna em segundo lugar e não pode ser mais alcançado pelo Puma. Camper venceu etapa de Lorient até Galway

São Paulo (SP) – Festa francesa na madrugada desta terça-feira (3) em Galway, na Irlanda. O barco Groupama ficou em segundo lugar na última perna da Volvo Ocean Race e não pode ser mais alcançado pelos adversários. O título coroa a tripulação de Franck Cammas, que virou o jogo nas reta final, principalmente após a quebra do mastro no caminho entre a Nova Zelândia e o Brasil,em abril.

O campeonato de oito meses de duração também está definido matematicamente em todas as posições após a vitória do Camper no trecho entre Lorient e Galway. O veleiro de bandeira espanhola/neozelandesa completou os quase 200 quilômetros pelo Atlântico Norte em 1 dia, 13 horas e 40 minutos e confirmou o vice-campeonato. O Puma que ostentava a posição caiu para terceiro e o Telefónica, que liderou a maior parte da Volta ao Mundo, terminou em quarto e fora do pódio. Na sequência aparecem Abu Dhabi e Sanya.

Resta apenas a regata do porto, marcada para o sábado (7), mas os franceses não podem mais ser alcançados, já que a diferença para o Camper é de 24 pontos e a prova irlandesa valerá apenas seis pontos ao vencedor. A regata final terá transmissão ao vivo do canal Bandsports a partir das 8h.

“É um momento muito feliz para nós”, comemora Franck Cammas. “Eu não achava que poderíamos ganhar. É o meu sonho realizado”. Os franceses foram recebidos por milhares de pessoas em Galway, mesmo tarde da noite. A conquista é a segunda da França em Volta ao Mundo. A primeira foi em 1986 com L´Espirit d´Equipe, de Lionel Péan.

Os franceses tiraram 28 pontos de vantagem desde a parada de Sanya na China para o Telefónica. Um dos pontos decisivos foi a vitória da Regata do Porto de Itajaí, justamente após a quebra do mastro ocorrida na região do Uruguai, na subida ao Brasil.

O brasileiro Joca Signorini, chefe de turno do Telefónica, está satisfeito com o desempenho da equipe espanhola, mesmo após liderar o evento pela maior parte do tempo. “Foi uma competição dura e uma jornada longa. O Groupama está de parabéns”.

Resultado acumulado:
1º – Groupama – 250 pontos
2º – Camper – 226 pontos
3º – Puma – 220 pontos
4º – Telefónica – 209 pontos
5º – Abu Dhabi – 129 pontos
6º – Sanya – 50 pontos

Da ZDL

Franceses chegam primeiro em casa e colocam uma mão na taça da VOR

Groupama ganha perna de Lisboa até Lorient e coloca a mão na taça. Espanhóis que lideraram quase todo o campeonato precisam de um milagre para reverter a vantagem

Itajaí (SC) – O título da Volvo Ocean Race, que antes era dado como certo para o barco espanhol do Telefónica, passou para as mãos da França com o Groupama. O veleiro de Franck Cammas venceu, nesta sexta-feira (15), a perna de Lisboa até Lorient de 1.940 milhas náuticas e abriu mais de 20 pontos de vantagem para o segundo colocado, que passou a ser o Puma, dos Estados Unidos. Os franceses aproveitaram a quebra do leme dos espanhóis e abriram vantagem, chegando em primeiro lugar em casa, para festa dos amantes da vela de oceano na Costa da Bretanha.

O veleiro francês completou a oitava perna em quatro dias, 23 horas, 31 minutos e quatro segundos. O Camper, barco de bandeira espanhola/neozelandesa, fechou em segundo lugar, ganhando 25 pontos. “Foi uma perna curta, porém dura. É uma sensação muito boa ser recebido pelos milhares de fãs do meu país. Com certeza é um sonho que tínhamos desde que largamos para essa aventura”, relatou o feliz comandante Franck Cammas.

O barco conseguiu uma recuperação digna de campeão na perna, subindo da quarta colocação à liderança em apenas dois dias e justamente nas milhas finais. A vitória veio também em função da coragem e habilidade do tripulante Brad Marsh, que subiu ao topo do mastro de 31 metros para efetuar reparos no equipamento durante uma tempestade. Sem desistir, o time francês recuperou a ponta menos de 12 horas antes da chegada.

Os 30 pontos obtidos pelo Groupama praticamente tiram o título esperado do Telefónica, que tem o brasileiro Joca Signorini a bordo. Os ibéricos foram prejudicados pela quebra do leme quando lideravam a prova e haviam batido o recorde de velocidade desta edição da Volvo Ocean Race: 560 milhas  em 24 horas. Em seguida, o Camper estabeleceu a melhor marca com 565 milhas . Com o problema da quinta-feira (14), os espanhóis reduziram a velocidade caindo para quinto lugar e ainda não completaram o trecho.

O comandante do Team Telefónica, Iker Martinez, comentou sobre a frustração ao ver perdidos aqueles que poderiam ser os pontos mais decisivos do campeonato. “São dois anos de trabalho desaparecendo em questão de minutos. Que triste!”.

Os barcos voltam a disputar pontos apenas no sábado (23), com a Regata do Porto na costa francesa. O vencedor leva seis pontos. No dia seguinte, os veleiros partem para Galway, na Irlanda. Quem vencer o trecho soma 30 pontos. Matematicamente, o Groupama precisa chegar em terceiro para garantir o título com folga, sem contar os pontos da In-port Race do outro sábado. O percurso será curto, com 485 milhas náuticas (886 quilômetros).

Resultado acumulado após a oitava perna:
1º – Groupama – 219 pontos
2º – Puma – 196 pontos
3º – Telefónica – 191 pontos*
4º – Camper – 191 pontos
5º – Abu Dhabi – 122 pontos
6º – Sanya – 44 pontos*

* Pontuação não oficial e levando em conta o cenário atual com Telefónica chegando em quinto e Sanya em sexto na perna de Lisboa até Lorient

A onda – O time do Camper teve um dia de sofrimento com as fortes ondas. O comandante Chris Nicholson foi arrancado do leme pela força das águas. O australiano disse que sentiu dores nas pernas,mas conseguiu levar o barco para a segunda posição.

Um regulador de velas que estava por perto assumiu o controle do barco e evitou uma capotagem, mesmo sem enxergar quase nada.

Vídeo: Mastro do Groupama é levado para Itajaí

Volvo Ocean Race: Mastro do Groupama chega a Itajaí com esquema especial de logística

Equipe francesa já trabalha para repor peça danificada na quinta perna. Shows de Paralamas do Sucesso e Nando Reis agitam Vila da Regata

Itajaí (SC) – Um dos maiores desafios de logística das últimas edições da Volvo Ocean Race foi concluído nesta quinta-feira (12): após quatro dias de operação, o mastro do veleiro francês Groupama está em Itajaí. A chegada do equipamento a Santa Catarina mobilizou mais de 30 profissionais no Aeroporto de Curitiba e recebeu a escolta das polícias Federal e Rodoviária no caminho até a cidade-sede do maior evento náutico do mundo.

A peça de 32 metros saiu de Roterdã, na Holanda, e foi inserida pelo bico do avião cargueiro. Após aterrissar na capital paranaense, precisou de três horas para ser colocada em um caminhão antes de pegar a BR-101. Batedores e controladores de tráfego ajudaram a coordenar o trânsito até a chegada à Vila da Regata, na viagem que durou cinco horas. As empresas de logística DHL e Waive Log, parceiras da regata de volta ao mundo, coordenaram o trabalho.

O Groupama perdeu o mastro no fim do percurso entre Nova Zelândia e Brasil, quando liderava a quinta perna de Auckland até Itajaí. O veleiro francês sofreu a avaria próximo ao litoral do Uruguai, parou em Punta del Este para fazer um material improvisado e chegou em Santa Catarina em terceiro lugar, apesar da quebra.

“O trabalho será concluído em dois dias, apesar da necessidade de muita atenção durante a instalação. É um mastro de primeira linha, mas não há segredos. Depois de colocar no seu devido lugar, precisamos testar. A nossa sorte é que temos tempo até a regata do porto. O transporte foi muito tranquilo e nos deu segurança”, relata Ben Wright, chefe da equipe de terra do Groupama.

A peça fundamental do barco será instalada pela equipe de terra francesa nos próximos dias e terá também o acompanhamento do brasileiro Ricardo Ermel. “O primeiro desafio foi fazer esse transporte. Agora precisamos terminar o check list para que nada dê errado. O trabalho não é tão complicado, mas exige atenção”.

Logística – A DHL Express é a responsável pelo transporte, ao longo da corrida, de mais de 25 toneladas de materiais e contêineres, dando todo o suporte logístico e emergencial para os barcos e participantes da competição por meio de sua frota aérea, marítima e terrestre. São mais de 45.000 quilômetros percorridos.

“Toda a regata é monitorada pela DHL anualmente a partir do Centro de Controle Internacional criado pela companhia especialmente para a Volvo Ocen Race, o que facilita o trabalho de nossa equipe e o apoio à todos os participantes”, afirma Reinier Vens, Diretor de Projetos Volvo Ocean Race – DHL Global Forwarding.

Foi elaborada uma estratégia para atender imprevistos o mais rápido possível. No caso do Groupama, a operação foi facilitada, já que havia um depósito de peças de reposição no aeroporto de Roterdã, que fica em uma posição central na Europa, com vôos disponíveis para todos os países participantes da regata, para o transporte dos equipamentos.

Camper a todo vapor – O time espanhol/neozelandês deve aparecer em Itajaí na segunda-feira (16). A tripulação sofre com o sistema de baixa pressão na Argentina, o que deixa a navegação complicada. O relato do tripulante de mídia sobre a aventura mostra o drama. “Estou enjoado. Tudo balança, bate e é muito rápido por aqui”. A situação deve melhorar nas próximas 24 horas, de acordo com informações da meteorologia da Volvo Ocean Race.

Com média de 11 nós, o barco vermelho passou pelo teste de segurança, segundo o comandante Chris Nicholson. “Essa passagem foi muito difícil. Tudo muito parecido com a situação da saída de Auckland. Mesmo assim, posso dizer que foi um bom teste para a ‘nova estrutura’ do barco. Parece estar tudo bem.”

Enquanto isso, as equipes de terra de Puma, Telefónica e Groupama acertam os últimos detalhes para a Regata do Porto, marcada para o dia 21 de abril. Antes disso, provavelmente na segunda-feira, os times devem fazer os primeiros treinos no rio Itajaí-Açu.

Da ZDL

Groupama chega em Itajaí e já começa a arrumar o barco

Terceiro colocado na perna, barco francês é recebido com festa na cidade catarinense. Camper deve chegar na segunda-feira e o VIP Solidário pode ser imitado por outras paradas

Itajaí (SC) – Depois de 23 dias e com o mastro quebrado, o Groupama finalmente chegou a Itajaí e se juntou ao Puma e Telefónica. A aventura mais desgastante da edição 2011/2012 da Volvo Ocean Race foi classificada como “a mais difícil da história” pelo comandante Franck Cammas.

O primeiro procedimento do time será arrumar todas as avarias da embarcação, bastante prejudicada pelas ondas e os fortes ventos dos mares do sul. A tarefa número um será trocar o mastro. Os franceses devem receber o equipamento, importado da Holanda, na sexta-feira (13).

“Estou bastante ansioso quanto a instalação do novo mastro. Fomos surpreendidos com a quebra quando estávamos no melhor momento da regata e caminhando para ganhar a segunda perna seguida. Confio no trabalho de terra da nossa equipe para deixar tudo pronto”, reforça Franck Cammas, que foi recebido com banquete de comida sueca no pavilhão da Volvo Ocean Race. “A primeira coisa que todos precisam é uma refeição quente e depois um banho”.

A tripulação está orgulhosa por fazer essa recuperação sem maiores danos ao barco e à saúde da equipe, que ficou dois dias parada em Punta del Este, no Uruguai. “Os caras fizeram um trabalho fantástico e estou muito feliz com o nosso terceiro lugar. O clima é de dever cumprido”, relata Franck Cammas – o pódio em Itajaí alçou o time ao segundo lugar na classificação geral.

Mastro de 32 metros será transportado por caminhão – Em Itajaí, os heróis do Groupama deixam os trabalhos nas mãos dos integrantes da equipe de terra. Um dos nomes desse time é o brasileiro Ricardo Ermel, veterano de duas Volvo Ocean Race. Ele será responsável, junto com a organização, a DHL e a Waiver Log, pelo transporte da peça entre Curitiba (PR) e Santa Catarina.

O processo é um dos mais importantes para os franceses no Brasil. O mastro de 32 metros veio da Holanda por avião, para o aeroporto de Curitiba. Até Itajaí, distante 202 km, vai por estrada, em cima de um caminhão, escoltado pelas polícias Federal e Rodoviária. A chegada da peça está prevista para sexta-feira (13).

“Fizemos uma adaptação para facilitar o transporte. O processo precisa ser todo monitorado do aeroporto de Curitiba até a Vila da Regata. A estratégia das equipes de terra é fundamental para o andamento dos barcos nas regatas do porto e, principalmente, nas pernas”, conta Ermel.

Com o novo mastro disponível, a equipe de terra poderá fazer os testes necessários antes dos primeiros treinos para a Regata do Porto do dia 21.

Da ZDL de Comunicação

Groupama é terceiro na perna mais difícil da VOR

O Groupama conquistarou nesta terça-feira a terceira colocação da perna entre Auckland, na Nova Zelândia, e Itajaí, em Santa Catarina. Os franceses cruzaram linha de chegada às 13h58 UTC com mastreação de fortuna após a quebra do mastro no través de Punta Del Este, no Uruguai.

O barco foi o penúltimo da flotilha a terminar a etapa. O Camper, que teve problemas na proa do barco e parou em Puerto Montt, no Chile, para consertá-la, está seguindo para a cidade catarinense com velocidade de 19 nós. Ainda faltam 2100 milhas até a linha de chegada, mas a previsão é de que eles cruzem o cabo Horn ainda esta noite. Já o Abu Dhabi, que teve problemas com a estrutura do casco, está indo de navio e deverá chegar em Itajaí nos próximos dias. O Sanya, que também teve problemas no casco, desistiu da etapa e seguirá direto para Miami, próxima parada da VOR.

Foto: Groupama para em Punta del Este para consertar o mastro

Este slideshow necessita de JavaScript.

Groupama suspende a regata após quebrar o mastro

E a bruxa está mesmo solta nesta etapa da Volvo Ocean Race. Depois do Abu Dhabi desistir da regata por conta de problemas estruturais no casco e uma previsão do tempo assustadora pela frente durante a passagem pelo Horn, agora foi a vez do líder Groupama suspender a regata após quebrar o mastro logo acima da primeira cruzeta.

“Nós perdemos o mastro agora, toda a tripulação está salva. Estamos trabalhando para estabilizar o mastro no barco. Não é fácil. Suspendemos a regata e vamos decidir o que fazer. Estamos a 59 milhas de Punta Del Este.

Enquanto isso o Telefónica continua se aproximando do Puma, atual líder. A diferença agora é de apenas 35 milhas.

Franceses vencem quarta perna da Volvo Ocean Race

Groupama conquista etapa da China até a Nova Zelândia e reduz vantagem do Telefónica na classificação geral

O Groupama foi o vencedor da quarta perna da Volvo Ocean Race 2011/2012 entre Sanya (China) e Auckland (Nova Zelândia). Os franceses completaram as 5.220 milhas náuticas  na madrugada deste sábado (10) em 19 dias 15 horas e 36 minutos, com uma vantagem de mais de 100 milhas sobre o segundo colocado, o Puma. O resultado foi bastante comemorado pelos tripulantes do barco verde na chegada ao porto da Oceania. Afinal de contas, eles tiraram os 100% de aproveitamento do Telefónica, da Espanha, na Volta ao Mundo, que ganhou as três primeiras pernas da regata. Com os 30 pontos somados, o time da França assume a segunda colocação geral, ultrapassando o Camper, que deve ser o quarto colocado desta vez.

“É um grande dia para a tripulação do Groupama 4. Tomamos as decisões corretas e ousadas no meio da regata e isso nos deu essa vantagem. A escolha do rumo ao norte foi o momento chave dessa perna”, explica Franck Cammas, em referência ao momento em que o barco, junto com o Puma, seguiu para o norte ainda na Ásia e desgarrou da flotilha.

Outro fator também chamou atenção: nas 100 milhas finais, o time da França teve uma avaria na proa do veleiro que resultou em inundação. O trabalho da equipe de terra será fundamental para arrumar o problema, já que a Regata do Porto de Auckland será no sábado (17) e a largada para Itajaí no dia seguinte.

“Percebi de uma hora pra outra que a proa do barco estava cheia de água. Quando o helicóptero da organização se aproximou, nós estávamos bombeando a água, eles provavelmente estavam tentando descobrir o que estava acontecendo. Foi um drama, mas espero que essa vitória nos impulsione na tabela”, conta o timoneiro Damian Foxall. O Puma foi o segundo a cruzar a linha mas a briga acirrada foi pelo terceiro lugar. O Telefónica conseguiu a medalha de bronze ao cruzar a linha apenas 93 segundos a frente do Camper, que ficou com a quarta colocação. Abu Dhabi e Sanya foram os últimos a chegarem, ja neste domingo.

A parada brasileira – A passagem da Volvo Ocean Race em Itajaí está prevista para o início de abril. O trecho entre Auckland (Nova Zelândia) e a cidade catarinense é um dos pontos mais sensíveis e estratégicos da regata de Volta ao Mundo. As equipes percorrerão 12.417 quilômetros (6705 milhas náuticas) – o maior trecho da competição – para chegar à costa catarinense. A largada será no domingo (18).

A vila da regata de Itajaí será aberta no dia 4 de abril, quando devem chegar os primeiros barcos. Depois de duas semanas de manutenção, as equipes disputam a Regata Pro-Am, no dia 20, a Regata In-Port, no dia seguinte, e largam para os Estados Unidos no dia 22, em direção a Miami.

Da ZDL de Comunicação

Banque Populaire V segue quebrando recordes em busca do Trofeu Julio Verne

Parte da equipe comemora o novo tempo de referência entre os dois cabos

A equipe do maxitrimarã Banque Populaire V segue quebrando recordes enquanto completa a volta ao mundo sem escalas. No último dia 10 a equipe estabeleceu um novo tempo de referencia entre o cabo da Boa Esperança e o cabo Leewin. Com isso os comandados de Loick Peyron já abrem mais de 3 dias de vantagem sobre o recorde atual, que pertence ao Groupama, de Franck Cammas.

%d blogueiros gostam disto: