Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Laser Standard’

Robert Scheidt está a uma regata da vitória na Semana Brasileira de Vela

Campeão olímpico e mundial vai para a disputa final da competição, nesta sexta-feira, com 12 pontos a menos que o vice-líder, Bruno Fontes

Disputa acirrada com Bruno Fontes

Disputa acirrada na Laser Standard

Rio de Janeiro – Robert Scheidt apostou numa estratégia mais agressiva, nesta quinta-feira (21), de olho na medal race da Semana Brasileira de Vela. Depois de vencer a primeira regata do dia na Baía de Guanabara, o campeão olímpico e mundial passou a marcar o vice-líder Bruno Fontes, ficando com o quarto lugar, suficiente para ampliar sua vantagem na ponta. Scheidt soma agora oito pontos perdidos, 12 a menos que Fontes.

“Consegui tirar uns pontos dele e o quatro lugar entrou no descarte. Perdi pouco. Mesmo assim nada está garantido, pois a regata da medalha é de peso dobrado e não posso ficar muito longe dos primeiros colocados”, destacou Scheidt, que precisa apenas de um sexto lugar nesta sexta-feira para garantir o título.

A raia da Laser foi montada próxima à ponte Rio-Niterói, onde os ventos oscilaram entre 6 e 9 nós de velocidade. A mudança deu aos velejadores a chance de experimentar outro entre os cenários que farão parte das disputas da modalidade nos Jogos do Rio de Janeiro/2016 – a Olimpíada terá um total de cinco raias, duas delas fora da Baía de Guanabara.

“O calor e a falta de vento deram o tom das regatas de quinta-feira. É uma condição que privilegia o João Hackerott. Estou feliz pela vitória dele, um garoto que treina muito no YCSA. Ele merecia esse resultado”, acrescentou Scheidt, referindo ao vencedor da segunda regata do dia.

A Semana Brasileira de Vela é seletiva para a formação da equipe brasileira que vai disputar os principais eventos mundiais da modalidade em 2013, com apoio da Confederação Brasileira de Vela. Mesmo se não vencer a disputa da medal race, Scheidt já tem sua vaga garantida. “Sinto que estou muito bem tecnicamente e posso melhorar ainda mais. Vou fazer um teste nos eventos da Europa e medir forças com os estrangeiros para ver meu nível nesse retorno para a Laser”, disse o velejador.

da Local

Equipe olímpica do Brasil será definida nesta sexta-feira no Rio de Janeiro

Os melhores velejadores do País estão reunidos no Rio de Janeiro para a Semana Brasileira de Vela envolvendo todas as classes olímpicas, exceto a Nacra

Este slideshow necessita de JavaScript.

Rio de Janeiro (RJ) – A Semana Brasileira de Vela, primeira seletiva olímpica para os Jogos de 2016 da modalidade, entra na sua reta final no Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ). Nesta sexta-feira (22), os atletas mais bem classificados do campeonato disputam uma regata que tem peso dobrado, chamada de medal race. A prova na Baía de Guanabara apontará os vencedores de nove classes do calendário das próximas Olimpíadas. Apenas a Nacra não está na competição. Os melhores de cada categoria terão apoio ao longo da temporada 2013, podendo disputar as principais competições na Europa. A vela já rendeu ao Brasil 17 medalhas na história dos Jogos, ficando atrás apenas do judô.

A raia carioca reúne os melhores velejadores do País e alguns destaques internacionais, que aproveitam o verão brasileiro para conhecer o local e se preparar para 2016, como a espanhola campeã olímpica Marina Alabau. O bicampeão olímpico Robert Scheidt, por exemplo, dá show no seu retorno ao Laser. Bruno Prada e Jorge Zarif travam um duelo de pesos pesados na Finn e as duplas femininas de 470 mostram que a classe é forte tecnicamente no Brasil. Além disso, Marine Grael e Kahena Kunze, atuais líderes do ranking mundial de 49er FX, competem de igual para igual com os homens.

Os velejadores encerraram a fase de classificação nesta quinta-feira (21), no Rio de Janeiro. A organização fez duas regatas para todas as classes, exceto para a 49er, que contou com três. As provas foram disputadas com ventos variando de 8 a 14 nós, mas na maior parte do tempo os ventos estavam fracos. Os termômetros no bairro da Urca chegaram a bater em 37 graus.

Scheidt, muito perto do título – Os primeiros de cada categoria avançaram para a final de sexta-feira. Na Laser, Robert Scheidt é o grande favorito para vencer a competição após chegar em primeiro em oito das nove regatas. Na última, o maior medalhista olímpico do Brasil decidiu marcar o vice-líder Bruno Fontes para aumentar sua vantagem na ponta. Melhor para João Hackerott, que tirou os 100% de aproveitamento do campeão.

“É um dia especial na minha vida. Venci uma regata do meu ídolo e maior velejador de todos os tempos. Isso me dá ânimo para seguir treinando”, disse João Hackerott. O velejador paulista está na sétima posição, com 49 pontos perdidos.

Para Robert Scheidt, as regatas estão equilibradas, apesar da ampla vantagem dele. “Mas nada está decidido. Não posso errar na medal race. Nesta quinta-feira, o vento estava muito fraco e o calor prejudicou bastante os participantes na raia montada embaixo da Ponte Rio-Niterói. Busquei marcar o Bruninho e ter mais vantagem na decisão. O resultado foi bom”, contou Robert Scheidt, que soma apenas 8 pontos perdidos contra 20 de Bruno Fontes.

Na Laser Radial, o duelo final será entre a paulista Adriana Kostiw e a fluminense Fernanda Decnop. As duas estão empatadas com 14 pontos perdidos, após nove regatas. “A medal race será match race. Quem chegar na frente vence o campeonato. Estamos andando bem, mas agora ninguém pode errar. A entrada do descarte e um bom dia de provas me colocaram outra vez na disputa”, disse Fernanda Decnop.

Na 470, cinco duplas irão disputar a regata da medalha. Porém os resultados já estão definidos. A campeã da Semana Brasileira de Vela é a parceira formada por Fábio Pillar e Samuel Albrecht. Os gaúchos superaram os conterrâneos Geison Mendes e Gustavo Thiessen. “Fizemos tudo certinho. Velejamos bem na parte tática e alcançamos esse resultado positivo. A tendência é melhorar”, explicou Samuel Albrecht.

No feminino, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan estão muito perto de vencer o campeonato, pois mostraram o entrosamento que vem desde a campanha olímpica para Londres/2012. Elas estão em segundo no geral, incluindo os homens. “Velejamos bem tecnicamente e conseguimos transformar em resultado nosso entrosamento. Estamos bem confiantes nessa nova temporada”, explicou Ana Barbachan.

Isabel Swan, proeira de Renata Decnop, aprovou o desempenho das adversárias. “Começamos a nova parceria e posso dizer que estamos em um processo de crescimento técnico. O entrosamento vem aos poucos”. Oliveira e Barbachan têm sete pontos de vantagem para Swan e Decnop e precisam de um quarto lugar na medal race para garantir o título.

Jorginho Zarif faz duelo com Bruno Prada – Na classe Finn, Jorge Zarif e Bruno Prada sobram tecnicamente na competição. Os dois treinam e competem juntos para aprimorar ainda mais a técnica. Melhor para o Brasil, que terá representantes de peso nos eventos internacionais. “Para a Olimpíada só vai um, mas quem conseguir a vaga em 2016 certamente estará pronto. Vamos correr os principais eventos na Europa e melhorar ainda mais”, disse Jorge Zarif, que tem oito pontos de vantagem para Bruno Prada.

Na 49er, que tem duplas masculinas e femininas na raia competindo juntos, os brasileiros André Fonseca e Francisco Andrade seguem em primeiro lugar e com vantagem para a medal race. A dupla já está garantida como a melhor do Brasil na Semana de Vela e terá apoio ao longo do ano. Entre as mulheres, as líderes do ranking mundial, Martine Grael e Kahena Kunze, também confirmaram o favoritismo e venceram a competição antes da última regata. “Estamos velejando bem, graças ao treino intensivo que temos feito. Dá pra ver que o nosso nível e das outras meninas é bem diferente, algo que prova que estamos no caminho certo”, analisou Kahena Kunze.

Na RS:X, a chamada prancha a vela, Patrícia Freitas mostra que é uma das esperanças de medalha para o Brasil em 2016. A atleta da nova geração, mas que já foi para duas Olimpíadas, lidera o campeonato, que tem a campeã olímpica Marina Alabau na disputa. “Competir contra uma atleta desse nível é muito importante, mas o fator casa está fazendo a diferença. Eu conheço bem a raia da Baía de Guanabara. Espero evoluir ainda mais”, avaliou Patrícia Freitas.

No masculino, Ricardo Winicki Bimba segue em segundo lugar com 20 pontos perdidos, atrás do israelense Nimrod Maschiah com 15. Em terceiro aparece o grego Byron Kokkalanis, com 21 pontos perdidos.

As regatas finais, as medal races, serão disputadas nesta sexta-feira (22) a partir das 13h no Iate Clube do Rio de Janeiro (ICRJ). As classes que tinham mais de 10 competidores ao longo do campeonato terão os 10 melhores na medal race, aqueles que tinham menos de 10 velejadores terão apenas os cinco mais bem classificados na disputa.

Resultados

Laser – após 9 regatas e 1 descarte
1º – Robert Scheidt – 8 pontos perdidos (1+1+1+1+1+1+1+1+[4])
2º – Bruno Fontes – 20 pp (2+2+2+[3]+2+2+2+[5]+5)
3º – Eduardo Couto – 27 pp (5+4+[7]+2+5+3+3+2+3)

Laser Radial – após 9 regatas e 1 descarte
1ª – Adriana Kostiw – 14 pp (2+1+3+1+1+1+1+[5]+4)
2ª – Fernanda Decnop – 14 pp (1+2+1+2+3+4+2+2+1)
3ª – Maria Cristina Boabaid – 21 pp (3+3+[5]+4+2+2+4+1+2)

470 Masculino – após 9 regatas e 1 descarte
1º – Fábio Pillar/Samuel Albrecht – 16 pp (1+1+2+4+[5]+2+1+1+4)
2º – Geison Mendes/Gustavo Thiesen – 25 pp (2+2+3+5+4+1+3+[6]+5)
3º – Francisco Sucari/Francisco Renna (ARG) – 29 pp (3+3+4+3+[6]+5+4+4+3)

470 Feminino – após 9 regatas e 1 descarte
1ª – Fernanda Oliveira/Ana Barbachan – 22 pp (5+[6]+1+1+1+6+5+2+1)
2ª – Renata Decnop/Isabel Swan – 29 pp ([6]+5+5+2+2+4+6+3+2)

Finn – após 9 regatas e 1 descarte
1º – Jorge Zarif – 8 pp (1+1+1+1+1+1+1+[2]+1)
2º – Bruno Prada – 16 pp (2+2+2+2+2+3+2+1+[4])
3º – Pedro Trouche- 30 pp (3+3+4+[6]+5+2+3+4+6)

49er – após 14 regatas e 1 descarte
1º – André Fonseca/Francisco Andrade – 24 pp (2+2+2+1+2+2+2+1+1+2+2+[5]+3+2)
2º – Allan Norregaard/Aders Thomsen (DIN) – 29 pp (1+1+1+5+1+1+1+[11]+11+1+1+3+1+1)
3º – Dante Bianchi/Thomas Low-Beer – 47 pp (3+5+3+2+6+6+3+3+4+4+[7]+1+2+5)

49er FX – após 14 regatas e 1 descarte
1ª – Martine Grael/Kahena Kunze – 71 pp ([7]+6+5+6+4+5+5+5+6+5+4+7+7+7)
2ª – Juliana Mota/Stephanie Ferron – 111 pp (9+8+7+7+11+7+8+8+[11]+9+11+9+9+9)
3ª – Juliana Senfft/Gabriela Nicolino – 123 pp
(8+[11]+11+8+11+9+10+9+8+11+9+10+10+10)

RS:X Masculino – após 9 regatas e 1 descarte
1º – Nimrod Maschiah (ISR) – 15 pp (2+2+2+1+[4]+3+1+1+3)
2º – Ricardo Santos – 20 pp (3+3+3+2+3+2+[4]+3+1)
3º – Byron Kokkalanis (GRE) – 21 (5+5+1+3+1+[6]+2+2+2)

RS:X Feminino – após 9 regatas e 1 descarte
1º – Patricia Freitas – 10 pp (1+1+1+1+[2]+2+2+1+1)
2º – Marina Alabau (ESP) – 17 pp (2+2+2+2+1+1+1+6+[6])
3º – Bruna Martinelli – 24 pp (3+3+3+[5]+4+3+4+2+2)

Da ZDL

Robert Scheidt comemora mais um “dia perfeito” na Semana Brasileira de Vela

Fred "Sempre ele" Hoffmann está lá no registro do retorno triunfal do alemão na Laser. Um Deus do vento!

Fred “Sempre ele” Hoffmann está lá no registro do retorno triunfal do alemão na Laser. Um Deus do vento!

Ele venceu as duas regatas desta quarta-feira (20) e segue na liderança da competição. Se mantiver os 100% de aproveitamento na quinta-feira (21), estará próximo do título

Rio de Janeiro – Mesmo dominando a Semana Brasileira de Vela com vitória nas sete regatas disputadas até o momento, Robert Scheidt não quer saber de tranquilidade. Nesta quarta-feira (20), ele faturou as duas provas do dia, na Baía de Guanabara, e segue na liderança da Laser, somando seis pontos perdidos. Mas se concentra em realizar as próximas provas sem erros para garantir a medalha de ouro diante de Bruno Fontes, vice-líder e seu principal rival, com 12 pontos perdidos.

“A pontuação não garante nada. O Bruno, que está em segundo, pode me passar na medal race(regata final que tem pontuação dobrada) se eu cometer algum deslize. Por isso preciso fazer mais um dia perfeito”, afirmou Scheidt, se referindo às duas próximas regatas de quinta-feira (21).

O calor continua testando a resistência dos velejadores na Baía de Guanabara, chegando a 38 graus nesta quarta-feira, amenizado apenas pelos ventos fortes entre 12 e 17 nós. A competição carioca, realizada na mesma raia onde serão disputados os Jogos do Rio de Janeiro/2016, é seletiva para a formação da equipe brasileira que vai participar dos principais torneios mundiais de 2013, com apoio da Confederação Brasileira de Vela.

“Errei pouco nas regatas desta quarta-feira e os resultados novamente apareceram. As largadas foram fundamentais para o desempenho, já que consegui controlar a flotilha do começo ao fim. A semana está sendo muito boa pra mim. Sete primeiros e uma boa técnica”, avaliou Scheidt. Para a Laser, estão previstas, até sexta-feira (22), mais duas regatas e a medal race, seguindo o formato dos Jogos Olímpicos. As disputas começam às 13 horas.

Reencontro – No Rio, Robert Scheidt também comemora o reencontro em competições com o ex-parceiro da Star, Bruno Prada, com quem dividiu o barco por oito anos, conquistando três mundiais e duas medalhas olímpicas (Pequim 2008 e Londres 2012). Prada também está na disputa do Rio de Janeiro, na Finn, sua antiga classe antes de se unir a Scheidt.

“A gente conversa bastante sobre as regatas de Laser e Finn. Compartilhamos as dificuldades e os acertos. O Bruno fala muito do que aprende na classe Finn e isso é muito saudável para a nossa dupla nessa fase sem a categoria Star”, disse Scheidt.

Da Local

Robert Scheidt segue invicto na Semana Brasileira de Vela

Apesar de estar invicto, a briga não está fácil

Apesar de estar invicto, a briga não está fácil

Robert Scheidt continua com 100% de aproveitamento na Semana Brasileira de Vela, realizada no Iate Clube do Rio de Janeiro. Depois de vencer as duas regatas de segunda-feira (18), primeiro dia de competição, repetiu o desempenho nessa terça-feira (19), faturando as três regatas disputadas.

Assim, o velejador paulista lidera o campeonato com cinco pontos perdidos. Na segunda posição vem Bruno Fontes, representante brasileiro na categoria na Olimpíada de Londres/2012, com 11 pontos. “Consegui mais um bom desempenho na raia olímpica de 2016. As disputas estão equilibradas, mas mesmo assim consegui andar na frente”, disse Scheidt.

O equilíbrio a que ele se refere diz respeito ao duelo que vem travando com Fontes desde o início das provas, no mesmo cenário das provas de vela da Olimpíada do Rio. O velejador paranaense, radicado em Santa Catarina, após os dois segundos lugares de segunda, repetiu a mesma colocação em duas das três regatas disputadas nessa terça. Na outra, ficou na terceira posição.

Recentemente, no brasileiro da categoria, em Porto Alegre (RS), Scheidt e Fontes disputaram regata a regata o título nacional. No Rio Grande do Sul, o paulista levou a melhor, sagrando-se campeão brasileiro na Laser pela 12ª vez. Apesar das vitórias sobre o rival, Scheidt está cauteloso no Rio. “A vantagem pode até ser grande, mas tudo pode acontecer na medal race. Um resultado ruim na ultima regata pode colocar tudo a perder. Por isso a ideia é seguir concentrado ao máximo”, analisou.

A Semana Brasileira de Vela, que segue até sexta-feira (22), com previsão de duas regatas diárias, a partir de 13 horas, mais a medal race, serve de seletiva para a formação da equipe brasileira de vela que representará o País nas competições internacionais de 2013. É, portanto, o primeiro passo para garantir a vaga na Olimpíada de 2016.

Da Local

Scheidt larga na frente na Semana Brasileira de Vela

A competição, disputada na Baía de Guanabara, serve como seletiva para a formação da equipe brasileira de vela em 2013

Rio de Janeiro – Vitória nas duas regatas do dia. Assim foi o início de disputas da Semana Brasileira de Vela para Robert Scheidt, competição que começou nessa segunda-feira (18) e vai até sexta-feira (22), no Iate Clube do Rio de Janeiro. O velejador da Laser, dono de três medalhas olímpicas na classe (ouro em Atlanta/96 e Atenas/2004, além da prata em Sidney/2000) somou apenas dois pontos perdidos, ou seja, começou o campeonato com 100% de aproveitamento “Foi um início de competição excelente. Cometi poucos erros. No início das regatas tive uma boa disputa com o Bruno Fontes, mas consegui me manter à frente e vencer”, analisou Scheidt. “Com o vento rondando pouco, a tendência é que eu e o Bruno sejamos os mais rápidos”, acrescentou.

Assim como no Campeonato Brasileiro de Laser, realizado em janeiro, em Porto Alegre (RS), e vencido por Scheidt pela 12ª vez, Fontes, representante do País na categoria, na Olimpíada de Londres (2012), deverá ser novamente seu grande adversário no Rio. O paranaense, radicado em Santa Catarina, ficou em segundo lugar nas duas regatas dessa segunda-feira. No Rio Grande do Sul, Fontes foi vice-campeão após liderar a competição nos primeiros dias de regatas.

“O Bruno deve vir com tudo para tirar a vantagem que tenho sobre ele nas regatas dessa terça-feira.Vai ser uma boa disputa. Mas espero continuar velejando bem e manter a liderança”,confessou Sheidt.

A Semana Brasileira de Vela, realizada na Baía da Guanabara, mesmo palco de disputas das regatas da Olimpíada do Rio ,em 2016, serve como seletiva para a formação da equipe brasileira de vela, que representará o País nas competições internacionais em 2013. É, portanto, o primeiro passo visando a escolha dos representantes da vela brasileira nos jogos do Rio. Até sexta-feira, serão disputadas mais oito regatas, a partir das 13 horas. O pior resultado de cada competidor será descartado após a sexta regata.

Da Local

Scheidt disputa a Semana Brasileira de Vela em busca da vaga na equipe olímpica

A Semana Brasileira de Vela, que começa, na segunda-feira (18), no iate clube da cidade, será o primeiro passo para o velejador, que retorna à laser, disputar sua sexta olimpíada

São Paulo – Robert Scheidt tem mais um desafio pela frente na categoria Laser, após oito anos velejando na Star: a Semana Brasileira de Vela. A competição que será realizada entre os dias 18 e 22 de fevereiro, no Iate Clube do Rio de Janeiro (RJ), vale como seletiva para a formação da equipe brasileira de iatismo que representará o País nas competições internacionais em 2013.

Para os velejadores brasileiros, essa é uma grande oportunidade de preparação, visando uma vaga na Olimpíada de 2016, no Rio. Na Semana de Vela, que vai até sexta-feira (22) serão disputadas 10 regatas (duas por dia), a partir das 13 horas. O pior resultado de cada competidor será descartado após a sexta regata.

Para Scheidt, que recentemente foi eleito pelos atletas olímpicos para representá-los junto ao Comitê Olímpico Brasileiro (COB), o primeiro desafio, porém, é mostrar-se competitivo na categoria que o consagrou internacionalmente. Nela, conquistou oito mundiais e três medalhas olímpicas: duas de ouro (Atlanta/96 e Atenas 2004) e uma de prata (Sidney 2000). “Aos poucos vou conseguindo entrar em forma na Laser. De qualquer forma, preciso provar a partir de agora que tenho condições de lutar pela vaga olímpica. Recentemente, venci mais um Brasileiro da categoria, que, de certa forma, mostrou que ainda velejo no mesmo nível que meus adversário brasileiros. Mas o que vale mesmo é o que o que vai acontecer daqui pra frente”, diz ele.

No campeonato Brasileiro de Laser, disputado em janeiro, em Porto Alegre (RS), Scheidt travou uma batalha acirrada com Bruno Fontes, representante brasileiro da categoria na Olimpíada de Londres 2012. Esse foi 12º título nacional do velejador que, após a Olimpíada de Atenas, se transferiu para a Star quando competiu até os jogos de Londres ao lado de Bruno Prada. Na Star, Scheidt foi tricampeão mundial e conquistou duas medalhas olímpicas: prata em Pequim 2008 e bronze em Londres/2012. O retorno à Laser foi motivado pela exclusão da Star dos jogos do Rio.

Da Local

Bruno Fontes segue na liderança da Laser no Miami OCR

O velejador Bruno Fontes (UNIMED/ AGE DO BRASIL) mostrou-se mais uma vez muito constante durante a Copa do Mundo de Vela de Miami e nessa quarta-feira (30) conseguiu mais uma atuação quase perfeita, que o manteve na liderança da competição. Com um primeiro e um segundo lugares, Bruno passou para a próxima fase do evento em primeiro lugar geral.

“Consegui avançar bem para a segunda parte da competição. Agora começa uma nova competição. Estou bem feliz com minha performance até o momento, mas é preciso estar sempre atento a tudo. Preciso continuar sendo constante para repetir os bons resultados nas regatas que tenho pela frente”, destacou Fontes.

Agora, os trinta e cinco melhores atletas seguem na disputa pelo título. Diferente das demais competições, a Copa do Mundo de Vela de Miami adotou um novo sistema de pontuação. Antes, todos os resultados eram somados e haviam alguns descartes. Agora, serão mais cinco regatas e os pontos obtidos por Bruno não serão acumulados. A única vantagem, no entanto, é que o atleta começa com apenas um ponto perdido, por ter sido o primeiro colocado na classificação geral.

“Agora é como se começasse uma nova competição. Serão mais cinco regatas e depois serão definidos os dez que avançam para a Medal Race. Estou me sentindo muito bem no barco e espero continuar velejando da mesma forma nos próximos dias”, afirmou Bruno.

Com sei regatas disputadas, Bruno somou três primeiros lugares, um segundo, um terceiro e um quarto, mostrando uma ótima consistência de resultados.

Nessa quinta-feira (31), o velejador catarinense tem mais duas regatas pela frente. A previsão, assim como nos outros dias, é para que as provas comecem as 14h, horário de Brasília.

Da assessoria

%d blogueiros gostam disto: