Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Laser’

Samuel Albrecht e Isabel Swan garantem a vaga olímpica na classe Nacra 17. Robert, em 3º no Laser, é o brassa melhor colocado na Copa Brasil de Vela.

Fred "sempre ele" Hoffmann estava na cara do gol na Nacra17. E foi gol gaúcho-niteroiense!

Fred “sempre ele” Hoffmann estava na cara do gol na Nacra17. E foi gol gaúcho-niteroiense.

Classificação veio na III Copa Brasil de Vela, na Baía de Guanabara. Na Laser, Robert Scheidt fica com a medalha de bronze

A Equipe Brasileira de Vela conheceu neste domingo (dia 20) os seus dois últimos integrantes para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016. Samuel Albrecht e Isabel Swan voltam a disputar o evento esportivo depois de se ausentarem em Londres-2012. A dupla compete na classe olímpica estreante, a Nacra 17, e garantiu a vaga na III Copa Brasil de Vela, na Baía de Guanabara. Com a classificação dos dois velejadores, o Brasil fechou sua equipe de 15 atletas para o evento esportivo do próximo ano.

Primeira mulher da vela brasileira, ao lado de Fernanda Oliveira, a conquistar uma medalha olímpica – o bronze na 470 feminina, em Pequim-2008 –, Isabel Swan realizará o sonho de competir em casa depois de ser uma das atletas a participar ativamente da campanha do Rio para ser a sede dos Jogos de 2016. Samuel, por sua vez, havia disputado a Olimpíada de Pequim, na 470 masculina, ao lado de Fábio Pillar.

“Em 2009 eu participei da eleição do Rio fazendo o discurso na apresentação para o Comitê Olímpico Internacional. Agora, poder representar o meu país, em casa, será a realização de um sonho. Fizemos um bom campeonato Sul-Americano e isso nos deu uma boa vantagem aqui na Copa Brasil. É a conquista de um projeto trabalhado há muitos anos e queremos representar bem o Brasil nos Jogos”, afirmou Isabel, visivelmente emocionada.

Com sede na Praia de São Francisco, em Niterói (RJ), a Copa Brasil proporcionou uma boa disputa entre Samuel e Isabel contra João Bulhões e Gabriela Nicolino. A classificação olímpica seria definida pela soma dos resultados no Sul-Americano e na competição organizada pela Confederação Brasileira de Vela (CBVela). Samuel e Isabel ficaram em sétimo na primeira e 12º na segunda. Fora da regata da medalha, tinham de torcer para que João e Gabriela chegassem de sétimo para cima, já que os adversários tinham ficado em 13º no Sul-Americano.

Na regata da medalha, disputa que reúne os dez melhores barcos e vale o dobro de pontos, João e Gabriela chegaram em quarto, somando 112 pontos perdidos e encerrando a competição na oitava posição no geral. Assim, Samuel e Isabel conquistaram a vaga olímpica. Os vencedores foram os franceses tricampeões mundiais Billy Besson e Marie Riou, com 72 pontos perdidos.

“A classe está muito equilibrada, a pontuação tem sido próxima entre os concorrentes. Quem fizer um bom trabalho até agosto de 2016 vai poder subir alguns degraus e colher um bom resultado nos Jogos Olímpicos. Agora é focar na estratégia”, disse Isabel.

Agora, a Equipe Brasileira para a Rio 2016 está completa. No sábado (dia 19), Henrique Haddad e Bruno Bethlem tinham garantido a vaga na 470 masculina. Além deles vão disputar os Jogos Robert Scheidt, na Laser; Fernanda Decnop, na Laser Radial; Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX; Marco Grael e Gabriel Borges, na 49er; Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan, na 470 feminina; Jorge Zarif, na Finn; Patricia Freitas, na RS:X feminina e Ricardo Winicki, o Bimba, na RS:X masculina.

RESULTADOS REGATAS DA MEDALHA

Na classe Laser, Robert Scheidt conquistou a medalha de bronze. Ele terminou a competição com 79 pontos perdidos. O campeão foi o croata Tonci Stipanovic, com 67. “Minha estratégia foi defender o terceiro lugar por conta da pontuação. No fim faltou pouco para a prata. Cumpri meu objetivo que era sair daqui com uma medalha. Tinha batido na trave nos dois últimos campeonatos. Sair daqui com uma medalha foi bem positivo”, disse Scheidt.

Em três classes, o Brasil ficou em quinto lugar. Na 49erFX, Martine e Kahena somaram 78 pontos perdidos. As campeãs foram as holandesas Annemiek Bekkering e Annette Duelz, com 52. Na 470 feminina, Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan terminaram com 61 pontos perdidos. O título ficou com as britânicas Hanna Mills e Saskia Clark, com 28. Na Finn, Jorge Zarif ficou com 50 pontos perdidos. O campeão foi o britânico Giles Scott, com 24.

Na 49er, Marco Grael e Gabriel Borges encerraram a Copa Brasil em sexto, com 94 pontos perdidos. Os vencedores foram os britânicos John Pink e Stuart Bithell, com 58. Na RS:X feminina, Patricia Freitas foi a sétima, com 88 pontos perdidos. A campeã foi a britânica Bryony Shaw, com 53.

A III Copa Brasil de Vela é organizada pela CBVela e conta com patrocínio da Prefeitura de Niterói, Bradesco e Governo do Estado do Rio de Janeiro.

APRESENTAÇÃO DA EQUIPE BRASILEIRA E HOMENAGEM AOS MEDALHISTAS

Nesta segunda-feira (dia 21), Dia do Atleta, no Morro da Urca, no Rio de Janeiro, a partir das 12h (de Brasília), a CBVela apresenta a Equipe Brasileira de Vela que disputará os Jogos Olímpicos Rio 2016. A entidade também fará uma homenagem aos medalhistas olímpicos da modalidade. O evento conta com apoio do Bradesco, patrocinador oficial da CBVela, e terá a exibição da Tocha Olímpica.

OS MEDALHISTAS DA III COPA BRASIL DE VELA

Laser:
1 – Tonci Stipanovic (CRO): 67 pontos perdidos
2 – Matthew Wearn (AUS): 78
3 – Robert Scheidt (BRA): 79

49erFX:
1 – Annemiek Bekkering e Annette Duelz (HOL): 52
2 – Tamara Echegoyen e Berta Betanzos (54)
3 – Jena Mai Hansen Katja Salskov-Iversen (DEN): 59
5 – Martine Grael e Kahena Kunze (BRA): 78

470 feminina:
1 – Hanna Mills e Saskia Clark (GBR): 28
2 – Ai Kondo Yoshida e Miho Yoshioka (JPN): 43
3 – Camille Lecointre e Helene DeFrance (FRA): 43
5 – Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan (BRA): 61

Finn:
1 – Giles Scott (GBR): 24
2 – Vasilij Zbogar (SLO): 25
3 – Caleb Paine (EUA): 32
5 – Jorge Zarif (BRA): 50

49er:
1 – John Pink e Stuart Bithell (GBR): 58
2 – Nathan Outteridge e Lain Jensen (AUS): 70
3 – Diego Botin e Iago L. Marra (ESP): 76
6 – Marco Grael e Gabriel Borges (BRA): 94

RS:X feminina:
1 – Bryony Shaw (GBR): 53
2 – Chan Hei Man (HKG): 57
3 – Marina Alabau (ESP): 71
7 – Patricia Freitas (BRA): 88

Nacra 17:
1 – Billy Besson e Marie Riou (FRA): 72
2 – Jason Waterhouse e Lisa Darmanin (AUS): 85
3 – Ben Saxton e Nicola Groves (GBR): 88
8 – João Bulhões e Gabriela Nicolino (BRA): 112

470 masculina:
1 – Matthew Belcher e Will Ryan (AUS): 22
2 – Luke Patience e Chris Grube (GBR): 67
3 – Stuart McNay e Dave Hughes (EUA): 68
12 – Henrique Haddad e Bruno Betlhem (BRA): 91

Laser radial:
1 – Evi van Acker (BEL): 49
2 – Anne-Marie Rindom (DEN): 61
3 – Gintare Scheidt (LIT): 62
13 – Fernanda Decnop (BRA):  119

RS:X masculina:
1 – Dorian Van Rijsselberge (HOL): 50
2 – Nick Dempsey (GBR): 68.3
3 – Nimrod Mashiah (ISR): 69
18 – Ricardo Winicki (BRA): 188

Regatas de Monotipos e Oceano marcaram os 81 anos do Veleiros do Sul

Monotipos (Ricardo Pedebos)

Ricardo Pedebos capturou o merrecol no Guaíba entre os monotipos, antes da tempestade no sábado.

Oceano (Ricardo Pedebos)

Mas Pedebos também registrou os bons ventos para os veleiros de Oceano em Porto Alegre no domingo.

As classes de monotipo foram para a raia no último sábado (12) para festejar os 81 anos do Veleiros do Sul. O clima extremo marcou a velejada comemorativa, com sol a pino e temperatura alcançando os 36,2°C em Porto Alegre. As largadas estavam marcadas inicialmente para as 14h, mas o vento fraco apareceu somente por volta das 17h cessando a espera. No final da regata, um temporal de vento forte surpreendeu os velejadores ainda em competição. Ao cruzarem a linha de chegada, os velejadores foram premiados pelo Papai Noel do VDS (Mauro Ferreira, coordenador da Escola de Vela Minuano) com medalhas de participação.

Na classe Soling a tripulação do Equilibrium foi a vencedora, enquanto no Snipe, a dupla Gabriel Kieling e Guilherme Fasolo (CDJ) chegaram na frente, assim como Francisco Ruschel e Gabriel Autran na 420. No Hobie Cat 16 a dupla Mario Dubeux e Karilone Bauermann (CDJ) se destacou enquanto Reinaldo Bernardes (VDS) representou o Hobie Cat 14. A classe Dingue foi representada por Carlos Teixeira e Marcia Teixeira.

Na Classe Laser, Roberto Bortolaso (VDS) foi o destaque na Standard, com Henrique Dias (VDS) na Radial e Guilherme Perez (CDJ) no 4.7. No Optimist, Gabriel Kern (CDJ) foi o vencedor entre os Veteranos e nos Estreantes Viníciua Koeche (CDJ) chegou na frente.

No domingo (13) ocorreu a regata comemorativa dos 81 anos na classe Oceano e Veleiraço Marinha do Brasil para barcos de cruzeiro. A largada ocorreu em frente ao Clube na baia do Cristal, às 14h05min, com 26 barcos das classes: ORC INT, RGS, J/24 e Cruzeiro. A condição de vento foi de intensidade forte, com rajadas de 23 nós no início da regata e depois diminuiu para 12 nós.

O primeiro barco a cruzar a linha de chegada foi o Congere, de Sérgio Neumann, do VDS, que chegou às 14h43min32. Além de ser o Fita Azul, ele ficou em primeiro lugar na classe Força Livre. Na classe ORC Internacional o vencedor foi o C’est la vie, de Henrique Dias; na RGS o Abaquar, de Kelly Borela e na J/24 o Meu Guri, de André Streppel.

Após a largada os barcos navegaram pela baía do Cristal até a boia amarela perto do Canal de acesso a Estação do Catamarã do Barra Shopping Sul, que era a primeira marca do percurso.

Depois os veleiros foram até a bóia nº 142 do Canal do Cristal, montaram e seguiram até o farolete da Piava contornaram e navegaram, novamente até o Canal de acesso a Estação do Catamarã do Barra Shopping Sul contornaram e por final seguirem até a linha de chegada em frente ao Veleiros do Sul. No final da tarde houve a festa de premiação das regatas de Monotipos e Oceano dos 81 anos com a participação do comodoro Eduardo Ribas, vice-comodoro esportivo Diego Quevedo, Capitão João Gilberto de Oliveira e Carlos Henrique de Lorenzi, Diretor técnico da Fevers. O troféu rotativo do Veleiraço Marinha do Brasil foi para o a tripulação do barco Congere, de Sergio Neumann, que foi o fita azul da regata. Após a entrega dos troféus e medalhas foi servido um coquetel no Salão Social.

Por Ricardo Pedebos/VDS

Parem as máquinas! Inverno quente no Rio com ouro brasuca de Martine e Kahena

No clique de Wander Roberto vemos nossas heroinas comemorando mais um título na 49erFX. Noterói ao fundo não é mera coincidência!

No clique de Wander Roberto vemos nossas heroinas comemorando mais um título na 49erFX. Noterói ao fundo não é mera coincidência!

 

Rio superaquece com ouro de Martine Kahena na 49erFX

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga, direto do covil carioca vamos direto às boas novas porque hoje tive a honra e o prazer de fazer a cerimônia de premiação do evento-teste de vela  Aquece Rio na classe 49erFX. Bem… Fiz de todas as outras também desde ontem e farei as de amanhã, mas nenhuma será tão boa quanto esta última de hoje. Saiba o porquê abaixo no “texticulo” de nosso amigo Felipinho Mendes…

Atuais campeãs mundiais na 49erFX, Martine Grael e Kahena Kunze seguem fazendo bonito na classe que vai estrear nos Jogos Olímpicos Rio 2016. Nesta sexta-feira, elas não deram chances para as adversárias e conquistaram o bicampeonato do Aquece Rio Regata Internacional de Vela, evento-teste da Olimpíada.

“Velejamos muito bem no início do campeonato e no final tivemos dias desafiadores. Hoje conseguimos dar uma salvada no fim da regata e ganhar de novo. Na vela é muito difícil ter certeza de alguma coisa, um esporte muito inconstante. Na regata da medalha, arriscamos e as decisões tomadas se mostraram melhores”, disse Martine.

Martine e Kahena entraram na disputa da regata da medalha na segunda posição. Para ficar com o ouro, precisavam chegar cinco posições à frente das italianas Giulia Conti e Francesca Clapcich, então líderes. As brasileiras terminaram a regata decisiva na quarta posição, enquanto as rivais chegaram em último (décimo). Assim, Martine e Kahena somaram 52 pontos perdidos, contra 55 das adversárias, que ficaram com a prata. O bronze foi para as suecas Lisa Ericson e Hanna Klinga, com 60.

“Não largamos muito bem, foi complicado o início, com nossas adversárias nos marcando. Mas conseguimos manter a calma, tomamos boas decisões contra as suecas e no fim arriscamos um pouco e conseguimos um vento a mais para buscar os pontos que precisávamos para ganhar”, afirmou Kahena.

As brasileiras estão com um excelente histórico de medalhas na temporada. Em etapas da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF), elas somam um ouro em Weymouth, na Inglaterra; uma prata em Hyères, na França; e um bronze em Miami, nos Estados Unidos. Martine e Kahena ainda ganharam a prata nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá.

Na Laser, Robert Scheidt terminou na quarta colocação na classificação geral. Na regata da medalha, o bicampeão olímpico chegou em segundo lugar, terminando a competição com 74 pontos perdidos. O ouro foi para o italiano Francesco Marrai, com 64, a prata para o francês Jean Baptiste Bernaz, com 70, e o bronze para o australiano Tom Burton, com 72.

“Foi uma semana um pouco inconstante da minha parte. Não que eu tenha velejado mal, mas no segundo dia tive duas regatas ruins. E na quinta-feira eu larguei escapado na primeira regata. Isso custou muito na pontuação”, disse Scheidt.

Na Laser Radial, Fernanda Decnop chegou em sétimo na regata da medalha, terminando em nono na classificação geral, com 96 pontos perdidos. O ouro foi para a esposa de Robert Scheidt, Gintare Scheidt, da Lituânia, com 51 pontos perdidos. A prata ficou com a belga Evi Van Acker, com 57, e  o bronze com a holandesa Marit Bouwmeester, com 69.

Regatas da medalha de sábado – Nesta sexta-feira, no último dia de disputa da fase de classificação da Finn, Jorge Zarif conseguiu a vaga na regata da medalha a ser realizada neste sábado (dia 22), a partir das 13h (de Brasília), no último dia do evento-teste. O brasileiro se classificou em nono, com 83 pontos perdidos. O líder é o holandês Pieter-Jan Postma, com 35.

Na 470 masculina e feminina, a Equipe Brasileira de Vela encerrou sua participação no evento-teste. Henrique Haddad e Bruno Bethlem terminaram em 17º, com 109 pontos perdidos. Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan ficaram em 12º, com 85 pontos perdidos.

Nas classes 49er e Nacra 17, o Brasil encerrou sua participação ontem. Na primeira, Marco Grael e Gabriel Borges ficaram em 13º, com 103 pontos perdidos. Na segunda, Samuel Albrecht e Isabel Swan terminaram em 15º, com 125. Ainda na quinta-feira, Ricardo Winicki, o Bimba, disputou a regata da medalha, terminando em sétimo na classificação geral. Na RS:X feminina, Patricia Freitas terminou a disputa na 11ª colocação.

Confira a classificação dos brasileiros:

RS:X masculina (após a regata da medalha):
1º – Aichen Wang (CHN): 23 pontos perdidos
2º – Byron Kokkalanis (GRE): 42 pontos perdidos
3º – Pierre Le Coq (FRA): 46 pontos perdidos
7º – Ricardo Winicki (BRA): 72 pontos perdidos

RS:X feminina (após a regata da medalha):
1ª – Charline Picon (FRA): 39 pontos perdidos
2ª – Malgorzata Bialecka (POL): 47 pontos perdidos
3ª – Blanca Manchon (ESP): 51 pontos perdidos
11ª – Patricia Freitas (BRA): 62 pontos perdidos

49erFX (após a regata da medalha):
1ª – Martine Grael e Kahena kunze (BRA): 52 pontos perdidos
2ª – Giulia Conti e Francesca Clapcich (ITA): 55 pontos perdidos
3ª – Lisa Ericson e Hanna Klinga (SUE): 60 pontos perdidos

49er (após a regata da medalha):
1º – Peter Burling e Blair Tuke (NZL): 29 pontos perdidos
2º – Nico Delle-Karth e Nikolaus Resch (AUT): 40 pontos perdidos
3º – Erik Heil e Thomas Ploessel (ALE): 60 pontos perdidos
13º – Marco Grael e Gabriel Borges (BRA): 103 pontos perdidos

Laser (após a regata da medalha):
1º – Francesco Marrai (ITA): 64 pontos perdidos
2º – Jean Baptiste Bernaz (FRA): 70 pontos perdidos
3º – Tom Burton (AUS): 72 pontos perdidos
4º – Robert Scheidt (BRA): 74 pontos perdidos

Laser Radial (após a regata da medalha):
1ª – Gintare Scheidt (LIT): 51 pontos perdidos
2ª – Evi Van Acker (BEL): 57 pontos perdidos
3ª – Marit Bouwmeester (HOL): 69 pontos perdidos
9ª – Fernanda Decnop (BRA): 96 pontos perdidos

Classes que terão as regatas da medalha amanhã:

Nacra 17 (após 11 regatas):
1º – Jason Waterhouse e Lisa Darmanin (AUS): 37 pontos perdidos
15º – Samuel Albrecht e Isabel Swan (BRA): 125 pontos perdidos

Finn (após dez regatas):
1º- Pieter-Jan Postma (HOL): 35 pontos perdidos
9º – Jorge Zarif (BRA): 83 pontos perdidos

470 feminina (após nove regatas):
1ª – Hannah Mills e Saskia Clark (GBR): 23 pontos perdidos
12ª – Fernanda Oliveira e Ana Luiza Barbachan (BRA): 85 pontos perdidos

470 masculina (após nove regatas):
1º – Sime Fantela e Igor Marenic (CRO): 34 pontos perdidos
17º – Henrique Haddad e Bruno Bethlem (BRA): 109 pontos perdidos

Murillo Novaes (Felipe Mendes)

 

Pan Final! Brasil fatura 6 medalhas em Toronto!

Na foto de Gaspar Nóbrega nosso trio brozeado evolui na merreca torontiana para mais um pódio verde e amarelo

Na foto de Gaspar Nóbrega nosso trio brozeado evolui na merreca torontiana para mais um pódio verde e amarelo

Com bronze do recordista Claus Bieckark, Brasil encerra participação na vela no Pan2015 com 6 medalhas

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga. Esta cansada praga já de volta a Praga aproveita novamente os bons textos de Felipinho Mendes, nosso assessor de talento e alegria, e já informa direto a você o que rolou nas águas do lago Ontário. E foi bom!!

No segundo e último dia de disputa das finais da vela nos Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, a Equipe Brasileira encerrou sua participação na competição com um bronze do medalhista recordista na modalidade Claudio Biekarck. Neste domingo (dia 19), no Lago Ontário, foram realizadas as regatas da medalha das classes não-olímpicas e o veterano velejador terminou na terceira posição geral na Lightning ao lado dos parceiros Gunnar Ficker e Maria Hackerott. Foi o nono pódio do ex-técnico de Robert Scheidt. Ao todo, a Equipe Brasileira de Vela faturou seis medalhas em Toronto: dois ouros, duas pratas e dois bronzes.

“Esta foi minha nona participação em Jogos Pan-americanos. Comecei na Cidade do México, em 1975, na Finn. De lá para cá só deixei de participar em San Juan, em Porto Rico, em 1979, e em Santo Domingo, na República Dominicana, em 2003. Além da Finn, sempre competi na Lightning com o Gunnar de proeiro. É uma satisfação ter ganhado medalha em todas as participações”, disse Biekarck, que se tornou o atleta brasileiro com mais participações em Jogos Pan-Americanos, superando o atirador Durval Guimarães, com oito.

Aos 64 anos, o velejador soma o ouro em Caracas, na Venezuela, em 1983; prata na Cidade do México, em 1975, Mar del Plata, na Argentina, em 1995, e em Winnipeg, no Canadá, em 1999; e os bronzes em Indianápolis, nos Estados Unidos, em 1987, Havana, em Cuba, em 1991, no Rio de Janeiro, em 2007, em Guadalajara, no México, em 2011, e agora em Toronto. Proeiro de Biekarck na Lightning, Gunnar Ficker soma oito medalhas ao lado do companheiro.

“Sempre que temos regatas com vento fraco é muito estressante. Estamos felizes com o resultado, sentimento de missão cumprida”, afirmou o proeiro de 60 anos. Ao lado dos dois veteranos velejadores estava a jovem Maria Hackerott, de 24. Estreante em Jogos Pan-Americanos, ela conquistou sua primeira medalha. “Foi uma honra ter participado. Acho que nunca tinha corrido um campeonato tão longo. Estou feliz com o pódio”.

Na regata da medalha da Lightning, o trio brasileiro chegou em quinto lugar. Na Sunfish, João Hackerott chegou em terceiro e terminou na quarta posição no geral a um pontinho do pódio. Na J/24, John King, Alexandre Saldanha, Daniel Santiago e Guilherme Hamelmann venceram a regata final, terminando em quinto no geral. Nas classes Hobie Cat 16 e Snipe, o Brasil não disputou a regata da medalha.

No sábado (dia 18), a Equipe Brasileira de Vela havia faturado medalha nas cinco classes olímpicas: ouro com Ricardo Winicki, o Bimba, na RS:X masculina, e Patrícia Freitas, na RS:X feminina; prata com Robert Scheidt, na Laser, e Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX; e bronze com Fernanda Decnop, na Laser Radial.

O destaque foi para Ricardo Winicki, o Bimba, que se tornou o primeiro velejador tetracampeão pan-americano ao triunfar na RS:X masculina. Na versão feminina da classe, Patrícia Freitas faturou o bicampeonato.

“Estou muito feliz com o resultado. Mostra todo o trabalho que venho fazendo há anos, dominando o esporte não só no Brasil como também na América toda. São mais de dez anos entre os dez melhores do mundo. O nível da competição estava alto e isso me ajudou. Agradeço a todos que me ajudaram todos esses anos”, disse Bimba, que venceu o Pan na Mistral, em Santo Domingo-2003, e na RS:X no Rio-2007 e Guadalajara-2011. O velejador soma ainda uma prata na Mistral, em Winnipeg-1999.

Na RS:X feminina, Patricia Freitas entrou na regata da medalha em vantagem sobre a mexicana Demita Veja. A brasileira manteve o bom desempenho da semana, quando venceu nove das 13 regatas, e chegou em primeiro também na prova final. “Fechei com chave de ouro. Agora é comemorar com a equipe toda. Cumpri mais uma meta antes da Olimpíada do Rio, em 2016. Vou meta por meta. A próxima é chegar bem no evento-teste, em agosto”, afirmou Patrícia, que havia vencido o Pan em Guadalajara.

Dono de três ouros na classe Laser em Jogos Pan-Americanos (Mar del Plata-1995, Winnipeg e Santo Domingo), Robert Scheidt repetiu em Toronto o resultado do Rio de Janeiro, ficando com a prata. O velejador paulista entrou na regata da medalha em desvantagem contra o guatemalteco Juan Maegli. O bicampeão olímpico acabou chegando em quinto na disputa decisiva e não conseguiu subir no topo do pódio.

“Foi um bom resultado. O começo da semana foi muito duro. Tinha dois sétimos lugares e uma desclassificação. Fui reagindo, ainda tive uma chance de ganhar o ouro, mas escapou. Larguei mal em algumas provas, fui muito inconstante e tive dificuldade em ler as condições do vento. E o guatemalteco é um especialista em vento fraco. Mas foi uma honra representar o Brasil e trazer mais uma medalha”, analisou Scheidt, frisando que não conseguiu chegar ao Pan em seu auge físico pois vinha da disputa do Mundial de Laser, também no Canadá.

Campeãs mundiais na 49erFX no ano passado, Martine Grael e Kahena Kunze ficaram com a prata na estreia da dupla em Jogos Pan-Americanos. Elas entraram na regata da medalha sem chances de brigar pelo ouro. E garantiram a medalha prateada ao chegarem em segundo na disputa final. “O evento foi bem legal, uma ótima experiência. Aprendemos muito e nunca tínhamos disputado um campeonato com vento tão fraco. Acho que velejamos bem”, afirmou Martine.

Na Laser Radial, Fernanda Decnop conquistou o bronze logo em sua primeira participação no Pan. Ela completou a regata da medalha na sexta posição e terminou empatada em segundo lugar no geral com a uruguaia Dolores Moreira, com 64 pontos perdidos. A brasileira, porém, ficou sem a prata porque sua rival teve um desempenho melhor na Medal Race: chegou em segundo.

“Estou feliz com o bronze. Foi meu primeiro Pan, um campeonato muito difícil, com vento fraco. Se você desse uma escorregada, acabava perdendo várias posições na regata. Eu consegui ganhar três, mas obtive alguns resultados ruins”, avaliou Fernanda.

A Argentina, com 3 puros foi a grande campeã do torneio de vela em Toronto 2015, mas com os seis pódios, o Brasil terminou na liderança  por total de medalhas empatado com os Estados Unidos. Em 16 participações nos Jogos Pan-Americanos, a vela brasileira agora soma 76 medalhas. São 34 de ouro, 25 de prata e 17 de bronze.

“O balanço final foi bom. Tivemos duas áreas no Pan, com as classes olímpicas e as não-olímpicas. Começamos uma reestruturação há dois anos e com a Olimpíada no Rio temos dado mais atenção para as classes olímpicas. O resultado foi animador com as cinco medalhas nas olímpicas. Vale destacar também o bonito recorde do Claudio”, analisou o Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael.

Confira o resultado dos brasileiros:

LIGHTNING:
1 – Nicolas Fracchia, Maria Salerno e Javier Conte (ARG): 25
2 – Justin Coplan, Caroline Patten e Danielle Prior (EUA): 37
3 – Claudio Biekarck, Gunnar Ficker e Maria Hackerott (BRA): 43

SUNFISH:
1 – Jonathan Mawyin (EQU): 45
2 – Luke Ramsay (CAN): 45
3 – Andres Soruco (CHI): 49
4 – João Hackerott (BRA): 50

J/24:
1 – Matias Pereira, Guillermo Bellinotto, Federico Ambrus e Juan Pereyra (ARG): 27
2 – Terry MClaughlin, Sandy Andrews, David Ogden e David Jarvis (CAN): 39
3 – Matías Seguel, Cristobal Lira, Marc Jux e Sergio Roth (CHI): 44
5 – John King, Alexandre Saldanha, Daniel Santiago e Guilherme Hamelmann (BRA): 47

HOBIE CAT 16:
1 – Jason Castillo e Irene Van Blerk (GUA): 30
2 – Mark Modderman e Grace Modderman (EUA): 39
3 – Enrique Figueroa e Franchesca Ortega (PUR): 44
6 – Claudio Luiz Junior e Bruno dos Reis Oliveira (BRA): 46

SNIPE:
1 – Raul Andres de Choudens e Fernando Pacheco (PUR): 20
2 – Luis Soubie e Diego Lipszyc (ARG): 38
3 – Augie Diaz e Kathleen Tocke (EUA):  46
6 – Alexandre Paradeda e Geórgia Rodrigues (BRA): 64

RS:X MASCULINA:
1 – Ricardo Winicki (BRA): 25
2 – David Mier Y Teran (MEX): 32
3 – Mariano Reutemann (ARG): 33

RS:X FEMININA:
1 – Patricia Freitas (BRA): 17
2 – Demita Vega (MEX): 24
3 – Marion Lepert (EUA): 50

49ERFX:
1 – Victoria Travascio e Maria Branz (ARG): 36
2 – Martine Grael e Kahena Kunze (BRA): 43
3 – Paris Henken e Helena Scutt (EUA): 47

LASER:
1 – Juan Maegli (GUA): 39
2 – Robert Scheidt (BRA): 47
3 – Lee Parkhill (CAN): 53

LASER RADIAL:
1 – Paige Railey (EUA): 50
2 – Dolores Moreira (URU): 64
3 – Fernanda Decnop (BRA): 64

Fui!! Feliz!! Parabéns aos bravos velejadores brasileiros!!

Murillo Novaes (Felipe Mendes/ InPress MediaGuide)

Pan, Pan, Pan, Pan!! É hoje! Começam as finais em Toronto!

Na foto de Bruno Miani, Zibimba evolui ontem rumo a mais um ouro pan-americano. Duca!!

Na foto de Bruno Miani, Zibimba evolui ontem rumo a mais um ouro pan-americano. Duca!!

BIMBA CHEGA À REGATA DA MEDALHA DOS JOGOS PAN-AMERICANOS MUITO PERTO DO OURO

Neste sábado, velejador da RS:X só precisa completar a prova para ser tetracampeão consecutivo. Brasil briga por medalhas em outras sete classes.

Como nosso amigo Felipinho resolveu trabalhar ontem, fico à vontade para dar o copia e cola no release dele porque aqui na brastislávica terra da mãe do meu vindouro filhote navegador o calor é senegalês hoje e a preguiça baiana. E mais tarde começam as primeiras regatas da medalaha (a partir de 12:35, em Brasília). Hoje tem as finais das classes X (RS:X masc e fem e 49erFX) e dos Laseres (Radial e Std.). Se liga!!

Ricardo Winicki, o Bimba, está muito próximo do tetracampeonato consecutivo nos Jogos Pan-Americanos. Neste sábado (dia 18), a partir de 12h35 (de Brasília), em Toronto, no Canadá, o velejador só precisa completar a regata da medalha da classe RS:X masculina para subir no topo do pódio. A Equipe Brasileira Vela ainda brigará por medalhas em mais sete classes: neste sábado na Laser, Laser Radial, RS:X feminina e 49erFX. No domingo (dia 19), na Lightning, Sunfish e Hobie Cat 16. Na J24 não há mais chances. Na Snipe, o Brasil não disputará a regata da medalha.

“A comemoração vai ser só amanhã. Ainda tenho a regata da medalha. Nem sabia dos números quando cheguei aqui. Velejo para mim e para os que me apoiam. Este não é o meu último Pan. Posso estar de cheio de cabelo branco, mas enquanto eu tive muque, for o número um do Brasil e estiver entre os dez do mundo como acontece há dez anos vou seguir competindo”, disse Bimba, campeão dos Jogos em Santo Domingo-2003, Rio-2007 e Guadalajara-2011.

Nesta sexta-feira (17), em mais um dia de ventos fracos no Lago Ontário, Bimba obteve dois segundos lugares e um quarto, este último descartado como pior resultado. Com 19 pontos perdidos, ele não tem mais como ser superado pelo mexicano David Mier Y Teran, que soma 29. A regata da medalha terá cinco barcos, com pontuação dobrada. Na pior das hipóteses, se chegar em quinto lugar, Bimba alcançará 29 pontos, enquanto o rival, se vencer a prova, ficará com 31.

Quem também está na liderança é Patricia Freitas, na RS:X feminina. Ela chega à regata da medalha com grandes chances de subir no topo do pódio. Robert Scheidt, na Laser, Fernanda Decnop, na Laser Radial, e Martine Grael e Kahena Kunze, na 49erFX, ocupam a segunda colocação. João Hackerott, na Sunfish, e o trio da Lightning (Claudio Biekarck, Gunnar Ficker e Maria Hackerott) estão em terceiro. Na Hobie Cat 16, Claudio Luiz Junior e Bruno Reis de Oliveira estão em sexto, mas podem brigar pelo bronze.

“O resultado está dentro do esperado diante das condições de vento fraco que se apresentaram durante a semana. Se a situação fosse um pouco mais variável, com dias de ventos fortes e fracos, poderia ter sido melhor. Com vento fraco praticamente todos os dias, a competição fica nivelada”, afirmou o Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael.

Em 15 participações nos Jogos Pan-Americanos, a Equipe Brasileira de Vela soma 70 medalhas. São 32 de ouro, 23 de prata e 15 de bronze.

Confira os resultados dos brasileiros:

RS:X MASCULINA (após 13 regatas):

1 – Ricardo Winicki (BRA): 19 pontos perdidos

2 – David Mier Y Teran (MEX): 29

3 – Mariano Reutemann (ARG): 31

RS:X FEMININA (após 13 regatas):

1 – Patricia Freitas (BRA): 15

2 – Demita Veja (MEX): 20

3 – Marion Lepert (EUA): 44

LASER RADIAL (após 12 regatas):

1 – Paige Railey (EUA): 42

2 – Fernanda Decnop (BRA): 52

3 – Lucia Falasca (ARG): 56

LASER (após 12 regatas):

1 – Juan Maegli Aguero (GUA): 33

2 – Robert Scheidt (BRA): 37

3 – Lee Parkhill (CAN): 41

49ERFX (após 16 regatas):

1 – Victoria Travascio e Maria Branz (ARG): 28

2 – Martine Grael e Kahena Kunze (BRA): 39

3 – Paris Henken e Helena Scutt (EUA): 41

SUNFISH (após 12 regatas):

1 – Luke Ramsay (CAN):35

2 – Jonathan Mawyin (EQU): 37

3 – João Hackerott (BRA): 44

LIGHTNING (após 12 regatas):

1 – Argentina: 21

2 – EUA: 31

3 – Brasil: 33

HOBIE CAT 16 (após 12 regatas):

1 – Jason Castillo e Irene Van Blerk (GUA): 26

2 – Mark Modderman e Grace Modderman (EUA): 33

3 – Enrique Figueroa e Franchesca Ortega (PUR): 42

6 – Claudio Luiz Junior e Bruno dos Reis Oliveira (BRA): 46

J24 (após 12 regatas):

1 – Argentina: 21

2 – Canadá: 31

3 – Chile: 34

5 – Brasil: 45

SNIPE (após 12 regatas):

1 – Raul Andres de Choudens e Fernando Pacheco (PUR): 18

2 – Luis Soubie e Diego Lipszyc (ARG): 30

3 – Augie Diaz e Kathleen Tocke (EUA): 36

6 – Alexandre Paradeda e Geórgia Rodrigues (BRA): 64

Fui!!

Murillo Novaes (Felipe Mendes/InPress MediaGuide)

 

Pan,Pan, Pan de quinta de um jornalista idem!

Quarto dia de regatas em Toronto mantém pranchas na liderança e Lightning em segundo. Robert sobe para terceiro.

Phoenix em terceiro no mundial de TP52.

Bom dia amigos, uma praga direto de outra transmitindo aqui e vamos logo ao ponto… O ponto Toronto, você sabe! Antes, porém uma rapidinha que é sempre bom… Em Maiorca, nosso Phoenix, de Eduardo Souza Ramos, fez três quartos lugares (dois ontem e um hoje) e já parece em terceiro geral no super técnico e disputado Mundial de TP52. Uhuuu! E para quem curte, aqui o filminho do melhor das regatas ontem (2ºdia): http://bit.ly/TPWldD2_2015

Pan – O quarto dia de competição de vela no Ontário foi, mais uma vez, marcado pelo vento fraco. Mas nada que impedisse Bimba e Patricia Freitas de ganhar regatas ontem novamente! Pat, com duas vitórias e um segundo nas três de ontem continua absoluta na RS:X Feminina. E Bimba, com um primeiro, um segundo e um terceiro também reina na RS:X Masculina. Pranchas douradas!! Que siga assim até o fim!!

No Laser Standard, Scheidt continua sua ascensão. Após um terceiro, um primeiro e um quinto ontem, ele soma 26pp e está em 3º geral depois de corridas sete das 12 regatas da série antes da Medal Race. O guatemalteca Juan Aguero lidera com 13 pontos e o canadense Lee Parkhill vem logo atrás com 14pp. Ainda tem uns degraus pra subir, mas tamos chegando!

Já na Laser Radial, Fernanda Decnop, voltou a vencer ontem, mas um 15º, já devidamente descartado (só que colocou um 12º na soma) e um quinto na terceira regata fizeram-na escorregar para quinto geral. Só que com 30pp, Decnopop está a apenas 3 pontinhos da prata. A americana Paige Railey lidera com 19pp e nada é impossível com mais cinco regatas antes da final. Vambora, garota!!

E no peixe-sol tudo continua a brilhar para João Hackerott. Com um 3º, um 4º e outro 3º ontem, ele soma 22pp e subiu para 4º geral depois de 7 regatas das 12 previstas. Na frente dele, o líder equatoriano tem 17pp seguido pelo chileno e o canadense com 19pp cada. Não é fácil, claro, mas também não está tão longe assim! Minha previsão é de bom tempo no Sunfish!

Dia complicado mesmo, ontem, foi para a dupla campeã do mundo e melhores velejadoras do planeta da Isaf, Martine Grael e Kahena Kunze. Com dua provas, para perfazer o total de 8 das 16 previstas na fase classificatória, um 6º (na real, último…) e um OCS (mais 7 pontos) as empurrou para 4º geral com 25pp. As argentinas têm agora 9pp e na prata e bronze estão as atletas das Ilhas Virgens e dos EUA com 20 pontos cada. Dá pra pegar!!

E no Hobie Cat 16, a flotilha mais intermitente em termos de resultados, onde praticamente todos já ganharam regatas e já chegaram lá atrás, a coisa virou novamente. Cláudio Teixeira e Bruno Oliveira tiveram um dia complicado com um 6º, um 4º e um 7º ontem. E depois de oito regatas corridas, com 26pp, foram do céu da liderança ao “inferno” do 5º lugar. Mas está tudo embolado. Os líderes porto-riquenhos têm 19 pontos e tudo pode acontecer hoje! Pra cima deles!!

Na tripula 24 do Jota, Johnny King e seus asseclas continuam penando na merreca torontiana. Com duas regatinhas ontem, com um quinto e um segundo, eles caíram para 4º geral com 21pp. Os argentinos sobram por enquanto com 9 pontinhos e os canadenses com 13pp e os peruanos com 20pp fecham o suposto pódio. Força, galera!!

No Snipe, tudo continua fluindo estranho pros lados de Xandi Paradeda e Geórgia Rodrigues. Com um sétimo e um quinto ontem a dupla tem 39pp após 7 regatas e continua em 7º geral. Os líderes porto-riquenhos tem 9pp e, no bronze, Augie Diaz está com 19pp. Dureza!!

E para fechar sempre em alta, temos ele, a lenda pan-americana e dono de oito medalhas, Claudio Bieckark e seu relâmpago voador. Com duas regatas ontem para fechar sete corridas, nosso Lightning com, Claus, Gunnar Ficker e Maria Hackerott segue na vice-liderança. Só que, com um 4º e um 6º (descartado) ontem, eles agora têm os mesmos 16pp dos americanos e chilenos. Os argentinos lideram com 11 pontos e tudo pode mudar hoje! Quem viver verá!!

Fui!!

Murillo Novaes

Resumão de segunda na quarta. VOR, Pan, Rio2016, Golden Globe, TP52, Soling, Medemblik, Kiel, ABVC, abraço e muitooo mais!

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

Brunel vence a 7ª perna da Volvo Ocean Race. Convocada a equipe brasileira de vela para o Pan 2015 em Toronto. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan garantidas no Rio2016. Nova Golden Globe quer resgatar espírito da regata original de 1968.

E mais: Rán vence TP52 Super Series em Valência. Brasucas estreiam na Delta Lloyd Regatta, em Medemblik. Primeira etapa do Warm Up teve ventos fracos em Ilhabela. Lars Grael vence Taça Comodoro de Oceano no Rio. Na Taça Comodoro Monotipos mais de 80 barcos na Guanabara. Tradicional Taça dos Lagos, a 76ª, reúne 109 barcos na Guarapiranga. Prêmio em dinheiro é incentivo para a Semana de Kiel 2015. Louis Vuitton volta a patrocinar Copa América. Nelson Ilha e família brilham no Mundial de Soling na Hungria. Isaf estimula vela jovem em Moçambique com presença brasileira entre os técnicos. Escola de Marinharia e Vela começa a nascer em Brasília. Isaf discute uso de ponto eletrônico na vela olímpica. Robert Scheidt vence semana olímpica italiana em Garda no Laser. Corta Vento vence regata solitário em Floripa. Gusmão e sua amada faturam regata Ela e Ela em SC. Edu Penido e Renato Araújo em 3º na Normandy Channel Race de Classe 40.

Agenda: Brasileiro de Velamar22 em Brasília. Regata da Escola Naval antecipada no Rio. Copa Máster de Laser e Finn no ICRJ. Taça Comodoro de Optimist no Rio. Cruzeiro da ABVC na Hidrovia Tiête-Paraná. Encontro nacional da SBVC em Angra. Churrasco da ABVC Interior em SP. 10º Abraço à Guarapiranga em São Paulo.

Vídeos: Paralímpicos de SP são destaque em programa. Lixo na quilha quase tira título de Lars Grael no Rio. Vídeo final da TP52 em Valência. Maior evento de windsurfe do mundo reúne 1200 velejadores na França.

#ihdeumerda acrobática de Nacra17 em Medemblik. 

Boa noite querido amigo e queridíssima amiga, aqui estamos, direto do covil carioca, transmitindo mais um resumão para o seu deleite e prazer. Neste período de cortes gerais, do orçamento federal aos transeuntes cariocas, já protestando contra o rumo que as coisas estão tomando no país e na cidade olímpica, vamos rápido para o mar porque lá a vida é sempre mais amena.

E, antes, um #ficadica de leve porque a frequência quinzenal desta missiva aquática está deixando o texto loooongo… Faça como Jack Estripador, vá por partes! E já prometo tentar voltar ao semanário de sempre para a coisa ficar mais módica. E lembrando que para acompanhar as novidades diárias da vela é só visitar o FeiciBuque mânzico porque tudo é público por lá e não precisa nem ser adicionado, seguidor ou outras burocracias internáuticas: http://bit.ly/FB_MuNov .

VOR – Largou!! De novo!! E Chegou!! Depois de um interregno charmoso numa das principais capitais da vela mundial, Newport, berço da Copa América por mais de um século, a flotilha da VOR largou rumo à terrinha. E, no sentido contrário ao dos grandes marinheiros d’antanho, os nossos heróis oceânicos se fizeram ao Tejo, origem de boa parte do melhor da navegação de todos os tempos!

E a chegada foi à la VO65 One Design total. Em pouco mais de 2h15m os cinco primeiros barcos chegaram. A vitória, merecida, foi para Bouwe Bekking no Brunel após 09d 11h 09m 49s velejando nas 2.800 milhas do percurso. O MAPFRE veio 22 minutinhos atrás. Mais uma hora e vinte minutos depois chegou o Alvimedica em terceiro e apenas (!!) 55 segundos atrás veio o Dongfeng. Em quinto, 33 minutos depois de um Atlântico inteiro, veio o líder da regata, Abu Dhabi e, pouco mais de duas horas atrás dos árabes, chegaram as meninas do SCA. Foi bonita a festa, ó pá!

Antes da chegada lusa, porém, rolou, claro, mais uma regatinha de porto ainda nos EUA (esses caras são muito rápidos ou este escriba esta lento mesmo…). Como o querido leitor desta sopa de letrinhas já sabe, agora a série de regatas in-port serve apenas como critério de desempate da série principal. Mas como é sempre bom vencer, nosso querido Bochecha comemorou bastante na costa leste dos EUA o triunfo do seu MAPFRE. Foi muito bom, mas resolveu pouco para os espanhóis que, apesar da vitória, ainda estão em 6º geral na série de In-Ports, só atrás do Vestas.

Por falar em Vestas, o revivido barco azul já está em Lisboa alinhadinho ao resto flotilha e pronto para as duas últimas pernas da regata. Belo trabalho do estaleiro Persico!

E enquanto a reconstruída nave dinamarquesa navegava nas estradas europeias, o resto da galera enfrentava o, nem sempre amigável, Atlântico Norte. E o destaque foi para as meninas. Elas tomaram um rumo diferente da flotilha, para contornar pelo norte a alta dos Açores e a ousadia da navegadora Libby Greenhalg quase deu certo. Bem, depois de ficar quase 150 milhas atrás do líder, elas chegaram a estar só a 50 milhas do Brunel. Foi bonita a manobra!! Pena que, no fim, não deu para ultrapassar ninguém…

E pintou um probleminha extra na parada lisboeta para o SCA, o MAPFRE e o Dongfeng, o júri internacional independente da ISAF flagrou, e protestou, os três navegando na contramão de uma TSS (Traffic Separation Scheme, a zona de tráfico marítimo que tem duas “pistas”). Em Lisboa vai rolar a audiência e para desespero das meninas elas ainda estão sendo protestadas por supostamente terem invadido a zona de exclusão da regata em Rhode Island. Que fase!!

Agora a coisa está do seguinte tamanho na súmula: Abu Dhabi 16pts; Dongfeng 21pts; Brunel 22pts; MAPFRE 26pts (com a penalização de 2pts da 5ª perna); Alvimedica 27pts; SCA 41pts e Vestas 52pts. Com duas pernas e sete barcos no páreo pode mudar muita coisa. Tá bunitu!!

E para acompanhar tudo, você já sabe: http://bit.ly/VOR_14_15

CBVela – E agora Felipinho Mendes é o grande assessor de imprensa da CBVela. E sendo assim, já na esperteza de manza, mando aquele velho copia e cola no texto filípico porque o cara é do ramo.

A equipe brasileira de vela que vai disputar os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em julho, está definida. O grupo de atletas selecionados, entre novatos e veteranos, soma 32 medalhas na competição. Entre os destaques está Robert Scheidt, que volta à competição em busca de sua quinta medalha, sendo a quarta de ouro. Além dele, Claudio Biekarck, dono de oito medalhas, retorna para sua nona participação no Pan. Ele compete desde 1975 e conquistou a última medalha em Guadalajara, no México, em 2011: o bronze na classe Lightning.

Pela primeira vez como Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, vai acompanhar a equipe em Toronto com boas expectativas. “Esperamos um bom resultado. Acredito que temos condições de brigar por pódio em todas as classes, mas claro que não vai ser fácil. Depende muito do momento de cada velejador”, comentou. O treinador ainda acrescenta a importância dos Jogos Pan-Americanos no ciclo olímpico de 2016. “É uma etapa importante. No caso da Martine Grael e da Kahena Kunze, por exemplo, dá uma dimensão a elas do que é uma competição assim. Quando chegarem aos Jogos do Rio, já terão essa experiência”.

Com o mesmo número de medalhas olímpicas que o Coordenador Técnico, Robert Scheidt volta ao Pan após ficar fora da competição em Guadalajara. O velejador estreou na competição há 20 anos, em Mar Del Plata, na Argentina, em 1995, quando conquistou a primeira medalha de ouro na competição. “Tenho muito orgulho de voltar a representar o Brasil no Pan. Tenho ótimas memórias dos Jogos Pan-Americanos. Na minha última participação, em 2007, no Rio de Janeiro, não pude fazer uma boa preparação porque já estava em campanha olímpica na Star. Neste ano, porém, o foco é totalmente na Laser”, comenta o atleta, que emendará o Mundial da classe Laser, também no Canadá, com o Pan.

Entre os demais velejadores que compõem o time do Brasil na competição estão as estreantes Martine e Kahena, atuais campeãs mundiais na classe 49er FX, e o veterano Ricardo Winicki Santos, o Bimba, da classe RS:X, que pode conquistar o tetracampeonato pan-americano consecutivo. Ele venceu em 2003, 2007 e 2011.

Confira a lista de velejadores no Pan-americano de 2015:

Robert Scheidt
Classe: Laser Masculino
Nascimento: 15/04/1973
Medalhas em Pan: 3 ouros (1995, 1999, 2003) e 1 prata (2007)
Principais títulos: cinco medalhas olímpicas (dois ouros [1996 e 2004], duas pratas [2000 e 2008] e um bronze [2012])

Fernanda Decnop
Classe: Laser Feminino
Nascimento: 19/06/1987
Medalhas em Pan: ainda não possui

Ricardo Winicki
Classe: RS:X Masculino
Nascimento: 8/05/1980
Medalhas em Pan: 3 ouros (2003, 2007 e 2011) e 1 prata (1999)

Patrícia Freitas
Classe: RS:X Feminino
Nascimento: 10/03/1990
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Martine Grael
Classe: 49erFX
Nascimento: 12/02/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Kahena Kunze
Classe: 49erFX.
Nascimento:  12/03/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui.

João Augusto Hackerott
Classe: Sunfish Aberto
Nascimento:  12/04/1989
Medalhas em Pan: ainda não possui

Alexandre Paradeda
Classe: Snipe Aberto.
Nascimento: 24/11/1972.
Medalhas em Pan: 1 ouro (2007) e 1 prata (1999).

Lucas Huyer Aydos
Classe: Snipe Aberto
Nascimento: 24/06/1996
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Biekarck
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 16/05/1951
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 3 pratas (1975, 1995 e 1999) e 4 bronzes (1987, 1991, 2007 e 2011)

Gunnar Ficker
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 26/11/1954.
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 2 pratas (1999 e 1995) e três bronzes (1987, 1991, 2007, 2011).

Maria Hackerott
Classe: Lightning Misto
Nascimento: 3/04/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Luiz Teixeira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto.
Nascimento: 19/04/1967
Medalhas em Pan: ainda não possui

Bruno Oliveira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto
Nascimento: 4/04/1988
Medalhas em Pan: 1 prata (2011)

John King
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 16/02/1960
Medalhas em Pan: ainda não possui

Daniel Santiago
Classe: J24 Aberto.
Nascimento: 10/10/1978.
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007) 1 prata (2003).

Alexandre Saldanha
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 3/11/1970
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007)

Guilherme Hamelmann
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 9/03/1987
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

CBVela2 – Saiu mais uma convocação pra Rio2016! E a incrível Fernandinha Oliveira vai para sua quinta olimpíada e se igualará a grandes nomes do esporte nacional, à ex-levantadora Fofão e à jogadora de futebol Formiga. Entre os homens, Rodrigo Pessoa, Hugo Hoyama e Torben Grael têm seis participações. Robert Scheidt e Emanuel Rêgo caminham para a sexta. “Cinco Olimpíadas não é pouco. É uma vida dedicada ao esporte”, disse ela. E ainda é a primeira velejadora brasileira, ao lado de Bel Swan, a ganhar uma medalha olímpica, o bronze chinês em 2008.

A dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, da classe 470 feminina, foi convocada para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A decisão foi tomada após avaliação do Conselho Técnico da Vela (CTV) baseada nos resultados obtidos pelas atletas nas principais competições em 2013, 2014 e início de 2015.

Somente em etapas da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF), Fernanda e Ana conquistaram quatro títulos em sete etapas disputadas: em 2013 venceram em Miami (EUA), Palma de Mallorca (ESP) e Hyères (FRA). Este ano, a dupla voltou ao topo do pódio na etapa francesa.

“Estamos muito felizes. Ainda temos muito trabalho pela frente, mas tudo que passamos até aqui valeu a pena. Só quem nos acompanhou de perto sabe o quanto trabalhamos, a quantidade de coisa que abrimos mão em busca de realizar o sonho de disputar os Jogos Olímpicos no nosso país. É indescritível o que estamos sentindo”, afirmou Fernanda.

Até este mês, a dupla disputou 18 eventos no ciclo olímpico da Rio 2016. Além das conquistas nas etapas da Copa do Mundo, Fernanda e Ana venceram em 2014 duas competições na Baía de Guanabara, palco da disputa da vela nos Jogos Olímpicos. Elas ficaram em primeiro lugar no Sul-Americano de 470 e na Copa Brasil de Vela. No evento-teste no ano passado, elas terminaram na quinta colocação.

“Agradecemos de coração a todos que sempre acreditaram em nós, em especial nossa família e nossos patrocinadores e parceiros. Estamos convocadas, mas o foco continua para conseguirmos representar o Brasil da melhor maneira possível”, disse Ana.

Fernanda e Ana disputavam a vaga na Rio 2016 com Isabel Swan e Renata Decnop, que acabaram desfazendo a dupla na semana passada. Em 16 confrontos diretos entre as duas duplas no ciclo olímpico, as atletas classificadas venceram 15. Foi apenas uma derrota para as rivais.

No dia 18 de novembro de 2014, a CBVela havia definido a classificação de outras quatro classes com base nos resultados obtidos pelos atletas nas principais competições em 2013 e 2014. Também estão garantidos na Rio 2016 Martine Grael e Kahena Kunze, na classe 49erFX, Jorge Zarif, na Finn, Patrícia Freitas, na RS:X feminina, e Ricardo Winick Santos, o Bimba, na RS:X masculina. Força, time!! Brasiiiilll!!

Golden Globe – Essa vem direto do meu, do seu, do nosso periódico AlmaNáutica. Ricardo Amatucci conta: “Em comemoração aos 50 anos da histórica viagem de circum-navegação solo realizada em 1968, a famosa Regata Golden Globe vencida por Robin Knox-Johnston, uma nova Golden Globe será realizada em 2018. Mas não se engane: O objetivo é recriar mesmo. Ao melhor estilo retrô, nenhuma tecnologia que não estivesse presente em 1968 será permitida. Sem GPS, eletrônicos, sequer câmeras digitais…

‘Se não estava no Suhaili (veleiro de Robin Knox-Johnston que venceu a regata original), então você não pode usar’, disse o organizador. Alguns itens são considerados equipamentos de segurança e estão permitidos (como luzes e rádios mais modernos, EPIRB e um rastreador e um satfone que só a organização pode acionar). Estão fora: Radar, plotters, telefone celular, CD players, relógios eletrônicos, câmeras de vídeo, iPods, ou qualquer dispositivo baseado em computador, qualquer tipo, equipamentos de satélite, binóculos digitais, calculadoras de bolso, dessalinizador, materiais de fibra de carbono, e quaisquer materiais de alta tecnologia. Sequer um modem no rádio HF para e-mails… Qualquer tipo de medição de vento e velocidade por exemplo, terá de ser mecânica.

Em 1968 não existiam as tecnologias digitais, portanto se o participante quiser documentar ou mesmo enviar mensagem para atualizar blogs, terá que se virar com uma câmera Super 8, filmes fotográficos de 35mm e gravadores de fita cassete.

Outros detalhes estão previstos, como a permissão de uso de informações obtidas de navios que encontrem durante as rotas, exatamente como fazia Robin Knox-Johnston. A entrada em qualquer porto não está autorizada e o navegador só poderá procurar abrigo em baías ou ilhas, lugares não considerados portos”. Duca!!! Para saber mais: http://bit.ly/G_Globe

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**  Terminou em Valência o primeiro evento da TP52 Super Series. Já com as novas regras em vigor, as máquinas de regata protagonizaram um belo espetáculo. No final deu: 1º Rán, Niklas Zennström; 2º Alegre, Andy Soriano e 3º Sled, Takashi Okura. Super show!!

**  Começou!! Ontem rolaram as primeiras regatas da famosa semana de Medemblik, na Holanda, a Delta Lloyd Regatta e hoje tudo continuou. Os brasucas estão em posições intermediárias. Na Laser Radial, com 82 barcos e 4 regatas corridas, Maria Cristina Boabaid está em 30º; com um 7º hoje, Renata Decnop está em 36º e Odile Ginaid em 60º.

**  Seguindo… Na RS:X masculina, depois de 6 provas, Gabriel Pereira está em 38º e Breno Francioli em 44º de 66 pranchas. Na 49er, depois de 6 regatas, Dante Bianchi e Thomas Low-Beer estão em 24º entre 56 barcos. Na Nacra17, também com 6 provas corridas,  os acrobatas Ju Mota e Leandro Azambuya estão em 30º e André e Kyra Mirsky em 39º entre 42 catamarãs.

**  E nos paralímpicos… No 2.4m, entre 31 barcos, depois de 4 regatas, Mario Czaschke está em 21º e no Skud18, a dupla Breno e Marinalva está em 17º de 17 barcos, depois de um DNF e um DNS ontem e só correr as duas de hoje. Sorte para todos na Holanda!!

**  Por falar neles… Bruno Landgraf embarcou para a Holanda, para este que é o primeiro campeonato que disputa após a mudança de São Paulo para o Rio de Janeiro. A competição em Medemblik serve para medir o desempenho de Bruno e sua parceira, Marinalva Almeida, em relação aos demais velejadores da Skud18. O foco do ex-goleiro do São Paulo está nos Jogos Paralímpicos de 2016. Em 2012, Bruno disputou a Skud18 nos Jogos de Londres, ficando na 11ª posição, mas seu técnico, Pedro Paulo Penna Franca, o PP, afirma que a evolução dele neste ciclo é muito grande e aposta: “repetir a posição de Londres, ele não vai. Pode ter certeza de que ele vai melhorar bastante”. Bons ventos à dupla!!

**  Ventos médios nivelaram as regatas do primeiro fim de semana (23 e 24) do Warm Up para a Ilhabela Sailing Week (ISW), como é chamada a 2ª Etapa da Copa Swift Sport, no YCI. As regatas decisivas serão disputadas no próximo fim de semana (30 e 31). O equilíbrio predominou em todas as classes, com resultados variados diante da dificuldade apresentada. Em cinco regatas da classe HPE, foram duas vitórias do Suzuki Bond Girl, duas do Arretado e uma do Aventura 55. Na competitiva C30, BarrucudaPorscheCaballo Loco e +Realizado dividiram as vitórias na classe. Na RGS Geral, Asbar II venceu duas vezes, contra uma vitória do Montecristo. A RGS Cruiser foi exceção, com três primeiros lugares do Jambock, após os tempos corrigidos. Tudo continua no próximo findes!! Que Éolo compareça também…

**  No ICRJ, no final de semana retrasado, para os veleiros de oceano, e neste, para os monotipos, rolou a tradicional Taça Comodoro. Na semana passada deu Lars Grael, de Stand By Me na ORC, Jack Spot, de Pedro Avelino, na IRC e na RGS, também válido pelo estadual, deu o J/24 Tchau Madona, de Henri Muller. Parabéns aos campeões!! Resultados completos em http://bit.ly/TCo_Oce

** Seguindo… Já neste final de semana, o destaque foi por conta da Taça Comodoro de Monotipos que reuniu mais de 80 barcos de Dingues a HPE 25 nas raias. Resultados em: http://bit.ly/TCo_Mon

**  E por falar em tradição, rolou a 76ª Taça dos Lagos na represa Guarapiranga em São Paulo. No sábado, dia 09/05, rolou mais uma Taça dos Lagos. E o número recorde de 109 embarcações foi alcançado. Sediada pelo YCSA, que conquistou o troféu transitório Ernesto Reibel mais uma vez pela soma do desempenho dos seus velejadores, a regata foi uma bela festa.  A Fita Azul, ficou com o velejador Allan Lowy no seu catamarã  A-Class. Parabéns a todos os participantes!!

**  Como parte do desejo de Hamburgo de sediar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2024, a Schleswig-Holstein vai apoiar a tradicional Semana de Vela de Kiel com alguma prata. O prêmio em dinheiro será dado aos três primeiros lugares das classes olímpicas e paraolímpicas na Kieler Woche 2015: 3 mil Euros para o primeiro lugar, 2 mil Euros para o segundo e mil Euros para o terceiro lugar. Mais um motivo para ir a Kiel este ano!!

**  E na Copa América a Louis Vuitton voltou a patrocinar parte da parada. A agora rebatizada Louis Vuitton America’s Cup World Series começa em Portsmouth, no Reino Unido, a partir de 23 e vai até 26 julho 2015. Apesar dos pesares, uma boa nova!

**  Também nas Zorópias, nas águas do belo lago Balaton, na Hungria, está rolando o Mundial de Soling, aliás o Mundial dos 50 anos da classe. E a família Ilha está por lá representando os Veleiros do Sul e o Brasil, claro! E Nelsão, Gustavo e Felipe começaram bem, ganhando a primeira regata, e agora, no penúltimo dia, estão em 5º geral depois de 8 provas. Island family power!!

**  E se não bastasse a profusão insular em águas húngaras, Henrique, Fernando e Pedro Ilha (RGYC) estão em 35º geral e o trio Kadu Bergenthal, Eduardo Cavalli e Renan Oliveira (VDS) estão em 9º… Gauchada forte, tchê!!

**  Já nosso educador oficial da ISAF, Eduardo Sylvestre, esteve em Moçambique participando do programa de nações emergentes da federação internacional, no Youth Sailing Worlds. Cuidando do futuro de nosso esporte! Parabéns!

**  E Ademir Nicaretta quer desenvolver em Brasília, um projeto piloto de criação da Escola de Marinharia e Vela do Brasil, um projeto ambicioso, que era o sonho do saudoso Mestre Fernandes. A escola terá oportunidade de oferecer formação nas diversas áreas náuticas que envolvem desde a construção naval, manutenção naval, condução naval, esportes navais, entre outras. Boa sorte Ademir! E vamos ajudar!!

**  E por falar em ISAF, rolou na semana passada, com matéria excelente n’O Globo e tudo mais, uma polêmica olímpica no encontro da federação. Alguns gringos querem simplesmente introduzir o ponto eletrônico nas regatas do Rio2016… Fala sério!! Agora a ideia é transformar os velejadores olímpicos em jóqueis de controle remoto do técnicos e meteorologistas dos times?? Ainda bem que nosso coordenador técnico da CBVela, Torben Grael, e outras vozes de bom senso se insurgiram contra a ideia. A conferir…

**  Por falar nos olímpicos… Na fase final de preparação para o Mundial de Laser de Kingston, no Canadá (a partir de 29/6) Robert Scheidt venceu Semana Olímpica de Vela, em Garda, na Itália (também conhecida como “lar” para ele), semana retrasada. Scheidt aproveitará a boa fase para os últimos treinos na Itália, ao lado de adversários que também estão velejando em Garda, antes de enfrentar o Mundial e o Pan, ambos no Canadá. Força, alemão!!

** Em Kavala, na Grécia está rolando o mundial máster de Finn. São 204 barcos na água e o ucraniano Yuri Tokovoi lidera depois de duas regatas. Os brasucas Ricardo Carvalho está em 143º e Colin Reed está em 200º. No Finn todos acabam vencendo…

**  Doze comandantes da flotilha de oceano do Iate Clube de Santa Catarina disputaram há duas semanas, a Regata Solitário, primeira das três etapas que compõe a Copa Flotilha neste mês de maio. Comandando por Carlos Augusto de Matos, o C30 Corta Vento foi o Fita Azul da regata após pouco mais de duas horas e cinquenta minutos. Show!!

** No sábado (23/5) o Iate Clube de Santa Catarina sediou a 2ª etapa da Copa Flotilha. A Regata Ele e Ela contou com excelente nível técnico e foi marcada pela condição perfeita de ventos na Baía Sul, que variaram entre 10 e 20 nós, de Norte. Ao lado da velejadora Carla, sua namorada, o comandante Marcelo Gusmão foi o Fita Azul da regata com o Moleque. “Tivemos uma regata muito boa. Sabíamos que a volta seria com ventos fortes e tivemos um lindo dia. Eu e a Carla sempre velejamos juntos e hoje foi mais um excelente dia”, disse. “Eu procuro sempre estar bem atenta ao que ele me pede no barco. A gente veleja bastante juntos”, disse Carla. “O segredo do bom velejador é transformar o amor da vida dele numa boa velejadora”, completou. Sem dúvida! Com a vitória na Classe RGS, o Moleque subiu para a segunda posição na Copa Flotilha, atrás apenas do Tintiun, que venceu na Regata Solitário e acabou em segundo na Ele e Ela. Gusma sabe tudo! De vela e de namoro!

**  Por fim, Edu Penido e Renato Araújo estão se preparando para a pioneira participação brasuca na Transat Jacques Vabre e correndo a Normandy Channel Race de Classe 40, num percurso que sai da França, monta a ilha de Wight, no sul da Inglaterra, Tuskar Rock e Fastnet Rock na Irlanda e volta pra Normandia. A bordo do Zetra nossa dupla está em 3º geral agora, a 19 milhas do líder. Esse é meu ídolo!! Arrebenta, Penido!! Para acompanhar: http://bit.ly/Edu_NorRace

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  Atenção velamaristas de todo o país! O 8º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 vai rolar dias 4, 5, 6 e 7 de junho de 2015, no Clube Naval de Brasília. Não perca a chance de dar um velejo no velho e bom Velamar 22. Inscrições no: nautica@clubenavaldf.com.br. Vai ser show!!

**  Tradicionalmente realizada no mês de outubro, a Regata Escola Naval, maior prova náutica da América Latina, chega à 70ª edição no próximo dia 13 de junho. A mudança no calendário tem uma razão especial: as comemorações pelos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo, evento militar decisivo ocorrido durante a Guerra da Tríplice Aliança. A 70ª Regata Escola Naval em comemoração aos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo deverá reunir na Baía da Guanabara cerca de 700 embarcações de diversas classes: Oceânicas, Monotipos, Escaleres, Catamarãs, Veleiros Rádio Controlados, Windsurf e Vela Adaptada. Juntamente com a Regata, haverá a 26ª Meia Maratona de Canoagem. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site do Grêmio de Vela da Escola Naval (http://www.gven.org.br/ ) ou no próprio dia da Regata, até às 11h, nos postos de inscrição montados na Escola Naval e nos clubes coirmãos. Não perca!

**  O ICRJ vai realizar a Copa Máster de Laser e Finn nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô!!

**  E na outra ponta do espectro vélico etário rola a Taça Comodoro da Classe Optimist, também nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô molecada!!

**  A ABVC convida todos a participar do “5º Cruzeiro Hidrovia Tietê-Paraná 2015”. A partida será no dia 5 de julho, da Marina Sunset BTC, em Barra Bonita, e a chegada no dia 9 de Julho, em Adolfo, partindo de volta no dia 12 e chegada final a Marina Sunset BTC no dia 16 de julho, navegando 500 km da Hidrovia, e terá a duração de 14 dias. Participam embarcações de 16 a 37 pés, em sua maioria a vela, podendo também aderir embarcações a motor. Vale lembrar que o cruzeiro navega durante o dia, a tarde faz uma parada para jantar e pernoite em cada cidade. Um programa bacana e diferente!!

**  E por falar em ABVC… A Associação Brasileira dos Velejadores de Cruzeiro realiza de 4 a 6 de junho (feriado de Corpus Christi) no Bracuhy – Angra dos Reis, o 13º Encontro Nacional da entidade. O primeiro Encontro Nacional foi realizado na Marina Porto Paraty em 2005. A partir de então, todos os anos a associação reúne os velejadores para uma confraternização com palestras, oficinas e, claro, muita festa. Não perca!!

**  Mais ABVC e mais interior… Vai rolar no dia 30/5 o VI Churrasco de Confraternização dos Velejadores do Interior. E Paulo Fax já avisa: “esta edição será muito especial, teremos a palestra do grande Velejador, Campeão Mundial, Empresário, Organizador , Juiz entre tantas coisas que fez pela vela brasileira, Mario Buckup, da North Sails, abordando temas como tempestades, rizos, cuidados com as velas, regulagens e muitas boas histórias”. O custo é de R$35 por pessoa, As confirmações podem ser feitas através do abvcinteriorsp@gmail.com. Tudo rola a partir das 10h da manhã no Hotel do Broa Golf Resort, em Itirapina, pertinho de Brotas, em São Paulo. Festão!

**  O Abraço Guarapiranga é uma manifestação de respeito e carinho da população com as fontes de água de São Paulo e, também, um ato de denúncia e indignação pelo descuido com a preservação dos mananciais.  Em sua 10º edição, no dia 31/5 (Domingo), de 9 às 14h, o Abraço irá mobilizar e alertar os cidadãos, as empresas e os governos para a urgência de se construir uma nova cultura de cuidado com a água. O Abraço Guarapiranga 2015 elegeu como tema “Água é um direito humano. Não se vende, se defende!”. Tudo rola na Av. Atlântica, 1.100 Capela do Socorro e Estrada do Riviera, 3286, M’Boi Mirim. Participe!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  O Clube Superação, em SP, recebeu a equipe da TV Mackenzie na represa Guarapiranga, em São Paulo, para velejar com os paratletas de lá. A vela adaptada foi o esporte escolhido por essas pessoas para mostrar que nenhuma dificuldade é barreira pra quem tem força de vontade! Veja em: http://bit.ly/Mack_TV

**  Direto do canal Mar Brasil. A Taça Comodoro do ICRJ teve 44 veleiros da classe oceano na raia da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Além de superar os adversários, Lars Grael teve que lutar também contra o lixo, que quase tirou o título da equipe do barco dele, o Stand by Me, na ORC. Confira no vídeo a retirada do saco plástico da quilha do barco, o resultado da Taça Comodoro na RGS e na IRC, e a exposição ‘Baía Azul’ de Marcus Penido a bordo do iate Santantoniohttp://bit.ly/MBr_TCo

**  Mais uma vez a TP52 Super Series produziu regatas e imagens de altíssimo nível. O vídeo final do evento não deixa dúvidas: http://bit.ly/TP52_Val

**  A Defi Wind teve 1200 windsurfistas na linha de largada no dia 17 de maio em Gruissan, na França. O maior evento de windsurfe do planeta. E foi com ventão! Para quem duvida, veja: http://bit.ly/Defi_Wind

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Na Delta Lloyd Regatta nossa dupla na Nacra17, Ju Mota e Leandro Azambuya viu o mundo de um ângulo diferente. #ihdeumerda leve e super normal no Nacra17.

nacra17_medemblik_ju

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Muitas vezes tentei fugir de mim, mas aonde eu ia, eu estava.” Do filósofo Tiririca sobre a existência e seus desafios.

Fui!! Fugindo de mim mesmo…

Murillo Novaes

 

%d blogueiros gostam disto: