Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Lisboa’

Aha, uhu, que domingo é esse? Tem largada da Volvo, Transat e final do Circuito Rio. Clipper Race e Mini Transat já estão a pleno vapor também.

Leg 01, Alicante to Lisbon, First Morning on board AkzoNobel. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 23 October, 2017

Martine está confirmada à bordo do AkzoNobel rumo à África.

Bom dia, querido amigo e mais que querida amiga. Lembra do resumão? Pois é! Hoje é tipo um resumão involuntário… Muito coisa rolando no planeta Vela. Apertem os cintos (ou melhor, clipem os cintos…) que vai começar!!

Primeiro temos às 1400UTC (1200 em Brasília) a largada da segunda perna da VOR. A etapa vem a ser a segunda maior em distância (só da N.Zelândia pra Itajaí são mais milhas) e rivaliza em termos de tempo, aproximadamente 22 dias, entre nossa ancestral Lisboa e a Cidade do Cabo. Que cabo? O das Tormentas, ora! Que virou Boa Esperança obviamente para aqueles que por lá não soçobraram…

E depois de muita tempestade em terra, com um sai não sai de comandantes e tripulantes, eis que nossa menina de ouro, Martine Grael, única e solitária representante da terra brasilis neste desafio planetário, vai de AkzoNobel pros Atlânticos – norte e sul.

O skipper viúva Porcina (que foi sem nunca ter sido), Brad Jackson, e nosso querido Joca Signorini realmente ficaram de fora do time holandês. Mas Julinho Salgado (ou Jules Salter), navegador campeão no Ericsson 4 com papai Grael em 2009, voltou e Chris Nicholson, experiente comandante de incontáveis milhas, algumas até interrompidas de forma abrupta, como no Vestas na última edição, e um outro holandês aí, Peter van Niekerk, velejador olímpico, entraram no time como capitães de turno e tudo promete ser mais suave agora.

Ao menos em termos administrativos e emocionais, porque em termos de velejada… De VO65 em regata nunca é mesmo! Plugue na web na hora marcada (www.volvooceanrace.com) e acompanhe o desenrolar dos primeiros fatos desta perna…

Veja abaixo o que Martine falou antes de partir:

Já no Havre, rola hoje também a largada da tradicional Transat Jacques Vabre às 1230UTC (1030 em Brasília) com largada ao vivo no site www.transatjacquesvabre.org.

São 74 velejadores, em duplas, disputando em quatro classes o direito de entrar para a história. Os quatro incríveis trimarãs da classe Ultime (bem um deles não mede oficialmente na classe, mas foi aceito na categoria), de 100 pés, trazem uma constelação de feras do oceano, sendo o ponto alto ninguém menos que Thomas Coville, que já circundou o planeta sete vezes, atual detentor do recorde absoluto de volta ao mundo em solitário (49d 3h 7m 38s), que fará dupla com Jean Luz Nélias, no “Sodebo Ultim”, o mesmo barco em que fez seu tempo inacreditável no ano passado. Só pra citar um cara…

Entre os IMOCA (antigos Open 60, os barcos da Vendée Globo e tantas outras regatas em solitário e duplas) são 13 super duplas também. E entre elas está um barco semi-barsuca digamos. O “Vivo à Beira”, uma refência a um poema da poetisa Clarice Lispector, que traz dois franceses que buscam fundos para projetos sociais educacionais no nosso País. ”Somos o outro barco do Brasil na regata. Vamos usar a prova para levar uma mensagem de esperança aos jovens das favelas brasileiras”, explicou Pierre Lacaze, co-skipper da nave.

E Pierre diz ser o outro barco brasileiro porque temos o Classe40 angolano-brasuca “Mussulo 40 Team Angola Cables” com o baiano Leonardo Chicourel, que está a bordo ao lado do angolano José Guilherme Caldas, que mora em São Paulo (SP). A dupla já venceu a Cape Tow-Rio em dupla e estabeleceu o recorde desta regata para a categoria. No total serão 15 veleiros Classe40 e a disputa promete ser boa. Há também mais seis barcos competindo na categoria Multi50 de multicascos. Veja abaixo dois vídeos com nossos heróis.

E para que os oceanos não fiquem vazios de emoção temos ainda as regatas finais do Circuito Rio hoje na cidade maravilhosa (e abandonada!) com belas disputas nas classes ORC, IRC e RGS. A Clipper Race, a regata para tripulas amadoras pagas, já está a na terceira perna, entre a Cidade do Cabo (que cabo?…) e Perth, no oeste australiano. Lembrando que o “Greenings” abandonou após encalhar na África do Sul e o “Hotelplanner.com” retornou para fazer reparos em Porto Elisabete.

E, claro, temos ainda a segunda perna da famosa Mini-Transat das Canárias para a Martinica. Depois de três dias nesta etapa, o 21 pés (Mini 6.5m) estilo ‘tamanco’ ou ‘Scow’ de Ian Lipinski, o “Griffon”, vencedor também da primeira perna, de La Rochelle até Las Palmas, liderava a apenas(!!) 2,207.9 milhas do final e 45mn sobre Simon Koster (Eight Cube Sersa). Não saia daí a coisa está quente!! Fui!! Ver as largadas…

Murillo Novaes

Team Brunel vence regata de porto de Lisboa na VOR

m105628_13-02-171103-asv-05987-0145.jpg

Barco holandês, de Bouwe Bekking, segura investidas do MAPFRE e ganha prova na capital portuguesa. Agora o foco é total na saída para a Cidade do Cabo, que será neste domingo

A Mirpuri Foundation In-Port Race de Lisboa, disputada nesta sexta-feira (3), foi vencida pelo Team Brunel, barco comandado pelo holandês Bouwe Bekking e que tem com tripulante de destaque o neozelandês Peter Burling, apontado como o velejador do momento! A equipe resistiu a pressão do MAPFRE durante todo percurso e cruzou a linha de chegada em primeiro lugar no Rio Tejo com oito segundos de vantagem para o time espanhol.

“Eu acho que nós fizemos um bom trabalho, nós melhoramos como equipe. É sempre bom vencer, mas acho que navegamos muito bem com bastante vento no final. Tomamos as decisões corretas nessas condições”, disse Bouwe Bekking.

O pódio teve ainda o Dongfeng Race Team em terceiro. Com a brasileira Martine Grael a bordo, o team AkzoNobel foi o quarto colocado. A campeã olímpica foi confirmada horas depois na Etapa 2, que larga no domingo de Lisboa, Portugal, para a Cidade do Cabo, na África do Sul.

Com isso, a crise do time holandês parece ter arrefecido. Simeon Tienpont vai realmente ser o skipper, mas conseguiu que o navegador Jules Salter retornasse ao barco e ainda trouxe como capitão de turno o experiente Chris Nicholson, que comandou o Vestas na regata passada. A tripulação confirmada pelo AkzoNobel para segunda perna é:

Simeon Tienpont (NED) – skipper

Jules Salter (GBR)

Brad Farrand (NZL)

Martine Grael (BRA)

Luke Molloy (AUS)

Emily Nagel (GBR/BER)

Chris Nicholson (AUS)

Nicolai Sehested (DEN)

Peter van Niekerk (NED)

 

Voltando à regata de porto… Os ventos fortes obrigaram as equipes a fazer muitas manobras, não apenas nos contornos de bóias. Para piorar, a chuva não deu trégua aos velejadores no percurso, montado próximo à terra para garantir que o público das cidades-sede acompanhe a prova.

O Brunel liderou desde o começo, sempre mais à direita do resto da flotilha. O MAPFRE e Dongfeng apertaram pra tentar passar até o fim. ”Foi intenso. Sabíamos que seria difícil hoje com as rajadas de vento. Começamos bem, mas na marca de barlavento nós ficamos muito lentos e caímos. Mas voltamos pouco a pouco terminando em segundo lugar”, disse Xabi Fernández, campeão olímpico a bordo do MAPFRE.

O segundo lugar na prova deixou o MAPFRE na liderança do campeonato paralelo das In-Port Races, que assim como na última edição da VOR só conta mesmo como critério de desempate caso dois times tenha o mesmo número de pontos ao final

Resultado da Mirpuri Foundation In-Port Race Lisboa
1. Team Brunel
2. MAPFRE
3. Dongfeng Race Team
4. team AkzoNobel
5. Vestas 11th Hour Racing
6. Sun Hung Kai/Scallywag
7. Turn the Tide on Plastic

 

Captura de Tela 2017-11-03 às 18.20.59.png

Com Flavio Perez/VOR

 

 

Amanhã é dia de regata de porto em Lisboa, na VOR. Martine confirmada no AkzoNobel.

Captura de Tela 2017-11-02 às 16.11.38

A primeira in-port desta edição da VOR foi vencida pelo MAPFRE, em Alicante.

A regata Mirpuri Foundation In-Port Race está marcada para esta sexta-feira (3), em Lisboa, Portugal. A prova entre bóias será a segunda da Volvo Ocean Race e ocorre a partir de 11h50 (Horário de Brasília) com transmissão ao vivo pelos canais oficiais da regata de volta ao mundo.

A prova deve durar no máximo 60 minutos e não vale pontos para a classificação geral, apenas em caso de desempate, no final. A primeira regata in-port foi vencida pelo MAPFRE, em outubro desde ano, na cidade de Alicante, na Espanha.

A previsão é de ventos do sudoeste de 10 a 15 nós em Lisboa.

O Brasil terá pelo menos um tripulante nessa regata, que antecede a largada da Etapa 2, neste domingo (5), Martine Grael foi confirmada pelo team AkzoNobel para participar da prova. Outra novidade é a volta do navegador Jules Salter ao time. E espera-se o anúncio de mais reforços depois da crise deflagrada dias antes da largada no mês passado.

Veja a escalação para a Mirpuri Foundation In-Port Race

Dongfeng Race Team
Skipper – Charles Caudrelier
Pascal Bidégorry
Stuart Bannatyne
Jérémie Beyou
Daryl Wislang
Marie Riou
Carolijn Brouwer
Jackson Bouttell
Jinhao Chen

team AkzoNobel
Skipper – Simeon Tienpont
Jules Salter
Ross Monson
Brad Farrand
Nicolai Sehested
Emily Nagel
Martine Grael
Luke Molloy

Team Brunel 
Skipper – Bouwe Bekking
Andrew Cape
Carlo Huisman
Alberto Bolzan
Kyle Langford
Maciel Cicchetti
Peter Burling
Annie Lush
Abby Ehler

Team Sun Hung Kai/Scallywag 
Skipper- David Witt
Steve Hayles
Alex Gough
Annemieka Bes
Benjamin Piggott
John Fisher
Luke Parkinson
Tom Clout

Turn the Tide on Plastic
Skipper – Dee Caffari
Nico Lunven
Martin Strömberg
Liz Wardley
Annalise Murphy
Francesca Clapcich
Bianca Cook
Lucas Chapman
Henry Bomby
Frederico Melo

Vestas 11th Hour Racing
Skipper – Charlie Enright
Simon Fisher
Mark Towill
Damian Foxall
Nick Dana
Tom Johnson
Tony Mutter
Stacey Jackson
Hannah Diamond

MAPFRE 
Skipper – Xabi Fernández
Juan Vila
Pablo Arrarte
Rob Greenhalgh
Antonio “Ñeti” Cuervas-Mons
Blair Tuke
Willy Altadill
Sophie Ciszek
Tamara Echegoyen

Assista ao vivo no site

Acesse www.volvooceanrace.com para assistir em livestreaming.

Brasileira Martine Grael aprova estreia na Volvo Ocean Race

Campeã olímpica disputou a primeira etapa da Volta ao Mundo a bordo do team AkzoNobel, quarto colocado na regata.

Primeira brasileira a correr a Volvo Ocean Race, Martine Grael saiu satisfeita com o seu desempenho e da equipe AkzoNobel na primeira etapa da Volta ao Mundo. O barco da campeã olímpica na Rio 2016 terminou o percurso entre a Espanha e Portugal na quarta colocação, após 6 dias, 6 horas e 11 minutos de regata. O vencedor foi o Vestas 11th Hour Racing, seguido por MAPFRE e Dongfeng Race Team.

O team AkzoNobel foi para a disputa com um atleta a menos. Minutos antes da largada, o holandês Simeon Tienpont retornou ao posto de comandante e quatro integrantes fixos deixaram o barco, inclusive o brasileiro Joca Signorini.

”A gente teve um começo muito difícil da regata. Teve muitas manobras e com uma pessoa a menos tivemos dificuldades. Praticamente a tripulação inteira mudou um dia antes da largada. Depois desse momento difícil, a gente teve vários acertos de tática, muita comunicação e trabalho em equipe. Saímos de Gibraltar em segundo! Depois a falta de treino foi contando…foi muito bom como time segurar tão bem com as condições que a gente teve”, disse Martine Grael.

O team AkzoNobel competiu com oito velejadores contra nove das demais equipes. Para formar a tripulação, o comandante holandês ‘pegou emprestado’ o português Antonio Fontes do Sun Hung Kai / Scallywag.

”Foi uma experiência espetacular. Ainda bem que os barcos são one-design, pois é tudo igual e as manobras correram bem. Foi um bom resultado, mas infelizmente perdemos alguns lugares já perto do final”, disse o velejador português.

Na Etapa 1, o team AkzoNobel largou em último e conseguiu recuperar posições rapidamente. Nos seis dias de regata, o barco se manteve entre segundo e terceiro lugares, perdendo o lugar no pódio nas últimas 24 horas de prova.

Flávio Perez/ VOR

Lisboa é confirmada como parada nas próximas duas edições da Volvo Ocean Race

No seguimento do sucesso alcançado com a estreia na última Volvo Ocean Race em 2012, Lisboa vai ser uma das cidades anfitriãs para as próximas duas edições da regata.

Barcos da Volvo disputam regata in port às margens do Tejo

Barcos da Volvo disputam regata in port às margens do Tejo

A capital portuguesa foi palco de um inovador stopover em 2011-2012 e vai assim manter-se na rota da 12ª edição em 2014-2015 e também na 13ª em 2017-2018, como anunciou esta sexta-feira Tom Touber, COO da Volvo Ocean Race.

A frota regressará a Lisboa em 2015, depois da largada dada em Newport, Rhode Island, cruzando uma vez mais todo o oceano Atlântico rumo ao continente europeu. O cenário da mítica Ponte 25 de Abril em Lisboa será por isso familiar, mas acima de tudo acolhedor, uma vez que a cidade repetirá o seu papel de destaque enquanto destino transatlântico vivido em 2011-2012 quando as embarcações chegaram à cidade oriundas de Miami.

“O que Lisboa ofereceu na última regata foi simplesmente notável, ainda para mais quando pensamos que se tratava de uma estreia em absoluto no itinerário da prova”, lembrou Tom Touber na cerimónia oficial do anúncio do regresso, realizada no Torreão Nascente do Terreiro do Paço na histórica capital.

“Lisboa é uma cidade-porto fantástica, na qual milhares de pessoas saem à rua para receber os velejadores como se fossem parte da sua família. O Race Village em 2012 fervilhou de actividades constantes, com toda a gente envolvida e a dar o seu melhor para tudo tivesse um toque bem Português na organização. Foi sem dúvida um sucesso e estamos ansiosos por podermos voltar a Lisboa”.

Lisboa é o oitavo porto de escala anunciado para a edição de 2014-2015, tendo sido confirmadas até ao momento e publicamente anunciadas três equipas participantes, quando ainda estamos a mais de 18 meses da largada da regata.

O arranque da competição terá lugar na cidade quartel-general da Volvo Ocean Race em Alicante, Espanha, antes das visitas ao Recife (Brasil) e Abu Dhabi, capital dos Emirados Árabes Unidos. Com o desenrolar da prova, as equipas irão parar também emAuckland (Nova Zelândia), antes de passarem o Cabo Horn para chegar a Itajaí, a segunda de duas escalas em terras de Vera Cruz. Daí, a rota da regata leva a frota para norte rumo a Newport (EUA), atravessando depois o oceano Atlântico para a chegada a Lisboa. A regata terminará em Gotemburgo, na Suécia, sendo que as últimas escalas a serem conhecidas, bem como as datas e distâncias a percorrer, serão anunciadas nas próximas semanas.

As três equipas para já confirmadas são o Team SCA, composto só por velejadoras, o Abu Dhabi Ocean Racing, que novamente terá como skipper o britânico duplo medalha de prata olímpica, Ian Walker – e ainda uma tripulação em representação do estado brasileiro de Pernambuco.

Da assessoria

Groupama lidera o início da travessia do Atlântico

A flotilha da Volvo Ocean Race largou neste domingo de Miami, nos EUA, rumo a Lisboa, em Portugal. A etapa marca a volta da regata para a Europa. E a tempestade Alberto, com ventos de mais de 35 nós,  tem ajudado a manter a velocidade dos barcos acima dos 20 nós neste início de travessia. Na manhã desta segunda-feira o Camper, em quarto era o mais rápido, fazendo 23,6 nós. Puma e Telefónica, segundo e terceiro colocados respectivamente vinham na cola, com 23,5 nós. O líder Groupama era o mais lento, com 22,4 nós.

“Uma frente fria com uma zona de baixa pressão irá trazer bastante vento, permitindo com que os times velejem em uma rota bem mais direta. A porta está definitivamente aberta, mas timing é tudo”, disse Gonzalo Infante, meteorologista da regata.

 

%d blogueiros gostam disto: