Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Mini Transat’

Aha, uhu, que domingo é esse? Tem largada da Volvo, Transat e final do Circuito Rio. Clipper Race e Mini Transat já estão a pleno vapor também.

Leg 01, Alicante to Lisbon, First Morning on board AkzoNobel. Photo by Konrad Frost/Volvo Ocean Race. 23 October, 2017

Martine está confirmada à bordo do AkzoNobel rumo à África.

Bom dia, querido amigo e mais que querida amiga. Lembra do resumão? Pois é! Hoje é tipo um resumão involuntário… Muito coisa rolando no planeta Vela. Apertem os cintos (ou melhor, clipem os cintos…) que vai começar!!

Primeiro temos às 1400UTC (1200 em Brasília) a largada da segunda perna da VOR. A etapa vem a ser a segunda maior em distância (só da N.Zelândia pra Itajaí são mais milhas) e rivaliza em termos de tempo, aproximadamente 22 dias, entre nossa ancestral Lisboa e a Cidade do Cabo. Que cabo? O das Tormentas, ora! Que virou Boa Esperança obviamente para aqueles que por lá não soçobraram…

E depois de muita tempestade em terra, com um sai não sai de comandantes e tripulantes, eis que nossa menina de ouro, Martine Grael, única e solitária representante da terra brasilis neste desafio planetário, vai de AkzoNobel pros Atlânticos – norte e sul.

O skipper viúva Porcina (que foi sem nunca ter sido), Brad Jackson, e nosso querido Joca Signorini realmente ficaram de fora do time holandês. Mas Julinho Salgado (ou Jules Salter), navegador campeão no Ericsson 4 com papai Grael em 2009, voltou e Chris Nicholson, experiente comandante de incontáveis milhas, algumas até interrompidas de forma abrupta, como no Vestas na última edição, e um outro holandês aí, Peter van Niekerk, velejador olímpico, entraram no time como capitães de turno e tudo promete ser mais suave agora.

Ao menos em termos administrativos e emocionais, porque em termos de velejada… De VO65 em regata nunca é mesmo! Plugue na web na hora marcada (www.volvooceanrace.com) e acompanhe o desenrolar dos primeiros fatos desta perna…

Veja abaixo o que Martine falou antes de partir:

Já no Havre, rola hoje também a largada da tradicional Transat Jacques Vabre às 1230UTC (1030 em Brasília) com largada ao vivo no site www.transatjacquesvabre.org.

São 74 velejadores, em duplas, disputando em quatro classes o direito de entrar para a história. Os quatro incríveis trimarãs da classe Ultime (bem um deles não mede oficialmente na classe, mas foi aceito na categoria), de 100 pés, trazem uma constelação de feras do oceano, sendo o ponto alto ninguém menos que Thomas Coville, que já circundou o planeta sete vezes, atual detentor do recorde absoluto de volta ao mundo em solitário (49d 3h 7m 38s), que fará dupla com Jean Luz Nélias, no “Sodebo Ultim”, o mesmo barco em que fez seu tempo inacreditável no ano passado. Só pra citar um cara…

Entre os IMOCA (antigos Open 60, os barcos da Vendée Globo e tantas outras regatas em solitário e duplas) são 13 super duplas também. E entre elas está um barco semi-barsuca digamos. O “Vivo à Beira”, uma refência a um poema da poetisa Clarice Lispector, que traz dois franceses que buscam fundos para projetos sociais educacionais no nosso País. ”Somos o outro barco do Brasil na regata. Vamos usar a prova para levar uma mensagem de esperança aos jovens das favelas brasileiras”, explicou Pierre Lacaze, co-skipper da nave.

E Pierre diz ser o outro barco brasileiro porque temos o Classe40 angolano-brasuca “Mussulo 40 Team Angola Cables” com o baiano Leonardo Chicourel, que está a bordo ao lado do angolano José Guilherme Caldas, que mora em São Paulo (SP). A dupla já venceu a Cape Tow-Rio em dupla e estabeleceu o recorde desta regata para a categoria. No total serão 15 veleiros Classe40 e a disputa promete ser boa. Há também mais seis barcos competindo na categoria Multi50 de multicascos. Veja abaixo dois vídeos com nossos heróis.

E para que os oceanos não fiquem vazios de emoção temos ainda as regatas finais do Circuito Rio hoje na cidade maravilhosa (e abandonada!) com belas disputas nas classes ORC, IRC e RGS. A Clipper Race, a regata para tripulas amadoras pagas, já está a na terceira perna, entre a Cidade do Cabo (que cabo?…) e Perth, no oeste australiano. Lembrando que o “Greenings” abandonou após encalhar na África do Sul e o “Hotelplanner.com” retornou para fazer reparos em Porto Elisabete.

E, claro, temos ainda a segunda perna da famosa Mini-Transat das Canárias para a Martinica. Depois de três dias nesta etapa, o 21 pés (Mini 6.5m) estilo ‘tamanco’ ou ‘Scow’ de Ian Lipinski, o “Griffon”, vencedor também da primeira perna, de La Rochelle até Las Palmas, liderava a apenas(!!) 2,207.9 milhas do final e 45mn sobre Simon Koster (Eight Cube Sersa). Não saia daí a coisa está quente!! Fui!! Ver as largadas…

Murillo Novaes

Benoit Marie vence a Mini Transat

Depois de 18 dias, 46 minutos e 5 segundos, Benoit Marie cruzou a linha de chegada da Mini Transat em Point-a-Pitre e garatiu a vitória da competição. Duas horas e 55 minutos depois foi a vez de Giancarlo Pedote fazer o mesmo.

“Este ano foi muito difícil. A espera foi muito desmotivadora e quanto mais esperávamos, mais complicado ficava para entrar em modo de regata. Tomei cuidado para não deixar isso me prejudicar”, disse Benoit, que só ficou sabendo da vitória após um barco que estava assistindo a regata o comunicar.

Mini Transat parte rumo a Guadalupe

Jesus Renedo

Depois de 15 horas de espera, finalmente os velejadores da Mini Transat puderam partir de Sada, na região da Galícia, rumo a Pointe-A-Pitre, em Guadalupe. Na noite desta quarta-feira, os líderes eram Belloir Aymeric entre os barcos de Série e Nicolas Boidevezi entre os Protos. Esta será a maior perna já disputada na competição, com mais de 2800 milhas. 

Mini Trasant deverá largar novamente nesta terça-feira

Lá se foram 13 dias desde a partida prevista da Mini Transat. Os velejadores solitários estão esperando em Sada para fazer a maior perna da história da competição, com quase 3 mil milhas. A previsão é de que eles partam nesta terça-feira rumo a Pointe-à-Pintre. Haverá um gate em Lanzarote e os velejadores que quiserem poderão parar nas ilhas Canárias para um pit stop. 

Mini Transat seguirá direto para Guadalupe, sem paradas

Depois de muita espera e mudanças de curso, a organização da Mini Transat decidiu que a regata terá apenas uma perna, de Sada, na Espanha, até Pointe-a-Pitre, em Guadalupe. A largada está prevista para o dia 12.

Inicialmente programada para o dia 13 de outubro, a largada em Douarnenez, na França, foi adiada por conta dos fortes ventos na região de Biscane. Com isso a flotilha fez uma primeira etapa até Sada, no norte da Espanha, para esperar o vento diminuir. A parada seguinte seria Lanzarote, mas a organização optou por eliminá-la e mandar os barcos direto para o outro lado do Atlântico.

Vento forte muda rota da Mini Transat

Depois de esperarem por quase duas semanas para a largada da primeira perna da Mini Transat, agora os velejadores terão uma mudança de rota. O vento, que segue forte entre Douarnenez e Puerto Calero, obrigou a organização a colocar em prática o plano B. Ao invés de seguirem direto de uma cidade para a outra, eles irão parar em Sada, no norte da Espanha, para esperar melhores condições de navegação.

Mini Transat larga nesta terça-feira rumo a Lanzarote

mini transat

Depois de muita espera por conta do forte vento na região do cabo Finisterre, finalmente a flotilha da Mini Transat vai zarpar de Douarnenez, na França, rumo a Lanzarote, na Espanha. A largada foi dada nesta terça-feira para um percurso de 1257 milhas. Depois de dez horas no mar o líder era Giancarlo Pedote. A segunda etapa da competição deverá partir de Lanzarote rumo a Pointe-à-Pitre.

%d blogueiros gostam disto: