Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Oceano’

Bravíssimo, do ES, é campeão ORC 2018 da Copa Brasil de Oceano da ABVO. Rudá (SP) vence na IRC, Aventureiro (PE) na MOCRA, Zeus (SP) na RGS e Madrugada (RS) entre os clássicos.

A tripulação capixaba de Luciano Secchin foi o grande destaque da vela de oceano brasileira em 2018. Bravíssimo!

A Copa Brasil de Oceano, disputada durante o ano todo em todo o país, já tem definidos os seus campeões. O Bravíssimo, um Skipper 30 comandado por Luciano Secchin, levou o título de barco do ano, além de ficar com a medalha de ouro na classe ORC. A equipe venceu o Circuito Oceânico de Niterói e teve um excelente desempenho na Santos – Rio, no Circuito Rio e no Brasileiro, ficando com a segunda colocação nos três. A medalha de prata foi para o Maestrale LogSub/MapMa, um Skipper 30 do Comodoro Adalberto Casaes, seguido pelo Crioula 29, um S40 de Eduardo Plass.

Na IRC o grande campeão foi o Rudá, de Mario Martinez. O First 40 somou 164 pontos, tendo vencido a Regata Santos – Rio e também o Campeonato Brasileiro. Em segundo ficou o Asbar IV, um Beneteau First 35, de Jonas de Barros Penteado, seguido por Asbar II, um Delta 32 de Sergio Klepackz.

Na MOCRA, o Helia 44 Aventureiro, de Hans Hutlzer foi o vencedor, ao ganhar a Refeno e ficar com o segundo lugar no Brasileiro. Seu Gugu, um Raji 420, de Augusto Brito, e Odara, um Crowther 49, de Leonardo Taboada, ficaram com a segunda e terceira colocação respectivamente.

Já na RGS o Zeus, um Beneteau First 40.7 de Paulo Moura, venceu duas etapas da Copa Suzuki e levou o troféu de primeiro colocado da Copa Brasil. O segundo lugar ficou com Dorf, um Delta 26 de Roberto Schnardorf, e o terceiro ficou com o Sargaço, um Fast 365 da Escola Naval.

Dentre os Clássicos o campeão foi o Madrugada, um 2 Ton Frers de Niels Rump, que venceu a Semana de Vela de Ilhabela. Aries III, um Frers 43, de Diogo Aguiar, e o Brazuca, um Cal 9.2 de Rubens Bueno, ficaram com o segundo e terceiro lugares espectivamente.

A entrega dos troféus aos campeões será feita em data e local a serem definidos em breve pela ABVO e divulgado nos nossos canais oficiais. Os resultados completos podem ser vistos aqui.

ABVO/ Murillo Novaes

#ihdeumerda… Barco da Clipper Race que encalhou na África do Sul e teve tripulação evacuada deve ficar fora da regata.

Captura de Tela 2017-11-03 às 06.43.24

Como diria um grande filósofo futebolístico: o barco foi fondo, foi fondo, foi fondo e iu…

Após uma análise cuidadosa da situação e estado do Clipper Race Yacht CV24, o escritório da Clipper Race confirmou que o veleiro está parcialmente submerso depois de ter encalhado no lado oeste da Península do Cabo, na África do Sul, e não fará mais parte na Clipper Race 2017-18, a regata de volta ao mundo para amadores (que pagam uma boa grana para participar).

A equipe do “Greenings” (CV24), havia sido evacuada com segurança depois de ter encalhado aproximadamente às 2140UTC (2340 horas locais) na última terça-feira, 31 de outubro, depois de sair da cidade do Cabo no início do dia para a terceira perna (de 8 totais) da regata de circunavegação.

A decisão foi comunicada ao skipper interino, Andy Woodruff, e as discussões aconteceram também com o skipper oficial, David Hartshorn (que estava se recuperando de uma lesão) e a equipe sobre a futura participação de todos nesta edição da prova.

A segurança do skipper e da tripulação foi a principal preocupação ao longo deste incidente e todos estão bem, já de volta à Cidade do Cabo, e nenhum ferimento foi relatado.

As seguradoras nomearam um técnico que irá ver o barco e, ao receber seu relatório, será tomada uma decisão sobre se a embarcação será recuperada ou não.

Está em andamento uma investigação completa do incidente. Outras atualizações estão disponíveis no site da Clipper Race: www.clipperroundtheworld.com

Race_Viewer_Greenings

Como se pode ver no rastreador da regata, o CV24 “Greenings” se desviou de sua rota e foi de encontro a terra. O porquê ainda é motivo de investigação.

 

Parem as máquinas! Ventaneiro em primeiro geral! Após 38 anos um barco brasileiro vence a Buenos Aires-Rio!

unknown

Ventaneiro campeão geral da Buenos Aires – Rio!

O Dufour 500 Ventaneiro, do Cmdte. Renato “Massara” Cunha, do ICRJ, ganhou hoje a tradicionalíssima regata Buenos Aires-Rio na ORC International e é o campeão da regata em 2017! Viva!!

Desde 1979, com o “Madrugada”, um brasileiro não vence a prova. Foram 38 anos de argentinos, chilenos, uruguaios e americanos no topo!

Eu, humildemente, dei minha contribuição na navegação/roteamento e acompanhei no site, roendo as unhas, sem poder fazer nada, a velejada fantástica da galera. Foi demais! Parabéns pra tripula vencedora que fez história!! Brasilll!!

Murillo Novaes

Com vídeo: Líder absoluto da Vendée Globe, François Gabart amplia vantagem sobre Le Cleac’h no Equador

O jovem François Gabart parece estar sabendo se virar muito bem em qualquer condição de vento. Ele manteve a liderança pelos mares do sul e agora, na aproximação do Equador, região conhecida pelos ventos fracos, ele conseguiu despachar Armel Le Cleac’h, seu maior concorrente, e abriu quase 270 milhas de vantagem. Se continuar na velocidade em que está, a previsão é de que Gabart cruze o Equador ainda nesta terça-feira.

Quem pode surpreender nestes próximos dias é Alex Thomson. O inglês optou por uma rota mais próxima da costa brasileira e conseguiu baixar para menos de 200 milhas a diferença para Jean Pierre Dick, terceiro colocado. Tá bonito!

Iate Clube de Santos premia neste sábado os vencedores do Campeonato Santista de Vela Oceânica

O veleiro Mandinga, comandado pelo experiente velejador Jonas Penteado, será um dos premiados neste sábado, dia 10, a partir das 19h, na festa que encerra a temporada de vela do Iate Clube de Santos. Invicto, Mandinga venceu na classe RGS as seis regatas válidas pelo Campeonato Santista de Vela Oceânica, encerrado dia 4, na Baia de Santos. Ao todo, foram 20 barcos participantes.Além do troféu, os vencedores serão premiados com um relógio da marca Suunto. Os outros campeões foram: Totora, na classe Cruzeiro A; Gitano, na Cruzeiro B; e Chrispin II, na RGS Cruiser.

Para a temporada 2013, o diretor de Vela do Iate Clube de Santos, Odoardo Lantieri já confirmou que o clube será sede dos campeonatos Brasileiro de HPE25 e Santista de Oceano, além das tradicionais regatas Santos-Rio e Volta da Ilha dos Arvoredos. E tem mais competição a ser confirmada, garante ele.

Da assessoria do ICS

Circuito Yacht Clube da Bahia de Vela de Oceano reúne 31 barcos em três dias de competição

O carioca Ângela Star

Depois de três dias de sol e vento bom, chegou ao fim neste domingo o Circuito Yacht Clube da Bahia de Vela de Oceano. Grandes nomes da vela, como Lars Grael, EduardoPenido, Maurício Santa Cruz, Samuel Albrecht e os cariocas Alexandre Saldanhae e André Mirsky estiveram presentes no evento. No total 31 barcos estiveram presentes na Baía de Todos os Santos para a disputa de cinco regatas.

“Esse é um campeonato que deve ser visto com carinho e prestigiado pelos velejadores de todo o país, pois é bem organizado e a Bahia tem condições maravilhosas para se velejar” disse Lars Grael, na reunião da Associação Brasileira de Veleiros de Oceano (ABVO), que aconteceu domingo, no Yacht Clube da Bahia.

Lars se reuniu com representantes da vela de oceano da Bahia e de Sergipe, com o objetivo de alinhar interesses e informações para o fortalecimento do Circuito Yacht Clube da Bahia de Vela de Oceano em 2013. Também foi discutida a criação de uma diretoria nacional e uma regra de tempo corrigido para veleiros multicascos e como seriam os calendários dessas regras, além de uma integração entre Bahia e Pernambuco para que possam organizar campeonatos de Oceano, especialmente para multicascos.

“Definimos que o ano que vem todos nós iremos incentivar e valorizar este evento aqui do Yacht Clube da Bahia com a participação de veleiros multicascos. Foi sugerido também que esse evento seja parte do Campeonato Brasileiro de Vela de Oceano de multicascos 2013”, afirmou Lars, que também defendeu a necessidade de uma maior participação da vela baiana, que tem um volume grande de veleiros de oceano.

Resultado:

Classe ORC Geral:

1º – Barco Ângela Star VI – Iate Clube do Rio de Janeiro – Comandante Peter Siemsen
2º – Barco Lucky 5 – Clube Naval Charitas, do RJ – Comandante Ralph Rosa
3º – Barco Marujo’s – Aratu Iate Clube – Bahia – Comandante Gerald Wicks

Classe RGS:

1º – Barco Tangaroa – Clube dos Jangadeiros do Rio Grande do Sul – Comandante James Bellini
2º – Barco Alpha 2 – Saveiro Clube da Bahia – Comandante Jorge Alberto Vita
3º – Barco Xekmat – Iate Clube Brasileiro do RJ – Comandante Roberto Bailly

Da assessoria

Vídeo espetacular: VO70s em adrenalina máxima.

Queridos, embora na minha última crítica eu tenho escrito: “com isso, não pretendo e não devo retirar o mérito dos nossos amigos que, mesmo assim, arriscam seus pescoços nos oceanos do mundo nos emocionantes bólidos VO70”, envio este vídeo maneiro apenas para reforçar  a tese de que o foco do problema não são os velejadores e, tampouco, menosprezo o risco e esforço que é navegar neste nível nos mares do mundo. Viva os homens do mar!!

Murillo Novaes

%d blogueiros gostam disto: