Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Robert Scheidt’

Resumito de segunda! Fim de Ilhabela, começo do Pan!

E foi assim que a galera viu os uruguaios no final da Semana de Vela de Ilhbela 2015. Parabéns aos orientais! (Foto: Marcos Mendez/SailStation)

E foi assim que a galera viu os uruguaios no final da Semana de Vela de Ilhbela 2015. Parabéns aos orientais! (Foto: Marcos Mendez/SailStation)

Uruguaios vencem em Ilhabela. Vela brasileira estreia na merreca em Toronto 2015. 

Bom dia querido amigo e mais que querida amiga, transmitindo direto de Praga (uma praga dupla no caso, já que cá estou…) onde vim ficar um pouco com a belamada, nascida aqui do lado, que tem compromisso profissionais por estas plagas, vamos retomando as atividades resumísticas já que o último mês foi meio intenso e quase não escrevi nada. Sorry! A novidade é que nascerá em dezembro mais um velejador ou velejadora, desta feita eslovaco-cabofriense!! Uma vida de aventuras, meus amigos!! Vamos que vamos!!

De qualquer forma, todos sabem que meu perfil público no Feicibuqui está sempre às ordens e com novidades diárias: http://bit.ly/FB_MuNov .

E como a procissão não para, vamos direto para Toronto e Ilhabela porque ontem chegou ao fim um evento importante e o começo outro no planetinha vela. Desta feita, já mando este resumito e, depois, ao longo da semana o Resumão regular com as últimas do Pan também. Ahoy!

Pan2015 – No dia de merrequinha no lago Ontário foram corridas ontem as primeiras regatas do Pan2015. O Brasil está com o time completo e teve resultados diversos no dia que só viu uma prova de cada classe, de até três previstas

O destaque vai para as bem-sucedidas pranchas de Bimba e Pat Freitas que venceram suas regatas na RS:X Masculina e Feminina. Na RS:X masculina, Ricardo “Bimba” Winicki tenta o tetracampeonato consecutivo já que faturou em Santo Domingo, Rio e Guadalajara. E ainda soma uma prata em Winnipeg. Na RS:X feminina, Patricia Freitas segue em busca do bicampeonato seguido depois de faturar o ouro no México. Turma boa!!

Outro destaque é o Lightning, claro. Claus Bieckark, Gunnar Ficker e Maria Hackrott ficaram em segundo na única regata do dia. Claudio Biekarck, ex-técnico de Robert Scheidt na classe Laser participa do evento pela nona vez. Na Lightning, ele busca sua nona medalha. Foi ouro em Caracas, na Venezuela, em 1983; prata na Cidade do México, em 1975, Mar del Plata e Winnipeg; e bronze em Indianápolis, nos Estados Unidos, em 1987, Havana, em Cuba, em 1991, no Rio em 2007 e em Guadalajara. Demais!

Por falar no alemão, a reestreia pan-americana de Robert na classe Laser depois de uma temporada produtiva na Star foi complicada nas condições de ontem. Nosso herói ficou em 7º na flotilha de 16 barcos presentes. E por falar em favoritos eternos (o que é sempre bom para a mídia e ruim para os próprios…), as campeãs mundiais Martine Grael e Kahena Kunze, amargaram um 4º entre os seis veleiros 49FX em águas canadenses. Segundo Martine comentou, o barco que eles estão usando lá estava peladinho da Silva quando chegaram e elas tiveram que lutar contra o tempo para ajeitar tudo. Mas não duvido que elas e Scheidt se recuperem sem grandes dificuldades! Veremos!

No inusitado Sunfish, onde nosso meteorologista João Hackerott começou há velejar há “minutos” e já mostrou competência no pré-pan, a coisa ficou de bom tamanho com um 5º entre 12 barcos. Já para o HC16, de Claudio Teixeira e Bruno Oliveira, foi um dia para esquecer, sétimos entre 7 barcos. Acontece!

No J/24, John King estreou com a difícil missão de substituir o multicampeão Maurício Santa Cruz que teve que desistir na última hora. Com um 4º lugar entre os seis barcos não é nada a se comemorar, mas o time (com Neném, Spanto e Gui) que já venceu alguns Pans, promete! Força na peruca, galera!

Já no Snipe, também com uma substituição de última hora, já que Lucas Aydos teve problemas de saúde e Georgia Rodrigas entrou na proa de Xandi Paradeda, o dia foi ruim também. Com um 8º entre 10 barcos, Xandi, que já foi ouro e prata no Pan, vai com a faca nos dentes para as provas de hoje, previstas a partir da 12:35h (Brasília).

Segundo Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, que, pela primeira vez, atuará no Pan como Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), “nossa expectativa é boa como costuma ser em Jogos Pan-Americanos. Estamos bem na maioria das classes e vai ser um bom teste para alguns atletas que nunca foram aos Jogos”, como afirmou ontem.

Em 15 participações nos Jogos Pan-Americanos, a Equipe Brasileira soma 70 medalhas. São 32 de ouro, 23 de prata e 15 de bronze. E o Brasil vem de duas participações arrasadoras na vela em Jogos Pan-Americanos. No Rio de Janeiro, em 2007, foram sete medalhas, sendo três de ouro, duas de prata e duas de bronze. Em Guadalajara, no México, em 2011, foram mais sete, sendo cinco de ouro, uma de prata e uma de bronze. Este último é o melhor resultado de láureas douradas da equipe. Já em total de pódios o desempenho mais expressivo aconteceu em Winnipeg, no Canadá, em 1999, quando os brasileiros faturaram nove medalhas (uma de ouro, cinco de prata e três de bronze). Que o Canadá continue dando sorte! Pra frente Brasil!!!

Ilhabela – O imponente barco uruguaio de 48 pés, Cristabella, e sua tripulação rigorosamente uniformizada em vermelho, mantiveram a regularidade durante a semana e venceram a única regata disputada no sábado, último dia da Semana de Vela de Ilhabela 2015. A decisão foi dramática. Na véspera, os uruguaios estavam em terceiro lugar na classificação geral, com 13 pontos perdidos, contra 12 do líder Itajaí Sailing Team e 12,5 do Seu Tatá (RJ).

Além de vencer a regata decisiva no tempo corrigido, o Cristabella foi também o fita azul. Foi a única vitória dos uruguaios, que obtiveram ainda dois segundos lugares em seis regatas. A prova final começou com vento sudoeste de oito nós, o que viabilizou uma barla-sota, com quatro pernas, dentro do canal de São Sebastião. No meio da regata a intensidade caiu para cinco nós e depois praticamente zerou. Os últimos barcos tiveram de se arrastar para concluir a prova.

Desde 2011, com o título do S40 Pisco Sour, do Chile, a Semana de Vela de Ilhabela não contava com um campeão de outro país. Entre as cinco conquistas internacionais registradas ao longo de 42 anos, pela segunda vez a principal competição de oceano do continente tem um vencedor do Uruguai. A primeira foi em 2006, com o Memo Memulini. A Argentina esteve no degrau mais alto do pódio em duas ocasiões: 2007 com o Personal e 2009 com o Cusi 5.

Pela primeira vez em Ilhabela, os velejadores do Yacht Club Uruguayo levarão para Montevideo apenas lembranças positivas da Capital Nacional da Vela. “Fomos recebidos fantasticamente. Corremos bem desde o primeiro dia, na Regata Alcatrazes com vento de 30 nós, situação comum no Uruguai”, relatou o timoneiro do Cristabella, Martin Meerhoff, que incluiu na tripulação o filho Joaquim, de 14 anos, velejador da classe 29er.

“A sexta-feira foi um dia precioso. Deixou os três primeiros colocados separados por apenas um ponto. Neste sábado, conseguimos largar bem e abrimos em relação aos rivais. Quando o vento acabou já estávamos em primeiro e chegamos com mais de oito minutos de vantagem para o segundo colocado. Para os uruguaios, velejar em Ilhabela é um sonho. Vencer, para mim é um orgulho. Nosso país tem mais títulos mundiais na vela do que no futebol”, declarou o campeão Martin.

Itajaí Sailing Team, do Iate Clube de Santa Catarina, e o Seu Tatá, do Iate Clube do Rio de Janeiro, ficaram em segundo e terceiro lugares, respectivamente. Embora tenha sido a estreia da tripulação em Ilhabela, o Cristabella já conhecia as raias do canal de São Sebastião, onde navegou sob comando do tetracampeão brasileiro de C30, Marcelo Massa, antes de ser transferido para o país vizinho.

Massa, aliás, confirmou mais um título – A C30 consagrou o Loyal CA Technologies como o melhor barco da classe no País. Um dia depois de conquistar o tetracampeonato brasileiro, o barco de Marcelo Massa venceu também a SVI. “O Brasileiro era apenas nosso primeiro objetivo. Trouxe mais confiança para a tripulação e partimos para o segundo título. Mais uma vez mostramos que regata se ganha na água”, ratificou Massa. O Loyal somou 12 pontos perdidos, contra 14 do vice Caballo Loco, e 15 do medalha de bronze Zeus Team, de Florianópolis.

A classe HPE 25, maior flotilha do campeonato com 20 embarcações, viveu uma situação inusitada e um final eletrizante. O campeão Suzuki Bond Girl teve o mastro quebrado logo na regata de abertura, para depois conquistar o título com 11 pontos perdidos, apenas um de vantagem sobre o vice, Ginga, que também ficou a um ponto do terceiro colocado, Repeteco Take Ashawer.

“Trocamos o mastro e não sabíamos o que aconteceria. Já vivi experiência semelhante quando fui campeão brasileiro de Pinguim com um mastro torto. Agora virou amuleto. Não sei se vou comprar o mastro emprestado ou um novo. O Ginga, pelos treinos em Ilhabela, sempre é o barco a ser batido e nós conseguimos vencê-los”, comemorou o Rique Wanderley, o comandante campeão.

Asbar II Total Balance, de Sérgio Klepacz; Rainha Empresta Capital, de Leonardo Pacheco; e BL3 Urca, de Pedro Rodrigues, foram os três primeiros na RGS Geral, pela ordem. “Foi uma disputa acirrada, principalmente com o BL3 Urca. Na regata decisiva, estávamos marcando o Urca quando merrecou. Não havia o que fazer e quem se aproveitou da situação foi o Rainha“, Gostaria de dar os parabéns à Comissão de Regatas, que salvou o campeonato nos dias difíceis para se montar a raia”, contou Paulo de Jesus, o Tinah, tático do Asbar II.

Os barcos da classe Star elevaram o nível técnico da competição pelo terceiro ano consecutivo. Marcelo Bellotti e Pedro Bolder conquistaram um título inédito com quatro vitórias em seis regatas. Os argentinos Torkel Borgstrom e Juan Pablo ficaram com a medalha de prata, seguidos pelos campeões sul-americanos Marcelo Fuchs e Ronald Seifert.

“Estou muito feliz depois de batalhar durante um ano e meio para andar bem na classe. O Pedro, na proa, ajudou muito. Fiquei contente com nossa velocidade em um campeonato de alto nível. Conseguimos segurar o Torkel, sempre próximo colocando pressão na gente. Até este domingo de manhã estava muito tenso, mas fiz uma ótima regata”, afirmou Bellotti.

O dia da decisão foi aberto com um desfile das embarcações antes da largada. Mais da metade dos 145 inscritos aceitou o convite da Comissão de Regatas (CR) para o evento informou que levou os barcos a passarem rente ao píer da Vila (centro histórico de Ilhabela.). O público em terra delirou com as manobras mais ousadas e a saudação dos tripulantes. Mais de 500 torcedores se aglomeraram a partir das 10h00 para aplaudir, fotografar e acenar para os velejadores que, embarcados, retribuíam ao carinho com buzinas, apitos e coreografias no convés.

“Apoio plenamente a ideia. A iniciativa contribui para a vela e aproxima o público dos barcos e dos velejadores. O Magia Energisa estará presente”, garantiu o comandante Lars Grael assim que chegou ao Yacht Club de Ilhabela para o dia decisivo. “Foi bom demais. Deveria se tornar uma tradição”, comentou Iriana Bottene, fã da modalidade e que acompanhou toda a movimentação no píer. Com a narração do evento, ao vivo, turistas e moradores tiveram a oportunidade de ver os esportistas em ação e compreender o que acontecia na água, como se estivessem na arquibancada de um estádio ou ginásio.

Pelo segundo ano consecutivo, a Ilhabela Sailing Week premiou o “Diário de Bordo” para a tripulação mais ativa nas mídias sociais. O Maestrale 2, comandado por Adalberto Casaes, foi o vencedor com números expressivos: 39 posts publicados, mais de 200 comentários, 2.200 compartilhamentos, 3.600 visitas únicas e quase 5.000 visualizações.

A fan page oficial do evento também deu um belo salto, saindo de 2.200 para 3.500 seguidores. Já o site subiu ainda mais, dobrou o número visualizações e triplicou os visitantes únicos em relação ao ano passado. Ano que vem tem mais!!

Campeões de cada classe

ORC Geral – Cristabella (Martin Meerhoff)
ORC A – Cristabella (Martin Meerhoff)
ORC B – Santa Fé V (Nelson Avila Thomé)
ORC C To Nessa (Renato Faria)
IRC – Cristabella l(Martin Meerhoff)
C30 – Loyal/CA Technologies (Marcelo Massa)
Brasileiro de C30 – Campeão: Loyal/CA Technologies (Marcelo Massa)
HPE 30 – Carioca Jr. (Roberto Martins)
HPE 25 – Suzuki/Bond Girl (Rique Wanderley)
Clássico – Cangrejo (Ricardo Carvalho)
Mini – Jacaré (Pedro Fukui)
RGS Geral – Asbar II (Sérgio Klepacz)
RGS A – Kalymera V (Antonio Carlos Paes Leme)
RGS B BL3 Urca (Pedro Rodrigues)
RGS C Rainha/Empresta Capital (Leonardo Pacheco)
RGS Cruiser Helios II (Marcos Gama Filho)
Bico de Proa A – H2Orça (Hilpert Zamith)
Bico de Proa B Super Bakanna (Alexandre Dangas)
Star – Marcelo Bellotti/Pedro Bolder
Equipes – Iate Clube do Rio de Janeiro (Seu Tatá / Magia / Kalymera / Kybixu)
Diario de Bordo – Maestrale II (ORC/IRC, Adalberto Casaes)

Resultados completos em: http://bit.ly/Ilha_2015

Fui!!

Murillo Novaes

Resumão de segunda na quarta. VOR, Pan, Rio2016, Golden Globe, TP52, Soling, Medemblik, Kiel, ABVC, abraço e muitooo mais!

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

Brunel vence a 7ª perna da Volvo Ocean Race. Convocada a equipe brasileira de vela para o Pan 2015 em Toronto. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan garantidas no Rio2016. Nova Golden Globe quer resgatar espírito da regata original de 1968.

E mais: Rán vence TP52 Super Series em Valência. Brasucas estreiam na Delta Lloyd Regatta, em Medemblik. Primeira etapa do Warm Up teve ventos fracos em Ilhabela. Lars Grael vence Taça Comodoro de Oceano no Rio. Na Taça Comodoro Monotipos mais de 80 barcos na Guanabara. Tradicional Taça dos Lagos, a 76ª, reúne 109 barcos na Guarapiranga. Prêmio em dinheiro é incentivo para a Semana de Kiel 2015. Louis Vuitton volta a patrocinar Copa América. Nelson Ilha e família brilham no Mundial de Soling na Hungria. Isaf estimula vela jovem em Moçambique com presença brasileira entre os técnicos. Escola de Marinharia e Vela começa a nascer em Brasília. Isaf discute uso de ponto eletrônico na vela olímpica. Robert Scheidt vence semana olímpica italiana em Garda no Laser. Corta Vento vence regata solitário em Floripa. Gusmão e sua amada faturam regata Ela e Ela em SC. Edu Penido e Renato Araújo em 3º na Normandy Channel Race de Classe 40.

Agenda: Brasileiro de Velamar22 em Brasília. Regata da Escola Naval antecipada no Rio. Copa Máster de Laser e Finn no ICRJ. Taça Comodoro de Optimist no Rio. Cruzeiro da ABVC na Hidrovia Tiête-Paraná. Encontro nacional da SBVC em Angra. Churrasco da ABVC Interior em SP. 10º Abraço à Guarapiranga em São Paulo.

Vídeos: Paralímpicos de SP são destaque em programa. Lixo na quilha quase tira título de Lars Grael no Rio. Vídeo final da TP52 em Valência. Maior evento de windsurfe do mundo reúne 1200 velejadores na França.

#ihdeumerda acrobática de Nacra17 em Medemblik. 

Boa noite querido amigo e queridíssima amiga, aqui estamos, direto do covil carioca, transmitindo mais um resumão para o seu deleite e prazer. Neste período de cortes gerais, do orçamento federal aos transeuntes cariocas, já protestando contra o rumo que as coisas estão tomando no país e na cidade olímpica, vamos rápido para o mar porque lá a vida é sempre mais amena.

E, antes, um #ficadica de leve porque a frequência quinzenal desta missiva aquática está deixando o texto loooongo… Faça como Jack Estripador, vá por partes! E já prometo tentar voltar ao semanário de sempre para a coisa ficar mais módica. E lembrando que para acompanhar as novidades diárias da vela é só visitar o FeiciBuque mânzico porque tudo é público por lá e não precisa nem ser adicionado, seguidor ou outras burocracias internáuticas: http://bit.ly/FB_MuNov .

VOR – Largou!! De novo!! E Chegou!! Depois de um interregno charmoso numa das principais capitais da vela mundial, Newport, berço da Copa América por mais de um século, a flotilha da VOR largou rumo à terrinha. E, no sentido contrário ao dos grandes marinheiros d’antanho, os nossos heróis oceânicos se fizeram ao Tejo, origem de boa parte do melhor da navegação de todos os tempos!

E a chegada foi à la VO65 One Design total. Em pouco mais de 2h15m os cinco primeiros barcos chegaram. A vitória, merecida, foi para Bouwe Bekking no Brunel após 09d 11h 09m 49s velejando nas 2.800 milhas do percurso. O MAPFRE veio 22 minutinhos atrás. Mais uma hora e vinte minutos depois chegou o Alvimedica em terceiro e apenas (!!) 55 segundos atrás veio o Dongfeng. Em quinto, 33 minutos depois de um Atlântico inteiro, veio o líder da regata, Abu Dhabi e, pouco mais de duas horas atrás dos árabes, chegaram as meninas do SCA. Foi bonita a festa, ó pá!

Antes da chegada lusa, porém, rolou, claro, mais uma regatinha de porto ainda nos EUA (esses caras são muito rápidos ou este escriba esta lento mesmo…). Como o querido leitor desta sopa de letrinhas já sabe, agora a série de regatas in-port serve apenas como critério de desempate da série principal. Mas como é sempre bom vencer, nosso querido Bochecha comemorou bastante na costa leste dos EUA o triunfo do seu MAPFRE. Foi muito bom, mas resolveu pouco para os espanhóis que, apesar da vitória, ainda estão em 6º geral na série de In-Ports, só atrás do Vestas.

Por falar em Vestas, o revivido barco azul já está em Lisboa alinhadinho ao resto flotilha e pronto para as duas últimas pernas da regata. Belo trabalho do estaleiro Persico!

E enquanto a reconstruída nave dinamarquesa navegava nas estradas europeias, o resto da galera enfrentava o, nem sempre amigável, Atlântico Norte. E o destaque foi para as meninas. Elas tomaram um rumo diferente da flotilha, para contornar pelo norte a alta dos Açores e a ousadia da navegadora Libby Greenhalg quase deu certo. Bem, depois de ficar quase 150 milhas atrás do líder, elas chegaram a estar só a 50 milhas do Brunel. Foi bonita a manobra!! Pena que, no fim, não deu para ultrapassar ninguém…

E pintou um probleminha extra na parada lisboeta para o SCA, o MAPFRE e o Dongfeng, o júri internacional independente da ISAF flagrou, e protestou, os três navegando na contramão de uma TSS (Traffic Separation Scheme, a zona de tráfico marítimo que tem duas “pistas”). Em Lisboa vai rolar a audiência e para desespero das meninas elas ainda estão sendo protestadas por supostamente terem invadido a zona de exclusão da regata em Rhode Island. Que fase!!

Agora a coisa está do seguinte tamanho na súmula: Abu Dhabi 16pts; Dongfeng 21pts; Brunel 22pts; MAPFRE 26pts (com a penalização de 2pts da 5ª perna); Alvimedica 27pts; SCA 41pts e Vestas 52pts. Com duas pernas e sete barcos no páreo pode mudar muita coisa. Tá bunitu!!

E para acompanhar tudo, você já sabe: http://bit.ly/VOR_14_15

CBVela – E agora Felipinho Mendes é o grande assessor de imprensa da CBVela. E sendo assim, já na esperteza de manza, mando aquele velho copia e cola no texto filípico porque o cara é do ramo.

A equipe brasileira de vela que vai disputar os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em julho, está definida. O grupo de atletas selecionados, entre novatos e veteranos, soma 32 medalhas na competição. Entre os destaques está Robert Scheidt, que volta à competição em busca de sua quinta medalha, sendo a quarta de ouro. Além dele, Claudio Biekarck, dono de oito medalhas, retorna para sua nona participação no Pan. Ele compete desde 1975 e conquistou a última medalha em Guadalajara, no México, em 2011: o bronze na classe Lightning.

Pela primeira vez como Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, vai acompanhar a equipe em Toronto com boas expectativas. “Esperamos um bom resultado. Acredito que temos condições de brigar por pódio em todas as classes, mas claro que não vai ser fácil. Depende muito do momento de cada velejador”, comentou. O treinador ainda acrescenta a importância dos Jogos Pan-Americanos no ciclo olímpico de 2016. “É uma etapa importante. No caso da Martine Grael e da Kahena Kunze, por exemplo, dá uma dimensão a elas do que é uma competição assim. Quando chegarem aos Jogos do Rio, já terão essa experiência”.

Com o mesmo número de medalhas olímpicas que o Coordenador Técnico, Robert Scheidt volta ao Pan após ficar fora da competição em Guadalajara. O velejador estreou na competição há 20 anos, em Mar Del Plata, na Argentina, em 1995, quando conquistou a primeira medalha de ouro na competição. “Tenho muito orgulho de voltar a representar o Brasil no Pan. Tenho ótimas memórias dos Jogos Pan-Americanos. Na minha última participação, em 2007, no Rio de Janeiro, não pude fazer uma boa preparação porque já estava em campanha olímpica na Star. Neste ano, porém, o foco é totalmente na Laser”, comenta o atleta, que emendará o Mundial da classe Laser, também no Canadá, com o Pan.

Entre os demais velejadores que compõem o time do Brasil na competição estão as estreantes Martine e Kahena, atuais campeãs mundiais na classe 49er FX, e o veterano Ricardo Winicki Santos, o Bimba, da classe RS:X, que pode conquistar o tetracampeonato pan-americano consecutivo. Ele venceu em 2003, 2007 e 2011.

Confira a lista de velejadores no Pan-americano de 2015:

Robert Scheidt
Classe: Laser Masculino
Nascimento: 15/04/1973
Medalhas em Pan: 3 ouros (1995, 1999, 2003) e 1 prata (2007)
Principais títulos: cinco medalhas olímpicas (dois ouros [1996 e 2004], duas pratas [2000 e 2008] e um bronze [2012])

Fernanda Decnop
Classe: Laser Feminino
Nascimento: 19/06/1987
Medalhas em Pan: ainda não possui

Ricardo Winicki
Classe: RS:X Masculino
Nascimento: 8/05/1980
Medalhas em Pan: 3 ouros (2003, 2007 e 2011) e 1 prata (1999)

Patrícia Freitas
Classe: RS:X Feminino
Nascimento: 10/03/1990
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Martine Grael
Classe: 49erFX
Nascimento: 12/02/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Kahena Kunze
Classe: 49erFX.
Nascimento:  12/03/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui.

João Augusto Hackerott
Classe: Sunfish Aberto
Nascimento:  12/04/1989
Medalhas em Pan: ainda não possui

Alexandre Paradeda
Classe: Snipe Aberto.
Nascimento: 24/11/1972.
Medalhas em Pan: 1 ouro (2007) e 1 prata (1999).

Lucas Huyer Aydos
Classe: Snipe Aberto
Nascimento: 24/06/1996
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Biekarck
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 16/05/1951
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 3 pratas (1975, 1995 e 1999) e 4 bronzes (1987, 1991, 2007 e 2011)

Gunnar Ficker
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 26/11/1954.
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 2 pratas (1999 e 1995) e três bronzes (1987, 1991, 2007, 2011).

Maria Hackerott
Classe: Lightning Misto
Nascimento: 3/04/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Luiz Teixeira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto.
Nascimento: 19/04/1967
Medalhas em Pan: ainda não possui

Bruno Oliveira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto
Nascimento: 4/04/1988
Medalhas em Pan: 1 prata (2011)

John King
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 16/02/1960
Medalhas em Pan: ainda não possui

Daniel Santiago
Classe: J24 Aberto.
Nascimento: 10/10/1978.
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007) 1 prata (2003).

Alexandre Saldanha
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 3/11/1970
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007)

Guilherme Hamelmann
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 9/03/1987
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

CBVela2 – Saiu mais uma convocação pra Rio2016! E a incrível Fernandinha Oliveira vai para sua quinta olimpíada e se igualará a grandes nomes do esporte nacional, à ex-levantadora Fofão e à jogadora de futebol Formiga. Entre os homens, Rodrigo Pessoa, Hugo Hoyama e Torben Grael têm seis participações. Robert Scheidt e Emanuel Rêgo caminham para a sexta. “Cinco Olimpíadas não é pouco. É uma vida dedicada ao esporte”, disse ela. E ainda é a primeira velejadora brasileira, ao lado de Bel Swan, a ganhar uma medalha olímpica, o bronze chinês em 2008.

A dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, da classe 470 feminina, foi convocada para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A decisão foi tomada após avaliação do Conselho Técnico da Vela (CTV) baseada nos resultados obtidos pelas atletas nas principais competições em 2013, 2014 e início de 2015.

Somente em etapas da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF), Fernanda e Ana conquistaram quatro títulos em sete etapas disputadas: em 2013 venceram em Miami (EUA), Palma de Mallorca (ESP) e Hyères (FRA). Este ano, a dupla voltou ao topo do pódio na etapa francesa.

“Estamos muito felizes. Ainda temos muito trabalho pela frente, mas tudo que passamos até aqui valeu a pena. Só quem nos acompanhou de perto sabe o quanto trabalhamos, a quantidade de coisa que abrimos mão em busca de realizar o sonho de disputar os Jogos Olímpicos no nosso país. É indescritível o que estamos sentindo”, afirmou Fernanda.

Até este mês, a dupla disputou 18 eventos no ciclo olímpico da Rio 2016. Além das conquistas nas etapas da Copa do Mundo, Fernanda e Ana venceram em 2014 duas competições na Baía de Guanabara, palco da disputa da vela nos Jogos Olímpicos. Elas ficaram em primeiro lugar no Sul-Americano de 470 e na Copa Brasil de Vela. No evento-teste no ano passado, elas terminaram na quinta colocação.

“Agradecemos de coração a todos que sempre acreditaram em nós, em especial nossa família e nossos patrocinadores e parceiros. Estamos convocadas, mas o foco continua para conseguirmos representar o Brasil da melhor maneira possível”, disse Ana.

Fernanda e Ana disputavam a vaga na Rio 2016 com Isabel Swan e Renata Decnop, que acabaram desfazendo a dupla na semana passada. Em 16 confrontos diretos entre as duas duplas no ciclo olímpico, as atletas classificadas venceram 15. Foi apenas uma derrota para as rivais.

No dia 18 de novembro de 2014, a CBVela havia definido a classificação de outras quatro classes com base nos resultados obtidos pelos atletas nas principais competições em 2013 e 2014. Também estão garantidos na Rio 2016 Martine Grael e Kahena Kunze, na classe 49erFX, Jorge Zarif, na Finn, Patrícia Freitas, na RS:X feminina, e Ricardo Winick Santos, o Bimba, na RS:X masculina. Força, time!! Brasiiiilll!!

Golden Globe – Essa vem direto do meu, do seu, do nosso periódico AlmaNáutica. Ricardo Amatucci conta: “Em comemoração aos 50 anos da histórica viagem de circum-navegação solo realizada em 1968, a famosa Regata Golden Globe vencida por Robin Knox-Johnston, uma nova Golden Globe será realizada em 2018. Mas não se engane: O objetivo é recriar mesmo. Ao melhor estilo retrô, nenhuma tecnologia que não estivesse presente em 1968 será permitida. Sem GPS, eletrônicos, sequer câmeras digitais…

‘Se não estava no Suhaili (veleiro de Robin Knox-Johnston que venceu a regata original), então você não pode usar’, disse o organizador. Alguns itens são considerados equipamentos de segurança e estão permitidos (como luzes e rádios mais modernos, EPIRB e um rastreador e um satfone que só a organização pode acionar). Estão fora: Radar, plotters, telefone celular, CD players, relógios eletrônicos, câmeras de vídeo, iPods, ou qualquer dispositivo baseado em computador, qualquer tipo, equipamentos de satélite, binóculos digitais, calculadoras de bolso, dessalinizador, materiais de fibra de carbono, e quaisquer materiais de alta tecnologia. Sequer um modem no rádio HF para e-mails… Qualquer tipo de medição de vento e velocidade por exemplo, terá de ser mecânica.

Em 1968 não existiam as tecnologias digitais, portanto se o participante quiser documentar ou mesmo enviar mensagem para atualizar blogs, terá que se virar com uma câmera Super 8, filmes fotográficos de 35mm e gravadores de fita cassete.

Outros detalhes estão previstos, como a permissão de uso de informações obtidas de navios que encontrem durante as rotas, exatamente como fazia Robin Knox-Johnston. A entrada em qualquer porto não está autorizada e o navegador só poderá procurar abrigo em baías ou ilhas, lugares não considerados portos”. Duca!!! Para saber mais: http://bit.ly/G_Globe

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**  Terminou em Valência o primeiro evento da TP52 Super Series. Já com as novas regras em vigor, as máquinas de regata protagonizaram um belo espetáculo. No final deu: 1º Rán, Niklas Zennström; 2º Alegre, Andy Soriano e 3º Sled, Takashi Okura. Super show!!

**  Começou!! Ontem rolaram as primeiras regatas da famosa semana de Medemblik, na Holanda, a Delta Lloyd Regatta e hoje tudo continuou. Os brasucas estão em posições intermediárias. Na Laser Radial, com 82 barcos e 4 regatas corridas, Maria Cristina Boabaid está em 30º; com um 7º hoje, Renata Decnop está em 36º e Odile Ginaid em 60º.

**  Seguindo… Na RS:X masculina, depois de 6 provas, Gabriel Pereira está em 38º e Breno Francioli em 44º de 66 pranchas. Na 49er, depois de 6 regatas, Dante Bianchi e Thomas Low-Beer estão em 24º entre 56 barcos. Na Nacra17, também com 6 provas corridas,  os acrobatas Ju Mota e Leandro Azambuya estão em 30º e André e Kyra Mirsky em 39º entre 42 catamarãs.

**  E nos paralímpicos… No 2.4m, entre 31 barcos, depois de 4 regatas, Mario Czaschke está em 21º e no Skud18, a dupla Breno e Marinalva está em 17º de 17 barcos, depois de um DNF e um DNS ontem e só correr as duas de hoje. Sorte para todos na Holanda!!

**  Por falar neles… Bruno Landgraf embarcou para a Holanda, para este que é o primeiro campeonato que disputa após a mudança de São Paulo para o Rio de Janeiro. A competição em Medemblik serve para medir o desempenho de Bruno e sua parceira, Marinalva Almeida, em relação aos demais velejadores da Skud18. O foco do ex-goleiro do São Paulo está nos Jogos Paralímpicos de 2016. Em 2012, Bruno disputou a Skud18 nos Jogos de Londres, ficando na 11ª posição, mas seu técnico, Pedro Paulo Penna Franca, o PP, afirma que a evolução dele neste ciclo é muito grande e aposta: “repetir a posição de Londres, ele não vai. Pode ter certeza de que ele vai melhorar bastante”. Bons ventos à dupla!!

**  Ventos médios nivelaram as regatas do primeiro fim de semana (23 e 24) do Warm Up para a Ilhabela Sailing Week (ISW), como é chamada a 2ª Etapa da Copa Swift Sport, no YCI. As regatas decisivas serão disputadas no próximo fim de semana (30 e 31). O equilíbrio predominou em todas as classes, com resultados variados diante da dificuldade apresentada. Em cinco regatas da classe HPE, foram duas vitórias do Suzuki Bond Girl, duas do Arretado e uma do Aventura 55. Na competitiva C30, BarrucudaPorscheCaballo Loco e +Realizado dividiram as vitórias na classe. Na RGS Geral, Asbar II venceu duas vezes, contra uma vitória do Montecristo. A RGS Cruiser foi exceção, com três primeiros lugares do Jambock, após os tempos corrigidos. Tudo continua no próximo findes!! Que Éolo compareça também…

**  No ICRJ, no final de semana retrasado, para os veleiros de oceano, e neste, para os monotipos, rolou a tradicional Taça Comodoro. Na semana passada deu Lars Grael, de Stand By Me na ORC, Jack Spot, de Pedro Avelino, na IRC e na RGS, também válido pelo estadual, deu o J/24 Tchau Madona, de Henri Muller. Parabéns aos campeões!! Resultados completos em http://bit.ly/TCo_Oce

** Seguindo… Já neste final de semana, o destaque foi por conta da Taça Comodoro de Monotipos que reuniu mais de 80 barcos de Dingues a HPE 25 nas raias. Resultados em: http://bit.ly/TCo_Mon

**  E por falar em tradição, rolou a 76ª Taça dos Lagos na represa Guarapiranga em São Paulo. No sábado, dia 09/05, rolou mais uma Taça dos Lagos. E o número recorde de 109 embarcações foi alcançado. Sediada pelo YCSA, que conquistou o troféu transitório Ernesto Reibel mais uma vez pela soma do desempenho dos seus velejadores, a regata foi uma bela festa.  A Fita Azul, ficou com o velejador Allan Lowy no seu catamarã  A-Class. Parabéns a todos os participantes!!

**  Como parte do desejo de Hamburgo de sediar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2024, a Schleswig-Holstein vai apoiar a tradicional Semana de Vela de Kiel com alguma prata. O prêmio em dinheiro será dado aos três primeiros lugares das classes olímpicas e paraolímpicas na Kieler Woche 2015: 3 mil Euros para o primeiro lugar, 2 mil Euros para o segundo e mil Euros para o terceiro lugar. Mais um motivo para ir a Kiel este ano!!

**  E na Copa América a Louis Vuitton voltou a patrocinar parte da parada. A agora rebatizada Louis Vuitton America’s Cup World Series começa em Portsmouth, no Reino Unido, a partir de 23 e vai até 26 julho 2015. Apesar dos pesares, uma boa nova!

**  Também nas Zorópias, nas águas do belo lago Balaton, na Hungria, está rolando o Mundial de Soling, aliás o Mundial dos 50 anos da classe. E a família Ilha está por lá representando os Veleiros do Sul e o Brasil, claro! E Nelsão, Gustavo e Felipe começaram bem, ganhando a primeira regata, e agora, no penúltimo dia, estão em 5º geral depois de 8 provas. Island family power!!

**  E se não bastasse a profusão insular em águas húngaras, Henrique, Fernando e Pedro Ilha (RGYC) estão em 35º geral e o trio Kadu Bergenthal, Eduardo Cavalli e Renan Oliveira (VDS) estão em 9º… Gauchada forte, tchê!!

**  Já nosso educador oficial da ISAF, Eduardo Sylvestre, esteve em Moçambique participando do programa de nações emergentes da federação internacional, no Youth Sailing Worlds. Cuidando do futuro de nosso esporte! Parabéns!

**  E Ademir Nicaretta quer desenvolver em Brasília, um projeto piloto de criação da Escola de Marinharia e Vela do Brasil, um projeto ambicioso, que era o sonho do saudoso Mestre Fernandes. A escola terá oportunidade de oferecer formação nas diversas áreas náuticas que envolvem desde a construção naval, manutenção naval, condução naval, esportes navais, entre outras. Boa sorte Ademir! E vamos ajudar!!

**  E por falar em ISAF, rolou na semana passada, com matéria excelente n’O Globo e tudo mais, uma polêmica olímpica no encontro da federação. Alguns gringos querem simplesmente introduzir o ponto eletrônico nas regatas do Rio2016… Fala sério!! Agora a ideia é transformar os velejadores olímpicos em jóqueis de controle remoto do técnicos e meteorologistas dos times?? Ainda bem que nosso coordenador técnico da CBVela, Torben Grael, e outras vozes de bom senso se insurgiram contra a ideia. A conferir…

**  Por falar nos olímpicos… Na fase final de preparação para o Mundial de Laser de Kingston, no Canadá (a partir de 29/6) Robert Scheidt venceu Semana Olímpica de Vela, em Garda, na Itália (também conhecida como “lar” para ele), semana retrasada. Scheidt aproveitará a boa fase para os últimos treinos na Itália, ao lado de adversários que também estão velejando em Garda, antes de enfrentar o Mundial e o Pan, ambos no Canadá. Força, alemão!!

** Em Kavala, na Grécia está rolando o mundial máster de Finn. São 204 barcos na água e o ucraniano Yuri Tokovoi lidera depois de duas regatas. Os brasucas Ricardo Carvalho está em 143º e Colin Reed está em 200º. No Finn todos acabam vencendo…

**  Doze comandantes da flotilha de oceano do Iate Clube de Santa Catarina disputaram há duas semanas, a Regata Solitário, primeira das três etapas que compõe a Copa Flotilha neste mês de maio. Comandando por Carlos Augusto de Matos, o C30 Corta Vento foi o Fita Azul da regata após pouco mais de duas horas e cinquenta minutos. Show!!

** No sábado (23/5) o Iate Clube de Santa Catarina sediou a 2ª etapa da Copa Flotilha. A Regata Ele e Ela contou com excelente nível técnico e foi marcada pela condição perfeita de ventos na Baía Sul, que variaram entre 10 e 20 nós, de Norte. Ao lado da velejadora Carla, sua namorada, o comandante Marcelo Gusmão foi o Fita Azul da regata com o Moleque. “Tivemos uma regata muito boa. Sabíamos que a volta seria com ventos fortes e tivemos um lindo dia. Eu e a Carla sempre velejamos juntos e hoje foi mais um excelente dia”, disse. “Eu procuro sempre estar bem atenta ao que ele me pede no barco. A gente veleja bastante juntos”, disse Carla. “O segredo do bom velejador é transformar o amor da vida dele numa boa velejadora”, completou. Sem dúvida! Com a vitória na Classe RGS, o Moleque subiu para a segunda posição na Copa Flotilha, atrás apenas do Tintiun, que venceu na Regata Solitário e acabou em segundo na Ele e Ela. Gusma sabe tudo! De vela e de namoro!

**  Por fim, Edu Penido e Renato Araújo estão se preparando para a pioneira participação brasuca na Transat Jacques Vabre e correndo a Normandy Channel Race de Classe 40, num percurso que sai da França, monta a ilha de Wight, no sul da Inglaterra, Tuskar Rock e Fastnet Rock na Irlanda e volta pra Normandia. A bordo do Zetra nossa dupla está em 3º geral agora, a 19 milhas do líder. Esse é meu ídolo!! Arrebenta, Penido!! Para acompanhar: http://bit.ly/Edu_NorRace

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  Atenção velamaristas de todo o país! O 8º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 vai rolar dias 4, 5, 6 e 7 de junho de 2015, no Clube Naval de Brasília. Não perca a chance de dar um velejo no velho e bom Velamar 22. Inscrições no: nautica@clubenavaldf.com.br. Vai ser show!!

**  Tradicionalmente realizada no mês de outubro, a Regata Escola Naval, maior prova náutica da América Latina, chega à 70ª edição no próximo dia 13 de junho. A mudança no calendário tem uma razão especial: as comemorações pelos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo, evento militar decisivo ocorrido durante a Guerra da Tríplice Aliança. A 70ª Regata Escola Naval em comemoração aos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo deverá reunir na Baía da Guanabara cerca de 700 embarcações de diversas classes: Oceânicas, Monotipos, Escaleres, Catamarãs, Veleiros Rádio Controlados, Windsurf e Vela Adaptada. Juntamente com a Regata, haverá a 26ª Meia Maratona de Canoagem. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site do Grêmio de Vela da Escola Naval (http://www.gven.org.br/ ) ou no próprio dia da Regata, até às 11h, nos postos de inscrição montados na Escola Naval e nos clubes coirmãos. Não perca!

**  O ICRJ vai realizar a Copa Máster de Laser e Finn nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô!!

**  E na outra ponta do espectro vélico etário rola a Taça Comodoro da Classe Optimist, também nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô molecada!!

**  A ABVC convida todos a participar do “5º Cruzeiro Hidrovia Tietê-Paraná 2015”. A partida será no dia 5 de julho, da Marina Sunset BTC, em Barra Bonita, e a chegada no dia 9 de Julho, em Adolfo, partindo de volta no dia 12 e chegada final a Marina Sunset BTC no dia 16 de julho, navegando 500 km da Hidrovia, e terá a duração de 14 dias. Participam embarcações de 16 a 37 pés, em sua maioria a vela, podendo também aderir embarcações a motor. Vale lembrar que o cruzeiro navega durante o dia, a tarde faz uma parada para jantar e pernoite em cada cidade. Um programa bacana e diferente!!

**  E por falar em ABVC… A Associação Brasileira dos Velejadores de Cruzeiro realiza de 4 a 6 de junho (feriado de Corpus Christi) no Bracuhy – Angra dos Reis, o 13º Encontro Nacional da entidade. O primeiro Encontro Nacional foi realizado na Marina Porto Paraty em 2005. A partir de então, todos os anos a associação reúne os velejadores para uma confraternização com palestras, oficinas e, claro, muita festa. Não perca!!

**  Mais ABVC e mais interior… Vai rolar no dia 30/5 o VI Churrasco de Confraternização dos Velejadores do Interior. E Paulo Fax já avisa: “esta edição será muito especial, teremos a palestra do grande Velejador, Campeão Mundial, Empresário, Organizador , Juiz entre tantas coisas que fez pela vela brasileira, Mario Buckup, da North Sails, abordando temas como tempestades, rizos, cuidados com as velas, regulagens e muitas boas histórias”. O custo é de R$35 por pessoa, As confirmações podem ser feitas através do abvcinteriorsp@gmail.com. Tudo rola a partir das 10h da manhã no Hotel do Broa Golf Resort, em Itirapina, pertinho de Brotas, em São Paulo. Festão!

**  O Abraço Guarapiranga é uma manifestação de respeito e carinho da população com as fontes de água de São Paulo e, também, um ato de denúncia e indignação pelo descuido com a preservação dos mananciais.  Em sua 10º edição, no dia 31/5 (Domingo), de 9 às 14h, o Abraço irá mobilizar e alertar os cidadãos, as empresas e os governos para a urgência de se construir uma nova cultura de cuidado com a água. O Abraço Guarapiranga 2015 elegeu como tema “Água é um direito humano. Não se vende, se defende!”. Tudo rola na Av. Atlântica, 1.100 Capela do Socorro e Estrada do Riviera, 3286, M’Boi Mirim. Participe!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  O Clube Superação, em SP, recebeu a equipe da TV Mackenzie na represa Guarapiranga, em São Paulo, para velejar com os paratletas de lá. A vela adaptada foi o esporte escolhido por essas pessoas para mostrar que nenhuma dificuldade é barreira pra quem tem força de vontade! Veja em: http://bit.ly/Mack_TV

**  Direto do canal Mar Brasil. A Taça Comodoro do ICRJ teve 44 veleiros da classe oceano na raia da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Além de superar os adversários, Lars Grael teve que lutar também contra o lixo, que quase tirou o título da equipe do barco dele, o Stand by Me, na ORC. Confira no vídeo a retirada do saco plástico da quilha do barco, o resultado da Taça Comodoro na RGS e na IRC, e a exposição ‘Baía Azul’ de Marcus Penido a bordo do iate Santantoniohttp://bit.ly/MBr_TCo

**  Mais uma vez a TP52 Super Series produziu regatas e imagens de altíssimo nível. O vídeo final do evento não deixa dúvidas: http://bit.ly/TP52_Val

**  A Defi Wind teve 1200 windsurfistas na linha de largada no dia 17 de maio em Gruissan, na França. O maior evento de windsurfe do planeta. E foi com ventão! Para quem duvida, veja: http://bit.ly/Defi_Wind

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Na Delta Lloyd Regatta nossa dupla na Nacra17, Ju Mota e Leandro Azambuya viu o mundo de um ângulo diferente. #ihdeumerda leve e super normal no Nacra17.

nacra17_medemblik_ju

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Muitas vezes tentei fugir de mim, mas aonde eu ia, eu estava.” Do filósofo Tiririca sobre a existência e seus desafios.

Fui!! Fugindo de mim mesmo…

Murillo Novaes

 

Resumão na quase quinta: Cabo Race. Barcelona Race. VOR. Ilhabela, Floripa, Darke de Mattos e mais

Bernard Stamm e Jean Le Cam vencendo a Barcelona World Race hoje. Duca!

Bernard Stamm e Jean Le Cam vencendo a Barcelona World Race hoje. Duca!

Torben e Disney tomam a tequila primeiro no México. Stamm e Le Can tomam a orchata de chufa primeiro em Barcelona. Bochecha e cia. acham o Nemo primeiro.

E mais: Merreca na Suzuki Sport em Ilhabela. Festa na Cidade de Florianópolis. King reina da Darke de Mattos no Rio. Chorão e João Ramos vencem Centro SulAm de Laser Master em Búzios. Barcos menores e mais baratos na 35ª Copa América. 500 dias para o Rio2016. Equipe olímpica pronta em Palma de Maiorca para o Princesa Sofia. Projeto Grael/IRN vão limpar Guanabara para evento-teste. Optmists brasucas na França.

Agende-se: Circuito Marreco na Guarapiranga. Clínica para oficiais de regata em SP.

Vídeos: Bacardi Sailing Week. Hashtag Sal “Pescando Sonhos”. 

Boa noite querido amigo e mais que querida amiga, direto do covil do manza na ensolarada e quente Cabo Frio, vamos prezando o neo-capitalismo tupiniquim que hoje operou mais um milagre.

Meu vizinho no canal do Itajuru, Carlos Alberto Sicupira, 4º brasileiro mais rico na recém-divulgada lista da Forbes (atrás apenas dos dois sócios na 3G Capital, Jorge Paulo Lemann e Marcel Telles, e de Joseph Safra, o dono do banco homônimo e do icônico prédio-ovo Fabergé – verdadeiro! – em Londres), agora é também o feliz proprietário da Kraft Foods, gigante multinacional do rango industrial, que se junta à Burguer King e a as principais cervejas do mundo (fora Americanas, Submarino, etc.) na lista dos negócios não cabo-frienses do pescador destas águas. Incrível!!

E dizem que eles e o mago de Omaha, Warren Buffet, seu sócio nos negócios, cogitaram comprar até a Coca-Cola… Também com US$ 40bi na carteira para ir ao shopping fica mais fácil!!… E eu aqui dando milho aos pombos!! Enfim… Vamos direto para a maior riqueza que qualquer um pode ter, porque esta é gratuita e democrática: o mar e o vento. E comecemos pelo Pacifico já rumando para Barcelona.

Cabo Race – O comandante-em-chefe da armada de Pindorama, o paulista e candango mais niteroiense de todos os tempos, Turbina Grael, ganhou mais uma! É que nosso querido orelha se juntou às orelhas mais famosas do planeta, as do Mickey Mouse, e sem o atrapalho de nenhum pateta fez história mais uma vez. Desta feita na prestigiada e tradicional Cabo Race, a regata de Newport (em Los Angeles) à Los Cabos (no México).

O percurso de 800 milhas rumo à Baja Califórnia desde 1971 faz a cabeça de 9 entre 10 velejadores de oceano da costa oeste dos EUA. E como o Andrew 70 de Roy Disney, o famoso Pyewacket, fica por lá, nossa lenda foi chamada mais uma vez pelo patrão do Mickey e dos Metralhas para mostrar os caminhos do ouro. E mostrou!

Com o auxílio mais que luxuoso do navegador Stan Honey (o cara que fez o notório relatório do acidente do Vestas, na VOR, recentemente e é um gênio da computação gráfica para TV) Torben, Roy e companhia fizeram a fita-azul dos monocascos e venceram na principal categoria da regata. Bravo!!

Triste mesmo vai ser ele voltar e ter que me aturar navegando o Lady Lou no iPad e olhando para a paisagem… Cuidado com as lajes!!

Barcelona – Acabou!! A dupla mais que experiente, Bernard Stamm (SUI) e Jean Le Cam (FRA) venceu a Barcelona World Race 2014/15 e definiu o tempo de referência para a volta ao mundo em duplas sem paradas: 84 dias, 5 horas, 50 minutos e 25 segundos, em uma média de 11,53 nós nas 23.321,76 milhas do percurso ideal ou 13,82 nós na distância real coberta por eles: 27.950 milhas.

O IMOCA60 Cheminées Poujoulat, co-comandado por Stamm, 51 anos, e Le Cam, 55 anos, venceu a terceira edição da Barcelona World cruzando a linha de chegada hoje (quarta-feira) às 17h:50m:25s UTC em ventos fracos, de 10 a 15 nós, de SE, e mares calmos quase no pôr do sol catalão.

Bernard e Jean estabeleceram o tempo de referência para a regata, que seguiu um percurso diferente nesta edição: de Barcelona a Barcelona, ​​passando pelos três grandes cabos, Boa Esperança, Leeuwin e Horn, deixando a Antártida por boreste, mas, pela primeira vez, indo direto por baixo da Nova Zelândia em vez de desviar para o norte para atravessar o estreito de Cook, entre as ilhas Norte e Sul do país/arquipélago. Isso reduziu a distância em cerca de 1.280 milhas em relação às edições anteriores. Esses são verdadeiros heróis!! E ainda deixaram o segundo colocado, Neutrogena, quase 1.000 milhas navegando no retrovisor…

VOR – E por falar em mares abertos, na Volvo Ocean Race, hoje a flotilha ultrapassou o ponto Nemo, o famoso lugar no oceano mais distante de qualquer massa de terra no planeta água. E quando isso rolou quem esteva nas cabeças? Quem? Quem?? Ele mesmo, Don Bochecha de las Santas Catarinas y Puertos Alegres e seus comparsas no Mapfre.

Depois de dar um jaibe chinês (bem capturado em vídeo), os espanhóis se recuperaram com maestria e a pouco menos de 3.900 milhas de casa, Bochecha já sentia o cheiro da sequência de camarão e acelerava forte rumo ao Horn e à glória de montar o famoso cabo mais uma vez. Antes, porém, eles e seus companheiros de flotilha e de mares do sul têm que negociar com icebergs mais ao norte que o normal e com os humores sempre instáveis de Éolo e Netuno.

No momento, o Alvimedica está na frente, mas entre eles e o Abu Dhabi (4º colocado), com o Brunel e o Mapfre no meio, apenas 5 milhas separam tudo. O Dongfeng vem 25 milhas atrás da galera e as minas do SCA outras 115 milhas na esteira chinesa. Dureza!!

Para sabe tudo da regata (e ver o vídeo do jaibe sino-espanhol) clique em http://bit.ly/VOR_14-15

A moça do Balaio, Aline Bassi, capturou o C30 Porsche liderando a Suzuki Swift na ilha bela.

A moça do Balaio, Aline Bassi, capturou o C30 Porsche liderando a Suzuki Swift na ilha bela.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

** O tempo instável e a falta de vento exigiram paciência das 31 tripulações e da CR no primeiro final de semana da 1ª Etapa da Copa Swift Sport, em Ilhabela. No sábado rolou uma regata e os barcos chegaram a largar no domingo com vento sueste fraco, entre seis e sete nós, mas o merrecol e a forte correnteza no canal de São Sebastião impediu que as regatas fossem concluídas. Apenas na classe HPE, quatro veleiros cruzaram a linha de chegada, sob forte chuva, antes do limite de tempo. No próximo findes rola a conclusão da 1ª etapa do velho e bom Circuito Ilhabela. Que Éolo também compareça!!

** Já em Floripa… Com o vento sul predominando durante todo o dia, aconteceu no sábado a Regata Cidade de Florianópolis, segunda etapa da Copa Veleiros de Oceano e os vinte e quatro veleiros que participaram da competição, que fez parte das comemorações dos 289 da capital catarinense, proporcionaram um belo espetáculo ao público na Baía Norte. Na Classe ORC, o Catuana Kin foi o mais veloz, cruzando a linha de chegada à frente do Ataw e Absoluto (3º). Entre os barcos da RGS A, apenas 19 segundos separaram o Plancton, vencedor da etapa, do Argonauta, vice-campeão. O Açores III completou o pódio. A Regata Fortalezas, próxima etapa da Copa Veleiros de Oceano, acontece no dia 24 de abril. Boa!!!

** A 71ª Regata Darke de Mattos, a mais antiga do Brasil, teve um rei no mais alto do pódio pela sétima vez. A tradicional prova da classe Star foi disputada no último sábado na merreca carioca e viu Johnny King e Fernando “Sunguinha” Gioia vencerem com autoridade. Lars Grael e Samuca Gonçalves foram vices e Chicão Siemsen e Baleia, também conhecidos como Francisco S. Bulhões e Fernando Ilha, completaram o pódio. Tradição na água e no pódio!! Parabéns Mr. John, você é realmente o rei da Darke!!

** E por falar na família Bulhões… Não teve choro no Búzios Vela Clube no 8º Centro SulAm de Laser Master neste findi. Depois de 5 regatas corridas em Manguinhos, Pedro Bulhões Carvalho da Fonseca, o Chorão, se sagrou campeão no Standard e o brasiliense João Ramos, sempre honrando o ICB, levou a melhor no Radial. São os velhinhos conservados no raio laser!! Show!!

** Depois de escolher as Bermudas como sede, tirando voluntariamente a disputa da Copa América das águas dos EUA, depois de convidar a lindíssima Classe J para também correr na ilha britânica em 2017, depois de inventar um novo barco, o AC62, como classe da disputa, a organização de 35ª Copa América (Russell Coutts e Larry Ellison) acena com a possibilidade de criar uma nova classe, um catamarã sobre fólios ainda menor que 62 pés para diminuir custos. Uma ideia sensata que agradou a quase todos. Segundo Franck Cammas, do Team France, “daria para fazer um barco vencedor com apenas 20 milhões de Euros”. Apenas… Mas, acredite, é quase um quinto do que já custou uma equipe. Ou mais ou menos o que um gerente na Petrobras rouba em alguns poucos anos. Vou ali e já volto!!…

** A 500 dias do começo das olimpíadas no Rio alguns atletas falaram sobre a data: “Desses 500 dias em diante vamos continuar fazendo o nosso passo a passo, tentando não pular etapas, para chegar aos Jogos Olímpicos bem preparadas. Dependendo do ponto de vista pode faltar pouco ou muito tempo, mas é um grande evento esportivo vindo por aí. Vivemos uma grande expectativa” disse Kahena Kunze.

** Já a timoneira do 49erFX de Kahena, a também careteira Martine Grael falou: “Esse ano é de muita preparação para a gente. Principalmente pelo fato de que no ano passado tivemos resultados excelentes. A gente sabe que é difícil repetir isso, mas como está bem próximo dos Jogos, a gente continua dando o nosso máximo. É um período de muita preparação, tanto psicológica quanto física, mas estamos tranquilas. Nossos objetivos seguem no topo. Se tudo der certo, a gente chega bem preparada em 2016”

** Pra fechar os 500. .. A lenda Robert Scheidt declarou: “É um marco importante, estamos nos aproximando bem rápido das Olimpíadas. É um período importante, pois ainda dá tempo de nos prepararmos, mas ao mesmo tempo já não estamos mais no começo do ciclo olímpico, o que não nos deixa com tanto tempo assim. O ano de 2015 é muito importante para nós, temos muita coisa pela frente. Temos Mundial, Jogos Pan-Americanos e evento-teste. Preciso velejar muito no Rio de Janeiro ainda, e me sentir cada vez mais à vontade para quando o grande dia chegar”. Amém!

** Por falar em preparação, a maioria da nossa equipe de vela já está em Palma de Maiorca se aquecendo para o 46º Trofeu Princesa Sofia (e Martine/Kahena já ganharam a regatinha antecipatória por lá). A competição marca o início da temporada europeia e reúne a nata da vela olímpica mundial. Começa nesta sexta! Fique ligado!!

** A ONG Instituto Rumo Náutico, do Projeto Grael, foi contratada em regime de urgência pelo governo do RJ para retirar o lixo flutuante das águas da baía de Guanabara antes do evento teste de vela, em agosto, o último antes dos Jogos de 2016. Cinco ecobarreiras serão construídas no canal do Cunha e nos rios Meriti, Bomba e Imboaçu, pontos críticos dos resíduos. O roteiro de coleta feito pelos ecobarcos também passará a ser definido por computador, que vai antecipar o movimento das marés. “Todos os custos são transparentes e vão estar publicados na internet. E não há ninguém que eu conheça que reúna todas as características técnicas e pessoais para um desafio de curto prazo como esse”, justificou o secretário de ambiente do RJ, André Corrêa, referindo-se à Axel Grael, o irmão mais velho dos caras. Boa sorte na empreitada!! A velo e o meio ambiente agradecem!!

** Pra fechar com optimismo… Um grupo de velejadores de Optimist do Cabanga Iate Clube de Pernambuco vai participar da Copa Internacional de Verão 205m em Plérin, na França. O evento acontecerá de 11 a 18 de julho e são esperados 500 optimistas de 14 países. Sem dúvidas, um dos maiores eventos abertos da classe! Força à molecada pernambucana!!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

** O CIRCUITO MARRECO 2015 começou em 21 de fevereiro na represa de Guarapiranga em São Paulo. Dezoito barcos alinharam-se para a largada em frente ao Clube de Campo do Castelo (1º Sweet Eagle – Antonio Correa e Haroldo Ficco; 2º Poita – Cássio Lopes e Andres Jurado; 3º Adesso – Wilson e Madalena Kato) e como já é tradição, após a prova houve a premiação, com medalhas e troféus, acompanhado de um delicioso churrasco. A próxima regata será no dia 28/03, com sede e celebração no Yacht Clube Itaupu. Participe!!!
.

** A Confederação Brasileira de Vela – CBVela, em parceria com o Comitê Organizador Rio 2016 e ​a Federação de Vela do Estado ​de São Paulo e o ​Yacht Clube Santo Amaro​, ​realizará ​a ​Clinica de ​Introdução para Oficial de Regata, ​nos dias ​​03 e ​04 de ​abril de 2015,​na Cidade de ​São Paulo. A Clinica será realizada simultaneamente a realização ​​do Campeonato ​Brasileiro da Classe ​​A Cat, ​o que permite o aprendizado prático. “Esta Clinica ​tem o objetivo de passar uma noção básica das atividades de um oficial de regata, seja Gerente de Regata ou Juiz de Regata ou Arbitro de Regata ou Medidor; possibilitando um bom entendimento de como é a organização técnica de uma regata e de como cada oficial de regata atua”, explica Kadu Baggio. Inscreva-se em: cbvela@cbvela.org.br Vale a pena!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

** Como você sabe, a Bacardi Miami Sailing Week foi a glória tupiniquim. Lars e Samuca, no Star, e Santinha e cia. no J/70, venceram. E o vídeo oficial do evento saiu agora e ficou bem legal. Confira em http://bit.ly/Bac_Mia

** O Hashtag Sal já está se tornando um clássico programa de vela, apesar de tão novo. A competência do Adriano Plotzki, as bela imagens e a escolha dos temas fazem a diferença. Já está no ar o novo episódio: “Pescando Sonhos”. Vale a espiada! http://bit.ly/Sal_16

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Eu gosto do impossível porque lá a concorrência é menor”. Walt Disney filosofando sobre o sucesso.

Fui!!! Impossibilitado…

Murillo Novaes

vice-líder na Stars Sailors League nas Bahamas

Robert e Bruno Prada mantiveram a regularidade no segundo dia de regatas em Nassau. Nesta sexta serão definidas as tripulações que seguem para a segunda fase

A dupla brasileira na foto de Gilles-Martin Raget/SSL

A dupla brasileira na foto de Gilles-Martin Raget/SSL

Nassau (BAH) – Atuais campeões da Star Sailors League (SSL) Finals, Robert Scheidt e Bruno Prada disputaram mais três regatas nesta quinta-feira (4) em Nassau, nas Bahamas, pela fase de classificação do campeonato, que reúne 20 das principais tripulações de Star na vela mundial. Obtiveram um sétimo e dois quartos lugares, o suficiente para se posicionarem como vice-líderes, com 18 pontos perdidos, dez a mais do que os líderes, os americanos Mendelblatt e Fatih, com oito. A dupla alemã Polgar e Koy, com 21, ocupa a terceira colocação.

Na primeira regata do dia, a quarta da SSL Finals, Robert e Bruno passaram do limite no momento de contornar a primeira boia de contravento. Perderam tempo para retornar e recuperar o rumo certo “Cometi um erro grande, de novo. Não consegui montar a boia. Foi como se tivesse pagado um pênalti”, considerou Robert, que ainda conseguiu chegar na sétima colocação. A dupla americana Mendelblatt e Fatih venceu praticamente de ponta a ponta, com 60min24, seguidos pelo campeão olímpico de Star, em Londres, Freddy Loof e seu proeiro Anders Ekstrom, ambos da Suécia. O vento nordeste esteve sempre em torno de 15 nós (27 km/h)

Após a segunda largada os tricampeões mundiais de Star mantiveram-se em posição intermediária na flotilha. Contornaram a primeira boia em 12º lugar. Partiram para a recuperação na primeira perna de popa, saltando para a sétima colocação. Na quarta e última perna, também em popa, chegaram ao segundo lugar, mas perto da linha de chegada escolheram o lado direito da raia, enquanto o vento favoreceu a esquerda. Robert e Bruno chegaram na quarta posição, a 53 segundos de Mark Mendelblatt, que obteve a segunda vitória no dia. O francês Rohart foi o segundo e o croata Gaspic, o terceiro.

Na última disputa desta quinta-feira, a sexta do campeonato, Robert repetiu a colocação anterior. Manteve-se sempre entre os cinco primeiros. Travou duelos com, o alemão Polgar, Jorge Zarif e Mendelblatt, o velejador mais regular do dia. A dupla Polgar e Koy venceu com 56min23, com Mendelblatt em segundo e Jorginho em terceiro lugar. Robert ficou a 30 segundos do vencedor. “O importante é ficar em primeiro para evitar a próxima fase, mas hoje não teve jeito, o americano (Mendelblatt) velejou com muita velocidade”, analisou Robert, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

Para o novo líder da SSL Finals, o dia foi perfeito. “Fiz grandes regatas, sempre com vento adequado e velocidade suficiente para me manter à frente. Por enquanto só estou tentando velejar da melhor forma possível, a cada regata, sem pensar em resultado final”, argumentou Mendelblatt, bronze na primeira edição da SSL Finals em 2013, também com sede no Nassau Yacht Club (NYC).

Nesta sexta (5), mais três largadas definem os barcos para as quartas de final. Como o primeiro colocado passa direto à semi, estarão classificados do segundo ao 11º, após nove regatas. A semifinal terá sete tripulações e a final, quatro. As três séries estão previstas para este sábado (6), dia decisivo. A primeira regata do dia começa às 11h em Nassau (14h em Brasília). Entre as outras três duplas brasileiras, Zarif e Boening estão em oitavo, Torben e Guilherme em 16º, e Fuchs e Seifert em 20º lugar.

Classificação após três regatas e um descarte

1. Mendelblatt/Fatih (EUA) – 8 pontos perdidos (1+[10]+3+1+1+2)
2. Scheidt/Prada (BRA) – 18 pp ([7]+1+2+7+4+4)
3. Polgar/Koy (ALE) – 21 pp ([9]+3+6+2+13+1)
4. Loof/Ekstrom (SUE) – 22 pp (4+[12]+4+3+6+5)
5. Rohart/Ponsot (FRA) – 29 pp (6+2+[13]+9+2+10)
6. Negri/Lambertenghi – 29 pp (5+5+[10]+6+5+8)
7. Kusznierewicz/Zycki (POL) – 36 pp (10+8+[12]+4+7+7)
8. Zarif/Boening (BRA) – 37 pp (15+7+1+[17]+11+3)
9. Scott/Milne (ING) – 39 pp ([13]+4+5+11+8+11)
10. Gaspic/Sitic (CRO) – 46 pp ([14]+14+7+10+3+12)
11. Papathanasiou/Tsotras (GRE) – 55 pp (2+9+9+16+[20]+19)

Robert Scheidt encerra Europeu de Laser em quinto lugar

Com a ausência de vento, regatas decisivas deste sábado (14) foram canceladas, mantendo a classificação da sexta-feira

Thom Touw

São Paulo – Faltou vento na raia de Split, na Croácia, e o que era para ser um encontro de campeões na decisão do Europeu de Laser, com Robert Scheidt e Tonci Stipanovic protagonizando o duelo Brasil x Croácia da vela, terminou sem emoção. Com o cancelamento das regatas deste sábado (14), a classificação da sexta-feira foi mantida, consagrando o croata Stipanovic, que velejava em casa, como campeão. Líder do ranking mundial da classe, Scheidt ficou com o quinto lugar.

“Esperamos o dia todo para velejar, mas novamente não tivemos regatas. Saio daqui um pouco desapontado, pois não tive a oportunidade de reagir e descartar o meu único resultado ruim na competição. Com uma ou duas provas, a classificação do Europeu poderia mudar bastante, mas não podemos controlar o vento”, lamentou Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star.

Os ventos fracos marcaram todo o Europeu de Laser, que foi encurtado para seis regatas, das 12 previstas no programa. Ainda assim, Scheidt mostrou regularidade, vencendo uma prova e terminando entre os cinco primeiros em outras quatro. “Estou velejando com uma boa velocidade, mesmo nessa condição de ventos fracos. Agora vou me concentrar no evento-teste no Rio de Janeiro. Devo descansar alguns dias, antes de iniciar a preparação para competir na raia olímpica dos Jogos de 2016”, aponta o brasileiro, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

O Aquece Rio International Regatta, primeiro evento-teste para a Olimpíada do Rio de Janeiro, será realizado entre os dias 2 e 9 de agosto. Após a competição, Scheidt segue para o seu principal desafio na temporada, o Mundial de Vela 2014, em Santander, Espanha, em setembro.

Da assessoria

Em Brasil x Croácia da vela, Scheidt assume a vice-liderança do Europeu de Laser

E Robertão Alemão continua o bom. Hoje na Croácia arrebentou de novo.

E Robertão Alemão continua o bom. Hoje na Croácia arrebentou de novo.

São Paulo – Um ano depois de disputarem metro a metro o título do Europeu de Laser, Robert Scheidt e Tonci Stipanovic voltam a se enfrentar na competição, em Split, Croácia, com o status de favoritos. E se a última edição do torneio, na Irlanda, teve o croata como vencedor por apenas um ponto de diferença, a vantagem agora é do brasileiro, no duelo entre países que marcará também a abertura da Copa do Mundo de futebol 2014. Novo líder do ranking mundial da classe, Scheidt foi o terceiro colocado na única regata disputada nesta terça-feira (10) e assumiu a vice-liderança, com 12 pontos perdidos, mesma pontuação do líder, o inglês Nick Thompson. Stipanovic, que veleja em casa, caiu para a 13ª posição, com 26 pontos perdidos.

O Europeu de Laser tem 132 velejadores distribuídos em três flotilhas. Nesta terça-feira, as flotilhas foram reagrupadas, e Scheidt disputou a regata com Nick Thompson, o australiano Tom Burton, vencedor das duas últimas etapas da Copa do Mundo de Vela, e o alemão Philipp Buhl, no grupo azul. O croata Tonci Stipanovic segue na flotilha vermelha.

“Tivemos um dia com ventos ainda mais fracos do que na segunda-feira, e por isso apenas uma regata foi completada. Nessas condições, todos os favoritos apresentaram muitos altos e baixos nos resultados. Era muito fácil errar e ficar do lado contrário ao vento, mas eu consegui o terceiro lugar e subi bastante na classificação geral”, observou Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. O brasileiro começou a disputa, na segunda-feira, na 11ª posição.

A competição em Split tem mais nove regatas até sábado (14), divididas entre as fases classificatória e final. Os velejadores podem descartar os dois piores resultados, um em cada etapa. “A comissão de regatas tentará organizar três regatas nesta quarta-feira, mas a previsão é de ventos fracos, novamente”, avisou Scheidt, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

 

Classificação após três regatas

1. Nick Thompson (GBR) – 12 pontos perdidos (2+3+7)
2. Robert Scheidt (BRA) – 12 pp (4+5+3)
3. Francesco Marrai (ITA) – 13 pp (4+7+2)
4. Tom Burton (AUS) – 14 pp (1+8+5)
5. Andy Maloney (NZL) – 19 pp (3+4+12)
6. Jonasz Stelmaszyk (POL) – 20 pp (9+9+2)
7. Mitchell Kennedy (AUS) – 20 pp (3+4+13)
8. Jesus Rogel Sanchez (ESP) – 23 pp (6+16+1)
9. Mike Bullot (NZL) – 23 pp (5+10+8)
10. Colin Cheng (SIN) – 24 pp (22+1+1)

 

Campanha de Robert Scheidt em 2014

Ouro na Copa Brasil – Niterói (BRA), janeiro
Prata na etapa de Miami Copa do Mundo de Vela – Miami (USA), fevereiro
9º na etapa de Palma de Mallorca da Copa do Mundo de Vela – Palma de Mallorca (ESP), abril
4º na etapa de Hyères da Copa do Mundo de Vela – Hyères (FRA), abril
Ouro na Semana Olímpica de Garda Trentino – Garda (ITA) – maio

Da assessoria

Scheidt estreia no Europeu de Laser na 11a colocação

Maior atleta olímpico brasileiro foi quarto e quinto nas regatas desta segunda-feira (9), na Croácia

Muita coisa ainda vai acontecer até o final do campeonato

Muita coisa ainda vai acontecer até o final do campeonato

São Paulo – Na vela, Robert Scheidt e Tonci Stipanovic anteciparam o confronto Brasil x Croácia que abrirá a Copa do Mundo de futebol 2014. Os dois são os principais destaques do Europeu de Laser, que começou nesta segunda-feira (9) em Split, Croácia, com vantagem para o anfitrião. Novo líder do ranking mundial da classe, Scheidt manteve a regularidade, fazendo um quarto e um quinto lugares, e terminou o dia em 11º geral. Velejando em casa, Stipanovic – vencedor da competição em 2013 com apenas um ponto sobre o brasileiro – terminou em terceiro lugar. O líder é o holandês Rutger Van Schaardenburg.

O Europeu de Laser conta com 132 velejadores em Split, divididos em três flotilhas. A vermelha reuniu nesta segunda os velejadores mais fortes: além de Scheidt e de Stipanovic, os australianos Tom Burton e Mathew Wearn, o alemão Philipp Buhl e o neozelandês Sam Meech estavam na disputa.

“Foi um dia exaustivo, ficamos muito tempo na água esperando pelo vento, que foi até 8 nós (15 km/h) na segunda regata. Tive um desempenho regular, acho que poderia ter sido um pouco melhor, mas com o vento alternando muito, ficou difícil de prever a velejada. Estou satisfeito”, analisou o brasileiro, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star. “Meu grupo era realmente o mais forte, mas a partir de amanhã as flotilhas serão redistribuídas de acordo com os resultados de hoje, e isso deve equilibrar mais as regata”.

A competição tem mais dez largadas previstas, duas por dia, distribuídas entre as fases classificatória e final. Os velejadores poderão descartar os dois piores resultados, um em cada etapa. “O objetivo é largar o melhor possível e me manter entre os cinco primeiros, na primeira fase, para chegar bem às finais”, lembrou Scheidt, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

Novo líder do ranking mundial, Scheidt disputa Campeonato Europeu de Laser

Maior atleta olímpico brasileiro estreia nesta segunda-feira (9), em Split, na Croácia

Scheidt é o novo líder do ranking mundial de Laser

Scheidt é o novo líder do ranking mundial de Laser

São Paulo – Robert Scheidt chega ao Campeonato Europeu de Laser como um dos principais nomes da classe e velejador a ser batido. Depois de vencer a Semana Olímpica de Garda Trentino, em maio, na Itália, o bicampeão olímpico assumiu a liderança do ranking mundial da classe. Mas terá de superar as dificuldades em Split. O croata Tonci Stipanovic, profundo conhecedor da raia, é outro forte candidato ao pódio – em 2013 venceu a competição com apenas um ponto de vantagem sobre Scheidt.

“Faltam poucos nomes da Laser para o Europeu ter o mesmo nível do Mundial. O Stipanovic sem dúvida será meu principal adversário, porque além de ser muito bom, é croata e conhece bem a raia. Ele vai brigar para vencer em casa. Mas a competição terá ainda outros competidores muito fortes, como os australianos (como Tom Burton e Ashley Brunning) e os neozelandeses (entre eles, Andy Maloney)“, destaca Scheidt, dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star.

Há quatro dias treinando na raia da competição, o brasileiro dispensa o favoritismo e aposta em fazer uma boa média para chegar à fase final com chances de medalha. “Claro que estar na liderança do ranking é muito bom, mas não interfere em nada aqui em Split”, diz Scheidt. “O clima está quente, com ventos médios, uma condição muito boa. Torço para que continue assim. O importante é manter um desempenho regular na primeira fase, já que não podemos ter mais de um resultado ruim em cada etapa. No ano passado, por exemplo, a disputa só foi definida nos últimos metros da última regata.”

Como em 2013, quando Scheidt foi o vice-campeão do Europeu em Dublin, o campeonato terá 12 regatas para a classe Laser, divididas entre a fase classificatória e a fase final. Os dois piores resultados poderão ser descartados, mas apenas um em cada etapa. “Vou lutar pelo pódio, mas sem uma grande pressão, porque nem sou europeu. A competição é importante para ajustar detalhes da minha velejada, como preparação para o Mundial, em setembro, meu principal objetivo”, lembra Scheidt, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

Scheidt vence a medal race e é campeão da Semana Olímpica de Garda Trentino; Fontes é 7o

Principal atleta olímpico do País confirmou a liderança na competição italiana e venceu a regata decisiva adquirindo ainda mais confiança para o Mundial de Laser

Scheit garantiu mais um título em casa

Scheidt garantiu mais um título em casa

São Paulo -Robert Scheidt fez prevalecer o fator casa e não deu chances aos adversários na Semana Olímpica de Garda Trentino, disputada próximo à sua residência às margens do Lago de Garda, na Itália, onde costuma treinar. O bicampeão olímpico venceu a medal race, regata decisiva com os dez melhores, e viu seus adversários diretos, Jean Baptiste Bernaz (FRA) e Nick Thompson (ING), chegarem apenas em sétimo e sexto lugares, respectivamente.

Scheidt viveu uma semana de muita inspiração, apresentando o retrospecto de cinco vitórias em dez regatas, cruzando sempre a linha de chegada entre os dez primeiros. Na prova decisiva, o vento passou de 15 nós (30 km/h), o que permitiu que o brasileiro fosse ainda mais veloz do que os rivais tanto nas pernas de contravento, quanto no vento em popa. A superioridade é nítida na pontuação. Scheidt perdeu apenas 19 pontos, contra 40 do vice Jean Baptiste e 43 de Nick Thompson, que completou o pódio.

“O campeonato terminou da melhor forma possível. Ganhei a medal race e levei o título. O dia foi espetacular, com ventos fortissimos”, comemorou Scheidt que conseguiu cumprir à risca a estratégia que já estava traçada desde a véspera. “Realizei boa largada o que permitiu que eu conseguisse permanecer à frente do francês e do inglês, mesmo sem liderar. Na penúltima montei a boia em terceiro e logo em seguida assumi a liderança”.

O ganhador de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze), além de 14 títulos mundiais entre Laser e Star, considerou a conquista em Garda, como uma recuperação de confiança. “Estou muito contente com esta vitória porque fiquei fora do pódio nas duas últimas competições, em Palma de Mallorca (ESP) e Hyères (FRA). Traz mais confiança para os próximos eventos, preparatórios para o Rio-2016”.

O catarinense Bruno Fontes, que ficou em segundo na medal race, ficou com o 7o lugar geral. “Mais uma vez fui bem na Medal Race e consegui terminar o evento na parte de cima. Sempre fica um gosto de quero mais quando se chega perto de uma medalha, mas o caminho está sendo bem traçado para o Mundial de Santander, que é o principal evento do ano. Até lá tem mais duas competições pela frente então é tempo de acertar todos os detalhes nestes últimos três meses para tentar o melhor lá na frente”, disse Bruno.

Após a competição italiana, válida pela primeira etapa da Eurosaf Champions Sailing Cup, o Mundial de Vela de Santander, em setembro, na Espanha, é o principal objetivo de Scheidt e Prada, junto com o Evento-Teste para os Jogos de 2016, em agosto, no Rio de Janeiro. Seguindo sua preparação para os dois principais torneios do ano, Scheidt, que é patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela, permanece na Itália, treinando no Lago de Garda até 2 de junho, quando segue para o Campeonato Europeu, na Croácia. Já Fontes disputa o Americano, na Califórnia. “O Mundial de Santander com certeza é a prioridade para este ano, mas não podemos esquecer que o evento teste na raia dos Jogos também é uma competição de extremo valor, pois devemos ter muitos competidores que estarão nas Olimpíadas por lá na época da competição”, encerra Bruno, que tem o patrocínio da Unimed, CBVela, Marinha do Brasil, Governo do Estado do Paraná e AGE do Brasil e conta com o apoio do do COB – Comitê Olímpico Brasileiro.

Classificação final após nove regatas e um descarte
1. Robert Scheidt (BRA) – 19 pontos perdidos (2+1+4+1+1+[10]+3+4+1+2)
2. Jean Baptiste Bernaz (FRA) – 40 pp (4+4+5+2+2+[6]+5+1+3+14)
3. Nick Thompson (GBR) – 43 pp (1+10+1+7+1+7+2+[29]+2+12)
4. Alessio Spadoni (ITA) – 62 pp (3+4+5+10+4+[18]+3+2+5+16)
5. Juan Ignacio Maegli (GUA) – 67 pp (1+[41]+12+3+19+1+12+3+8+8)
6. Julio Alsogaray (ARG) – 74 pp (9+14+2+1+9+4+[41]+25+4+6)
7. Bruno Fontes (BRA) – 77 pp (11+5+8+9+6+17+[25]+7+10+4)
8. Sam Meech (NZL) – 80 pp (14+7+3+7+3+12+4+[24]+12+18)
9. Anthony Munos (FRA) – 80 pp (9+13+6+2+7+5+10+8+[23]+20)
10. Milivoj Dukic (MNE) – 88 pp (4+5+6+8+7+[34]+18+21+9+10)

Com informações das assessorias de Robert Scheidt e Bruno Fontes

Scheidt compete em casa na Semana Olímpica de Garda

Maior atleta olímpico brasileiro tem como trunfo a familiaridade com o local da competição, que começa nesta quarta-feira (7)

Scheidt compete "em casa", em Riva del Garda

Scheidt compete “em casa”, em Riva del Garda

São Paulo – Robert Scheidt enfrentará seu próximo desafio num cenário bem familiar. A partir desta quarta-feira (7), o maior atleta olímpico brasileiro disputará a Semana Olímpica de Garda Trentino, no Lago de Garda, próximo do local onde mora com a esposa e os dois filhos. Válida como primeira etapa da Eurosaf Champions Sailing Cup, a competição é a única da Itália no calendário dos velejadores em campanha para os Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro, em 2016

“Apesar de ter feito muito mais treinos do que regatas, por aqui, conheço muito bem o local. Essa familiaridade pode, sim, ser útil na competição”, espera Scheidt. Em um de seus primeiros “testes” na volta à Laser, em março do ano passado, o velejador venceu a Laser Europa Cup, em Garda, com primeiro lugar em todas as regatas.

Dono de cinco medalhas olímpicas (dois ouros, duas pratas e um bronze) e 14 títulos mundiais, entre Laser e Star, Scheidt deve reencontrar em Garda seus principais adversários. “A flotilha da Laser deve ser forte, mas nem tanto quanto na última etapa da Copa do Mundo, em Hyères”, aponta o velejador, destacando o time australiano, que conta com nomes como Tom Burton, vencedor da competição francesa, Mathew Wearn e Ashley Brunning, além de neozelandeses como Andy Maloney e os anfitriões, os italianos Francesco Marrai, Alessio Spadoni, Marco Gallo e Giovanni Coccoluto.

A Semana Olímpica de Garda Trentino seguirá o formato dos eventos olímpicos, com 12 regatas, distribuídas entre as fases classificatória e final, mais a medal race, no domingo (11), valendo pontos dobrados. Para a Laser, a previsão é de três regatas por dia, a partir das 12 horas (7 horas em Brasília). “Será importante, depois de largar bem, manter uma boa estratégia para garantir o pódio”, prevê Scheidt, patrocinado pelo Banco do Brasil, Rolex e Deloitte, com os apoios de Audi, COB e CBVela.

Da assessoria

%d blogueiros gostam disto: