Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Rolex Fastnet Race’

Fastnet: Spindrift é fita-azul enquanto Esimit Europa 2 é o mais rápido entre os monocascos

Esimit Europa 2 foi o campeão entre os monocascos

Esimit Europa 2 foi o campeão entre os monocascos

 

A Rolex Fastnet Race, uma das mais tradicionais regatas oceânicas do mundo largou no último domingo de Cowes, na Inglaterra. Trinta e oito horas, 53 minutos e 58 segundos depois o maxitrimarã Spindrift cruzava a linha de chegada em Plymouth, garantindo a fita-azul.

“O momento decisivo foi o final. Chegando no mar da Irlanda estávamos bem perto do Banque Populaire VII. Em alguns momentos ele até ficaram na nossa frente, porém, como sempre, as duas últimas milhas foram o ponto chave da regata. Estávamos bem ansiosos por conta do vento fraco”, disse Yann Guichard, co-skipper do barco.

Nesta quarta-feira pela manhã, depois de 60, 27 minutos e 49 segundos foi a vez do Esimit Europa 2 cruzar a linha de chegada e garantir o título entre os multicascos. Apesar disso, o recorde da regata permanece intacto e ainda é do Azzam, o VO70 do Team Abu Dhabi, que irá disputar novamente a Volvo Ocean Race.

 

 

Joca Signorini disputa a Rolex Fastnet Race

 

Neste domingo começou a Rolex Fastnet Race, uma das mais tradicionais regatas oceânicas do mundo. E o Brasil está muito bem representado com Joca Signorini, que faz parte da equipe SCA, 100% feminina, que disputará a Volvo Ocean Race. Ele é o responsável por escolher as velejadoras e na Fastet está passando um pouco da sua experiência em volta ao mundo para as atletas que já foram escolhidas.

O corpo-técnico do SCA conta também com outros dois atletas que fizeram a história da Volvo Ocean Race, como Pepe Ribes e Brad Jackson. “A gente tenta passar essa experiência para as meninas. Acreditamos que elas serão cada vez melhores e poderão continuar se desenvolvendo a cada dia. Normalmente, uma tripulação com pouca experiência consegue ganhar mais”, disse Joca Signorini.

“Eu acho que elas estão bastante satisfeitas, pois têm trabalhado muito a parte física, já que estes barcos exigem muito, principalmente quando você compara  homem e mulher”, explicou Joca Signorini.

As candidatas aspirantes selecionadas para a competição são Annemieke Bes (Holanda), Klaartje Zuiderbaan (Holanda), Sarah Lihan (EUA) e Justine Mettraux (Suiça). As titulares que já confirmaram presença na edição 2014-15 da Volvo Ocean Race também terão aprova de fogo em águas britânicas. São elas: Carolijn Brouwer (Holanda), Sam Davies (Grã-Bretanha), Annie Lush (Grã-Bretanha), Sophie Cizcek (Austrália) e Liz Wardley (Austrália).

Rolex Fastnet Race larga neste domingo de Cowes

Carlo Borlenghi registrou a largada de 2011

Carlo Borlenghi registrou a largada de 2011

A 43ª edição da Rolex Fastnet Race larga neste domingo de Cowes, na Inglaterra, com um recorde de 347 inscritos, de 20 países. Como é de se esperar, os barcos maiores são os favoritos a ganhar a fita-azul, porém o Volvo Open 70 Abu Dhabi, atual detentor do recorde, também estará na linha e promete incomodar os máxis Icap Leopard e Esimit Europa 2. Dentre os multicascos, destaque para o Spindrift 2, de 131 pés, o maior barco da regata.

Serão oito largadas diferentes a partir das 11h50 (horário local). De lá os barcos percorrerão 600 milhas até a chegada em Plymouth, passando pelo legendário farol de Fastnet. Para seguir a regata, acesse www.rorc.org


Velejador brasileiro do Boteco 1 disputará a Rolex Fastnet Race

Armando Faria é velejador conhecido no mundo das regatas – ganhou a terceira etapa da SOL Global Challenge, terminando em terceiro geral – e por estar inscrito no site Sail On Line, acabou sendo convidado para disputar uma regata real: a Rolex Fastnet Race.

Sem muita experiência offshore (em regatas reais, claro!), acabou entrando na reserva da equipe mas, por sorte do destino, dois titulares acabaram desistindo e ele foi convocado. Serão sete tripulantes a bordo do Jubilant, um Moody S38:um italiano que mora na Alemanha, um queniano que mora nos EUA, um inglês que mora nas Bermudas, três ingleses e Armando, o representante do Brasil e do Boteco 1. Aliás, foi graças aos amigos Boteco 1 que ele conseguiu cobrir os custos da viagem dos sonhos de qualquer velejador.

“No início era só para uma regata, ficar na reserva, e colaborar com a qualificação do barco. A condição básica para entrar na tripulação era participar nas regatas virtuais do SOL e ter alguma experiência off-shore.

Juntei alguns bons motivos (conhecer a Inglaterra e uma galera do SOL, estar com o meu filho Rodrigo e, de quebra, participar em uma das regatas de qualificação para a Fastnet) e fui. A ideia inicial era conhecê-los e me candidatar à Fastnet de 2015, ano em que completo 50 anos, mas o Comandante Maior quis que eu participasse esse ano. Logo após a regata que participei, um dos tripulantes desistiu e eu fui o primeiro escolhido, entre os quatro reservas que a campanha tem. Eu que pensei em plantar para 2015, tive a felicidade de ser convidado, ou melhor seria dizer, convocado, para correr este ano”, comemora ele.

Rolex Fastnet Race tem recorde de inscritos

Largada da edição 2011 da Rolex Fastnet Race

Largada da edição 2011 da Rolex Fastnet Race

Uma das mais tradicionais regatas do mundo, a Rolex Fastnet Race chega a sua 45ª edição com número recorde de inscritos. No próximo dia 11 de agosto 380 barcos estarão na linha de larga em Cowes, na Inglaterra. Estarão a bordo representantes de 20 países, dos cinco continentes. E diversos barcos tentarão quebrar o recorde da regata, de 42 horas e 38 minutos, estabelecido em 2011 pelo VO70 Abu Dhabi. Ele próprio disputará a regata para tentar assegurar mais uma vitória.

Rolex Fastnet Race atinge o limite de inscrições em 24 horas

Veleiros contornam a mítica pedra de Fastnet

Veleiros contornam a mítica pedra de Fastnet

Como já estava previsto, as inscrições para a Rolex Fastnet Race chegaram ao limite em apenas 24 horas. Quem ainda estava pensando se iria participar da competição vai ter que esperar a próxima edição, já que 300 barcos confirmaram a sua participação. “Estamos felizes que a regata seja tão popular e que todas as vagas tenham sido preenchidas tão rápido, desta vez mais rápido do que nunca”, disse Nick Elliott, gerente do Royal Ocean Racing Club.

Fastnet Race bate recorde de inscritos

A Rolex Fastnet Race será disputada dia 11 de agosto, mas já bateu recorde de participantes. As inscrições começaram às 12h desta terça-feira e às 12h01 20 barcos já haviam confirmado participação. Nove minutos mais tarde o número aumentou para 121 e às 16h30 já estava em 235. Em 2011 foram necessários 10  dias para completar o limite máximo de 300 barcos.

WSSR Council reconhece recordes do Abu Dhabi e Banque Populaire na Fastnet

O World Speed Sailing Record Council reconheceu mais duas quebras de recorde, durante a Rolex Fastnet Race deste ano. A equipe Abu Dhabi, de Ian Walker, foi a mais rápida entre os monocascos a completar a regata, levando 1 dia, 18 horas e 38 minutos para completar o percurso de 595 milhas náuticas. A velocidade média foi de 14 nós. A equipe estará na próxima Volvo Ocean race, que larga agora em outubro, de alicante, na Espanha.

Entre os multicascos o WSSR Council reconheceu o trimarã de 105 pés Banque Populaire 5 também como o mais rápido no mesmo percurso. A equipe comandada por Loick Peyron levou 1 dia, 8 horas, 48 minutos e 46 segundos para completar a regata, com uma velocidade média de 18,1 nós.

Navegador do Rambler 100 conta como foi o resgate após o barco capotar na Fastnet

Na última segunda-feira, dia 15, o Super Maxi Rambler 100, perdeu a quilha e capotou pouco depois de rondar o farol de Fastnet durante a Rolex Fastnet Race. Faltavam apenas 265 milhas para a chegada da regata em Plymouth, na Inglaterra, quando a quilha do barco quebrou, fazendo com que em poucos segundos o barco de 100 pés ficasse de ponta-cabeça. O navegador Peter Isler, que estava dentro da cabine, contou em entrevista ao site Sailing Scuttlebutt que a tripulação conseguiu ser salva graças à tecnologia. Todos a bordo estavam usando colete salva-vidas no momento do acidente e rapidamente ele acionou o EPIRB que levava no bolso.

Levou aproximadamente três horas até que duas embarcações pudessem encontrar a tripulação. Segundo Isler, os três VO70 e o Icap Leopard passaram bem perto deles, sem vê-los. Mesmo os socorristas demoraram cerca de 45 minutos para localizar o barco, depois que chegaram na área do acidente devido a uma forte chuva. A visibilidade local era de menos de 3/4 de milha. Nesta hora, a maior preocupação era encontrar e resgatar cinco tripulantes que caíram na água e, por sorte, permaneceram juntos.

Nenhum tripulante se machucou, apenas Wendy Touton, esposa do dono do barco, teve que ser levada de helicóptero a um hospital por estar com hipotermia. Na chegada ao Baltimore Sailing Club os 20 tripulantes foram recebidos com um belo jantar e roupas secas.

Veja a entrevista do skipper Erle Williams na chegada ao clube clicando aqui. Para ler o relato completo de Peter Isler, clique aqui.

Rambler capota e Banque Populaire e VO70 árabe batem recordes na Fastnet Race

O Rambler perdeu a quilha e capotou

A edição 2011 da Rolex Fastnet Race foi cheia de acontecimentos. Depois de contornar ‘a pedra’  o maxi Rambler, de 100 pés, perdeu a quilha basculante e capotou. A Marinha agiu rápido e resgatou os 21 tripulantes. Mas as emoções da regata de 86 anos não pararam por aí!

Loic Peyron não pode dizer que sofreu. O skipper francês do Banque Populaire bateu o recorde da regata, completando o percurso em apenas 1 dia, 8 horas e 42 minutos. Sua velocidade média foi de 18,5 nós. O recorde anterior era de 1 dia, 16 horas e 27 minutos, estabelecido por ele mesmo, a bordo do Fujicolor, em 1999.  Na semana passada, Peyron estava em Cascais disputando a America´s Cup World Series como skipper do Energy Team.

Já nos monocascos, o time árabe de Abu Dhabi, liderado pelo irlandês Ian Walker não fez por menos em águas celtas, venceu a disputa ‘interna’ com os outros dois VO70 presentes e ainda bateu o recorde de monocasco da prova por mais de uma hora . O Azzam, desenhando por Bruce Farr,  que quer dizer determinação em árabe, chegou 6 minutos à frente do Groupama 4, de Franck Cammas, e mais de uma hora antes do Sanya, barco chinês – na verdade o antigo Telefônica Azul -, timoneado por Mike Sandersosn. Detalhe: os 3 VO70 chegaram abaixo do tempo do recorde anterior, do ICAP Leopard de 1d,20h,18m. A volta ao mundo promete!

Fui!

%d blogueiros gostam disto: