Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Scheidt’

Scheidt e Maguila lideram finais da Star Sailors League SSL nas Bahamas. Lars/Samuca em 11º e Torben/Madá em 23º.

328069_755698_sslnassau_dia2x.jpg

Alemão e Maguila em primeirão. Tá muito bão!!

Em busca do segundo título da SSL Finals, o bicampeão olímpico Robert Scheidt segue velejando de forma consistente nas Bahamas e mantém a liderança da competição após quatro regatas disputadas nesta quarta-feira (6), no Nassau Yacht Club. Ao lado do proeiro Henry Boenning, o Maguila, conseguiu um 11º, 4º, 3º e 6º lugares e, com essa regularidade, segurou a ponta na classificação geral, agora com 18 pontos perdidos (contando o descarte do pior resultado). Nesta quinta-feira (7), a fase decisiva da Star Sailors League prossegue com mais quatro corridas.

A regularidade para velejar sempre entre os líderes é a maior arma de Scheidt na SSL Finals, que reúne alguns dos melhores velejadores do planeta em uma disputa acirrada e de alto nível. Mesmo sem cruzar em primeiro em nenhuma das seis regatas disputadas até agora (no primeiro dia fez um 2º e um 3º lugares), o brasileiro mantém uma diferença de dois pontos para a dupla segunda colocada, formada pelos norte-americanos Mark Mendelblatt e Brian Fatih (18 a 20). Na terceira posição aparece Paul Cayard/Phil Trinter, também dos Estados Unidos, com 25 pontos perdidos.

Mesmo com o bom desempenho, Scheidt revele não ter tido um dia de facilidades em Nassau nesta quarta-feira, especialmente com a queda na velocidade do vento. “O mais importante foi termos conseguido evitar erros mais graves. Mantive-nos entre os primeiros, velejando sempre ao lado dos italianos e dos norte-americanos, mas foi difícil manter a concentração durante quatro regatas e com o vento perdendo intensidade. Superamos as dificuldades com o nosso entrosamento. A quinta-feira será um dia importantíssimo”, explicou o bicampeão olímpico de 44 anos, que tem patrocínio do Banco do Brasil e Rolex e apoio do COB e CBVela.

Além de Scheidt e Boenning, o Brasil conta com mais seis velejadores na SSL Finals. Além das duplas Torben Grael/Guilherme Almeida (23º geral) e Lars Grael/Samuel Gonçalves (11º geral), os proeiros Bruno Prada (velejando com o suíço Freddy Loof, em 10º geral) e Arthur Lopes (formando dupla com o alemão Hubert Merkelbach, em 20º) completam a lista. Amanhã tem mais! E ao vivo no: https://youtu.be/33wixMameEc

Murillo Novaes (Com ZDL)

Resumito: terceiro dia em Weymouth tem vitória de Scheidt e Prada e irlandesa 100% na Laser Radial.

E o aniversariante, Bruno Prada, ganhou presentinho hoje! Ele e Robert venceram a segunda regata do dia!

Boa tarde olimpizado amigo! Eis que no meio desta campanha eleitoral – aos que não sabem, sou verdinho nº 43 e um dos (ir)responsáveis pela campanha de Aspásia à prefeita do Rio–,  vamos transmitindo direto do covil atlântico do Posto 6 com as últimas deste terceiro dia de batalha naval em águas da Mancha. E que dia!!

Na terça-feira nublada, cinza, fria e ventosa, ou seja, um belo dia de verão inglês, nossas estrelas de 5ª grandeza, na gloriosa classe Star, Robert Scheidt e Bruno Prada, este último soprando as velinhas (nos dois sentidos) hoje, fizeram bonito depois de uma segunda-feira ontem com cara de… Segunda-feira!

Os marujos bandeirantes simplesmente mandaram um 2º e um 1º (contra um 1º e um 2º dos rivais britânicos) e se mantiveram na vice liderança do certame olímpico de Weymouth e cercanias. Hoje entrou o primeiro e único descarte da série de 10 regatas e Iain Percy  e Andrew Simpson (GBR) com 10 pontos perdidos lideram. Nossa dupla de ouro (tomara!) possui 14 pontinhos e está na cola dos ingleses que faturaram o ouro de Pequim há quatro anos, deixando o argento chinês para “nossotros”.

Os suecos Fredrik Loof  e Max Salminen, com 17 pontos, também estão no páreo. Já Eivind Melleby  e Petter Pedersen (NOR), com um 16º e um 11º hoje, têm agora distantes (na classe Star…) 29 pontos e estão empatados com os poloneses de sobrenomes indizíveis. Em quarto e quinto, respectivamente. Amanhã rola descanso no istmo de Portland para as estrelas e quinta e sexta-feira o bicho volta a pegar geral. Não saia daí!!

Hoje, lá no temporário olimpo aquático do sul da Inglaterra, rolou a estreia do windsurfe. Aquela modalidade que os gênios da Isaf conseguiram tirar do Rio 2016. Na RS:X masculina, nosso sempre favorito, campeão mundial, ouros pan-americanos, et caetera, Ricardo “Bimba” Winicki, começou em posições medianas. Com um 14º e um 9º, o bimbástico buziano está em 13º lugar de 38 atletas.

O neerlandês Van Rijsselberge (caraca!!) venceu as duas e lidera tudo. Legal que o polonês e o alemão foram segundo e terceiro nas duas de hoje e completam, assim, simetricamente, a zona de pódio neste primeiro dia das pranchas másculas.

Já a gatalhada da RS:X feminina também estreou. E quem estava ligado (www.murillonovaes.com, Face, Twi) acompanhou a primeira-dama do Jorginho, Patrícia Freitas, mandar dois 13ºs para ficar em 14º de 26 pranchistas. A espanhola Marina Alabau, com um 2º e um 1º, lidera. Israel e Polônia completam a trinca de cima da tabela. Amanhã rolam mais duas regatas para homens e mulheres windsurfistas de meu deus Zeus. Estaremos ligados!!

Por falar em Jorginho, o frio não fez muito bem a nossa criança olímpica da classe Finn. Fora o risco de ficar gripadinho (Menino, você levou um casaco?) a cria do clã Zarif sofreu um 24º (último…) na segunda do dia e com o 16º da primeira de hoje, soma 86 pontos perdidos para ocupar a 20ª colocação geral.

No entanto, é lá nos píncaros da glória do topo da súmula, que a coisa está quente. O irado (sacou?) ídolo inglês Ben Ainslie, que entrou nos jogos com um casaquinho anti-homofobia à la Elton John acendendo a pira de Weymouth e as esperanças de ser o maior de todos os tempos, com sua 4 medalhas (3 de ouro), está sofrendo.

Quem inflige a punição a Sir Charles Benedict Ainslie, Carlos Benedito para os íntimos, é o dinamarquês Jonas Høgh-Christensen, bi-mundial de Finn e tufão monçônico nestes jogos que, neste começo do segundo tempo, já tem: três primeiros, dois segundos e um sétimo, devidamente descartado.

Com 7 pontos perdidos, Jonas está com 10 pontos de vantagem sobre o inglês. Em terceiro, com 23 pontos, está Jonathan Lobert, da França. Mas muita água ainda vai passar debaixo destas quilhas na quinta e sexta-feira, já que amanhã é day off para as feras. Veremos!!

Analise bem a lei de Murphy. A irlandesa Annalise Murphy venceu, até agora, as quatro regatas que disputou. É o melhor desempenho de toda a Vela de flotilha até agora em Londres 2012.

Nos laseres hoje foi dia de duas regatas também, para machos e fêmeas. Com quatro completadas ainda não entrou o descarte, mas já dá para tirar algumas conclusões. A mais fácil: a irlandesa Annalise Murphy, de 22 anos, é a maior estrela da Vela nos jogos até agora. A moça simplesmente ganhou quatro de quatro regatas na Laser Radial!

A mãe de Murphy, Cathy McAleavey esteve nos jogos de Seul 1988 na classe 470, onde foi treinada por seu marido, o assediante pai de Annalise, Con Murphy. Papai também foi comodoro do Iate Clube Nacional, em Dun Laoghaire, uma verdadeira fábrica de jovens velejadores de alto nível e… Voilà! Eis a pequena Murphy enchendo de orgulho a terra dos duendes.

Nossa veterana Adriana Kostiw, com um 27º e um 31º hoje, está em 21º geral de 41 barcos. Fechando as posições de medalha no Laser Radial, temos Evi van Acker da Bélgica e a então favorita, Marit Bouwmeester, da Holanda. A primeira-dama do Star nacional, a senhora Gintarė Volungevičiūtė Scheidt, medalhista olímpica de prata da Lituânia em 2008, com um 9º e um 10º hoje, está em 7º geral. Isso que, entrementes, ela pariu o germano-brasuco-lituano Erik, de 3 anos. Fera!

Entre os homens, Bruninho Fontes fez o que pode hoje na Laser Standard. Na primeira do dia, ele, que havia tirado um segundo lugar ontem, mandou um bom 12º na enorme flotilha (a maior do evento) de quase 50 barcos. Já na segunda prova, a quarta da série de 10, nosso amigo fez um 19º. Com isso, ele está quase Top10, em 11º geral com 50 pontos.

O líder e favorito Tom Slingsby (AUS), se manteve no topo com 11 pontos perdidos (2º e 6º hoje), mas quem brilhou foi o cipriota Pavlos Kontides, vencedor das duas regatas desta terça-feira e vice-líder com 15 pontos. Em terceiro está o sueco Rasmus Myrgren com 25 pontos. Amanhã tem mais duas. Força na peruca, Bruninho!!

Nas desbrasucadas classes meio sem graça (brincadeira…) a coisa andou hoje também. No festival de capotagens do 49er quem sobreviveu e lidera após 4 regatas é a dupla australiana. Ainda na Oceania, os neozelandeses estão em segundo e os dinamarqueses em terceiro. Nossos patrícios Xico Rebello de Andrade e Bernardo Freitas permanecem em quarto geral e bem na briga pela medalha portuguesa. Bonita festa, ó pá!

No match race feminino, Olivia Price e suas asseclas correram 6 e venceram os 6 matchs para liderar o “todos contra todos”, vulgarmente conhecido como Round Robin (em tradução livre: à volta do rouxinol. Bobagem!). As Espanholas e Russas com apenas uma derrota cada, completam o topo da tabela. Lá no fim, ainda zeradas, portuguesas e suecas. Olímpiada é fogo na roupa, pipol!!

Amanhã eu volto e relembro que no feici, no tuíti e no www.murillonovaes.com rola toda manhã o boia a boia das regatinhas olímpicas (na medida do possível!). E nos canais do Manza Sailing Communications International Incorporated você encontra, sempre, é claro, o melhor da Vela no planetinha azul.

Fui!! Mas para seu desespero, eu volto…

 Murillo Novaes

 

 

Resumito: no segundo dia olímpico, Robert e Bruno sofrem, Fontes começa bem e Ainslie se preocupa.

A rapadura é doce, mas não é mole não. No Star os detalhes fazem a diferença. Mas com dois pontos atrás, Robert e Bruno ainda estão completamente no páreo. Vamos torcer!!

Olá querido amigo e mais que querida amiga, neste retorno extemporâneo das Manza News na sua caixinha todo dia, no velho formato do começo do século, vamos informando o que de melhor aconteceu hoje em Weymouth/Portland nos jogos londrinos do ano 12 deste milênio.

Nossas estrelas do Star (pleonasmo multilíngue?), Robert Scheidt e Bruno Prada, também conhecidos como “os caras”, fizeram um 9º e um 6º (entre 16 barcos) hoje e, por um pontinho, deixaram a zona de pódio. Eles ocupam a 4ª posição geral do torneio olímpico com 20 pontos.

Já os rivais, pela ordem, Iain Percy  e Andrew Simpson (GBR) lideram com 18 pontos,  Eivind Melleby  e Petter Pedersen (NOR) também têm 18 pontos  e os suecos Fredrik Loof  e Max Salminen têm 19. Uma constelação!! E a Isaf tirou o Star do Rio 2016… Mas isso é outro papo.

Amanhã estão previstas mais duas regatas para as classes Star, Finn, 49er, Laser, Std. e Radial, e a continuação do Round Robin (o todos contra todos) do match feminino. Com a quinta prova de cada classe entrará o primeiro e único descarte da série de 10 regatas previstas antes da prova final, a Medal Race.  No 49er é diferente porque são 15 regatas… Mas prossigamos.

A classe Finn também vai ter a quinta e sexta regatas corridas amanhã (descarte entrando também, claro). Jorginho Zarif, nosso menino-prodígio fez hoje o mesmo que ontem: um 15º na primeira do dia e um 20º na segunda e agora ocupa a 19ª colocação geral de 24 barcos.

Quem está roubando a cena e dando dor de cabeça no super ídolo inglês Ben Ainslie – que rivaliza com Robert e Torben pelo cume da vela olímpica mundial –, é o dinamarquês Jonas Hogh-Christensen. O danês tem 11 pontos contra 19 de Jonathan Lobert (FRA) e 22 de Ainslie. Pegado!!

Detalhe: o croata, o holandês e o esloveno também têm 22 pontos perdidos no Finn. Briga bonita no monotipo monoposto mais técnico de todos! Saudades do “Meu Finn”. Enfim… Essa foi podre! Podrin…

Já nos laseres rolou hoje a estreia de dois brasucas. Bruno Fontes, no Standard e Adriana Kostiw, no Radial. Ambos começaram bem a batalha naval nas águas da Mancha. Com um 11º e um 15º , Adriana está em 12º geral de 41 meninas. A liderança é da irlandesa Annalise Murphy.

Entre os homens, Bruninho começou tendo que se recuperar de uma largada ruim e cravou um 17º entre 49 barcos. Já na segunda do dia, o “catarinaquático” mandou bem e chegou em segundo para terminar o primeiro dia em 8º, com 19 pontos. O líder e favorito Tom Slingsby (AUS), tem 11 pontos perdidos. Força, Bruno!!

Nas classes desbrasucadas, ou seja, aquelas em que não há tupiniquins, a coisa também está intensa. No 49er a dupla dinamarquesa Norregaard/Lang lidera após duas regatas hoje. O nossos patrícios Francisco Rebello de Andrade e Bernardo Freitas estão em quarto geral para alegria dos tugas de plantão. Alô terrinha!! Começaram bem!

No match race feminino, onde não há as mais gatas de todas, as brasileiras, claro, todas as 12 equipes já correram quatro matchs cada uma. E as Russas e Australianas são as únicas que continuam 100%. Espanha e Holanda vêm logo atrás com um match perdido cada. Dinamarca, Portugal e Suécia ainda não viram a cor da vitória. Acontece.

Bem, como estava escrito no Pernalonga da minha infância: that’s all folks!

Amanhã eu volto e já lembro que no feicibuqui, no tuíter e aqui no www.murillonovaes.com (tudo integrado) estou transmitindo as regatas boia a boia, na medida do possível. Na Rede Manza de Comunicações você também encontra, claro, o melhor do planetinha Vela. Fui!!

Murillo Novaes

Robert e Bruno fecham 1º dia em Londres na frente. Jorginho estreia também.

E o alemão continua na sua baladinha de sempre: à frente! Robert e Bruno são um orgulho para o esporte brasileiro!!

A nossa dupla sino-prateada e tri-mundial de Star começou a competição olímpica de Vela muito bem. Com uma regata de recuperação na primeira prova do dia (ventos de 11 nós, WSW 260º) quando uma super rondada fez os franceses subirem 14 posições, a dupla brasuca Robert Scheidt e Bruno Prada se segurou bem e ainda subiu para a 4ª posição, fechando a regata ali mesmo e vendo os arquirrivais ingleses Percy/Simpson em 11º.

Na segunda regata deste domingo (16 nós SW 230º), os caras arrebentaram e já na segunda boia estavam liderando, com os ingleses sempre nos calcanhares. A chegada foi emocionante! Os dois barcos cruzaram a linha tão juntos que os juízes chegaram a mudar o resultado duas vezes! No entanto, ao fim prevaleceu a dupla de Pindorama e nossa bandeira pode tremular, ao menos até as duas próxima regatas, amanhã, no mais alto dos mastros.

 

 

 

Assim como o Star, a classe Finn também teve duas regatas hoje em Weymouth. Jorginho Zarif, o mais jovem atleta de toda a delegação brasileira em Londres 2012, com um 15º e um 20º ocupa a 18ª colocação. Já os ponteiros foram iguaizinhos: primeiro, segundo e terceiro nas duas regatas. Pela ordem: Christensen (DEN), o bicho-papão Ben Ainslie (GBR) e Gaspic (CRO) são os três primeiros.

No Match Race Feminino, onde não há nave tupiniquim, Austrália, Espanha e Rússia lideram com duas vitórias em dois matchs corridos. Amanhã teremos a estreia dos Laseres, Standard e Radial, e do 49er (Onde não há Brasil). Finn, Star e Match Race continuam também. Fiquem ligados!!

Fui!!

Scheidt e Prada lideram o Hemisfério de Star

Fred 'Sempre Ele' Hoffmann estava lá na cara dos caras... Bonito!

Robert e Scheidt e Bruno Prada seguem na liderança do Star Class Southern Hemisphere Championship, no Rio de Janeiro. Neste domingo, a dupla venceu a única regata do dia, somando 3 pontos perdidos. Lars Grael e Samuel Gonçalves, quintos colocados neste domingo, seguem na vice-liderança da classificação, com 9. Na competição, Scheidt e Prada fazem o último treino em disputa para o Mundial de Perth, na Austrália, em dezembro, em que vão lutar pela vaga brasileira da classe Star para os Jogos Olímpicos de Londres, em 2012.

O vento, que estava fraco no início da regata, aumentou bastante durante a prova, com a entrada de uma frente fria, e oscilou entre 20 e 25 nós. Os velejadores permaneceram na água, esperando que as condições melhorassem, mas por fim a comissão de regatas decidiu cancelar a segunda prova do dia.

“Para nós, é até bom disputar algumas regatas no limite, porque são essas condições de vento que vamos encontrar na Austrália”, disse Scheidt. “Mas há barcos mais leves que o nosso na competição e não se pode desprezar o risco de quebra.” A dupla olímpica do Canadá, Richard Clarke e Tyler Bjorn, teve de abandonar a regata de estreia, neste sábado, pela quebra de uma peça do mastro, em condições de vento mais favoráveis.

Mesmo com a realização de apenas uma regata, a disputa foi intensa. “Os canadenses ficaram na liderança por quase toda a prova”, contou Scheidt. “Conseguimos nos aproximar no fim e só ultrapassamos praticamente na linha de chegada.” Para Prada, quanto mais disputa, melhor. “A briga com eles foi bem legal. Encontrar adversários difíceis é bom, afinal, estamos treinando para o Mundial.”

Estão programadas oito regatas para o Star Class Southern Hemisphere Championship, com largada prevista sempre para as 13 horas. Para a competição ser considerada válida, quatro regatas devem ser completadas. A partir de quatro regatas completadas, os velejadores terão direito ao descarte do pior resultado.

Classificação geral após três regatas:
1º- Robert Scheidt e Bruno Prada, Brasil, 3 pontos perdidos (1+1+1)

2º- Lars Grael e Samuel Gonçalves, Brasil, 9 pontos perdidos (2+2+5)
3º- Marcelo Fuchs e Ronaldo Seifert, Brasil, 11 pontos perdidos (3+4+4)
4º- Alessandro Pascolato e Henry Boening, Brasil, 12 pontos perdidos (4+5+3)
5º- Arcélio Moreira e Júlio Falcão, Brasil, 18 pontos perdidos (5+6+7)
6º- Richard Clarke e Tyler Bjorn, Canadá, 18 pontos perdidos (13+3+2)

Da assessoria de imprensa

%d blogueiros gostam disto: