Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Veleiros do Sul’

Regatas de Monotipos e Oceano marcaram os 81 anos do Veleiros do Sul

Monotipos (Ricardo Pedebos)

Ricardo Pedebos capturou o merrecol no Guaíba entre os monotipos, antes da tempestade no sábado.

Oceano (Ricardo Pedebos)

Mas Pedebos também registrou os bons ventos para os veleiros de Oceano em Porto Alegre no domingo.

As classes de monotipo foram para a raia no último sábado (12) para festejar os 81 anos do Veleiros do Sul. O clima extremo marcou a velejada comemorativa, com sol a pino e temperatura alcançando os 36,2°C em Porto Alegre. As largadas estavam marcadas inicialmente para as 14h, mas o vento fraco apareceu somente por volta das 17h cessando a espera. No final da regata, um temporal de vento forte surpreendeu os velejadores ainda em competição. Ao cruzarem a linha de chegada, os velejadores foram premiados pelo Papai Noel do VDS (Mauro Ferreira, coordenador da Escola de Vela Minuano) com medalhas de participação.

Na classe Soling a tripulação do Equilibrium foi a vencedora, enquanto no Snipe, a dupla Gabriel Kieling e Guilherme Fasolo (CDJ) chegaram na frente, assim como Francisco Ruschel e Gabriel Autran na 420. No Hobie Cat 16 a dupla Mario Dubeux e Karilone Bauermann (CDJ) se destacou enquanto Reinaldo Bernardes (VDS) representou o Hobie Cat 14. A classe Dingue foi representada por Carlos Teixeira e Marcia Teixeira.

Na Classe Laser, Roberto Bortolaso (VDS) foi o destaque na Standard, com Henrique Dias (VDS) na Radial e Guilherme Perez (CDJ) no 4.7. No Optimist, Gabriel Kern (CDJ) foi o vencedor entre os Veteranos e nos Estreantes Viníciua Koeche (CDJ) chegou na frente.

No domingo (13) ocorreu a regata comemorativa dos 81 anos na classe Oceano e Veleiraço Marinha do Brasil para barcos de cruzeiro. A largada ocorreu em frente ao Clube na baia do Cristal, às 14h05min, com 26 barcos das classes: ORC INT, RGS, J/24 e Cruzeiro. A condição de vento foi de intensidade forte, com rajadas de 23 nós no início da regata e depois diminuiu para 12 nós.

O primeiro barco a cruzar a linha de chegada foi o Congere, de Sérgio Neumann, do VDS, que chegou às 14h43min32. Além de ser o Fita Azul, ele ficou em primeiro lugar na classe Força Livre. Na classe ORC Internacional o vencedor foi o C’est la vie, de Henrique Dias; na RGS o Abaquar, de Kelly Borela e na J/24 o Meu Guri, de André Streppel.

Após a largada os barcos navegaram pela baía do Cristal até a boia amarela perto do Canal de acesso a Estação do Catamarã do Barra Shopping Sul, que era a primeira marca do percurso.

Depois os veleiros foram até a bóia nº 142 do Canal do Cristal, montaram e seguiram até o farolete da Piava contornaram e navegaram, novamente até o Canal de acesso a Estação do Catamarã do Barra Shopping Sul contornaram e por final seguirem até a linha de chegada em frente ao Veleiros do Sul. No final da tarde houve a festa de premiação das regatas de Monotipos e Oceano dos 81 anos com a participação do comodoro Eduardo Ribas, vice-comodoro esportivo Diego Quevedo, Capitão João Gilberto de Oliveira e Carlos Henrique de Lorenzi, Diretor técnico da Fevers. O troféu rotativo do Veleiraço Marinha do Brasil foi para o a tripulação do barco Congere, de Sergio Neumann, que foi o fita azul da regata. Após a entrega dos troféus e medalhas foi servido um coquetel no Salão Social.

Por Ricardo Pedebos/VDS

Uruguai é campeão sul-americano de J/24 em Porto Alegre

URUGUAI.jpg

Brasil ficou em terceiro lugar no campeonato encerrado neste domingo no Veleiros do Sul

Os uruguaios foram os melhores no Campeonato Sul-americano da classe J/24 que encerrou neste domingo em Porto Alegre. O título continental ficou com Extasis Saling Team, do comandante Pedro Garra, de Punta del Este. Em segundo lugar os argentinos de Olivos com o barco Worknet, de Nicolas Cubria e em terceiro os brasileiros do C’est la Vie Sailing Team, de Henrique Dias, do Veleiros do Sul, clube sede do evento.

O campeonato teve sete regatas bem disputadas entre os 12 barcos da flotilha sul-americana. A decisão ficou para a última regata com direito a duelo na raia entre os barcos Extasis e Worknet. No entanto a tripulação uruguaia formada por Pedro Garra,Juan Real de Azúa, Ivan Guicheff, Alejandro Carluccio e Matias Garcia confirmou o seu favoritismo depois de também ter vencido o Brasileiro de J/24 realizado durante a semana no Veleiros do Sul.

“Esse foi o nosso primeiro título sul-americano de J/24, depois de termos competido em três edições consecutivas. O campeonato estava espetacular com boas regatas e muito vento. Nossos adversários, alguns deles já eram nossos conhecidos como Nicolas Cubria, velejaram muito bem e sabíamos que seria uma disputa dura”, disse Pedro Garra, 46 anos, que em outubro também venceu a Semana de Vela de Buenos Aires e compete em outro barco da classe J/70.

O timoneiro uruguaio também ressaltou os brasileiros do C’est la Vie. “ Eles estavam no páreo com a gente”. Os representantes do Veleiros do Sul estavam na segunda colocação no Sul-americano, hoje tiveram uma desclassificação por largarem escapado na quinta regata, protestaram e ganharam o pedido de reparação. “Infelizmente não pude contar com um dos meus tripulantes que sabe muito bem regular as velas, mas no geral foi um campeonato divertido, nós concluímos o evento em terceiro o que acabou sendo uma boa posição”, avaliou o comandante Henrique Dias, que contou a bordo com Vilnei Goldmeier, Alexis Knebel, Frederico Sidou (Marília Bassoa e Michele Oliveira)

No último domingo (29) o Sul-americano teve as três regatas finais realizadas a partir das 11h com vento fraco na primeira de direção sudeste e depois foi para sul e aumentou a intensidade para 20 nós. A tripulação do Eurus, de Ronaldo Senfft, de Niterói, abandonou a última regata devido a uma lesão no ombro de um tripulante e ficou em sétimo lugar. O Sul-americano teve timoneiros veteranos como Boris Ostergren, de 77 anos, que venceu a sexta regata e contou no seu time com Nicolas Mueller, de 14 anos. Ele terminou em quinto lugar. E também Walter Bromberg, de 84 anos, no barco Zapeka.

Texto e fotos por Ricardo Pedebos/VDS

Mais fotos em: https://www.flickr.com/photos/veleirosdosul/albums/72157661683006946

Equipe Don’t Let me Down é a bicampeã Sul-americana de Soling em Porto Alegre

Ricardinho Pedebos, sempre presente no Guaíba, captou a ação dos Solings.

Ricardinho Pedebos, sempre presente no Guaíba, captou a ação dos Solings.

Com uma vitória tranquila na última regata, a tripulação do barco Don’t Let me Down formada por Cícero Hartmann, Flávio Quevedo e André Renard conquistou o título do Campeonato Sul-americano da classe Soling encerrado neste domingo em Porto Alegre. Além dos campeões, o Veleiros do Sul ainda completou o pódio com a equipe do Bossa Nova, de George Nehm, Marcos Pinto Ribeiro e Lúcio Pinto Ribeiro, segunda colocada, e a Equilibrium, de Nelson Ilha, Gustavo Ilha e Carlo De Leo.


O Don’t Let me Down começou e terminou bem o campeonato. Teve um dia ruim no sábado, caiu na classificação, mas hoje se recuperou e voltou ao topo. Ao comemorar mais um título de Soling, Cícero disse que sua tripulação velejou bem durante toda a competição, praticamente sem erros e sem estresse. “Tivemos apenas um incidente no segundo dia, quando forcei uma passagem na terceira regata, fui protestado pelo Bossa Nova e acabei desclassificado da prova. Mas hoje tudo correu tranquilo”, comentou o comandante.


O Don’t Let me Down fechou o campeonato de maneira impecável, ao vencer a última regata por boa diferença à frente da flotilha. Essa foi a segunda vez que a equipe do comandante Cícero Hartmann venceu o Sul-americano, a primeira ocorreu em 2010.

O timoneiro George Nehm, vice-campeão, achou o campeonato muito disputado. “As tripulações estavam muito parelhas, mas realmente o Cícero se sobressaiu entre os competidores”. O Sul-americano teve a participação do timoneiro canadense Peter Hall, bicampeão mundial de Soling (2011 e 2012). Ele velejou com os velejadores gaúchos Marcus Silva e Régis Silva. Peter chegou a liderar o campeonato, mas terminou em quinto lugar. Ele veio a convite de Nelson Ilha e elogiou muito a flotilha do Brasil por ser muito consistente. “É difícil velejar contra uns timoneiros aqui” disse Peter na cerimônia de premiação e agradeceu muito a hospitalidade.

No total foram realizadas sete regatas, as três últimas ocorreram neste domingo no Guaíba, com vento sul/sudeste na intensidade média de 12 nós. O Campeonato Sul-americano de Soling teve o apoio da Fundergs e contou com a participação de 13 barcos do Brasil, Argentina, Canadá e Estados Unidos.

Vídeo: http://youtu.be/bdrdLAkXSQ8

Por Ane Meira, da Assessoria do Veleiros do Sul

 

Porto Alegre sedia Sul-americano da classe Soling

O Soling é sempre forte no Guaíba. Por: Ricardo Pedebos/VDS

O Soling é sempre forte no Guaíba. Por: Ricardo Pedebos/VDS

Entre os dias 17 e 20 de abril o Veleiros do Sul realiza o Campeonato Sul-americano de Soling. Serão cerca de 15 tripulações vindas do Brasil (Porto Alegre e Rio Grande), Argentina e Canadá disputando o título continental da classe que já conquistou medalha olímpica para o país.

O destaque da competição será a presença do velejador canadense Peter Hall, bicampeão mundial de Soling e um dos principais nomes da classe na atualidade. “O evento terá um nível técnico alto. “Será uma grande oportunidade para os velejadores locais aprenderem com a experiência do timoneiro Peter Hall””, ressalta o capitão da flotilha do Veleiros do Sul Kadu Berghental .

Também participa a tripulação gaúcha tetracampeã Sul-americana de George Nehm, Marcos Pinto Ribeiro e Lúcio Pinto Ribeiro. Eles defendem o título conquistado no ano anterior em Buenos Aires.

Foto: Tripulação tetracampeã Sul-americana de George Nehm, Marcos Pinto Ribeiro e Lúcio Pinto Ribeiro do Veleiros do Sul e Classe Soling no Guaíba

Ane Meira, da Assessoria de Comunicação do Veleiros do Sul 

 

Com vídeo: Bruschetta lidera o Brasileiro de J/24

http://www.youtube.com/watch?v=Jq3jyjmzKlY&feature=youtu.be

Com um dia de atraso devido a um temporal, começou no Veleiros do Sul, em Porto Alegre, o Campeonato Brasileiro da classe J/24 com a participação de 15 barcos, das flotilhas do Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro e Uruguai. E a classificação começou bem parelha, pelo menos com os três primeiros classificados.

A tripulação do Bruschetta, misturada de cariocas e gaúchos, do comandante Maurício Santa Cruz (RJ) terminou o dia na frente após as três regatas realizadas nesta tarde de sábado com as seguintes colocações: 1º + 2º + 5º. Porém, está empatada em oito pontos com a equipe uruguaia do barco Pantera, de Punta Del Este, do comandante Diego Garcia (3º + 3º + 2º).

“Fizemos duas regatas boas e uma ruim, mas foi um dia bom para velejar, embora com vento bastante rondado. A gente tem um tático local, que é o Alexandre Paradeda, que nos dá os bordos para gente, nessa parte estávamos super tranqüilos”, comentou Santa Cruz.

E logo atrás, na terceira colocação está o Crioula, sob o comando de Samuel Albrecht, do Veleiros do Sul, (9º + 1º + 1º) com 11 pontos. “Na primeira regata do dia rolou uma saída confusa com o barco Iuca, a gente bateu na boia, pagamos a penalidade e saímos atrás para nos recuperar e ficamos na 9º posição. Na segunda decidimos ser mais conservador, vimos que o barco realmente anda bem. Lideramos a regata de ponta a ponta e a terceira também. Acho que amanhã a gente pode seguir fazendo boas regatas e tentar arriscar menos”, disse Samuca.

Nesta tarde as condições no rio Guaíba estavam clássicas para velejar, com vento de direção sudeste, com algumas rondadas, na intensidade de 13 a 15 nós na primeira regata e nas demais aumentou para rajadas de até 22 nós. O barco Sunset, de Newton Passos, do Iate Clube do Rio de Janeiro, teve quebra do leme e abandonou a terceira regata.

Súmula parcial (confira aqui):

1º Mauricio Santa Cruz, Guilherme Hamelmann, Alexandre Paradeda e Bernardo Assis (Bruschetta – ICRJ/CDJ) 8 pp

2º Diego Garcia, Mauricio Tesera, Sebastian Rana, Leonardo Filipelli e Leandro Azambuja (Pantera – YCU) 8

3º Samuel Albrecht, Frederico Sidou, Paulo Ribeiro, Alexandre Rimolli e Georgia Silva (Crioula – VDS) 11

4º Ronaldo Ruschel, Cláudio Ruschel, André Gick, Guilherme Roth e José Távora (Iuca-VDS) 14

5º Boris Ostergren, Alex Luiz, Breno Osthoff, Bryan Luiz e Vilnei Goldemeier (Tango – VDS) 16

FOTOS: confira as fotos do campeonato! http://www.flickr.com/photos/veleirosdosul/sets/72157637743001694/

Da assessoria

Veleiros do Sul é convidado por clube novaiorquino a disputar a Invitational Cup 2013

O Veleiros do Sul foi distinguido com o convite do New York Yacht Club para participar de um dos seus principais eventos, a Invitational Cup 2013 que ocorrerá de 7 a 14 de setembro em Newport, Rhode Island, Estados Unidos. A competição é realizada a cada dois anos e a primeira edição foi em 2009. A participação da Copa é feita por convites do NYYC aos clubes de diversas partes do mundo que deverão apresentar uma tripulação representante.

Os barcos são classe Swan 42 alugados pelas equipes. As regatas são feitas por flotilhas de oito barcos com umpires (juízes de vela) julgando os protestos na água. Esta terceira edição já conta com 21 barcos de 16 clubes estrangeiros convidados. É requisito que todos os integrantes da tripulação sejam sócios do clube convidado. O NYYC é a elite entre os clubes náuticos do mundo.

O comodoro do Veleiros do Sul, Cícero Hartmann, ressalta que este convite representa o reconhecimento do Veleiros do Sul no iatismo internacional. “Esse é o resultado por recebermos em nossa sede importantes eventos como a Final Nations Cup, em 2009 e o Sul-americano de Optimist. Além de termos participações de atletas do clube em campeonatos internacionais, como o Crioula Sailing Team”, ressalta Cícero.

Da assessoria

Gabriel Lopes é campeão sul-americano de Optmist em Porto Alegre

Este slideshow necessita de JavaScript.

O gaúcho Gabriel Lopes ficou com o título do Campeonato Sul-americano da classe Optimist que encerrou neste sábado em Porto Alegre (30), no clube Veleiros do Sul. Ele terminou em segundo lugar na competição e o norte-americano Ivan Shestopalov, em primeiro, que por pertencer a um país convidado não disputava o troféu sul-americano. A Argentina ficou em terceiro lugar com Fausto Peralta e venceu na categoria feminina com Clara Vignati.

A última regata realizada neste sábado tinha maior peso para Gabriel e Ivan, ambos brigavam pela primeira colocação, enquanto a expectativa maior para os brasileiros era mesmo assegurar a vitória no Sul-americano. Gabriel cruzou a linha de chegada em primeiro lugar na regata e o norte-americano em terceiro. Ao retornar da raia o velejador do Veleiros do Sul foi recebido na rampa do clube com muita festa e teve seu barco carregado nos braços pelos amigos, técnicos e competidores da equipe brasileira.

Gabriel, 12 anos, recebeu o carinho dos familiares, abraços, cumprimentos e depois foi jogado na água, assim como Ivan Shestopalov, cumprindo o ritual de comemoração na vela. O timoneiro gaúcho disse que não se preocupou com a pressão pelo resultado quando foi para raia do no início da tarde no rio Guaíba.

“Fui tranqüilo e procurei fazer uma boa regata e voltei com sentimento de campeão”, definiu seu estado de espírito. Ele lamentou sua atuação ruim na penúltima regata na sexta-feira quando chegou em 31º e perdeu a liderança que vinha mantendo. “O campeonato foi bom, mas difícil para todos por causa das condições do vento rondado. Consegui manter uma média boa de resultados”, contou Gabriel que é o atual vice-campeão brasileiro de Optimist.

O primeiro colocado, Ivan Shestopalov, 13 anos, é de St. Louis, Missouri, e diz estar mais acostumado a velejar no mar, mas teve um desempenho inquestionável na raia do Guaíba “Aqui se tem boas condições para velejar, sempre tem vento, mas é um pouco difícil porque ronda, mas ainda sim é bem bonito”.

O vento, inclusive foi um grande adversário em razão das rondadas, mas Ivan reconhece que enfrentar o brasileiro foi ainda mais difícil. “Gabriel veleja muito bem, a disputa foi muito acirrada e ele é super competitivo”. Ainda segundo Ivan, o segredo da vitória é a dedicação: “Foi muito treino, o segredo é velejar muito” diz o campeão que agradeceu os pais, os treinadores Amanda e Nico, o apoio dos amigos e a todos os companheiros de equipe.

A campeã feminina, Clara Vignati, 14 anos, da Argentina, enfrentou problemas de indisposição nos últimos dois dias que lhe dificultaram a vida na competição, mesmo assim foi a melhor entre as meninas. “Num campeonato como esse quem ganha é quem rende mais na raia e eu tive esse privilégio. Meu maior adversário mesmo foi o cansaço”.

Entre os primeiros colocados, além do Gabriel Lopes, teve outro gaúcho, Pedro Zonta, que ficou em quinto lugar. O Brasil teve uma equipe composta por 30 velejadores de cinco estados. Os técnicos foram Filipe Novelo (RJ), Mário Urban (BA) e Átila Pellin (RS) e o team leader Cássio do Canto (RS).

O campeonato iniciou no dia 23 e teve 10 regatas disputadas, além da competição por equipe. A última regata foi com vento sul entre 6 e 8 nós de intensidade. “Era uma condição que já esperávamos para o dia, tivemos calmaria, depois um vento fraco de norte que virou para sul,” conforme o race officer Odécio Adam.

O Sul-americano foi uma realização do Veleiros do Sul em conjunto com a Associação Internacional da Classe Optimist (IODA), patrocínio da Bettanin e Banrisul. Participaram 144 velejadores de 14 países: Argentina, Antilhas Holandesas, Bermudas, Brasil, Colômbia, Chile, Equador, Estados Unidos, Ilhas Virgens Americanas, México, Peru, República Dominicana, Uruguai e Venezuela. Apoio: Porto Alegre & Região Metropolitana Convention & Visitors Bureau, Ritter Alimentos, Procempa, PortoVan e Chocolate Florybal.

Classificação dos 10 primeiros do Sul-americano
1º Ivan Shestopalov (USA) – 45 pontos perdidos
2º Gabriel Lopes (BRA) – 50
3 º Fausto Peralta (ARG) – 66
4 º Valentin Queirel (ARG) – 69
5 º Pedro Zonta (BRA) – 85
6 º Wiley Rogers (USA) – 87
7º Facundo Mónaco (ARG) – 85
8º Matt Logue (USA) – 96
9º Harvey, Shawn (USA) – 99
10º Chase Cooper (BER) – 108

Da assessoria

%d blogueiros gostam disto: