Pular para o conteúdo

Posts com Tag ‘Volvo Ocean Race’

Akzo em 4º no expresso atlântico da VOR. Mussulo volta depois de pit stop forçado na TJV. Bouwmeester e Burling são velejadores do ano da World Sailing. Almirante Casaes sucede Paulo Freire na presidência da ABVO.

Unknown-2

Com uma timoneira destas as chances do time holandês de tintas fortes só aumenta. Para cima deles, Tine!

Bom dia querido amigo e mais que querida amiga. Já de volta à cidade maravilhosa (e perigosa!) e antes de tomar o rumo lesto para o cabo (Frio), vamos às poucas e boas do planeta Vela, porque a bolinha azul, que viaja agora a mais de 900.000 km/h no sideral espaço deste universo em expansão, não para.  E ainda tem um monte de gente que, tripulando uma nave megarástica destas, acha que alta tecnologia são aqueles foguetinhos da NASA. Ou o último iPhone… Enfim…

Ao que interessa! Na descida expressa do Atlântico Norte, a flotilha one design de VO65s continua a provar a tese de que barcos iguais produzem regatas mais emocionantes. Bem, se serve de argumento, os quatro ponteiros deste desafio vélico de alta velocidade estão agora praticamente no visual um do outro. O líder Vestas e o terceiro (segundo o computador central), MAPFRE, estão a menos de duas milhas um do outro. Quase ao alcance de um bom berro!…

Dongfeng, em segundo, 10 milhas a leste do líder, e nosso AkzoNobel, em quarto, umas poucas milhas atrás dos sino-gauleses, completam os quatro fantásticos desta primeira zona climática (Alísios de NE no hemisfério norte) da segunda perna. Brunel, 50 milhas atrás do Vestas, TTT on Plastic, a 90mn e Scallywag, a 124mn, completam a tabela. Mas ainda tem mais de 4500 milhas até a África, as calmas equatoriais (doldrums, pot au noir, ITCZ, como queira chamar) e os novos alísios do hemisfério austral para embaralhar a zorra toda, como diria a grande filósofa Ludmila do funk. A ver!!

image-r-1200-0

Depois do involuntário repouso, o Classe40 Mussulo volta à carga na Transat rumo à Bahia. Axé!!

Já na Transat Jacques Vabre, o  barco brasileiro/angolano Mussulo 40 Team Angola Cables retomou regata, na madrugada desta quarta-feira (8) após ficar quase 24 horas parado em Camaret, na França. A dupla Leonardo Chicourel e José Guilherme Caldas decidiu fazer o pit-stop após constatar falhas de equipamento nos primeiros dias de prova no Canal da Mancha. ”Ainda estamos na briga”, disse Leo Chico antes de deixar Camaret. Sem dúvida!

O velejador baiano espera recuperar as posições perdidas agora. ”Apesar de um pouco frustados por ter parado, estamos com com muita garra para continuar a regata. Realmente não tínhamos outra opção, pois precisávamos de peças para repor nos instrumentos e outro cabo elétrico para nossa fonte de energia, materiais que só chegaram à noite. Mas tudo tem seu lado bom!”. Após a subida no mastro, a dupla fez ainda outras trocas, principalmente de cabos danificados. ”Seguimos firmes e felizes por estar de volta ao mar!”.

A dupla tentava se aproximar do pelotão intermediário da Class40 quando foi obrigada a parar. Agora, os brasileiros precisam se recuperar, já que a vantagem do líder provisório da categoria é superior a 420mn. O Imerys Clean Energy, que está a 3600 milhas de Salvador, abriu pequena vantagem na ponta, na aproximação das costas portuguesas no Atlântico Norte. O líder geral no momento é, claro, o trimarã Ultime (100 pés) Edmond de Rotschild, a 2830mn da linha final. Entre os IMOCA, na ponta está o St.Michel/Virbac a 3400mn da boa terra. Força, Mussulo!!

E na conferência anua da World Sailing (antiga ISAF, a Fifa da vela), em Pueto Vallarta, no México, ontem a noite foi dia de festa no Pátio Los Arcos. Pela segunda vez (na primeira o parceiro Blair Tuke também ganhou) o kiwi voador, medalha de ouro no 49er no Rio, timoneiro vencedor da última Copa América nas Bermudas e, agora, um dos timoneiros do Brunel na VOR, Peter Burling. O cara é demais!! Ainda por cima é super humilde, tranquilo e gente boa. Merecido!

Já entre as meninas não deu pra Martine e Kahena faturarem o bi. Faz parte. A vencedora foi a medalhista de ouro holandesa Marit Bouwmeester. A moça, que teve uma série de contusões após os jogos, voltou no meio deste ano para vencer de forma brilhante o Mundial de Laser Radial e na sequência faturou o Europeu também. Se eu fosse um complexado vira-lata baba-ovo de gringo chamaria de hat trick, mas lá nas vielas de Cabo Frio a gente diz “fez barba, cabelo e bigode” mesmo. No caso da holandesa, barba e bigodes metafóricos, bem entendido!

whatsapp-image-2017-11-06-at-4-37-32-pm

O agora ex-comodoro da ABVO, Paulo Freire, coroou o fim da gestão com o belo título geral do Circuito Rio 2017. Com a mão no caneco, além do comandante, vemos um Guilherme e um Gigante. Arrebentatum est!

E, por fim, temos troca de comando na nossa querida e cada vez mais atuante, ABVO, a Associação Brasileira de Veleiros de Oceano. O comodoro Paulo Freire, que coroou o fim de sua vencedora gestão com o título do Circuito Rio no seu BB40 Miragem, passou o bastão pra outro campeão recente em águas fluminenses, nosso eterno galã da armada, o reformado (mas coma fechada super em cima sempre…) almirante Adalberto Casaes, do Skipper30 Maestrale.

A votação online teve 69 votos, sendo dois nulos em um total de 123 associados. Presencialmente, houve quatro votos. Deste total, um não pode ser computado por não ter assinado a lista de presença. A nova chapa foi eleita então com 70 votos. Bingo!!

“O período à frente da ABVO nestes últimos dois anos foi uma espécie de continuação do trabalho que foi iniciado em 2012, com o grupo liderado pelo Lars Grael. Conseguimos aumentar o número de barcos associados de forma descentralizada, com destaque para as flotilhas de São Paulo e do Rio Grande do Sul. O novo site foi uma ferramenta fundamental para a comunicação com os associados, clubes e fabricantes, pois possui informações valiosas como calendário, associados, certificados, além da divulgação constante dos eventos da vela de oceano. O aprimoramento das regras da Copa Brasil com calendário prévio definido, incluído as diversas regras, também foi importante para a consolidação da competição e já estamos no quinto ano da disputa.  Com tantas frentes de trabalho, o aprimoramento contínuo das medições, com a introdução de novas tecnologias, julgo ser a tarefa mais importante , pois vai dar mais credibilidade ao sistema de ratings, fundamental para a atração e retenção de mais barcos nas regatas.  Embora tenhamos crescido nestes últimos anos, ainda temos um grande potencial a ser explorado, com a integração da vela de oceano em uma organização com cobertura nacional. O crescimento também pode viabilizar a profissionalização da ABVO garantindo a sua perenidade, já que hoje a ABVO ainda depende muito do trabalho voluntário de seus abnegados velejadores”, disse Paulo Freire.

“Participei ativamente da comodoria presidida por Lars Grael que, a partir de 2012, reorganizou e colocou a ABVO navegando em águas seguras. Continuei a acompanhar e apoiar o Comodoro Paulo Freire, que imprimiu dinamismo, aprimorou a atual estrutura e agora entrega a ABVO com terreno fértil para novas semeaduras. Desejo seguir o mesmo rumo, contando com o apoio de excelente e diversificada equipe de abnegados, e destaco alguns desafios que tentaremos superar: encontro de soluções para acomodar critério único de medições que neste momento divide as Classes IRC e ORC; perseverar na ampliação de associados com veleiros de todas as Classes e regiões para consolidar a vela oceânica brasileira sob o arcabouço único da legítima entidade ABVO e buscar alternativas para encontrar lugar adequado no cenário da mídia esportiva, conquistando maior visibilidade e oportunidades para a vela oceânica”, falou o novo Comodoro Casaes.  Bons ventos, almirante!! Conte conosco!!

Nova diretoria da ABVO:
Comodoro – Adalberto Casaes -Maestrale
1° Vice Comodoro – Mario Martinez- Rudá
2° Vice Comodoro – Hans Hutzler – Aventureiro

Secretaria Executiva – Christina Frediani
Diretor Jurídico – Francisco Siemsen Bulhões  / Kadja Brandão
Diretor de Comunicação – Mário Martinez

Conselho Fiscal:
Titulares 
Edvaldo Sobreira- Colibri
Luciano Secchin – Bravíssimo
Eduardo Bierkeland – Klimax

Suplentes
Andrea Nicolino – Eurus
Lars A Muller – My Boy

Conselho Técnico:
Lars Grael
Carlos Cuca Sodré
Nelson Ilha
Paulo Freire

Outros cargos não estatutários:
Diretor Técnico – Pierre Joullie – Saravah
Demais cargos: coordenações regionais, representantes das regras BRA-RGS, IRC, MOCRA, Clássicos e ORC, representação junto à CBVela e conselho de ética serão designados pela nova comodoria.

Fui!! Direto para casa porque a saudade é grande!!

Murillo Novaes (com Flavio Perez/TJV e Mari Peccicacco/ABVO) 

Team Brunel vence regata de porto de Lisboa na VOR

m105628_13-02-171103-asv-05987-0145.jpg

Barco holandês, de Bouwe Bekking, segura investidas do MAPFRE e ganha prova na capital portuguesa. Agora o foco é total na saída para a Cidade do Cabo, que será neste domingo

A Mirpuri Foundation In-Port Race de Lisboa, disputada nesta sexta-feira (3), foi vencida pelo Team Brunel, barco comandado pelo holandês Bouwe Bekking e que tem com tripulante de destaque o neozelandês Peter Burling, apontado como o velejador do momento! A equipe resistiu a pressão do MAPFRE durante todo percurso e cruzou a linha de chegada em primeiro lugar no Rio Tejo com oito segundos de vantagem para o time espanhol.

“Eu acho que nós fizemos um bom trabalho, nós melhoramos como equipe. É sempre bom vencer, mas acho que navegamos muito bem com bastante vento no final. Tomamos as decisões corretas nessas condições”, disse Bouwe Bekking.

O pódio teve ainda o Dongfeng Race Team em terceiro. Com a brasileira Martine Grael a bordo, o team AkzoNobel foi o quarto colocado. A campeã olímpica foi confirmada horas depois na Etapa 2, que larga no domingo de Lisboa, Portugal, para a Cidade do Cabo, na África do Sul.

Com isso, a crise do time holandês parece ter arrefecido. Simeon Tienpont vai realmente ser o skipper, mas conseguiu que o navegador Jules Salter retornasse ao barco e ainda trouxe como capitão de turno o experiente Chris Nicholson, que comandou o Vestas na regata passada. A tripulação confirmada pelo AkzoNobel para segunda perna é:

Simeon Tienpont (NED) – skipper

Jules Salter (GBR)

Brad Farrand (NZL)

Martine Grael (BRA)

Luke Molloy (AUS)

Emily Nagel (GBR/BER)

Chris Nicholson (AUS)

Nicolai Sehested (DEN)

Peter van Niekerk (NED)

 

Voltando à regata de porto… Os ventos fortes obrigaram as equipes a fazer muitas manobras, não apenas nos contornos de bóias. Para piorar, a chuva não deu trégua aos velejadores no percurso, montado próximo à terra para garantir que o público das cidades-sede acompanhe a prova.

O Brunel liderou desde o começo, sempre mais à direita do resto da flotilha. O MAPFRE e Dongfeng apertaram pra tentar passar até o fim. ”Foi intenso. Sabíamos que seria difícil hoje com as rajadas de vento. Começamos bem, mas na marca de barlavento nós ficamos muito lentos e caímos. Mas voltamos pouco a pouco terminando em segundo lugar”, disse Xabi Fernández, campeão olímpico a bordo do MAPFRE.

O segundo lugar na prova deixou o MAPFRE na liderança do campeonato paralelo das In-Port Races, que assim como na última edição da VOR só conta mesmo como critério de desempate caso dois times tenha o mesmo número de pontos ao final

Resultado da Mirpuri Foundation In-Port Race Lisboa
1. Team Brunel
2. MAPFRE
3. Dongfeng Race Team
4. team AkzoNobel
5. Vestas 11th Hour Racing
6. Sun Hung Kai/Scallywag
7. Turn the Tide on Plastic

 

Captura de Tela 2017-11-03 às 18.20.59.png

Com Flavio Perez/VOR

 

 

Amanhã é dia de regata de porto em Lisboa, na VOR. Martine confirmada no AkzoNobel.

Captura de Tela 2017-11-02 às 16.11.38

A primeira in-port desta edição da VOR foi vencida pelo MAPFRE, em Alicante.

A regata Mirpuri Foundation In-Port Race está marcada para esta sexta-feira (3), em Lisboa, Portugal. A prova entre bóias será a segunda da Volvo Ocean Race e ocorre a partir de 11h50 (Horário de Brasília) com transmissão ao vivo pelos canais oficiais da regata de volta ao mundo.

A prova deve durar no máximo 60 minutos e não vale pontos para a classificação geral, apenas em caso de desempate, no final. A primeira regata in-port foi vencida pelo MAPFRE, em outubro desde ano, na cidade de Alicante, na Espanha.

A previsão é de ventos do sudoeste de 10 a 15 nós em Lisboa.

O Brasil terá pelo menos um tripulante nessa regata, que antecede a largada da Etapa 2, neste domingo (5), Martine Grael foi confirmada pelo team AkzoNobel para participar da prova. Outra novidade é a volta do navegador Jules Salter ao time. E espera-se o anúncio de mais reforços depois da crise deflagrada dias antes da largada no mês passado.

Veja a escalação para a Mirpuri Foundation In-Port Race

Dongfeng Race Team
Skipper – Charles Caudrelier
Pascal Bidégorry
Stuart Bannatyne
Jérémie Beyou
Daryl Wislang
Marie Riou
Carolijn Brouwer
Jackson Bouttell
Jinhao Chen

team AkzoNobel
Skipper – Simeon Tienpont
Jules Salter
Ross Monson
Brad Farrand
Nicolai Sehested
Emily Nagel
Martine Grael
Luke Molloy

Team Brunel 
Skipper – Bouwe Bekking
Andrew Cape
Carlo Huisman
Alberto Bolzan
Kyle Langford
Maciel Cicchetti
Peter Burling
Annie Lush
Abby Ehler

Team Sun Hung Kai/Scallywag 
Skipper- David Witt
Steve Hayles
Alex Gough
Annemieka Bes
Benjamin Piggott
John Fisher
Luke Parkinson
Tom Clout

Turn the Tide on Plastic
Skipper – Dee Caffari
Nico Lunven
Martin Strömberg
Liz Wardley
Annalise Murphy
Francesca Clapcich
Bianca Cook
Lucas Chapman
Henry Bomby
Frederico Melo

Vestas 11th Hour Racing
Skipper – Charlie Enright
Simon Fisher
Mark Towill
Damian Foxall
Nick Dana
Tom Johnson
Tony Mutter
Stacey Jackson
Hannah Diamond

MAPFRE 
Skipper – Xabi Fernández
Juan Vila
Pablo Arrarte
Rob Greenhalgh
Antonio “Ñeti” Cuervas-Mons
Blair Tuke
Willy Altadill
Sophie Ciszek
Tamara Echegoyen

Assista ao vivo no site

Acesse www.volvooceanrace.com para assistir em livestreaming.

Melhores momentos do AkzoNobel (e Martine Grael) na 1ª perna da Volvo Ocean Race

 

Brasileira Martine Grael aprova estreia na Volvo Ocean Race

Campeã olímpica disputou a primeira etapa da Volta ao Mundo a bordo do team AkzoNobel, quarto colocado na regata.

Primeira brasileira a correr a Volvo Ocean Race, Martine Grael saiu satisfeita com o seu desempenho e da equipe AkzoNobel na primeira etapa da Volta ao Mundo. O barco da campeã olímpica na Rio 2016 terminou o percurso entre a Espanha e Portugal na quarta colocação, após 6 dias, 6 horas e 11 minutos de regata. O vencedor foi o Vestas 11th Hour Racing, seguido por MAPFRE e Dongfeng Race Team.

O team AkzoNobel foi para a disputa com um atleta a menos. Minutos antes da largada, o holandês Simeon Tienpont retornou ao posto de comandante e quatro integrantes fixos deixaram o barco, inclusive o brasileiro Joca Signorini.

”A gente teve um começo muito difícil da regata. Teve muitas manobras e com uma pessoa a menos tivemos dificuldades. Praticamente a tripulação inteira mudou um dia antes da largada. Depois desse momento difícil, a gente teve vários acertos de tática, muita comunicação e trabalho em equipe. Saímos de Gibraltar em segundo! Depois a falta de treino foi contando…foi muito bom como time segurar tão bem com as condições que a gente teve”, disse Martine Grael.

O team AkzoNobel competiu com oito velejadores contra nove das demais equipes. Para formar a tripulação, o comandante holandês ‘pegou emprestado’ o português Antonio Fontes do Sun Hung Kai / Scallywag.

”Foi uma experiência espetacular. Ainda bem que os barcos são one-design, pois é tudo igual e as manobras correram bem. Foi um bom resultado, mas infelizmente perdemos alguns lugares já perto do final”, disse o velejador português.

Na Etapa 1, o team AkzoNobel largou em último e conseguiu recuperar posições rapidamente. Nos seis dias de regata, o barco se manteve entre segundo e terceiro lugares, perdendo o lugar no pódio nas últimas 24 horas de prova.

Flávio Perez/ VOR

Resumão de segunda na Terça. Pan, Transatl6antico, VOR, Nacra, Snipe, 49er, Rey, Fastnet, Santos-Rio, 420, Vladivostok, OP e mais!!

No lago Ontário o dia, ontem, foi bem produtivo para os brasileiros.

No lago Ontário o dia, ontem, foi bem produtivo para os brasileiros.

Brasil vai bem no segundo dia da vela em Toronto 2015 e lidera no Laser Radial e nas pranchas, 49FX é vice-líder e J/24 e Lightning estão em terceiro. Lucky é fita azul da Transatlantic Race. Abu Dhabi passa o rodo na Volvo Ocean Race.

E mais: Platoon vence primeira de hoje no Mundial de TP52. Flotilha brasileira tem bom desempenho do Norte-Americano de OP. Bruschetta termina em 8º Mundial de J/70. André e Kyra Misrky são brasileiros melhor colocados no Mundial de Nacra 17. Final totalmente dinamarquesa no Mundial de Match feminino. Amiguinho e Nick Grael são campeões italianos de Snipe. Burling e Tuke continuam incrível série de vitórias no Europeu de 49er, Dante e Thomas são os melhores brasileiros. Robert, em 15º, e Bruno Fontes, em 21º, no mundial de Laser antes do Pan. Meninas do Brasil defendem título da Nation’s Cup em Vladivostok. Chicago-Mackinac enfeita lago Michigan. Larga a Transpac. Groupama lidera Tour de France a la Voile. 

Agenda: Mundial de 420. Copa del Rey. Fasnet Race e Circuito Rio. 

Vídeos: Solitaire du Figaro termina. Ilhabela produz belas imagens na Semana de Vela.

#ihdeumerda clássica atravessando de balão. 

Bom dia querido amigo e queridíssima amiga, modulando direto das zorópias onde rolou velejinho na semana passada com Alex Bocage no ventoso lago Neuchatel, na Suíça, (Valeu, Bro!!) e amanhã rola o inédito velejo no rio Moldava aqui em Praga (coisa de viciados! Valeu, Antonim!), vamos seguindo a saga resumística já que o mundo gira, a Lusitana roda e como diria Cazuza, o tempo não para!

Comecemos por Toronto, porque ontem foi dia bom pra nossa galera por lá!!

Pan2015 – Ontem o lago Ontário foi generoso com os brasileiros. Com vitórias em sete regatas, nosso time estaria neste momento no pódio de seis das dez classes pan-americanas. E teria três ouros!

O destaque continua com as pranchas de Bimba e Pat Freitas que voltaram a vencer regatas na RS:X Masculina e Feminina. Ricardo “Bimba” Winicki lidera com 3 pontos (já com um descarte, após 3 regatas) e Patricia Freitas segue em busca do bi também com 3 pontos perdidos em 4 provas, ou seja, só conta as 3 vitórias. Uhuu!!

Com um 2º e um 3º ontem, Fernanda Decnop, colocou a bolinha dourada na vela e lidera flotilha do Laser Radial com 5pp. Arrebentou! Já Martine Grael e Kahena Kunze largaram escapadas em uma e venceram as outras duas de ontem para ficar na vice-liderança com 6pp, dois atrás da dupla argentina. Arrebentaram também!!

Em plena recuperação está também nossa turma do 24… O J, digo! Liderados por John King, Daniel Santiago, Alexandre Saldanha e Guilherme Hamelmann fizeram um 2º e um 3º ontem e já aparecem em 3º geral com 6pp. Também em terceiro geral estão Claus Bieckark, Gunnar Ficker e Maria Hackerott, no Lightning. Com um 3º e um 2º nesta segunda-feira eles têm 4pp e estão na cola dos líderes. Apertado!

Robert Scheidt, também venceu regata ontem, mas um sétimo na segunda do dia ainda o coloca em 8º geral com 15pp. Xandi Paradeda e Geórgia Rodrigues, com um 4º e um 5º, estão em 7º no Snipe e nosso Hobie 16, com Claúdio Teixeira e Bruno Oliveira, com um 4º na única do dia, está também em 4º geral. No Sunfish, João Hackerott fez um 6º e um 5º para garantir o 7º geral. Tá muito bom!! Vamos que vamos!!

Hoje está bem merrecado de novo, mas as regatas estão previstas à partir das 12:35h (Brasília). Fique ligado!!

Transatlantic – Uma regata que começou em 1866 e até hoje representa um enorme desafio para qualquer barco ou velejador é a Trasantlantic, entre Newport, EUA e Cowes, no Solent, sul da Inglaterra.

Ao longo de sua bela história que começou com um desafio entre os barcos de bolina e quilha longa, a prova viu muitas inovações e marcou épocas, como em 1928 quando o Niña desenhado por Starling Burgess foi o primeiro veleiro sem vela de gafetope a vencer a regata.

Ou na edição de 1963, uma das mais acidentadas na história, quando o Dyna, do Comodoro do NYYC, Clayton Ewing, perdeu o leme e navegou mais de mil milhas governando apenas pela trimagem das velas e chegou em 4º na Classe A. Façanha vista como uma das maiores proezas de marinharia na história do clube. Não duvido!

Duas escunas também fizeram história na regata. A lendária Atlantic de 227 pés que estabeleceu, em 1905, com o não menos legendário Charlie Barr no timão, o tempo recorde de 12d, 4h, 1m, 19s. E a Mari-Cha IV que em 2008 fez 9d, 15h, 55m, 23s.

Neste ano o Reichel/Pugh 63 Lucky foi o fita azul com 8d, 22h, 5m, 3s. Mas como as largadas acontecem em dias diferentes para as diversas categorias provavelmente o tempo será batido.

Bem, o Comanche, megamaxi de 100 pés alega que bateu o recorde do Ericsson4, VO70 de Torben Grael, que até então era o monocasco mais rápido do mundo com 596 milhas singradas em 24h na VOR 2008/9. Os comanches navegaram 618 milhas em 24h, à média de 25,75 nós! O conselho de recordes da Isaf deve ratificar a distância. De qualquer forma, a coisa foi tão brutal no barco timoneado por Ken Read que o navegador Stan Honey, o melhor do planeta segundo nove entre dez navegadores, sofreu uma queda e uma contusão grave na cabeça. Que ele melhore logo para ir para a Fasnet!

E, para finalizar, em terceiro veio nada menos que a Mariette, de 1915, o maior, mais pesado e comemorando seu centenário este ano, barco mais antigo neste desafio transatlântico. A tripulação, navegando este projeto de Herreshoff que mede 80 pés de comprimento na água, 108 pés no convés e 138 pés no geral, e desloca 165 toneladas, chegou, com suas velas de gafetope, à soberba velocidade máxima de 17,8 nós. Demais!! Um mar de história e um palco de grandes artistas é o Atlântico Norte! Atlântico sempre!!

VOR – O dileto leitor já deve estar careca de saber (o Xandi Paradeda, por exemplo, tenho certeza!), mas como este manza não mandou a regular missiva resumidora nos últimos dias e acabou a regata de volta ao mundo neste interim, resolvo informar os desinformados. Até por dever profissional e respeito pelo amigo!

E para fazê-lo nada melhor que o velho e bom autoplágio. Como minha coluna no maior jornal náutico do país (e único, mas tudo bem…) versava sobre o tema, reproduzo aqui, já com as vênias necessárias ao Ricardo Amatucci e à galera de AlmaNáutica, parte de meu editorial sobre a VOR publicado na nossa gazeta predileta.

“… Mas o que aconteceu de importante mesmo nestes dias foi o final de mais um edição da Volvo Ocean Race. …

Team Alvimedica cruzou a linha de chegada em primeiro após concluir o percurso entre Lorient, com um pit-stop em Haia, e Gotemburgo em 4 dias e 9 horas. E todos fizeram muita festa para o time mais jovem da competição. ‘Claro que estamos muito felizes por essa vitória. Foi um ótimo resultado, pois conseguimos segurar a liderança obtida antes do pit-stop de Haia’, disse o norte-americano Charles Enright, comandante do barco. ‘Vamos aproveitar o momento e depois pensar na última regata in-port’.

O veleiro turco terminou a prova de 960 milhas náuticas com vantagem de 23 minutos para o Team Brunel, segundo colocado. O MAPFRE, do nosso brasuca André Fonseca e o Dongfeng cruzaram a linha minutos depois. Os últimos a fechar a nona etapa foram Abu Dhabi Ocean RacingTeam Vestas Wind e o feminino Team SCA. Meninas, aliás, que fizeram bonito ao vencer a difícil perna de Lisboa até Lorient. A diferença do primeiro ao sétimo colocado não superou duas horas.

Ao fim, todas as equipes, com exceção do acidentado Vestas, que perdeu mais da metade das etapas depois do encalhe nos recifes de Cargados Carajos, no oceano Índico, ganharam pelo menos uma perna nesta edição da regata. O que demonstra, mais uma vez, que a decisão de ir para o One Design, com barcos rigorosamente iguais, deu super certo.

Mas não pense que acabou! A equipe do Alvimedica ainda iria disputar o desempate na in-port race de Gotemburgo contra o MAPFRE. Ambos somaram 34 pontos perdidos e a colocação final na série de regatas locais vai definir quem fica em quarto e em quinto lugares. ‘Foi uma perna bastante difícil e a parada em Haia praticamente definiu a etapa. O Alvimedica foi melhor, méritos pra eles! Cometemos alguns erros que nos tiraram a vitória’, disse André Fonseca, do MAPFRE. ‘Agora resta a disputa pelo quarto lugar. Vamos fazer a nossa regata sem nos importar com um match race contra o Alvimedica’, completou Bochecha.

O resultado em Gotemburgo também confirmou o pódio final da Volvo Ocean Race 2014/15. O Abu Dhabi Ocean Race (Emirados Árabes Unidos) ficou com a taça, o Team Brunel (Holanda) em segundo e o Dongfeng Race Team (China) no terceiro  degrau do pódio. O britânico Ian Walker, comandante do time árabe, entra para o seleto grupo de medalhistas olímpicos e vencedores da Volta ao Mundo, como o nosso Torben Grael. No Abu Dhabi estava também o espanhol Chunny Bermudez, integrante do Brasil 1 na histórica campanha de 2005/6.

Ainda no píer sueco, a tripulação recebeu o troféu erguido pelo emocionado Ian Walker, que persegue este título há três edições. O último compromisso das equipes é (veja abaixo os resultados finais finais) a supra citada regata in-port sueca, que fechará a maior competição de vela oceânica do planeta. As provas locais agora compõem uma série à parte da VOR e são realizadas em todas as cidades-sede e servem apenas como critério de desempate da série principal. E o Abu Dhabi também é o líder provisório das in-ports! Estão com tudo!! Quem viver verá!”

E, pra finalizar o mico de não ter enviado isso para todos antes, vamos ao resultado final da série de regatas locais (in-port). Em Gotemburgo deu: BrunelSCAMAPFREDongfengAlvimedicaAbu Dhabi e Vestas. Com isso a série terminou com o Abu Dhabi também campeão com 31 pontos, seguido de: Brunel 32pts; SCA 35pts; MAPFRE 37pts; Alvimedica 37pts; Dongfeng 40pts e Vestas 73pts.

E a classificação geral da Volvo Ocean Race 2014/15 ficou assim:

1. Abu Dhabi Ocean Racing – 24pts
2. Team Brunel – 29pts
3. Dongfeng Race Team – 33pts
4. MAPFRE – 34pts
5. Team Alvimedica – 34pts
6. Team SCA – 51pts
7. Team Vestas Wind – 60pts‏

Ainda há pouco, na baía de Palma, o alemão Platoon faturou a primeira regata do Mundial de TP52.

Ainda há pouco, na baía de Palma, o alemão Platoon faturou a primeira regata do Mundial de TP52.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**   Notícia fresca! Começou hoje o mundial de TP52, em Puerto Portals, em Maiorca. E na primeira regata do dia, o alemão Platoon venceu com o Azzurra em segundo, o Quantum em terceiro e o brasuca Phoenix, de Eduardo Souza Ramos, em quarto. Show de bola!! Rola até dia 18… Pra cima deles!!

**  Terminou neste domingo o Campeonato Norte Americano de Optimist em Antígua. A separação nas flotilhas ouro, prata e bronze ocorreu somente no último dia, quando foram realizadas duas regatas com ventos entre 18 e 22 nós e muita ondulação, o que aumentou a dificuldade para os velejadores. No fim, os brasucas melhor colocados entre xxx barcos foram: 17º Nicolas Bernal; 40º Rafaela Salles e 41º Lucas Urmenyi. Outros 17 pequenos brasileiros também competiram. Viva o futuro!! Súmula completa em: http://bit.ly/OP_W2015

**  Essa vem direto da lavra de Flavinha e Alê no canal Mar Brasil… De 6 a 11 de julho, foi disputado nas águas de La Rochelle, na França, o Campeonato Mundial da classe J/70. Com 78 barcos na raia, a equipe Buschetta, comandada por Maurício Santa Cruz, do Iate Clube do Rio de Janeiro, terminou em oitavo lugar, com 115 pontos. Boa, Santa!!

**  E em Rimini, na Itália, rolou o Italiano de Snipe. Com vitória tupiniquim! Alexandre “Amiguinho” Tinoco e Nick Grael faturaram o caneco insular com categoria. Parabéns duplo à dupla!!

**  Terminou em Aarhus, na Dinamarca, o mundial do catamarã olímpico Nacra 17. E o Brasil continua crescendo na nova casse e dominando este verdadeiro cavalo xucro dos mares. Nosso casal 20 de rara beleza, alegria e competência André Mirsky e Kyra Mirsky terminou na quinta posição na flotilha prata (38º no geral), com 90 pontos perdidos. João Bulhões e Gabriela Nicolino chegaram em 9º (42º no geral), com 96. E Juliana Mota e Andres Leandro Azabuya ficaram em 10º (43º no geral), também com 96 pontos perdidos. Seguuura peão!!!

**  Mais Nacra…  Duo que tem dominado a classe desde que se tornou olímpica, os franceses Billy Besson e Marie Riou mantiveram a supremacia e venceram o Mundial pela terceira vez consecutiva. Eles também foram os vencedores do Aquece Rio 2014, evento-teste da vela para os Jogos Olímpicos Rio 2016, realizado em agosto e a dupla deve retornar à cidade maravilhosa no próximo mês para disputar novamente o evento-teste na Baía de Guanabara. Feras!!

**  Esta é velhinha, mas tenho que registrar… No mês passado, Martine Grael e Kahena Kunze conquistaram a medalha de ouro na etapa de Weymouth (Inglaterra) da Copa do Mundo Isaf. A dupla venceu com sobras a regata da medalha e terminou a competição com 32 pontos perdidos, deixando para trás as neozelandesas Alexandra Maloney e Molly Meech, que lideravam a disputa ao fim da fase de classificação. De virada é mais gostoso!

**  Em tempo… Foi a terceira participação de Martine e Kahena em etapas da Copa do Mundo 2015 e o terceiro pódio. Elas agora têm um ouro (Weymouth), uma prata (Hyères, na França) e um bronze (Miami, nos Estados Unidos). Ao todo, o Brasil já soma seis medalhas em etapas da Copa do Mundo 2015. Em Hyères, Fernanda Oliveira e Ana Barbachan conquistaram o ouro na 470 feminina. Robert Scheidt, na Laser, e Patrícia Freitas, na RS:X feminina, ficaram com o bronze. Vai, time!!!

**  Terminou também o Europeu de 49er, no Porto, em Portugal. Nossas duplas que disputam a vaga olímpica lá estiveram para mais um round de alto nível. E no final Dante Bianchi e Thomas Low-Beer ficaram em 20º na flotilha ouro e Marco Grael e Coveiro terminaram em 19º na flotilha bronze com uma incrível sopa de letrinhas (BFD, DNE, DNC…) de dar nos nervos.  Como sempre, Peter Burling e Bair Tuke (NZL) venceram. Normal! Os caras, desde a prata em Londres 2012, não deixaram de ganhar nenhum campeonato dos 18 que disputaram nestes 3 anos. É mole??

**  Pouco antes do Pan, também no Canadá, os brasileiros Robert Scheidt e Bruno Fontes correram o Mundial de Laser, em Kingston. O bicampeão olímpico, que buscava o seu 11º título mundial, terminou a competição em 15º lugar, entre 158 barcos, com 132 pontos perdidos. Já o catarinense ficou em 21º lugar, com 165 pontos perdidos. Fora da flotilha ouro, João Pedro de Oliveira foi o 35º colocado na flotilha bronze, com 329 pontos perdidos. Foi duro!!

**  Ainda no raio laser… Vice-campeão mundial em 2010 e 2011, o britânico Nick Thompson foi o campeão em Kingston, com 67 pontos perdidos. Bronze no Mundial de 2013 e ganhador de três etapas da Copa do Mundo de Vela na atual temporada, o alemão Philip Buhl chegou em segundo, com 93 pontos perdidos. Medalha de ouro na etapa francesa de Hyères da Copa do Mundo e vice do mundial no ano passado, o australiano Tom Burton completou o pódio, com 97 pontos perdidos. Alto nível!!

**  E logo ali, em Vladivostok, na Rússia (quem jogava War, conhece…), vai rolar a final da Nation’s Cup da Isaf de match race. Como o Brasil foi campeão na Dinamarca em 2013 nossas meninas estão lá (entre os valetes, só gringos) nos representando. Juju Senfft no leme, Tati Almeida como trimmer, Luciana Kopschitz na secretaria e Larissa Juk na proa vão dominar o Platu 25 pátrio que vai enfrentar mais quatro times nas águas de da baía de Amurskiy. Sorte, gatas!!

**  E com o verão no hemisfério norte a coisa está animada na terra do tio Sam. Neste exato momento rola a tradicional Chicago-Mackinac Race, em sua 107ª edição, a prova “de oceano” do lago Michigan com mais de 300 milhas. Apesar da merreca lacustre, o Maxi Z86 Windquest bateu o VO70 Il Mostro e faturou, pelo terceiro ano consecutivo a fita azul ontem. Congrats!!

**  E hoje larga em Los Angeles, rumo à Honolulu a não menos tradicional Transpac. Disputada desde 1906 por inspiração do antigo rei do Havaí, Kalakaua, a prova de 2.225 milhas atrai barcos de todos os tipos. Neste ano, na flotilha de 61 veleiros, destaque para a escuna Martha, de 1907, e para o antigo Groupama 3 (que já foi o mais rápido do mundo), o maxi-tri de 105 pés, rebatizado de Lending Club 2. Vai ser bonito!

**  A dinamite dinamarquesa explodiu forte no primeiro evento da WIM – Women’s International Match Race –, em 2015, o Mundial da categoria em Middelfart (que numa tradução livre do inglês poderia ser algo como, meio peido… Sei lá… Que bobagem!). A final foi, digamos, toda local e levantou a galera, com as equipes de Lotte Meldgaard e Camilla Ulrikkeholm, disputando o título numa melhor de 5 que viu um 3 a 2 emocionante que, por fim, definiu Lotte, Anne Sofie Munk, Nina Grunow, Vivi Lund Møller, Tina Gramkov e Josephine Nissen as novas campeãs do mundo. Show!

**  E está rolando o Tour de France a La Voile. Após 10 dias de regatas, todas as equipes já têm uma boa noção dos trimarãs Diam 24 e algumas estão começando a brilhar. Apesar de uma colisão com o Prince Bretagne na última prova, que os impediu de cruzar a linha, o Spindrift foi o grande campeão na etapa de Roscoff e subiu para o segundo lugar geral, atrás Groupama, de Franck Cammas. A galera embala os barcos e vai para Les Sables d’Olonne, para o 5º Ato, última parada na costa do Atlântico, antes de ir para Roses, no Mediterrâneo. Dez!!

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  Começa na próxima sexta-feira o Campeonato Mundial de 420 em Karatsu, no Japão. E a dupla do Veleiros do Sul Thiago Ribas e Erik Hoffmann embarcou amanhã para a Ásia para defender nosso país em terras nipônicas. O campeonato conta com 170 barcos inscritos e terá a participação de cinco equipes brasileiras — além da dupla do Veleiros do Sul, também correm o campeonato quatro duplas do Yacht Club de Santo Amaro. Os gaúchos terão aconselhamento de alto nível com o técnico argentino Pablo Volker, campeão mundial de 420 em 2011. Sorte a todos!!

**  No dia 16 de agosto rola a clássica Rolex Fasnet Race com recorde de 390 barcos (de 25 países) e mais de 4 mil velejadores. A regata bienal é um marco da vela mundial e um dos grandes desafios de nosso esporte. Neste ano os recém nascidos IMOCA60, que correrão a próxima Vendée Globe vão testar seus novos fólios por lá. Imperdível!

**  De 1º a 8 de agosto rola em Palma de Maiorca a 36ª Copa del Rey. Com 72 barcos inscritos a ORC mostra força no evento e é a maior classe presente. Regatinhas nota 10 sempre!

**  Prepare-se!! Vem aí o Circuito Rio! No dia 26 de outubro acontece a 65ª Regata Santos-Rio e de 30/10 a 02/11 o circuito no ICRJ. As inscrições até 1º de outubro têm bons descontos. Aproveite!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  Terminou a Solitaire du Figaro! O francês de 41 anos Yann Elies, no
Groupe Queguiner – Leucemie Espoir foi o grande vencedor após 4 etapas entre Bordeux, Sanxenxo (ESP), La Cornouaille, via pedra de Fastnet, a Torbay (GBR) e final em Dieppe. Neste vídeo de 13 minutos, a história toda da 46ª edição do desafio solitário! Maneiro!! http://bit.ly/Sol_Fig2015

**  A página de vídeos da Semana de Ilhabela está, por assim dizer… Bela! O videomaker Felipe Castellari cobriu a 42a. Semana de Vela de Ilhabela e colocou ar no três vídeos com as regatas dos primeiros dias do evento. O Team Crioula, do Camiranga, fez um registro histórico da Regata Alcatrazes, quando bateram o recorde do percurso de 60 milhas. Confira!! http://bit.ly/Ilha2015_Vids

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Quem veleja sabe… Atravessadinha básica de balão no estilo terror e pânico (passageiro ou não…).

ihdeumerda_002

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Uma vida sem desafios não vale a pena ser vivida.” Do filósofo Sócrates, o grego e não o corintiano.

Fui!! Tentando fazer valer a pena…

Murillo Novaes

 

 

 

Resumão de segunda na quarta. VOR, Pan, Rio2016, Golden Globe, TP52, Soling, Medemblik, Kiel, ABVC, abraço e muitooo mais!

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

E o Brunel venceu a travessia do Atlântico Norte na VOR.

Brunel vence a 7ª perna da Volvo Ocean Race. Convocada a equipe brasileira de vela para o Pan 2015 em Toronto. Fernanda Oliveira e Ana Barbachan garantidas no Rio2016. Nova Golden Globe quer resgatar espírito da regata original de 1968.

E mais: Rán vence TP52 Super Series em Valência. Brasucas estreiam na Delta Lloyd Regatta, em Medemblik. Primeira etapa do Warm Up teve ventos fracos em Ilhabela. Lars Grael vence Taça Comodoro de Oceano no Rio. Na Taça Comodoro Monotipos mais de 80 barcos na Guanabara. Tradicional Taça dos Lagos, a 76ª, reúne 109 barcos na Guarapiranga. Prêmio em dinheiro é incentivo para a Semana de Kiel 2015. Louis Vuitton volta a patrocinar Copa América. Nelson Ilha e família brilham no Mundial de Soling na Hungria. Isaf estimula vela jovem em Moçambique com presença brasileira entre os técnicos. Escola de Marinharia e Vela começa a nascer em Brasília. Isaf discute uso de ponto eletrônico na vela olímpica. Robert Scheidt vence semana olímpica italiana em Garda no Laser. Corta Vento vence regata solitário em Floripa. Gusmão e sua amada faturam regata Ela e Ela em SC. Edu Penido e Renato Araújo em 3º na Normandy Channel Race de Classe 40.

Agenda: Brasileiro de Velamar22 em Brasília. Regata da Escola Naval antecipada no Rio. Copa Máster de Laser e Finn no ICRJ. Taça Comodoro de Optimist no Rio. Cruzeiro da ABVC na Hidrovia Tiête-Paraná. Encontro nacional da SBVC em Angra. Churrasco da ABVC Interior em SP. 10º Abraço à Guarapiranga em São Paulo.

Vídeos: Paralímpicos de SP são destaque em programa. Lixo na quilha quase tira título de Lars Grael no Rio. Vídeo final da TP52 em Valência. Maior evento de windsurfe do mundo reúne 1200 velejadores na França.

#ihdeumerda acrobática de Nacra17 em Medemblik. 

Boa noite querido amigo e queridíssima amiga, aqui estamos, direto do covil carioca, transmitindo mais um resumão para o seu deleite e prazer. Neste período de cortes gerais, do orçamento federal aos transeuntes cariocas, já protestando contra o rumo que as coisas estão tomando no país e na cidade olímpica, vamos rápido para o mar porque lá a vida é sempre mais amena.

E, antes, um #ficadica de leve porque a frequência quinzenal desta missiva aquática está deixando o texto loooongo… Faça como Jack Estripador, vá por partes! E já prometo tentar voltar ao semanário de sempre para a coisa ficar mais módica. E lembrando que para acompanhar as novidades diárias da vela é só visitar o FeiciBuque mânzico porque tudo é público por lá e não precisa nem ser adicionado, seguidor ou outras burocracias internáuticas: http://bit.ly/FB_MuNov .

VOR – Largou!! De novo!! E Chegou!! Depois de um interregno charmoso numa das principais capitais da vela mundial, Newport, berço da Copa América por mais de um século, a flotilha da VOR largou rumo à terrinha. E, no sentido contrário ao dos grandes marinheiros d’antanho, os nossos heróis oceânicos se fizeram ao Tejo, origem de boa parte do melhor da navegação de todos os tempos!

E a chegada foi à la VO65 One Design total. Em pouco mais de 2h15m os cinco primeiros barcos chegaram. A vitória, merecida, foi para Bouwe Bekking no Brunel após 09d 11h 09m 49s velejando nas 2.800 milhas do percurso. O MAPFRE veio 22 minutinhos atrás. Mais uma hora e vinte minutos depois chegou o Alvimedica em terceiro e apenas (!!) 55 segundos atrás veio o Dongfeng. Em quinto, 33 minutos depois de um Atlântico inteiro, veio o líder da regata, Abu Dhabi e, pouco mais de duas horas atrás dos árabes, chegaram as meninas do SCA. Foi bonita a festa, ó pá!

Antes da chegada lusa, porém, rolou, claro, mais uma regatinha de porto ainda nos EUA (esses caras são muito rápidos ou este escriba esta lento mesmo…). Como o querido leitor desta sopa de letrinhas já sabe, agora a série de regatas in-port serve apenas como critério de desempate da série principal. Mas como é sempre bom vencer, nosso querido Bochecha comemorou bastante na costa leste dos EUA o triunfo do seu MAPFRE. Foi muito bom, mas resolveu pouco para os espanhóis que, apesar da vitória, ainda estão em 6º geral na série de In-Ports, só atrás do Vestas.

Por falar em Vestas, o revivido barco azul já está em Lisboa alinhadinho ao resto flotilha e pronto para as duas últimas pernas da regata. Belo trabalho do estaleiro Persico!

E enquanto a reconstruída nave dinamarquesa navegava nas estradas europeias, o resto da galera enfrentava o, nem sempre amigável, Atlântico Norte. E o destaque foi para as meninas. Elas tomaram um rumo diferente da flotilha, para contornar pelo norte a alta dos Açores e a ousadia da navegadora Libby Greenhalg quase deu certo. Bem, depois de ficar quase 150 milhas atrás do líder, elas chegaram a estar só a 50 milhas do Brunel. Foi bonita a manobra!! Pena que, no fim, não deu para ultrapassar ninguém…

E pintou um probleminha extra na parada lisboeta para o SCA, o MAPFRE e o Dongfeng, o júri internacional independente da ISAF flagrou, e protestou, os três navegando na contramão de uma TSS (Traffic Separation Scheme, a zona de tráfico marítimo que tem duas “pistas”). Em Lisboa vai rolar a audiência e para desespero das meninas elas ainda estão sendo protestadas por supostamente terem invadido a zona de exclusão da regata em Rhode Island. Que fase!!

Agora a coisa está do seguinte tamanho na súmula: Abu Dhabi 16pts; Dongfeng 21pts; Brunel 22pts; MAPFRE 26pts (com a penalização de 2pts da 5ª perna); Alvimedica 27pts; SCA 41pts e Vestas 52pts. Com duas pernas e sete barcos no páreo pode mudar muita coisa. Tá bunitu!!

E para acompanhar tudo, você já sabe: http://bit.ly/VOR_14_15

CBVela – E agora Felipinho Mendes é o grande assessor de imprensa da CBVela. E sendo assim, já na esperteza de manza, mando aquele velho copia e cola no texto filípico porque o cara é do ramo.

A equipe brasileira de vela que vai disputar os Jogos Pan-Americanos de Toronto, no Canadá, em julho, está definida. O grupo de atletas selecionados, entre novatos e veteranos, soma 32 medalhas na competição. Entre os destaques está Robert Scheidt, que volta à competição em busca de sua quinta medalha, sendo a quarta de ouro. Além dele, Claudio Biekarck, dono de oito medalhas, retorna para sua nona participação no Pan. Ele compete desde 1975 e conquistou a última medalha em Guadalajara, no México, em 2011: o bronze na classe Lightning.

Pela primeira vez como Coordenador Técnico da Confederação Brasileira de Vela (CBVela), Torben Grael, dono de cinco medalhas olímpicas, vai acompanhar a equipe em Toronto com boas expectativas. “Esperamos um bom resultado. Acredito que temos condições de brigar por pódio em todas as classes, mas claro que não vai ser fácil. Depende muito do momento de cada velejador”, comentou. O treinador ainda acrescenta a importância dos Jogos Pan-Americanos no ciclo olímpico de 2016. “É uma etapa importante. No caso da Martine Grael e da Kahena Kunze, por exemplo, dá uma dimensão a elas do que é uma competição assim. Quando chegarem aos Jogos do Rio, já terão essa experiência”.

Com o mesmo número de medalhas olímpicas que o Coordenador Técnico, Robert Scheidt volta ao Pan após ficar fora da competição em Guadalajara. O velejador estreou na competição há 20 anos, em Mar Del Plata, na Argentina, em 1995, quando conquistou a primeira medalha de ouro na competição. “Tenho muito orgulho de voltar a representar o Brasil no Pan. Tenho ótimas memórias dos Jogos Pan-Americanos. Na minha última participação, em 2007, no Rio de Janeiro, não pude fazer uma boa preparação porque já estava em campanha olímpica na Star. Neste ano, porém, o foco é totalmente na Laser”, comenta o atleta, que emendará o Mundial da classe Laser, também no Canadá, com o Pan.

Entre os demais velejadores que compõem o time do Brasil na competição estão as estreantes Martine e Kahena, atuais campeãs mundiais na classe 49er FX, e o veterano Ricardo Winicki Santos, o Bimba, da classe RS:X, que pode conquistar o tetracampeonato pan-americano consecutivo. Ele venceu em 2003, 2007 e 2011.

Confira a lista de velejadores no Pan-americano de 2015:

Robert Scheidt
Classe: Laser Masculino
Nascimento: 15/04/1973
Medalhas em Pan: 3 ouros (1995, 1999, 2003) e 1 prata (2007)
Principais títulos: cinco medalhas olímpicas (dois ouros [1996 e 2004], duas pratas [2000 e 2008] e um bronze [2012])

Fernanda Decnop
Classe: Laser Feminino
Nascimento: 19/06/1987
Medalhas em Pan: ainda não possui

Ricardo Winicki
Classe: RS:X Masculino
Nascimento: 8/05/1980
Medalhas em Pan: 3 ouros (2003, 2007 e 2011) e 1 prata (1999)

Patrícia Freitas
Classe: RS:X Feminino
Nascimento: 10/03/1990
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Martine Grael
Classe: 49erFX
Nascimento: 12/02/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Kahena Kunze
Classe: 49erFX.
Nascimento:  12/03/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui.

João Augusto Hackerott
Classe: Sunfish Aberto
Nascimento:  12/04/1989
Medalhas em Pan: ainda não possui

Alexandre Paradeda
Classe: Snipe Aberto.
Nascimento: 24/11/1972.
Medalhas em Pan: 1 ouro (2007) e 1 prata (1999).

Lucas Huyer Aydos
Classe: Snipe Aberto
Nascimento: 24/06/1996
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Biekarck
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 16/05/1951
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 3 pratas (1975, 1995 e 1999) e 4 bronzes (1987, 1991, 2007 e 2011)

Gunnar Ficker
Classe: Lightning Misto.
Nascimento: 26/11/1954.
Medalhas em Pan: 1 ouro (1983), 2 pratas (1999 e 1995) e três bronzes (1987, 1991, 2007, 2011).

Maria Hackerott
Classe: Lightning Misto
Nascimento: 3/04/1991
Medalhas em Pan: ainda não possui

Claudio Luiz Teixeira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto.
Nascimento: 19/04/1967
Medalhas em Pan: ainda não possui

Bruno Oliveira
Classe: Hobie Cat 16 Aberto
Nascimento: 4/04/1988
Medalhas em Pan: 1 prata (2011)

John King
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 16/02/1960
Medalhas em Pan: ainda não possui

Daniel Santiago
Classe: J24 Aberto.
Nascimento: 10/10/1978.
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007) 1 prata (2003).

Alexandre Saldanha
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 3/11/1970
Medalhas em Pan: 2 ouros (2011 e 2007)

Guilherme Hamelmann
Classe: J24 Aberto
Nascimento: 9/03/1987
Medalhas em Pan: 1 ouro (2011)

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

Fernandinha Oliveira, com Ana Barbachan, vai para a sua quinta olimpíada. Lenda do esporte brasileiro!

CBVela2 – Saiu mais uma convocação pra Rio2016! E a incrível Fernandinha Oliveira vai para sua quinta olimpíada e se igualará a grandes nomes do esporte nacional, à ex-levantadora Fofão e à jogadora de futebol Formiga. Entre os homens, Rodrigo Pessoa, Hugo Hoyama e Torben Grael têm seis participações. Robert Scheidt e Emanuel Rêgo caminham para a sexta. “Cinco Olimpíadas não é pouco. É uma vida dedicada ao esporte”, disse ela. E ainda é a primeira velejadora brasileira, ao lado de Bel Swan, a ganhar uma medalha olímpica, o bronze chinês em 2008.

A dupla Fernanda Oliveira e Ana Barbachan, da classe 470 feminina, foi convocada para os Jogos Olímpicos Rio 2016. A decisão foi tomada após avaliação do Conselho Técnico da Vela (CTV) baseada nos resultados obtidos pelas atletas nas principais competições em 2013, 2014 e início de 2015.

Somente em etapas da Copa do Mundo da Federação Internacional de Vela (ISAF), Fernanda e Ana conquistaram quatro títulos em sete etapas disputadas: em 2013 venceram em Miami (EUA), Palma de Mallorca (ESP) e Hyères (FRA). Este ano, a dupla voltou ao topo do pódio na etapa francesa.

“Estamos muito felizes. Ainda temos muito trabalho pela frente, mas tudo que passamos até aqui valeu a pena. Só quem nos acompanhou de perto sabe o quanto trabalhamos, a quantidade de coisa que abrimos mão em busca de realizar o sonho de disputar os Jogos Olímpicos no nosso país. É indescritível o que estamos sentindo”, afirmou Fernanda.

Até este mês, a dupla disputou 18 eventos no ciclo olímpico da Rio 2016. Além das conquistas nas etapas da Copa do Mundo, Fernanda e Ana venceram em 2014 duas competições na Baía de Guanabara, palco da disputa da vela nos Jogos Olímpicos. Elas ficaram em primeiro lugar no Sul-Americano de 470 e na Copa Brasil de Vela. No evento-teste no ano passado, elas terminaram na quinta colocação.

“Agradecemos de coração a todos que sempre acreditaram em nós, em especial nossa família e nossos patrocinadores e parceiros. Estamos convocadas, mas o foco continua para conseguirmos representar o Brasil da melhor maneira possível”, disse Ana.

Fernanda e Ana disputavam a vaga na Rio 2016 com Isabel Swan e Renata Decnop, que acabaram desfazendo a dupla na semana passada. Em 16 confrontos diretos entre as duas duplas no ciclo olímpico, as atletas classificadas venceram 15. Foi apenas uma derrota para as rivais.

No dia 18 de novembro de 2014, a CBVela havia definido a classificação de outras quatro classes com base nos resultados obtidos pelos atletas nas principais competições em 2013 e 2014. Também estão garantidos na Rio 2016 Martine Grael e Kahena Kunze, na classe 49erFX, Jorge Zarif, na Finn, Patrícia Freitas, na RS:X feminina, e Ricardo Winick Santos, o Bimba, na RS:X masculina. Força, time!! Brasiiiilll!!

Golden Globe – Essa vem direto do meu, do seu, do nosso periódico AlmaNáutica. Ricardo Amatucci conta: “Em comemoração aos 50 anos da histórica viagem de circum-navegação solo realizada em 1968, a famosa Regata Golden Globe vencida por Robin Knox-Johnston, uma nova Golden Globe será realizada em 2018. Mas não se engane: O objetivo é recriar mesmo. Ao melhor estilo retrô, nenhuma tecnologia que não estivesse presente em 1968 será permitida. Sem GPS, eletrônicos, sequer câmeras digitais…

‘Se não estava no Suhaili (veleiro de Robin Knox-Johnston que venceu a regata original), então você não pode usar’, disse o organizador. Alguns itens são considerados equipamentos de segurança e estão permitidos (como luzes e rádios mais modernos, EPIRB e um rastreador e um satfone que só a organização pode acionar). Estão fora: Radar, plotters, telefone celular, CD players, relógios eletrônicos, câmeras de vídeo, iPods, ou qualquer dispositivo baseado em computador, qualquer tipo, equipamentos de satélite, binóculos digitais, calculadoras de bolso, dessalinizador, materiais de fibra de carbono, e quaisquer materiais de alta tecnologia. Sequer um modem no rádio HF para e-mails… Qualquer tipo de medição de vento e velocidade por exemplo, terá de ser mecânica.

Em 1968 não existiam as tecnologias digitais, portanto se o participante quiser documentar ou mesmo enviar mensagem para atualizar blogs, terá que se virar com uma câmera Super 8, filmes fotográficos de 35mm e gravadores de fita cassete.

Outros detalhes estão previstos, como a permissão de uso de informações obtidas de navios que encontrem durante as rotas, exatamente como fazia Robin Knox-Johnston. A entrada em qualquer porto não está autorizada e o navegador só poderá procurar abrigo em baías ou ilhas, lugares não considerados portos”. Duca!!! Para saber mais: http://bit.ly/G_Globe

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

Num dos circuitos de mais alto nível do mundo, o Rán venceu a TP52 Super Series de Valência.

(\_~~ (\_ Rajadinhas (\_~~ ~ (\_

**  Terminou em Valência o primeiro evento da TP52 Super Series. Já com as novas regras em vigor, as máquinas de regata protagonizaram um belo espetáculo. No final deu: 1º Rán, Niklas Zennström; 2º Alegre, Andy Soriano e 3º Sled, Takashi Okura. Super show!!

**  Começou!! Ontem rolaram as primeiras regatas da famosa semana de Medemblik, na Holanda, a Delta Lloyd Regatta e hoje tudo continuou. Os brasucas estão em posições intermediárias. Na Laser Radial, com 82 barcos e 4 regatas corridas, Maria Cristina Boabaid está em 30º; com um 7º hoje, Renata Decnop está em 36º e Odile Ginaid em 60º.

**  Seguindo… Na RS:X masculina, depois de 6 provas, Gabriel Pereira está em 38º e Breno Francioli em 44º de 66 pranchas. Na 49er, depois de 6 regatas, Dante Bianchi e Thomas Low-Beer estão em 24º entre 56 barcos. Na Nacra17, também com 6 provas corridas,  os acrobatas Ju Mota e Leandro Azambuya estão em 30º e André e Kyra Mirsky em 39º entre 42 catamarãs.

**  E nos paralímpicos… No 2.4m, entre 31 barcos, depois de 4 regatas, Mario Czaschke está em 21º e no Skud18, a dupla Breno e Marinalva está em 17º de 17 barcos, depois de um DNF e um DNS ontem e só correr as duas de hoje. Sorte para todos na Holanda!!

**  Por falar neles… Bruno Landgraf embarcou para a Holanda, para este que é o primeiro campeonato que disputa após a mudança de São Paulo para o Rio de Janeiro. A competição em Medemblik serve para medir o desempenho de Bruno e sua parceira, Marinalva Almeida, em relação aos demais velejadores da Skud18. O foco do ex-goleiro do São Paulo está nos Jogos Paralímpicos de 2016. Em 2012, Bruno disputou a Skud18 nos Jogos de Londres, ficando na 11ª posição, mas seu técnico, Pedro Paulo Penna Franca, o PP, afirma que a evolução dele neste ciclo é muito grande e aposta: “repetir a posição de Londres, ele não vai. Pode ter certeza de que ele vai melhorar bastante”. Bons ventos à dupla!!

**  Ventos médios nivelaram as regatas do primeiro fim de semana (23 e 24) do Warm Up para a Ilhabela Sailing Week (ISW), como é chamada a 2ª Etapa da Copa Swift Sport, no YCI. As regatas decisivas serão disputadas no próximo fim de semana (30 e 31). O equilíbrio predominou em todas as classes, com resultados variados diante da dificuldade apresentada. Em cinco regatas da classe HPE, foram duas vitórias do Suzuki Bond Girl, duas do Arretado e uma do Aventura 55. Na competitiva C30, BarrucudaPorscheCaballo Loco e +Realizado dividiram as vitórias na classe. Na RGS Geral, Asbar II venceu duas vezes, contra uma vitória do Montecristo. A RGS Cruiser foi exceção, com três primeiros lugares do Jambock, após os tempos corrigidos. Tudo continua no próximo findes!! Que Éolo compareça também…

**  No ICRJ, no final de semana retrasado, para os veleiros de oceano, e neste, para os monotipos, rolou a tradicional Taça Comodoro. Na semana passada deu Lars Grael, de Stand By Me na ORC, Jack Spot, de Pedro Avelino, na IRC e na RGS, também válido pelo estadual, deu o J/24 Tchau Madona, de Henri Muller. Parabéns aos campeões!! Resultados completos em http://bit.ly/TCo_Oce

** Seguindo… Já neste final de semana, o destaque foi por conta da Taça Comodoro de Monotipos que reuniu mais de 80 barcos de Dingues a HPE 25 nas raias. Resultados em: http://bit.ly/TCo_Mon

**  E por falar em tradição, rolou a 76ª Taça dos Lagos na represa Guarapiranga em São Paulo. No sábado, dia 09/05, rolou mais uma Taça dos Lagos. E o número recorde de 109 embarcações foi alcançado. Sediada pelo YCSA, que conquistou o troféu transitório Ernesto Reibel mais uma vez pela soma do desempenho dos seus velejadores, a regata foi uma bela festa.  A Fita Azul, ficou com o velejador Allan Lowy no seu catamarã  A-Class. Parabéns a todos os participantes!!

**  Como parte do desejo de Hamburgo de sediar os Jogos Olímpicos e Paralímpicos de 2024, a Schleswig-Holstein vai apoiar a tradicional Semana de Vela de Kiel com alguma prata. O prêmio em dinheiro será dado aos três primeiros lugares das classes olímpicas e paraolímpicas na Kieler Woche 2015: 3 mil Euros para o primeiro lugar, 2 mil Euros para o segundo e mil Euros para o terceiro lugar. Mais um motivo para ir a Kiel este ano!!

**  E na Copa América a Louis Vuitton voltou a patrocinar parte da parada. A agora rebatizada Louis Vuitton America’s Cup World Series começa em Portsmouth, no Reino Unido, a partir de 23 e vai até 26 julho 2015. Apesar dos pesares, uma boa nova!

**  Também nas Zorópias, nas águas do belo lago Balaton, na Hungria, está rolando o Mundial de Soling, aliás o Mundial dos 50 anos da classe. E a família Ilha está por lá representando os Veleiros do Sul e o Brasil, claro! E Nelsão, Gustavo e Felipe começaram bem, ganhando a primeira regata, e agora, no penúltimo dia, estão em 5º geral depois de 8 provas. Island family power!!

**  E se não bastasse a profusão insular em águas húngaras, Henrique, Fernando e Pedro Ilha (RGYC) estão em 35º geral e o trio Kadu Bergenthal, Eduardo Cavalli e Renan Oliveira (VDS) estão em 9º… Gauchada forte, tchê!!

**  Já nosso educador oficial da ISAF, Eduardo Sylvestre, esteve em Moçambique participando do programa de nações emergentes da federação internacional, no Youth Sailing Worlds. Cuidando do futuro de nosso esporte! Parabéns!

**  E Ademir Nicaretta quer desenvolver em Brasília, um projeto piloto de criação da Escola de Marinharia e Vela do Brasil, um projeto ambicioso, que era o sonho do saudoso Mestre Fernandes. A escola terá oportunidade de oferecer formação nas diversas áreas náuticas que envolvem desde a construção naval, manutenção naval, condução naval, esportes navais, entre outras. Boa sorte Ademir! E vamos ajudar!!

**  E por falar em ISAF, rolou na semana passada, com matéria excelente n’O Globo e tudo mais, uma polêmica olímpica no encontro da federação. Alguns gringos querem simplesmente introduzir o ponto eletrônico nas regatas do Rio2016… Fala sério!! Agora a ideia é transformar os velejadores olímpicos em jóqueis de controle remoto do técnicos e meteorologistas dos times?? Ainda bem que nosso coordenador técnico da CBVela, Torben Grael, e outras vozes de bom senso se insurgiram contra a ideia. A conferir…

**  Por falar nos olímpicos… Na fase final de preparação para o Mundial de Laser de Kingston, no Canadá (a partir de 29/6) Robert Scheidt venceu Semana Olímpica de Vela, em Garda, na Itália (também conhecida como “lar” para ele), semana retrasada. Scheidt aproveitará a boa fase para os últimos treinos na Itália, ao lado de adversários que também estão velejando em Garda, antes de enfrentar o Mundial e o Pan, ambos no Canadá. Força, alemão!!

** Em Kavala, na Grécia está rolando o mundial máster de Finn. São 204 barcos na água e o ucraniano Yuri Tokovoi lidera depois de duas regatas. Os brasucas Ricardo Carvalho está em 143º e Colin Reed está em 200º. No Finn todos acabam vencendo…

**  Doze comandantes da flotilha de oceano do Iate Clube de Santa Catarina disputaram há duas semanas, a Regata Solitário, primeira das três etapas que compõe a Copa Flotilha neste mês de maio. Comandando por Carlos Augusto de Matos, o C30 Corta Vento foi o Fita Azul da regata após pouco mais de duas horas e cinquenta minutos. Show!!

** No sábado (23/5) o Iate Clube de Santa Catarina sediou a 2ª etapa da Copa Flotilha. A Regata Ele e Ela contou com excelente nível técnico e foi marcada pela condição perfeita de ventos na Baía Sul, que variaram entre 10 e 20 nós, de Norte. Ao lado da velejadora Carla, sua namorada, o comandante Marcelo Gusmão foi o Fita Azul da regata com o Moleque. “Tivemos uma regata muito boa. Sabíamos que a volta seria com ventos fortes e tivemos um lindo dia. Eu e a Carla sempre velejamos juntos e hoje foi mais um excelente dia”, disse. “Eu procuro sempre estar bem atenta ao que ele me pede no barco. A gente veleja bastante juntos”, disse Carla. “O segredo do bom velejador é transformar o amor da vida dele numa boa velejadora”, completou. Sem dúvida! Com a vitória na Classe RGS, o Moleque subiu para a segunda posição na Copa Flotilha, atrás apenas do Tintiun, que venceu na Regata Solitário e acabou em segundo na Ele e Ela. Gusma sabe tudo! De vela e de namoro!

**  Por fim, Edu Penido e Renato Araújo estão se preparando para a pioneira participação brasuca na Transat Jacques Vabre e correndo a Normandy Channel Race de Classe 40, num percurso que sai da França, monta a ilha de Wight, no sul da Inglaterra, Tuskar Rock e Fastnet Rock na Irlanda e volta pra Normandia. A bordo do Zetra nossa dupla está em 3º geral agora, a 19 milhas do líder. Esse é meu ídolo!! Arrebenta, Penido!! Para acompanhar: http://bit.ly/Edu_NorRace

(\_~~ (\_ Agenda (\_~~ ~ (\_

**  Atenção velamaristas de todo o país! O 8º Campeonato Brasileiro da Classe Velamar 22 vai rolar dias 4, 5, 6 e 7 de junho de 2015, no Clube Naval de Brasília. Não perca a chance de dar um velejo no velho e bom Velamar 22. Inscrições no: nautica@clubenavaldf.com.br. Vai ser show!!

**  Tradicionalmente realizada no mês de outubro, a Regata Escola Naval, maior prova náutica da América Latina, chega à 70ª edição no próximo dia 13 de junho. A mudança no calendário tem uma razão especial: as comemorações pelos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo, evento militar decisivo ocorrido durante a Guerra da Tríplice Aliança. A 70ª Regata Escola Naval em comemoração aos 150 anos da Batalha Naval do Riachuelo deverá reunir na Baía da Guanabara cerca de 700 embarcações de diversas classes: Oceânicas, Monotipos, Escaleres, Catamarãs, Veleiros Rádio Controlados, Windsurf e Vela Adaptada. Juntamente com a Regata, haverá a 26ª Meia Maratona de Canoagem. As inscrições são gratuitas e podem ser feitas pelo site do Grêmio de Vela da Escola Naval (http://www.gven.org.br/ ) ou no próprio dia da Regata, até às 11h, nos postos de inscrição montados na Escola Naval e nos clubes coirmãos. Não perca!

**  O ICRJ vai realizar a Copa Máster de Laser e Finn nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô!!

**  E na outra ponta do espectro vélico etário rola a Taça Comodoro da Classe Optimist, também nos dias 30 e 31 de maio de 2015. Alô molecada!!

**  A ABVC convida todos a participar do “5º Cruzeiro Hidrovia Tietê-Paraná 2015”. A partida será no dia 5 de julho, da Marina Sunset BTC, em Barra Bonita, e a chegada no dia 9 de Julho, em Adolfo, partindo de volta no dia 12 e chegada final a Marina Sunset BTC no dia 16 de julho, navegando 500 km da Hidrovia, e terá a duração de 14 dias. Participam embarcações de 16 a 37 pés, em sua maioria a vela, podendo também aderir embarcações a motor. Vale lembrar que o cruzeiro navega durante o dia, a tarde faz uma parada para jantar e pernoite em cada cidade. Um programa bacana e diferente!!

**  E por falar em ABVC… A Associação Brasileira dos Velejadores de Cruzeiro realiza de 4 a 6 de junho (feriado de Corpus Christi) no Bracuhy – Angra dos Reis, o 13º Encontro Nacional da entidade. O primeiro Encontro Nacional foi realizado na Marina Porto Paraty em 2005. A partir de então, todos os anos a associação reúne os velejadores para uma confraternização com palestras, oficinas e, claro, muita festa. Não perca!!

**  Mais ABVC e mais interior… Vai rolar no dia 30/5 o VI Churrasco de Confraternização dos Velejadores do Interior. E Paulo Fax já avisa: “esta edição será muito especial, teremos a palestra do grande Velejador, Campeão Mundial, Empresário, Organizador , Juiz entre tantas coisas que fez pela vela brasileira, Mario Buckup, da North Sails, abordando temas como tempestades, rizos, cuidados com as velas, regulagens e muitas boas histórias”. O custo é de R$35 por pessoa, As confirmações podem ser feitas através do abvcinteriorsp@gmail.com. Tudo rola a partir das 10h da manhã no Hotel do Broa Golf Resort, em Itirapina, pertinho de Brotas, em São Paulo. Festão!

**  O Abraço Guarapiranga é uma manifestação de respeito e carinho da população com as fontes de água de São Paulo e, também, um ato de denúncia e indignação pelo descuido com a preservação dos mananciais.  Em sua 10º edição, no dia 31/5 (Domingo), de 9 às 14h, o Abraço irá mobilizar e alertar os cidadãos, as empresas e os governos para a urgência de se construir uma nova cultura de cuidado com a água. O Abraço Guarapiranga 2015 elegeu como tema “Água é um direito humano. Não se vende, se defende!”. Tudo rola na Av. Atlântica, 1.100 Capela do Socorro e Estrada do Riviera, 3286, M’Boi Mirim. Participe!!

(\_~~ (\_ Vídeos (\_~~ ~ (\_

**  O Clube Superação, em SP, recebeu a equipe da TV Mackenzie na represa Guarapiranga, em São Paulo, para velejar com os paratletas de lá. A vela adaptada foi o esporte escolhido por essas pessoas para mostrar que nenhuma dificuldade é barreira pra quem tem força de vontade! Veja em: http://bit.ly/Mack_TV

**  Direto do canal Mar Brasil. A Taça Comodoro do ICRJ teve 44 veleiros da classe oceano na raia da Baía de Guanabara, no Rio de Janeiro. Além de superar os adversários, Lars Grael teve que lutar também contra o lixo, que quase tirou o título da equipe do barco dele, o Stand by Me, na ORC. Confira no vídeo a retirada do saco plástico da quilha do barco, o resultado da Taça Comodoro na RGS e na IRC, e a exposição ‘Baía Azul’ de Marcus Penido a bordo do iate Santantoniohttp://bit.ly/MBr_TCo

**  Mais uma vez a TP52 Super Series produziu regatas e imagens de altíssimo nível. O vídeo final do evento não deixa dúvidas: http://bit.ly/TP52_Val

**  A Defi Wind teve 1200 windsurfistas na linha de largada no dia 17 de maio em Gruissan, na França. O maior evento de windsurfe do planeta. E foi com ventão! Para quem duvida, veja: http://bit.ly/Defi_Wind

(\_~~ (\_ #IHDEUMERDA  (\_~~ ~ (\_

Na Delta Lloyd Regatta nossa dupla na Nacra17, Ju Mota e Leandro Azambuya viu o mundo de um ângulo diferente. #ihdeumerda leve e super normal no Nacra17.

nacra17_medemblik_ju

(\_~~ (\_ Entre Aspas (\_~~ ~ (\_

“Muitas vezes tentei fugir de mim, mas aonde eu ia, eu estava.” Do filósofo Tiririca sobre a existência e seus desafios.

Fui!! Fugindo de mim mesmo…

Murillo Novaes

 

%d blogueiros gostam disto: